História Idas e Vindas - Capítulo 44


Escrita por: ~

Postado
Categorias A Seleção
Personagens America Singer, Anne, Aspen Leger, Carter Woodwork, Celeste Newsome, Kriss Ambers, Lucy, Mary, Maxon Calix Schreave, May Singer, Personagens Originais, Rainha Amberly, Rei Clarkson, Shalom Singer
Tags América, Asperica, Casamento, Drama, Maxerica, Maxon, Paixão, Reviravoltas, Romance, Selecao
Exibições 286
Palavras 2.401
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Famí­lia, Festa, Ficção, Mistério, Romance e Novela
Avisos: Adultério, Heterossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Olá meninas! Eu deveria ter atualizado ontem, mas não deu. Desculpem a demora!

Capítulo 44 - Lights On


Fanfic / Fanfiction Idas e Vindas - Capítulo 44 - Lights On

Marlee

Eu estava tomando banho quando ouvi uma gritaria dentro de casa. Se não estou enganada Kriss e America estão tendo uma discussão. Termino o banho o mais rápido que consigo e me arrumo. Quando saio do quarto, encontro Lucy feliz da vida no corredor.

– Lucy, o que houve? Eu ouvi gritos de Kriss e America...

– Senhorita Marlee, é... – Ela hesitou e olhou ao redor.

– Me diga! America está aqui? Elas brigaram?

– Odeio parecer fofoqueira, mas como a senhorita está perguntando... Ela esteve aqui sim. O Senhor Maxon chegou em casa com um advogado enquanto America batia na Kriss e apartou a briga.

– Não acredito que eu perdi a Kriss apanhando da America! – Eu estava de boca aberta.

– Eu não sei porque isso começou, mas no fim, o advogado testemunhou e gravou Aspen confessando que tem um caso com Kriss, e que o filho dela é dele. Então parece que com isso o casamento vai ser anulado.

– Ai meu Deus! É a melhor coisa que poderia ter acontecido!!! – Abri um sorriso radiante. – Quer dizer, mesmo que isso acabe, Maxon e America não vão poder ficar juntos mesmo...

– Pois é, tem mais uma coisa... – Lucy disse sorrindo.

– O que?

– Eles não são irmãos de sangue!!! – Ela diz praticamente sussurrando. Levo uma mão à boca.

– Tem certeza? Primeiro, você sabia sobre a história de eles serem irmãos?

– Senhorita Marlee, poucas coisas dentro de uma casa podem ser escondidas dos empregados. Todos sabemos sobre o romance deles, mas é claro que somos discretos. Senhor Clarkson e a esposa haviam inventado a história de irmãos de sangue para afastá-los e Maxon casar com a Kriss.

– Inacreditável!

– Mas é a verdade! Agora eles sabem e estão juntos nesse exato momento. Saíram ainda há pouco.

– Eles devem estar tão felizes! Graças a Deus esse pesadelo acabou!

– Pois é! Agora se me der licença, preciso voltar ao trabalho. – Ela estava com alguns lençóis na mão.

– Claro. – Ela saiu e fui pro meu quarto.

<>

Voltei minha cabeça para Carter. Ele voltaria de viagem no fim da tarde e havia marcado um jantar no seu apartamento hoje à noite para nós revermos. Estou com saudade e nervosa por finalmente lhe contar sobre minha história antes de vir para cá.

Quando a noite vai se aproximando, começo a me arrumar. Escolho um vestido branco delicado, mas simples. Não quero parecer muito casual, mas também não muito arrumada. Não paro de pensar na possibilidade de dormirmos juntos hoje. É a primeira vez que estaremos sozinhos no apartamento dele. Chego por volta das19h30.

Quando ele abre a porta e nossos olhos se encontram, meu mundo desmorona. Eu sou tão apaixonada pelos seus olhos. Um sorriso se forma instantaneamente nos nossos lábios.

− Oi. – Digo me sentindo estranhamente tímida. Desde que começamos a ficar juntos nunca tínhamos passado tanto tempo sem nos ver. Haviam sido uns 10 dias.

