História Il Gelato - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias Girls' Generation, Red Velvet
Personagens Irene, Jessica, Joy, Taeyeon, Tiffany, Yuri
Tags Joyrene, Taengsic, Taeny, Taerene, Yulsic
Visualizações 45
Palavras 1.865
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Fluffy, Romance e Novela, Yuri
Avisos: Álcool, Homossexualidade
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Oii ^^
Então, gente, isso aqui vai ser uma 2shot. Eu, sinceramente, achei que ficou ruim. Mas vou postar do mesmo jeito.
Se tudo cooperar e eu arranjar tempo, posto o segundo e último capítulo amanhã.
Sobre as partes em italiano, deixarei a tradução nas notas finais.
Acho que é só isso, espero que façam uma boa leitura ^^
E pra quem não sabe, escrevi isso pra Catarina.

Capítulo 1 - Arrivo


Fanfic / Fanfiction Il Gelato - Capítulo 1 - Arrivo

Pov Irene

Observei, através da janela do táxi, a cidade que se erguia sob meus olhos. Era tudo tão bonito, eu estava encantada. Meus olhos se prenderam em um ponto em especial, uma sorveteria que ficava entre duas casas de estilo vitoriano, quase escondida em meio a grandeza das construções que a rodeavam.

A sorveteria era pequena, mas chamou minha atenção. A fachada lindamente pintada de rosa claro, mesinhas de vidro com arranjos de flores espalhadas dentro e fora do local, a delicadeza do nome do local, pintado em branco e com letras cursivas no topo da porta de entrada. Il dolce gelato*. Eu teria que vir aqui depois.

Estava tão distraída pensando em como seria bom provar os sorvetes dali que nem vi que havíamos chegado ao destino, tanto que só acordei com a voz do taxista me chamando.

- Oh, grazie.* – respondi, lhe entregando o dinheiro antes de sair do carro, com minhas coisas em mãos.

Observei o prédio a minha frente. Apesar de não ser tão grande quanto os prédios que o rodeavam, não chegava a ser pequeno. Aparentava ter uns quatro ou cinco andares, era todo pintado de branco, dando ao lugar uma aparência suave. As janelas com acabamentos em madeira e pequenas cestinhas de flores a frente davam ao local um ar de antiguidade, e o canteiro de tulipas e anêmonas que cercava o caminho que levava até a porta de vidro da portaria só fazia com que ficasse mais bonito.

A Itália é mesmo linda. Se as escolas forem tão boas quanto o lugar é bonito, é completamente compreensível que ela tenha se mudado da Coréia para cá.

Atravessei a portaria, cumprimentando o porteiro, que sorriu gentilmente para mim. Entrei no elevador, apertando o botão do quarto andar, sentindo o nervosismo começar a me tomar. Assim que as portas de aço se abriram, comecei a caminhar pelo corredor, parando em frente a porta de número 407. Eu estava nervosa, e não é pouco, mas eu já cheguei até aqui, não tem como voltar atrás.

Bati três vezes na porta, esperando do fundo do coração que ela estivesse em casa, como havia me dito.

- Chi c'è?* - a voz mais do que familiar pra mim perguntou, porém, com um timbre meio estranho.

Não respondi, querendo manter a surpresa, e logo ouvi passos vindo de dentro do local, e o barulho da chave girando na fechadura. Assim que a porta foi aberta, pude ver a expressão surpresa da loira, assim como seus olhos inchados e vermelhos.

- Baechu! – Taeyeon exclamou, um sorriso enorme se abrindo em seu rosto.

- Oi, Unnie. – sorri de volta, enquanto ela me puxava para dentro do apartamento, fechando a porta em seguida.

- Que saudades eu estava de você! – ela disse, enlaçando os braços em minha cintura, me puxando para um abraço. Deitei a cabeça em seu ombro, retribuído o abraço. Fazia tanto tempo que eu não via Taeyeon...

- Eu também estava morrendo de saudades, quanto tempo a gente não se fala! – falei, com um sorriso brincalhão no rosto, assim que nos separamos.

- Verdade, já fazem 24 horas. – Taeyeon disse, fingindo uma expressão indignada. – Como aguentou ficar tanto tempo sem a minha pessoa?

