História I'm Stalker - Capítulo 1


Escrita por: ~ e ~LayTaoHun

Postado
Categorias EXO
Personagens Baekhyun, Chanyeol, Personagens Originais, Sehun
Tags Baekhyun, Chanyeol, Exo, Oneshot, Sehun
Exibições 164
Palavras 29.022
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Hentai, Lemon, Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


*hikari
Bom pessoal, chegamos com esse novo projeto e esperamos que tenha uma boa aceitação.
Essa fic será uma OS com mais dois bônus.
É a primeira vez que escrevemos uma OS, mas esperamos que gostem.
A fic nasceu a um bom tempo atrás (vulgo início do ano) quando as notícia de que o Chan tinha se machucado apareceiram.
ficamos um pouco preocupadas com tudo isso, e foi então que a ideia de homenagear o nosso querido Park surgiu.
Bom... Era para ser algo como uma crak fic, então se vocês não derem risadas, pedimos desculpas.
Chega de enrolação né? kkkk...
Boa leitura!
Nos vemos nas notas finais.

*LTH
OIE GARELINHAAA!!!
Bem... Como minha amiga disse, ela teve essa ideia no início do ano e eu dei a ideia de postar no dia do niver do Chan.
Eu duvido que vocês se arrempendam de lê-la, porque até eu ri horrores lendo.
E antes que eu esqueça...
FELIZ ANIVERSÁRIO CHANYYYYYY!!!
Bem, espero que gostem da estória e que deem bastante risada!
Beijões e até as notas finais... Boa leitura!

Capítulo 1 - Present


Fanfic / Fanfiction I'm Stalker - Capítulo 1 - Present

Meu mundo parou no mesmo segundo em que pus pela primeira vez meus olhos em Park Chanyeol, sei que é clichê falar que foi amor a primeira vista, mas sim, foi. Porque daquele dia em diante eu me mantive em estado de transe, comendo, vivendo, e respirando esse amor em segredo por exatos dois anos. 

 

 Nome: Nan Soora 

 Idade: 22 

Ocupação: secretária/assistente de uma agência de publicidade. 

Tipo sanguíneo: AB+ 

Estado civil: encalhada. 

 

 

26/11/14               12:00 PM. 

 

 

Estava em frente ao meu prédio e a única coisa que eu estava pensando realmente era que eu precisava chegar o mais rápido possível no meu banheiro.

Sabe aqueles momentos que você pensa que sua bexiga vai explodir?

Infelizmente era um desses momentos para mim, certamente eu não deveria ter tomado tanto café hoje de manhã, mas não havia outra maneira de me manter acordada que não essa.

Passei a noite inteira fazendo um trabalho que não era meu (certamente o meu chefe me odeia) e pra aumentar ainda mais o meu desespero meu salto quebrou bem quando eu estava no meio da pista, me baixei para pegá-lo quando ouvi um barulho de pneus contra o asfalto e senti uma leve batida em meu corpo que me vez desequilibrar e cair. 

 

- você está bem? – uma voz grave soou preocupada. 

Abri os olhos e vi o que podemos chamar de deus élfico da perdição.

Seu cabelo era castanho assim como os seus olhos, braços fortes e uma boca completamente mordível. 

Queria ficar e conversar, saber tudo sobre ele, sua vida, seus hobbies e mais precisamente de que livro de contos erótic... Quer dizer, de fadas havia saído aquele homem, mas para o meu desprazer a minha bexiga não entendia o conceito de homem incrivelmente lindo e solícito a sua frente. 

“Sem problemas” foram as únicas palavras que consegui proferir antes de sair correndo para o meu apartamento e entre trancos e barrancos eu consegui entrar em casa e resolver o problema daqueles dois litros e meio de café. 

Andava muito estressada nos últimos dias, alguém estava se mudando para o apartamento da frente, em outro prédio inclusive, tinha dias que estava reformando e fazia aquela barulheira que tirava qualquer um do sério.  

Sentei no sofá para assistir um pouco de TV e acabei pegando no sono...

 

 

Estava numa floresta, era final de tarde e a luz do sol transpassava levemente as folhas das árvores.

Levantei devagar, ainda me acostumando com o ambiente.

Ao longe vi um homem, era alto e esguio, contudo o que mais chamava atenção eram suas orelhas grandes, pontudas e levemente arqueadas.

Deleitei-me ao ver que estava sem camisa, Ahhh aquelas costas largas (-).

Aproximei-me mais um pouco daquele ser “intrigante” até ficar bem próxima ao mesmo, então se virou olhou diretamente em meus olhos e com um sorriso entre os lábios, ele piscou para mim.  

Meu Deus Muito obrigada!!! 

Senti-me tentada. Aquilo foi um convite certo? CERTO?? 

Fechei os olhos e estiquei os lábios esperando um beijo.

Esperei 1,2,3 segundos e nada.

Abri os olhos e um copo de café com asas carregava o meu lindo elfo para longe. 

NÃO, NÃÃÃÃÃÃO!!!! 

POR QUEEEE?

 

 

Despertei do meu sonho entre gritos. Maldito copo de café alado (‘-.-). 

Levantei do sofá e peguei o controle da TV para desligá-la, foi então que notei que o barulho costumeiro do apartamento da frente havia cessado.

Olhei pela sacada para o apartamento vizinho, ele tinha uma enorme janela, que dava uma visão completa de seu interior, tudo bem simples, mas ainda assim moderno e masculino.

Na sala tinha a TV, que ficava num painel na parede, um grande sofá branco em L e a escada que dava acesso ao outro andar. mais para o fundo tinha uma mesa com algumas cadeiras e prateleiras nas paredes e por fim uma cozinha americana.  

Que tipo de pessoa será que vai morar aí?  

Interrompi os meus devaneios e segui para o computador, precisava trabalhar, e depois de 40 longos minutos sem uma mísera idéia para uma nova campanha, resolvi espairecer um pouco. Fiz uma xícara de chocolate quente com pequenos marshmallows por cima e entre suspiros fui para a varanda admirar o céu, entretanto, esse clima de contemplação da natureza foi interrompido quando percebi que alguém entrava no AP da frente...

Pelos deuses.

Era o cara do carro!! 

Deus, Nice job (*-*). 

Ele me parecia tão solitário, mas estava tão lindo com aquelas calças escuras, camisa branca e aquele casaco quadriculado por cima.

Ele sentou no sofá e ficou falando ao telefone, passados alguns minutos ele começou a tirar a camisa e eu automaticamente me estiquei o máximo pela sacada quase caindo. 

Droga, eu não consigo ver direito...

E foi ai que lembrei que a Jin tinha deixado seu binóculo aqui.

Não tenho bem certeza de para que ela o tem, mas um dia ela chegou com ele aqui me pedindo para guardá-lo quando ela ficou para dormir e nunca mais o pegou de volta.

Onde será que eu guardei?

Procurei por toda a casa até finalmente achá-lo em cima do guarda roupa.

Voltei para a sacada numa rapidez absurda, mas quando cheguei ele já estava novamente vestido.

Droga!  

Continuei a observá-lo.

As horas foram se passando e... Oh merda, esqueci do trabalho (o.o’).

Voltei correndo para o meu computador, contudo vez ou outra me pegava olhando pela janela.

O tempo parecia voar. 

Meus olhos começaram a pesar cada vez mais e mais. *pisca (•.•) (-.-) (•.•) (-.-)zzZ 

 

 

27/11/14                08:30 AM. 

 

 

Abri os olhos constatando que já era dia.

Como assim?

Quando foi que eu apaguei?

Olhei para tela do computador e por algum tipo de mágica eu havia terminado o trabalho antes de dormir.

Graças a Deus!

Agora eu só precisava enviar por e-mail por meu chefe.

Ufa, agora eu posso enfim curtir o meu sábado. 

Levantei da cadeira e fui fazer a minha higiene matinal, mas claro que não deixei de dar uma olhadinha no vizinho gostoso, infelizmente ele não estava. (T-T)

Queria tanto vê-lo acordando.  

 

De banho tomado e devidamente vestida...

O que eu faço agora?

Parece que a minha pergunta foi ouvida, porque logo em seguida o meu celular tocou. 

 

- Soora? 

- oi Jin, o que houve? 

- então, tem como você me fazer um favor? 

- IIII... Lá vem! O que você quer? 

- a empresa contratou um novo fotógrafo, ele vai chegar na terça e eu tinha ficado de receber ele e mostrar tudo, mas não vou poder, você pode, por favorzinho, receber ele e encobrir a minha falta?

- mas Jin...

- Por favor, Soora.

- tudo bem, já pode parar com o aegyo. 

- êêêêê, você é a melhor! Obrigado! Prometo que depois eu compenso. 

- sim, você esqueceu seu binóculo aqui e eu o peguei emprestado, ok? 

- sem problemas, pode ficar. 

- ahh, a propósito, pra que mesmo você o comprou? 

-  kkkk... Bom, tenho que ir agora. Beijos. 

E assim ela desligou na minha cara.

Aish Soojin, por que você é sempre assim? 

 

Nome: Kim Soojin. 

Idade: 22. 

Ocupação: redatora da agência/caçadora de homens (nas horas vagas e por vezes nas de serviço também). 

Tipo sanguíneo: A+ 

Estado civil: em constante mudança. 

 

 

Desci até o saguão do prédio para pegar as minhas correspondências e vejamos... Apenas algumas revistas e contas para pagar. 

Segui para o elevador sozinha, quando ouvi um barulho.

Calma pessoal o elevador não vai cair, foi só o meu estômago.

Pânico evitado!

Subi até o meu apartamento para pegar a minha carteira.

Hoje eu vou me dar ao luxo de comer algo além de rāmen e comidas congeladas. 

Pedi um táxi e fui até um restaurante próximo de casa mesmo, não planejava demorar muito, contudo, para a meu total azar, o lugar estava lotado e além disso contava com um péssimo serviço, ou seja, demorei um século para ser atendida. E para completar, na volta ainda peguei trânsito, com certeza, hoje não era o meu dia (nunca mais eu volto àquele lugar). 

Cheguei em casa por volta de 13:30, tirei os sapatos e larguei as coisas em qualquer lugar enquanto andava e então com o canto do olho eu pude ver algo se mexer no apartamento da frente e, exatamente como num filme, eu voltei andando de costas e encarando a janela.

Vi alguém, mas não parecia ser o meu elfo sexy.

Peguei o binóculo e ao olhar através dele vi uma garota, ela mexia em suas coisas e parecia estar bem a vontade.

De onde veio essa vadia sem noção?  

Ela decorava o apartamento dele para uma aparente festa.

Havia balões, bebidas, alguns doces e um bolo, mas só quando ela pendurou uma faixa que dizia “happy birthday Chan-oppa” foi que notei se tratar de uma festa de aniversário.

Horas se passaram e mais pessoas começaram a chegar uma atrás da outra, menos o meu elf-darling.

Isso só pode significar uma coisa... Claro! (estalar de dedos) 

Só podem ter invadido o apartamento dele! Vou ligar para Polícia para comunicar... Entretanto, assim que eu peguei o telefone, todos se esconderam e apagaram as luzes do lugar, esperando alguns segundos para logo em seguida dar um grito de “surpresa” e quando tudo voltou a estar iluminado eu vi o meu lindo vizinho na entrada da porta.

Lógico! Só podem ter invadido o apartamento dele, ou estão fazendo uma festa surpresa. 

A festa rolou até umas 02:00AM, e quando não restou mais nenhum convidado, o doce elfo do país das gostosuras, se sentou no sofá, colocou as mãos em sua cabeça e a colocou entre os joelhos.

Ele não estava bem e isso doía em mim por alguma razão. Só queria poder animá-lo, mesmo que só um pouco.

O quão bonito seria um sorriso naquele rosto? 

Passei o resto da noite pesando em como animá-lo e por mais arcaico e sem noção que possa parecer, eu acabei lhe escrevendo uma carta. 

~ carta ~ 

Bom dia, como foi o seu dia ontem?

Imagino que tenha sido cansativo, mas não se preocupe, as coisas irão melhorar logo.

Ah é, feliz aniversário!

Sei que é atrasado, mas ainda está valendo não é?

Prometo que no próximo eu compro um presente.

Aqui é um bairro bem calmo, então você não vai ter com que se estressar, tirando a terceira casa da rua, lá tem um cachorro que só pode estar possuído. Um doce e meigo chihuahua que vira um cão maníaco quando alguém passa.

Uma vez esqueceram a grade da casa aberta e eu tive que correr dele por um quarteirão inteiro até despistá-lo, por isso recomendo que passe pelo outro lado da rua quando estiver perto dessa casa.

Bom, espero que tenha um ótimo dia.

          

 

 28/11/14       05:40 AM 

 

 

Quando me dei por mim já havia amanhecido, olhei o relógio do meu celular que marcava 05:40AM.

Certo Soora, após escrever e reescrever, a carta finalmente está pronta... Agora você só tem que entregá-la a ele.

Mas... Como eu vou fazer isso?

Eu não posso simplesmente dizer que o espiono e que resolvi animá-lo, mas se você não entregar essa carta de que adianta tê-la escrito? Você não quer ajudar ele?

Aaaah (@_@) Estou ficando louca!  

Levantei do sofá e fui em direção a porta. Toquei a maçaneta e então recuei.

Isso não é coisa de gente esquisita, certo? Você só está tentando melhorar o dia de alguém.

tentei me convencer.

Sai de casa ainda sem ter muita certeza do que estava fazendo, mas agora já era tarde.

Parei perto da entrada do seu prédio, mas como iria distrair o porteiro para consegui entrar?

Já sei! 

Despenteei um pouco o cabelo e corri até a frente do prédio gritando como se alguém quisesse me assaltar, pedindo socorro para o porteiro que prontamente saiu de seu posto. Apontei para um lado e enquanto ele se distraía eu corri para dentro.

Ele correu atrás de mim ensandecido.

Peguei o elevador fechando as portas antes que ele pudesse entrar. 

Ufaa!

Peguei a carta com as mãos um pouco trêmulas, me abaixei para colocá-la por debaixo da porta quando vi a maçaneta girar, a empurrei bruscamente e então me escondi na escada. 

Ele abriu a porta já com o papel em suas mãos, olhou para os lados procurando a pessoa que havia deixado a carta, mas não viu ninguém, se voltando novamente ao pedaço de papel em suas mãos.

Pude ver um leve sorriso se formar no canto de sua boca enquanto lia e... Oh meu santo Buda, aquele princípio de sorriso já era o suficiente para trazer mais luz ao mundo (~*-*~). 

Colocou a carta no móvel próximo a porta e então saiu.

O segui sem que me notasse, ainda precisava voltar para casa sem que o porteiro irritadiço me visse. 

Entramos juntos no elevador onde haviam mais duas pessoas, descendo para o térreo.

As portas de abriram e eu me contive a seguir uma das pessoas que também estava no elevador.

Escondi o rosto quando notei que estava próxima da entrada do prédio, e assim que o portão foi aberto, eu bati em retirada antes que o funcionário maluco me reconhecesse. 

Entrei no meu apartamento ainda ofegante.  

-Não acredito que fiz isso – disse em tom risonho, lembrando do por que daquilo. 

Certamente ver aquele sorriso fez tudo valer a pena. 

 

 

30/11/14      08:00 AM 

 

 

Era terça-feira, o dia em que eu teria que cobrir a falta da Soojin e o famigerado fotógrafo novo chegaria. 

Ahh! (suspiro) 

Tenho trabalhado tanto que sinto que a minha juventude está se esvaindo. 

Caminhei até a recepção ainda entre resmungos e lamúrias. 

- Hee – falei arrastado e um pouco manhosa. 

- euuu? Pra que esse aegyo todo a essa hora da manhã? 

- a Jin sempre sai quando da na telha, principalmente quando tem homens na história, e sempre sobra pra mim as pendências dela. 

- oh minha criança boazinha, apenas aguente firme, eu sei que você consegue – falou acariciando a minha cabeça como se acariciasse um cachorro. 

 

 

Nome: Choi Sunhe. 

Idade: 23. 

Ocupação: recepcionista da agência. 

Tipo sanguíneo: O- 

Estado civil: em busca do homem perfeito/príncipe encantado.  

 

 

- mas agora eu vou ter que receber esse tal fotógrafo, e vou atrasar o meu trabalho para mostrar tudo para ele. Ahh, eu me sinto tão cansada – falei já me jogando por cima do balcão. 

Vi a Hee pigarrear e então desviar o olhar. Me virei olhando para trás e constatando que o novo funcionário estava bem atrás de mim, e espera um pouco.... É ele! O meu vizinho lindo e maravilhoso. Soojin, mil perdões. Eu retiro tudo o que disse. Obrigado por esse presente. 

Tentei me recompor, mas estava muito nervosa. Era estranho, já fazia dois dias que eu o mandava cartas, mas o ver pessoalmente agora me fez travar. 

- Bom, eu não quero atrapalhar em nada, então se você quiser eu posso me virar sozinho. 

- nã-nã-ão te-te-tem pro-proble-ma, me cha-cham-chamo Nan Soora. 

Ahh que ótimo, agora ele vai achar que eu sou gaga (-.-‘). 

Fiz sinal para que me seguisse e ele assim o fez. Andamos por todo o lugar trocando pouquíssimas palavras, e bem na hora de irmos embora, vi a vadia que “invadiu” o seu apartamento. 

 

 

Nome: Bae Suzy 

Idade: 16 

Ocupação: vadia estudantil 

Tipo sanguíneo: de barata 

Estado civil: em busca do homem alheio. 

 

 

- OPPA! Vamos sair para jantar? – falou agarrando seu braço esquerdo. 

Me olhou da cabeça aos pés de maneira avaliativa. 

- Chan-oppa quem é essa? 

- Suzy essa é a minha colega do trabalho... Soora-ssi certo? – perguntou, e eu apenas assenti com a cabeça. 

- Bom, você gostaria vir conosco? 

- ah oppa, eu tenho certeza que ela deve estar muito ocupada. – falou o cortando. 

- ok, mas na próxima se certifique de estar livre. – sorriu gentil e eu o retribui. 

Pude sentir a minha nuca esquentar com raiva daquela piranha Mirim. 

- até amanhã. 

Da pra acreditar naquilo? Chan-oppa? (T-T) não aguento isso. 

 

 

04/12/14      09:00AM 

 

 

Já faziam alguns dias desde que comecei a escrever cartas para ele, e estava ficando cada vez mais difícil driblar aquele porteiro. Foi então que tive que apelar para outra estratégia. 

- alô 

- Soora? 

- Jin, me ajuda. – disse manhosa. 

- o que houve? Se te pegaram espiando negue tudo, eu já estou indo para... 

- não, NÃO. 

- que susto garota. O que foi então? 

- o que eu faço para o porteiro do prédio dele parar de me perseguir? 

- bom, o jeito mais simples é o suborno. 

- suborno?  

- sim, provavelmente ele vai querer negociar com você, então seja firme. 

- hmm ok. Vou tentar. 

- boa sorte – falou encerrando a ligação. 

Suborno, Não acredito que cheguei a esse ponto (°-°). 

 

Passei em frente ao condomínio dele e logo de cara o porteiro me olhou enviesado. 

- você de novo? Vou ter que chamar a polícia garota?  

- NÃO! – gritei desesperada assustando o homem a minha frente – olha... quanto o senhor quer pra me deixar entrar e sair?  

- como assim?  

- eu estou disposta a dar-lhe uma quantia mensal para que eu entre e saia como se fosse moradora quanto o senhor quer para isso?  

- o que você vai fazer ai? Eu posso perder meu emprego se você fizer bagunça...  

- não precisa se preocupar com isso, eu não vou fazer nada que lhe prejudique...  

- eu só aceito se souber o que vai fazer.  

Suspirei.  

Teria que dizer a esse homem que venho entregando cartas ao Chanyeol.  

- eu não vou precisar dizer para quem é né? Só o que eu tenho que fazer?  

- isso, para quem é não me interessa! – suspirei pesadamente.  

Ou isso, ou eu não consigo um acordo.  

- bem... É que... Eu sou apaixonada por um dos inquilinos, então eu escrevo secretamente para ele e deixo em sua porta todos os dias – confessei sentindo meu rosto completamente vermelho.  

Ele riu.  

- essas crianças de hoje não param de me surpreender. Tudo bem garota. Como é seu nome?  

- Soora.  

- me chame de porteiro Lee. Não venha em outro turno, não trabalho aqui a noite. E se te pegarem, lembre-se, eu tentei te impedir e não consegui.  

- então, Por quanto podemos fechar o acordo? Ninguém vai desconfiar de que sou alguém de fora, ou seja, o senhor não vai ter nenhum problema. 

- certo. Com cinquenta por mês eu libero sua passagem, oitenta e te dou uma chave, o porteiro da noite nem olha para cara de quem entra contanto que você tenha a chave – ele propôs e eu sorri largo.  

- fechado.  

Apertamos as mãos e fechamos o acordo. Paguei ao homem e peguei a chave conseguindo passe livre. 

 

 

21/12/14      11:00AM 

 

 

O Natal estava próximo, e a empresa daria uma festa em comemoração pelos bons negócios fechados neste mês.  

Não que fosse uma programação ruim, mas o Natal deveria começar com um lindo encontro de um casal apaixonado, seguido de um bom jantar romântico, depois trocas de presentes e juras de amor, e por fim aquela noite quente cheia de fantasias. (♡-♡) 

- Soora? Soora? SOORA?  

E na base de gritos e sacolejos, fui jogada pra fora da minha doce imaginação. 

- oi, oii, O QUE FOI SOOJIN?  

- já tem uns 10 minutos que você tá encarando o nada com cara de demente. Você vai pra essa festa? 

- bom, acho que vou ficar em casa, vendo filmes talvez. 

- e você Hee? – a Jin perguntou com um olhar malicioso. 

- uaaah, eu realmente queria achar o meu alguém especial esse ano. – respondeu suspirando. 

- pois é, enquanto a Jin tem os seus “alguéns especiais”, ou nem tão especiais assim. 

