História Ikanaide - Capítulo 5


Escrita por: ~

Postado
Categorias Tokyo Ghoul
Personagens Akira Mado, Juuzou Suzuya, Kishou Arima, Koutarou Amon, Kureo Mado, Personagens Originais
Tags Akiramon, Arimakira, Arimakiramon, Juuzouxhinata (original), Seidou Takizawa Solteiro, Triângulo Amoroso
Visualizações 8
Palavras 3.589
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Comédia, Drama (Tragédia), Ficção Científica, Hentai, Luta, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Terror e Horror, Universo Alternativo, Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Drogas, Estupro, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Spoilers, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Desculpa a demora para postar mas eu estava em uma dúvida sinistra se fazia ou não esse capítulo, tanto que cheguei a escrever metade de outro capítulo, só que aí eu achei melhor fazer esse, e como o Spirit estava numa boa vontade sinistra comigo foi um sufoco para escrever esse capítulo, mas tá aí.

Perdoem-me erros gramaticais... Sem intenção

Boa leitura!!!

Capítulo 5 - Brigas Intrigas e Confusões Part II


Fanfic / Fanfiction Ikanaide - Capítulo 5 - Brigas Intrigas e Confusões Part II


O som altamente irrtante do despertador ecoava pelo quarto, até ser desligado por Arima, que saiu do banheiro revoltado por ser incomodado por tamanho barulho.

-"Acho que vou ter que me livrar disso, é desnecessário..." - pensava enquanto voltava para o banheiro.

Ao terminar de se arrumar ele foi para a cozinha e começou a fazer seu café, como fazia todos os dias, até sua atenção ser voltada ao som do celular tocando.

Com muita preguiça ele atendeu o celular, após ver o nome de Hinata no visor.

- Arima-san? 

- Hn... Hinata... Aconteceu algo? - ele perguntou sonolento.

- Você viu o noticiário? - ela perguntou.

- Não...

- Estão vendendo bichinhos de pelúcia do Stitch, porque não compra um para a Akira-chan?

- Só isso? - indagou sem mostrar interesse. -"Tsc... Não acredito que ela me ligou só para isso..."

- Não, hoje Akira-chan terá que fazer uns exames e as médicas disseram que ela vai ficar muito indisposta para receber visitas, então hoje você não poderá ir vê-la, tudo bem para você?

- Hn... Tanto faz... 

Ao desligar, ele pegou sua xícara de café e foi para sala enquanto pensava.

-"Lilo & Stitch... Acho que é aquele filme infantil... Será que a Mado realmente gosta dele? Provavelmente não... Mas se ela gostar... Ficará feliz em saber que eu lhe dei um ursinho, e mesmo que não goste ficará feliz do mesmo jeito por saber que eu tentei agrada-la, então, eu saio ganhando dos dois jeitos..."

Ele terminou de beber o café rapidamente e se foi se arrumar vestindo uma camisa cinza e uma calça social.

Após passar por quatro lojas de brinquedos e sempre ouvir a mesma lenga-lenga que os brinquedos haviam esgotado em apenas um dia. Revoltado, Arima estava quase desistindo quando passou por outra loja de brinquedo 

- "Essa é a última."

Ele estacionou o carro e entrou na loja indo falar diretamente com um funcionário.

- Hum... Então o senhor quer um Stitch de pelúcia... Vai dar para sua namorada? - o menino com mais ou menos 20 anos indagou enquanto procurava o bichinho no computador, Arima meneou sem saber como responder - Aqui. Ele é o ultimo. Você deu muita sorte senhor, ele está no corredor 5. 

Arima saiu a procura do celurio após mumurar um obrigado ao atendente.

-"Vai ser fácil."

3 minutos depois...


Após rodar a loja inteira ele finalmente achou o "Maldito Corredor 5" apelido carinhoso dado pelo mesmo. 

Ele viu o azulado em cima de uma plateleira qualquer, estava meio alto, não para ele, é lógico. Ele andou até o azulado, até ouvir.

- Finalmente...

Na hora que ele foi ver, outra mão também havia encostado no pelúcia, o Kishou rapidamente o puxou para seu lado.

- Desculpa, cheguei primeiro. - Arima desacreditou ao ouvir a voz do outro.

- "Eles só podem estar brincando comigo..."

Ele olhou para o Koutarou tentando manter a calma.