Soltei uma risada. Não importa quanto tempo passássemos sem nos ver pessoalmente, Taeyeon sempre seria a mesma. A carinha de bebê, os cabelos loiros, a estatura de criança de três anos, o humor de tio do pavê... Sempre a mesma.

- Agora falando sério, Tae. – falei, ainda com um sorriso no rosto. – Faz tanto tempo que a gente não se vê pessoalmente... Eu senti muito a sua falta, Unnie. Por isso tive que vir aqui te visitar, te amo muito pra ficar mais um ano sem te ver.

- Aaaaa Que fofa! – Taeyeon disse, me abraçando de novo. – Eu também te amo muito, Baechu, se você não viesse pra cá, eu quem iria atrás de você. Não da pra ficar tanto tempo sem ver a minha neném.

Abracei a loira de volta, quase me escondendo em seus braços. Taeyeon havia viajado para a Itália um ano atrás, para estudar, e, desde então, nos falávamos todos os dias, mas só por mensagem ou facetime. E, para duas pessoas que praticamente viviam grudadas, isso era um martírio, afinal, a mais velha é minha melhor amiga.

- Agora, me conta uma coisa, você estava chorando, TaeTae? – encarei a loira, enquanto nos sentávamos no sofá.

- Eu? Claro que não. – ela disse, dando um sorriso amarelo e desviando o olhar.

- Kim Taeyeon, eu te conheço desde sempre, acha que vai me enganar assim? – encarei a outra seriamente, revirando os olhos em seguida.

Taeyeon ficou calada, me encarando, até que soltou um suspiro e baixou a cabeça.

- É a Jessica... – ela murmurou. – Ela terminou comigo.

- Tae... Por que não me contou antes? – falei, enlaçando meus dedos nos da outra.

- Porque não queria te atrapalhar com isso, Joohyun. – ela disse, segurando firme minha mão.

- Você nunca me atrapalha. – falei, abraçando a outra, que escondeu o rosto em meu pescoço. – Agora, me conta o resto, eu sei que não é só isso.

- Ela já está namorando de novo, Baechu... Faz um mês que terminamos e ela já está em um namoro sério com uma tal de Kwon Yuri. O que eu signifiquei pra ela? – ouvi a loira murmurar, e logo suas lágrimas começaram a me molhar.

- Eu nunca gostei dessa Jessica, você sabe disso. – falei, sentindo asco só por pronunciar esse nome. – E se ela fez isso, merece todo o ódio que eu sempre nutri por ela. Menina imbecil. Quem perde é ela, Tae... Achar alguém como você é difícil, sabe? Alguém que cuida, que mima, que da carinha, enche de presentes, é bonita, inteligente... Tenho certeza que essa Yuri não é 10% do que você era. Daqui a pouco a Jessica está correndo atrás de você igual um cachorrinho. E eu espero que você não volte com ela, se não vou ser obrigada a chamar a carrocinha.

Ouvi Taeyeon rir, ainda que tenha saído meio abafado, e isso já me deixou mais alegre. Eu sempre consegui fazê-la se sentir melhor, fico feliz que isso não tenha mudado.

Passamos mais um tempo assim, até que Taeyeon se separou subitamente de mim, com um sorriso enorme no rosto. Parece que alguém está melhor.

- Baechu, vai se arrumar. – ela disse, me encarando com um sorriso.

- Que? Me arrumar para que? – encarei a mais velha com o cenho franzido.

- Eu vou te levar pro melhor restaurante desse lugar. - ela disse, me empurrando para o quarto, trazendo junto minhas coisas.

- Mas Unnie... Eu tenho que arrumar minhas coisas. - me virei pra ela, encarando-a com um bico nos lábios.

- Não, você tem é que provar a lasanha daquele lugar. Vamos lá, neném, depois eu te ajudo a arrumar suas coisas. - ela disse, com um olhar podão que sabia que me faria ceder.

- Tudo bem. - falei, revirando os olhos ao que a mais velha soltava um sorriso vitorioso. - Mas você vai ter que me ajudar mesmo.

- Tudo bem, tudo bem! - ela sorriu, antes de sair correndo para o seu quarto. - Te espero na sala, Baechu!

Sorri ao observar a infantilidade da mais velha. Taeyeon é igualzinha a uma criança.

