História I'm Not Sorry - Capítulo 14


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Rap Monster, Suga, V
Tags Assassin!au, Killer!jeongguk, Killer!taehyung, Kookv, Namjin, Taekook, Vkook, Yoonmin
Visualizações 59
Palavras 1.952
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Ficção, Mistério, Romance e Novela, Shonen-Ai, Suspense, Universo Alternativo, Violência, Yaoi
Avisos: Bissexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


alo alo amores
voltei com um capítulo pequeno mas cheio de emoções
aconselho vcs a ouvirem a música Recover da Ruelle
boa leitura~

Capítulo 14 - I wanted to tell you


Depois de ter resolvido tudo com Taehyung e o ter conhecido um pouco melhor, me sentia estranho. Não estranho numa má maneira, mas sim numa boa. Nunca na minha vida tinha achado que iria encontrar alguém que me fizesse sentir da forma que o moreno me fazia sentir, e saber que o sentimento era recíproco fazia meu estômago dar voltas. O fato de nos termos entendido e saber que ele não tinha feito tudo aquilo apenas pela bebida presente no seu corpo me fez relaxar também. 

 

Por mais que ele me fizesse sentir um turbilhão de sensações, não podia dizer que confiava nele a cem porcento. Tinha várias duvidas ainda sobre como nos tínhamos conhecido antes, de onde vinha a conversa que se repetia constantemente na minha cabeça, entre outras mil.

 

Estava na sala pensando em como deveria abordar o assunto quando o mesmo passou por mim.

 

— Eu vou ter de ir encontrar um membro da nossa empresa pra resolver umas coisas, mas não vou demorar muito. 

 

— Ok, tenha cuidado. — Me arrependi instantaneamente quando acabei de me pronunciar, fechando os olhos com força. Ao os abrir encontrei Taehyung com um sorriso satisfeito no rosto.

 

— Vou ter. — Numa velocidade enorme depositou um beijo no meu rosto, saindo que nem um foguete pela porta sem olhar para trás. 

 

Fiquei um tempo parado sem piscar tentando assimilar o porquê de ele ter feito tal coisa, talvez ele só estivesse tentando me habituar à ideia de gostarmos um do outro sem ser demasiado invasivo. 

 

Por mais que não quisesse admitir, eu estava gostando daquilo. Ri para mim mesmo e cheguei à conclusão que não poderia deixar de lado a discussão que deveriamos ter durante muito mais tempo. Quando ele voltasse teriamos de conversar.

 

✧✧✧☽ ✧✧✧

 

Acordei sem me ter apercebido que tinha sequer adormecido com a Tv ligada. Ouvi um som extremamente irritante que reconheci ser o toque do meu celular e o peguei para ver quem estava me ligando. Seokjin.

 

— Alô?

 

— Sim? Jeongguk? Você está em casa? — Ele parecia um pouco nervoso o que me deixou a mim nervoso.

 

— Estou, porquê?

 

— Estou te ligando tem um tempo e você não atendia, estava preocupado. Pode descer? Estou em frente ao seu prédio. — Franzi as sobrancelhas.

 

— Aconteceu alguma coisa? 

 

— Eu só quero conversar com você, nada demais. — Passei a mão pelo rosto.

 

— Tudo bem. Estou descendo.

 

Desliguei, jogando o celular para algum canto do sofá. Me espreguicei e fui em direção à porta sem me preocupar com minha aparência de quem tinha acabado de acordar. 

 

Chegando à entrada do prédio encontrei Seokjin batendo o pé freneticamente no chão como se tivesse uma notícia ruim para me dar. Estava entrando em pânico.

 

— Oi. O que você queria me dizer? 

 

— Ah, oi. Não se preocupe não aconteceu nada de preocupante, eu só queria te perguntar uma coisa. 

 

— Vai em frente. — Tentava disfarçar minha preocupação, mesmo que talvez não estivesse dando muito certo.

 

— Eu conversei com Taehyung esta manhã e ele parecia estranhamente... — Ao ouvir o nome do moreno ser pronunciado meu coração pulou uma batida, deixando a preocupação tomar conta de mim sem saber o que ele iria dizer a seguir. — Feliz.

 

Franzi as sobrancelhas ao ouvir o final da sua frase. Feliz?

 

— Pode parecer um pouco estranho que eu esteja preocupado com ele por ele estar feliz, mas eu não o via assim tem muito tempo e ele não me quis explicar o que aconteceu. Consegue entender? Pode não ser da minha conta mas eu realmente gostaria de saber o que se passa, então queria perguntar se você sabe de algum evento recente que poderia ter o deixado assim.

