História Ice Heart - Capítulo 49


Escrita por: ~

Postado
Categorias Jogos Vorazes (The Hunger Games)
Personagens Effie Trinket, Finnick Odair, Gale Hawthorne, Haymitch Abernathy, Katniss Everdeen, Peeta Mellark, Plutarch Heavensbee, Primrose Everdeen
Exibições 127
Palavras 1.036
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Drama (Tragédia), Famí­lia, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Universo Alternativo
Avisos: Linguagem Imprópria
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 49 - Preparativos


As semanas se passaram voando, não nego que isso até me alegrava, e ao mesmo tempo me assombrava.

Estava cheirando a primavera, assim como as folhas que mudavam de cor nas árvores, minha vida iria mudar em alguns dias, eu iria me tornar uma mellark.

Sempre que olhava a aliança de compromisso em meu dedo me lembrava das coisas que me fizeram a chegar até aqui, me fazia lembrar minha mãe maluca.

Não tive mais notícias dela, prim se falava com ela na escola, mais não me dizia sobe o que, minha irmã estava sofrendo com essa distância, mais eu não podia arriscar perder mais ninguém. Muito menos prim, que era parte da minha vida tanto quanto esse bebê que crescia dentro de mim.

Engordei um pouco, também minha fome era das grandes. E peeta não ajudava fazendo coisas deliciosas fazendo meus desejos por doces aumentar.

Minha paixão era seu pão com recheio de goiabada, minha boca salivava só de pensar nele.

A mansão mellark estava uma agitação, effie dando ordens, os criados que ela mesma contrato fazendo todo o serviço que ela ordenava.

Pedi que a festa toda fosse recheada de dentes de leão e tulipas brancas, adorava o cheiro delas. Era a única coisa que não me deixava enjoada.

Haymitch ficava louco com a mulher que não parava nem para respirar, meu casamento era algo que tinha que ser perfeito para ela, eu que era a noiva nem estava assim tão agitada quanto ela.

_ effie está levando tudo tão a sério.

Disse olhando da escada ela andando e ordenando de um lado a outro. Peeta me abraço por trás colocando as mãos em minha barriga, sua maior alegria era fazer isso.

_ você não está feliz com tudo isso não é?

Ele me virou e acariciei seu peito olhando em seus olhos azuis. As vezes tão incompreensíveis que era difícil saber o que peeta estava pensando. As marcas em seu rosto o deixavam tão sério.

_ é que tem muito luxo, e não importa o quanto o tempo passe eu não sei lidar com isso. Sabe não foi assim que eu fui criada.

_ eu sei linda, vou pedi pra effie pegar leve.

_ eu quero que seja igual aos casamentos normais do doze, é um ritual não quero quebra-lo.

Peeta suspirou e algo no que eu mencionei não o fez se sentir bem.

_ Katniss quero que nosso casamento seja diferente, é só um ritual bobó.

_ não é peeta....eu quero seguir a tradição.

_ ninguém mais segui. Porque nos temos que seguir.

Ele se alterou e notei que tinha mais nisso do que imaginei. Eu não era a única a ter medo de casamentos. Peeta tinha um trauma dentro dele que precisava ser curado.

_ desculpa.....podi ser como você quiser...

Disse ele por fim saindo da sacada. Suspirei o deixei magoado de novo. Já vê que era minha especialidade fazer isso.

Fui para o jardim. Prim estava brincando com Willow as duas tentavam caçar borboletas. Agora tinha duas crianças para olhar. Prim havia voltado a infância que meio que tirei dela.

Nossa mãe tirou, não gostava de lembrar dela. Era minha mãe mais ela me magoou muito, acariciei meu ventre lembrando da traição dela por mim..logo teria esse bebê também que precisaria de mim, voltei ao meu temor de novo.

Estava perdida em meus pensamentos. Imaginando como seria agora, ainda não sentia nada por esse bebê, eu devia ter algo errado.

_ Katniss...

Chamou prim passando a mão na frente do meu rosto. Sorri olhando pra minha patinha.

_ sim...

_ vem brincar com agente...

Willow pulava tentando pegar as borboletas sem muito sucesso. Cai na risada vendo a carinha emburrada dela.

_ não conseguiu pegar meu amor...

Me abaixei até seu tamanho e peguei o pote de suas mãos..ela ficou me olhando curiosa.

_ eias num vem mamã...

Tão emburrada cruzou os bracinhos ameaçando chorar...prim riu.

_ elas são sensíveis Will...tem que ser gentil com elas..

_ maxi eu xo.

_ está bem. Vamos tentar ser gentil..

Abre o pote e olhei pras borboletas que voavam por cima de nós, Will estava chateada e isso ia durar o dia todo. A pequena era doce havia puxado isso do pai, mais infelizmente herdou a birra e tromba da mãe.

Me levantei e com cuidado tentei pegar esses bichinhos voadores. Elas eram sim sensíveis. Mais irritantes também.

_ não consigo elas são rápidas demais.

Reclamei já cansada, me sentei no chão e olhei pras pestes voadores que sombavam de mim. Willow se deitou em cima de mim, a preguiça rolando solta.

_ e agola mamã?

_ você não quer um peixinho eles são mais fáceis.

Ela ficou emburrada e com a tromba de novo no rostinho de anjo.

_ ta bem..vamos pegar elas ou eu não me chamo Katniss..

Prim suspirou guardando a risada. Acho que já estava me tornando mãe, era impossível ver aquela carinha triste da minha anjinha e não fazer nada. É eu estava me tornando uma manteiga derretida.

Depois de muito esforço consegui pegar uma com uma cor azul brilhante, Willow abriu aquele sorriso que eu tanto gostava, que não conseguia viver sem.

_ você está tão sensível kat, é meu sobrinho que te deixa assim.

Perguntou prim sentada do meu lado, a mãozinha fazendo carinho na minha pequena pochete apelido carinho para minha barriguinha.

Prim nunca deixava de ser assim, doce e sensível, uma coisa boa que ela herdou de nosso pai, a saudade bateu no meu peito e uma lágrima rolou por meu rosto.

_ eu não sei se vou conseguir prim, isso tudo me assusta.

Ela diminuiu o carinho e me olhou.

_ vamos estar com você Katniss, peeta te ama vai estar com você sempre.

_ eu sei, mais ... não sei se vou ser uma boa mãe pra esse bebê.

_ você vai sim, Willow é a prova de que sim.

Disse ela, olhei pra minha menina e sorri, esses meses todos cuidando dela, tive uma experiência tão boa, os meses que ficamos separadas foram os piores da minha vida, como se uma parte minha tivesse sido arrancada a força.

_ é prim você tem toda razão.

Minha patinha sorriu e levantou, Willow correu até ela pra mostrar a borboleta que se agitava dentro do pote.

Não podia viver sem minhas meninas, e nem desistir de tentar ser melhor para elas e pra esse bebê também. Queria ser algo diferente do que minha mãe foi para mim e prim...ia provar que não era igual a ela.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...