- Acontece que eu vi primeiro. - retrucou.

- Nem vem, eu cheguei primeiro. - Amon falou puxando mais o Stitch.

- Eu cheguei primeiro na loja. - Arima protestou puxando novamente o boneco, com mais força dessa vez.

- Eu cheguei primeiro no boneco. - Amon puxou de novo.

- Mas eu cheguei primeiro no corredor.

- Tá querendo brigar?! - Amon o desafiou.

- Vai encarar? - Arima provocou. - "O que estou fazendo?" - indagou para si mesmo, porém ignorou, tinha um assunto sério a resolver agora.

- Pode vir.

Ao se colocar em posição de combate, Arima viu uma pequena sombra ao seu lado, dando conta que era apenas uma funcionária.

- Senhores está tudo bem aqui? 

Ela entrou no meio deles, enquanto ambos voltavam as posições "normais".

- Sim, a gente só estava decidindo quem ia ficar com esse bicho. - Amon explicou, não deixando o Kishou falar.

- Ah, entendi, vocês querem dar para a namorada de vocês? - ambos ficaram sem reação na hora.

- Está mais ou menos certa. - Arima tomou voz - "Só que é para a mesma mulher e ela não é namorada de ninguém e se for será minha." - ele pensou com convicção.

- Entendo. Mas eu vim avisar que esse boneco já está encomendado por outra pessoa, então eu vim guarda-lo.

A mais baixa foi e pegou o boneco com alguma dificuldade, devido a altura e saiu, deixando os dois com "cara-de-tacho".

- Fala sério...

Arima mal deu atenção a fala de Amon, estava ocupado demais pensando em como falar sobre a Mado.

- Amon escute bem, ela será minha. - não foi sua melhor opção, mas era clara, isso que importava.

Amon riu e o olhou.

- Vai nessa. Ela vai ser minha. - Arima suspirou pesado tentando controlar a raiva.

Os dois voltaram a se encarar.

- Que vença o melhor, vamos tentar fazer isso sem o uso da força, ela deve escolher com quem deve ficar sozinha.

Arima falava "calmamente" tentando evitar arrumar uma briga num lugar público.

Agora foi a vez de Amon suspirar.

- Ok...

Ambos apertaram as mãos e saíram, Arima ficou andando pela loja olhando os brinquedos, após alguns minutos ele foi embora.

-"Hoje não poderei ir ver a Akira... Acho que o jeito é ficar entediado mesmo..." - pensava no caminho.

E assim fez, ficou lendo livros repetidos o dia todo até anoitecer e dormiu pensando em táticas para conquistar uma certa loira.



No outro dia...


Arima acordou do mesmo jeito que ontem desça vez desligou o despertador antes que o mesmo fizesse seu trabalho desnecessário.

Fazia tempo que ele não se sentia assim, ansioso, bom mas agora ele havia se lembrado da sensação, a cada cinco minutos ele olhava no relógio na esperança que magicamente de onze horas da manhã fossem para três da tarde, mas isso não acontecia.

Ele estava na sala lendo outro livro quando seu celular começou a tocar.

Arima arqueou uma sobrancelha ao ver o nome de Fura no visor.

- Fura-Kun?

- Mochi Mochi, Aribaka.

- O que quer?

- Estava pensando, a missão acabou, estamos meio que numas férias, bora sair para beber?

Arima pensou por alguns segundos.

- Que horas?

- Agora. Se arruma e vamos, estou na frente do seu prédio, você tem cinco minutos, começando.... Agora!

Arima desligou o celular e foi se arrumar.



- 4 minutos e 50 segundos, parabéns. - o Taishi parabenizou ao Arima entrar no carro.

- Onde vamos? - ele perguntou sem demonstrar afeição.

- Num bar por aí, ainda é cedo para ficar bêbado, então não exagerare.

-"Olha quem fala..."

Os dois ficaram em silêncio o caminho todo até o bar, Fura começou com uma dose de saquê e Arima pediu uma cerveja belga.

- Então... Arima como está sua vida?

- Vivendo. - ele falou ao terminar de beber a garrafa em apenas três goles, ele fez um sinal para o barman pedindo outra.

- Baka! Você sabe que não é disso que eu estou falando... Se apaixonou?

Arima permaneceu quieto por vários minutos até suspirar pesado e tentar achar as palavras.

- Hum... Acho que sim...