- EI! 

- meninas, vocês sabem os detalhes certinhos dessa festa da empresa? – Chanyeol falou nos dando um susto daqueles. 

Ah querido, não faça uma coisa dessas! Se você me matar do coração, como ficaremos juntos? 

- ah, sem problemas depois a Soora te manda tudo. – falou a Jin me encarando insinuativa. 

- do que vocês estão falando? – uma voz irritante ao fundo nos interrompeu. 

- ah Suzy, essas são as minhas colegas de trabalho, estávamos falando sobre a festa de Natal. 

- Hum, parece legal. Podemos vir juntos oppa.  

Todas as pessoas morrem um dia, por que esse projeto de vadia colegial não adianta o serviço e se mata de uma vez? 

- eu posso traze-la? – perguntou um pouco hesitante. 

- claro, segundo a mensagem que recebemos, todos tem direito a acompanhante – a Hee respondeu, e eu quis mata-la. 

Tá, calma. Sem matar pessoas Soora. Isso seria ilegal. 

Respirei fundo buscando a calma que me faltava. 

- bom, espero te ver lá então. – disse me encarando nos olhos e saindo logo em seguida. 

Isso realmente aconteceu, né? Ele disse o que eu entendi mesmo? 

- vejo que alguém mudou de ideia sobre a festa. – ambas falaram ao mesmo tempo me olhando fixamente, e eu pude sentir a diversão em suas vozes.  

- ha-ha-ha. Muito engraçadas. 

Queria devolver as piadinhas, mas não conseguia esconder a felicidade estampada em meu rosto. Eu nunca fui assim. Ele me fazia sentir felicidade em qualquer coisa, um simples olhar, e nada mais importava. 

- mas então, vamos comprar os vestidos amanhã? – perguntou a Jin animada. 

- por mim tudo bem. Pode ser no horário de almoço? – a Hee perguntou. 

- eu conheço uma ótima loja. 

- espera Soora, não é aquela boutique perto do cinema do shopping, né? – disse a Jin me olhando estranho. 

- é sim. Por que, algum problema? 

- então... 

- então? 

- sabe o gerente?... – a Jin suspirou. 

- ok, ok. Já entendi. (-.-‘) 

- então para onde vamos? – a Hee perguntou com expectativa no olhar. 

- amanhã damos umas voltas e decidimos. – a Jin falou tentando consertar as coisas. 

- combinado – a Hee disse animada. 

 

 

22/12/14      11:40AM 

 

 

Fomos no carro da Hee, passeando de shopping em shopping, foi difícil,  mas depois de uma hora e meia, ate por fim concordarmos com uma loja. Tínhamos que ser rápidas. A Jin então pegou dezenas de roupas, nos empurrando até os provadores.  

- andem logo, eu quero ver. – disse a Jin exigente. 

- espera um minuto, a senhora indecisão está falando – a Hee devolveu. 

- você já escolheu o seu? 

- ainda não decidi. – a Jin falou passando o dedo pelas araras. 

- eu não acredito. – a Hee disse saindo do provador, e realmente parecia uma dama naquele vestido. 

Vestia um sem alças, armado, vermelho e com alguns paetês na parte do busto. 

- olha só... – eu disse com apenas o rosto para fora do provador. 

- pare com isso.  

- ainda acho que poderia ter escolhido um mais sexy, mas você está encantadora. – a Jin apontou. 

- minha vez, minha vez. – falei animada saindo do provador. 

- acho que podia ser mais ousado. 

- acho que podia ser mais delicado. 

- quietas, deixem o meu estilo em paz. 

Estava satisfeita com a minha escolha, um vestido simples, mas sem perder a elegância. Tinha um estilo clássico, com a cintura bem marcada e com algumas pregas na saia. 

- esta faltando alguma coisa. – a Jin falou me encarando dos pés a cabeça. 

- já sei. – disse a Hee pegando um cinto fino e preto e o colocando na minha cintura. 

- certo, não ficou ruim. 

- muito bem senhora Soojin, já para o provador! Escolha logo um vestido, antes que eu perca a paciência. – a Hee falou raivosa. 

Parece que a ameaça funcionou, aquela pequena recepcionista sabia como ser assustadora as vezes. 

- certo, é esse! – a Jin disse abrindo as cortinas do provador. 

Escolheu um vestido tubinho colado, repleto de paetês prata, com algumas transparências, um decote em U e algumas pedrarias. Fazia bem o seu estilo. 

- aleluia. – eu e a Hee falamos juntas. 

- mas e aquele – a Jin falou apontando para outro vestido. 

- ah não, já chega. É esse e ponto! Agora pague logo e vamos embora. 

 

 

24/12/14       05:47 PM 

 

 

Estava fantasiando minha vida com o meu Deus... Quer dizer... com o Chanyeol, quando meu celular começou a tocar me assustando.  

Peguei o mesmo e olhei quem era.  

Soojin.  

- oi.  

- então amiga... eu e a Hee vamos nos arrumar na sua casa, ai faço a maquiagem das duas – ela avisou desligando em seguida sem nem me dar tempo de responder.  

Ela não perguntou se podia vir, ela avisou que vem.  

AVISOU!  

Vê se pode!  

Nem domínio sobre a MINHA casa eu tenho mais. (-.-') 

Levantei indo tomar banho, porque se eu esperar elas chegarem, não tomo banho hoje, a Hee unnie demora duas fuck horas num banhinho.  

E POR QUÊ?  

Só Deus sabe o que ela faz lá dentro!   

Tomei banho tranquilamente lavando os cabelos, e quando saí coloquei meu roupão, começando a secar os mesmos.  

a campainha tocou e as meninas entraram no meu apartamento praticamente me atropelando. 

- então amiga... já observou o gostosão hoje? – a Jin perguntou olhando o apartamento da frente.  

- ele saiu cedo hoje – suspirei.  

- então você realmente estava observando o Chanyeol? – a unnie perguntou chocada – quando você disse que estava fazendo isso eu achei que fosse no sentido figurado, do tipo... eu sou uma admiradora de sua beleza ou algo do tipo – ela constatou e eu corei.  

- deixe a coitada em paz, se ela quer espionar o cara, todo mundo espiona as pessoas que esta afim nas redes sociais, ela só esta fazendo isso de uma maneira menos tecnológica. ela é nossa amiga, devemos apoiá-la e não condená-la a forca unnie – a Jin me defendeu e eu ri.  

- eu não estava condenando.  

- Ah não! Claro que não!  

- eu só fiquei surpresa, aish! – reclamou – amiga, você pode observá-lo o quanto quiser, só tome cuidado para ele não te ver, porque ele pode te denunciar, então cuidado – a Hee falou me abraçando e deu língua pra Jin me fazendo gargalhar da briguinha infantil delas.  

- se ele chegar a ver que tem alguém espionando ele, você pode dizer que foi eu, eu deixo você me culpar dessa vez – a Jin falou solidária e nós três rimos alto.  

- vamos nos arrumar logo, antes que vocês achem outro motivo pra discutir...  

- eu tomo banho primeiro – gritou a Jin correndo para o banheiro antes da Hee pensar em esboçar alguma reação.  

- aish! Por que ela sempre faz isso? – ela perguntou fazendo bico e eu apertei sua bochecha rindo.  

- vejamos... Acho que é porque você demora uma década tomando banho – ponderei risonha e ela me olhou indignada.  

- aigo! Vocês são terríveis! – resmungou e eu a puxei para o quarto com as coisas que elas trouxeram para se arrumar.  

...  

- Maria Sunhe! Que demora é essa nesse banheiro? Desceu pela descarga foi? – perguntou a Jin batendo na porta do banheiro com força. 

- ei! Vai derrubar a porta do meu banheiro? – perguntei e ela revirou os olhos batendo de novo.  

- O que você está fazendo ai dentro? Tá se tocando é? – perguntou irritada me fazendo rir – mas que demora! Precisamos fazer sua maquiagem garota, termine logo esse banho! – ordenou irritada.  

- já estou saindo – gritou em resposta – e eu não faço esse tipo de coisa na casa dos outros – rebateu e eu e a Jin nos olhamos sugestivas.  

- se nos chegarmos atrasadas eu vou bater em você – constatou e a Hee abriu a porta exasperada enrolada na toalha com os cabelos pingando.  

- você vai enxugar meu banheiro – avisei séria e ela assentiu.  

- amiga! – a Jin chamou e eu sabia o que ela diria – você disse que não se toca na casa dos outros, quer dizer que em casa você se toca é? – perguntou sugestivamente e a unnie ficou a um passo de esfregar a cara da Jin no chão. 

- parem com isso. 

Depois de alguns minutos as implicâncias pararam, e a Jin puxou ela pro quarto e começou a arrumá-la. Secou seus cabelos, ajudou a se vestir, a maquiou no rosto e quando chegou no busto ela deu um pulo.  

- O que raios você está fazendo? – perguntou a Hee assustada.  

- vou ver se você está usando o sutiã adequado. 

- por quê? 

- porque eu quero – respondeu dando de ombros e ela a olhou indignada.  

- isso não é motivo...  

- é sim, você não quer achar um amor? Então deixe o cara atraído!  

- que cara? – a unnie perguntou confusa e a Jin suspirou.  

- qualquer possível candidato para ocupar o cargo unnie, acorda – respondeu revirando os olhos.  

- Ah tá! Desculpa or! – resmungou com um biquinho e a Jin apertou a bochecha dela.  

- para de aegyo! Você é a mais velha, não tem direito de fazer isso! – a Jin a repreendeu e eu comecei a rir enquanto a Hee a olhava com indignação.  

- agora você vai vestir esse sutiã que é um pouco menor que o seu número – falou a entregando a pequena peça. – isso vai fazer os seus seios se apertarem e parecerem maiores. 

- depois que ela terminar de aumentar seu peito para atrair os tarados você vai enxugar meu banheiro...  

- O QUÊ? TARADOS NÃO! EU NÃO QUERO ATRAIR TARADOS! – ela gritou virando a cabeça de um lado para o outro olhando como se um tarado fosse realmente aparecer aqui a qualquer momento e nós rimos.  

- calma unnie – a Jin falou tentando segurá-la quando ela levantou no intuito de fugir – nós vamos de carro, nenhum tarado vai nos ver, calma – ela garantiu e a Hee se acalmou sentando de novo.  

- promete? – perguntou nervosa – eu não quero ser estuprada – ela completou chorosa e a Jin assentiu.  

- você não será estuprada e os tarados não vão te perseguir tá bom? Eu prometo! – ela afirmou e a Hee suspirou mais calma.  

- agora ponha um pouco de pó iluminador para dar mais profundidade e por fim um pouco de perfume – a Jin retomou. 

Depois de prontas e do meu banheiro sequinho fomos pro meu carro e seguimos para a festa.  

Quando entramos no salão, estava tudo muito lindo e organizado, uma linda e grande árvore de natal reluzia com suas luzes e enfeites no centro do lugar. Andamos um pouco cumprimentando as pessoas que passavam por nós, alguns rostos conhecidos, outros nem tanto. 

Logo a Jin saiu dizendo que ia conversar com o Changmin.  

Conversar não é?  

Sei bem que conversa é essa! 

A Hee também desapareceu depois de sair dizendo que ia pegar algo para beber. Com essas amigas que me abandonam numa festa eu estou feita.  

Fui à mesa de comidas e fiz uma careta ao ver os pratos.  

Qual o relacionamento que as pessoas têm com as malditas uvas passas?  

O que o Natal tem haver com uva passa?  

O QUE?  

Por que raios colocam essa coisa em tudo?  

Arroz com passas, Maionese com passas, Salpicão, Farofa com passas. Até a porcaria da farofa tem as malditas passas.  

Peguei um sanduíche, afinal parecia ser a uma das poucas coisas que não tinha passas ali, e dei uma mordida.  

E vou dizer, QUE COISA HOR-RO-RO-SA!  

O que raios tem nesse negócio? Olhei para a plaquinha que dizia...  

“Sanduíche de pão integral com tofu e molho de gengibre” 

MEU DEUS!  

Olhei para aquela coisa ofendida. Como isso podia ousar se chamar de comida? (O.o) precisava de um x-burguer urgente. 

Joguei aquela porcaria no lixo com um bico nos lábios.  

- tudo bem Soora? – ouvi a voz do Chanyeol e olhei para cima.  

- não! – respondi triste – eu fui ofendida – completei e ele arregalou os olhos.  

- quem te ofendeu? – perguntou surpreso e... irritado?  

- a pessoa que chama sanduíche de pão integral com tofu e molho de gengibre de comida! Como pode? Isso é um insulto – respondi indignada e ele riu.  

- onde você viu isso? – perguntou risonho.  

- na mesa de comidas ali, aquilo é muito ruim, perdi até a fome depois de comer um pedaço – comentei e ele riu alto.  

Meu coração palpitou forte e os meus olhos brilharam, ao ver aquele sorriso, mas como felicidade de pessoa apaixonada dura pouco, a praga colegial apareceu pra estragar o meu momento, grudando no braço dele como chiclete.  

- oppa! Oppa! Estava procurando você! Vamos dançar! – a vadia mirim o arrastou pra longe de mim antes que pudesse dizer alguma coisa. (T-T) 

- Soora! – ouvi uma voz familiar, porém um pouco embolada me chamar – Soora! – olhei em volta procurando a dona da voz – Soora!  

Espera! Essa voz é da Sunhe? Meu Deus, a unnie!  

Olhei em volta procurando por ela até que a achei com um Martini em uma mão e Vodca na outra.  

- eu achei algumas coisas para beber – ela falou rindo enquanto bebia toda vodca num gole só.  

- minha nossa senhora! Unnie o que você está fazendo? – perguntei abismada.  

- bebendo hora essa! – respondeu bebendo todo o Martini dessa vez.  

- isso eu tô vendo! – constatei – Como vou lidar com você nesse estado? – gemi desgostosa – Cadê a Soojin pela mãe do guarda?  

- guarda? Que guarda? Eu não conheço a mãe de nenhum guarda – ela respondeu confusa e eu suspirei pegando o celular.  

Liguei pra Jin.  

- alô 

- onde você está? Temos um problemão aqui.  

- o que aconteceu? 

- a unnie está bêbada.  

- oh meu Deus! Tô indo. 

Pouco depois de desligar a Jin apareceu na minha frente.  

- Minha criança, onde você estava? Estava dando não foi? – a Hee perguntou maliciosa e nós olhamos horrorizadas.  

- Como...  

- oi meninas – o Chanyeol disse se aproximando novamente, acompanhado pelo projeto de puta e um cara muito bonito – vocês conhecem o Sehun? Ele trabalha conosco, é do financeiro, e meu melhor amigo também – ele apresentou e nós o cumprimentamos. – foi graças a indicação dele que eu vim trabalhar aqui. 

- oi Sehun, sou Soora.  

- e eu Soojin.   

Nós nos apresentamos e olhamos para o lugar onde a Hee deveria estar, mas ela parecia ter sumido. 

- oi bonitão! Eu sou a Sunhe – ela se apresentou brotando ao lado dele. 

Ela apertou a bunda dele discretamente ao passar, ou nem tão discretamente assim. 

Repetindo.  

APERTOU A BUNDA DELE.  

O Sehun arregalou os olhos surpreso. 

- acho lindo homens com muita bunda e a sua é deliciosa – ela sussurrou ainda encarando a bunda dele.  

Eu e a Jin batemos na testa morrendo de vergonha alheia.  

Ela vai ter um treco quando souber o que fez.  

- é um prazer conhecê-la – Sehun respondeu sorrindo de lado assim que se recuperou do choque.  

- prazer sim – ela falou – com certeza um prazer – completou piscando para ele e sorrindo maliciosamente.  

Eu e a Jin a puxamos, tirando-a de perto do rapaz, que parecia ter gostado de ser bolinado por ela.  

- unnie – a repreendi – desculpa Sehun, nós vamos conversar com ela rapidinho – afirmei.  

- sem problema – ele respondeu olhando pra unnie de forma admirada. 

- com licença – pedi e puxamos ela dali.  

- o que vocês estão fazendo? – perguntou ela indignada – ele pode ser o príncipe da minha vida – conjecturou para nós.  

- não é amiga! – afirmou a Jin – depois da cara de safado que ele fez, tá mais para o lobo mal da sua vida. 

- tenho certeza que a primeira coisa que se faz quando se encontra um candidato a príncipe da sua vida não é apertar a bunda dele – constatei e ela nos olhou revoltada.  

- mas a bunda dele estava chamando minha mão, você não ouviu? – perguntou zangada.  

- não ouvi! – respondemos sérias.  

- vai dizer que não repararam naquela bunda enorme que ele tem? – perguntou nos olhando incrédula.  

- é claro que eu reparei, mas não é por isso que eu vou apertar assim sem mais nem menos, você tinha que paquerar o cara primeiro – a Jin retrucou e eu olhei para as duas perturbada.  

Não acredito nessa conversa!  

- eu estou quase desistindo de vocês – afirmei ainda perturbada com o rumo que aquilo estava tomando. 

- preciso mijar – a Hee falou e eu revirei os olhos.  

- vamos levá-la ao banheiro e depois vamos para casa – falei e a Jin concordou.  

Fomos com ela até o banheiro e ela nos fez ficar do lado de fora esperando. Olhei para o relógio...  

00:00 

Faz dez minutos que ela está fazendo xixi, começamos a estranhar, então entramos no banheiro.  

Vazio.  

- cadê ela? – a Jin perguntou irritada – não nasci para cuidar de bêbados fujões.  

Suspirei.  

- como ela faz isso? Desaparece assim? 

- esse é o dom de bêbada mais estranho e útil que eu já vi – a Jin suspirou.  

- vamos encontrá-la antes que ela faça alguma besteira – pedi e ela assentiu.  

Saímos para procurar pela bêbada fujona. Depois de algumas buscas e de sinceramente quase desistir, a encontramos num canto aos beijos com o Sehun.  

- meus Deus! – exclamei – vamos levá-la para casa.  

Eu ia me aproximar e puxá-la, mas a Jin me impediu.  

- deixa a garota se agarrar com ele, sabemos quem é pelo menos, além disso ele é amigo do Chanyeol, e trabalha no mesmo lugar que nós, deve ser uma boa pessoa, não vai se aproveitar dela – a Jin argumentou e eu olhei hesitante, mas deixei.  

Voltamos para o salão e ficamos ali observando a festa entre alguns drinques e conversas aleatórias, até ela receber uma mensagem e sair dizendo que voltava logo.  

Suspirei.  

Sozinha de novo.  

Minhas amigas se agarrando com alguém e eu aqui. Que maravilha! (-.-)  

- Soora? – levantei o rosto e vi o Chanyeol na minha frente, e o melhor de tudo, sem a aprendiz de puta.  

Sorri.  

- por que está aqui sozinha? – perguntou.  

- minhas amigas me abandonaram – respondi – eu estou muito entediada, sabia que era melhor ficar em casa vendo filmes – resmunguei desgostosa com um bico nos lábios.  

- será que dançar faria você mudar de ideia em relação a isso? – ele perguntou e eu arregalei os olhos.  

- você fala sério?  

- claro, vem – ele chamou esticando a mão e eu a peguei sorrindo largo.  

Dançamos algumas músicas e eu estava me sentindo como num daqueles filmes adolescentes em que tudo da certo no final. Não poderia estar mais feliz.  

- vou pegar uma bebida para nós – ele afirmou e eu assenti sentando numa das cadeiras que havia ali para esperá-lo.  

Uns bons minutos se passaram e eu estranhei ele demorar tanto. Levantei o procurando, e depois de passear os olhos pelos diversos cantos do salão, e até de ver coisas que eu sinceramente não queria ter visto, o achei falando com a vadia mirim do outro lado do lugar com uma taça em cada mão.  

Poxa Deus! É pedir demais que essa criança vá para casa dormir?  

Caminhei em direção a eles, mas realmente não era fácil passar entre tantas pessoas dançando ao mesmo tempo. Quando finalmente consegui atravessar, o  olhei novamente e eles se beijavam. 

Senti uma dor pesada em meu peito, e por mais que soubesse que nada o impedia, ainda não conseguia me conformar. 

Saí correndo dali, peguei o meu carro e dirigi o mais rápido que pude até em casa, aos embalos de all by myself da Celine Dion.  

Cheguei em casa largando as coisas pelo caminho. Tomei um bom banho quente e fui então assistir filmes, regados a lágrimas e um bom chocolate quente. 

Meu celular tocou indicando mensagem, me fazendo pausar a minha seção de filmes para dor de cotovelo. 

De: Chan sonho de consumo 

“por que você foi embora? (°-°) 

Fiquei realmente triste por isso!” 

Ele ficou triste porque eu fui embora? 

Abri um sorriso enorme.  

Não queria admitir, mas ainda nutria aquela esperança. 

Pode não ter sido nada de mais. Eu posso ter visto errado... 

Eu seria uma pessoa muito má se desejasse que ela caísse numa ladeira ralando a cara no asfalto? Mesmo que fosse pra deformar pouquinho?  

Soora! Que feio! Não se deseja o mal das pessoas assim! Mesmo que seja uma criança com ímpetos de puta safada cobiçadora do homem alheio!  

É melhor ir dormir. Isso! Dormir é a melhor opção antes que eu não resista mais e volte para aquela festa.  

 

 

28/12/14             07:54 AM 

 

 

A Jin passou na minha casa para me buscar e fomos juntas para o trabalho, provavelmente a Hee já estaria lá já que ela é a primeira a chegar.  

- eu ainda não acredito que você dançou com o Chanyeol... ah olha a unnie – a Jin falou risonha correndo em direção ao balcão da Hee.  

- Bom dia! – falei quando cheguei ao balcão.  

- bom dia unnie, se deu bem naquela festa não foi?! – insinuou a Jin.  

- Soojin e Soora eu vou matar vocês! Que tipo de melhores amigas vocês são? Nem a Fera foi tão insensível com a Bela! – a Hee ameaçou e nós a olhamos confusas.  

