História If you can still smile, that's spice. - Capítulo 2


Escrita por: ~

Postado
Categorias Boku no Hero Academia (My Hero Academia)
Personagens Bakugo Katsuki, Midoriya Izuku
Tags Bakudeku, Bakugou Katsuki, Bnha, Boku No Hero Academia, Bottom Kacchan, Deku, Dekukatsu, Kacchan, Katsudeku, Mha, Midoriya Izuku, My Hero Academia, Yaoi
Visualizações 239
Palavras 6.893
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Colegial, Escolar, Lemon, Luta, Romance e Novela, Shonen-Ai, Shounen, Super Power, Violência, Yaoi
Avisos: Homossexualidade, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Spoilers, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Hey, aqui está o capitulo 2 e ultimo. Ele também contem um pouco de spoilers do manga, mas é apenas no começo e novamente segue a regra de dialogo em negrito serem falas do manga. Espero que vocês gostem, nos vemos nas notas finais. <3

Foto de capa do capitulo: Não tenho o source, se alguém souber, me avisa!

Capítulo 2 - If we're together...


Fanfic / Fanfiction If you can still smile, that's spice. - Capítulo 2 - If we're together...

All Might explicou toda sua historia para Bakugou, ele sentia que lhe devia alguma explicação . Contou sobre o “grande mal” e do poder necessário para enfrentá-lo, transmitido de geração em geração. Sobre como esse poder fez dele o herói numero um e o símbolo da paz;  Sobre como ele se feriu e viu o fim se aproximando; E sobre como ele escolheu seu sucessor. E o loiro entendeu o peso do segredo que carregava.

- Então, se essa informação vazar e as pessoas souberem que você tem esse poder agora, você acha que haverá algum problema? Nesse caso, por que você me contou, Deku estúpido?

- Foi minha escolha esgotar o meu poder da forma que eu fiz. Como eu já lhe disse, não foi sua culpa. – O mais velho repetiu, tentando enfiar aquelas palavras na cabeça de Bakugou.

- ... – Kacchan ficou quieto por alguns segundos, pensando em tudo que havia acontecido e em como seus sentimentos estavam uma confusão. Mas ele estava feliz que All Might havia aparecido e que ele pode fugir mais uma vez daquele assunto com Deku. Ele precisava pensar mais sobre isso.  – Então... De fato, nada mudou sobre o que eu tenho que fazer...

- Isso...

- Mas isso não será mais como antes, Deku. – Bakugou desviou o olhar de All Might para Midoriya e pela primeira vez em muito tempo ele falou em um tom normal com o garoto, sem ódio, sem querer arrumar briga, apenas lhe dizer a verdade. – Eu farei com que todas as minhas habilidades se tornem efetivamente minhas e continuarei subindo. E ainda mais do que você, “escolhido”.

- Certo... Então, eu subirei ainda mais alto do que isso. Eu devo continuar evoluindo também! – Deku lhe respondeu entusiasmado com aquele desafio indireto. Ele sorria por dentro. “Kacchan está tão calmo, hah.”

- EU ESTOU DIZENDO QUE VOU TE SUPERAR, IDIOTA! – Bakugou voltou ao seu espírito natural, gritando.

- Eu não posso aceitar isso. Eu devo ser melhor do que você... – “Hah ele voltou ao normal.”

Eles estão diferentes agora... Estão mais rivais do que nunca.” All Might se permitiu sorrir por dentro enquanto caminhava com os dois garotos para os dormitórios.

E então acabaram sendo levados até Aizawa, que lhes amarrou com suas faixas enquanto gritava com os dois, dando-lhes uma bronca por saírem dos dormitórios, brigarem, estarem machucados e terem feito a maior bagunça.

Iniciando uma briga a noite após o exame de vocês? Estou feliz em ouvir que vocês dispõem de energia para isso.

- E-Espere Aizawa! – All Might se intrometeu. – Não os amarre ainda. Na verdade eu fui a causa de tudo isso.

- Oh? – “O que você quer dizer, All Might?” Aizawa se lembrou de comentar com Toshinori sobre o fato que Bakugou e Midoriya estavam brigando, então ele pediu para tomar conta dos dois e que os traria em um instante, como se ele sentisse que precisava tomar conta dos dois. – Você é a causa? – O olhar do professor de cabelos negros não era dos mais amigáveis, ele parecia querer matar alguém naquela sala e Deku e Kacchan perceberam isso, sentindo um arrepio percorrer suas espinhas.

- Bakugou estava se sentindo culpado em razão a minha aposentadoria e tudo mais... Ele fez os exames com esse fardo em seus ombros e seu complexo de inferioridade simplesmente explodiu lá. Eu não havia notado, assim acabei negligenciando o estado mental dele... Foi falha minha que levou a essa briga entre eles.  – O ex-herói número um sussurrou para o outro colega professor.

- Hm... Mas deixa-los ir embora após infligirem as regras não é algo que eu possa fazer. Haverá uma punição adequada. Afinal, quem tomou a iniciativa da briga? – Disse Aizawa em um tom severo.

- Eu. – Bakugou prontamente respondeu.  

- Mas eu também... Acabei perdendo a cabeça... – Midoriya disse enquanto olhava para o chão.

- Vocês estão de detenção! Quatro dias para o Bakugou e três para Midoriya. Durante esse tempo vocês limparão os espaços comunitários! Pela manhã e à noite! E também, eu quero que ambos se retratem por escrito!  - Aizawa começou a gritar com uma voz cheia de raiva. Ele queria estrangular aqueles dois por arrumarem essa confusão. – E vão para a enfermaria antes que esses ferimentos se agravem! Porém não recorram à individualidade daquela velha senhora, a não ser que seja importante! Vocês se feriram por conta própria, logo descubram como melhorar por contra própria também! – Ele respirou fundo, tomando ar e em seguida soltou um longo suspiro, fechando os olhos. – Isso é tudo! Agora VÃO DORMIR!