- Cacete! Conseguiram fazer o "Ceifeiro Branco" se derreter, quem foi a louca?

Arima não respondeu o outro pedindo mais uma garrafa.

- Como está a sua filha?

- Bem, ela é muito inteligente...

- Hum... Ela não puxou você então.... - Arima falou arrastado, Fura percebeu como ele estava e ignorou o comentário.

- E aquela menina? A filha do Mado, droga! Eu sempre esqueço o nome dela...

- Akira?

- Essa! Ouvi dizer que ela se feriu feio na missão, ela já está bem?

- Está em estado de coma ainda, perdeu um rim, quebrou três costelas, pulmão e fígado perfurados, queimaduras, e os olhos dela estão feridos também, fora isso está bem. - Arima falou pegando mais uma garrafa. 

- Nossa... Mas o que aconteceu?

- Ainda não sabemos, ela não está apta para falar, ninguém viu o que aconteceu, o comunicador dela estava quebrado, e todos estavam ocupados demais para dar falta dela. - Arima explicou meio amargo.

- Entendo... O parceiro dela, Amon Koutarou, eles tem algum envolvimento romântico?

- Não! - Arima respondeu nervoso dando mais um gole na cerveja. - Se ele tocar nela... Eu o mato... - Arima começou a rir feito um idiota após a fala.

- Ok, ok... Vamos parar de beber, como eu disse ainda é cedo para ficar bêbado, me dá isso aqui.

Fura pegou a garrafa de Arima e colocou do outro lado do balcão.

- Que horas são? - Arima perguntou tentando pegar a garrafa de novo, porém sua visão turva não ajudava muito no processo.

- 14:45, porque?

Arima se levantou, mas quase caiu, por sorte, o Taishi o pegou e o sentou na cadeira novamente.

- Eu tenho que ir vê-la...

- Ver quem? Merda! Você bebeu demais.

- Me leva pro hospital...

- Eu vou te levar para casa, seu maldito!

Fura o escorou no ombro e o arrastou para o carro.

- Fura-Kun... Por favor... Somos amigos..

Arima choramingava no caminho.

- "Tinha me esquecido de como ele era insuportável quando está bêbado." - ele suspirou - Quem você quer ver?

- A Akira-chan....

-"Akira-chan?!" - ele arqueou uma sobrancelha - O que quer com ela?

- Eu quero ela... Só pra mim...

Fura começou a rir, mas rir, ele chorou de tanto rir.

- Não acredito... Foi por ela? Cacete... - Fura deduziu ainda rindo.

- Hum...

- Vou quebrar essa para você...

Fura o levou para casa dando a ele uma xícara de café amargo, ainda meio dopado Arima insistiu em ir.

- Ok, eu te levo, mas melhora essa cara aí, você bebeu só umas garrafas e parece que foi para uma rave.

- Hn...

Arima voltou a expressão séria (careta) e seguiu o outro até o carro.

Chegando lá Hinata o esperava sentada numa cadeira de espera do hospital.

- Yo, Arima-san, tudo bem? - ela o saudou gentilmente.

- Hn... Sim... E você...? - falou meio ranzinza.

- Estou bem... Tenho boas notícias, Akira-chan foi para o quarto ontem, logo após os exames.

- Que bom... - a voz do Kishou estava baixa e rouca, a Hayashi estranhou um pouco, mas ignorou.

- Então, eu gostaria de pedir um favor para você, eu tenho um compromisso hoje e alguém precisa ficar com ela, tudo bem se você ficar com ela hoje?

Arima saiu do seu "transe de bêbado" e a olhou.

- Tudo. Eu fico com ela. Sem problemas.

- Ok, muito obrigado...

Arima não respondeu esquecendo-se de apresentar o outro, Fura pigarreou antes de estender a mão para a menor.

- Taishi Fura, prazer.

- Prazer, Hinata Hayashi.

Ela apertou a mão dele ainda sorridente.

- O senhor gostaria de acompanhar a visita?

- Pode ser...

Quando entraram a Mado estava dormindo na cama, havia um pequeno tubo em seu nariz para ajudar na respiração, porém seu tórax se mexia normalmente, não parecia tão artificial assim.

- Ela só está dormindo, daqui umas horas irá acordar. - Hinata explicou enquanto olhava a albina.

- Não acha que está muito pálida? - Fura perguntou também analisando a Mado.