- unnie, do que você está falando? – perguntei totalmente perdida.  

- vocês me largaram lá, a mercê dos tarados, você prometeu Jin que nenhum tarado ia me pegar – ela acusou chorosa.  

- espera amiga! – pediu a Jin – senta um pouco – falou colocando ela na cadeira que fica atrás do balcão. 

- conte porque você está assim, o que aconteceu? – perguntei.  

- eu não sei, eu só lembro de pedir uma bebida ao rapaz que estava atrás do balcão dando bebidas a todos...  

- vulgo barman, continue!  

- ai ele me deu um negócio docinho que eu gostei muito e acabei pedindo mais...  

- barman mais negócio docinho igual a coquetel, continue! 

- eu fiquei tomando aquilo e depois só lembro de acordar na casa de alguém, eu nem sei quem era, fiquei tão desesperada para ir embora que nem reparei, só peguei minhas coisas e corri de lá – ela falou desesperada.  

- unnie! – exclamamos.  

- e agora? Eu tentei de tudo, mas não consigo lembrar o que aconteceu! Meu Deus! Eu perdi minha virgindade e nem sei com quem foi – ela começou a chorar e nós a abraçamos.  

- só pode ter sido o Sehun, afinal foi com ele que ela estava se agarrando né? – a Jin perguntou e a unnie a olhou horrorizada.  

- quê? Eu tava me agarrando com alguém? Quem é Sehun? Meu Deus me salve! O que eu fiz?  

- bem... você bebeu horrores – comecei.  

- quando o Chanyeol apresentou o Sehun, o melhor amigo dele, o garoto do financeiro que achamos uma perdição, você se apresentou apertando a bunda dele – a Jin constatou e a unnie arregalou os olhos em puro sinal de choque.  

- e ainda disse que a bunda dele era uma delícia e que adorava homens com um bundão – completei e ela ficou pálida.  

- é melhor dar água à ela antes de continuar.  

- sim – concordei pegando um copo com água e dando pra ela beber.  

- tentamos te segurar, mas você fugiu de nós para ficar se agarrando com ele. Daí nós desistimos de tentar te levar para casa e deixamos você ser feliz – a Jin finalizou o relatório dos acontecimentos e a unnie não parecia nenhum pouco bem.  

- nem a Charlotte LaBouff é tão atirada – ela choramingou.  

- quem é Charlotte LaBouff? – a Jin perguntou antes que eu o fizesse.  

- a melhor amiga da Tiana.  

- e quem é Tiana? – perguntei totalmente confusa.  

- a princesa e o sapo né?! – ela respondeu como se fosse óbvio e nós reviramos os olhos.  

- desculpe unnie, devia ter cuidado melhor de você -  a Jin falou e ela suspirou.  

- agora não adianta mais se lamentar – ela falou.  

- então, falando nele... – pigarreei e a Hee se escondeu em baixo do balcão. 

- bom dia meninas – saldou.  

- bom dia – respondemos em uníssono.  

- onde está a amiga de vocês?  

- ela ligou pedindo para ficarmos aqui porque ela iria atrasar hoje, problemas com o Seji – a Jin respondeu rápida e ele olhou confuso.  

- quem é Seji? – perguntou nervoso.  

- o cachorro dela – respondeu na lata e ele assentiu.  

- espero que ele esteja bem – ele falou parecendo preocupado – ela vem trabalhar hoje? – perguntou.  

- acho que sim, mas não sabemos – respondi séria.  

- Ah sim, ok! Quando a encontrarem, por favor, digam que eu quero muito falar com ela – ele pediu e nós assentimos – obrigado.  

Ele foi embora e eu olhei para Soojin séria.  

- sério? Um cachorro? – perguntei incrédula.  

- ela disse que sempre quis um cachorro e que o chamaria de Seji, foi a primeira coisa que me veio na cabeça – ela falou e eu suspirei negando.  

Oh my god!  

- ele quer falar com você, o que vai fazer? – perguntei para a Hee que parecia perdida em pensamentos.  

- vou fugir dele eternamente. – disse olhando para o nada, provavelmente tentando lembrar do que fez na noite anterior. 

- acho que você deveria perguntar o que aconteceu antes de tirar conclusões unnie – a Jin falou e eu concordei. 

 

 

18/01/15             12:49 PM 

 

 

Depois do ano novo, e da revista maravilhosa que lançamos, chegava cada vez mais trabalho. 

Fui almoçar sozinha já que as minhas amigas não podiam ir comigo. A unnie tinha que resolver uns problemas lá da recepção e a Jin... Então... deixa pra lá. 

E a vida como estava? 

Bem... 

Eu continuava mandando cartas anônimas e observando de longe aquele Deus grego, aquela obra fenomenal do senhor, aquela peça escultural divina chamada Chanyeol. 

A Jin continuava saindo com os caras errados enquanto não acha o certo. Daí já dá pra tirar o que ela foi fazer. 

E a unnie... bem... a unnie continuava fugindo do Sehun como o diabo foge da cruz mesmo que eu e a Jin vivamos dizendo que ela deve falar com ele e perguntar o que aconteceu. 

Voltei para a empresa depois do almoço e dei de cara com uma cena que eu jamais pensei que fosse viver para ver. 

A unnie e o Sehun conversando na recepção, ela bastante corada e ele com um sorriso de orelha a orelha. 

- Boa tarde! – cumprimentei. 

- Boa tarde Soora-ssi. Bem... ei tenho que voltar, nos vemos depois? – ele perguntou para ela que assentiu sem graça. – tchau Soora-ssi. 

- tchau. – respondi vendo ele ir embora. – agora conta! O que eu perdi? – perguntei e ela sorriu largo. 

- ele não fez nada comigo! – ela respondeu empolgada. – ele disse que eu cai no sono em cima dele e como ele não sabia onde eu morava nem acho vocês me levou para própria casa, nós não fizemos nada Soo, eu ainda sou virgem! – ela explicou feliz e eu sorri da sua empolgação. 

- e esse “nos vemos depois” foi o que? 

- a Soo, ele foi atencioso, será que eu não deveria dar uma chance a ele? – perguntou em dúvida e eu ri baixinho. 

- se você quer, por que não? – falei e ela sorriu largo. 

- Sunhe-ssi, Boa tarde! – o meu objeto de observação favorito chegou a empresa dizendo. – ah! Oi Soo-ssi! 

AAAAAHHHHH (*o*) 

Ele me chamou pelo meu apelido! MEU SENHOR! 

Senti algo cutucar meu braço e olhei para unnie que olhava de mim para ele. 

Ah é! Eu tenho que responder! 

- Boa tarde! – falei baixinho e ele sorriu. 

- você é fofa! – sorriu para mim. 

Ele sorriu para mim!! (♡o♡) 

EU JÁ POSSO MORRER FELIZ! 

Senti a unnie me cutucar outra vez e corei. 

- obrigada. 

- Sunhe-ssi, sabe dizer se o Sehun já chegou? – perguntou ele e minha amiga assentiu. 

- ele chegou sim, foi para a sala dele. – ela respondeu e ele agradeceu correndo dali. 

Parei em choque. 

Com certeza isso foi um sinal do senhor para eu não desistir dele. 

 

 

04/02/15            11:54 AM 

 

 

Estava pegando uns arquivos na sala da Jin, aquela doida esquece as coisas e sempre sobra para mim levar o que ela esqueceu.  

Aish!  

Peguei todo os papéis e tranquei a sala.  

Pois é!  

Só para dar noção do tamanho da exploração ela me deu uma cópia da chave da sala dela.  

Quando virei para sair bati em alguém derrubando tudo no chão.  

- me desculpe – pedi me curvando – eu não vi você, por favor, me perdoe por isso – pedi nervosa.  

- Soora? – ouvi aquela voz grossa.  

Era o meu Deus... quer dizer... o Chanyeol!  

Levantei o rosto o olhando.  

- oi – respondi corada.  

- não precisa se desculpar a culpa foi minha, eu estava distraído, o que faz aqui ainda? – perguntou curioso – pensei que já havia ido almoçar – comentou confuso.  

- Ah! É que a Jin esqueceu umas coisas importantes e como eu ainda não tinha ido vim pegar, mas perdi um bom tempo procurando – expliquei me abaixando pra pegar as coisas e ele me ajudou.  

- Ah sim! Entendo! Já que está aqui por que não almoçamos juntos? – perguntou ele gentilmente e eu tentei conter o sorriso.  

- claro! Por que não? – respondi fingindo estar normal, mas por dentro estava pulando de felicidade.  

- então vamos? Meu carro está no estacionamento – ele falou e eu suspirei.  

- eu vou te seguindo com o meu, não vou voltar então preciso levar o carro – expliquei.  

- tudo bem então! Vou te levar no meu restaurante favorito – ele comentou risonho e eu assenti – vamos?  

- vamos!  

Saímos de lá cada um em seu carro e seguimos para o tal restaurante favorito dele, mais uma coisa quS eu descobriria sobre ele.  

Meu Deus do céu! 

EU VOU ALMOÇAR COM MEU DEUS COREANO! (♡.♡) 

Assim que estacionei o carro ele estava ao lado e abriu a porta para mim.  

Minha nossa senhora! 

REPETINDO!  

Ele ABRIU A PORTA PARA MIM!  

- obrigada – agradeci um pouco corada.  

- não por isso, venha – falou segurando minha mão e me puxando para dentro do restaurante.  

O recepcionista nos levou à uma mesa e ele fez nossos pedidos alegando que eu tinha que provar aquele prato, que nem me lembro o nome por sinal.  

- oppa! – ouvimos um gritinho, então, para o meu mais puro horror, eis que surge direto do inferno, a praga adolescente.  

- Suzy? O que faz aqui? – ele perguntou e a garota sorriu.  

- Ah oppa, imaginei que estivesse aqui já que é seu restaurante favorito – comentou me olhando raivosa – só achei que fosse ser com o Sehun – falou maldosa e ele a olhou confuso provavelmente pelo tom usado, mas não falou nada.  

Eu estava com muito ódio por essa galinha de fraldas ter interrompido meu momento, mas consegui me conter.  

A galinha sentou ao lado dele e fez o próprio pedido após o garçom aparecer para anotá-lo.  

- com licença – pedi levantando.  

- onde você vai? – ele perguntou parecendo triste.  

- ao toalete – respondi e segui para o mesmo.  

Tirei o óculos molhando o rosto e sequei com cuidado para não estragar a leve maquiagem que fiz essa manhã. Quando ia sair do banheiro a vadia entrou me empurrando.  

- o que você está fazendo? – perguntei irritada.  

- eu quero que você se afaste do meu oppa – ela anunciou e eu arqueei uma sobrancelha. 

- e por que eu faria isso? – perguntei séria.  

- porque eu estou dizendo para fazer, eu o conheço à muito mais tempo e você não tem chance com ele porque  ele vai ficar comigo. Você vai se arrepender se continuar insistindo – ela ameaçou e saiu de lá me deixando atônita para trás.  

O que ela pretende fazer se eu não me afastar?  

- que bom que voltou, já estava preocupado com a demora, achei que estava passando mal, você está bem? – ele perguntou preocupado e eu sorri.  

- eu estou bem, obrigada.  

- os pedidos chegaram – a garota falou querendo chamar atenção e me encarando mortalmente.  

Comemos enquanto eu tentava conversar com o Chanyeol, mas sendo impedida pela galinha que não parava de cacarejar um só momento. 

Olhei o relógio e vi que se demorasse mais ia me atrasar para a consulta.  

- ai eu tô atrasada, preciso ir agora! – exclamei e seu sorriso diminuiu, o que fez sentir vontade de perder aquele porcaria de consulta e ficar com ele, mas é tão difícil marcar consulta com meu médico e eu realmente preciso mudar o óculos. (T-T) 

- já? – perguntou enquanto a puta mirim sorria largo.  

- sim, tenho médico agora...  

- você está doente? – perguntou alarmado.  

- não! Estou bem! – sorri, ele parecia preocupado e isso me deixava nas nuvens – eu realmente preciso trocar esse óculos – afirmei e ele sorriu.  

- e você vai dirigindo fazer exame de vista? – ele perguntou confuso.  

- o carro da Hee está na oficina, então ela está pegando carona com o conhecido que oferecer, depois do trabalho ela vai ver como vai para lá e volta dirigindo meu carro – respondi risonha.  

- Ah claro! Pode ir, eu pago aqui.  

- eu não...  

- se eu convidei eu pago, já ia embora mesmo, daqui a pouco tenho que voltar e você está atrasada, vá logo, até amanhã! – ele me interrompeu e eu sorri.  

- obrigada – agradeci e sai de lá bem rápido. 

Dirigi até o consultório que estava cheio. A tarde passou se arrastando de forma entediante e quando finalmente terminei por ali, liguei para ver onde a Hee estava.  

- alô  

- onde você está unnie? 

- acabei de chegar, espera... obrigada pela carona, até amanhã. – ela agradeceu baixinho e eu franzi o cenho.  

Por que ela está com vergonha?  

- não foi nada, até amanhã. – ouvi uma voz masculina e familiar, mas não consegui lembrar que quem era a voz.  

- Hee? Quem está com você? – perguntei curiosa.  

- estou aqui embaixo, desça – ela falou e eu desliguei correndo para encontrá-la.  

 

- unnie – gritei assim que a vi.  

- não grita maluca – ela reclamou.  

- desculpa, estou curiosa, quem te trouxe unnie? – perguntei ansiosa e ela ficou vermelha.  

- vamos para o carro que eu conto – ela mandou e eu assenti correndo para o carro enquanto a arrastava.  

Quando chegamos no estacionamento eu entreguei a chave e a guiei até o carro, ela entrou e eu a copiei.  

A unnie se arrumava no banco e eu a olhava em expectativa.  

- vamos unnie! Diga quem lhe trouxe não me mate de curiosidade, por favor! – implorei e ela abaixou o rosto.  

- o Sehun – ela falou bem baixinho incrivelmente corada e eu soltei um gritinho empolgada.  

- sério mana? Não brinca com meu coração! Como você pegou carona com ele? Você não ia falar com a Jin? – perguntei empolgada.  

- eu ia – ela começou ligando o carro – mas a Jin sumiu e depois que eu mandei uma mensagem perguntando onde ela estava, recebi uma resposta que ela tinha ido à um encontro naquela sorveteria que amamos do outro lado da cidade, então quando estava saindo ele me viu e ofereceu carona, daí eu aceitei – ela contou e eu sorri, então lembrei de um detalhe...  

Eu comentei com o Chanyeol que a Hee estava sem carro e aceitando caronas...  

Será que ele falou para o Sehun?  

- ele foi um príncipe, abriu a porta para mim e tudo, até me deu um beijinho na bochecha antes que eu saísse do carro – ela comentou com os olhos brilhantes e sorrindo bobamente – será que ele é meu príncipe Soo? – perguntou com uma expressão sonhadora e eu sorri.  

- espero que sim amiga, você gosta dele né? – perguntei risonha e ela assentiu.  

- muito, ele me conquistou Soo – respondeu sorrindo corada.  

- ai unnie... quase esqueço... hoje eu almocei com o Chan – contei e ela se empolgou.  

Contei como fora no almoço e depois ficamos conversando banalidades durante todo o caminho. 

...

Estava em casa com a Jin e a unnie conversando. Já tinha contado a unnie e repeti para a Jin o que aconteceu no almoço com o Chan.  

- não acredito que a pirralha te ameaçou – a Jin comentou incrédula e eu concordei.  

- nem eu – falei.  

- você não vai se deixar abalar por isso, vai continuar na briga – a Jin afirmou e eu a olhei hesitante.  

- você não vai desistir dele por causa da ameaça dela vai? – a Hee perguntou com uma expressão reprovadora e eu as encarei séria.  

- você não pode fazer justamente o que ela quer só porque ela o conhece a mais tempo – a Jin afirmou convicta.  

- pois é!  Se ela fez isso é porque ela te vê como ameaça, o que significa que você tem muitas chances – a Hee argumentou.  

- exato! Ela sabe que não tem chances com ele e que você tem, então tá fazendo de tudo para te afastar... pense bem... ela é uma criança e você uma mulher, mesmo sabendo que ele não a quer, ela não aceita perder para você... criança mimada! – a Jin completou e a Hee assentiu.  

- mas se ela fizer algo? – perguntei temerosa.  

- o que ela pode fazer contra você sem ficar mal com ele? – a Jin perguntou sorrindo maldosa.  

- e você tem a nós, não vamos deixar que ela te prejudique – a Hee completou sorrindo fofamente.  

- obrigada meninas – agradeci emocionada – vocês são as melhores amigas que existe – afirmei e elas me abraçaram. 

 

 

11/02/15           07:30 AM 

 

 

Como de costume, fui ate o apartamento do Chanyeol lhe entregar mais uma carta. 

Como eu e o porteiro Lee combinamos, usei a chave que funcionou perfeitamente, ele me tratou como moradora.  

Subi e, como sempre faço, coloquei a carta por baixo da porta e toquei a campainha.  

Ouvi um barulho de chave assim que toquei e me desesperei.  

O que faço agora?  

Ele vai me descobrir!  

Olhei em volta e vi a saída de emergência, corri para ela e entrei bem a tempo.  

Corri como se minha vida dependesse disso e de fato dependia, se ele me pegasse eu estaria perdida.  

Ouvi um barulho de passos atrás de mim e fui mais rápido.  

Estava bem cansada, mas não poderia parar, ele me pegaria caso o fizesse.  

Assim que cheguei ao térreo passei pela portaria acenando discretamente para o porteiro Lee.  

Quando coloquei o pé para fora do condomínio vi o Chan sair do prédio correndo nessa direção.  

Me misturei entre a multidão esperando que ele não tivesse me notado, e com o coração ainda acelerado, voltei para o meu apartamento. 

 

Cheguei no trabalho e sorri ao ver a Hee conversando com o Sehun na recepção.  

- bom dia unnie! – falei animada entrando na área dela e a abraçando – Bom dia Sehun, como vai? – cumprimentei sorrindo e ele sorriu de volta. 

- bom dia Soora! Vou muito bem – respondeu risonho olhando para a Hee que corou – e você como está? – perguntou educado. 

- bem. 

- eu vou indo, bom trabalho – ele desejou e deixou um selar na testa da unnie. 

A olhei pasma vendo os olhinhos dela brilhando. 

- ele é tão carinhoso – ela suspirou apaixonada e eu sorri largo.  

- é tão bom ter ver assim unnie – falei feliz – eita! Quase esqueço! Por pouco o Chanyeol não me pega no flagra hoje – comentei baixo olhando ao redor pra ver se tinha alguém por perto.  

- como foi isso amiga? – ela perguntou com os olhos arregalados.  

- quando eu toquei a campainha ele abriu a porta, como se já me esperasse sabe?! 

- nossa amiga! Você tem que tomar mais cuidado, ele deve estar querendo descobrir quem é.  

- você tem toda razão, vou ser mais cautelosa – afirmei saindo de trás do balcão – mas mudando de assunto...  

- bom dia! – a Jin chegou falando – vamos nos reunir na casa de quem para se arrumar? – perguntou.  

- do que você tá falando? – a unnie perguntou antes que eu o fizesse. 

- estou falando da festa dos namorados da empresa – ela respondeu. 

- ah tá! – eu e a unnie falamos ao mesmo tempo.  

- eu ia falar sobre isso com a unnie – alguém convidou vocês? – perguntei curiosa. 

A brincadeira da empresa nessa festa é os funcionários irem acompanhados uns dos outros como casal. Claro que quem não quisesse poderia levar alguém de fora, mas geralmente entrávamos na brincadeira e nos convidávamos entre nós. 

- o Sehunnie acabou de me convidar – a unnie respondeu sorrindo abobada. 

- jura? – a Jin perguntou pasma. 

- menina! Sabe de nada! Você tinha que ver quando eu cheguei, os dois no maior clima – comentei.  

- tô bege – a Jin falou animada. 

- e você Jin? – perguntei. 

- o Huang e o Jong me convidaram ainda não decidi –respondeu ela. 

- eu fui a única que ninguém convidou até agora? – perguntei chocada. 

- não é mais – ouvi a voz do Chan-sonho – você quer ir comigo? – ele perguntou e eu olhei pasma. 

- claro que ela quer – as meninas responderam por mim. 

- e você Hee-ssi? Com quem vai? – ele perguntou risonho.  

- acho que você sabe muito bem, diria até que melhor do que ela – a Jin respondeu e ele riu. 

- certo! Você me pegou, queria saber se ele já tinha convidado sem entregar meu amigo! – ele assumiu – agora vou indo, até mais meninas – ele se despediu deixando um beijinho em minha testa e um aceno. 

- calma amiga, sem crise histérica agora, ele pode ouvir – a Jin falou e eu permaneci parada em choque. 

A unnie se esticou um pouco e depois sorriu largo. 

- agora pode, mas não muito alto – ela falou e nós três soltamos gritinhos animados.  

- essa festa promete – a Jin falou sorrindo maliciosamente.  

 

 

14/02/15            07:58 PM 

 

 

Fomos para casa da Hee para nos arrumarmos, ela havia combinado que o Sehun a buscaria lá. 

Chanyeol havia me dito que estaria aqui por volta das 20:00, e a Jin, bom, eu não tínhamos muita certeza que quem viria buscá-la. 

- então Jin, nos diga, qual dos dois você escolheu? – perguntamos a cercando. 

- digamos que eles vão resolver isso por eles mesmos. 

- como assim? – eu e a Hee nos entreolhamos sem entender. 

(o.o) 

- simples, disse aos dois que já que estamos nesse clima de cavalheiros, que deveriam disputar por mim. – disse com um ar convencido – logo eles chegarão e veremos quem estará mais apto a me levar. 

- não acredito... 

A campainha tocou nos interrompendo e eu corri pra atender, parei na porta e respirei fundo antes de abrir. 

- Boa noite senhoritas – Sehun falou e o meu sorriso se desfez. 