 

Suavizei a minha expressão. Talvez ele estivesse feliz por causa do que aconteceu entre nós no restaurante. Por nos termos resolvido? Apenas essa possibilidade fez meu corpo inteiro estremecer. 

 

Eu não deveria dizer isso a Seokjin, mas o ver tão preocupado e desesperado com o pensamento que algo poderia ter acontecido com Taehyung, fez com que eu colocasse a possibilidade de manter a resposta para mim de lado.

 

— Não aconteceu nada demais, pode ficar descansado. Nós apenas... Nós... — Era mais constrangedor o dizer em voz alta do que eu poderia imaginar, então apertei os olhos e disse rápido. — Nós nos beijamos. 

 

Seokjin arregalou os olhos e abriu levemente a boca pronunciando um "Oh". Ficamos nos encarando durante una segundos até ele engolir seco e piscar várias vezes.

 

— Então acho que você já sabe. Me desculpa por ter descoberto assim. — Franzi as sobrancelhas. — Eu não disse nada porque ele me pediu pra não o fazer, mas deve ter sido um choque ainda assim. Afinal, não é todos os dias que recebemos as explicações que tanto procuravamos, ainda mais vindo da pessoa que gostamos. Se é que você gosta dele. — Eu não estava entendendo nada, mas Seokjin não parava de falar, então não tive coragem de o interromper.

 

— Você está falando de quê? — Entortou os lábios.

 

— Você sabe, sobre os seus pais. Ele te contou, né?

 

Arregalei tanto os olhos que por segundos pensei que os mesmos iriam saltar para fora. Seokjin reparou na minha expressão e abriu a boca sem produzir nenhum som durante uns segundos.

 

— Oh. Ele não te contou? — Parecia dizer com receio. — Merda. Ele falou que iria te contar antes de rolar algo entre vocês. 

 

Minha pernas tremiam e estava sentindo a pele da palma da minha mão ser rasgada devido à força que exercia sobre ele com as unhas.

 

— Puta merda, ele devia me ter dito. — Colocou as costas da mão sobre os olhos e se virou, dando uns passos como se estivesse pensando em algo. — Olha, você iria saber mais cedo ou mais tarde, eu não vou interferir mais nesta história, espero realmente que você o consiga perdoar, a culpa não é dele.

 

E dito isso, deu as costas ficando cada vez mais longe de mim. Taehyung sabia o que tinha acontecido com meus pais esse tempo todo e mesmo tendo acontecido tudo entre nós, ele não me contou uma mísera palavra. Sentia a raiva se apoderar de mim fazendo meu sangue borbulhar. Conseguia ouvir o barulho do mesmo pingando contra o chão, mesmo não me importando com a dor que estava sentindo. Sentia-me traído. Corri rapidamente para casa me sentando no sofá esperando o moreno chegar. Íamos ter uma conversa longa.

 

✧✧✧☽ ✧✧✧

 

Ouvi o barulho da maçaneta ser girada mas não consegui levar o meu olhar até ela. Sabia que Taehyung agora passava pela porta, a minha vontade era pegar na minha arma e apontar contra seu crânio, mas me controlei.

 

— Você passou essas horas todas ai? — Era noite e Taehyung tinha saído de manhã, tinham passado cerca de 11 horas.

 

Me levantei e fiquei encarando o sofá.

 

— Senta. — Falei apenas.

 

— Aconteceu alguma coisa?

 

— Eu disse senta! — Consegui o sentir estremecer do meu lado devido ao tamanho da raiva presente na minha voz. Ele fez exatamente o que eu ordenei e em passo lento sentou-se no sofá. — Me diz como você conseguiu?

 

— O quê? — Sua cara mostrando confusão fingindo que não sabia do que eu estava falando fez levar minha raiva a outro nível.

 

— ME RESPONDE CARALHO! — Agora ele parecia um cachorrinho assustado, e assim devia estar.

 

— Jeongguk, eu juro que não sei do que você está falando. — Dei uma risada irónica.

 

— Sério? — Disse ainda rindo. — Você jura de pés juntos que não faz a menor ideia de quem matou meus pais? 

 

Vi Taehyung virar branco como papel e arregalar os olhos.

 

— Jeongguk, calma—

 

— Ou você me conta o que sabe agora mesmo, ou não viver para contar o que aconteceu aqui. — O cortei. Não sabia do que estava com mais raiva, de ele me ter escondido tudo ou de eu ter confiado nele.

