História If These Walls Could Talk - Capítulo 3


Escrita por: ~

Postado
Categorias Fifth Harmony
Personagens Camila Cabello, Lauren Jauregui, Personagens Originais
Tags Camila Cabello, Camren, Fifth Harmony, Itwct, Lauren Jauregui
Exibições 52
Palavras 1.043
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ficção, Romance e Novela
Avisos: Álcool, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 3 - Capítulo 2


~ Flasback ON ~

- Hija, vamos!
- Calma Mama, já estou descendo. - Falei descendo as escadas
- Não si vá Kaki, por favor. Eu prometo nunca mais te chutar quando estivermos dormindo juntas e juro juradinho que te dou todas as minhas bonecas, mas não vai. - Minha irmã Sofi, fala chorando.
- Sofi meu amor, eu não estou indo pra longe. E outra, não se preocupa, que sempre eu voltarei para te visitar,  e quando eu ficar muito famosa, e comprar minha casa, você vem morar comigo. Você, a Mama e o Papa.
- Não vá - Ela fala, continuando a chorar, mas agora abraçada nas minhas pernas. Me agaixo e dou um beijo na testa dela.
- Não chora meu amor. Eu te amo muito, mas agora preciso ir. - Solto-a de minhas pernas, e vou abraçar minha mãe.
- Sentirei saudades hija, muitas saudades - Ela fala me abraçando forte.
- Também sentirei Mama - Abracei-a de novo.

Carreguei minhas malas pra fora de casa e meu pai me esperava lá fora.
- Hija.. - Ele vem para me abraçar
Papa era um dos meus portos seguro em toda minha vida. Ele era o único que tinha o "poder" de me fazer ficar, e no de me levar para lá.. Mas como meu, ir pra lá, também era um grande sonho pra ele, então ele me levaria a seguir esse caminho de realizações.
Papa me dá um beijo na testa, como sinal de liberdade e me solta do abraço. Ele pega minhas malas, e guarda no porta-malas do caro e eu entro no mesmo, volta ao acento do motoristas e me olha no fundo dos olhos.
- Está pronta?
- Sim, podemos ir!
Ele dá partida no carro. Olho para trás, e vejo Mama e Sofi darem tchau para mim.
- Está na sua hora Camila.. hora de seguir seu caminho – Falo para mim mesma.

Seguimos pela rua enquanto a música ainda tocava.. Fechei meus olhos e deixei a mesma me levar.
- Filha, está tudo bem? - Papa me pergunta
- Sim..

Eu sentia um frio na barriga, por medo do que vinha pela frente, e ao mesmo tempo aquele ar de liberdade, era meio que "estou livre pra fazer minhas escolhas, e seguir meu destino".

~ Flashback OFF ~

*10:30PM

- Que merda foi aquela que você falou com o James? Você tem retardo Camila? Me responde seriamente! - Ele fala realmente nervoso.
- Ele me insultou... Aquele filha de uma mãe me insultou. Ele falou como se eu fosse uma vagabunda. Você acha que eu ia ouvir aquilo e ficar calada? - Retruquei
- Não importa! Eu falei pra você não dar ataquezinho lá, mas parece que entrou por um ouvido e saiu por outro.
- Você está ouvindo o que eu falei? Ele me tratou como se eu fosse uma vad*a. - Gritei
- E você é o que?!

Dou um tapa no seu rosto o mais forte que posso e saio para meu quarto.

- Eu não acredito que estou passando por isso - Falo comigo mesma e as lágrimas descem como uma cachoeira - Não nasci para passar por isso e não vou ficar aqui pra continuar a ser humilhada desse jeito!

Pego minhas roupas e jogo em cima da cama, pego as malas de dentro do guarda-roupa e começo a arrumar minhas coisas dentro delas.

Saio do meu quarto com as malas prontas e a primeira pessoa que vejo é o Lorran.
- Não vou ficar aqui ouvindo suas humilhações... Nunca precisei disso,
e não vai ser agora que vou precisar. Vou sair de sua casa, faça o favor de nunca mais me procurar.

Saio da casa e chamo Charlie, um dos seguranças.

- Charlie, pode chamar um táxi pra mim? Por favor.
- Desculpa Sra. Cabello, mas o Sr. Lorran mandou cortamos relações com você e não atender a nenhum dos seus desejos. - Ele me responde, com a voz um pouco trêmula.

Engulo o choro de raiva que estava prestes a sair e pego meu celular. Procuro por um número de algum taxista em algum aplicativo na internet e chamo com urgência.

Minha cabeça estava explodindo. Eu não estava conseguindo acreditar que passei por tudo aquilo num único dia. Nunca fui tão humilhada.

O táxi chega.

- Taxista, poderia me ajudar com as malas? Pelo amor de Deus! - Falo já sem nenhuma estrutura pra tentar ficar em pé.
Ele pega minhas malas, coloca no porta malas e eu entro no carro.
- Pra onde senhora? - Ele me pergunta
- Ainda não sei, só sai daqui por favor - Falo limpando o resto das lágrimas do rosto.

Ele sai do condomínio e começa a rodar pela rua. Já eram mais de meia noite e estava ali, dentro de um táxi, tentando esquecer tudo aquilo que passei.

Passamos na frente de um hotel e peço que ele pare o carro.

Pago a corrida, desço do carro e pego minhas malas.
- Pode ficar com o troco. - Digo ao motorista e logo após sigo para dentro do hotel.
- Boa noite, em que posso ajuda-la? - A recepcionista me pergunta
- Boa.. Queria um quarto. O mais rápido possível, por favor! - Respondo
- A senhora tem reservas?
-...- Respiro fundo - Não, eu não tenho reservas... Não tem nenhum quarto livre?
- A senhora é aquela modelo que vai casar com o banqueiro Lorran, aquele da família Sudsilowsky não é? - Penso em dizer não, mas assento -Trabalhamos com reservas, mas verei o que posso fazer pela senhora. Seu futuro marido é bem influente aqui no hotel.
- Obrigada, vai me ajudar muito. - Ela liga pra alguém e começa a mexer no computador.
- Trabalhamos com reservas, mas verei o que posso fazer pela senhora. Seu futuro marido é bem influente aqui no hotel. - Ela pega um dos cartões e cadastra o número do meu quarto no mesmo e me entrega - Uma boa noite a senhora!

Pego o cartão da mão dela e sigo em direção aos elevadores, aperto no botão para chamar o elevador e imediatamente as portas se abrem, adentro, aperto o botão do sexto andar e as portas se fecham.


Notas Finais


Se você chegou até aqui, queria agradecer imensamente por ter lido o capítulo inteiro!
Se gostou, favorita ou comenta.. lembrando que aceito idéias, concelhos e críticas construtivas serão sempre bem vindas.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...