História I Will Always Love You - Capítulo 32


Escrita por: ~

Postado
Categorias Harry Potter
Personagens Arthur Weasley, Draco Malfoy, Gina Weasley, Harry Potter, Hermione Granger, Jorge Weasley, Molly Weasley, Narcissa Black Malfoy, Ronald Weasley
Tags Draco, Dramione, Granger/malfoy, Hermione
Visualizações 283
Palavras 2.556
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Magia, Romance e Novela, Saga
Avisos: Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Bom amores, mais um pra vocês até até eu conseguir fazer a maratona e cumprir minha promessa. Não temos tempo a perder. Boa leitura e espero que gostem ❤😍😙

Capítulo 32 - ~ Capítulo 30 ~


Draco ajudou Hermione a sair do carro e ainda nervosa, ela caminhou até a grande porta da mansão, que pelo lado externo parecia ser de terror. A tinta preta estava mofada e ao redor da casa, o mato alto revelava que a muito tempo a casa não era cuidada. A castanha já estava se preparando para uma das piores visões do interior de uma casa, mas assim que Draco abriu a porta ela se surpreendeu.

De fato, internamente não se parecia em nada com o local em que fora torturada. A sala ampla agora tinha as paredes num tom creme, o sofá era maravilhoso e de canto que contornava uma parte da sala e parecia muito fofo, na cor marrom; suas almofadas totalmente coloridas, davam um ar jovem ao local. Mesa de centro, jarro de flores, cortinas e outros adereços decorativos fizeram com que a castanha até esquecesse a tortura física e psicológica que viveu ali.

- Eu disse que havia mudado algumas coisa, não disse? - O Loiro comentou tirando-a do transe.

- Mas nem se parece com o mesmo local. Tem certeza de que foram apenas duas semanas?

- Aqui eu posso usar magia, esqueceu? - ele disse brincalhão

- Ah, claro que pode. O que obviamente não explica o fato de termos vindo de carro. - Ela afirmou agora encarando Draco, que apenas riu da sua expressão de dúvida.

- Pensei em lhe trazer para cá por meio de aparatação, mas eu conheço você. Não poderíamos aparatar dentro da casa sem assustar minha mãe, que já está com a saúde frágil e mesmo que fizéssemos isso, você iria querer sair e descobrir o local. Se eu aparatasse com você do lado de fora, não iria de maneira alguma querer entrar aqui. E também porque se caso você decidisse não entrar hoje, eu precisaria te levar a um restaurante e não poderíamos aparatar no local - ele disse convencido de que sua resposta havia sido o bastante. Mal sabia que para ela, respostas nunca eram demais.

- E por que me trouxe pra conhecer sua mãe no primeiro encontro? Ousado, não acha? - Ela disse sarcástica enquanto ele ria.

- Na verdade, direto! - foi a resposta.

- Na verdade, completamente sem noção - Dessa vez foi uma voz fina e uma dicção maravilhosa que ecoou pela sala enquanto os dois olhavam juntos para a bela mulher que estava vindo. - Desculpem entrar assim, mas não gosto de deixar visitas esperando. - Ela concluiu sorridente.

- Mãe, você está divina nesse vestido. - Ele disse indo em direção a sua mãe e abraçando-a.

Narcisa trajava um belo vestido na cor rosa claro, quase um bege, usava um belo salto na cor vinho e seu cabelo estava completamente solto. A maquiagem era leve e elegante; Hermione ainda não sabia direito como cumprimenta-la, e vendo-a naquela roupa, sentiu-se desconfortável por estar de calças e tão informal. O silêncio se instaurou no ambiente enquanto Hermione e Narcisa trocavam um sorriso saudoso e ao mesmo tempo tímido então Draco percebendo a situação, pigarreou e disse:

- Mãe, como você já sabe mas agora formalmente, esta é Hermione Jean Granger. Hermione, como você também já sabe, essa é minha mãe Narcisa Black Malfoy.

- É um prazer conhece-la, senhora Malfoy - a castanha disse tímida.

- Ah, por favor Hermione... Pode me chamar de Narcisa e esqueça o senhora. Sou nova demais até para ser mãe do Draco - Ela disse e todos na sala riram. - posso chama-la pelo nome não é?