- Você acha? Para mim já foi pior...

Os dois, tanto Arima quanto Fura olharam para Hinata confusos.

- O qu-

O celular de Fura tocou o impedindo de terminar a pergunta.

- Mochi Mochi........Sim.........Tudo bem amor.........Já estou indo..........Ok..........Tchau. - ele desligou o celular e olhou para os dois - desculpa, mas eu tenho que ir, outro dia conversamos melhor.

- Ok, tchau...

Hinata acenou com a mão para ele sorrindo enquanto Arima apenas assentiu com a cabeça.

- Arima-san, vamos resolver as autorizações para você ficar com ela, daqui a pouco voltamos.

- Hn, ok.

Eles saíram do quarto e foram para a recepção fazer a autorização de Arima.

- Ué, mas outro homem já não ficou com ela ontem?

Arima olhou para a enfermeira, um pouco acima do peso e bem baixa, e depois para Hinata.

- Oi? Do que está falando? - Hinata indagou - Ontem só eu vim para ficar com ela, acho que se confundiu...

- Não, eu tenho certeza. Foi um homem alto e-

- Você está errada - uma voz feminina apareceu atrás da enfermeira - Ontem Akira-san teve uma série de exames para fazer e por estar exausta não permitimos visitas.

Uma médica morena e alta saiu de trás da outra sua expressão era séria, porém ela deu um pequeno sorriso ao ver Hinata, porém sua atenção foi voltada para a enfermeira que lhe olhava confusa.

- Já pode se retirar, eu acompanho os dois.

- Sim senhora...

A enfermeira saiu de lá o mais rápido possível.

- Então hoje ela terá uma companhia diferente? - ela esperou Arima assentir antes de continuar - Que bom, ver, ou sentir, no caso dela, pessoas diferentes deve fazer bem para ela.

Arima sorriu de lado ainda estava meio tonto por causa da bebida, mas iria fazer o seu melhor para agir normalmente.

- Ok, esperem uns 5 minutos e eu irei trazer as autorizações.

A morena saiu deixando os dois sozinhos.

- Arima-san, só queria lhe dar uns avisos ela ainda está meio drogue então irá lhe dizer muitas besteiras, então não liga, tá? 

- Hn...

- Ela senti mais dor a noite então eles aumentam a dose de dopamina, o horário que eles trocam as roupas dela é as oito da noite, ela não consegue dormir direito e tem muita sede, então ela vai te pedir muita água.

- Só isso?

- Pelo que eu lembro, sim, boa sorte.

- Amon-san virá vir vê-la hoje?

- Acho que não... Ele disse que teria que resolver uns problemas hoje e que talvez não viria.

- "Isso!" - comemorou mentalmente - Entendo....

- Aqui, as autorizações, creio que Hinata já tenha te explicado como funciona. - a médica voltou a aparecer entre os dois - meu nome é Hana Sarabi, qualquer coisa de estranho me chame ficarei de plantão hoje então não terá problema.

- Sim.

Os dois voltaram para o quarto, porém Hinata apenas viu como a Mado estava e foi embora em seguida, sem se despedir já que a outra ainda estava dormindo. Arima ficou sentado numa cadeira do lado dela, sua cabeça estava girando.

- Uh...

Arima saiu do transe e olhou a garota.

- Akira? - sussurrou baixo sua voz saiu rouca quase irreconhecível.

- Uh... Quem está aí?

Talvez fosse por estar meio bêbado, mas Arima teve uma idéia, que para ele, era genial, ele a olhou, os lábios dela pareciam tão úmidos e pequenos, os cabelos dela estavam meio bagunçados, mas ainda eram lindos, mesmo não podendo ver seus olhos, qualquer homem saberia que ela era linda, o contorno perfeito do nariz dela junto da pele alva a deixavam parecida com uma boneca de porcelana.

Arima se aproximou dela e puxou sua cintura a fazendo ficar inclinada na cama (sem estar deitada e nem sentada), ele passou os dedos pela coxa dela lentamente a arrepiando, os lábios dele colaram no pescoço dela dando um leve chupão ali deixando uma marquinha vermelha, sem se importar ele tomou os lábios dela pedindo passagem com a língua, com a outra mão e pegou o queixo dela e o puxou lentamente para baixo a fazendo abrir a boca.

-"Merda! Que lábios mais doces!" - ele se amaldiçoou e amaldiçoou todos os minutos que a beijou.