Então os dois garotos foram até a enfermaria darem um jeito em seus machucados. Eles evitaram contato visual e ficaram quietos o tempo todo. Voltaram e foram aos seus dormitórios sem trocar nenhuma palavra.

Ao deitar em sua cama, Bakugou finalmente pode sentir seu corpo relaxar. Ele respirou fundo e apoiou o braço, agora enfaixado, em seus olhos e se permitiu pensar em tudo que ele havia passado naquela noite. Em tudo que ele disse a Midoriya, em como sua mente estava acabando consigo, nas palavras de Deku, nas palavras de All Might e então ele se permitiu absorver todas aquelas novas informações e entendê-las de verdade. Apesar de sua aparência, Katsuki era inteligente, ele sabia usar aquela cabeça para alguma coisa.

Após refletir por quase meia hora, ele finalmente chegou no maior desafio. “Kacchan... Podia ser que você... Gosta de mim...?” E seu rosto ficou vermelho. Leves explosões saíram de seus dedos e ele começou a ficar irritado consigo mesmo.

- “Não! Pare! Eu preciso pensar nisso... E-Eu não posso ficar irritado....Certo... Eu acho.... Que talvez... Há uma pequena... Bem pequena.... possibilidade... De isso que eu sinto pelo Deku... ser.... algo... diferente de ódio?”

Ele se permitiu pensar. Ele pensou em coisas que odiava e pensou em Deku. Eram diferentes sentimentos, o que ele sentia por coisas que ele odiava era algo repulsivo, mas o que ele sentia por Deku era algo mais... Intenso e doloroso. Então ele pensou nas coisas que gostava. Pensou muito, porque Bakugou não gostava de muitas coisas. Então ele pensou no seu tipo favorito de comida: Coisas apimentadas. Elas ardiam, mas era bom. E então ele percebeu que era o mesmo sentimento com relação ao Deku. Aquilo doía... Mas ele não queria ficar sem.

E quando finalmente, depois de tanto tempo negando e sem entender aquilo, aquela porta em seu coração foi aberta e então mais uma vez... Deku estava em suas memórias. Ele iria estar, também, nas memórias do dia em que Katsuki se apaixonou pela primeira vez. Ele finalmente entendeu que aquilo era gostar de alguém. E entender aquilo... Doeu. Mais do que todas as porradas que Deku já lhe dera, aquela... Aquela porrada em seu coração o machucou mais do que tudo na vida... Porque Deku iria lhe odiar se um dia descobrisse sobre isso, afinal, eles eram dois garotos, nunca que Izuku iria lhe corresponder e ele teria que esconder isso... Ele teria que fechar aquela porta novamente. Bakugou apertou seus braços contra seus olhos e mesmo que não quisesse, mesmo lutando com força contra aquela dor, ela era tão forte que o fez chorar, derramando lágrimas silenciosas até que ele finalmente pegasse no sono.

Na manhã seguinte eles acordaram um pouco mais cedo que todos os outros e foram limpar a sala principal. Estavam aspirando o ambiente quando seus colegas de classe começaram a descer prontos para tomar café da manhã e irem a aula.

- Vocês lutaram? – Mina gritou.

- DETENÇÃO?! – Hagakure exclamou surpresa.

- Idiotas!

- Que absurdo!

- Vocês dois são estúpidos?

- Os mais estúpidos de todos, com certeza!

- Grr.... – Bakugou rosnava baixinho enquanto mexia o aspirador com força ao ouvir seus colegas xingando ele e Deku.

- Er... Mas vocês fizeram as pazes, no fim? – Uraraka perguntou para Midoriya.

- “Fazer as pazes”... Não exatamente. Mas, bem... É difícil colocar isso em palavras... – Deku respondeu a garota em uma voz baixa, meio sem jeito.

- Que belo trabalho vocês fizeram ao serem punidos! Assim, suponho que os dois estarão ausentes na cerimônia de abertura de hoje! – Iida os reprendeu, como o bom representante de classe que ele era.

- Bakugou, e quanto àquele curso especial pra nossas licenças? – Todoroki perguntou ao loiro enquanto arrumava sua própria gravata em seu pescoço.

- Cale a boca... Cuida da sua vida. – Katsuki foi grosso, mas parecia estar envergonhado quanto a isso.

- Até mais! Divirtam-se limpando este lugar! – A turma A disse enquanto deixava os dormitórios, rindo dos dois idiotas que haviam brigado.

Assim que todos deixaram o prédio, o silêncio tomou conta até que os dois meninos ligassem novamente os aspiradores de pó e voltassem ao seu trabalho. Eles permaneciam sem falar um com o outro, porém Midoriya estava incomodado com uma coisa e ele sabia que precisava tomar a iniciativa. Kacchan jamais falaria de novo sobre seus sentimentos se ele não lhe desse alguma cutucada.

- Então... Hm... O meu shoot style... O que achou dele? – Ele tentou ser firme, apesar de estar morrendo de medo que aquele aspirador de pó voasse em sua cabeça.

-  ... – Bakugou foi pego de surpresa por aquela pergunta. Quando ele ouviu Midoriya começar a falar, ele jurava que ele ia comentar sobre o “gostar” novamente. Enquanto isso, Deku esperava ansioso pela resposta do outro. – Você deve parar de telegrafar os seus movimentos. Mesmo você ficando mais ágil, eu ainda consegui reagir a tempo. Isso não é bom em um combate físico.

- Entendi... – Kacchan havia o respondido em um tom baixo e sério, eles estavam realmente tendo uma conversa sobre poderes e táticas, algo que Izuku sempre quis ter com aquele amigo de infância que ele sempre admirou tanto.

