História Idas e Vindas - Capítulo 13


Escrita por: ~

Postado
Categorias Naruto
Personagens Hinata Hyuuga, Naruto Uzumaki, Sakura Haruno, Sasuke Uchiha
Tags Borusara, Gaaino, Inohima, Konohana, Mitsuchou, Naruhina, Nejiten, Sasusaku, Shikatema
Exibições 79
Palavras 2.970
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Artes Marciais, Aventura, Comédia, Drama (Tragédia), Ecchi, Famí­lia, Fantasia, Ficção, Hentai, Luta, Romance e Novela, Violência
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Spoilers, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


OIIIIII, voltei aqui com mais um capítulo, e hoje teremos o enfoque na Sakura atuando como médica, espero que vocês gostem!
Sem mais delongas, vamos ao capítulo....
Boa leitura!

Capítulo 13 - Capítulo Treze


Fanfic / Fanfiction Idas e Vindas - Capítulo 13 - Capítulo Treze

 Kuroko tomava um delicioso suco de laranja em sua casa junto de sua mãe. 
 Relembravam momentos bons e davam risadas gostosas com uma ou outra situação engraçada. 
 De repente, a porta da casa se abre e por lá entra Konohamaru. 
- Dê a volta e vai embora, não quero olhar pra sua cara depois o que fez ontem. - Falou Kuroko de modo frio, sem olhar para o amigo. Ysame se levantou e saiu do cômodo. 
- Cara, eu não consegui encontrar a Hanabi. Ela foi? - Perguntou Konohamaru. 
- Foi, e ela viu você se esfregando na nova integrante do time. Ela tá se sentindo duplamente traída. - Respondeu o loiro dando um gole em seu suco. 
- Argh! A Rennè que me agarrou, eu soltei ela na hora! - Praguejou o Sarutobi. 
- Sei não hein, você tava muito perto dela pra quem foi agarrado de súbito. - Debochou o Talaka, rindo internamente. 
 Konohamaru e Kuroko suspiraram ao ouvir a porta da frente bater com força. O moreno logo fechou a cara, e o loiro estava meio decepcionado. 
- Desculpa, tá legal? - Falou Rennè debruçando-se na ilha da cozinha onde os dois tomavam café. - Eu não deveria ter feito aquilo mas, agi por impulso, espero que me perdoem. 
 O silêncio tomou conta da cozinha enquanto os três se encaravam. 
- Você se comportou como uma pu... - Começou Konohamaru. 
- Como uma qualquer. - Kuroko interrompeu o amigo, antes que falasse besteira. - Sabia que ele tem namorada, ou pelo menos tinha, e aí você faz uma coisa dessas? Sabia que a Hanabi viu? 
 Rennè ficou pálida. 
- E-eu p-preciso achar ela e-então. - Gaguejou a garota. - Explicar que a culpa foi minha e... 
- Eu não quero saber de nada. - Falou uma voz bem conhecida vinda do fundo escuro da sala. - Eu e você não temos o que conversar, querida. 
- Hanabi! - Falaram os garotos ao mesmo tempo. 
- Em carne, osso e byakugan. - Falou a morena saindo das sombras com um sorriso cínico que não chegava aos seus olhos. - É um prazer revê-los. 
- Hanabi, precisamos conversar. - Disse Konohamaru, já ao lado da Hyuuga. 
- Eu entendi o que houve, não precisa explicar, aliás, também preciso falar uma coisa. - Falou Hanabi, pela primeira vez, sorrindo gentil. - Agora essa vaca, ela vai apanhar. 
- Hanabi, eu sei que errei, mas estou arrependida, me perdoe. - Disse Rennè com a cabeça baixa. 
 Hanabi avaliou a garota, pesando se ela estava ou não mentindo e se fazendo de vítima. Nem se deu conta de quando ativou seu kekkei genkai, vendo que o fluxo de chakra de Rennè estava cada vez mais fraco. 
- KUROKO SEGURA ELA! - Gritou Hanabi. 
 Kuroko se levantou rapidamente a tempo de segurar Renné, que caiu desmaiada em seus braços. 