Ao se separar, o Kishou saiu correndo do sala tremendo, ele foi para o banheiro e lavou o rosto sem saber o que fazer.

- "Merda! O que eu fiz?!"

Ele ficou minutos parado na frente do espelho se olhando, não sabia o que fazer eram poucas as vezes que agia sem pensar, e mesmo quando o fazia achava uma solução rapidamente, mas dessa vez não sabia o que fazer diante daquela situação, a única coisa que sabia era que queria provar aqueles lábios infinitamente mais vezes.

-"Ok... Como posso resolver isso? Ela está cega, vantagem, você só disse uma palavra, vantagem, ela está dopada, vantagem, você marcou o pescoço dela, desvantagem, ela pode falar com alguma enfermeira, desvantagem... Droga! Eu me fodi legal dessa vez..."

Ele passou as mãos pelos cabelos e suspirou, logo saiu do banheiro, suas mãos suavam, seu corpo tremia e seu coração parecia que ia sair pela boca, ele pegou o celular e discou o número do Taishi.

- Mochi Mochi.

- Fura, eu fiz merda.

- Oque você fez?

Arima explicou a situação quase gaguejando, mas ficou bravo quando ouviu o outro gargalhando.

- Arima... Seu idiota... Eu não acredito que fez isso... Se eu morrer de rir a culpa é sua...

- O que eu faço? - Arima perguntou depois de suspirar.

- Sei lá... Volta pro quarto e finge que nada aconteceu.

- Será que dá certo?

- Se não tentar não vai saber - a voz do Taishi parecia apressada Arima ouviu uma voz infantil no fundo dizendo algo do tipo "Vai logo papai!" - Aribaka eu tenho que ir, boa sorte.

- Mas...

Arima iria protestar, mas Taishi desligou o telefone na sua cara.

- Tsc...

Ele suspirou pela quarta vez e afundou as mãos no bolso, ele andou o mais lento possível em direção ao quarto e entrou sem saber o que fazer.

- Quem está aí...? - Akira perguntou tentando manter sua pose de séria, porém sua pele estava levemente corada e suas mãos trêmulas estampavam o quanto estava nervosa.

- Sou eu, Arima.

O Kishou voltou a sua habitual seriedade e se sentou do lado dela.

- Arima-san...? Cadê a Hinata...?

- Ela teve um compromisso e me pediu para ficar com você, estou te incomodando?

- N-não, só é estranho...

- Está se sentindo bem? Está meio vermelha. - Arima se aproximou dela quase colando os rostos a fazendo suspirar.

- S-Sim...

Ele se afastou dela e voltou a se sentar.

Após vários minutos e provavelmente horas sem falar nada, Arima estava em dúvida se ela estava acordada, já que sua respiração estava leve e as faixas em seus olhos não o deixava saber o que estava pensando.

- Akira? - ele a chamou gentilmente.

- Hn...? - sua voz saiu arrastada e sonolenta.

-. O que aconteceu? - ela se virou para ele deitando-se de lado - Sabe, na noite do ataque...

- Uh... Me mandaram ajudar a 4° divisão, mas uma mulher apareceu e... - ela pausou parecia ter uma grande dificuldade para se lembrar - Ela falou que ghouls invadiram a casa dela... E que o filho dela ainda estava lá... Eu aceitei ajudá-la... Mas... Droga! - praguejou - Eu não consigo me lembrar de nada depois daquilo...

- Tudo bem... Se lembrar de algo me conte.

- Uh... Ok... - ela falou em meio a um bocejo.

- Durma, deve estar cansada...

Ele só a ouviu murmurar algo desconexo antes de se encolher na cama e relaxar o corpo, rapidamente dormindo.

Arima esperou ter certeza que ela tinha dormido antes de também relaxar na cadeira e se entregar a um "breve" cochilo.


Horas depois...


Arima acordou meio dopado de sono ele se espreguiçou lentamente e olhou para o lado, vendo a Mado ainda dormir.

- Tsc...

Ele se encolheu na cadeira tentando relaxar, sua cabeça estava doendo.

-"Deveria ter trazido algo para ler..."

- Uh...

Ele olhou para a garota e viu ela se remexer talvez estivesse acordando, ela passou a se mexer lentamente na cama se esticando e espreguiçando.

- Akira?