- Mas quando você acrescentou socos à combinação... Aquilo realmente me irritou. 

- Entendi...! – Midoriya sorriu! Eles estavam realmente tendo uma conversa normal! Ele estava tão feliz que poderia morrer. Deixar o Kacchan irritado significa que ele o impressionou. Ele conseguiu impressioná-lo, ele conseguiu fazer Bakugou Katsuki elogiá-lo... Do jeito distorcido dele, mas foi uma espécie de elogio. E aquilo havia o feito feliz.

Eles ficaram em silencio enquanto terminavam de arrumar a sala com os aspiradores e assim que ambos desligaram aquele barulho, Midoriya virou de frente para o loiro e respirou fundo, apertando suas mãos.

- Kacchan...

- Hm?

- Você não respondeu a minha pergunta ontem.

- .... – Bakugou arregalou os olhos e seu coração parou em uma batida, em seguida ficando acelerado e ele tentou controlar sua respiração, se mantendo de costas para Izuku.

- Kacchan...

- Q-Que pergunta, Deku estúpido?

- Poderia ser que você gosta de mim...? 

- ..... – O rosto do loiro ficou vermelho e ele queria arrebentar aquela cabeça verde no chão por voltar naquele assunto. – C-Cale a boca.

- Você sempre disse que me odiava, sabe? Varias vezes, até onde posso me lembrar. – Midoriya manteve seus olhos reduzidos, enquanto olhava o chão agora. – Mas no meio da nossa luta, você comentou que não entendia que sentimento era esse... Poderia ser que por algum motivo, talvez... Você começou a gostar de mim?

- .... – Bakugou abaixou a cabeça e seu peito doeu ao ouvir aquilo. Imaginar Deku dizendo que lhe odiava doeu, então ele pensou que o outro talvez também pudesse sentir dor ao ouvir que era odiado.  – Deku...

- Hm...?

- .... – O loiro ergueu seu rosto e se virou levemente, o suficiente para que Midoriya pudesse lhe encarar a face e ver como ele estava vermelho e suava um pouco. – Talvez. – Ele lhe respondeu, o encarando diretamente nos olhos, enquanto apertava a mão em sua blusa na altura de seu coração, que doía querendo dizer a verdade ao outro.

- ..... – O rosto de Izuku se iluminou ao ouvir aquela única palavra e ele deixou algumas lágrimas escorrerem. Mas ele logo notou o rosto vermelho de Bakugou e aquilo o preocupou. Talvez ele estivesse doente por ainda estar machucado e rapidamente correu até ele, segurando-lhe o rosto. – K-Kacchan! Seu rosto está vermelho! Você está bem?

Bakugou arregalou os olhos e seu coração acelerou ainda mais. Seu corpo tremeu levemente ao sentir as mãos de Izuku contra sua pele e pequenas explosões foram feitas nas pontas de seus dedos. Ele queria empurrar o menor, mas ao mesmo tempo ele queria se aproximar ainda mais. Ah, sentimentos... Por que vocês machucavam tanto? Por que tudo não podia continuar simples como era na infância, quando nada disso importava e ele podia se divertir com Midoriya o seguindo?  Ele não notou quando fechou os olhos e uma lágrima escorreu. Ele sabia que não conseguiria continuar sendo forte perto de Deku. Ele não conseguiria fechar aquela porta novamente se ele sempre estivesse perto da chave.

- K-K-Kacchan! Por que você está chorando?!?! Tá doendo em algum lugar? Deveríamos ir a enfermaria? Não chore!! – Izuku ficou em desespero, mexendo as mãos rapidamente, olhando para os lados enquanto pensava em quem poderia chamar para ajudá-los.

- ... Isso é sua culpa... Seu nerd estúpido... Você é um idiota... Eu te odeio tanto... Seu ridículo de merda... Eu te odeio tanto... Que eu acho.... Que eu.... – Katsuki apertou seus olhos com força e levou uma mão até seu cabelo, apertando-a ali enquanto puxava alguns fios, começando a respirar fundo e tentando tomar coragem para dizer. – Eu acho que eu gosto de você. – Ele abriu os olhos e encarou Deku, lhe dando um sorriso irritado com seu rosto inteiramente vermelho.

- ..... – Izuku paralisou ao ouvir aquelas palavras e olhar nos olhos do outro. Sua mente ficou vazia alguns segundos com apenas aquelas palavras “Eu acho que eu gosto de você” ecoando nela. Seu rosto corou levemente e ele abriu um sorriso enorme, juntando suas mãos. – I-Isso significa que o Kacchan finalmente me vê como um amigo e não mais como um idiota que quer te humilhar? – Os grandes olhos verdes brilhavam intensamente.

- .... Você é estúpido, Deku? Você não entendeu o que eu disse?

- Hm? Kacchan disse que gosta de mim... Isso significa que agora somos amig-

Antes que pudesse terminar de falar, Katsuki puxou o menor pela blusa e juntou os lábios aos dele, forçando-os juntos e fechou seus olhos, sentindo os lábios de Midoriya e pensando que aquela provavelmente seria a ultima conversa que eles teriam. Então ele ligou o foda-se e pensou que iria fazer o que queria, mesmo que fosse em um ato impulsivo. Aquilo não durou muito, uns dez segundos talvez, até o loiro ir se afastando e abaixar a cabeça, evitando mostrar seu rosto para o outro.

- Desse jeito.

E ao dizer aquilo, ele se virou e saiu andando em direção a escada, querendo se enfiar em um buraco por ter feito aquela merda de viadagem, Deku provavelmente iria contar para todos que Katsuki era gay e aquela escola iria virar um inferno com aqueles moleques imbecis o zoando por isso. Midoriya ficou paralisado com os olhos arregalados olhando para frente, enquanto seu cérebro absorvia o que aconteceu. Kacchan havia lhe beijado, o que isso significa? Kacchan... Kacchan.... Ele então notou que o loiro havia sumido de sua frente e balançou a cabeça, olhando em volta. Ele pode ouvir passos no andar de cima e então correu em direção a escada, subindo o mais rápido que pôde. Encontrou Bakugou andando com a cabeça baixa, um rosto vermelho e a mão tampando sua boca, e logo foi correndo até ele, lhe segurando o pulso.