- Hee, é pra você.  

E no mesmo instante em que disse isso o Chanyeol apareceu saindo por de trás do Sehun. 

- Boa noite senhor – respondi risonha tentando disfarçar meu coração descompassado. 

- boa noite senhorita. – ele pegou minha mão deixando um beijo em seu dorso – tenho sorte, um perfeito cavalheiro – brinquei um tanto sem graça o fazendo rir. 

- sou mesmo não é? – falou risonho – você está linda – afirmou me olhando de cima a baixo.  

- vocês todas – completou Sehun. 

- obrigada – agradeci corada – vocês também estão ótimos. 

- vamos? – perguntaram em uníssono. 

- vamos – a Jin respondeu fazendo eu e a Hee a encaramos. 

- como assim amiga? E aqueles dois? – a Hee perguntou confusa. 

- já me fizeram esperar demais. – disse revirando os olhos – ainda mais, não quero perder a Soora enlouquecendo por causa do Chanyeol. – sussurrou entre nós e depois sorriu maliciosa. 

- Ei! 

- então vamos? 

Desisti de discutir e saímos enfim de casa. 

Chegando na festa passei meus olhos pelo salão, a decoração era linda. 

Balões no formato de coração pra todos os lados todos em casais, ou quase todos, uma grande mesa com chocolates, maçãs do amor e mais dezenas de doces... 

Resumindo, tudo muito bem feito, combinando demais com o tema. 

Andamos pelo salão cumprimentando todos os nossos colegas de trabalho. 

- Soora – a unnie me abraçou por trás e eu virei para ela a abraçando de volta. 

- oi. 

Olhei para o lado e vi os meninos a conversar. 

- você viu a Jin? – ela perguntou olhando ao redor.  

- não vi! Como assim ela já sumiu? – falei olhando ao redor. 

- ah! Olha ela ali! – a unnie falou vendo ela com o Huang se aproximando de nós. 

Acenamos para ela que logo nos viu e puxou o rapaz vindo em nossa direção. 

- mas como assim? 

- apenas cansei de ser a vela. Sinceramente não faz meu tipo. Agora vamos sentar? 

Rimos alto e sentamos sendo copiadas pelos meninos. 

- acho que vou pegar algo para beber – a Hee falou e eu e a Jin nos olhamos desesperadas. 

- não vai não! – falamos ao mesmo tempo a impedindo de ir. 

- Por que não? – ela perguntou confusa enquanto o Sehun ria contido. 

- não quero ter que ficar cuidando de bêbada fujona de novo. – respondi séria.  

- para no outro dia você ficar dizendo que eu não tenho protejo dos tarados direito. – a Jin completou e o Sehun apenas olhava divertido.  

- então quer dizer que eu sou tarado dona Choi Sunhe? – ele perguntou sem expressão, mas dava para ver que ele estava se divertindo do desespero da minha amiga. 

- não! Claro que não!  Mas eu não te conhecia e você sabe o que aconteceu e tudo que eu achei... – ela começou a falar desesperada, mas se interrompeu assim que o viu rir – você não está bravo está? – perguntou ela séria e ele negou rindo. 

- eu vou pegar algo para você beber, com no máximo 0% de teor alcoólico, quero você sóbria – ele falou deixando um selar em sua bochecha e saindo para pegar uma bebida para ela que sentou-se de novo com as bochechas coradas. 

Passamos boa parte da festa conversando apenas banalidades e nos divertindo com os estranhos e engraçados pares que haviam se formado para essa festa. 

Até o Jon chegar lá puxando a Jin para dançar, foi ai que realmente começou a ficar engraçado. Bom, quem mandou ela querer que os dois a disputassem? Mas antes que saíssem realmente no tapa, a Jin os apartou e depois saiu dizendo que iria tomar um ar. 

Passou-se então alguns minutos de silêncio. A Hee só tinha olhos para o Sehun e parecia que ele correspondia bem isso, então o silêncio não parecia incomoda-los, queria poder dizer o mesmo do Chanyeol, mas era impossível saber o que se passava em sua mente.   

- já está no final da festa e nenhum de nós dançou – a Hee fez essa observação quebrando o silêncio  e os dois se olharam, sorriram e logo depois se levantaram nos estendendo a mão num convite para dançar.  

Ficamos o resto da noite entre danças até que paramos um pouco para descansar e eu observei que a unnie e o Sehun desapareceram. 

- cadê eles? – perguntei surpresa olhando ao redor. 

- eles quem? – o meu elfo do país das gostosuras perguntou e eu o olhei incrédula.  

- minha unnie e seu amigo – respondi séria. 

- não se preocupe com a Hee-ssi, o Sehun não a fará mal – o meu Chan delicia afirmou e eu assenti. 

- se você diz vou acreditar.  

- então, o que quer fazer agora? – ele perguntou sorrindo e eu parei para pensar. 

- não sei, o que sugere senhor? – perguntei divertida e ele riu. 

- hmm! Quero te levar a um lugar, vem! – ele falou me puxando. 

Pegamos um táxi e depois de alguns minutos paramos em frente a um campo com um lago ao fundo. 

Olhei para ele confusa. 

- eu amo esse lugar, ele me trouxe sorte, foi depois de pisar aqui a primeira vez que as coisas começaram a dar certo desde cheguei aqui – ele falou assim que viu minha cara de confusão e eu sorri. 

- o que aconteceu? – perguntei ainda explorando o lugar com os olhos. 

Ele sentou no chão e retirou o blazer esticando-o na grama ao seu lado. 

- o que? – perguntou ao perceber o meu olhar confuso. – eu não posso deixar que uma garota tão bem vestida desse jeito se sente diretamente no chão. É o mínimo que posso fazer. 

- mas voc.. 

- voltando a pergunta que você me fez antes... – me interrompeu e eu desisti de me opor sentando em cima de seu blazer – bom, eu sempre tive vontade de ser fotógrafo, mas os meus pais não aceitavam isso de jeito nenhum, até termos uma discussão séria, então fizemos um acordo, ou eu acharia um emprego em 45 dias, ou então desistiria e assumiria os negócios da família, resolvi seguir meu sonho sabe, eu não podia ficar preso aquele lugar, nem aquela vida que não me fazia feliz, viajei até aqui e passei um bom tempo procurando um lugar para trabalhar, mas ninguém queria me contratar por não ter muita experiência na área. Vários dias se passaram, faltavam menos de 4 dias para o prazo acabar e eu me sentia tão sufocado com tudo, então sai andando sem rumo e quando eu notei, estava aqui. Esse lugar realmente me trouxe a paz que tanto precisava naquele momento. Fechei os olhos e respirei fundo, sentido minhas energias sendo recarregadas, mas quando eu me virei, terminei esbarrando em alguém, um amigo de infância que não via a um bom tempo, mais precisamente o Sehun. Conversamos por um bom tempo e quando eu o contei o que estava acontecendo ele disse que me conseguiria uma oportunidade, então aqui estou eu – ele terminou sua história e eu o olhei maravilhada. 

- nossa! Você realmente se esforçou para estar aqui, que bom que seguiu seu sonho – falei sorrindo.  

- é, também acho. 

- mas o importante é... você está feliz? 

- em partes sim, mesmo sentindo muito a falta da minha família, eu sei que não estaria tão bem quanto agora – ele falou com uma expressão indecifrável no rosto. 

Se eu pudesse congelar aquela cena perfeita do seu olhar fixo na paisagem seria a melhor coisa do mundo. 

Para destruir meu momento de contemplação o relógio dele apitou e ele arregalou os olhos quando viu a hora. 

- Meu Deus, meia noite, eu preciso te levar em casa que amanhã temos que trabalhar, vamos? – ele perguntou e eu assenti. 

Nos levantamos, ele sacudiu um pouco a peça que apanhou do chão e vestiu fazendo sinal para um táxi, que por sorte, estava passando na hora e parou para nós.  

- onde é sua casa? – ele perguntou e eu me dei conta de uma coisa. 

Eu não posso deixar ele me levar em casa, ele vai acabar descobrindo. 

- pode me deixar na casa da Hee unnie tem umas coisas lá que eu preciso – sorri nervosa e ele deu de ombros assentindo. 

Ele me levou lá e se despediu de mim desejando Boa noite e eu desci do carro entrando no prédio.  

Liguei para a unnie infinitas vezes e ela não me atendeu nem por decreto lei, mandei mensagens e nada. 

Suspirei derrotada e chamei um táxi para me levar até em casa. 

 

 

15/02/15            07:47 AM 

 

 

Estava preocupada com a unnie, a liguei ontem várias vezes, mandei mensagens e ela não retornou ou respondeu.  

O que aconteceu com a unnie?  

Cheguei ao trabalho e vi a Hee na recepção como sempre.  

A encarei furiosa. 

- você! – falei raivosa e ela levantou a cabeça me olhando e sorrindo adoravelmente. 

- o que houve minha criança? – ela perguntou parecendo preocupada depois de ver minha cara de poucos amigos.  

- seu celular foi socado onde em? Por que você não atendeu quando eu liguei? – perguntei irritada.  

- meu celular? – perguntou confusa depois arregalou os olhos – santo Deus! Meu celular! Deve ter ficado com o Sehunnie – ela falou e eu a olhei desconfiada. 

- o que o Sehun estava fazendo com seu celular? – perguntei achando tudo aquilo muito suspeito.  

- bom dia meninas – a Jin falou se aproximando de nós.  

- bom dia Jin, como foi ontem? – a Hee perguntou fugindo do assunto. 

- bom dia Jin e a senhora dona Sunhe, não pense que vai fugir do assunto não viu! 

- o que eu perdi? – a Jin perguntou confusa.  

- depois que você sumiu ontem a unnie também desapareceu junto com o Sehun, eu liguei muito e ela não atendeu, nem respondeu as mensagens, agora o celular dela está com o Sehun – falei indignada e a Jin a encarou indagativa.  

- por que o seu celular está com o Sehun unnie? – ela perguntou séria.  

- calma meninas – ela falou risonha.  

- você dormiu com ele unnie? – a Jin perguntou chocada e ela olhou assustada.  

- unnie! – exclamei – foi porque quis ou ele te forçou? 

- se foi a força a gente denuncia ele, ai ele vai preso, porque isso é estupro! – a Jin concordou.  

- jamais pensei isso dele, o meu Chanyeol dizendo que ele não a faria mal... 

- e se o Chanyeol foi cúmplice? Ele distraia você enquanto o Sehun se aproveitava da unnie! – a Jin cogitou e eu a olhei incrédula. 

- o Chanyeol jamais faria isso, ele está sendo enganado! 

- quê? – a unnie perguntou com a voz esganiçada nos olhando chocada. 

- ele se aproveitou da sua inocência e dormiu com você não foi unnie? – a Jin perguntou assombrada.  

- não devíamos ter confiado nele. – afirmei. 

- parem com isso suas malucas! Eu não dormi com ninguém! – ela falou irritada.  

- mas... 

- não tem mas meio mas, vocês estão loucas? O que... 

- BOM DIA! – o Sehun entrou na recepção ao lado do meu Yeol todo animado e saltitante – o dia está lindo hoje não é mesmo? – ele perguntou risonho olhando para a Hee que corou.  

- bom dia Sehunnie. – ela respondeu sorrindo bobamente e eu, a Jin e o Chanyeol nos olhamos desconfiados. 

- tá bom! Contem logo o que a gente não está sabendo. – o meu elfo da fertilidade pediu. 

O Sehun passou pelo balcão e abraçou a Hee deixando um beijinho em seus lábios.  

- estamos namorando – ele anunciou sorrindo de orelha à orelha enquanto o Chanyeol ria e eu e a Jin olhávamos os dois encantadas. 

Eles formam um casal lindo e a unnie parece radiante. 

- parabéns aos pombinhos – a Jin falou empolgada – finalmente achou um Príncipe unnie? Têm certeza? Pra mim ele tem mais cara de.. 

Conhecendo bem a Soojin e o seu vocabulário, eu me adiantei, e a belisquei antes que terminasse aquela frase.  

- Ai ai! Calma, eu só estava brincando – falou acariciando o lugar repuxado. 

Todos rimos. 

- vocês ficam lindos juntos – falei sorrindo. 

 

 

10/07/15             09:09 AM 

 

 

Todas estávamos no balcão da Hee conversando, graças ao bom Deus eu já estava adiantada nos meu afazeres e podia matar o tempo jogando conversa fora. 

- meninas! – meu elf-delícia chamou e nós o olhamos curiosas, sorri largo – vocês podem me ajudar numa coisa? – perguntou parecendo nervoso.  

- se estiver ao alcance. – a Hee respondeu e eu e a Jin concordamos.  

- o que uma mulher gosta de ganhar de presente? – ele perguntou e meu sorriso morreu. 

- depende da mulher Chan – a Hee respondeu – assim, tem mulheres que preferem algo mais manual, algo que você tenha feito sabe? Já tem aquelas que preferem ou não se importam com algo comprado, mas você pode montar um presente, tipo, colocar várias coisinhas que ela goste – ela explicou calmamente.  

- e vocês? Gostariam de ganhar o que? – perguntou risonho.  

- não sei, algo que fosse de coração – a unnie respondeu risonha. 

- eu ia preferir um acessório ou uma joia – a Jin falou empolgada e ele olhou para mim. 

- e você Soora? 

- não sei, acho que concordo com a Hee unnie, algo feito pela pessoa passa a sensação de que você é importante, que se preocuparam o suficiente para fazer algo para você – respondi um pouco triste.  

- exatamente.  

- obrigado meninas!  

- não por isso! – a unnie respondeu sorrindo e ele olhou para Jin depois para mim indo embora em seguida.  

Suspirei. 

- o que houve minha criança?  

- ele vai comprar um presente para uma mulher unnie! Ele tem alguém, eu não tenho chances – falei com um bico. 

- ei amor, não pense assim, ele não disse para quem era, pode ser para alguém da família ou o Sehun pode ter pedido para ele ver o que eu gostaria que ganhar, ele perguntou para nós reparou? Ou ele pode ter pensado em te dar um presente, está perto do seu aniversário – ela falou e eu a olhei querendo acreditar, mas minha cabeça me deu um choque de realidade. 

- a família dele não mora aqui, o Sehun poderia perguntar para nós e como ele vai saber quando é meu aniversário unnie? – perguntei cética.  

- não perca as esperanças minha criança, você é perfeita para ele! – a unnie falou tentando me animar e eu sorri triste. 

- a unnie tem razão amiga, você só pode desistir quando vê-lo com alguém de fato – a Jin falou convicta e eu assenti ainda triste. 

 

 

14/07/15              07:52AM 

 

 

Cheguei ao trabalho um pouco mais tarde que o comum, passei pela porta e vi a unnie conversando com o Sehun e a Jin. 

- PARABÉNS SOORAAAA – a unnie gritou me abraçando apertado. 

- obrigada unnie – agradeci sorrindo.  

- parabéns amiga – a Jin me abraçou também.  

- espera – a unnie pediu e correu para trás do balcão voltando com uma sacolinha – seu presente – ela falou me estendendo a sacola enfeitada – abra. 

Me aproximei do balcão e depositei a sacola a abrindo em seguida. Olhei que dentro havia uma caixa de veludo azul escura, uma caixa de perfume e outra de hidratante e um box da minha série preferida. 

Sorri pegando a caixa de veludo e abrindo, dentro tinha um lindo colar com um pingente de três “S”. 

- Obrigada unnie! Amei o presente – falei a abraçando.  

- agora o meu! – a Jin falou e eu ri. 

Peguei a caixa e abri vendo uma bolsa e um sapato lindos, eu já esperava que fosse assim, conheço minhas amigas o suficiente para saber o tipo de presente que cada uma me daria. 

- amei amiga – a abracei – São lindíssimos – sorri alegre.  

- parabéns baixinha – o Sehun falou bagunçando meus cabelos – não é o presente perfeito, mas serve né? – ele perguntou risonho me entregando um embrulho pequeno. 

Quando abri vi alguns bombons finos de chocolate e um livro. 

- obrigada Sehun, você é um amor de pessoa – afirmei e a unnie riu. 

- é mesmo não é? – ela concordou o abraçando e ele deixou um selar em seus lábios.  

- certo! Chega dessa melosidade! – a Jin falou e nós rimos. 

- isso é inveja – a unnie disse risonha e a Jin a olhou falsamente ofendida.  

- Unnie como você pode pensar isso de mim? – perguntou fazendo drama e a unnie riu.  

- com a cabeça minha amada! – ela respondeu rindo. 

- Sehun, onde tá o Chanyeol? – perguntei em expectativa, ele sempre chega por volta das 07: 45. 

- ah! Ele não vem hoje nem amanhã, ele mandou uma mensagem avisando, tinha um compromisso – ele falou desinteressado e eu assenti. 

- ah sim! Entendi! – sorri sem humor. 

- e você não sabe o que era? – a Hee perguntou séria.  

- não – ele falou dando de ombros.  

- ok então! Mas agora bora todo mundo trabalhar que já passou da hora – ela despachou todos nós,  eu e a Jin com um beijo na testa e o Sehun na boca – depois do trabalho vamos comemorar no nosso restaurante favorito – ela falou por fim nos chutando para fora da recepção.  

...

O dia passou se arrastando, mas enfim tinha chegado a hora de largar. 

Passei o dia pensando  nas mil e uma possibilidades de para onde ele pode ter ido e o que estaria fazendo. 

_Ele poderia ter viajado. 

_Poderia ter ido atrás de um antigo amor. 

_Poderia ter ido para um encontro muito longe.  

_Ele pode tá querendo formar uma família.  

_Pode querer encontrar alguém.  

_Pode até ter saído com o projeto de vadia. 

_Ou ele pode até ter filhos. 

- amiga? Vamos? – a Jin perguntou me tirando dos meus pensamentos.  

Assenti. 

Saímos da empresa e seguimos no carro do Sehun, porque a Hee foi com ele para o trabalho.  

Chegamos no restaurante ordenando os nossos pedidos. 

Eventualmente eu sorria para que não se preocupassem comigo e aproveitassem a noite. 

 

- Sehun, me desculpe por roubar a sua pequena amante nessa noite, mas hoje ela será nossa. Temos umas coisas pra colocar no lugar. – a Jin falou para o Sehun abraçando a Hee por trás e ele a olhou confuso.  

- o que vocês vão fazer? – ele perguntou com o cenho franzido.  

- vamos dormir na casa da Soo. 

- ok então! Deixo vocês na casa... 

- não precisa – falei afobada, se ele ver que o meu prédio é em frente ao do Chan pode desconfiar – nós vamos passar num lugar antes – sorri nervosa e ele franziu o cenho. 

- onde? Eu deixo vocês nesse lugar e depois vocês pegam um táxi tudo bem? – ele perguntou e eu assenti. 

- vou no banheiro antes de irmos embora – sorri olhando para elas. 

- eu também – as duas falaram ao mesmo tempo e ele arqueou as sobrancelhas.  

- ok – respondeu sorrindo de lado, porque ele o fez, eu não sei, mas que foi no mínimo suspeito foi. 

Ignorei isso e fui com as meninas.  

- gente, ele não pode nos levar para minha casa, ele sabe onde o Chanyeol mora, com certeza ele vai desconfiar, principalmente se o Chanyeol comentou com ele sobre as cartas – expliquei e elas pareceram ponderar. 

- você tem razão – a unnie concordou – eu posso pedir para que ele nos deixe no supermercado, digo que compraremos besteiras para ficar conversando e vendo filme até tarde – ela deu a idéia e eu assenti. 

- essa pode ser fácil de engolir – comentei. 

- não explique muito e só responda o que ele perguntar sobre o que vamos fazer – a Jin afirmou séria – tente parecer natural e vamos voltar logo antes que ele desconfie da demora. 

Saímos do banheiro voltando para a mesa. 

- vamos pagar? – a Jin perguntou.  

- então, para onde vocês vão? – ele perguntou.  

- nós vamos no supermercado – a unnie respondeu simplista – você pode deixar a gente lá? – perguntou olhando em expectativa.  

- Claro amor, mas... supermercado a essa hora? – perguntou confuso.  

- vamos só comprar algumas besteiras para comer enquanto vemos filmes – ela respondeu risonha.  

- se é só isso então eu espero vocês terminarem – ele falou sorridente e nós nos entreolhamos. 

- não sabemos quanto tempo iremos passar escolhendo coisas amor e ainda pretendemos passar numa locadora, eu vou ficar preocupada se te deixar esperando – a unnie afirmou convicta e ele estreitou os olhos. 

- você está me dispensando pequena? 

- exatamente! Até que enfim você entendeu, vocês são muito grudentos! Aish! – a Jin falou revirando os olhos. 

- não amor! Não tô te dispensando – ela falou com um bico – fique calada Kim Soojin! Olha amor, eu só quero ficar com a minha amiga no dia do aniversário dela, eu jamais iria dispensar meu príncipe. 

- certo certo! Eu deixo vocês no supermercado e vou embora! – ele falou e ela sorriu deixando um selar tímido na boca dele que sorriu largo. 

Como eu queria ser assim com o Chanyeol.  

Suspirei triste. 

Pagamos... quer dizer, eles pagaram a conta, não me deixaram pagar com a desculpa de que é meu aniversário e eu não pago, e fomos embora.  

Compramos várias besteiras para comer e alugamos dois filmes depois pegamos um táxi indo para minha casa. 

Ao chegar em casa nos arrumamos e nos aboletamos na minha cama com vários pacotes de salgadinhos e potes de sorvete para assistir os filmes, assim acabando por apagarmos ali. 

 

 

15/07/15                06:30 AM 

 

 

Acordei com o despertador tocando enlouquecido. 

- hmm! Desliga isso! – gemi irritadiça. 

- desliguei! – a Jin resmungou voltando a dormir junto comigo. 

- BORA NEGUINHAS! LEVANTEM! – a unnie entrou no quarto batendo palmas e gritando.  

- NÃÃÃÃÃÃOOOO! Eu quero dormiiiiiiiir! – gemi manhosa e a unnie riu.  

