História I'm not evil morty I'm just the greatest Morty - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias Rick and Morty
Personagens Morty Smit, Rick Sanchez
Tags Evil Morty, Rick And Morty, Vingança
Visualizações 20
Palavras 1.313
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Ficção, Suspense, Violência
Avisos: Linguagem Imprópria, Mutilação, Spoilers, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 1 - I'm Morty


-- Rick… não… -- o garoto de cabelos castanhos suplicava com lágrimas nos olhos para que o que ele estivesse lendo fosse mentira, ele queria que fosse mentira -- Rick… você me abandonou… por favor não…


O soluço ficou mais alto, as lágrimas mais grossas, os olhos mais vermelhos e a dor só aumentou. Seu avô tinha o abandonado, ele agora ia ficar sozinho, sentia a culpa o corroer afinal se ele não fosse tão “diferente” dos outros Mortys Rick teria ficado, não é?  


Foram dias tentando ligar para o Rick, foram semanas de tristeza e quando completou meses Morty não aguentava mais. Depois de tentativas frustradas de replicar a portal gun de Rick ele só piorava. Beth agora bebia todos os dias, seu pai tinha ido embora por tanto tempo pela primeira vez e ela sabia no fundo que ele não voltaria. Jerry estava normal, feliz por se ver livre de Rick, mas seguia sua vida normalmente, Summer pouco ligou, nunca foi próxima do avô de verdade, às vezes ele a levava em uma aventura, era divertido, mas não podia dizer que eram próximos. Morty foi de longe o que mais sofreu, seu avô praticamente o criou, dizia que ele seria um Morty diferente, inteligente e mais forte, mas por que quando ele se mostrou forte e inteligente Rick foi embora? Claro existiam as torturas, as experiências, mas também existiam as aventuras, o cuidado e até amor. Lembrava claramente dos choques elétricos, da dor, das violações. Lembrava das megasementes, de ser obrigado a colocar eles dentro de si. Lembrava da crueldade de Rick às vezes…. Mas também lembrava que ele sempre esteve la, lembrava que ele cuidou de si, ensinou, criou, protegeu, que as vezes ele era carinhoso consigo, que se divertiam juntos. Lembrava do sentimento de amor fraterno entre os dois. Das viagens, das conversas, do abraços. Ele lembrava de Rick.


No aniversário de 13 anos de Morty ele não queria comemorar já faziam seis meses que Rick havia ido embora e as tentativas de replicar a portal gun estavam se tornando frustrantes. Morty estava na sala de jantar sua família havia comprado um bolo com cobertura azul, cantaram os parabéns, mas Morty não estava feliz. Ele simplesmente levantou e saiu. Ainda ouviu sua mãe o chamar, mas ele foi direto para a garagem. Com o código discado no painel secreto desceu até o laboratório subterrâneo que costumava ser de Rick e voltou às suas tentativas. Já devia ser nove da noite quando ele teve pela primeira vez um resultado positivo. Ele havia criado a sua Portal gun e conseguiu rastrear o seu Rick, Rick  terráqueo C-137. Abriu o portal para a dimensão que ele estava e não pensou antes de entrar. A matéria gelatinosa e brilhante verde tremulou quando ele passou.


Ele estava em frente a sua casa, ou uma casa exatamente igual a sua, só que de outra dimensão. Foi até a janela estranhando e pensando ter errado a dimensão. Ele viu Rick abraçando um Morty em seu aniversário de 13 anos. Viu as velas apagadas e a família sorrindo. Reconheceu a pequena cicatriz no pulso de Rick que eles haviam feito em uma experiência quando Morty era bebê, idêntica a sua e que nenhum outro Morty ou Rick tinham, era o laço deles os únicos diferentes, os que passaram 13 anos juntos. Uma lágrima caiu de seu olho esquerdo e seu coração estava ficando cheio de ódio.


ele me trocou, me substituiu por um… um Morty comum.”


Os lábios tremiam de raiva e ele apertava forte a portal gun em sua mão. Não ia ser assim. Foi ELE que aguentou 13 anos de torturas e experiências, foi ELE que foi criado pelo Rick, foi ELE que se tornou o Morty diferente, era a ELE que Rick C-137 pertencia.


