História Ice Heart - Capítulo 18


Escrita por: ~

Postado
Categorias Fairy Tail
Personagens Angel, Aries, Charlie, Elfman Strauss, Erza Knightwalker, Erza Scarlet, Evergreen, Flare Corona, Gajeel Redfox, Grandine, Gray Fullbuster, Happy, Hibiki Lates, Igneel, Jellal Fernandes, Jenny Realight, Jude Heartfilia, Juvia Lockser, Kagura Mikazuchi, Layla Heartfilia, Lector, Levy McGarden, Lisanna Strauss, Loki, Lucy Heartfilia, Lyon Vastia, Macao Conbolt, Makarov Dreyar, Mavis Vermilion, Meredy, Minerva Orland, Mirajane Strauss, Natsu Dragneel, Orga Nanagear, Pantherlily, Personagens Originais, Risley Law, Rogue Cheney, Sting Eucliffe, Ultear Milkovich, Virgo, Wendy Marvell, Yukino Aguria
Tags Gruvia, Jerza, Lucy, Nalu
Visualizações 83
Palavras 897
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 12 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Colegial, Comédia, Drama (Tragédia), Escolar, Famí­lia, Fantasia, Fluffy, Magia, Mistério, Musical (Songfic), Poesias, Romance e Novela, Saga, Shoujo (Romântico), Terror e Horror, Universo Alternativo
Avisos: Mutilação, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Eu sei que postei um capitulo ontem mesmo, mais não se acostumem.

Capítulo 18 - Capitulo especial: Dias do pais


Fanfic / Fanfiction Ice Heart - Capítulo 18 - Capitulo especial: Dias do pais

Um grito cortou toda a casa, já era costume todos acordarem no meio da noite.

O senhor Dragneel acordou assustado olhando para todos os lados a procura de algum tipo de inimigo, mas não viu nada além de sua esposa segurando a barriga de 9 meses no pé da cama.

– A bolsa estourou – ela falou ofegante mais com um sorriso.

– Amanhã compramos outra, aquela era feia mesmo.

A lerdeza de Igneel foi o bastante para enfurecer a esposa que começou a bater nele com a bolsa em questão.

– Não... É. ESSA BOLSA SEU IDIOTE! 

Igneel atordoado ser apavorou quando intendeu a que bolsa ela ser referia e gritou junto a ela , na verdade mais que ela.

– AGORA! MESMO! EU VOU SER MÃE, PAI! CALMA, CALMA

– Para de me dizer CALMA!

– NÃO, EU FALEI ISSO PRA MIM!

A porta do quarto foi aberta por uma jovem de cabelos castanhos.

– Parem de grita e vamos começa, eu já chamei a Polyushka e a Grandine! – Informou Thame às pressas e foi só falar isso que uma senhora de cabelos rosas chegou correndo no quarto acompanhada por outra mulher de cabelos brancos.

E ali ser iniciou mais gritaria.

Igneel segurou a mão da esposa com força, mais ela tinha mais força e chegou perto de quebra os ossos da mão do marido, Grandine também ajudava a acalma a cunhada, mais chegou uma hora que foi preciso ajuda Igneel a não desmaiar e parar de grita.

Thame ajudava Polyushka, a pequena assistente deu um tapa na cabeça de Igneel e colocou um pano na boca do rosado, abafou o som mais ainda era incomodo.

Por incrível que pareça, Zoe era a mais calma depois Thame, se não fosse o seu corpo naquela condição ela estaria rindo de Igneel parecia levar toda a dor por ela, ria de Grandine correndo pelo quarto a procura de qualquer coisa que nem sabia o que e pra que, ser divertia com Polyushka gritando com todos e achava estranho o jeito da amiga morena, que estava seria e mostrava nenhuma preocupação.

O parto durou horas, horas de grito e desmaios de Igneel que despertava segundos depois.

Os gritos assustaram os vizinhos que chamaram a policia, Thame consegui-o converse-los que o parto já estava no fim.

A população assistia o parto de fora da casa dos Igneel’s, os gritos já eram os suficientes pra eles saberem o que acontecia.

Mais os gritos pararam quando deram calmante. Calmante pra Igneel e começou a ter alucinações.

Igneel agora vinha dragões, e quase levou um tapa quando chamou sua esposa de unicórnio, Grandine de pássaro e Polyushka de dragão, ainda chamou Thame de elfo, mais essa era calma o suficiente para ignorar as alucinações enquanto Igneel contava uma história aleatória sobre elfos, fadas e falava do anel magico do escolhido ( ele era o escolhido) que foi roubado por pessoas-serpentes do mal, o vilão ser chamava “cobraliginada” e era representada por Polyushka.

Enfim, choro, uma criaturinha de cara de joelho chorava nos braços de Polyushka. 

– Parabéns, é um menino – disse Thame entregando a pano embrulhado nos braços da senhora Dragneel.

– Meu menino – chorou ela. – Vai me dar muito trabalho já estou vendo.

Igneel olhava a criança emocionado.

– Parece um joelho de velho fundido com um rato de laboratório. – Comentou.

– ALGUEM TRAS A SANIDADE DO MEU MARIDO DE VOLTA!!

  Quando Igneel voltou a sanidade, precisou enfaixa a mão quebrada e a cabeça cheia de galos pelas batidas de Thame.

As noites Igneel ficava no pé do berço, observando o filho dormir, ser atordoava quando começava a chora e levava ela até a mãe a observava como cuidava do garoto.

– Eu te disse que seria homem. – Falou Silver para Igneel. – Vai cumpri a aposta “ escolhido”.

Igneel quase desmaiou novamente.

– Fraco – falou Zoe sorrindo enquanto Natsu gargalhava vendo o pai levando mico.

A parti de um tempo, quando Igneel ficava mais babão o possível, teve que volta a trabalha pesadamente e quase não via a família, um dia então, no pior de dia.

Igneel segurava Natsu no colo, todos vestidos de pretos, Igneel via o rosto da sua mulher, sempre tão bela, como um anjo até na hora na morte, afinal ser existisse céu, sabia que seria ali que encontraria sua Zoe novamente, era só espera o seu dia.

Natsu olhava tudo, intendendo tudo e ao mesmo tempo confuso, chegou a fazer o teoria que ela estaria dormindo, Igneel queria que ela esteve dormido, e acordaria bem ao lado de Zoe, vendo o seu rosto angelical, teria passado mais tempo.

Teria dado todo seu tempo por mais um dia com ela.

Como um filme começou a chove, e como um conto tudo floresceu.

Igneel sorriu. Ela sabia que Zoe não deixaria nada fica preto e branco, nenhuma chova era triste, aquela chova estava ali pra regar as flores e trazer após um arco-íris.

Natsu ser protegeu no paletó do pai, e depois que saiu ele entregou uma rosa, a mesma rosa que sobreviveu o inverno rigoroso no jardim, a mesma rosa que cortara seu pequeno dedo e fizera sua mãe cantar.

Igneel passou mais tempo em casa, aproveitando o tempo que lhe restava com o presente da sua esposa. Passado noites acordado ao lado do pequeno e protegendo de seus pesadelos. 

Igneel via Natsu brigando com Gray, com socos, chutes, e depois viu eles brincarem na terra como ser nada tivesse acontecido.


  


Notas Finais


Eu sei que esse capitulo foi minusculo.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...