- K-Kacchan... Kacchan gosta de mim de uma forma mais do que amigos?

- ..... – Ele não quis responder, estava envergonhado demais para olhar o outro. Sabia que ele iria lhe achar nojento.

- Kacchan! Me responde! É isso?

- CARALHO, DEKU! É LOGICO QUE É! VOCÊ É ESTUPIDO DEMAIS? COMO VOCÊ CONSEGUE? SEU IDIOTA! – Ele explodiu. Lá estava, o velho Kacchan que xinga tudo quando está envergonhado ou nervoso. Com isso ele virou o rosto e então pode encarar os olhos verdes de Izuku sérios e brilhantes, com seu rosto também corado. - ...

- Kacchan...

Izuku foi pra frente e lhe segurou o rosto, colando seus lábios novamente e foi empurrando Bakugou para trás, até encostarem na parede. Ele fechou os olhos e forçou seus lábios, e dessa vez foi o loiro que arregalou os olhos surpreso, encarando o rosto de Midoriya bastante vermelho agora. Eles ficaram alguns segundos com os lábios encostados, até Katsuki abrir seus lábios e então Izuku enfiar a língua ali dentro, quando os dois iniciaram um beijo desajeitado e calmo. Ambos com os olhos fechados, o rosto vermelho e seus corações batendo tão rápido que provavelmente ambos estavam ouvindo um o do outro.

Eles continuaram aquele beijo estranho até que ambos perdessem o ar e então Midoriya se afastou um pouco e encarou o rosto vermelho de Bakugou, arregalando os olhos ao só então perceber que prensava o loiro contra a parede.

- M-M-Me desculpe, K-Kacchan!

- ... – Katsuki queria explodir Midoriya, mas isso não era novidade. Ele apenas abriu os olhos e virou o rosto para o lado, não querendo encarar o outro garoto. – O que pensa que tá fazendo, seu nerd estúpido? – Perguntou em um tom baixo, olhando para o chão.

- A-Ah....! – Deku parou pra pensar no que havia feito e se afastou um pouco, levando a mão até o queixo, começando a pensar no que ele havia feito e por qual razão. – Hm... Kacchan disse que gostava de mim... E isso me fez pensar um pouco. Eu também já pensei um pouco sobre meus sentimentos com relação a você... É diferente, sabe? Não é igual ao que sinto pela Uraraka-san, ou pelo Iida-kun... Ou pelo Todoroki-kun. – Ele continuava pensando, mantendo os olhos reduzidos. – É diferente... Eu sei que é. Então talvez esse sentimento... Esse sentimento que eu sinto, seja o mesmo sentimento que o Kacchan sente? – Ele ergueu o rosto e abriu aquele sorriso, aquele maldito sorriso que Bakugou odiava... E descobriu que gostava um pouco também, com aqueles olhos grandes de coelho... Que não mostravam medo do lobo nesse momento.

- ....

- Kacchan? – Midoriya pendeu a cabeça.

- Eu quero te explodir. – Katsuki abaixou a cabeça e passou a mão pelos seus cabelos, apertando os fios ali, se permitindo dar um sorriso estranho. Um sorriso onde Midoriya só via quando ele estava se divertindo em alguma luta. – Por que pra você tudo é tão simples, nerd idiota? Por que você sempre acaba me fazendo de estúpido?

- E-Eehh? O-O que eu fiz, Kacchan? Eu não estou te fazendo de estúpido! – Ele disse em desespero.

- Seu idiota... – Bakugou que empurrou Deku dessa vez, o batendo, ainda que não muito forte, contra uma porta, enquanto o segurava pelo colarinho da blusa. – Eu estava morrendo por dentro jurando que você, seu merda, iria me odiar e me achar nojento por ter essas porras de sentimentos por você... E ai... Você me diz que sente o mesmo? Desde quando você é gay, desgraçado?

- E-EHHHHH?

- Você não gosta daquela maldita de cara redonda? Eu tinha certeza que você queria ficar com ela! Seu maldito desgraçado! Está brincando comigo? Desde quando você é gay, Deku estúpido? – Ele dizia nervoso, enquanto seu rosto estava corado e ele rangia os dentes, apertando as mãos na blusa de Midoriya.

- Ohh... – Izuku sorriu e levantou as duas mãos, encostando-as no rosto do loiro, que estava quente pela vergonha e nervoso que ele estava passando. – Eu não sei se sou gay, Kacchan... Mas eu gosto de você. Se isso me faz gay, por mim tudo bem. – Ele deu uma baixa risada enquanto disse isso, erguendo uma sobrancelha e sorrindo de canto. – Seria possível... Que Kacchan está com ciúmes da Uraraka-san?

- .............!!!!!! EU VOU TE ARREBENTAR DEKU SEU IDIOTA! – Bakugou gritou e ficou tão vermelho que Izuku jurava que até as pontas do cabelo do loiro estavam coradas também. Ele sacudiu o de cabelos verdes que dava risada com os olhos fechados. Ele sabia que Kacchan estava envergonhado e não queria o machucar de verdade, mas Deku acabou tropeçando nos próprios pés e em uma das chacoalhadas acabou batendo suas costas na porta que foi forçada a abrir e os dois caíram no chão, com Kacchan por cima de Deku.

- A-Aiii... Ei... Kacchan, está tudo bem?

- .... Cale a boca... É culpa sua... seu idiota... – O loiro escondia o rosto agora contra o peito do garoto de cabelos verdes.

