História If You - Capítulo 2


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Rap Monster, Suga, V
Tags Menção Jihope, Namjin, Para Nana, Seokjoon, Seoknam
Visualizações 53
Palavras 1.600
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Fluffy, Musical (Songfic), Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Yaoi
Avisos: Álcool, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Nudez
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Depois de muita insistência aqui me estou -- preparem os lençinhos e vamos ouvir If You

Capítulo 2 - Capítulo Dois


Fanfic / Fanfiction If You - Capítulo 2 - Capítulo Dois

Kim SeokJin

 

NamJoon e eu nos conhecemos em um dia complicado pra mim, tão dificil que nem ao menos soube dizer aos outros como aquilo aconteceu. Um dia completamente clichê se você for colocar em palavras ou tentar escrevê-lo, fora um dia que renderia uma história para suspiros adolescentes. Sim, fora um dia em que eu desisti de mim e o mundo me acompanhou. Era um momento em que eu precisei de um fim e que tudo ao meu redor estava preparado para me dar. E se não fosse por ele ali, no momento certo e na hora certa, talvez nada disso estivesse ali eu nem estaria cantando agora nesse palco.

 


 

meoreojineun geu dwitmoseupmaneul baraboda (Estou aqui vendo ela se afastar cada vez mais)

jageun jeomi doeeo sarajinda (e desaparecer no horizonte)

sigani jinamyeon tto mudyeojilkka (E Isso vai passar depois que o tempo passar?)

yet saenggagi na ni saenggagi na (pensando nos velhos tempos, Pensando em você)


 

Kim NamJoon estava parado em uma ponte, como qualquer pessoa olhando o tempo passar por entre os seus dedos, mas naquele dia ele estava mais lindo do que nunca e como sempre parecia estar coberto de estrelas. Estes pequenos pontos de luz que estavam o deixando ainda mais atraente e para mim ele era como um foco iluminado que me atraia como um inseto para a luz. Não era exatamente o que eu queria naquele momento. Eu não precisava de distrações naquele instante. Mas ele estava sendo uma e eu o agradeci depois. Ele dizia que era grato também, mas no fundo aquele doce oceano seria a minha morada. Mas ele me tirou aquela ideia da mente e me aqueceu o coração. Vejam bem, ele era estranho, um completo estranho, mas parecia tão narutal ter ele ali que meu ser inteiro deu uma reviravolta e eu soube, precisava o somar na minha vida.


 

Me lembro que ele me olhou com os olhinhos cheiros de água e fui eu quem se derramou inteiro. Ele estava chorando por fora, mesmo que eu estivesse por dentro, mas foi com ele que eu me preocupei e por causa dele que eu tomei outro rumo. Calçei os sapatos que iria deixar para trás, eles eram um presente do meu irmão mais novo – TaeHyung – e me vesti de coragem, ele precisava de mim e eu sabia. E aquele instinto estranho nasceu dentro de mim. E assim meio incerto eu caminhei até ele e estranhamente ele me abraçou.


 

Ah, meu menino inseguro, meu menino medroso, ele me abraçou de uma forma confortável e plena. Me deixou conhecer sua dor e eu calei a minha, apenas para ouvir um pouco mais do que ele tinha a dizer. Naquele instante eu soube que ele estava triste por conta da morte de sua única irmã e que isso fora somado a descoberta de uma traição. Ele estava se quebrando e era o instante em que ele disse que renovaria suas forças ali. NamJoon era incrivél, ele não temia a morte, mas também não a procurava.


 

Ele sabia aguentar o que viesse e valorizava a vida que tinha, ele me ensinou naquele momento que por mais dolorosa que a fase da sua vida fosse era necessário passar por ela, de um jeito ou de outro. E não deviamos passar de qualquer jeito, deviamos encarar de frente, com a cabeça herguida e com o coração valente. Com punhos de ferro e com uma mente de aço. Ele me ensinou força em meio as lágrimas e me amou em meio a dor. Ele me permitiu ver sua alma mesmo que ela estivesse embassada de solidão, mas me mostrou que o sol nascia depois da tempestade.


 


 

Depois daquele dia eu e ele trocamos os números e passamos a conversar um pouco mais. Ele com seu jeito fofo me conquistou de cara e foi tudo o que eu precisava. Aos poucos aquela amizade se tornou uma paixão louca e quando eu menos pude imaginar já estava dentro dele o fazendo homem e sendo o homem dele. Sentindo meu membro ser esmagado dentro daquela cavidade quente e recebendo as ondas de prazer e tesão que ele me proporcionava. Eu me sentia coberto de sentimentos mesmo estando nu e o via como a mais bela obra de arte, mesmo sendo – ainda – uma tela em branco.