Akira parecia ter levado um choque ela ficou paralisada ao ouvir o mais velho a chamar.

- A-Arima-san?

- Sim?

A pele dela ficou vermelha, quase roxa.

- A-Arima-san, pode chamar alguma enfermeira?

Arima arqueou uma sobrancelha e saiu do quarto a procura de alguém.

Por sorte ele viu a médica morena de antes sair de um quarto.

- Sarabi?

- Quem? - ela olhou para Arima em seguida suspirando aliviada - Ah, é você, algum problema?

- Akira mandou te chamar.

- Ok, já estou indo.

Ela andou rapidamente até o quarto.

- Akira-chan, mandou me chamar?

- Hana! - Akira fez um sinal para ela se aproximar, e assim fez - Sabe... Está chovendo...

A Sarabi se levantou com a mão na boca sem saber o que fazer, Arima ficou as olhando sem entender.

- "Do que elas estão falando?"

- Hã... Vou ver o que posso fazer Akira-chan, daqui a pouco eu volto, é... Arima-san tudo bem se você esperar ali fora?

- Sim, aconteceu algo muito sério?

- Não! Sim... Quer dizer... Nada que deva se importar... - ela riu sem graça e o puxou para fora da sala.

Arima ficou sentado numa cadeira olhando a Sarabi conversar com uma enfermeira que começou a rir descontroladamente.

- Você tem algum aí? Justo hoje eu esqueci o meu em casa. - ela sussurrava, porém Arima conseguia ouvir tudo.

- Não, não tenho. - a outra sussurrou de volta - Porque não pede para aquele cara comprar pra ela, aproveita e pede para ele comprar umas pílulas para ela, já está quase na hora de troca-la mesmo.

A médica olhou para o relógio constatando que era 19:45.

Ela assentiu com a cabeça e foi falar com o Kishou.

- Arima-san? - ela o chamou e foi atendida de imediato - Preciso que compre umas coisinhas....










Numa farmácia qualquer...


Arima estava parado na frente de uma plateleira com uma cestinha na mão e lendo um papel na outra totalmente confuso.

-"Absorventes... Ok, mas qual?"

Ele pensava enquanto olhava os vários tipos de pacotes.

- Precisa de ajuda, senhor?

- Hn? - Arima olhou a moça muito menor do que ele o olhando sorrindo gentilmente, Arima a analisou - "Ela tem quase a mesma estatura que Akira" - deduziu - Qual você usa? - perguntou referindo-se aos absorventes.

A moça corou fortemente e olhou para o lado.

- O que quis dizer com isso senhor?

- Eu preciso comprar isso para alguém, mas não faço idéia de qual comprar...

A menina se aliviou instantaneamente.

- Ata... Entendi... Ela é pequena?

- Do seu tamanho...

- Ah, então eu recomendo que leve este aqui... - ela pegou um pacote pequeno.

- Noturno... - pigarreou.

- Oi?

- Aqui diz que tem que ser noturno... - ele disse enquanto olhava o papel.

Ela riu e trocou os pacotes.

- Aqui, mais alguma coisa?

- Sim, quero uma cartilha de Naproxeno.

Ela olhou em volta e foi até outra plateleira próxima a que Arima estava e pegou uma cartilha com oito pílulas.

- Aqui - ela entregou a cartilha Arima que a guardou na cestinha junto aos absorventes -, algo mais? 

- Sim, água e remédio para ressaca...





- Obrigado Arima-san, desculpe ter que fazer você passar por algo tão... Constrangedor... - Sarabi agradeceu rindo enquanto pegava o pequeno pacote mais a cartilha de um Arima meio vermelho. - Daqui uns dez minutos você poderá voltar para o quarto.

- Hn... Tudo bem... Vou esperar aqui...

Arima se sentou na cadeira massageando as têmporas.

-"Hoje foi definitivamente um dia cansativo..."






Notas Finais


Chegamos ao final de mais um capítulo!!!

Acho que deu para perceber que o Arima e meio fraco para beber, mas nem tanto, eu decidi colocar o Taishi como amigo dele porque não pensei em ninguém melhor, eu sei que a personalidade dele é séria, mas dá um desconto vai... No próximo capítulo terá esclarecimentos esclarecidos então não percam até mais!!!

P. S.: Talvez eu poste na segunda ou na terça, se derem sorte amanhã, nada confirmado.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...