- não moça, se arrumar para trabalhar! Bora! Levanta! – ela mandou e eu coloquei um travesseiro por cima da cabeça.  

Senti algo agarrar meu pé e me puxar. Gemi desgostosa.  

- unnie, eu vou tomar meu banho enquanto você tenta acordá-la – a Jin avisou saindo do recinto. 

- vamos criança, levante! – ela pediu e eu neguei – vou fazer nosso café e quando eu voltar é bom você estar acordada ou eu vou falar mal de você para o Chanyeol quando ele voltar – ela avisou e saiu do quarto. 

Abri os olhos encarando o teto. 

Eu tenho que superar isso, a aprendiz de puta cobiçadora do homem alheio podia ter convencido ele a sair com ela. 

Vai que foi isso mesmo. 

- você está acordada não é? – a Hee perguntou entrando no meu quarto junto com a Jin que trocava de roupa. 

Olhei para as duas com todo meu sofrimento estampado no olhar. 

- eu vou esquecer o Chanyeol, vou me apaixonar por outra pessoa e esquecer ele! – falei ainda cabisbaixa, mas era o melhor que eu podia fazer. 

- por que amiga? – a Jin perguntou surpresa.  

- ele provavelmente está com aquela pirralha, ou com alguma mulher e eu não vou ficar sofrendo por ele – falei e elas se entreolharam e assentiram. 

- minha criança, veja bem... você nem sabe o que ele tá fazendo, não acha que está se precipitando? – a unnie perguntou e eu ponderei. 

- amiga, ele pode estar em qualquer lugar e fazendo qualquer coisa, você não pode simplesmente querer cobrar satisfações que ele não te deve – a Jin completou e eu suspirei.  

- eu sei! – suspirei – gostar dele me fez passar por muitas situações... 

- e elas serão histórias para você contar aos seus filhos e netos – a Hee me interrompeu.  

- depois de passar por todas essas situações você vai deixar ele escapar assim? – a Jin perguntou chocada.  

- eu vou me libertar desse amor unilateral – afirmei decidida e elas assentiram.  

- se você quer assim – a Jin falou irritada.  

- você que sabe das suas escolhas meu amor, lembre-se que eu sempre estarei aqui para consolar você se der errado – a unnie afirmou.  

- e eu para dizer que te avisei – a Jin completou e eu revirei os olhos rindo. 

...

Chegamos ao trabalho muito cedo porque a unnie é uma das primeiras a chegar. 

Ficamos conversando e matando o tempo. 

- bom dia meninas! – o Sehun saudou. 

- bom dia – eu e a Jin respondemos juntas. 

- bom dia Sehunnie – a Hee respondeu baixinho e ele sorriu beijando a testa dela. (*-*) 

- vocês são tão fofos juntos – falei feliz por eles e com aquela invejinha saudável. 

Como eu queria que o Chanyeol me tratasse assim. 

Suspirei. 

- vamos todos trabalhar né?! Já está na nossa hora – a Hee falou olhando de mim para a Jin de forma estranha.  

Saímos todos, com exceção do Sehun que ia perguntar algo para a unnie. 

Fui até a minha mesa e comecei a observar aqueles me rodeavam. 

Olhei para a direita e lá estavam o Min Hyuk e o Woo Bin, ambos muito velhos. 

Olhei para a esquerda um pouco mais ao fundo, vendo o Hyun-woo, jovem, charmoso,... casado e extremamente cafajeste. 

Mais ao fundo o Jae Hyun. Alto, atlético e com um vozeirão que arrepia qualquer um, infelizmente ele tem sérios problemas com bebidas. 

E por fim Ji Won. Não sei muito sobre ele, um cara pequeno e bastante tímido. 

Ahh a quem eu quero enganar? Todos eles tem prós e contras, mas o maior defeito é que nenhum deles é o Chanyeol. 

Suspirei. 

O que é isso Soora? Já deu. Você tem que esquecer aquele lindo par de orelhas agora. 

O intervalo do almoço passou rápido e logo todos estavam de volta. 

E eu acabei ficando sem comer. 

Droga, eu podia ter saído de fininho, agora parece que meu estomago vai começar a engolir os outros órgãos por falta de alimento. Ele estava roncando realmente alto. 

 

A Jin chegou até onde eu estava, me avisando que a Hee precisava me ver urgente. 

Na minha mente eu fui rápida como o vento, mas na realidade, digamos que uma tartaruga me passaria com facilidade. 

A minha fome tinha tirado toda a minha energia. 

Finalmente consegui. 

Fui de encontro a Hee que estava acompanhada pelo Sehun. 

Esse homem não trabalha mais? 

- oi Hee, o que houve? A Jin me disse que era urgente. 

- aqui minha criança – falou enquanto empurrava dois sanduíches e um suco pelo balcão até mim. – você está sem comer certo?  

Vi asas e uma aureola se formarem naquela pequena recepcionista. 

- anjo – disse a abraçando com lágrimas nos  olhos e ela riu. 

- então Soora, eu tenho mais um presente para você. Digamos que esse será um bônus do seu aniversário. – o Sehun falou e eu o olhei confusa enquanto me atracava com o sanduíche. – sei que você estava triste, então pensei em te dizer onde e com quem o Chanyeol estava quando faltou. – ele falou insinuativo e eu arregalei os olhos para a Hee que me mandou um olhar de desculpas. 

Engoli o meu orgulho junto com aquele pão repleto de molho escorrendo, e dei sinal para que ele continuasse. 

É isso. Eu preciso ouvir de alguém que ele estava com outra mulher pra conseguir desistir totalmente dos meus sentimentos. 

- acredite, ele estava sim com uma mulher – fez uma pausa dramática – mas essa mulher era a sua mãe. Foi a primeira vez que voltou pra casa depois de ter vindo pra cá, por isso pareceu nervoso. – ele sussurrou pra mim, mas eu estava congelada pelo choque. 

- m-ma-mas.. 

- agora ouça, eu não pretendo interferir mais, se isso te preocupa. Boa sorte, estarei torcendo por você. 

O resto do dia pareceu passar num piscar enquanto eu estava perdida em pensamentos. Quando me dei conta, quase não havia ninguém na empresa. 

Ou eu achava que não havia, porque uma batida na porta me mostrou que eu estava errada. 

- entre. 

- oi Soora, Boa noite – aquele Deus élfico do Olimpo me saudou e eu sorri boba. 

É... Então... na realidade, depois que o Sehun falou aquilo eu desisti de esquecê-lo. 

Não tem mais necessidade disso né?! 

- Boa noite – cumprimentei, não podia deixar ele falando só pra divagar.  

Divague depois Soora! 

- desculpa não estar aqui no seu aniversário, mas fazia meses que eu não voltava em casa. 

- tudo bem, eu entendo, não é como se você me devesse algo... 

- mas eu comprei um presente – ele falou e eu o olhei surpresa.  

- sério? 

- sim, aqui – ele falou me entregando uma caixa que eu juro que não tinha notado até agora. 

- o que é? – perguntei curiosa. 

- abra. 

Abri a caixa e lá estava um ursinho de pelúcia muito fofo e lindo. (♡o♡) 

- é lindo, obrigada. 

- era o mínimo que eu poderia fazer, como está tarde eu tenho que ir, ainda não fui em casa, até amanhã – ele sorriu e saiu da minha sala me deixando lá completamente boba. 

 

 

27/11/15                 06:00 AM 

 

 

Acordei cedo, estava ansiosa já que hoje era nada mais nada menos que a data de nascimento daquela perdição também chamada de Park Chanyeol. Além de que ontem fez um ano que nos encontramos. Eu não poderia estar mais feliz. 

Teria que dar dois presentes a ele já que eu prometi na primeira carta e ele me deu um presente no meu aniversário. 

Havia comprado uma lente nova para sua câmera, fiz o Sehun descobrir para mim qual era a lente dele e comprei uma mais potente e avançada, e mandei fazer uma corrente com um pingente de câmera banhada a prata. Espero realmente que ele goste, afinal, eu tive uma trabalheira pra encontrar bons presentes. 

Ahh! Oh vida difícil! 

Me arrumei e sentei para escrever a carta. Assim que terminei de escrevê-la peguei as chaves e a caixa com as lentes colocando a carta dentro. 

Olhei para o apartamento da frente e ele estava sentado no sofá olhando para o teto com uma carinha de sono linda. 

Sorri saindo de casa. Caminhei para o prédio dele, cumprimentei o porteiro Lee quando passei pela entrada e chegando em frente ao seu apartamento coloquei o presente no chão, toquei a campainha e me escondi na escada como sempre. 

Ele abriu a porta, olhou o presente e sorriu o pegando, abriu a caixa e pegou a carta a abrindo pra ler. 

bom dia Chan! 

E... FELIZ ANIVERSÁRIOOOOOO! 

Dessa vez na data correta em! 

Espero que esse ano você esteja mais feliz que antes, mais realizado que antes, porque mais lindo você já fica a cada dia que passa. 

Então... como prometido, eu comprei um presente. 

Você gostou? 

Espero que sim, porque eu tive um trabalho enorme para comprar já que não entendo nada, mas como é o que você gosta e lutou tanto para conseguir, achei um presente digno. 

Espero que esse presente possa ser útil e que te faça sempre pensar em mim como eu sempre penso em você. 

Milhões de beijos, eu.” 

Ele sorriu tirando o papel seda de cima da lente e olhando admirado para a mesma. 

- é perfeito querida! – ele sussurrou entrando em casa sorridente. 

Sinceramente, o aniversário podia ser dele, mas eu ganhei o melhor presente da vida! 

Ele me chamou de querida!! (♡o♡) 

Ahhhh! 

Se eu morresse agora, morreria feliz! 

Voltei para casa pegando minhas coisas juntamente ao outro presente dele e indo para o trabalho. 

Chegando lá encontrei as meninas e o Sehun no balcão da Hee como sempre. 

- bom dia! – cumprimentei sorridente. 

- bom dia minha criança! – a unnie respondeu. 

- bom dia Soo! – a Jin cumprimentou de volta. 

- bom dia Soorinha! – o Sehun falou por fim. 

- por que essa alegria toda? – a Hee perguntou sorrindo contagiada. 

- nada! Só acordei bem feliz! – respondi risonha. 

- certo! – os três responderam ao mesmo tempo, mas as meninas piscaram pra mim discretamente. 

Essas minhas amigas sempre sacam minhas indiretas. 

Meu Park-deus-Chanyeol chegou na empresa nos cumprimentando. 

- bom dia gente! – ele falou sorrindo. 

- bom dia! – falamos em uníssono. 

- parabéns. – 

- feliz aniversário. – 

O felicitamos e ele sorriu mais. 

- obrigado pessoal. 

- então parceiro, comprei para tu um violão massa que eu vi numa loja ai, tava pensando nele desde que tu falou que o teu não ia ter conserto. – o Sehun falou e o Chan sorriu largo. 

- valeu parceiro! 

- depois levo na sua casa. 

- beleza. 

- como o Sehun disse que você gosta de compor eu comprei aqueles cadernos com as linhas pra você desenhar as notinhas musicais que eu esqueci o nome, mas você já sacou o que é né? – a Hee falou pegando um embrulho que estava embaixo do balcão e ele riu alto. 

- partituras. – falou pegando o presente. 

- isso mesmo garoto, eu sempre soube que você é inteligente. – ela falou o fazendo gargalhar. 

- obrigado Hee-ssi. 

- não por isso. – ela sorriu. 

- eu não tinha ideia do que comprar então como eu fiquei sabendo que você gosta de música e chapéus daí comprei esse chapéu com uma nota musical, foi mal, mas eu realmente tava sem ideias. – a Jin lamentou entregando a caixa com o presente e ele sorriu. 

- adorei Jin-ssi, obrigado. 

- para finalizar, acho que eu fui a diferentona já que não tem nenhuma relação com música. – brinquei nervosa entregando a caixinha e ele me olhou curioso. – abra e veja. 

Ele abriu a caixinha pegando a corrente e sorrindo para mim. 

- é lindo Soo-ssi, adorei de verdade. Coloca aqui, por favor! – ele pediu me entregando a correntinha e se abaixando de costas para mim. 

Coloquei a corrente e ele levantou sorrindo. 

- obrigado. 

- por nada – respondi sorrindo. 

- mais tarde a gente vai no seu restaurante favorito comemorar beleza? – o Sehun perguntou e ele assentiu. 

- perfeito! 

- certo! Agora vamos trabalhar né? – ele perguntou dando um selinho na Hee e fomos cada um para nossas salas. 

...

O dia foi passando até que rápido e logo era hora de sair do trabalho. 

Cheguei à recepção e todos já estavam lá. 

- agora que estamos todos aqui podemos ir? – o Sehun perguntou e nós assentimos. 

Fomos ao restaurante favorito dele, o mesmo que ele me levou no dia do exame de vista, estacionamos os carros e entramos. 

Fomos encaminhados à uma mesa e nos acomodamos. 

- o que vão pedir? – um garçom perguntou quando chegou à nossa mesa. 

- confio no seu gosto Hun, não conheço aqui. – a unnie falou colocando o cardápio de volta na mesa. 

- certo amor. 

- Chanyeol-ssi, tem mais algo que você queira que eu prove? – perguntei e ele sorriu assentindo. 

- eu peço para você – ele respondeu. 

- e para mim? Ninguém pede? – a Jin perguntou fazendo bico e os meninos riram. 

- pedimos para você também Jin-ah – o Sehun falou risonho. 

- agora sim! – ela respondeu rindo e os meninos reviraram os olhos. 

- para mim Kimchi e para ela Cheese Buldak – o Sehun falou para o garçom – você gosta de comida picante né amor? – ele perguntou e a Hee unnie assentiu – ok! Mesmo assim com a camada de queijo, por favor! – completou ele para o garçom que assentiu anotando o pedido. 

A unnie de fato gosta de coisas picantes, ela dana pimenta em tudo que come, nunca vi gostar tanto de pimenta. 

- para mim Japchae e para ela Ddeokbokki – o Chanyeol pediu para nós e depois sorriu para o garçom que riu e assentiu anotando também. 

- já entendi senhor Chanyeol, com pouca pimenta, não se preocupe – o garçom falou e ele sorriu. 

- e por fim Kimbap para você Jin – o Sehun falou entregando o cardápio ao garçom. 

- e para mim Ddeokbokki também – ouvimos uma voz perto e viramos vendo... 

Ah não! Meu Deus! Por quêêê? O senhor me odeia? 

Exatamente, a vadia colegial! 

- oppa parabéns! – ela falou o abraçando. 

- obrigado Suzy. 

A garota empurrou mais o Sehun e se enfiou no meio dos dois o que fez a Hee unnie a olhar feio. 

- olá ameba, como vai? – o Sehun perguntou e ela o fuzilou enquanto nós prendíamos o riso. 

- vou bem obrigada – respondeu. 

- crianças deveriam estar fazendo a lição de casa – ele respondeu e ela revirou os olhos. 

- oppa, manda ele parar. 

- eu não mando nele Suzy. 

- pois é , ele não manda em mim – o Sehun falou bagunçando os cabelos dela que o olhou irritada. 

O Sehun é demais! Sempre apoiei desse garoto! 

- oppa, oppa, o que você achou de mim hoje? Estou bonita não é mesmo? – perguntou animada. 

- você está bonita – ele disse e ela me olhou vitoriosa. – aliás, se me permitem, todas estão muito bonitas. – falou me encarando. 

- e o que você entende de moda Chan-oppa? 

- olha o garçom ai com o nosso jantar, não acha que está na hora de ocupar a boca com a comida? – o Sehun falou enfiando um pedaço de pão na boca dela. 

O garçom nos serviu e perguntou o que gostaríamos de beber. 

- um vinho tinto cairia bem – o Sehun disse – ah, desculpe. Esqueci da criança, para ela um pouco de suco de uva – continuou revirando os olhos. 

- eu não quero su... 

- cala a boca pirralha, você não tem o que querer não! 

- mas... mas oppa, eu também quero vinho – ela falou para o Chanyeol que a olhou sem expressão. 

- não vou te dar bebida alcoólica, seus pais não iriam gostar disso – ele respondeu sério – pode ser o que o Sehun falou, obrigado – concordou e o garçom assentiu indo buscar o que foi pedido. 

Pouco depois ele voltou com a bebida pedida nos servindo um por um, mas ele acabou tropeçando em algo e derramando vinho na minha roupa. 

- oh céus, perdão – ele pediu desesperado, olhei para a cara da puta de fraudas e vi seu sorriso vitorioso. 

As meninas notaram também e a olharam fulminantes. 

- não se preocupe senhor, não foi culpa sua – sorri. 

- tudo bem, eu te empresto uma roupa amiga, deixe-me ir no carro pegar – a unnie falou puxando a Jin. 

A olhamos vitoriosas.  

Quem ri por último ri melhor pirralha! 

- vou esperar vocês no banheiro – avisei. 

Fui ao banheiro e tirei minha blusa e minha saia. 

Aish! A vadia conseguiu estragar minha roupa, que ódio! 

Ouvi um barulho na porta e virei achando que eram as meninas, mas como desgraça pouca é besteira, era ninguém mais ninguém menos que piranha mirim. 

- eu já disse para você se afastar do meu oppa! – ela falou irritada. 

- e eu já disse que não vai rolar! – rebati firme. 

Ela pegou o celular e tirou uma foto minha de calcinha e sutiã. 

Foi tão rápido que eu nem consegui reagir. 

- eu vou lhe dar a oportunidade de escolher, ou você se afasta dele... – ela começou e eu vi minhas amigas entrando de fininho no banheiro e vendo minha situação. – ou eu... – ela ia concluir a ameaça, mas a unnie tomou o celular da garota e apagou a foto e a Jin veio até mim me entregando uma saia azul e uma blusinha de seda branca que eu rapidamente vesti. 

- ou você o que? – a Hee perguntou sorrindo de lado e jogando o celular de volta para a garota. 

- sua... – ela ia para cima da unnie, mas a Jin segurou ela pelos cabelos. 

- criança! Pare de tentar afastar a minha Soora do Chanyeol ou você vai se arrepender amargamente de mexer com a minha amiga entendeu? – a Hee perguntou sorrindo maldosamente. 

- podemos transformar sua vida num inferno e temos muito mais recursos para tal – a Jin completou. 

- você pode um dia até conseguir me afastar do Chanyeol, mas nada do que você fizer vai se capaz de fazer ele ficar com você, porque para ele você é e sempre vai ser uma criança – falei séria e ela saiu do banheiro enfurecida. 

- valeu meninas, vocês salvaram a minha vida – agradeci e elas sorriram. 

- estamos aqui para você sempre – elas responderam e me puxaram para a mesa de novo. 

O resto do jantar foi tranquilo e a garota parou até de me provocar. 

Sinto que as coisas vão melhorar a partir de agora. 

 

 

03/10/16                    07:34 AM 

 

 

O ano havia passado voando. Nossa empresa recebeu muitas ofertas, então foi bem movimentado em questão de trabalho. 

Já estávamos em outubro e nesse período eu quase não tive tempo para ver o meu Chanyeol. (T-T)  

...

Fui para o trabalho no horário de costume e estranhei ao me deparar com a Soojin murmurando palavras indecentes na entrada. 

- Soojin? – falei colocando a mão em seu ombro e ela virou com cara de serial killer. 

- por que justo quando resolvo ser uma funcionária exemplar e chegar no trabalho cedo isso me acontece? 

- o que houve pelo amor de deus? 

- um pirralho imbecil bateu com a moto no meu carro, bem no dia que eu pensei em chegar adiantada para sair mais cedo. – disse ainda fulminando em raiva. – eu perdi um tempão e agora não vou poder sair cedo. 

- e como ficou o problema do conserto? 

- por sorte o seguro vai cobrir tudo, mas ainda assim queria pular no pescoço daquele garoto. Aish, esses jovens de hoje não tem respeito. 

Seguimos para a recepção enquanto a Soojin ainda remoía o incidente. 

Cumprimentamos a Hee e eu expliquei para ela o que tinha acontecido enquanto a Jin ainda reclamava. 

- pare de reclamar, o mais importante é que você não se feriu, o resto se conserta. – a Hee repreendeu a Jin. – sossega essa peka que eu vou lhe dar carona ate o seu carro ficar pronto, ok? 

Depois do sermão nós fomos cada um para a sua mesa. 

Esses dias estavam realmente puxados, todos estavam realmente atolados em trabalho. 

Até que uma luz veio para mim nesse mar obscuro. 

Fui encarregada de um projeto com o Chanyeol, mas ele esqueceu alguns materiais em casa, então veio o convite dos céus. “você se incomoda de irmos buscar?”  

Ah, eu juro que pude ouvir anjos cantarolarem uma musica celebre. 

Fomos no seu carro, e enquanto ele dirigia discutíamos sobre coisas banais. 

Chegamos ao portão onde o porteiro me cumprimentou alegre. 

- bom dia Soora-ssi. – ele disse e eu gelei naquele momento. 

PELO AMOR DO SANTO DEUS, HOMEM, SINTA A SITUAÇÃO POR FAVOR. 

- bom dia senhor Lee. – cumprimentei de volta com um olhar mortal. 

- vocês se conhecem? – o  Chanyeol nos encarou com um olhar indecifrável. 

- hahaha, esse ajusshi é um conhecido antigo da minha família. – falei rapidamente, rindo um pouco nervosa. 

- ah, tudo bem então. – disse sorrindo um pouco. 

Não entendi bem, mas espero que ele tenha acreditado. 

Pegamos o elevador e logo estávamos de frente para a porta que digamos que já era uma amiga íntima. 

- não acredito. Esqueci a chave no carro. – falou passando a mão nos bolsos – espera só um segundo. – disse batendo na porta. 

Estranhei o ato, mas estava tão extasiada que não o questionaria. 

Ouvi alguns sons virem de dentro do apartamento e logo a porta ser aberta por um cara com uma camisa desabotoada, cabelos bagunçados e apenas de c-cueca?  

