História If I Could Stay Just One Day... (BTS Fanfic) - Capítulo 21


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Personagens Originais, Rap Monster, Suga, V
Visualizações 121
Palavras 2.177
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ecchi, Hentai, Romance e Novela
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Quem tá até agora tombado no chão por causa do Comeback levanta a mão. E aquele MV, sem or... Não sei como eu ainda vivo.

Se me pagassem pra levar tiro eu estaria em Milão, agora.

Mas então, o capítulo tá cheio de drama. Cheio meeeeeeesmo. Tão cheio que poderia ser uma novela de boas.

Capítulo 21 no ar!

Capítulo 21 - Recobrando Os Sentidos


Fanfic / Fanfiction If I Could Stay Just One Day... (BTS Fanfic) - Capítulo 21 - Recobrando Os Sentidos

                   ~Quarto 1001~

Fiquei deitada na minha cama, encarando o teto por uns instantes. Jungkook havia sumido e já faziam quase quatro horas que ele estava longe. Das inúmeras mensagens que eu mandei, sendo a última um mero "Me diga onde está!", ele não respondeu nenhuma. Eu sabia que ele sairia pra não precisar discutir mais sobre o assunto, mas isso já tinha chegado a um ponto preocupante.

"Talvez o Jimin saiba onde ele está..."
Esse foi o pensamento que me fez levantar correndo e bater desesperada na porta do pobre Park. Ele me atendeu pacientemente, sendo essa a natureza dele. Vi por cima do ombro dele que Hoseok e Taehyung estavam conversando. Tae estava com o rosto inteiramente molhado de lágrimas. Hoseok parecia consolá-lo com muita calma, apesar de toda a situação. Entre soluços e engasgos, "a culpa é toda minha" foi a única frase que ouvi sair da boca do Tae.

– Eu sei que é estranho ver ele chorar. – disse Jimin, chamando a minha atenção.

– É sim... Chega a doer. Ele parecia ser um garoto tão adorável e alegre...

– Até a pessoa mais alegre sente dor, Yang-Mi. A gente podia fazer alguma coisa sobre isso.

– Eu não sei se ele tá afim de me ver agora...

– O Tae? Ah, o Hoseok tá alí. Se ele quiser voar em você a gente segura ele. – Jimin é mesmo daquele tipo que consegue arrancar um sorriso de você mesmo nas piores situações.

– Me garantam a segurança, por favor. Isso vai ser difícil.

– Vem, entra antes que ele te perceba aqui. – Jimin me puxava cautelosamente, tentando não fazer ruídos.

Taehyung estava com a cabeça enterrada no travesseiro do Jimin, urrando e desabando. Hoseok, que estava sentado na ponta da cama, deu espaço pra que eu pudesse me sentar ao lado dele. Ele passava a mão nas costas do Tae, tentando aliviar a tensão das costas dele, que estavam arqueadas. Jimin sentou-se na cama ao lado, pertencente ao Namjoon. Ele tentou chamar Taehyung várias vezes, mas ele não atendeu nenhuma. Hoseok então pediu a atenção dele com calma e, como mágica, o Kim olhou pra ele, com um olhar perdido.

– Você pode falar com a Mi, agora?

– E pra que eu falaria com ela agora?

– É importante.

– Eu disse a mesma coisa pro Kook e ele sumiu. Por que ela também não some? – e desabou mais uma vez.

– Por favor, Taehyung. Eu só quero que você me ouça. Eu sei que ele mudou muito, também. Eu sinto isso. Eu queria que alguém conversasse com ele e o ajudasse a voltar a si. – minhas palavras pareciam fazer efeito. Ele ouvia atentamente a tudo. – Eu preciso da sua ajuda pra que a gente tenha o Kookie de volta. Eu creio que eu te devo isso, não? Eu sei de tudo. Ele tá diferente por minha causa.

– A gente te ajuda, Yang-Mi. Mas a gente vai precisar da sua ajuda também, Tae. – Hoseok disse, com uma doce voz. Ele visivelmente tentava convencer Taehyung.

– Taehyungie, por favor..? Essa é a nossa chance de curar o nosso maknae. – Jimin implorava insistentemente, ávido por respostas

– Eu... Eu não sei... Eu não quero pressionar ele... Eu...

– Ninguém vai pressionar ele. A gente só vai fazer ele perceber o que ele mesmo se tornou. E a gente não pode fazer isso sem você. – Hoseok mais uma vez tomava as rédeas da situação.

– Exatamente. Por favor, Tae... Essa é a única coisa que eu te peço. – minha entonação era de súplica.

– O que eu faria pra ajudar? Eu só atrapalharia tudo. Vão vocês e façam isso. Eu não quero saber de mais nada. – Taehyung esbravejou com pesar.

– Fizemos o que podíamos, Yang-Mi. Eu posso conversar com os dois e tentar acertar isso. Você e o Jimin podem tentar o lado emocional do Kookie. Eu fico com o Tae. – Hoseok sussurou com afinco.

