História I'm Faded - Capítulo 27


Escrita por: ~ e ~Dedim

Postado
Categorias Originais
Tags Amor, Drama, Gay, Lesbicas, Lgbt, Romance
Exibições 74
Palavras 1.069
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Famí­lia, Hentai, Orange, Romance e Novela, Shonen-Ai, Shoujo (Romântico), Shoujo-Ai, Yaoi, Yuri
Avisos: Álcool, Drogas, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Sexo
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas da Autora


Boa leitura

Capítulo 27 - Aberração?


Ri POV

Dois dias depois do parto eu já tinha recebido alta do hospital, porém as bebês tinham recebido alta um dia antes de mim. A Ana trouxe elas durante o dia que elas ficaram sem mim pra que eu pudesse amamenta-las, o hospital entendeu o fato de a Ana faltar durante aquele dia, e por sorte eles não estavam precisando muito dela.

Assim que eu estava indo pra casa, notei que a Ana não foi pra minha casa, e sim pra dela. Na minha opinião fez sentido, afinal o quarto das bebês ficavam lá. Quando nós chegamos notei que as minhas coisas estavam lá, sim, a Ana tinha feito a mudança em DOIS DIAS.

Ri: Sério isso?~disse olhando a casa

Ana: O que?

Ri: Você trouxe as coisas pra cá?~disse indo até o quarto das bebês

Ana: Trouxe... Não gostou?~disse ela me olhando com uma cara fofa

Ri: Gostei, mas o que que vamos fazer com a outra casa?~disse olhando as bebês dormindo

Ana: A gente vende, e guarda o dinheiro, pro caso de precisar em alguma emergência~ ela se reencostou no batente da porta e ficou me olhando

Fiquei olhando elas com a maior cara de idiota, elas eram tão lindas que era difícil acreditar que eram reais, o Thomas tinha ido ficar comigo no hospital, e tinha me dito que elas eram chatas, porque não faziam nada, mas pelo menos eram bonitas.

Ana: Lindas né?~disse ela me abraçando por trás

Ri: Perfeitas...~disse fazendo carinho na Sophia

Ana: Parecem com você~disse ela beijando meu pescoço

Arrepiei instantaneamente e me virei em sua direção, a beijando logo em seguida, a boca dela era algo tão viciante, e despertava um lado muito sacana em mim. Notei que ela estava prestes a tirar a minha camiseta, segurei suas mãos pra que ela parasse o ato.

Ri: Não ainda

Ana: A não amor, tô com saudade de você

Ri: To gorda ainda... talvez semana que vem~disse dando um selinho nela e indo em direção ao nosso quarto

Ana: Sério isso?~disse ela me seguindo

Ri: Sim, tô uma bolinha ainda, então não é pra você ficar tirando minha roupa~disse deitando emburrada na cama

Ana: Ai amor, para com isso vai~disse ela fazendo birra e deitando do meu lado

Ri: Desiste

Ana: Beijar pode?~disse ela me olhando com um pingo de esperança nos olhos

Ri: Pode

Ana: Ainda bem~disse ela subindo em cima de mim e voltando a me beijar

Depois de um certo tempo as bebês acordaram, então eu disse pra Ana ir dormir, afinal era obvio que ela não estava dormindo direito. Fiquei a tarde toda cuidando delas, amamentando, trocando frauda e tudo.

Ana Carolina POV

Acordei com a Ri me mandando ir buscar o Thomas na escola. Dormi a tarde toda então nada mais justo do que eu ir busca-lo.

Peguei o carro e fui até lá. Assim que cheguei notei que tinham uns garotos falando algo pra ele e notei também que ele estava cabisbaixo, quando os garotos me viram chegando perto, se afastaram do Thomas. Levei ele até o carro, e notei que ele estava muito calado.

Ana: O que disseram pra você?~disse olhando ele, enquanto parava no semáforo

Thomas: Nada pai...~disse olhando pela janela

Ana: Fala pra mim vai~disse fazendo carinho nele

Thomas: Eles me disseram que a senhora e a mamãe são ruins, que vocês são o que está acabando com o mundo...~nesse momento ele abaixou a cabeça e notei que ele deixou algumas lagrimas cairem~disseram que eu sou uma aberração, filho de duas nojentas

Fiquei calada por uns minutos e procurei um lugar para estacionar, assim que encontrei o mesmo, estacionei e me virei pra ele.

Ana: E o que você acha disso?

Thomas: Eu acho que eles estão errados...

Ana: Eu e sua mãe já fizemos mau pra alguém?

Thomas: Não...~disse ele olhando pra baixo

Ana: Então nós não somos ruins...~disse fazendo ele olhar pra mim~e você não é uma aberração. Você é o fruto de um sentimento verdadeiro, você é perfeito, você é lindo,você é esperto, e esses garotos idiotas, dizem isso porque não conhecem você por dentro, dizem isso porque não conhecem o amor, dizem isso porque dentro da casa deles não tem um exemplo de amor verdadeiro, porque se houvesse eles saberiam que o amor não é errado de forma nenhuma.

Thomas:... Pai...a senhora acha que eu sou uma aberração?~disse ele com os olhos marejados olhando pra mim

Ana: Aberração é condição ou estado de irregularidade que resulta o desvio, você por acaso tem mãos grudadas?

Thomas: Não...

Ana: Você tem quatro olhos?

Thomas: Não...

Ana: Então você não é uma aberração

Thomas: Mas eu sou diferente...

Ana: Agradeça por isso, nesse mundo onde todos são iguais, quem é diferente reina, agradeça por não ser como eles, porque eles nem se quer devem ter um cérebro.

Ele sorriu e secou as lágrimas.

Ana: Você quer ser um deles?

Thomas: Não...

Ana: Já tentou ser alguém diferente de você?

Thomas: Não

Ana: E como você se sente sendo você?

Thomas: Bem

Ana: Então, você é o que tinha que ser, não tente se adequar aos padrões do mundo, porque não vale a pena ser infeliz, pra ser igual a eles...~disse beijando a testa dele

Thomas: O que eu digo pra eles?

Ana: Se eles te chamarem de aberração de novo, aponta o dedo na cara deles e diga: “Pelo menos eu cuido da minha própria vida, e não preciso cuidar das dos outros pra ser feliz. Ainda bem que eu sou diferente, se olha por dentro e me diz quem é a aberração agora?! No seu circo dos horrores eu nem pago a entrada, porque de aberração como você o mundo ta cheio”, vira as costas e sai andando~disse olhando ele

Thomas: E se eles continuarem?

Ana: Diz: “Pelo menos eu não tenho pau pequeno”, essa é a cartada final~disse rindo

Thomas: Tá bom~disse ele rindo

Ficamos rindo um bom tempo no carro, até que eu voltei a falar séria com ele.

Ana: Eu te amo ta bom?

Thomas: Também te amo papai

Ana: A sua mãe também te ama muito~disse fazendo carinho nele

Thomas: Eu sei~disse ele sorrindo

Ana: Quer sorvete?

Thomas: Quero

 

E assim fomos pra sorveteria, e claro, mandei uma mensagem pra Ri perguntando qual ela queria, porque se ela soubesse que eu tinha ido tomar sorvete e não levei pra ela, ai que eu ficava na seca mesmo.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...