 

E pouco tempo depois nós nos casamos e eu insiti em levar Jung HoSeok, meu primo para morar comigo. E o porque? Aquele garoto era como se fosse o meu irmão, me tratando e sendo pra mim até melhor do que Kim TaeHyung era. Fora ele quem levara um tapa na cara dos meus pais quando me defendeu na noite em que eles descobriram a minha sexualidade. Fora ele quem levou do meu pai os xingamentos e fora ele quem me abraçou e se pôs em frente a uma arma por mim.

 

Ele fez coisas que ninguém nunca faria, ou melhor, que NamJoon faria se me conhecesse naquela épouca e por isso mesmo que eu o queria ali, sempre ao meu lado, assim como queria o homem da minha vida. Eu precisava dos dois. E eu os tinha. Só que meu primo me causou um momento complicado. Mas não era de todo sua culpa. Eu sabia sobre Jimin e sabia que ele era o namorado de HoSeok desde o começo. Sempre soube. Mas aquele era o momento perfeito para ensinar algo ao meu amor, algo que ele precisava aprender. Era agora ou nunca.

 

Por isso naquela noite eu pedi que o Park fizesse o que fez. Pedi a ele que armasse tudo aquilo para que eu desse o meu “show” particular, mostrando ciúmes e uma insegurança que eu não tinha. E no final das contas Kim NamJoon travou e como tudo na nossa relação ele não soube o que fazer e nem o que dizer. Não soube se explicar e nem muito menos admitir que a culpa não era sua. E isso me machucou. Porque se fosse verdade nós não estariamos juntos por conta disso. Por conta daquele medo que ele contraiu aos poucos.

 

Por culpa do comodismo que se entranhava dia a dia dentro de si. E por mais que eu tentasse concertar aquilo ele não mudava. Ele não queria sair daquele mundo e nem lutar mais e aquilo estava me incomodando. Ele não fazia mais nada por si mesmo e estava passando a depender demais de mim. Ele precisava voar com suas asas e não arrancar as minhas penas para construir as suas. Mesmo que eu estivesse disposto a dar todas elas a ele. Mas NamJoon estava definhando e eu não deixaria que aquilo acontecesse.

 

Ele estava perdendo a confiança nele mesmo. Não estava mais reagindo a quando as pessoas diziam coisas sobre ele, tudo o que ele fazia era correr para mim como uma criança e esperar que eu resolvesse. E não era assim que funcionava. Eu precisava da força dele assim como ele busca a minha. E foi por isso que eu precisei que ele buscasse dentro de si o homem que ele era antes de mim. E não queria pedir um tempo e nem muito menos havia o deixado de amar. A questão era que ele precisava voltar a si.

 

– Tem certeza de que não está indo longe demais hyung? – HoSeok dizia enquanto olhava para Jimin, este que mordia o lábio inferior de nervosismo. Estavam se sentindo culpados e nem era a culpa deles, bem adoráveis ao meu ver.

 

– Não, não ainda. Ele precisa aprender. – eu dizia enquando me arrumava. Seria mais uma apresentação e naquele dia eu contaria com a ajuda do meu amigo Min YoonGi. Este que era uma pessoa que nutria certos sentimentos, mas que nem de longe eu correspondia. Mas naquela noite ele serviria apena spara fazer com que meu marido – já que ele nunca deixaria de ser isso pra mim – tivesse e tomasse um atitude. – E ele vai aprender, por isso sosseguem os dois e não fiquem assim com essa carinha, sim? – disse com um sorriso e puxei Jimin de canto. HoSeok estranhou, mas ele confiava em mim de uma forma assustadora. Mas não era como NamJoon, se é que me entendem.

 

– O que houve hyung? – ele disse com um sorriso simples e nem um pouco preocupado com nada.

 

– Meu irmão está voltando de viagem. E bem, se eu fosse você eu ficava de olho nele, sim? Não por causa do meu primo, mas por conhecer bem Kim TaeHyung. Ele não respeita nada e nem ninguém. – adverti e depois deixei ele ali.

 

Estava muito seguro ao caminhar para o palco e encontrar meu microfone – já que eu passei a trabalhar nisso a alguns anos – e encontrar o olhar de NamJoon em mim, já que ele sempre vinha me ver e não tinha mais coragem para vir enfrentar a situação. E eu estava torcendo para que ele aprendesse logo a lição e viesse me encontrar, já que eu não conseguia resistir a carinha de choro dele. Mas bem, naquela noite não era somente ele quem estava ali.

 

Eu contava com a presença de YoonGi em uma das primeiras mesas, ele vinha acompanhado de seu irmão mais novo JungKook e os dois estavam lindos e sorriam para mim e eu procurei dar toda a atenção do mundo a eles. Cantar para eles e fazer com que NamJoon quisesse o meu canto somente para ele. Eu desejava a minha casa e a minha vida. O meu homem e a nossa cama. Mas não queria que viesse como era antes. NamJoon era perfeito como ele é, mas precisava da força que me salvou naquele dia. O seu brilho.


Notas Finais


Surpresos?


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...