Entrei no banheiro, fechando a porta antes de me despir e entrando no box logo em seguida. Senti a água morna caindo sobre minha pele, me fazendo relaxar instantaneamente. Eu estava cansada da viagem, mas podia aguentar um pouco mais. Afinal, também estava com fome.

Após sair do chuveiro, sequei meus cabelos e fiz uma maquiagem leve antes de me vestir com uma saia rosa de pregas e uma regata branca, calçando minhas sapatilhas também brancas em seguida.

Depois de pronta, sai do quarto, quase me tombando com Taeyeon, que fazia o mesmo. 

- Está linda, Baechu. - ela disse, me fazendo sorrir. - Vamos?

Assenti com a cabeça e logo já estávamos dentro do carro da loira, andando pelas ruas de Milão. Mas nem tive tempo de apreciar a beleza do lugar durante a noite, já que Taeyeon logo estacionou em frente a um pequeno restaurante.

Era um lugar singelo, cercado de pequenos arbustos de flores e parecia ser bem arejado. Em cima da porta de entrada, um letreiro luminoso carregava o nome do estabelecimento, Il gusto della pasta.

Ao entrarmos no local, fomos muito bem atendidas, e logo já estávamos sentadas em uma mesa em frente à janela. Aparentemente, Taeyeon era uma frequentadora assídua do local, pois era extremamente bem tratada, de um jeito bem íntimo, o que foi estendido a mim, e eu aceitei de bom grado.

- Cosa vuoi? - a simpática atendente chamada Natallie perguntou, nos encarando com um sorriso.

- Due lasagne di pollo e spinaci, per favore. Ah! Prendi le cipolle da uno di loro.*. - Taeyeon disse, me fazendo sorrir por lembrar que eu não gosto de cebola. Caso contrário, ficaria três anos catando-as no prato.

Natallie assentiu, seguindo para a cozinha depois de afirmar que logo voltaria com os pedidos, afinal, Taeyeon é uma cliente especial ali.

- Unnie, essa lasanha é boa mesmo? - falei, encarando a mais velha com a sobrancelha arqueada.

- Claro, neném, eu já te dei alguma coisa ruim? - ela rebateu, parecendo indignada.

- Bom... Temos as várias vezes que me fez comer cebola. Aquela que me fez comer abacate. Ah! Também teve aquela vez em que... - comecei, mas fui cortada pela outra.

- TÁ BOM. Entendi, já entendi. Mas prometo que é gostoso, Baechu. - ela disse, me encarando com um sorriso.

- Espero que seja. - a encarei de volta, com os olhos semicerrados.

- Ah! Lembra da Seohyun? - a mais velha disse, mudando subitamente de assunto.

- Claro, morro de saudades da Seo. - falei, sorrindo ao me lembrar da menina que agora morava na França.

- Então, ela ganhou uma tartaruga! E pediu minha ajuda para dar um nome pro bichinho. Eu dei vários nomes bons, tipo Taeyeon Jr. e Sra. Cascuda, mas ela insistiu em chamá-la de Tiffany! - Taeyeon disse, com um semblante inconformado, o que me fez explodir em risadas.

- Mas é claro que ela preferiu Tiffany, olha os nomes que você sugeriu! - falei, entre risos.

- Eram nomes muito bons, ok? - ela disse, um bico se formando em seus lábios.

- Não, não eram. - falei, ainda rindo.

Então Taeyeon começou um discurso sobre como aqueles nomes eram bons, mas, de repente, uma ideia me veio a mente e me desliguei de tudo o que a loira falava.

Tiffany... Tiffany Hwang! Mas é claro!

Esse é o plano perfeito!

Porém minha atenção logo foi desviada de meu plano incrível para Natallie, que vinha trazendo nossos pedidos, e Taeyeon, que me encarava cheia de expectativas.

- É agora que você prova a lasanha, neném. - Taeyeon disse, sorrindo.

Medo. Muito medo. Isso deve ser ruim. Como fugir? Alguém me ajuda.

Natallie se aproximava cada vez mais e eu não via modo de escapar.

É, eu vou ter que comer a tal lasanha de frango e espinafre.

 


Notas Finais


* - O doce sorvete
* - Obrigada
* - Quem está aí?
* - O sabor da massa
* - O que vocês querem?
* - Duas lasanhas de frango e espinafre, por favor. Ah! Tire as cebolas de uma delas.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...