- Yeolli, que bom que você já esta em casa. Você demorou. Vamos almoçar juntos hoje né? – o jovem rapaz disse animado o abraçando. 

YE-YEOLLI?  

Espera, eu estou entendendo bem essa situação? /(°○°)\  

- meu Deus Baek. Ao menos vista alguma coisa antes de ir abrindo a porta assim. Temos visita. – o Chanyeol repreendeu o garoto. 

TEMOS visita?  

O que é essa situação meu deus? 

2 anos de devoção para com esse exímio exemplar de homem para ele ser gay? 

E eu que achava que o problema era aquela piranha mirim. 

Ele foi sempre tão másculo. 

Vai ver que isso foi só uma curiosidade, ou talvez ele seja gay realmente. 

Não, não. Isso é impossível. 

Talvez, no máximo ele pode ser Bi. 

Aaaaaaaa (@-@) 

Eu não posso acreditar nisso, alguém só pode estar zoando com a minha cara. 

- quem é essa Yeolli? – perguntou me avaliando dos pés a cabeça. 

- essa é a Soora-ssi. Uma colega de trabalho. – o Chanyeol me apresentou e o garoto sorriu divertido. – esse aqui é o Baek... 

- nem pense que eu vou te entregar o meu Yeolli de mão beijada. – o menor disse cortando o Chanyeol. 

Eu o encarei de forma firme, mostrando que não iria ceder. 

- já chega de brincadeiras não acha Baek-hyung?  

- Yeolli, sempre o estraga prazeres, eu queria brincar só mais um pouquinho. – o menor choramingou – a cara dela foi a melhor, gostei dela. – disse sorrindo e depois piscou para mim. 

- bom, como eu ia dizendo. Esse é Baekhyun, o meu irmão que vai ficar hospedado aqui por um tempo.  

Irmão?  

Claro, irmãos! 

Eu sempre soube. Não duvidei um minuto sequer (°-°’). 

- é tão estranho finalmente estar nesse apartamento. – sussurrei enquanto olhava para o meu apartamento do outro lado. 

- o que você disse Soora-ssi? Eu não pude ouvir. – o Chanyeol perguntou curioso. 

- n-não nada..., seu apartamento é muito bonito. – disse tentando mudar de assunto e ele apenas agradeceu. 

- o que vocês vieram fazer aqui? Ah, cadê os meus modos. Por que não se senta?! Eu vou trazer um pouco de chá. – o menor falava tão rápido que eu mal conseguia acompanhar. 

- você não acha que já deveria ter trocado de roupa? – o Chanyeol o olhou repreensivo. 

- só se a Soora-ssi ajudar. – falou de maneira fofa, mas seu olhar era completamente malicioso. 

O verdadeiro lobo em pele de carneiro. 

- Baek... – Chanyeol o encarava sério. 

- tá bom, tá bom. Eu já volto Soora-ssi. – disse passando a mão em meu cabelo. 

A campainha tocou, fazendo Baekhyun parar no meio do caminho. 

- deve ser a Soojin – afirmei e o Chanyeol assentiu indo até a porta. 

- Desculpem o atras... – ela foi entrando e sua voz morreu no meio da frase.  

Ela arregalou os olhos assim como Baekhyun. 

- Você?! – a Jin disse raivosa apontando para Baekhyun. 

- aaah, a doida do carro. – apontou de volta. 

- além de louco, é um pirralho pervertido pelo visto. 

Foi ai que me veio um estalo. 

Foi ele quem bateu no carro dela! 

 

 

10/11/16              07:56 AM 

 

 

- é aqui hyung, obrigado por me trazer – o meu elf-Darling e eu chegamos na mesma hora. 

- bom dia Chanyeol-ssi, bom dia Baekhyun-ssi – cumprimentei. 

- bom dia Soora- ssi – o Chan respondeu. 

- bom dia querida, só Baek para você – ele falou pondo um braço sobre meus ombros e me puxando para dentro da empresa. 

- bom dia Hee unnie, bom dia Sehun – cumprimentei me soltando dele e indo abraçar minha amiga. 

- bom dia... 

- bom dia senhorita, não fomos apresentados, eu sou Baekhyun, o irmão do Chanyeol, mas para você pode ser Baek ou oppa – ele falou estendendo a mão para Hee que segurou e teve a mesma beijada por ele – quem seria a linda dama? 

- essa é Sunhe, minha namorada Baek, tudo bem hyung? – o Sehun perguntou abraçando a unnie de lado. 

- ah sim! Tudo ótimo! – respondeu rindo – não precisa essa possessividade e esse ciúme todo, o que você pensa de mim? – perguntou ele ofendido. 

- jamais pensaria mal de você... 

- você aqui? Por quê? Só pode ser carma! – a Jin chegou reclamando. 

- vocês se conhecem? – a Hee perguntou perdida e eu a puxei. 

- foi ele que bateu no carro dela naquele dia amiga! Descobri isso no dia que fomos lá na casa do Chanyeol. 

- ah! – a unnie exclamou espantada. – por isso ela está tão irritada! Agora tudo faz sentido! – a unnie falou entendendo tudo. 

- olá louca do carro! – ele falou e nós os olhamos chocados. 

- você me chamou de quê seu pirralho insolente? 

-  eita! Além de louca é surda, vocês são amigas dela né? – ele perguntou e nós assentimos. – é bom tomar cuidado, não andem com ela quando ela estiver dirigindo – avisou. 

- o que você está fazendo aqui? 

- vim trazer meu irmão. 

- oh Chanyeol-ssi! Você está bem? Ele não bateu no carro de ninguém no caminho não né? – ela perguntou e eles se fuzilaram. 

Se olhar matasse, de fato, teríamos dois corpos estendidos no chão. 

- pessoal, vamos acalmar os ânimos! – o meu Chan-delícia disse segurando os ombros do irmão. – a gente se vê em casa Baek! – completou levando o mesmo em direção à saída, mas antes de ir embora soltou um leve piscar de olhos para nós. 

Graças a Deus, terceira guerra mundial evitada! Ufa! 

...

No intervalo do almoço eu e a unnie puxamos a Soojin até um canto mais reservado. 

- Jin, por favor você poderia tratar o irmão do Chan melhor? Eu sei que ele feriu o seu carro, mas ele não ficou em situação de risco, o quadro clínico dele é estável. 

- mas Soora, aquele pivete machucou o meu bebê. 

- por favor Kim Soojin, pare de dar pití por uns arranhões num carro, ele não está vivo, ELE É UM OBJETO. – a Hee disse nervosa e eu arregalei os olhos. 

Tá certo que já passou da hora da  Soojin entender que o carro não é uma pessoa, mas existem meios mais delicados para isso. 

- você não disse isso – a Jin disse fazendo drama. 

- chega, as duas. Jin a unnie retira o que disse se você tentar tolerar o Baek, certo unnie? – perguntei em tom de ameaça. 

- certo, certo. – disse revirando os olhos. – eu retiro o que eu disse.  

- e eu vou tentar engolir a presença dele. 

- ótimo! Agora podemos ir almoçar antes que meu estomago acabe devorando os outros órgãos por engano. 

... 

Voltando do almoço tinha uma coisa que não saia da minha cabeça. 

- a Jin está estranhamente quieta ultimamente, não concorda unnie?  

- verdade, o que aconteceu? Nunca mais a vi sair em um encontro – disse insinuativa. 

- parem já com essas caras de raparigas, eu não estou namorando com ninguém, só resolvi dar um tempo. 

- certo, certo! – falei. 

- se você diz! – a unnie completou e nós seguimos de volta ao trabalho. 

 

 

15/11/16              12:07 PM 

 

 

Estávamos em horário de almoço todos reunidos decidindo onde iríamos comer. 

- Yeolli! Vim almoçar com você! – o Baek-ssi chegou a empresa falando irritantemente alegre. 

- tem problema ele almoçar com a gente? – o meu elf-Darling perguntou receoso e eu vi que o Sehun cochichou algo para a Hee que assentiu. 

- claro que... 

- não tem, por que teria algum problema seu irmão comer conosco? – a unnie interrompeu a Jin que a olhou indignada. 

- unnie! 

-  depois a gente conversa Soojin. – ela sussurrou pra Jin enquanto a mesma bufava. 

- tudo bem mesmo? – perguntou desconfiado. 

- claro que está – concordei e a Jin revirou os olhos. 

- então vamos? – perguntou feliz. 

- sabe uma coisa que eu sempre quis fazer? – a unnie perguntou e nós negamos. 

- o que unnie? – perguntei curiosa. 

- fala pequena! – o Sehun encorajou depois de um tempo em silêncio. 

Ela olhou para os lados e ao não ver ninguém sussurrou. 

- pular o balcão – ela falou e o Sehun, meu elf-Darling e o Baek-ssi riram enquanto eu e a Jin a olhamos sem reação. 

- Como assim unnie? – a Jin perguntou pasma. 

- é tipo, eu tô aqui atrás ai eu pulo por cima do balcão e saio – ela explicou. 

- por que você quer fazer isso? – perguntei confusa. 

- porque parece legal quando eu vejo o povo pular por cima das coisas nos filmes – ela respondeu e eu e a Jin nos encaramos chocadas. 

- vai, nós ajudamos – o Sehun falou sorrindo e o Chanyeol assentiu risonho. 

- também ajudo, gostei dela, um espírito aventureiro – o Baek-ssi concordou e a unnie sorriu largo. 

O Baek-ssi segurou os sapatos dela, presente da Jin, meu Chan-delícia fez um apoio para ela pisar e o Sehun a calçou e a colocou no chão enquanto eu e a Jin olhávamos a cena horrorizadas. 

- obrigada meninos – ela agradeceu toda feliz. 

- eu não acredito que vocês fizeram isso – a Jin lamentou batendo na testa. 

- ah! Qual é o problema? Ela ficou feliz tá vendo? Não é sua amiga? Você deveria estar animada por ela! – o Baek-ssi falou e ela o fuzilou. 

- quem você pensa que é para me dizer o que eu tenho ou não que fazer? – a Jin perguntou irritada e ele riu. 

- sou alguém que adora te irritar coisinha. – ele respondeu apertando a bochecha dela e correndo de lá. 

- seu... seu... aish! Aquele idiota! – xingou irritada. 

- calma amiga, ele tem um espírito de criança, só isso – a unnie defendeu sorrindo e a Jin a fuzilou. 

- não acredito que você está defendendo ele! 

- não é como se ele tivesse cometido um crime né? – ela respondeu revirando os olhos e a Jin a olhou ofendida. 

- estou me sentindo traída – dramatizou. 

- ah! Eu também te amo minha criança! – a unnie disse abraçando nós duas e nos puxando para o carro. 

- dessa vez vamos ao nosso restaurante favorito, porque toda vez vamos no de vocês. – a unnie falou quando chegamos ao carro. 

- sim senhora! – os meninos falaram e todos entramos no carro. 

Chegamos ao restaurante, com a unnie ensinando o caminho. 

Escolhemos nossos lugares e eu acabei ficando entre o Baek-ssi e o Chanyeol, ao lado do Baek-ssi estavam a unnie e depois o Sehun e ao lado do Chanyeol estava a Jin. 

- dessa vez pedimos para vocês, que tal? – perguntei e eles assentiram. 

- Soora-ssi, você sabe que eu não gosto de comidas... 

- apimentadas, eu sei! – terminei sua fala e ele sorriu sem graça. 

- quem vai pedir para mim? – o Baek-ssi perguntou e nós duas olhamos para Jin. 

- eu não vou pedir para ele como se fossemos íntimos... – ela falou e depois sorriu maliciosamente. – ou melhor, eu peço sim. 

Todos olhamos desconfiados. 

- melhor não mesmo! – falei. 

- peça para mim Soo querida! – o Baek-ssi pediu e eu corei. 

- não seja assim Baek! – o Chanyeol pediu sério revirou os olhos. 

- tudo bem, peço sim Baek-ssi... 

- ah não! Me chame só de Baek, de querido, amor da sua vida, mas não seja tão formal, assim me magoa. – ele falou fazendo bico e eu ri. 

- Baekhyun! – o Chanyeol murmurou em tom de aviso. – pare de cantar todas as garotas que você vê. – mandou. 

- não são todas, é só a Soora bebê. – respondeu ele passando o braço em volta dos meus ombros. 

- garçom! – o Sehun chamou e ele apareceu trazendo os cardápios. 

- Boa tarde, as senhoritas já não vêm aqui a um bom tempo. – comentou. 

- culpe eles que ficam nos arrastando para outros lugares. – a unnie respondeu risonha. 

- verdade, você ainda lembra dos nossos pedidos habituais? – ela perguntou. 

- um bom garçom não esquece os pedidos dos seus clientes mais frequentes. – ele respondeu rindo. 

- perfeito. Então traga para mim dois do de sempre, um normal e o outro já sabe né?! 

- sim senhora! 

- para mim você trás três do de sempre. – pedi e ele assentiu indo mandar fazer nossos pedidos. 

- para mim só o meu mesmo. – a Jin pediu e depois levantou. – vou ao WC. – ela falou e nós assentimos. 

Ficamos conversando e pouco depois ela voltou com um sorriso enorme no rosto. 

- o que foi amiga? – a unnie perguntou risonha. 

- estou aliviada amiga. – ela respondeu. 

- certo! 

A comida chegou e nós atacamos com prazer. Pouco depois o Baek parou de comer e começou a ofegar. 

- água, eu preciso de água agora. – ele falou abandonando a boca e nós olhamos confusos até a Hee provar a comida dele. 

- água não, leite, traga leite, a comida tá com bastante pimenta para quem não está acostumado. – a Hee falou e a Jin começou a gargalhar. 

- foi você! – ele rosnou para a Jin despois de beber uns três copos de leite e se acalmar. 

- eu o que? – ela perguntou e ele a olhou raivoso. 

- não tem problema! – ele falou sorrindo de lado e se aproximando dela que olhou alarmada. – você vai pagar pelo que fez. – ele pegou o prato e virou em cima dela que olhou para ele furiosa. 

- você não fez isso! – ela falou tentando controlar a raiva e ele riu. 

Ela inclinou a cabeça para o lado e sorriu pegando ele pelos cabelos e tacando a cara dele no próprio prato. 

- agora sim eu estou bem. Obrigada. – ela falou pegando a bolsa. – meninas, por favor, paguem o meu que depois eu pago vocês. – ela completou saindo de lá sorrindo largo deixando um Baekhyun em choque para trás. 

- eu vou matar aquela garota. – ele falou já se encaminhando para saída atrás dela, mas o meu Park-delícia-Chanyeol segurou seu braço. 

Oh meu Deus élfico, por que você não me segura assim? (T.T) 

- Baek, vá lavar o rosto e vamos embora, por favor. – ele pediu e o Baek o olhou indignado. 

- mas Chan... 

- por favor, hyung! 

- ok! – ele bufou indo para o banheiro. 

- nossa! Que almoço badalado! – a unnie falou começando a rir e todos nós rimos também. 

- vocês não vão atrás dela? – o Sehun perguntou curioso. 

- não precisa, ela mora aqui pertinho e ela saiu feliz. Tá tudo bem. – a unnie respondeu piscando para ele que assentiu sorrindo. 

Finalizamos o almoço tranquilamente e voltamos para a empresa. O dia passou rapidamente e logo o expediente acabou, hora de ir para casa. 

A Jin tinha ido em casa para tomar banho e voltado limpinha. 

Se for pensar direitinho eu acho até que ela estava certa em se vingar, ela a perturba muito e é bem engraçado as briguinhas deles dois, mas dessa vez eles passaram dos limites e fizeram a maior bagunça no restaurante. 

Como não tinha ido de carro hoje, a unnie me deixou em casa e eu entrei indo logo para minha janela espiar meu lindo vizinho que já deviam estar em casa também, porque ele já tinha ido quando saímos. 

Olhei pela sacada e vi que ele não estava sozinho, a vadia colegial estava lá. 

Fiz bico. 

Não quero ela lá! 

Como se tivesse encapetada sentindo meu olhar a garota olhou pela parede de vidro para minha sacada e eu rapidamente me escondi. 

Meu Deus Amado! 

Será que ela me viu? 

Minha vida estará acabada se ela tiver visto! 

Senhor me ajude! 

Que ela tenha caído no chão ou tacado a cara no vidro ou espirrado ou respirado no vidro e ele embaçado... 

Aaaaaaaaa... (T.T) 

Só editando um pouco o que diz a minha querida Katniss Everdeen... que a sorte esteja ao meu favor! 

 

 

23/11/16                   10:06 AM 

 

 

Cheguei à recepção e como de costume o Sehun estava lá, é impressionante como, depois de anos de namoro, esses dois ainda vivem grudados e não cansam um do outro, mas enfim... quem sou eu pra dizer algo? 

A Jin e o Chanyeol também estavam lá, então não vou reclamar do Sehun.  

- chamou unnie? – perguntei me aproximando do grande grupo. 

- sim, então pessoal, eu participei de um sorteio e ganhei seis ingressos para aquele parque de diversões maravilhoso que abriu mês passado e eu queria saber se vocês querem ir na sexta comigo, vai ser feriado então não tem problema né? – ela falou esperançosa e nós rimos. 

- eu vou para onde você quiser minha pequena – o Sehun respondeu risonho deixando um beijinho em sua bochecha. 

- pode contar comigo – respondi sorrindo. 

- eu vou também – o Chanyeol respondeu levando o braço. 

- já que todos vão eu vou também né! – a Jin respondeu dando de ombros. 

- mas sobra um ingresso – lembrei. 

- é verdade! – a unnie concordou – você não tem nenhum namorado para levar Jin? – perguntou olhando para nossa amiga. 

- não querida! Estou solteira no momento tá?! – ela respondeu olhando feio para a unnie. 

- seu irmão ainda está na sua casa Chanyeol-ssi? – perguntei e ele assentiu. – perfeito! Já temos o dono do sexto ingresso. – falei sorrindo vitoriosa, como se tivesse encontrado a solução para os problemas da fome no mundo. 

- aquele cara? Unnie, Soora! Vocês me odeiam? – ela perguntou fazendo drama e nós reviramos os olhos. 

- não seja tão dramática Jin – falei revirando os olhos. 

- ótimo, fale com seu irmão para ele ir – a Hee pediu e o Chanyeol assentiu. 

- duvido que seja difícil convencê-lo – o Sehun falou rindo e o Chanyeol revirou os olhos. 

- também duvido, vou falar com ele mais tarde – respondeu ele. 

- ok! Era só isso gente. Ah sim, vamos almoçar juntos? – ela perguntou e o Sehun foi o primeiro a confirmar, eu e a Jin nos olhamos e assentimos, o Chanyeol revirou os olhos assentindo também. – então perfeito, de fato era só isso mesmo. 

 

 

25/11/16                     02:00 PM 

 

 

Estávamos prontas em frente ao prédio da Hee unnie esperando pelos garotos que viriam nos buscar. 

Eu estava de short jeans rasgado, uma regata preta assim como a bota de cano curto e salto e por fim um casaco quadriculado, a Soojin usava um short de couro preto cintura alta com uma blusa branca de tecido fino por dentro, um terninho florido e sapato de salto também na cor preta, para fechar a unnie, uma blusa de manga longa toda rendada e preta igual a sapatilha que era aveludada com um lacinho doutorado de alguns tipo de metal na lateral por fim um short saia vermelho. 

A Soojin não parava de reclamar o tempo todo que teria que sair com “aquele idiota ridículo” enquanto eu e a unnie riamos discretamente da carranca dela. 

Os meninos finalmente chegaram, o Sehun e o Chanyeol no carro e o Baekhyun de moto logo atrás. 

O Chanyeol saiu do carro e abriu a porta para nós, quando íamos entrar a Jin nos puxou. 

- meninas, eu não quero ir no meio de dois casais – a Soojin sussurrou para mim e a unnie depois de nos afastarmos um pouco e nós a olhamos perdidas – a unnie e o Sehun e você e o Chanyeol... 

- nós não somos um casal Soojin! 

- mas você queria que fosse, você gosta dele, é a mesma coisa que estar no meio de dois casais... 

- o que está acontecendo meninas? – o Chanyeol perguntou confuso. 

- nada demais... 

Bem nesse momento o Baekhyun buzinou da moto. 

- por que não vem comigo? – ele falou um pouco abafado pelo capacete. 

- eu não! – respondeu ela de nariz empinado.  

Eu e a unnie nos olhamos e sorrimos. 

- ou o Baek-ssi ou no meio dos dois casais lembra? – Hee unnie falou para a mais nova que bufou e andou contrariada até o rapaz. 

Ele a entregou o capacete a mandando subir e nós entramos no carro risonhas. 

- eu apoio eles dois! – a unnie falou risonha e eu concordei – resta só eles entenderem que todo esse ódio talvez seja outra coisa – sorriu maldosamente. 

O caminho até o parque foi tranquilo e rápido, conversamos banalidades por todo o percurso. 

Eles foram estacionar e nós descemos do carro indo para a fila de entrada. 

Procuramos a Jin e o Baek-ssi, mas nada deles. 

- eu sabia, no fundo eu senti que eu deveria ter suportado os dois casais, mas não, eu tinha que resolver ser uma boa pessoa! Aish que ódio! – a Jin brotou sabe lá Deus de onde reclamando e nós a olhamos sem entender. 

- o que aconteceu amiga? – perguntei confusa. 

- aquele garoto estúpido  ficou empinando aquela porcaria de moto, eu estava morrendo de medo, se aquilo virasse? Eu arrisquei minha preciosa vida por vocês, me agradeçam – ela respondeu enfurecida e nós rimos. 

- amiga, nós não ficaríamos incomodadas com sua presença de forma alguma – falei risonha e a Jin semicerrou os olhos. 

- o que ela quis dizer foi que... tu veio com ele por que quis, porque nenhuma de nós disse nada, você que ficou reclamando da vida! – a unnie afirmou piscando um olho para ela que a fuzilou. 

