História Ignore. - Capítulo 32


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Personagens Personagens Originais
Exibições 11
Palavras 371
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Romance e Novela
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas da Autora


.

Capítulo 32 - Eu tédio.


Tédio.
Essa é a palavra que me resume, que resume tudo o que eu sinto.
Eu sou o tédio.
Tédio porque isso sempre se repete, é como um disco riscado, voltando sempre na mesma parte, tocando aquela melodia irritante que faz doer os ouvidos e arrepiar os pelos do braço. Eu me repito, a minha história se repete, os meus dias, as minhas conversas. "E aí, curte ler? Nossa, eu amo. Qual tua cor preferida? As minhas são vermelho e preto, se bem que gosto muito de todas"  Blá blá blá, as coisas bonitinhas, os clichês, sempre tão iguais. Os mesmos garotos genéricos aspirantes à escritores. Eu digo sempre "a vida é imprevisível, as coisas são imprevisíveis e você não pode saber como vai ser o final". Eu sempre deixo de fora a parte que eu digo que "as pessoas sim, são imprevisíveis". Elas podem mudar tudo do nada todo santo dia, ou elas podem deixar tudo igual como toda rotina deve ser. Eu provavelmente me encaixo na segunda opção, porque eu gosto mesmo é de continuidade, de calmaria e a certeza da rotina.  Não há nada mais perfeito que a certeza de que a pessoa vai estar lá amanhã, no mesmo lugar, com o mesmo sorriso, com o mesmo sentimento.  Mas bem... Algumas pessoas - senão a maioria - não curtem muito essa coisa de rotina, isso as causa tédio. E como eu disse, sou a personificação do tédio, deve ser por isso que ninguém fica comigo por muito tempo. Enjoa, cansa, amarga. Meu café esfria rápido pras pessoas. E eu não sei se me importo mais com isso. Esse ir e vir, conquistar e perder, conquistar de novo e perder logo em seguida outra vez, e mais outra, e outra... Sem nunca se cansar. Pelo menos eu não me canso de estar sempre conhecendo gente nova, esperiências novas. Não cansa, mas em compensação, porra, da raiva. Muita raiva. Raiva porque eu sou tédio, afasto as pessoas por ser quem eu sou e nunca mudar nada. Ninguém entende que a graça das coisas é fazer elas durarem, e a rotina serve pra isso. Só eu vejo. Daí acabo assim. Entediada e sozinha. Escrevendo mais outro texto que ninguém vai ler.


Notas Finais


.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...