- Okay, me desculpe Kacchan, não fique bravo comigo. – Ele ainda sorria levemente. De forma tímida, Midoriya ergueu uma das mãos, a passando pelo cabelo de Bakugou em uma pequena carícia. Aquilo era algo que ele sempre quis fazer, passar algum conforto emocional para Katsuki, algo do qual o loiro sempre fugia... E pela primeira vez, ele se permitiu sentir aquele carinho.

Eles ficaram quietos ali por alguns minutos, enquanto Deku acariciava os fios loiros e Kacchan mantinha seu rosto escondido, sentindo seu coração se acalmar depois de tanto tempo, ele conseguia sentir paz com relação aos seus sentimentos. Aquela porta que Deku abriu... Aquela porta dava para um lugar quente e confortável.

- Kacchan....

- Hm?

Izuku segurou o rosto do loiro e o puxou para outro beijo. Ele começou lento, mas dessa vez os dois começaram a impor ritmo naquilo. E não demorou para que seus hormônios tomassem conta de seus corpos e aquele beijo se tornasse algo necessitado e um pouco mais selvagem.  Eles eram virgens, mas não eram idiotas.

Novamente se beijaram até perder o fôlego e então se afastaram. Bakugou apoiava as mãos no chão, ficando de quatro em cima de Midoriya, abrindo os olhos para encarar aqueles olhos verdes lhe olhando, enquanto Izuku ainda mantinha suas mãos no rosto de Katsuki, lhe mostrando um sorriso de lado e erguendo a sobrancelha, o que fez o loiro entender aquilo como um desafio para continuar... E foi o que ele fez.

Kacchan abaixou a cabeça e foi com a boca até o pescoço exposto de Deku, começando a lhe beijar ali, lhe dando algumas mordidas também, adentrando com a mão direita dentro da camiseta do garoto abaixo de si. Passou a ponta das unhas pela lateral de seu corpo, sentindo o que conseguia de sua pele. Enquanto Izuku esticou o pescoço, dando-lhe mais abertura para que continuasse com sua diversão, sentindo arrepios percorrerem seu corpo e deslizou suas mãos para baixo, tocando os ombros do loiro, apertando-lhe ali e sentindo seus músculos tensos.

- K-Kacchan...

A voz do de cabelo verde escapou em um sussurro quando ele sentiu uma mordida mais forte em seu pescoço. Logo ele levou suas mãos para dentro da blusa de Bakugou, a erguendo até que ele a arrancou e então ficou alguns segundos encarando o tronco nu do loiro, passando levemente as pontas dos dedos pelo corpo do maior.

- Kacchan... Você é incrível. – Ele sorriu para o loiro, com o rosto ainda vermelho.

- C-Cale a boca, Deku idiota!

Bakugou franziu a testa e ficou com sua expressão irritada de sempre, porém ele também estava corado e Midoriya achou aquilo incrivelmente fofo. Kacchan envergonhado era algo que ele estava adorando ver com mais frequência. Antes que Deku pudesse falar alguma coisa idiota novamente, Bakugou o beijou, dessa vez com mais fogo do que antes, arranhando o corpo de Izuku, que por sua vez passou suas mãos pelas costas do loiro, sentindo seus músculos, descendo inconscientemente até sua cintura. Até que o puxou para mais perto, fazendo com que ele sentasse sobre seu quadril, o que fez com que os dois parassem o beijo e arregalassem os olhos, desviando em seguida os olhares.

- Você tá duro, Deku ? Só com a porra de uns beijos?

- C-Cale a boca, K-Kacchan! Não é como se eu pudesse controlar isso. – Izuku cobriu o rosto corado com as duas mãos, bastante envergonhado pelo outro ter notado.

- Hm... – Bakugou ergueu uma sobrancelha e então enfiou sua mão dentro do short do menor, segurando o pau de Midoriya e começando a mexer com a mão direita ali, encarando fixamente o rosto do menor. – Deku, eu quero ver o seu rosto. Me mostre, agora.

- A-Ah! – O corpo de Midoriya foi tomado por uma onda de calor e arrepio quando sentiu a mão de Kacchan lhe tocando a região intima. Aquilo foi totalmente uma surpresa e ele não esperava isso. Ele respirou fundo e descobriu um pouco o rosto, olhando para os olhos vermelhos que o encaravam com intensidade.

Eles continuaram em silencio, apenas se encarando. Bakugou movia sua mão e enquanto olhava a expressão de prazer no rosto de Izuku, seu próprio corpo se esquentava e seu baixo ventre começou a lhe incomodar. Midoriya estava com o rosto vermelho e ofegava com a boca levemente aberta, um tanto quanto extasiado ao sentir a mão de outra pessoa lhe tocar lá embaixo... E aquela expressão estava fazendo Katsuki ficar mais quente e seu rosto ficar mais corado.

- Deku...

- Kacchan...

O corpo do loiro foi se abaixando e novamente ele beijou o pescoço do garoto, que agora fechou seus olhos, se permitindo sentir todas aquelas novas sensações que Bakugou estava lhe proporcionando.

Katsuki queria mais, ele queria sentir mais do corpo do outro. Ele queria sentir Midoriya inteiro, ele queria saber que Deku era seu e só seu. Ele pensou em descer mais os beijos, mas quando foi fazer, abriu os olhos e olhou para frente. No mesmo instante ele parou o que fazia, erguendo seu corpo, ainda meio sentado em cima de Izuku. Ele olhou em volta e sua cara fechou.

- Kacchan? – Midoriya abriu os olhos e o encarou, preocupado com o que havia irritado o maior, ainda ofegando.

- Deku... Você é um nerd idiota. Vamos continuar isso no meu quarto.