 Lá fora, onde Kalyste e Atsune aguardavam em silêncio, podiam ouvir a gritaria dentro da casa.
 Kalyste avaliava Atsune atentamente. 
 O cabelo ruivo caia rebelde sobre os olhos verdes. O rosto sério e o pequeno ar de um sorriso irônico nos lábios o deixavam encantador. 
 A Talaka não entendia o que havia acontecido. Em um momento ela sorrira para Kuroko antes de cair em um lago. Se lembrava do seu corpo congelando em questão de segundos, e logo após, o vazio. 
 Aí, acordou em um lugar bem estranho, parecia uma caverna. Era úmido e quente. Caminhando por alguns dias, Kalyste encontrou a base de treinamento do País do Demônio, muito diferente de sua casa no País da Água, na Vila da Neve. 
- KUROKO SEGURA ELA. - Ouviram o grito de Hanabi vir de dentro da casa, e antes que pudessem ir ver o que houve, Atsune abraçou Kalyste. 
 E desmaiou. 

POV SAKURA ON 
 
 Acordei sentindo um abraço forte e possessivo ao redor da minha cintura. Sorri imediatamente. 
 Imagens da noite anterior dançavam em minha mente e me deixavam um pouco envergonhada e um pouco desejosa de repetir tudo de novo. 
 Me virei e fiquei de cara com Sasuke, que dormia serenamente com um sorriso de canto bem leve no rosto. 
 Beijei sua boca de leve, e fiz menção de levantar para tomar um banho, mas fui surpreendida por um puxão forte em minha cintura, fazendo com que meu corpo colasse com o dele. 
- Você não vai me deixar, não é? - Disse ele com uma voz rouca e excitante de quem acaba de acordar. 
- Claro que não. - Acariciei seu rosto. - Só ia tomar banho e preparar um café da manhã pra nós dois. 
- Então, vamos. - Falou ele me pegando no colo e levando até o banheiro. 
 Soltei um gritinho ao sentir o piso gelado sob meus pés descalços, e uma brisa passar pelo meu corpo livremente, pois eu só vestia a camisa social do Sasuke, e ele estava de cueca box. Senhor, que corpo... 
 Meu moreno ligou a torneira da banheira e colocou alguns sais de banho e espuma. 
 Logo a banheira encheu, e ele tirou a cueca e entrou dentro dela. 
- Não se acanhe, pode entrar. - Disse ele me olhando de uma forma que não tinha como desviar o olhar. 
 Lentamente, comecei a desabotoar cada botão da camisa que eu vestia, deslizando-a por meus ombros quando terminei, mostrando meu corpo todo nu. 
 Sentei na banheira de costas para Sasuke, e ele me abraçou por trás, beijando meu pescoço e acariciando meus seios.
- Vira de frente pra mim. - Sussurrou em meu ouvido, e eu fiz o que ele pediu, sentando no colo dele e ficando cara a cara. - Você é tão linda... - Sussurrou beijando e chupando meu pescoço. - Tão gostosa... - Apertou minhas nádegas pressionando nossas intimidades uma contra a outra. 
- Aahhnn... - Gemi sem me controlar, aquilo era gostoso demais. 
- Isso rosada, geme pra mim... - Dizia ele mordendo minha orelha e passando a cabecinha do seu membro no meu clitóris.
- Sas-Sasu-ke...
 Ele penetrou seu membro em mim de uma vez, arrancando-nos um gemido alto.
 Sasuke olhava no fundo dos meus olhos, e segurava meu quadril, instruindo como eu deveria rebolar sobre si, e eu obedecia. 
- Rebola pra mim... isso... bem gostoso... - Ele rosnava em meu ouvido cada vez me excitando mais. 
 A água transbordava da banheira e derramava no chão, mas nem eu e nem Sasuke nos importamos, eu só sabia gemer seu nome e gritar coisas desconexas.
 E com minha cabeça jogada pra trás e ele com a boca ávida sugando meus seios, chegamos juntos a um orgasmo incrível. 
 Caí desfalecida sobre seu corpo e ele abraçou minha cintura, os dois ofegantes. 
- Você é maravilhosa. - Ele disse de um jeito terno, fazendo um sorriso nascer em mim. 
- Você não fica atrás. - Falei encarando seu membro enorme por baixo da agua, o que arrancou risadas de Sasuke. 
- Você fica linda vermelhinha. - Ele agarrou minhas bochechas e beijou cada uma. Pronto. Tenho certeza de que corei mais agora. 
- Eu, bem, nós, é... - Droga Sakura, você não é a Hina pra gaguejar! - Vou fazer o café. 
- Tudo bem, vou terminar aqui e já vou lá com você, Little Cherry. - Disse Sasuke com um sorriso irônico. 
- Do que me chamou? - Olhei irada para ele, que alargou o maldito sorriso. 
- Prefere Irritante? 
- Insuportável. - Bufei me levantando e vestindo minhas roupas. 
 Ao sair para preparar o café, pude ouvir ele dizer "Cherry Irritante". Acho que prefiro mesmo o "Irritante". 