 

— Eu conto tudo, mas por favor, tem calma.

 

— Começa a falar. — Engoliu seco e olhou para as mãos numa tentativa de não ter de me encarar.

 

— Bem antes de tudo acontecer, quando nós eramos mais novos, andávamos na mesma escola. Nem eu nem você tinhamos amigos então eu costumava me perguntar como você nunca notava na minha existência. Não era nenhum sentimento romântico nem nada disso, eu apenas queria alguém para poder chamar de amigo, já que Jimin não andava na nossa escola. — Ouvia tudo atentamente. — Como eu disse na outra noite, meu pai fazia coisas a pessoas. — Hesitou. — Ele trabalhava na mesma empresa que você, e quando eu o segui ele estava indo para uma casa... Era a sua. — Arregalei os olhos. — Quando entrei vi duas pessoas deitadas no chão, sangrando, e naquela idade eu sabia perfeitamente o que estava acontecendo, eu estava com medo dele. Nós não estavamos naquela casa sozinhos, em frente aos corpos tinha uma criança, visivelmente sem saber o que estava acontecendo, perdida. — Via seus olhos se encher de lágrimas. — Era você. — Senti minha respiração parar por um momento. O pai de Taehyung... — Quando ele reparou que eu estava lá ficou muito chateado e entrou em pânico, ao se agachar para falar comigo deixou cair uma das armas no chão sem se dar conta disso. Quando levantou para terminar o seu trabalho e não deixar nenhuma testemunha viva, no caso você, eu entrei em pânico também. Não podia simplesmente deixar ele matar mais alguém à minha frente e como era uma criança e não sabia as consequências, peguei na arma caída no chão e atirei nele. — A esta altura as lágrimas caíam descontroladamente pelo seu rosto, enquanto eu estava paralisado em sua frente. — Depois disso uns vizinhos chamaram a polícia por conta do barulho e você foi viver com Namjoon. Eu como era menor de idade e foi em legítima defesa, fui dispensado para viver com Jimin. Aí você com o passar dos anos desistiu da escola, eu me senti tão culpado que desisti também. Seokjin sabia da história, então me mandava em missões em que podia te observar, ver no que você se tinha tornado, etc. Eu me sentia mal, não podia simplesmente por isso para trás das costas e nunca mais te encontrar na vida. — Sem me dar conta uma lágrima caiu pelo meu rosto também. — Quando namoravam, Namjoon falava muito de você para Seokjin e ele me contava a mim, o que acho que fez com que eu desenvolvesse uma paixão platônica por você. Ver como você era tão legal, o melhor da sua empresa e assim. Então, numa tentativa de fazer com que nos conhecêssemos, Seokjin resolveu te contratar. E aqui estamos nós hoje. 

 

Minha mente apenas ouvia Taehyung enquanto produzia imagens dos acontecidos, perdidos na minha mente devido ao choque. Agora tudo fazia sentido. Os sonhos que tinha com Taehyung, os diálogos que não faziam sentido nenhum, o trauma que o moreno tinha com assassinar alguém, oa diálogos dele com Seokjin, tudo. A informação passava demasiado rápido pela minha mente fazendo eu ter lever dores na mesma.

 

— Me desculpa por não te ter contado antes, eu tinha medo de qual a sua reação seria. Minha última intenção era te enganar, mas desenterrar o passado também não é algo fácil para mim. — Ainda chorava. — Você está bem?

 

Sem ter controle algum sobre minha boca, respondi.

 

— Sai. — Entreabriu os lábios.

 

— O quê?

 

— EU DISSE SAI! — Franziu as sobrancelhas numa expressão triste. Quem estava chorando descontroladamente agora era eu.

 

— Jeongguk, eu sei que omiti coisas muito importantes de você, mas entenda meu papel no meio disso tudo. Eu sou uma vítima tanto quanto você. — Se aproximou de mim. — Eu não sou o meu pai.

 

Olhei para Taehyung enquanto ele colocava a sua mão na minha cara tentando limpar as lágrimas que caíam pelos meus olhos. Peguei na mesma e a afastei de mim, lhe direcionando um olhar frio.

 

— Então porque a única coisa que consigo ver quando olho para você é ele?

 


Notas Finais


sem querer dar spoiler mas querendo sim, como dizia o sábio Taehyung de INS, a partir daqui só piora aaaa
me falem o que acharam por favor 🖤
até ao próximo cap~


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...