- E-Ehhhh? Mas por que? O que eu fiz? – E então Izuku olhou ao redor e notou que eles estavam em seu quarto.

- Eu não vou fazer mais nada com você com esse monte de pôsteres do All Might olhando para gente, seu babaca idiota! – O loiro levou a mão até sua testa, fazendo um face palm. – Eu não acredito que você tem tantos pôsteres assim... Você é realmente um virgem idiota.

- M-M-Mas... K-Kacchan! – Ele olhou enquanto Katsuki se levantava e o repreendia com a cabeça, pegando sua camiseta e caminhando para a porta do quarto.

- Se não quiser me ver irritado, levante logo essa maldita bunda e venha até o meu quarto.

Midoriya riu baixinho porque podia notar que Bakugou estava corado ao lhe convidar indiretamente para que fossem fazer coisas pervertidas em seu quarto. O de cabelos verdes levantou correndo, olhando para os pôsteres do seu ídolo, juntando suas mãos como se agradecesse a um deus.

- Obrigado por toda sua ajuda, All Might.  – Ele sussurrou e fechou a porta do quarto, correndo atrás de Bakugou até seu quarto.

Assim que entraram no quarto do loiro, Deku foi em sua direção e o agarrou pela cintura, lhe beijando de forma necessitada. Então o empurrou até a parede, fechando seus olhos, assim como Bakugou que também os fechou, largando sua camiseta no chão e apoiando as mãos nos ombros de Izuku, correspondendo o beijo na mesma intensidade que ele. Continuaram com aqueles beijos, enrolando suas línguas de forma fervorosa, até que ambos novamente perdessem o ar. Afastaram-se o suficiente para pegar um pouco do oxigênio que precisavam e então novamente se beijaram, agora brincando com as mãos um pelo corpo do outro.

Izuku passava suas mãos sentindo os músculos de Katsuki, e o outro puxou a camiseta do menor para cima, a jogando no chão também. Ao fazer isso, eles pararam os beijos e então Deku aproveitou a oportunidade para brincar com o pescoço do loiro da mesma forma que ele havia feito antes consigo. Mordeu, beijou e chupou o pescoço dele, fazendo o loiro erguer a mão até sua cabeça, agarrando os fios verdes e puxando-lhes em consequência das ondas de calor e arrepio que sentia ao ter seu pescoço mordido daquele jeito.

- Kacchan... Você é quem tá duro agora só com alguns beijos... – Deku encostou a testa na do outro, o encarando diretamente nos olhos enquanto juntava o corpo ao dele, assim sentindo a ereção do outro batendo contra a sua própria.

- ... C-Cale a boca, seu idiota. É culpa sua, é bom que faça alguma coisa pra cuidar disso. – Ele disse num tom irritado, mas novamente, ele apenas estava envergonhado, isso era obvio em seu rosto. Um rosto que somente Deku tinha a oportunidade de ver.

- Vou testar algo. – Ele sorriu e lambeu os lábios, deixando Katsuki curioso.

Midoriya se ajoelhou em frente ao loiro e em um rápido movimento abaixou a calça preta que o loiro usava, deixando sua ereção a mostra, o que fez os dois ficarem vermelhos.

- .....

Deku respirou fundo e abriu a boca, lambendo o pau de Bakugou, até deixá-lo mais molhado do que ele já estava. Ele passava a língua por toda a extensão, indo da cabeça até suas bolas e voltando para cima onde rodava a língua na ponta e olhava o rosto vermelho de Kacchan, o encarando um pouco surpreso. O maior mordeu o lábio inferior e levou sua mão direita até a cabeça de Midoriya, lhe apertando um pouco alguns fios e nesse momento Deku abriu sua boca e lentamente colocou o pau de Bakugou para dentro. Fechou seus lábios em volta quando uma quantidade considerável estava dentro e então começou a chupar o outro, fazendo o possível para não arruinar tudo com seus dentes.

- Uhn...

Katsuki soltou um gemido abaixado quando sentiu a boca quente de Deku lhe envolver e fechou os olhos, enquanto sua respiração começava a ficar descompensada. Passou a soltar vários suspiros, levando as duas mãos até a cabeça de Izuku e começando a guia-lo em um ritmo que lhe agradasse e Izuku prontamente lhe seguiu, ficando aliviado por ter o loiro lhe ajudando naquilo, levando suas duas mãos até a bunda de Kacchan, onde o apertou com força, puxando-o um pouco para frente, enquanto fechava os olhos.

O de cabelos verdes continuou movimentando sua boca contra o pau de Bakugou, o chupando da melhor forma que conseguia. Ele não era tão bom nisso, mas pra quem nunca teve alguém lhe chupando, Katsuki não tinha do que reclamar. Sentia seu corpo pegar fogo e vários arrepios diferentes percorrerem seu intimo. Ele estava ofegando agora e mantinha os olhos fechados, apenas deixando aquelas sensações tomarem conta de seu corpo, se focando na boca e na língua de Deku, que as vezes conseguia brincar com seu pau, e era incrível. Eles ficaram naquilo por algum tempo, até Izuku sentir o loiro tremer um pouco e abriu os olhos, o olhando debaixo. Kacchan estava tão lindo corado daquele jeito e contendo sua vontade de soltar alguns gemidos, mordendo o lábio inferior e respirando fundo.

Ele se afastou, parando o que fazia e se levantou, fazendo Bakugou abrir seus olhos para olha-lo em pé em sua frente, e novamente segurando seu rosto. Deku colou sua testa na de Kacchan e o olho nos olhos, com intensidade e a boca meio aberta, tão ofegante quanto o loiro estava.

- Kacchan...

- Hm...?

- Você disse... Que não ia me deixar ir embora... Eu quero te provar que eu sempre vou ficar com você. – Ele deu um pequeno selinho no loiro. – Eu vou mostrar que eu sou seu... Kacchan... E que você... Também é meu.