 Estava caminhando com Sasuke até o hospital quando vi uma movimentação na entrada. Me despedi dele com um beijo rápido e corri até o lá.
- Hanabi-chan? - Chamei a irmã de Hinata, que deveria estar no País do Demônio treinando. Fiquei confusa. 
- Sakura-san! - Disse ela ao me ver. - Você precisa ajudar meus amigos! 
- Espera, se acalma. Que amigos? 
- Rennè e Atsune-kun. - Falou ela segurando em minhas mãos. - De uma hora pra outra o fluxo de chakra dos dois se enfraqueceu, e agora eles estão inconsistentes. Vi tudo graças ao meu Byakugan. 
- Está bem, vou dar uma olhada neles. - Me apressei até a emergência e passei por Konohamaru e Kuroko, que estavam bem aflitos na sala de espera. 
- Sakura-san! - Hanabi veio correndo até mim. - Esqueci de dizer, tem uma pessoa importante conversando com  o Hokage, e ele pediu sua presença, do Sai-san e do Sasuke-san para desvendar as coisas, na ausência do Naruto-nii-san. 
- Tudo bem, agora fique junto dos garotos, eles precisam de você. 
 Ela assentiu e sentou entre Konohamaru e Kuroko, segurando nas mãos dos dois passando força. Me recordei de mim mesma aos doze anos no Time 7. 
 Entrei na emergência vendo Rennè com seus cabelos castanho-avermelhados espalhados pela cama, e ao seu lado, um ruivo que me lembrava muito alguém, mas não consigo lembrar quem. 
 Afastei tais pensamentos com um chacoalhar de cabeça e comecei a analisar os pacientes. 
- Keiko. - Chamei minha enfermeira assistente que prontamente se colocou em pé ao meu lado. - Sinais vitais. 
- A mocinha está com a temperatura em 37 graus, batimentos a 70 bpm, nível de saturação em 93% e pressão arterial em 11/7. - Disse Keiko olhando em uma prancheta. - O garoto está com a temperatura em 37 graus, batimentos a 89 bpm, nível de saturação em 96% e pressão arterial de 12/9. 
 Mordi a unha do polegar curiosa. Aparentemente, eles estavam bem, o que poderia ter deixado os dois inconscientes? 
- Keiko, prepare uma ressonância magnética, tomografia e elétron do coração. Quero também raio x do tórax e crânio e amostras de sangue para exames toxicológicos, de doenças crônicas, e no caso da garota, de gravidez. O mais rápido possível. Aparentemente eles estão bem, mas pode ser questão de tempo até haver alguma complicação. 
- Hai. - Respondeu Keiko já se retirando para fazer tudo. Seria um dia cheio. 
 Fui ver meus outros pacientes enquanto os dois faziam exames e eu aguardava os resultados dos exames, até que o que eu temia aconteceu. 
 Durante a espera, Atsune e Rennè começaram a passar muito mal, o nível de saturação, que é a quantidade de oxigênio no sangue, caiu para 70%, 64%, 58% e continuava a cair, sendo que níveis normais são superiores a 89% 
- Ah droga! KEIKO! AMAYA! YUNO! ME AJUDEM, DEPRESSA! - Gritei desesperada na porta da emergência chamando minhas enfermeiras, e elas correram o mais rápido possível. 
- O que houve, Sakura-sama? - Perguntou Amaya. 
- O nível de saturação dos dois está caindo drasticamente, vamos precisar entubar. Preparem os dois, eu já volto com os tubos e o respirador. 
 Elas assentiram e mais que depressa começaram a preparar os pacientes para receber os tubos endotraqueais. 
 E quanto a mim? Sai em disparada até a sala de trauma, onde guardávamos tubos de diversos tamanhos e respiradouros. 
 Saí apressada pelos corredores e encontrei com Hanabi, Konohamaru e Kuroko me perguntando como os amigos estavam. 
- Não posso falar agora, então por favor, se acalmem. - Falei para eles os deixando nas cadeiras e corri para a sala de emergência. 
 Chegando ao meu destino, analisei os dois e percebi que o nível de saturação estava em 39%, muito baixo. Entubamos primeiro a Rennè, que estava com a pressão arterial mais baixa, e depois Atsune. O alívio foi mútuo ao perceber o nível de saturação dos dois normalizar após aquilo. 
- Sakura-sama. - Disse Yrui, o rapaz que cuidava das amostras de sangue e das ressonâncias magnéticas entrando na sala de emergência. - Acho que vai querer dar uma olhada nisso. 
 Assenti e o segui até onde se realizava as ressonâncias. Geralmente quando os médicos são chamados até lá, é porque algo de muito errado está acontecendo. 
 Chegamos na salinha escura de monitoramento das ressonâncias, e ele me mostrou as dos meus dois pacientes. 
 As duas apresentavam a mesma coisa. Um grande fluxo de chakra acumulado dentro do cérebro, fazendo-o não suportar a força, e acabar em hemorragia. Me assustei por dois motivos. 
O primeiro: Como alguém pode acumular tanto chakra assim em um só ponto? Nem Tsunade-sama conseguiu. 
O segundo: Eu realmente tinha um caso grave em mãos, e se não fizesse algo a respeito logo, os dois iriam morrer dentro do meu turno, e era algo que com toda a certeza, eu não iria permitir. 
- Muito obrigada, Yrui-san, eu vou... 
- Não é só isso, Sakura-sama, veja. - Ele me entregou os resultados dos exames de sangue. 
 Toxicológico: Negativo para todo tipo de substância. 
 Contagem de hemácias e leucócitos: Normal. 
 Doenças crônicas: Negativo. 
 Gravidez (Nos exames de Rennè): Negativo. 
 Tipagem Sanguínea: O- 
 Mas o que me deixou em choque foi: 
 Ligações consanguíneas entre os pacientes: Positivo. 
 Eu estava tratando de dois irmãos de sangue, e agora tudo fazia sentido. 