- Claro. Sem dúvidas!

- Por favor, queiram sentar. O Jantar será servido em 30 minutos, mas antes disso... - Narcisa disse e em seguida bateu palmas, ao que Musgo apareceu. - Musgo, querido, traga três taças e o melhor vinho da dispensa

- Claro, senhora - e assim o Elfo desapareceu enquanto eles se dirigiam ao sofá. Em seguida apareceu, colocou a bandeja com o vinho e as taças sobre a mesa de centro e sumiu novamente.

- Perdoe Musgo, ele não reconheceu você. Desde que você melhorou a vida dos Elfos Domésticos permitindo que usassem roupas limpas, recebessem o devido salário e até férias, você se tornou o mais perto que eles tem de uma Deusa - Narcisa disse enquanto Hermione corava com o comentário e Draco segurava o sorriso.

A situação era cômica, mas não trágica. Hermione obviamente não tinha muito o que falar e nem sequer sabia o que estava fazendo ali, enquanto Narcisa estava tentando puxar um assunto que fizesse a castanha realmente se manifestar e então decidiu servir aos três o vinho e assim deixar a conversa fluir, depois que lhes entregou as taças.

- Sua casa esta realmente linda! - a castanha disse ainda olhando o local.

- é difícil fazer mudanças, mas em partes é libertador. Nunca havia me sentido dessa forma antes; olhar para esse local e não sentir aquela dor no peito é maravilhoso. Draco estava certo.

- E quando é que eu não estou?

- vejamos, quando você trás a sua namorada pra conhecer a sua mãe no primeiro encontro! - os dois sorriem e Hermione fica ainda mais ruborizada - Eu falei algo errado?

- É que, bom... Nós, E-er - a castanha tentou formular uma frase sob o olhar atento de Narcisa.

- ainda não estamos namorando, mãe - Draco disse olhando diretamente nos olhos de sua mãe enquanto Hermione o olhava de canto e sorria com a pronúncia do "ainda".

- Draco! Como você traz ela aqui antes mesmo de começarem a namorar? Quer assusta-la? - perguntou brincalhona enquanto Hermione ficava tão corada quanto o vinho que estava em seu copo. Não pensou duas vezes antes de dar uma golada. Apesar de não gostar de beber nem socialmente, a ocasião estranha pedia por isso.

Antes que o constrangimento tomasse conta do local, Musgo aparece anunciando o jantar e todos vão para a cozinha.

×××

A refeição havia sido maravilhosa. O prato principal havia sido frango ao molho pesto e a sobremesa uma deliciosa torta de limão. A conversa se desenvolveu conforme Hermione tomava o vinho e relaxava; dessa forma conversaram sobre música, decoração, leis e claro, o assunto que não poderia faltar : Draco. Narcisa contava a Hermione cada travessura louca do rapaz quando pequeno, como tentar tosar o gato ou passar o batom de sua mãe para poder deixar os lábios mais rosados. Hermione já havia rido tanto que seu rosto estava completamente vermelho, mas o que realmente ela estava achando incrível era saber que a criação de Draco parecia ter sido sólida e em muitos momentos felizes, então porque ele agia daquela forma?

Não tardou a que a sua resposta viesse. Assim que saíram da sala de jantar e retornaram para o salão principal, Narcisa continuou falando sobre seu filho que muitas das vezes estava revirando os olhos e reclamando das histórias da mãe.

- Após a ascensão de você-sabe-quem, Lucius permaneceu por dois anos tentando descobrir formas de poder, mas quando finalmente desistiu, tivemos paz. Ele não era o tipo de pai ou marido que dirigia palavras boas ou tinha atitudes dóceis, porém sabia exatamente demonstrar sua satisfação com algo que o agradava. Lembro que uma vez, Draco comportou-se muito bem em um jantar de negócios, de modo que os acionistas só fecharam o acordo por conta dele. A recompensa? Lucius apareceu aqui com um malão e dentro dele havia tudo sobre o time de quadribol que ambos torciam. Uniformes, fotos autografadas e até mesmo a vassoura original de um ex jogador. Mas como todas as coisas são incertas, quando Draco completou 11 anos e recebeu sua carta de Hogwarts, o mundo bruxo soube que Harry Potter, o menino que sobreviveu, também estudaria ali. Lucius, que desde o ano anterior descobrira que Lord não estava morto, ficou completamente louco. - Ela disse depois que estavam sentados.