- muito obrigada unnie, seu acalento me confortou tanto – a Jin ironizou. 

- não por isso, precisando é só pedir – respondeu ela risonha. 

Os três chegaram juntos. 

- então... vai voltar comigo também? – perguntou o Baek-ssi para a Jin que o olhou assombrada. 

- eu nunca mais subo numa coisa dessas com você! – ela o olhou de forma desesperada – alguém me salve desse louco – ela falou correndo para trás dos meninos.  

- o que você fez dessa vez? – o Chanyeol perguntou o olhando sério. 

- nada demais, só empinei umas vezes, isso não é motivo para ninguém ficar histérico é? – perguntou ele indignado. 

- pelo amor de Deus! É claro que é!  Se você não tem amor a sua vida eu tenho! – a Jin rebateu e eu suspirei. 

- Baek, isso foi errado! Você notando que isso a causava medo deveria ter parado! – repreendeu meu elf-Darling. 

- chegou a nossa vez – falei olhando para fila e a unnie entregou os ingressos ao rapaz que estava recolhendo, o mesmo indicou o outro que liberaria nossa entrada. 

Já dentro do parque fomos em vários brinquedos aterrorizantes.  

Fomos ao barco viking, ele ia para um lado e para o outro naquele vaivém que, a primeira vista, parecia inofensivo, mas aquela coisa quase me matou do coração. 

Ainda bem que não sou cardíaca, se fosse, com certeza, o mundo teria perdido a pessoa maravilhosa que sou! 

Depois eles inventaram de ir a um tal de tapete voador, e vou ter que dizer, aquilo foi um terrivelmente assustador, aquele negócio girava e girava tanto que fiquei tonta. 

Foi um martírio! Quando eu morrer vou direto pro Paraíso, porque estou pagando por todos os meus pecados agora! 

Entramos em um maldito brinquedo do demônio conhecido por kamikaze, pra começar o desespero aquilo era fechado, o que já dava uma sensação de claustrofobia, ele era tipo uma barca que dá a volta completa e pra fechar com chave de ouro o negócio ainda ficava de cabeça pra baixo por tempo indeterminado. 

Um verdadeiro ingresso para morte fantasiado de brinquedo. 

Depois disso, fomos ao tal elevador, e meu Deus, aquele troço despenca de mais de 70 metros de altura. Eu pensei que fosse morrer ali. Vi minha vida passando em frente aos meus olhos. 

Obrigada senhor por não me levar agora, ainda sou muito nova para morrer! 

E a famosa montanha russa então? 

Quase me mata do coração. 

E quando eu penso que acabou a série de brinquedos cavernosos, esses meninos me inventam de ir a casa de terror... 

Que de fato toca o terror geral, aquilo não é de Deus! 

Mas dessa vez eu tive uma vantagem! 

O Chanyeol segurou na minha mão! 

Repetindo. 

O CHANYEOL SEGUROU NA MINHA MÃO! 

MEU DEUS, EU JÁ POSSO ME JUNTAR AO SENHOR COM SATISFAÇÃO. 

Saímos daquela coisa, que as pessoas erroneamente chamam de casa, porque casa é um lugar que trás bem estar e conforto, é o nosso lugar... 

Se bem que o nome é casa do terror, ou seja, não minha e sim do terror, e se é casa do terror, ele tem que estar lá né para receber as visitas,  é falta de educação não estar em casa quando se tem visitantes, mas eu queria que ele fosse mal educado comigo... 

Mas enfim, depois de sairmos de lá, eu e a unnie, que estávamos em pânico, sugerimos  (lê-se intimamos) os meninos a irem na roda gigante conosco. 

- eu me recuso a ir na roda gigante – 

- eu me recuso a ir na roda gigante –  

O Baek-ssi e a Jin falaram no mesmo instante. 

- por quê? – perguntei aos dois. 

- porque eu não quero ir. – 

- porque eu não quero ir. – 

Os dois falaram ao mesmo tempo e depois se encararam fuzilando um ao outro. 

- ok! Não podemos obrigar e nem pretendemos, mas eu quero ir na roda gigante e não é vocês que vão impedir – a unnie falou irritada e virou para o Sehun e o Chanyeol – vocês também vão se recusar a ir? – perguntou e eles negaram um tanto assustados, a Hee unnie pode ser bem assustadora quando quer – e vocês já que não vão esperem sairmos, para não ficar aqui moscando até acabar vocês deviam dar uma volta pelo parque, quando terminar voltem para cá – ela sugeriu e tanto eu quanto a Jin a olhamos desconfiadas. 

- certo! – o Baek-ssi respondeu puxando a Jin para o meio da multidão de pessoas. 

Enquanto isso a Hee nos puxou para o lado oposto, nos arrastando para fila da roda gigante. 

Quando chegou nossa vez descobrimos que, mesmo a cabine sendo grande, não era permitido mais de três pessoas, então teríamos que ir em duplas, como já era previsível, ficou a Hee unnie com o Sehun e eu com o Chanyeol. 

Eles entraram na primeira cabine sorrindo arteiros, eu e Chanyeol entramos na de trás. 

Ela começou a subir e eu olhei pelo vidro a linda vista que aquela altura nos dava, mas realmente estava subindo demais. 

Por que isso está subindo tanto? 

- você está bem Soora? – ele perguntou me olhando preocupado. 

- sim, só não percebi que era tão alto aqui – respondi sem graça. 

- você tem medo de altura? – perguntou ele confuso. 

- não é bem medo de altura, só fico um pouco desconfortável em lugares muito altos, mas é só um pouco – sorri envergonhada. 

- e por que quis vir? – perguntou curioso. 

- a unnie queria tanto vir que não pude estragar o momento dela, afinal vocês estão nos arrastando para esses brinquedos cavernosos desde que chegamos, e eu também não percebi que era tão alto – falei começando a ficar nervosa. 

- calma! Nem é tão alto olha! – ele respondeu e eu olhei para baixo soltando um gritinho e me afastando do vidro – ei, desculpa, vem cá, vai ficar tudo bem! – ele falou me abraçando e eu gelei. 

Ele está mesmo me abraçando? 

PARK CHANYEOL ESTÁ ME ABRAÇANDO MESMO? 

MUITO OBRIGADA DEUS! EU NUNCA DUVIDEI DO SENHOR! 

Passamos um tempo assim, e eu, obviamente, aproveitei-me do momento. 

- você está melhor? – ele perguntou me afastando um pouco e me olhando nos olhos. 

- sim, obrigada. 

- fico feliz em ter ajudado – ele falou sorrindo com o rosto próximo demais e eu, totalmente descontrolada, fiquei olhando para seus lábios. 

Mas logo quando sua boca estava tão próxima, aquele maldito brinquedo abriu as portas sinalizando o fim. 

MALDITA PORTA! POR QUÊÊÊ? 

Saímos e olhamos em volta procurando o Sehun e a unnie que já deviam ter saído, mas eles desapareceram. 

O celular do Chanyeol apitou e quando ele olhou soltou um grunhido. 

- esse puto! – ele xingou baixinho. 

- o que houve? – perguntei confusa. 

- recebi uma mensagem do Sehun – respondeu me entregando o celular. 

“então parceiro... confio em você com melhor amiga da minha amada namorada, nos encontramos na saída perto do carro. >. < 

E antes que eu me esqueça, diz pra Soorinha que ela esqueceu o celular dela com a Hee. 

Sehun” 

Olhei chocada. 

Espera! Eu não dei meu celular a unnie, será que eles conspiraram para nos deixar sozinhos? 

- eles não fizeram isso, fizeram? – perguntei ainda esperando o “te peguei” que não veio. 

- eles fizeram! – suspirou – mas vamos aproveitar nós dois mesmo – ele falou me puxando. 

- para onde vamos? 

- nos divertir! 

Ele me puxou olhando em volta. 

- eu já te obriguei a ir nos brinquedos “cavernosos” – ele falou soltando um risinho – agora te autorizo a fazer o mesmo comigo – ele avisou convicto e eu o olhei perdida. 

- o que? Te levar em brinquedos cavernosos? – perguntei confusa e ele riu. 

- não, me levar nos brinquedos que você quiser ir, não vou reclamar – ele respondeu e eu sorri. 

- jura? – perguntei risonha. 

- sim. 

- então vamos – criei coragem e peguei sua mão o puxando. 

- onde estamos indo? – ele perguntou curioso e preocupado ao mesmo tempo. 

- tem vários brinquedos que faz tempo que não vou, você pode ir comigo? – perguntei com aquele olhar do gato do Shrek. 

- certo! – ele respondeu e eu bati palminhas em comemoração. 

- então vamos! 

- não se pode vir para esses lugares sem experimentar o tiro ao alvo certo?! 

O puxei em direção ao fliperama. 

Ele prontamente pegou a arma me perguntando qual o brinde que eu queria. 

- qualquer um está bom. – respondi sorridente. 

Mas só no ultimo tiro ele conseguiu derrubar um chaveiro com um ursinho na ponta. 

- aqui Soora-ssi – falou me entregando o chaveiro de forma vitoriosa. 

- certo, agora é a minha vez. – eu disse já me animando e ele me encarou surpreso. – Uaah, faz tempo que não brinco com essas coisas, espero não ter perdido o jeito. 

Usei a técnica que eu tinha desenvolvido nesses anos para derrubar os prêmios mais pesados, que consistia em dar o primeiro tiro esperar 2.3 segundos e então os dois tiros restantes em sequência. 

E como esperado, o grande prêmio pereceu diante da minha técnica secreta. 

- aqui chanyeol-ssi – falei entregando a grande tartaruga de pelúcia em quanto ele me encarava meio pra baixo. 

Acho melhor não deixar o meu lado competitivo falar tão alto. 

Em seguida eu o arrastei para o famoso carrossel que a essa hora já brilhava colorido, sentei na carruagem e ele sentou ao meu lado. 

- você tem cócegas Soora-ssi? – ele perguntou curioso e eu assenti. 

- sim. Sinto tanta cócega que ás vezes as meninas me ameaçam com isso para conseguir as coisas – respondi e ele sorriu maldoso, só então me dei conta da burrada que eu fiz – você não vai fazer isso não é Chanyeol-ssi? – perguntei alarmada quando ele começou a se aproximar lentamente. 

Ele veio para cima de mim, mas eu pulei do assento antes que ele me alcançasse e comecei a correr entre os cavalos e as carruagens... 

Jamais pensei que fosse dizer uma coisa dessas, mas sim, eu corri no meio disso tudo mesmo. 

Não tinha ninguém no carrossel além de nós, mas vi um casal do lado de fora o que me fez parar de correr. 

Como eu queria ter isso! 

Será que agora as pessoas estão nos vendo como um casal? 

 - o que foi? – ele perguntou confuso e eu sorri. 

- me ajuda a subir no cavalo, parece legal. – pedi empolgada. 

- claro, vem cá! – ele me puxou me colocando em cima de um deles. 

- você parece triste, aconteceu alguma coisa? – ele perguntou preocupado e eu o olhei sorridente. 

Ele se preocupar é um bom sinal né? 

- eu estou bem Chanyeol-ssi – respondi e ele fez bico – o que foi? – perguntei confusa. 

- nos conhecemos a dois anos né Soora-ssi? 

- sim. 

- mas ainda nos tratamos tão formal e polidamente, acho que poderíamos nos tratar de forma mais confortável, o que você acha? – ele perguntou risonho e eu sorri largo assentindo. 

- concordo com você – respondi. 

O carrossel terminou e ele me ajudou a descer. 

- então Soo-ah, onde quer ir agora? 

- hmm! Que tal as xícaras malucas? 

- parece legal! Vamos? 

- vamos! 

Fomos em direção ao brinquedo e não tinha tanta gente. Entramos e o rapaz ligou o mesmo. 

Começamos a girar dentro a xícara... 

Outra coisa que eu jamais pensei que fosse dizer, mas enfim, foi divertido. 

Sai tontinha, até me escorei no Chanyeol, nem tava conseguindo ficar em pé. 

- você tá bem? – ele perguntou me segurando. 

- sim, só um pouco tonta, mas já passou. – respondi. 

Olhei em volta vendo o carrinho bate-bate. 

- carrinho bate-bate, vem! – falei o puxando. 

Chegamos antes do rapaz fechar a portinha para ligar o brinquedo e ficamos no último carrinho que sobrou. 

- me deixa dirigir? – pedi com os olhinhos do gato do Shrek e ele assentiu risonho. 

Depois que o brinquedo foi ligado, comecei a dirigir desgovernada. Eu bati tanto aquele carrinho que acho que vou perder minha habilitação. 

Depois daquela série de brinquedos escolhidos por mim, nós sentamos um pouco um banquinho que achamos perdido por ali. 

- ai! Eu bati tanto aquele carrinho que eu acho que alguma coisa saiu do lugar aqui dentro – comentei risonha. 

- será? Imagina o fígado no lugar do estômago que está no lugar do pulmão que foi pro lugar do rim que ocupou o espaço do pâncreas... 

- ei! Isso é perigoso, temos que ir ao médico! – respondi e nós começamos a rir. 

Um senhor com um carrinho de algodão doce passou por nós e eu olhei com água na boca. 

- quer algodão doce? – ele perguntou intercalando o olhar entre mim e o carrinho e eu assenti envergonhada. 

- vem, eu compro para você! – ele falou me puxando – ajusshi! Dê-me um, por favor! 

- sim senhor! 

O ajusshi me entregou o doce e o Chanyeol pagou pelo mesmo. Voltamos a sentar e eu comecei a comer o oferecendo. 

Ficamos dividindo o doce até o celular dele tocar e ele mexer revirando os olhos logo depois. 

- o que foi? – perguntei e ele virou o celular para mim. 

“parceiro, estamos comendo para ir embora, vocês já comeram? Qualquer coisa estamos na Praça de alimentação norte perto da montanha russa.  

Sehun” 

- só não encho esse viado de porrada porque nos divertimos – ele revirou os olhos e eu ri – quer comer? – perguntou gentilmente. 

- sim, vamos. 

Encontramos os dois na Praça e vimos a Jin-ah e o Baek-ssi com ele, nos olhamos sérios. 

Esquecemos completamente deles. 

OMG! 

Como eu sou uma péssima amiga, mas eu tava sem celular, não ia poder ligar de qualquer jeito. 

Fechamos o dia com chave de ouro comendo um bom lanche gorduroso. 

Por que as coisas mais gostosas são as que mais fazem mal? (T.T) 

Quer saber? Tô nem ai, como mesmo! 

O Sehun nos deixou na casa da unnie e os três foram embora como vieram. 

 

 

27/11/16                     04:50 AM 

 

 

Passei o sábado na casa dos meus pais e não vi o Chanyeol desde o dia do parque de diversões. 

Pensei bastante sobre aquele dia e o momento da roda gigante, então depois daquilo decidi confessar meus sentimentos, depois de tanto tempo. 

Será que vai ser estranho fazer isso depois de dois anos? 

Acordei cedo, estava extremamente ansiosa. 

Hoje era novamente o aniversário daquela escultura dos deuses que chamam de Park Chanyeol, e o Baekhyun estava planejando uma festa surpresa em seu apartamento.  

Disse que chamaria muitas pessoas e que exigia a minha presença. Se fosse em outra situação eu pensaria no que ele poderia estar tramando, mas como era o aniversário do meu vizinho mais que perfeito, eu não podia recusar. 

Fiz minha higiene matinal, comi qualquer besteira, peguei minhas coisas e fui para um salão de beleza o mais rápido possível, tudo tinha que estar impecável. 

Cheguei no lugar em pouco mais de vinte minutos depois e o mesmo já estava repleto de gente, sem contar no barulho infernal de secadores de cabelo e pessoas gritando por não se ouvirem por causa dos secadores, e não podemos esquecer do forte cheiro de produtos químicos das mais variadas espécies. 

“o berçário da beleza”. 

Ah magnificência do mundo feminino.  

Demorou um pouco até eu ser atendida, para só então os puxões de cabelo e as queimaduras nas orelhas enfim começarem. 

O mais engraçado de tudo isso que nós realmente pagamos por isso e saímos com um sorriso no rosto. Bom, nem todas nós, mas a ideia é essa. 

Sai daquele lugar um pouco depois das duas da tarde e, segundo o Baekhyun, a festa começaria as quatro e meia, o que me dava tempo suficiente para terminar de preparar o presente e a carta. Afinal, essa talvez fosse a ultima vez que faria isso. 

Comprei-lhe um relógio que a Jin me recomendou. 

Voltei para casa dando os últimos retoques de maquiagem quando a porcaria do rímel me fez borrar e começar tudo outra vez. 

Quando enfim terminei tudo dei uma olhada pela sacada vendo que tudo já estava preparado lá do outro lado, e os convidados já começavam a chegar. 

Respirei fundo e sai em direção ao que poderia ser a minha eterna felicidade, ou o buraco negro da minha vida. 

Cumprimentei o senhor Lee como de costume, que logo me deu passagem me encarando de cima a baixo com um sorriso no rosto. 

Velho assanhado. 

Segui em direção ao elevador e os pensamentos de rejeição começavam a pesar na minha mente, quando aquele cubículo de metal estava prestes a fechar as portas, vi a Hee e o Sehun se aproximarem. 

Segurei para que elas não fechassem e esperei o triunfante casal entrar.  

As portas novamente começaram a fechar. 

- SEGUREM ESSA PORTA. – a Jin gritou correndo até nós. 

- Nossa, que classe. – o Sehun disse e ela cerrou os punhos.  

- Oh Sehun, eu sei que você é o namorado da unnie, mas não queira experimentar da minha delicadeza nessa situação – disse em tom ameaçador. – eu não quero entrar sozinha na festa, por isso desespero justificado. Agora vamos. 

O elevador subiu rápido enquanto a Jin e o Sehun implicavam um com o outro, e a Hee se continha em apenas rir dos dois. 

Entramos no apartamento e alguns convidados já estavam presentes, todos muito animados, com certeza o Baek sabia como divertir a todos. 

Cumprimentei alguns conhecidos até que a visão do inferno apareceu, a querida dosaeng, Bae Suzy (jovem aprendiz de puta). Que pelo que eu soube, com muita dificuldade conseguiu concluir o ensino médio e agora era uma universitária.

- olá Soora-unnie – me cumprimentou com um sorriso vitorioso nos lábios. 

- oi!? – disse um pouco confusa. 

Achei melhor não questionar nada, não estava no clima para discutir com ela. 

A Jin me puxou para onde as bebidas estavam. 

- nem pense em sair de perto de mim, você é o meu par nessa festa. – ela disse e em seguida deu um gole no ponche. – tá bom, quando o Chanyeol aparecer eu te empresto uns minutinhos pra ele. 

- ah, muito obrigada. – agradeci irônica. 

Fomos até o sofá nos sentando no mesmo e em poucos minutos de festa a Hee e o Sehun já estavam desaparecidos. 

Espero que estejam usando preservativo, não preciso ser tia agora. 

Suspirei. 

Tem tanto tempo que ninguém coloca o carro para subir a minha ladeira, que estou começando a sentir inveja. 

Vi a Jin encarar o Baek enquanto o mesmo falava com algumas convidadas. 

O que será que aconteceu com esses dois? 

Ela se levantou pegando o cabo do celular e plugando na caixa de som colocando uma música animada para tocar. 

Começou a dançar de maneira bem provocante, vez ou outra olhando para as reações dele. 

Os outros ali presentes, um a um também se levantaram sacodindo seus corpos no ritmo da Soojin. 

Aqueles dois sabiam bem como agitar uma festa. 

Um par bem compatível. 

Sorri com o meu pensamento. Com certeza a Jin me mataria se me ouvisse dizer isso. 

- gente, o Chan-oppa esta chegando. – a praga de saia disse desligando a música e cortando o barato de todos. 

Apagamos as luzes e ficamos todos escondidos enquanto o Baekhyun se preparava para abrir a porta. 

Passos foram ouvidos no corredor e logo a porta foi aberta e quando as luzes foram acesas todos gritaram surpresa como era de se esperar. 

O Chanyeol arregalou os olhos, provavelmente pela quantidade de pessoas em seu apartamento, e em seguida deu um leve sorriso. 

- feliz aniversário irmão! – o Baek disse sorridente. 

- eu não acredito, seu idiota – o meu Chan disse bagunçando os cabelos do irmão enquanto sorria largo. 

Me encaminhei para parabeniza-lo, mas antes que eu o fizesse a rapariga anã me empurrou correndo para abraça-lo. 

- Oppa, Feliz aniversário! – disse com os braços envoltos no pescoço dele. 

Ele retribuiu o abraço por alguns segundos, agradecendo e a soltando logo em seguida. 

Senti o meu coração vacilar nesse momento. 

- É melhor esperar ele falar com todos primeiro – sussurrei para mim mesma. 

Fui até a cozinha pegar alguns docinhos os enfiando com tudo goela a baixo. 

Tinha que descontar em alguma coisa. 

Olhei para o lado e vi o Sehun e a Hee entrarem de fininho ainda um pouco amassados. 

Eu não acredito nesses dois. 

Ao menos me fizeram sorrir um pouco. 

Sai da cozinha voltando para a sala ficando num canto mais calmo. 

- oh, Soora. Você já conseguiu falar com ele? – a Hee disse finalmente notando a minha presença. 

- ainda não, estou esperando que tudo se acalme sabe? – respondi e ela assentiu colocando a mão sobre o meu ombro. – mas amiga, vocês não estão pensando em me dar um sobrinho agora né? – perguntei preocupada olhando seu estado e ela corou. 

- ainda não! – ela respondeu meio sem graça e eu ri. – ah amiga, me entenda! Eu demorei tanto para conhecer esse novo mundo e agora que eu finalmente conheci tenho que tirar o atraso. – ela completou e eu gargalhei. 

- só você para me fazer rir quando estou prestes a me declarar. – suspirei e todo nervosismo que eu tinha deixado ir voltou. 

- relaxa, vai dar tudo certo! 