- Eu já descobri o problema. - Falei assim que cheguei próxima aos meus pacientes. - Sei que ela é paciente e deve repousar, mas preciso muito da presença de Sabaku no Ino aqui agora, ou eles irão morrer. 
- Sakura-sama, como podemos ajudar? - Perguntou Yuno. 
- Você e Amaya vão concentrar chakra no crânio dos dois para estancar um sangramento, já podem começar. Keiko? 
- Sim, Sakura-sama? 
- Segure as pontas aqui, vou atrás da Porca. 
 Sai em direção dos quartos e encontrei o de Ino. Entrei sem bater. 
 Ino estava embalando um carrinho com Inojin e outro com Shinki, estes dormiam tranquilamente, igual Gaara no sofá. A loira sorriu ao me ver. 
- A que devo o ar da graça? - Perguntou ela risonha, mas perdendo a alegria ao ver minha expressão. - O que houve? 
- Preciso da sua ajuda. Acorda o palito de fósforo o mais rápido possível e vem comigo. 
- Tudo bem. 
 Ino acordou Gaara e pediu que tomasse conta dos gêmeos, para assim me seguir. 
 Enquanto a gente andava, eu ia explicando o caso para a Porca, e ela ouvia atentamente. 
- E agora você precisa que alguém entre na mente deles para aliviar o fluxo de chakra? - Perguntou ela.
- Isso mesmo. - Respondi apreensiva, se isso não funcionasse, eles iriam morrer. 
- Deixa comigo, Testuda. 