O rosto de Katsuki fervia e ele não respondeu. Ele respirou fundo e sentiu Deku segurar sua mão e lhe puxar até a cama, delicadamente tirando a calça do loiro que ainda estava em seus pés e sua roupa intima, o deixando nu deitado.

- Ah... Kacchan... – Mas antes que ele pudesse falar algo, foi repreendido por um olhar irritado e envergonhado, o que fez Midoriya balançar a cabeça e olhar para os lados. – C-Camisinha! Precisamos de camisinha... E... E lubrificante... Você tem isso aqui, Kacchan?

O loiro apenas apontou para seu armário enquanto olhava para a parede.

- Lubrificante tem no criado mudo...E aquela velha idiota me deu umas camisinhas enquanto gritava ‘EU NÃO QUERO NETOS! DE RABUGENTO EXPLOSIVO JÁ BASTA VOCÊ’. – Ele revirou os olhos, lembrando de quando sua mãe lhe deu alguns pacotes quando estava indo embora de casa para viver agora nos dormitórios do colégio. – Ela é uma idiota, eu sempre tive coisas mais importantes pra me preocupar do que garotas estúpidas. – Bakugou respirou fundo e acabou se perdendo um pouco em seus pensamentos. Ele refletiu um pouco sobre como de fato, ele realmente nunca pensou em garotas na vida... E havia sido tão simples quando foi sincero com o que sentia. Apenas disse que gostava de Deku e agora estavam quase fazendo sexo em sua cama.

- “Então é desse jeito que você faz as pessoas se sentirem quando abre aquela porta, Deku... Você faz os sentimentos serem algo tão simples... Como você consegue fazer isso? Por que isso parece tão fácil quando eu to com você? Essas merdas estavam me deixando louco, eu queria matar alguém de tanta raiva que eu sentia... Mas agora eu me sinto tão calmo... Eu não consigo entender que espécie de magia nerd você faz pra conseguir deixar tudo tão simples... Você ta sempre querendo me ajudar... Ah... Mas eu não acho... Que odeio tanto isso...”

E enquanto estava perdido em seus devaneios, ele nem notou que Deku havia se levantado e pegado o que eles precisavam. O garoto já estava com a camisinha em seu membro e jogava um pouco de lubrificante em sua mão.

- Ei, K-Kacchan... Eu vou... colocar...

Bakugou voltou os olhos vermelhos para os olhos verdes e então Deku se preparou para enfiar um dedo no outro, o que fez o loiro erguer uma sobrancelha e rapidamente segurar o pulso do menor.

- O-O que?

- H-Hm?  N-Não posso...?

- Como assim vai enfiar em mim? – Seu rosto estava bem vermelho enquanto apertava o pulso de Midoriya.

- Bem... Você acabou de falar que nunca teve tempo pra ficar pensando em garotas... Então eu acho que o Kacchan não sabe muita coisa... Mas... – Midoriya se inclinou e lhe deu um selinho, enquanto o olhava nos olhos. – Eu vou fazer o Kacchan se sentir bem. Confie em mim. – Ele lhe deu um sorriso cheio de carinho.

Ver aquele sorriso fez o coração de Katsuki acelerar e ele baixou sua guarda, soltando o pulso do garoto enquanto estava focado em seu rosto. Midoriya tomou isso como um sinal positivo, então lentamente começou a enfiar um dedo dentro de Bakugou, fazendo o loiro fechar os olhos e puxar o ar com força jogando a cabeça para trás, enquanto arranhava o colchão. Eles ficaram alguns minutos quietos e lentamente Deku mexeu aquele dedo ali dentro, até que o loiro se acostumasse e então um segundo dedo, e depois um terceiro, foram introduzidos lentamente. Kacchan soltava alguns suspiros e uns gemidos roucos pelo incomodo, mas é claro que o orgulho dele não permitiria que ele voltasse atrás agora.

- Kacchan... Eu vou mexer os dedos...  

Izuku disse em um tom baixo, lhe dando outro selinho, começando, então a penetrar Kacchan com seus três dedos, observando o rosto dele a todo momento e puta merda! Ele ficava lindo corado daquele jeito embaixo de si, com aquela cara irritada e com seus dedos dentro dele. Ao mexer os dedos em movimentos de vai e vem, enquanto procurava por um lugar em especifico para que o outro se sentisse bem, ele acabou tocando em uma parte que fez com que Kacchan arqueasse as costas e soltasse outro gemido rouco, cerrando os dentes.

- K-Kacchan? Está bem?? – Izuku arregalou os olhos e parou os movimentos, enquanto respirava fundo, preocupado que tivesse feito alguma coisa para machuca-lo ou se tinha acertado o ponto certo dentro do loiro.

- Ai... Toque ai de novo... – Katsuki confessou em um tom baixo, virando o rosto corado para o lado, levantando um dos braços e tampando a boca com a parte de trás da mão.

- S-Sim! – Ele balançou a cabeça positivamente e fez o que lhe foi mandado.

Continuou mexendo os dedos dentro do loiro, fazendo movimentos de vai e vem e também movimentos de tesoura. Aquilo estava começando a ficar bom, e os paus dos dois estavam pulsantes e quase no limite.

- Isso é bom, K-Kacchan?

- Hm... Ei... Como você entende tanto sobre essas coisas... Seu nerd pervertido? – Kacchan disse em meio a respiração ofegante, vendo o rosto de Midoriya ficar inteiro vermelho.

- E-Eu... Eu pesquiso sobre muitas coisas... Hahaha... – Ele enfiou os dedos mais fundo dentro do loiro, que cerrou os dentes e arranhou a cama novamente, fechando os olhos.

- Você... é mesmo um nerd pervertido...