− Oi... – Ele responde e me olha de cima abaixo. Sinto que devo ter ficado corada. – Entre. – Ele se afasta para o lado e eu entro no apartamento passando bem perto dele, sentindo seu cheiro. Observo a casa um instante, e é tudo exatamente como eu pensei, discreto e organizado. Voltamos a nos olharmos e ele sorriu mais uma vez. – Você está linda. Mais que o normal, quero dizer. – Ele se aproxima e nossos rostos ficam muito perto.

− Obrigada... – Passo as mãos pelo seu pescoço e finalmente diminuo a distância entre nós. Sentir seus lábios macios depois desse tempo é algo tão maravilhoso que me controlo para não gemer e assustá-lo. Quis lhe agarrar desde o instante em que ele abriu a porta.

− Agora podendo te beijar de novo, tenho noção de como senti sua falta. – Ele diz tentando voltar a respirar bem depois de nos soltarmos. Encosto nossas testas e abro um sorriso. – Sonhei com esse sorriso, com esses lábios, e com os seus olhos para me acalmar depois de um dia cheio, mas você não estava lá... – Ele me beija de novo.

− Estou aqui agora, e senti saudade também... – Digo quando finalmente consigo. Dou um beijo nele de novo e Carter começa a me guiar para o sofá. Tiro a bolsa do ombro e deixo cair em algum canto no chão no processo. Ele senta e eu sento no seu colo. Suas mãos estão passeando pelo meu corpo e seus lábios agora beijam meu pescoço. Estou com a cabeça apoiada no pescoço dele sentindo seu cheio delicioso, e prestes a lhe beijar ali também, quando Carter para. Ele vira meu rosto para eu olhá-lo.

− Preciso parar, ou vou queimar nosso jantar. – Ele ri e depois de dois segundos, eu também. Então percebo algo que eu não tinha notado ainda. O apartamento estava com cheiro de carne e um barulho algo fritando vinha da cozinha.

− É você que está cozinhando para nós? – Me surpreendo. Ele nunca havia mencionado que cozinhava.

− Sim. Corro o risco de você desistir de casar quando provar minha comida, mas em minha defesa, já adianto que não vou cozinhar sempre. Você pode contratar a cozinheira que quiser. – Eu dou mais risada enquanto levantamos e vamos até a cozinha.

− Bobo! Tenho certeza que você deve ter escolhido o que faz de melhor só para me impressionar, Chef Woodwork. – Me encosto no balcão da pia, enquanto ele vira a carne na frigideira.

− Mas é claro... – Ele abaixa o fogo e se aproxima vindo me dar outro beijo. Então ele me olha. – Tudo bem com você? Como foram esses dias por aqui?

− Foi tudo bem, aconteceram umas coisas bem inesperadas em casa, mas eu te conto depois... – Beijei sua bochecha. Meus dedos estavam passeando pelo seu braço. Ele estava usando uma camisa de malha branca e azul, normal. Adorava quando ele estava assim, casual, parecendo apenas o meu Carter, e não um filho de político. Ele me olhou profundamente de novo e tocou meu queixo.

− Tem certeza? Você tá com uma carinha apreensiva. Nervosa com alguma coisa? – Deus, esse homem já me conhecia tão bem. Só em me olhar assim ele sabia que eu tinha algo a dizer. Eu não o respondi de imediato e respirei fundo pensando no que dizer. – Ai meu Deus, é sobre essa noite? Quer dizer nós dois aqui... Marlee, não precisamos fazer nada se você não estiver confortável, vamos jantar, ok?

− Ah, não! Não é por isso... – Tenho certeza que devo ter ficado vermelha. – Não, eu sei que você jamais insistiria se eu não quisesse. É que tem uma coisa que eu quero te falar.

− Suspeitei. Pode dizer, meu amor...

− Vamos conversar depois do jantar... Não vou conseguir falar com você terminando de cozinhar. – Ele sorriu.

− Tudo bem. – Ele me deu um selinho, e voltou sua atenção para a comida. Eu o ajudei a colocar a mesa e conversamos sobre a sua viagem.

Nós jantamos o bife ao molho madeira que estava maravilhoso, e conversamos sobre o que eu fiz enquanto ele esteve fora. Contei sobre Maxon e America e Carter ficou feliz por eles. Agora estamos no sofá sentados juntos.