- Posso imaginar como foi difícil para vocês - disse Hermione sentida.

- Na verdade, tudo é uma questão de costume , Herms. Era difícil no início mas depois foi ficando suportável, porém o que eu realmente não suportava era quando ele tocava em minha mãe - Draco disse com o olhar fixo no chão.

- todos nós passamos por maus momentos na vida, querida. O que faz a diferença é saber como sorrir mesmo quando se quer chorar ! - Narcisa disse com um sorriso sincero.

- Eu adoraria prolongar essa conversa depressiva com vocês, mas Hermione trabalha amanhã e não queremos atrapalhá-la, não é mãe?

- Você está me expulsando? - disse a castanha fingindo rancor na voz enquanto Narcisa ria.

- C-claro que não pequena, só não quero te complicar. Além do mais, você tem que descansar, ou já esqueceu do seu ressente coma?

- Okay, vamos. - a castanha disse enquanto tentava levantar, mas sentou-se novamente um pouco tonta.

- Está tudo bem querida? - Narcisa perguntou.

- Acho que isso é o Vinho fazendo efeito. Sou fraca para bebidas.

- Nossa, mas esse vinho quase não continha álcool. - disse Draco.

- Ainda bem, senão eu estaria louca uma hora dessas com as 5 taças que tomei - Ela disse brincalhona.

- Então prefere que eu te deixe na casa dos Weasley's? Pelo menos se você passar mal, não estará sozinha. - Draco sugeriu a olhando preocupado.

- É uma boa idéia! - disse a castanha

- Eu tenho uma idéia melhor - Disse Narcisa com expectativa enquanto os jovens a olhavam - por que você não dorme aqui essa noite?

Nesse momento, Hermione sentiu algo estranho como se estivesse nervosa, mesmo sem saber o motivo. Seu coração acelerou e suas mãos ficaram levemente trêmulas e em seguida dirigiu um olhar sem jeito para Draco, que por sua vez olhou de uma forma repreensiva para a mãe.

- Meus amores isso foi apenas uma idéia! Por que esse susto todo? - Ela disse sorrindo calmamente - Hermione, você aceitou morar por dois meses com Draco mesmo não o conhecendo, por quê não dormir aqui apenas uma noite? Está tarde, você vai ficar sozinha na sua casa assim como Draco e como eu. Amanhã você toma um café da manhã bem reforçado conosco e depois vai para o seu trabalho.

- E-er... Eu não trouxe roupas. - disse procurando uma desculpa.

- Ah, que isso. Uma bruxa tão inteligente como você deve saber conjurar uma roupa e mesmo que não saiba, pode usar as minhas. Tem muita roupa de quando eu era jovem e bonita, no meu guarda-roupas. - Ela disse de forma insistente.

- Mas...

- Mas nada Hermione. Aceite.

- Mãe, não force a barra.

Por um momento o sorriso nos lábios de Narcisa murchou e ela olhou para o filho o compreendendo, mas sabia que não deveria mostrar tristeza naquele momento, então levantou o rosto e tentou sorrir para em seguida assentir.

- Eu posso leva-los até a porta? - Ela disse com a mesma educação, mas com uma ponta de tristeza na voz, que fez Hermione morder o lábio inferior e sentir-se culpada.

- Não precisa, eu aceito dormir aqui - a castanha soltou de forma impensada.

- tem certeza? - Draco perguntou surpreso.

- Ah, talvez seja o álcool. - Ela disse e os três riram - Além do mais, o que iria fazer de tão interessante na minha casa assim?!

- Então está decidido. O quarto Rubi será seu por esta noite. Vamos? - Narcisa disse muito animada, já subindo os primeiros degraus da escada.

- Quarto Rubi? - sussurrou Hermione para Draco.

- Mamãe coloca nomes nos quartos de hóspedes e esse é um dos melhores daqui. Bem feminino e aconchegante - ele disse também baixo enquanto subiam as escadas e seguiam Narcisa.

