História ILYMTICES (2 temporada) - Capítulo 12


Escrita por: ~

Postado
Categorias Black Veil Brides (BVB)
Personagens Andrew "Andy" Biersack, Ashley Purdy, Christian "CC" Coma, Jacob "Jake" Pitts, Jeremy "Jinxx" Ferguson, Personagens Originais
Tags Alemanha, Andy Biersack, Bvb, Romance
Exibições 20
Palavras 1.712
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Romance e Novela
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Homossexualidade, Linguagem Imprópria, Nudez
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Primeiramente queria dizer que não quero que imaginem Nicka exatamente assim como essa foto, é só pra ter uma ideia mesmo e pre representar o capitulo que vocês nem imaginam o que acontece.

Capítulo 12 - O que ta acontecendo?


Fanfic / Fanfiction ILYMTICES (2 temporada) - Capítulo 12 - O que ta acontecendo?

NO CAPÍTULO ANTERIOR: -BUUU- Porque eu fiz isso? Eu não sei, só sei que depois dessa criancice eu só ouvi um grito, o som de algo caindo e um miado...

Continuando...

-Tá, eu sei que isso foi infantil e eu espero que esteja viva e não tenha matado o gato- Logo pude ouvir uma crise de risos, da gargalhada mais linda desse mundo desde sempre, ou desde que Nicka nasceu, ou pelo menos desde que eu a conheci.

-Eu e o gato estamos bem- Ela disse e depois de rir mais um pouco continuou- Então... Eu te liguei porque não gosto muito de conversar por mensagens sabe, pode ser que eu seja um pouco idosa, mas é que eu sinto que a pessoa não vai entender direito o que eu to falando, então na minha cabeça, se eu marcasse com você oito horas, você chegaria aqui amanha de manha, às oitos horas- Eu acho que era só ela especificar que eram oito horas da noite (na verdade nem precisava, porque era meio obvio né), mas tudo bem. Depois de muito respirar fundo tentando me acalmar, consegui me convencer de que eu conseguiria sobreviver à uma conversa por telefone.

-Sim, talvez você seja muito idosa- Eu disse porque... Não tinha muito o que falar mesmo, não, na verdade eu tinha um milhão de coisas para falar pra ela, mas não pelo telefone, não naquela hora e não na minha casa, entenderam?

-Ai ai, acho que ainda não entendeu que quando eu me critico, você e nem ninguém deve concordar- ela disse e voltou a rir, se alguém que não a conhece estivesse presente nessa conversa, acharia que ela estava drogada, mas não era o caso, ela só era muito feliz mesmo e aparentemente estava mais ainda naquele dia (querendo ser o motivo dessa felicidade extrema)- Na verdade eu não sei se te ligar foi uma boa idéia né- Senti até uma pontada no coração, mas logo melhorei- Porque eu não consigo falar nada, só fico rindo aqui- Acho que ela não tinha terminado sua fala, mas por incrível que pareça, ela começou a rir mais ainda e, como eu estava praticamente como um mudo naquela conversa, resolvi falar algo (super inteligente da minha parte, não acham?)

-Que eu saiba isso se chama felicidade, e é lindo te ver assim, ou melhor... Te ouvir- Eu disse e ela parou de rir, achei até que tinha falado merda ou que ao invés de ser fofo, foi retardado, mas acho que não.

-Bom, talvez... E só talvez, o motivo esteja conversando comigo pelo telefone- Sério mesmo que ela disse aquilo? Eu sei que as vezes pareço uma menininha que acabou de entrar pra adolescência e esta tendo o seu primeiro namorado, mas não dava cara, as vezes ela falava coisinhas tão simples, mas tão fofinhas ao mesmo tempo que eu não conseguia pensar em uma resposta boa o suficiente para lhe dar, mas eu sempre era obrigado a improvisar né, afinal de contas não queria deixá-la magoada.

-Bom e só talvez eu esteja falando no telefone com o motivo de eu ter ficado o dia todo completamente disperso em tudo, inclusive no trabalho e no curso, mas só talvez hein...- Eu disse e ela me respondeu com uma simples risadinha de quem gostou do que ouviu, mas não sabe como falar isso. Assim que ela começou a falar eu, sem querer a interrompi, mas por mais que tenha sido sem querer, acho que a ajudei porque antes realmente tínhamos ficado um tempo em silencio, e também porque ela não me xingou né (que é o que ela geralmente faz quando eu a interrompo em uma fala)- Enfim, já decidiu quando eu posso passar ai pra te buscar meu anjo?- Ainda não tínhamos nos chamado de nada assim desde a noite passada e acho que ela percebeu isso pois demorou um pouco para responder.

-Ah... Acho que lá pras oito horas mes... Não espera, falta só meia hora pra dar oito... Andy, acho que ficamos tempo de mais conversando- Ela disse como se estivesse realmente desesperadamente preocupada com isso e eu fui obrigado a rir porque, eu estava praticamente pronto e mesmo que não estivesse, não estava muito preocupado com horários, afinal de contas, no outro dia era domingo e eu não tinha nenhum compromisso.

-Então oito horas, certo? Ok, daqui a pouco eu passo aí pra te buscar, ta bom?- No meio da conversa eu acabei me lembrando do fato de que a minha mãe agora morava com o tio dela e obviamente eu sabia o endereço da casa (sim, eu tinha me esquecido completamente disso)- Esteja pronta porque eu já estou quase- Ela tentou falar algo, mas parecia confusa com alguma coisa e então eu continuei- Agora vou desligar para me vestir, beijo minha linda- Disse isso e desliguei antes que ela pudesse falar algo, que provavelmente seria reclamar e pedir mais tempo para se arrumar. O que eu não entendo, ela é tão linda naturalmente, pra que ficar tanto tempo se arrumando?