– Obrigada pela ajuda. Você é incrível, oppa. – abracei Hoseok com bastante força, me despedindo.

Jimin e eu atravessamos a porta e fomos atrás do Jungkook. Ele não poderia estar tão longe...

Certo..?

     ~~

– A gente já percorreu esse bairro inteiro atrás dele e nada!

– Tenta ligar pra ele denovo.

– Essa é a última vez que eu tento ligar pra ele. Meus créditos estão quase no fim.

– Liga logo, Jimin!

Assim que discou o número, Jimin pôs o celular em viva-voz. Aquilo era uma tortura emocional com uma textura física que atingia a minha alma. O primeiro toque parecia uma bordoada. O segundo toque, um soco. O terceiro toque, um chute. O quarto, uma flechada. Quando chegamos no último toque sem resposta, que já era um tiro, meu coração já estava quase destruído por inteiro. Até que, no último toque...

– Dá pra você parar de me ligar? – Jungkook praguejava do outro lado da linha.

– Graças aos céus você atendeu! A Yang-Mi tá...

– ONDE VOCÊ TÁ, JEON JUNGKOOK? ME DIZ LOGO ANTES QUE EU MORRA DE VEZ! JÁ SÃO 22:50! – gritei desesperadamente. Uma mistura de raiva e dor faziam a minha voz falhar.

– Mi? Cê tá chorando?

– É claro! Você sumiu e me deixou sem me dizer onde você foi! Isso dói, Jungkook! Isso dói muito!

– Fica calma, por fav...

– Calma eu só vou ficar quando você voltar pra cá! O Taehyung e eu, assim como todos os outros, estávamos com medo de que algo tivesse acontecido com você!

– Eu tô bem.

– MAS EU NÃO! VOLTA LOGO! Por favor... – não consegui falar mais nada antes de começar a chorar pra valer.

– Yang-Mi? Yang-Mi! Eu tô indo...

– Ela não tá muito em condições de responder, Kook. Olha o que você fez...

– Eu fiz? Eu não fiz nada...

– DÁ PRA VOCÊ PARAR DE AGIR COMO UM IRRESPONSÁVEL? PORRA, a tua namorada tá chorando como uma criança por tua causa e você ainda não caiu na real de que você tá sendo um imbecil?

Jungkook ficou quieto e Jimin continuou.

– Se você já terminou de fazer esse teatrinho de merda, volta correndo. Você ainda tem que se desculpar com o Taehyung. E vê se joga fora essa máscara de cuzão no caminho pra cá. – Jimin desligou o celular e enxugou as lágrimas que caíam dos meus olhos.

– Ele já tá vindo?

– Tá sim, relaxa. Ele deve estar cansado de perambular sem rumo por aí. Tá tudo bem, Yang-Mi. Ele vai voltar logo.

– Como você tem tanta certeza?

– Porque mesmo que ele esteja agindo como um palhaço, ele ainda te ama. Você não tem certeza disso?

– Eu já não sei o que pensar. E se tudo for como foi com ele e o Tae?

– Não vai ser. O Tae não soube lidar com o afastamento dele. Você, por outro lado, consegue resistir aos ataques dele. Você é forte, Yang-Mi.

– Obrigada, Jiminnie.

– Não precisa agradecer. Agora vai lavar esse rosto. É triste te ver chorar.

------------------

    ~Deck da piscina, 23:08 da noite~

Mesmo não chorando, meu coração estava pesado. A água calma da piscina principal espelhava o meu rosto vermelho, marcado pelas lágrimas de outrora. Jungkook era a única coisa na minha mente. Seja lá onde ele estava, eu queria que ele chegasse logo, são e salvo. Eu não queria chorar mais, mas não adiantava. Eu precisava dele comigo.

– Nada ainda, né? – Hoseok surgiu do nada, sentando-se ao meu lado na beira da piscina.

– É... Eu queria que ele viesse logo.

– Eu sei. O Jin já ia convocar a polícia pra encontrar o Kook.

– E quem impediu ele?

– Namjoon. Ele já soube da ligação que vocês fizeram.

– Nossa... Notícias voam por aqui.

– Pois é. – Hoseok balançava os pés, fazendo pequenas ondas na água.

– Mas e o Taehyung? Como ele tá?

– Mais calmo, mas ainda preocupado. Ele não chora mais.

– Como? Eu estaria chorando rios no lugar dele.

– Ele tá dormindo, agora. Ele já chorou o que devia. Como ficou cansado, coloquei ele pra dormir.

– Pelo menos ele conseguiu dormir.

– E você? Não vai esperar por ele lá dentro?

– Não, eu vim pra beira da piscina pra tentar me acalmar um pouco.

– Você gosta de ler, né?

– Sim, por que a pergunta?

– O Namjoon tem uns livros que ele gosta. Tem um tal de "Demian" que ele acabou de ler. Quer que eu pegue?

– Não, obrigada. Prefiro conversar. Às vezes os livros, por mais que tenham milhares de palavras, não dizem nada.