Não tardou para que Hermione estivesse ouvindo várias histórias sobre como cada quarto foi construído e dando breves olhadas neles, enquanto Draco ria da empolgação da mãe. Depois de passar por umas cinco portas, ela finalmente chegou a uma de madeira branca, muito fina por sinal. Narcisa logo abriu o quarto e Hermione se sentiu ainda mais perplexa. Como aquela mansão poderia ser tão luxuosa e parecer tão sombria outrora?

O quarto era na cor creme e tinha um pequeno e aconchegante sofá, um tapete felpudo daqueles que cobrem todo o chão, a cama tinha várias almofadas e o cheiro do quarto era hortelã. Claro que a castanha logo lembrou do cheiro do seu amado! Além disso, duas portas. Com certeza uma era o banheiro e a outra o closet. Estava admirando a beleza do quarto quando sentiu Draco puxar - lhe pela cintura em um abraço terno e que a deixou tímida.

- Boa noite, pequena. Curta seu quarto e qualquer coisa grita! - ele disse sorrindo enquanto a abraçava.

- Obrigada. Boa noite pra você também - dizendo isso ela o soltou e olhou em seus olhos e por um momento só haviam os dois ali, mas claro que foi apenas por um momento. A senhora que estava ali, pigarreou para em seguida dar boa noite ao seu filho, que logo sumiu da vista de ambas. Elas entraram no quarto calmamente enquanto Hermione visualizava cada detalhe do local.

- Lindo, não? Gastamos uma pequena fortuna aqui, no tempo em que dinheiro era a coisa mais importante desse local. - disse Narcisa.

- Ele é lindo mesmo. Obrigada por me ceder este local para dormir! Acredito que não vou ter noite melhor que essa em minha vida.

- Ah querida, acredite você vai - Ela disse sorrindo maliciosa enquanto Hermione corava. - Bom, sei que posso parecer evasiva, mas poderíamos conversar um pouco?

- claro, pode falar.

- Hermione, quando o assunto é a felicidade do meu filho eu não dou rodeios. Vejo o que ele sente por você e sei que você sente o mesmo,  então o que a impede de estar com ele?

- É complicado! - a castanha disse de forma triste.

- filha eu já tive sua idade e já me apaixonei, sei que quando entramos "nessa" não tem escapatória. Tentamos colocar empecilhos e Desculpas pra não sermos felizes mas isso não vale a pena.

- Eu não conheço nada do Draco, não o conheço de verdade. Como posso me envolver com alguém de uma forma tão grande sem conhecer a pessoa?

- Sabe Hermione, conheci Lucius 15 anos antes de casarmos e antes de namorarmos eu fiz questão de observa-lo de perto por 1 ano. Ele era totalmente diferente do que eu conheci porque na verdade, não podemos conhecer alguém de fato. Nem a própria pessoa se conhece de fato, até passar por algumas situações.

- Mas por que você tem tanta convicção de que vai dar certo?

- Essa é a melhor parte: a gente só sabe. Não tem manual ou magia que desvende isso, mas apenas um coração que conhece e ama seu filho, conhece o coração do mesmo e eu enxergo o coração de Draco, Hermione. Meu filho não tem jeito para namorar, não sabe planejar os melhores encontros e pode acabar com a noite, mas ele está se esforçando por você.

- Eu tenho medo.

- no dia em que você não sentir medo de investir em algo ou em alguém desista; você não quer realmente e de todo o coração, porque querer uma coisa é tão forte que temos medo de perde - la. - dizendo isso Narcisa se levantou e foi em direção a porta, jogando um beijo para Hermione e em seguida dizendo - Boa noite querida. Vou deixa-lá pensar no que eu disse.

- Boa noite... Obrigada por tudo desde já. 


- Por nada!

E assim Narcisa deixou Hermione pensativa, com essa grande responsabilidade nas mãos: ser feliz ou não? Arriscar ou não? 


Notas Finais


Oiii amores, gostaram? Espero que sim porque né. .. de ontem pra hoje já fiz esse com muito carinho e amor! Comentem tá? 😍❤
Não esqueçam de me passar o número do whatsApp para eu poder criar o grupo.
Ah, capítulo que vem tem muiiiito Dramione Shipper's. Prometo 😻
Bjs de Lumus 😙


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...