- K-Kacchan... Eu quero... – Os olhos de Midoriya pareciam de um cachorro pedindo por comida. Ouvir a voz rouca de prazer de Kacchan, que se contorcia embaixo de si apenas por causa de seus dedos estava o deixando maluco. – Me deixe te ensinar o que eu sei... Kacchan...

- Uhn... – Ele suspirou e aproveitou um pouco mais daqueles dedos dentro de si. Claro que ele havia ficado puto ao ouvir que Deku queria lhe ensinar alguma coisa, mas ao abrir os olhos e o ver em cima de si, com aqueles olhos brilhando que pareciam implorar para que Bakugou não o deixasse, ele não conseguiu negar... Na verdade ele não queria negar. Ele queria ver o que aquele pequeno coelho medroso era capaz de fazer. - Coloque logo. – Bakugou disse estralando a língua enquanto ofegava, com seu rosto ainda bem vermelho, dando um leve soco na cabeça do outro.

O rosto de Midoriya pareceu se iluminar ao receber aquela permissão e prontamente o obedeceu. Se colocou nos meios das pernas do loiro, segurando seu membro e o guiando para sua entrada. Lhe avisou que iria entrar e assim o fez, começando a penetrá-lo lentamente. No inicio teve um pouco de resistência da parte de Kacchan, mas por conta de seus dedos antes, não demorou para conseguir entrar e manteve o ritmo lento até colocar uma quantidade considerável dentro do loiro.  Katsuki apertou as mãos nos lençóis, jogando a cabeça para trás e deixando pequenas explosões escaparem ali, queimando levemente suas mãos para apagar qualquer fogo que pudesse fazer no tecido.

- Ah...

Deku soltou um gemido quando sentiu-se dentro do outro e deitou o corpo em cima do loiro, o abraçando e partiu para beijar seu pescoço, apertando os olhos. Ele estava dentro de Kacchan e aquilo só poderia ser um sonho... Era tão bom. Midoriya levou uma das mãos até o pau duro do maior e então começou a masturbá-lo, para que o outro se acostumasse com o volume ali dentro e isso arrancou alguns sons baixos e roucos do outro, que arranhava o colchão.

- Eu vou me mexer, K-Kacchan...!

Izuku o avisou e assim o fez, começando a dar pequenas estocadas dentro do loiro, enquanto levemente mexia a mão no membro dele, tentando encontrar aquela parte que ele havia dito para tocar novamente, que aparentemente era um lugar bom. Demorou algumas estocadas até que ele encontrasse e assim que o fez, Bakugou gemeu um pouco mais alto, cerrando os dentes enquanto puxava o ar com força, tentando não deixar o som sair. Deku percebeu que havia encontrado o lugar e assim como Kacchan, estava quase gozando. Ele então continuou movendo seu quadril naquela parte especial e depois de mais algumas poucas estocadas, os dois acabaram gozando. Deku soltou um gemido mais alto, enquanto Kacchan tentou até o final manter seu tom baixo, provavelmente por causa de seu orgulho estúpido.

O de cabelos verdes saiu de dentro do loiro e se deitou de barriga para cima ao seu lado. Eles ficaram alguns minutos em silencio, deixando aquela sensação de prazer pós orgasmo tomar conta de seus corpos e mentes, enquanto também esperava suas respirações e corações voltarem ao ritmo normal, em um silencio confortante.

Assim que se acalmaram, Izuku levantou rapidamente e jogou a camisinha no lixo, indo pegar uma caixa de lenços para limpar a própria mão e a barriga de Kacchan, também lhe dando outro lenço para que ele se limpasse onde mais achasse necessário. Os dois logo acabaram colocando e ajeitando suas calças e roupa intimas, e ficaram deitados descansando um pouco na cama de Bakugou.

- Ei... Deku.

- Sim, Kacchan?

- O que você gosta em mim? – Bakugou olhava para o teto, com os olhos reduzidos e a testa franzida.

- Hm? O que eu gosto em você? – Deku virou o rosto para olha-lo, pensando um pouco. – Eu sempre te achei incrível, Kacchan... Tudo que você faz é incrível. – Ele abriu aquele maldito sorriso novamente. – E você, Kacchan? O que você pensa de mim agora?

Bakugou ficou em silencio por alguns segundos e se virou de lado, ficando de costas para Midoriya e abriu um pequeno sorriso, que deixou seu rosto levemente corado.

- Você é uma pimenta.

- Ehhh? O que isso quer dizer? – O de cabelos verdes ficou confuso, o que diabos Kacchan queria dizer que ele era como uma pimenta? Ele era vermelho? – Kacchan!!

- Vá dormir, Deku, precisamos descansar para voltar a limpar essa droga de prédio estúpido. - Katsuki fechou os olhos. Ele finalmente conseguiu atravessar aquela porta que ele trancava.


Notas Finais


E acabou! Eu tive a ideia pra essa fanfic enquanto lia os capitulos da DR deles no manga, foi tão intenso e fiquei meio "meh" por ter mais do ponto de vista do Deku, então resolvi usar aquilo de plot pra essa historia, claro, deixando um pouco mais gay, porque é disso que eu vivo. Eu resolvi trabalhar com a ideia de complexidade dos sentimentos do Bakugou, porque é assim que eu vejo ele. Sobre o lemon, eu não sei se vai agradar muita gente, afinal eu fiz o Kacchan uke, porque eu gosto de ver ele sendo bottom do Deku. ahuahuahau Mas espero que ao menos a escrita agrade. Faz muito tempo que eu não escrevo cenas de sexo, então to meio enferrujada, e tive que reescrever algumas cenas, mas fiquei satisfeita com o resultado. :)
Novamente obrigada a Yasmin por betar pra mim a historia! ♥
Eu espero que vocês gostem e se divirtam com a historia. Comentários são bem vindos e obrigada por lerem até aqui. ♥


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...