Enfim, coloquei toda a minha roupa que já estava em mente e assim que olhei no relógio, realmente ainda estava muito cedo (acho que me arrumo rápido de mais, ou de qualquer jeito mesmo), mas eu não me importava muito com isso, se quando eu chegasse lá, ela não estivesse nem perto de ficar pronta, eu a esperaria com minha mãe (já fazia um tempo que não a via pessoalmente). Me olhei no espelho um pouco antes de ir porque, cheguei a me sentir um pouco incomodado com o fato de eu demorar mais no banho do que me arrumando de fato, mas estava tudo bem com minha aparência, acho que só sou rápido mesmo. Peguei minha moto e fui, demorou um pouco, mas cheguei.

-Oi mã... Ela não me deixou nem terminar de falar “mãe”.

-Ai meu Deus filho, não acredito que está aqui, tava com tantas saudades- Enquanto falava isso, ela vinha me abraçar- Como estão as coisas? Já soube quem está passando uns dias aqui- É... Acho que sim mãe, talvez antes de você.

-Ah... Se essa pessoa for baixinha e ruiva, eu sei sim- Eu disse e minha mãe imediatamente me soltou do abraço, me olhando com os olhos arregalados como se eu tivesse cometido um crime.

Ela me chamou para entrar e disse que Jhon não estava em casa, o que de certo modo foi bom porque não me sinto a vontade na casa deles quando ele está, mas também foi ruim porque eu estava prestes a tirar a única pessoa que estava fazendo companhia pra ela daquela casa. Conversamos um pouco no sofá, quer dizer, ela perguntou um milhão de coisas e eu, pelo menos tentei, responder. Até que me dei conta de que Nicka estava demorando de mais para descer, será que ela já estava pronta e só estava me esperando chegar porque eu sequer tinha avisado que estava lá?

-Mãe, onde Nicka está?- Eu perguntei tirando sua atenção da série a sua frente.

-Ah, deve estar no quarto dela, mas acho que está ocupado porque há umas meia hora atrás desceu aqui desesperada procurando o secador de cabelo, depois voltou e não saiu mais de lá- Sim, aquilo foi fofinho e engraçado ao mesmo tempo, só de imaginar a cena dela desesperada para se arrumar para sair comigo, já da vontade de morder ela todinha (todinha mesmo)- Quarto que a propósito é só virar para todas as direitas que encontrar e você chega lá- Minha mãe disse com um sorrisinho como se soubesse o que eu queria com ela, mas tudo bem. Agradeci a super explicação de minha mãe e fui em direção ao quarto da pequena. Na verdade essa super explicação não foi tão boa assim porque o quarto ficava à esquerda, então acabei batendo na porta do banheiro e esperando uns três minutos que nem um retardado.

Assim que percebi que a outra porta que era a do quarto dela (“dela” né, porque ela nem nesse país mora), bati na mesma e na mesma hora ouvi um “já vai” que parecia ter vindo de Nicka, mas a voz era um pouco mais alta que o normal, será que pelo fato de ela não saber que era eu, ela falou “normal”? Como falaria em seu cotidiano, quero dizer, porque tecnicamente ela deve tentar se comportar mais perto de mim, eu acho, porque pelo menos eu tento fazer isso quando estou perto dela.

-Amy, da um jeito nessa menina aqui, ela não se decide nunca- A mesma voz falou de dentro do quarto, mais alto ainda, tinha quase certeza de que era mesmo Nicka, mas ainda tinha minhas dúvidas- Esse cara deve ser mesmo... Ah, oi- Quem abriu a porta foi praticamente o clone de Nicka, só que sem bochechas gigantes e tamanho normal de um ser humano, que merda estava acontecendo?- Então...?- A menina disse e eu acho que fiquei bastante tempo parado observando o quanto a menina era parecida com Nicka e tentando entender o por que.

-Esse cara deve ser o que Marcela? Não fala do meu Andy- Dessa vez eu tinha certeza absoluta que a voz que disse isso era de Nicka, e espera... Ela disse “meu Andy?” Estiquei um pouco meu pescoço para enxergar o que estava atrás da menina que ainda estava na porta esperando alguma reação minha e pude ver Nicka de costas, pelo que pude ver, ela estava com um vestido preto aberto nas costas enquanto se olhava no espelho e ajeitava a parte da frente do vestido.

-Você pode me dizer seu nome?- Ela provavelmente pensou que eu era algum parente ou algo assim porque, pelo que eu entendi, ela estava ajudando Nicka a se arrumar para sair comigo e se for isso mesmo, ela não foi nada gentil com o tom de voz.

-Ah claro, me desculpe, Andrew... Ah, Andy é meu nome- Estiquei minha mão para que ela apertasse, mas a menina ficou mais estática que eu quanto ela abriu a porta- Prazer, marcela- Eu disse sorrindo, já sabia seu nome porque ouvi Nicka falando.

-Ah meu deus, você é exatamente como ela disse- Isso era pra ser bom? E... Ela quem?- Prazer Andy, eu sou a irmã gêmea de Dominicka- O QUE?????


Notas Finais


Então é isso galere, o que acharam da ideia de Nicka ter uma gemea? Gostaram ou odiaram? Deixem aqui nos comentarios a opinião de vocês e como eu já disse, podem deixar sugestões do que querem que tenha a mais, do que querem que eu mude, que eu prometo que vou ler e atender o maximo que eu puder.
Brigadinha por ler, amo vocês e beijinhos
<3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...