– Entendo. Bom, eu vou ver com o Jimin se o Jungkook já tá por perto. Isso deve te tranquilizar. – disse Hoseok, se levantando devagar.

– Komawo, Hobi. Isso é muito gentil da sua parte. – agradeci com um pequeno sorriso.

Com os pés molhados, Hoseok andou cautelosamente até o hall do hotel, onde Jimin estava de pé. Vi pela porta de vidro o momento exato em que Jungkook cruzou a entrada e deu de cara com os dois. Ele estava com a camisa de dentro suja, mas os sapatos estavam intactos e o rosto dele estava muito vermelho. Jimin e Hoseok começaram a gritar com ele, que ouvia a tudo sem reagir. Com a cabeça baixa, Jungkook apenas assentia a tudo o que os garotos esbravejaram com ele. Desviei o olhar exatamente na hora em que Hoseok apontou pra piscina, onde eu estava. Jungkook então correu em disparada na minha direção. Ele tirou os sapatos e se sentou comigo na beira da piscina, exatamente como Hoseok fez. Não olhei no rosto dele no momento. Eu estava com raiva, mas aliviada de ver ele alí.

– Eu demorei, eu sei... Mian'e.

– Você me pede desculpas agora? Jungkook, você deveria entender a situação!

– Eu sei! Eu fui um babaca, Yang-Mi, e eu sei disso! Eu só queria parar de ouvir esses dramas desnecessários do Taehyung.

– O que você chama de "dramas desnecessários" são os sentimentos do garoto. – disparei um olhar irritadiço sobre ele.

– Yang-Mi... – Jungkook revirou os olhos.

– Jungkook, eu não quero saber. O que você sentiria se eu dissesse pra você que eu tô afim de terminar?

– Eu morreria! Claro que eu não aguentaria.

– Então, ele tá assim, agora. Você destruiu o coração dele antes por infantilidade e mais uma vez agora, mudando o seu jeito e rejeitando ele. Jungkook, você não é assim. Você era um doce de ser humano, mesmo com as suas imperfeições. Agora você parece um velho rabugento e irritante que explode com o mínimo comentário. Os meninos e eu queremos que você se esforce pra entender o seu erro. Por favor, Kookie!

– Yang-Mi, eu pensei que você gostava de mim por ter mudado. – ele coçava a cabeça, confuso.

– Eu gosto de você de qualquer jeito, mas não quando você tenta ser um babacão rude. Você sabe que você não é assim.

– Me desculpa. De verdade. Eu...

– Não peça desculpas, só se concentre em ser você. Volte a ser o Kookie pelo qual eu me apaixonei.

Jungkook abaixou a cabeça e ficou assim por um tempo. Me levantei dalí e me sentei em uma espreguiçadeira, afim de esticar o corpo inteiro. Uma brisa noturna bateu repentinamente e balançou as folhas das palmeiras que decoravam o deck. Jungkook olhou admirado, prestando atenção no movimento que as folhas faziam. Quando o silêncio tomou conta no lugar, Jungkook se levantou. Ele ia pro quarto, provavelmente.

– Você não vai dormir?

– Eu não vou dormir no quarto.

– E por que não? – Jungkook estava assustado.

– Aqui fora é mais fresco e arejado. Além disso, o Jin está com o Namjoon e o Yoongi lá dentro. Eles devem estar dormindo desde o momento que você chegou.

– Você ainda tá com raiva de mim?

– Sim. Mas também tô aliviada por você estar de volta. – eu balançava os ombros, tentando me ajeitar melhor.

– Você vai realmente ficar aqui? – ele se aproximava da espreguiçadeira.

– Vou. Eu vou dormir aqui fora. – me virei pro lado oposto à face dele.

Jungkook parou pensativo. Ele olhou pra todos os lados possíveis parecendo procurar alguém ou alguma coisa e depois respirou fundo.

– Chega pra lá, eu vou ficar aqui também.

– Hein? Mas por quê?

– Depois do que aconteceu hoje eu não me atrevo mais a te deixar sozinha.

Jungkook se instalou abaixo de mim, me abraçando forte. Ele cheirava a suor, perfume e bebida. Repousei a minha cabeça no peito dele e deixei o som do vento batendo nas árvores e na água me levarem junto às batidas aceleradas do coração do Kookie. Ele apagou rapidamente e eu adormeci bem depois, quando minhas palpitações se acalmaram e eu tinha a certeza de que tudo estava um pouco melhor.


Notas Finais


Esse Jimin é muito másculo, meu pai.
Titio Hoseok também é tão fofo...

Boatos de que Yoongi não levantou da cama pra nada nesse dia. Nunca saberemos de onde ele tira tanta falta de disposição.

Enfim, espero que esse capítulo tenha sido bom, porque o tanto de choro que teve... Nossa senhora.

Demorei sim, mas pelo menos postei. Peço perdão pela demora e pela falta de frequência. Não tá fácil pra ninguém.

Até o próximo capítulo!
~Kiseu!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...