− Você já contou para a sua família em Curitiba sobre nós dois? Eu quero conhece-los, vamos marcar uma viagem para lá, ou será que eles viriam aqui?

− Ainda não contei. – Ele se endireita e me olha.

− Por que? – Fico tensa de novo. É isso, a minha deixa para lhe falar tudo.

− Carter, preciso te contar sobre algumas coisas que aconteceram na minha vida antes de você. – Sua expressão agora estava tensa.

− É sobre isso que você queria conversar mais cedo?

− Sim.

− Ok. Estou ouvindo. – Respiro fundo, e me concentro.

− Eu tive um relacionamento de 4 anos com um rapaz. Felipe. Foi o meu primeiro namorado sério e nós estávamos noivos. Então, descobrimos que ele era um psicopata. Felipe era um bandido envolvido com tráfico de drogas e... – Minha voz começou a falhar. Carter segurou minha mão.

− Calma. Nós não precisamos falar disso agora se você não se sentir bem pra isso.

− Não, eu não aguento mais, eu preciso te falar. Já quis te falar isso tantas vezes... – Meus olhos já estavam cheios de lágrimas. – Eu fui quem descobriu sobre tudo de errado que ele fazia e lhe denunciei. Ele foi preso por um tempo, mas conseguiu fugir da cadeia, e tentou me matar.

− O que?

− Eu fui praticamente sequestrada pelo Felipe e ele teria me matado, mas a polícia nos encontrou. Ele é louco Carter, Felipe é obcecado por mim, e agora ele tem raiva porque fui eu quem colocou ele na cadeira, duas vezes. Foi por isso que eu vim pra cá. Eu precisei meio que fugir. E agora, tenho medo que ele consiga sair de novo e faça alguma coisa com a minha família. – Carter me ouvia atentamente. – Eu falo com a minha mãe todos os dias e ela tem procurado alguma cidade pra se mudar, não sei porque ela não quer vir morar aqui... – Ele enxugou uma lágrima do meu rosto.

− O fato de eu ainda não ter contado pra ela sobre nós dois, é que... A minha mãe ficou muito mal com a história do Felipe. Ela ficou traumatizada, durante o tempo que eu ainda fiquei em casa, ela falava o tempo todo em me afastar, em não querer que caras chegassem perto de mim. Aí eu vim pra cá e apareceu você... Eu tenho medo da reação dela. – Carter me abraçou forte.

− Meu Deus, Marlee. Não sei o que posso dizer pra melhorar minha credibilidade, afinal, você conhecia o Felipe há anos, e mesmo assim, parece que não sabia nada de verdade sobre ele. Aí eu chego e te peço em casamento dentro de uns dois meses... Você acha que sua mãe vai surtar?

− Exatamente... Sabe, eu confio em você. Casos como esse do Felipe são raros, ele era uma pessoa totalmente desiquilibrada, e dava sinais disso, mas eu não via porque estava cega e apaixonada. Eu sei que o que temos é verdadeiro e transparente, mesmo que com tão pouco tempo. Só que pra tornar isso oficial mesmo, teremos que ir com calma com a minha família.

− Tudo bem, eu entendo. Eu amo você. E eu vou esperar quanto tempo for necessário pras coisas melhorarem e podermos estar casados e juntos de verdade. É como eu disse na noite em que eu te pedi por isso, não precisamos apressar. Só quero que saiba desde agora que é isso que eu pretendo. Te ter comigo pra sempre. – Uma lágrima escorreu do meu rosto e eu abri um sorriso antes de lhe dar um beijo. Durante a conversa, ele havia me apoiado no seu peito e agora estávamos deitados juntos.

Então fiquei ali sentindo o calor do seu corpo enquanto ele fazia carinho no meu cabelo e me dava a certeza de que não poderia ter dado certo com nenhuma pessoa, ou psicopata, antes, porque ele esteve esperando por mim. É desse modo que entendemos as coisas pelas quais passamos: quando o que vem em consequência nos guia para o nosso verdadeiro destino. Sem ter precisado fugir, talvez eu nunca tivesse encontrado Carter. Acabei dormindo em seus braços.