Ele gravou aquele Rick com um dispositivo de rastreação, criado pelo Rick a alguns anos. Voltou pra casa. Beth reclamava que ele devia ter um pouco de compaixão pela família, dizia que ele devia ao menos ser grato. O olho direito agora doía pelo estresse. Foi ate o laboratório, esperou todos dormirem. A hora certa chegou, a raiva estava visível em seus passos, sem arrependimentos, sem volta. Três tiros, três tiros foram ouvido e os respingos de sangue mancharam seu rosto. Estava feito. As fotos foram enviadas ao Rick e o plano iria ser iniciado.


Construir um robô de Rick foi relativamente fácil, afinal Rick o havia ensinado desde de pequeno. Esperou pacientemente o hora certa. O tapa olho no olho direito controlava o Rckbô. E quando o aniversário do Rick chegou decidiu agir.


Matar Ricks foi divertido e sequestrar Mortys fracos e indefesos também. Com a Matriz ( um projeto do Rick para se esconder de outros Ricks) completa era só questão de tempo até o seu Rick chegar. Os gritos eram melodiosos, Mortys, tão comuns, usados apenas como escudo e esconderijo, jamais seria como eles, jamais seria controlado como um idiota. Quando seu Rick chegou teve que se controlar ao máximo para não demonstrar sua raiva. O Morty que andava com ele era tão dramático e irritante.


-- leve o Morty dele e coloque junto com os outros. -- o robô disse fazendo tudo parecer real.


-- venha comigo -- Evil Morty chamou e aquele idiota o seguiu.


-- cara esses Ricks -- tentou conversar como se Evil Morty ligasse pra ele -- sera que não tem como libertar aqueles Mortys la em cima?


-- Mortys não podem derrotar um Rick.


Uma bela mentira. Parecia frio calculista e de fato o era. Seu robô tentava roubar as memórias daquele Rick e soube definitivamente que era o seu Rick. As memórias de Morty bebê, das torturas. Rick chorou… há. Lágrimas falsas, ele  o abandonou, o deixou pra trás e o trocou por aquele bastardo.


Ele sabia que os Mortys iriam destruir seu robô e também sabia que a divisão entre Ricks e Mortys iria aumentar. Sabia também que na cidadela as coisas ficariam catastróficas, só não esperava que Rick C-137 séria útil. Foi uma surpresa quando ele destruiu o conselho da cidadela, mais ainda quando tudo ia de acordo com o seu plano. Rick destruiu o governo galáctico e tudo seria ótimo para ele.


Rick criou o cenário perfeito para a eleição de Morty. Foi complicado lançar sua campanha afinal Mortys eram a piada favorita dos Ricks, mas aquele cenário de desigualdade foi perfeito para sua eleição. Só teve um pequeno problema quando um maldito Morty idiota descobriu tudo e atirou no novo presidente da cidadela, era o antigo gerente de campanha, mas é claro que aquele idiota seria morto depois, aquelas fotos morreriam junto com ele.  Depois houve aqueles malditos Ricks achando que o controlariam. Há. Que piada ruim. Todos mortos. Quem não concordar seria morto. Ele odiava os Ricks e odiava ainda mais os Mortys.


-- ja é o suficiente no topo? -- o Rick cabeleireiro que cortava seu cabelo perguntou.


-- eu não sei… está? -- Morty perguntou para os Ricks que sobraram vivos naquela sala.


-- claro, claro,  está -- o medo, o visível medo em seus olhos agradou Morty. Os seus soldados retiravam os corpos que a poucos segundos respiravam.


-- me parece uma boa hora para uma bebida -- o jovem levantou indo ate uma mesa cheia de bebidas. Escolheu um whisky colocando em seu copo. -- e um discurso frio e calculado com conotações sinistras, um discurso sobre política, sobre ordem, irmandade, poder…


O jovem olhava pela janela de sua nova sala apreciando a vista da cidade abaixo dele.


-- mas discursos são para campanhas agora é hora de agir.


O olhar dele era frio, sem remorsos, sem arrependimento. Agora só faltava Rick C-137 para tudo estar completo. Só faltava seu avô saber que aquele Morty, o Morty diferente e inteligente ainda estava vivo e mais, agora comandava a cidade mais poderosa da galáxia. Precisava mostrar a ele que era o melhor Morty. 



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...