 Ino entrou na sala de emergência e se concentrou por alguns segundos. 
- Jutsu transferência de mente! - Declarou Ino fazendo os sinais de mão, sendo amparada por mim antes que desabasse no chão. 
 Longos minutos se passaram, e de repente, a Porquinha recobrou a consciência. 
- Eu consegui com o Atsune, falta a Rennè. - Falou Ino, ofegante. 
- Você está bem? - Perguntei, já sabendo que iria ter que emprestar um pouco de chakra. - Posso te ajudar com meu selo. 
- Seria bom Testudinha. - Respondeu ela se preparando para aplicar o jutsu em Rennè. 
 Ativei meu selo e imediatamente faixas rosas se espalharam pelo meu corpo, e depois para o corpo de Ino. 
- Jutsu transferência de mente! - E mais uma vez, segurei o corpo da porquinha para que ela não caísse no chão. 
 Demorou um pouco mais na mente de Rennè, mas logo Ino acordou. 
- Eles vão ficar bem agora. Só precisam treinar esse poder. - Disse Ino com um sorriso. 
- Obrigada Porca, pode voltar pro Inojin e pro Shinki agora. 
 Ino me deu um beijo no rosto e seguiu para o seu quarto. 
- E agora, Sakura-sama? - Perguntou Yuno. 
- Deixem eles apenas no soro, retirem os tubos, eles só precisam de descanso. Deem 5 mg de dramin pra eles, e chequem os dois de duas em duas horas. Vou precisar falar com o Hokage, vocês ficarão bem? - Falei olhando Yuno, Amaya e Keiko a minha frente. 
- Hai. - Disseram juntas. 

POV SAKURA OFF

 Sasuke, Sai e Yamato estavam na sala de Kakashi. 
 Sai estava desenhando em um caderninho, Yamato olhava a paisagem e Sasuke tinha um tique nervoso na perna esquerda, que ficava batendo o pé nervosamente. 
- O que estamos esperando? - Perguntou o Uchiha impaciente, pela décima nona vez. 
- Já falei, estamos esperando o resto da equipe. - Suspirou Kakashi. 
 Sasuke bufou. 
 Os homens aguardaram mais três minutos e de repente ouviram a porta abrir. 
- Desculpe o atraso, Hokage-sama, tive casos difíceis no hospital. - Disse Sakura entrando com o cabelo amarrado em um rabo de cavalo alto, desabotoando o jaleco lentamente. Instantaneamente, Sasuke se lembrou dela retirando sua camisa social preta pela manhã revelando o corpo perfeito. 
 O Uchiha balançou a cabeça para afastar tais pensamentos e tratou de se concentrar no que Kakashi dizia. 
- Todos devem conhecer Kuroko e Ysame Talaka, certo? - Disse Kakashi, e os quatro assentiram. - Creio que não conheçam a tragédia da família. 
- Fala de Talaka Kalyste? - Perguntou Sakura, Kakashi assentiu e esperou a rosada prosseguir. - Hinata me contou um pouco sobre isso... Kalyste era a irmã mais velha do Kuroko, e quando ele tinha cinco anos, aconteceu um incidente em um lago congelado e ela morreu congelada. 
- Nossa. - Murmurou Yamato de olhos arregalados. 
- Sim, Sakura. Hanabi chegou ontem à noite em minha sala com uma história de que Kalyste teria ressuscitado. De início pensei que fosse brincadeira, mas... - Falou Kakashi indo até a porta e trazendo duas pessoas, deixando Sakura apavorada. - Depois de ver Kalyste com meus próprios olhos ontem à noite, e hoje pela manhã esse nosso convidado, estou acreditando até em fadas. 
- V-vo-cê! - Falou Sakura horrorizada vendo o homem ao lado de Talaka Kalyste. 
 Yamato e Sai estavam boquiabertos, e Sasuke agarrou Sakura antes que ela desmaiasse, não entendendo nada. 
- E-eu matei vo-você! - Exclamou Sakura apontando para o ruivo a sua frente. 
- É bom te ver também, Sakura-chan. - Disse Akasuna no Sasori com um sorriso nos lábios


Notas Finais


A VOLTA DO SASORI DELICIA
Tcharaaan
E aí? O que acharam?
Vocês desconfiavam da Rennè e do Atsune?
Tenho que dizer que agora vou focar em SasuSaku, pois a fic em si é desse casal, mas no próximo vai mostrar a Hinata e o Naruto em lua de mel.
Não tenho previsão para postar, mas prometo não demorar tanto, então até a próxima...
Comentem!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...