<> 

Mais tarde, acordo e percebo que ainda estamos na sua sala, mas está escuro lá fora, a noite não acabou. Me levanto cuidadosamente para não acordar Carter e o observo dormir calmamente. Vou até a cozinha e bebo água pensando se devo acordá-lo para ele ir para a cama. São 01h15 da manhã. Caminho até a janela francesa e observo a noite linda que estava fazendo. Não sei quanto tempo passei ali até sentir Carter atrás de mim.

– O que é que você tá fazendo aí? – Ele me abraça por trás, e deposita um beijo no meu pescoço. Minha pele se arrepia inteira sob seu toque. Me viro e o abraço.

– Olhando como a noite tá linda hoje.

− Caramba, quanto tempo a gente dormiu?

– Já passa de 01 da manhã...

– Você quer que eu te leve pra casa?

– Não! – Uni nossos lábios. Carter me retribuiu um beijo preguiçoso. – Quero que me leve pro seu quarto. – Ele sorriu tímido e me beijou de novo. Ainda sem soltar meus lábios, me guiou pelo corredor e entramos no quarto dele.

– Tem certeza? – Pergunta.

– Absoluta. – Digo e sorrimos um para o outro. Nós nos beijamos de forma mais intensa e ele tenta descobrir como abrir o meu vestido.

O ajudo e logo a peça está no chão. Carter acendeu os abajures deixando o quarto iluminado o suficiente para enxergar meu corpo praticamente nu em sua frente. Ele olhou em meus olhos e passeou com as mãos pela minha cintura me puxando para perto.

– Você é tão linda... Estou me sentindo o homem mais sortudo do mundo por poder amar você assim. – Eu sorri e lhe beijei passando as mãos pelo seu pescoço e lhe puxando para a cama.

– Eu te amo. A sorte é minha por ter você!

Nos beijamos, e logo não existe mais nenhuma peça de roupa entre nós. Fazemos amor e sou inundada por sensações que eu nunca quero esquecer. Quero ser de Carter pelo resto da vida, porque ninguém mais vai me conseguir me amar assim.

<> 

Quando acordei no dia seguinte, eu estava sozinha na cama, nua entre os lençóis de Carter. Me sentei na cama e cobri meu corpo prestando atenção ao meu redor. Haviam na cama várias flores murchas, algumas já secando. Quando comecei a me perguntar o que isso significava, Carter entrou no quarto. Ele estava com uma toalha enrolada na cintura e os cabelos molhados, havia acabado de sair do banho.

– Bom dia! – Diz sorrindo para mim.

– Bom dia... Posso saber o que significa isso? – Perguntei olhando novamente as flores. Ele subiu na cama e me beijou.

– Toda vez que eu ia num compromisso da viagem e via flores na decoração, lembrava de você. Então eu sempre pegava uma e meio que fiz uma coleção de flores para te dar. É um gesto bobo, mas eu tô descobrindo que sou um romântico...

– Carter... – Meu sorriso foi enorme quando o empurrei na cama e lhe beijei de novo. – Não é bobo, é lindo! Vou guardar todas elas junto com as outras que você já me deu!

Ficamos mais um pouco aos beijos e em seguida fui tomar um banho arrastando Carter comigo, que acabou tomando banho mais uma vez. 


Notas Finais


Música do capítulo: LIGHTS ON - SHAWN MARAVILHOSO MENDES

"I can't deny I want your body
But I'm a gentleman
So I'll be the one who take slowly
Cause girl you're beautiful

I wanna love you with the lights on
Keep you up all night long
Darling I wanna see every inch of you
I get lost on the way you move

I wanna love you with the lights on
Hold you till night's gone
Darling I wanna see every inch of you
I get lost on the way you move
I wanna love you with the lights on..."

"Não posso negar que quero seu corpo
Mas sou um cavalheiro
Então serei eu quem vai devagar
Pois garota, você é linda

Eu quero te amar com as luzes acesas
Te manter acordada a noite toda
Querida, eu quero ver cada centímetro do seu corpo
Eu me perco na maneira como você se mexe

Eu quero te amar com as luzes acesas
Te abraçar até a noite ir embora
Querida, eu quero ver cada centímetro do seu corpo
Eu me perco na maneira como você se mexe
Eu quero te amar com as luzes acesas..."
https://www.youtube.com/watch?v=kecPRBBSGGk


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...