- o que vai dar certo? – o Sehun chegou perguntando. 

- a Soora vai se declarar pro Chan-ah hoje! – minha amiga respondeu. 

- até que enfim! Achei que não ia viver para ver isso! – ele falou e eu belisquei a unnie.  

- aiii... qual o problema do Hunnie-ah saber? Ela já sabe que você é gamada no Chanyeol mesmo! – ela reclamou dando de ombros e eu belisquei de novo. – pare de me beliscar sua louca! – ela exclamou irritada e eu suspirei enquanto o Sehun deixava beijinhos na bochecha dela. 

- vocês ainda estão descabelados, se a Jin ver isso não deixará vocês em paz por um bom tempo. – avisei e eles se ajeitaram rapidamente. 

- valeu. Mas sabe... eu estou desconfiada dela com o Baek. A interação deles desde a sexta está no mínimo suspeita. – ela falou os olhando ao longe. 

- reparei nisso também, até lá no parque mesmo. – concordei vendo a Jin se aproximando. 

- e ai amiga? Já falou com ele? – ela perguntou curiosa e eu suspirei enquanto a unnie sorriu. 

- ela tá esperando ele desocupar mais. – ela respondeu por mim e eu concordei. 

- vai dar certo amiga... não sei como não me ocorreu isso antes, mas... Sehun, você que é amigo do Chanyeol, ele não te falou nada? – a Jin perguntou desconfiada e ele pareceu ficar tenso. 

- nossa amor! Por que você está tão ten... – ela se interrompeu. – Oh Sehun! O que você está escondendo? – ela perguntou autoritária. 

- aah... O Chanyeol me chamou, falo com vocês depois. – ele falou rápido correndo de nós. 

- então amiga... você já sabe o que isso significa né?! – a Jin perguntou sorrindo enquanto a Hee me abraçou. 

- Soo, fighting! Agora eu vou cassar aquele vaco do Oh Sehun que ele tem muito que me explicar! – disse ela com o diabo no coro antes de ir atrás do namorado. 

- coitado do Sehun! – comentei penalizada. 

- o que é vaco? – a Jin perguntou confusa. 

- é o masculino de vaca pros xingamentos da unnie! – respondi rindo e a Jin gargalhou. 

- essa unnie! – ela falou negando com a cabeça. 

- pois é! – concordei risonha. 

Passei mais alguns minutos ali com a Jin, o que de certa forma me distraiu, e quando vi o Chanyeol sozinho respirei fundo e contei lentamente até dez. 

Tomei coragem me aproximando. 

- Chanyeol, feliz aniversári... – antes que terminasse, um rapaz o puxou dizendo algo sobre brindar. 

Por que que eu não estou surpresa? 

Pra que as coisas precisam ser fácies não é mesmo? 

Por isso os sábios dessa geração dizem “a vida é uma piroca de 33cm só esperando um vacilo seu para te arregaçar inteiro.” 

Olhei em volta e percebi a Suzy se aproximar. 

- Oi Soora-unnie, curtindo a festa surpresa do MEU oppa? – disse com um olhar vitorioso. 

O que essa garota tem? 

- sim, esta tudo muito bonito. – disse tentando me livrar dela o mais rápido possível. 

Por sorte, parece que alguém lá no céu estava olhando para mim. 

Antes que ela abrisse aquele esgoto que ela chama de boca, as luzes se apagaram e todos começaram a cantar o parabéns. 

Nota mental: “parabéns pra você” é uma boa maneira de fugir de uma conversas inconvenientes. 

Antes de apagar as velas, o meu Chan passou o olhar por toda a sala como se procurasse algo, fechou os olhos com força, esperou alguns segundos e soprou todas as velinhas de uma só vez. 

Que cena mais fofa. (*-*) 

A luz voltou a se fazer presente. 

- Soora, acho que vamos precisar se mais alguns pratos, tem como você ir até a cozinha pegar alguns para mim? – Baekhyun me pediu de maneira fofa. 

- sem problemas. – respondi sorridente. 

- segundo armário a direita. Obrigado. – disse soltando uma piscadela. 

Fui rapidamente até a cozinha, abrindo o armário que me foi indicado. 

Ah, que sonho. Assim faz parecer que moramos juntos. (♡ -♡ ) 

Senti um olhar pesado sobre mim, o que me fez sair dos meus devaneios de esposa recém casada. 

Ah não, que bicho mordeu essa garota hoje, pra ela ficar me perseguindo desse jeito? 

- então a Soora-unnie mora de frente para o apartamento do meu oppa. Que loucura né? – ela falava enquanto andava de um lado para o outro me rodeando. – sabe Soora, eu não gosto de pessoas que tentam tomar o que é meu por direito. 

Para onde foi o “Unnie” de um segundo atrás? 

- te pegar bisbilhotando o meu oppa foi realmente um presente dos céus – ela disse e eu gelei. – no começo eu não imaginava que era você, mas depois de te ver saindo daqui e indo pro prédio em frente eu soube. Além de tudo, mandar cartas para ele como se fosse íntima? Que audácia. – ela apontou e eu paralisei em choque. 

Como ela sabia de tudo? 

Lembro de ela me pegar olhando para o apartamento, mas saber que eu escrevia as cartas? 

- eu não acredito. Isso é sério mesmo? Hahahaha, eu apenas joguei verde, não achei que realmente seu nível era tão baixo. – gargalhava vitoriosa. – eu te avisei para não se meter com o meu oppa, mas para você não falar que eu sou má, eu vou te dar uma última chance. Desista dele, troque de empresa, de apartamento, exclua qualquer tipo de contato com ele. Você tem 1 minuto para sair daqui limpa, sem que todos saibam quem realmente é, se esse tempo acabar e você ainda estiver aqui, eu contarei tudo que sei. No fim, o resultado será o mesmo para mim, já que se ele souber, nunca mais vai querer te ver. 

Estava apavorada e minha cabeça dava voltas, se o Chanyeol realmente descobrisse que eu o “observo” além de não olhar mais na minha cara, ele pode me denunciar. 

- Soora, Suzy? – o Chanyeol nos interrompeu. 

- eu te dei uma chance, agora é tarde de mais. – sussurrou para mim e se encaminhou até o Chanyeol. – então oppa, vamos? 

- mas e a Soora? 

- Oppa, ela não merece qualquer tipo de consideração. – ela começou e ele pareceu confuso. – sabe oppa, eu descobri umas coisas sobre a Soora-ssi. Eu não pretendia contar nada, mas não aguento ver essa mulher te enganar desse jeito, ela não é o que diz ser, que desagradável. Então oppa, eu descobri que a santa Soora-ssi aqui na verdade é o pior tipo de pessoa, a escoria da sociedade. Uma STALKER nojenta, que te espionava do apartamento em frente usando binóculos, além de te escrever aquelas cartas ridículas, sabe-se-lá o que mais de estranho essa garota fez com você. Eu li na internet que isso é crime, temos que denunciá-la oppa, assim ela vai ser presa e enfim vai te deixar em paz. – ela falava e as lágrimas começavam a brotar dos meus olhos, enquanto o Chanyeol se mantinha quieto. 

A Suzy pegou o celular discando o numero da polícia, mas antes que ela de fato o fizesse, o Chanyeol segurou o seu pulso. 

- mas Oppa.. 

- sabe Suzy, eu entendo o que você disse, e confesso que já sabia de tudo, mas se a Soora for presa por causa disso, acho que eu também vou ter que ser preso. – ele disse e em seguida sorriu para mim. – então pare de tratar aquela de quem eu gosto mal, antes que eu perca a consideração que eu tenho por você e seus pais. Agora curta o resto da festa com as pessoas da sua idade. – disse e ela estourou em raiva saindo de lá com passos pesados. – a proposito Soora, você deveria tomar mais cuidado ao trocar de roupa. aquela lingerie roxa com rendinhas é realmente do meu agrado, me pergunto com que tipo de roupa de baixo você está agora... – disse com uma cara maliciosa. 

Pude ouvir alguns risos ao fundo, e só então me dei conta de que Hee, Jin, Sehun e Baekhyun também estavam ali. 

- como assim você sabia de tudo? – perguntei ainda em choque. 

- de tudo que eu disse realmente foi isso que te chocou?  

Só então me dei conta da situação. 

Tenho certeza que o calor que emanava do meu rosto poderia ser comparado ao núcleo da terra nesse momento. 

- você... você também... – gaguejei incrédula. 

- se eu também te observava? Claro! – ele falou e eu arregalei os olhos morta de vergonha. – depois conversamos sobre isso ok? – ele perguntou deixando um selar em minha testa e saindo com os pratos na mão, pratos esses que eu nem o vi pegar. 

Fiquei lá do meio da cozinha parada olhando para o nada completamente confusa e nas nuvens ao mesmo tempo. 

Ele não me odeia? 

E como assim ele sabe de tudo? 

Desde quando ele sabe? 

Como ele descobriu? 

Ele gosta da minha lingerie roxa? 

Mas ela é tão simples! 

Meu Deus do Céu! 

Com que roupa de baixo eu estou agora? 

Dei uma olhada por dentro do vestido e vi que ela o meu conjunto novo de renda vermelho. 

Ufa! É bonito e novo... espera ai! Como assim? Será que...? 

- amiga? – ouvir a voz da unnie me tirou dos meus pensamentos. 

- oi? -  respondi vendo as meninas me olhando risonhas. 

- ai amiga, parabéns! Vai tirar as teias de aranha! – a Jin bateu palmas e eu a olhei horrorizada. 

- Soojin! Isso não é coisa que se diga! – a unnie a repreendeu. – mas convenhamos amiga, tu tá mesmo precisando em! – ela comentou e eu a encarei pasma. 

- melhoraria o mau humor, além de que o relacionamento deles já vai começar no ponto alto de todo relacionamento, o sexo! – a Jin disse empolgada e a unnie assentiu. 

- pois é! Depois que eu abri as portas desse universo novo, minha vida mudou! – ela exclamou com os olhinhos brilhando. 

- verdade unnie! Agora você só vive fodendo pelos cantos! – a Jin disse e ela a olhou indignada. 

- não diga isso! Foder é muito vulgar! Diga fazer amor! – a unnie corrigiu e eu escutava aquela conversa de forma chocada. 

- você não vai negar? – a Jin perguntou sorrindo de lado. 

- eu não minto! – a Hee respondeu risonha e nós a olhamos de bocas abertas. 

- unnie! – exclamei pasma. 

- o que foi? Sexo é ótimo e saudável. Agora eu sei porque os casais nos contos de fadas vivem felizes para sempre! – ela explicou sorrindo safada e eu e a Jin trocamos olhares significativos. 

Fomos atrás do Sehun. Quando o encontramos puxamos ele para um canto mais reservado e começamos a estapeá-lo. 

- meu Deus! O que é isso? O que vocês estão fazendo? – ele perguntava tentando se defender até que a unnie chegou e se colocou entre nós duas e ele. 

- o que você fez com a nossa unnie? – perguntei raivosa tentando alcançá-lo de novo, mas sendo impedida por ela. 

- você destruiu a inocência dela seu pervertido! Eu sabia! Nunca confiei totalmente em você! – a Jin exclamou tão enraivecida quanto eu. 

- vocês duas se controlem. – ela ordenou em tom moderado. – vocês ficam reclamando da teia de vocês,  mas eu não posso? Vocês sempre souberam que esse dia chegaria! – ela reclamou batendo o pezinho no chão de braços cruzados nos encarando puta da vida. – Sehun! Depois que sairmos daqui iremos para minha casa, hoje você “dorme” lá! – ela falou sorrindo maliciosamente para ele que devolveu o sorriso e ela, logo em seguida, nos puxou dali impedindo que voltássemos a agredi-lo. 

Paramos num canto um pouco mais vazio da festa e voltamos a conversar. 

- bom Jin, agora só falta você não é mesmo? – eu disse em tom superior. 

- Ei, não me abandone. Até poucos minutos atrás você estava no mesmo barco que eu. – a Jin disse raivosa. 

- aaah, eu nem acredito – suspirei apaixonada. 

- ah não, agora serão dois casais para eu aguentar sozinha – reclamou. 

- bom, você esta sozinha porque quer. Bae... 

- nem ouse terminar essa frase – disse cobrindo minha boca com as mãos, contudo seu rosto estava vermelho. 

Será que bebeu de mais? 

Me soltou depois que algumas pessoas passaram nos olhando com estranheza. 

- eu vou procurar algum lugar para carregar o celular. Nem ouse sair daqui. – disse autoritária seguindo pelos corredores caçando uma tomada. 

O Sehun surgiu do nada puxando a Hee e eu fiquei sozinha. 

Suspirei. 

O jeito é esperar. 

Estiquei o pescoço para o lado, tentando encontrar o Chanyeol em meio a grande aglomeração de pessoas, afinal com a Jin nesse humor, é melhor não sair do lugar 1cm sequer. Contudo apenas podia ver o topo da sua cabeça. 

- Soora? – Baekhyun chamou me olhando com um sorriso no rosto, enquanto eu me esticava toda para não sair do lugar. 

- oo-oi – disse tentando voltar a posição normal sem desequilibrar. 

- por que você estava brincando de contorcionismo aqui sozinha? – perguntou ainda sorrindo abafado. 

- estou esperando a minha amiga pentelha achar uma tomada, ela bem que podia ter pedido para o Chanyeol ou para você? 

- quem? 

- a Soojin – disse entediada.  

- Hmm, tudo bem. – parecia pensativo. – certo, já volto. – saiu correndo com uma cara suspeita. 

Poucos minutos depois vi o Sehun levando a Jin a algum lugar. 

Espera! Ele não estava com a Hee...? 

Ei, como ela ousa me esquecer aqui depois de todo aquele autoritarismo? 

Bufei indignada. 

- certo Soora, agora você pode ir até o banheiro um pouco? – o Baek disse perto do meu ouvido. 

- o que? Que tipo de convite é esse? 

- só confie em mim e espere lá, farei com que a festa acabe. 

- mas... o que? 

- tá bom, não precisa fazer essa cara pra mim. Eu vou levar todos embora, assim você poderá fazer uma surpresa pro Yeolli, só os dois. – disse já me empurrando para o local. – não faça barulho ok? É UMA SURPRESA. – disse fechando a porta. 

Acho que ele ficou um pouco chateado por eu não ter simplesmente aceitado tudo sem questionamentos. 

O som foi desligado, e os passos do lado de fora daquele banheiro diminuíram um a um. 

- Nam Soora, onde você esta se escondendo? Eu disse pra você me esperar! – a Soojin falava relativamente próxima. 

Ai merda! 

Ainda bem que ela não sabe que estou aqui. 

Sua voz e passos começaram a aumentar de volume. 

Meu corpo gelava a cada novo som de salto alto contra o piso. 

- Jin, você pode vir comigo? – pude reconhecer, era a voz do Baek. 

- eu estou procurando a Soora. 

- não importa. Vamos, vai ser rápido. – ele disse e eu pude ouvir os passos rápidos irem pra longe. 

Provavelmente a arrastou, antes que ela pudesse raciocinar. 

Baekhyun, meu salvador! 

O silêncio tomou conta do local. 

- e agora, o que se supõe que eu deveria fazer? – sussurrei para mim mesma. 

Só agora me dei conta. 

Não posso só sair do nada, posso? 

- por quanto tempo você pretende ficar escondida ai no banheiro Soo? – A voz do Chanyeol estava um pouco distante e tinha um tom de malicia que eu ainda não estava acostumada. 

Esse homem ainda vai me fazer ser internada num hospital psiquiátrico. 

Caminhei em passos leves, ainda sem saber bem como agir. 

Cheguei até a sala e lá estava o homem que idolatrei durante esses dois longos anos bem na minha frente, sentado no sofá. 

- então, quer que eu te conte como foi que eu descobri tudo? – perguntou fazendo gesto para que eu me sentasse ao seu lado e eu apenas assenti com a cabeça. – Devo dizer que você conseguiu atiçar o meu instinto de curiosidade. Bom, foi uns meses depois que as cartas começaram. Já fazia um bom tempo que eu estava tentando descobrir quem era, imaginei que era alguém que me conhecia, decidi então esperar em frente a porta pacientemente. – continuou enquanto me olhava intensamente. – mas quando a carta chegou, eu estava um pouco distraído depois da longa espera, então você conseguiu correr de mim, fui atrás seguindo o som dos seus passos, quando cheguei perto da portaria a vi de costas acenar para o porteiro Lee, e depois disso sumir na multidão, contudo eu não desisti, ao longe te vi entrar no prédio da frente. Voltei até o porteiro Lee e o questionei para ter certeza. Foi engraçado o quão rápido ele abriu o jogo depois de eu ameaçar contar que ele estava deixando pessoas de fora entrarem, eu joguei verde e ele realmente disse tudo. – sorriu. – e ai, se divertiu me espiando? – ele perguntou e eu corei. 

- ma-mas por que você não disse nada se sabia de tudo? 

- bom, imaginei que se você mesma não falou nada é porque teria uma boa razão, então eu resolvi esperar, mas começou a demorar mais do que o esperado e eu comecei a ficar um pouco impaciente. Naquele dia do parque eu estava perto do meu limite, então na roda gigante eu ia te beijar e revelar tudo, mas na hora fomos interrompidos, tomei aquilo como um sinal para esperar mais um pouco. – ele explicou e eu suspirei. 

- você não está com nojo de mim nem nada do tipo? – perguntei ainda surpresa. 

- Soora, você, que era apenas uma desconhecida, conseguiu ver que eu estava mal e me animar melhor que os meus amigos. Eu me encantei pela forma que você se preocupava comigo, que estava sempre me animando, eu passei a esperar suas cartas e ansiar por elas, eu me apaixonei pela escritora das cartas, mas eu também gostei de você que era alguém real e quando eu descobri que era você... eu queria tanto responder e como sabia que você ficava observando da escada, então eu lia na porta e respondia para você ver o quanto me deixava feliz e talvez até te incentivasse a se confessar para mim. – suspirou. – só queria entender por que você nunca falou. 

- eu tinha medo de você me achar uma louca, maníaca e obcecada ou sentir nojo ou me odiar ou sei lá, tudo ao mesmo tempo... – fui falando afobada e ele sorriu acariciando meu rosto suavemente. 

- jamais acharia isso de você ou sentiria nojo muito menos a odiaria. Como o Sehun diria, você é minha princesa... 

- o Sehun diz que eu sou a princesa dele? – perguntei chocada e o Chanyeol negou rindo. 

- não, ele diz que a Sunhe é a princesa dele já que ela faz muitas alusões a contos de fadas. – ele explicou risonho. – se ele a chamasse de princesa eu o mataria sem dó. – ele falou se aproximando. – você é minha, a propósito, eu quero meu presente... 

- ah sim! Vou pegar, um minutinho! – falei levantando e ele me puxou pelo braço, acabei me desequilibrando e caindo por cima dele que me segurou com firmeza. 

Nota mental: ele tem pegada. 

- não Soo-ah! Esse ano meu presente será você! Não acha que já me fez esperar demais? – ele perguntou maliciosamente e eu parei para pensar. 

Bem... 

Depilação? Confere. 

Limpinha? Confere. 

Roupa íntima bonita? Confere. 

Tudo em ordem? SIIIIIIM. 

- você tem toda razão! Acho que merece uma boa recompensa. – devolvi o sorriso e iniciamos um beijo calmo. 

O momento que eu tanto sonhei estava finalmente acontecendo. (♡.♡) 

O beijo foi aumentando a intensidade, eu já estava deitada no sofá com ele por cima de mim quando o ar se fez necessário ele separou o beijo grudando a boca no meu pescoço deixando leves mordidinhas que estavam me excitando a um nível assustador para uma cosa tão simples, mas era ele ali. 

Ele desamarrou o laço do vestido e abriu o zíper puxando um pouco para baixo expondo meu decote que ele mordeu e lambeu entre meus seios. 

Se tem uma coisa que eu nunca imaginei era que eu sentiria tanto prazer numa carícia tão simples, mas eu estava extremamente sensível. 

O ajudei a tirar a própria camisa e voltamos a nos beijar de forma necessitada. 

Sentia seu membro rijo preso pela calça na minha perna que estava roçando entre as suas o estimulando. 

Ele gemia contido enquanto nos beijávamos, e eu estava completamente deliciada com as sensações que a situação me proporcionava. 

Mas como alegria de pessoa excitada dura pouco... o celular dele começou a tocar, ele até ignorou a primeira vez, mas quando o ser humano ligou a segunda ele se afastou um pouco se levantando logo em seguida e atendeu a chamada irritado. 

- o que você quer Baekhyun? – perguntou ríspido. – como é? – perguntou chocado. 

ME AVISE QUANDO TERMINAR DE FODER PARA EU PODER VOLTAR PARA CASA! – o ouvi gritar e o Chan revirou os olhos rindo. 

- pergunta por que ele não vai dormir na casa da Jin. – sugeri maliciosa e o Chan arregalou os olhos me olhando surpreso. 

Ri assentindo. 

- por que você não fica na casa da Soojin? – ele perguntou ainda chocado colocando no viva-voz para que eu ouvisse a resposta. 

bem que eu queria, só que ela tá puta da vida comigo porque eu arrastei ela daí. Mas é uma idéia válida, vou tentar, se não conseguir mando mensagem avisando. – o Baek respondeu risonho desligando o telefone. 

- sabe, eu comprei essas cortinas tem um bom tempo... – ele falou desamarrando as fitas que prendiam a mesma nos cantos. – mas como uma certa vizinha não podia ficar sem me ver eu decidi não usá-la, contudo, agora eu acho que é uma boa hora para inaugurá-la, afinal, não queremos que nada nos atrapalhe agora, não é? – disse puxando os longos pedaços de pano escuro cobrindo todo o vidro. – eu tinha ficado irritado com a interrupção, mas foi bom, porque... – ele falou me pegando nos braços e eu abracei seu pescoço. – eu não quero fazer isso aqui, mas não conseguiria parar e subir. – ele sorriu subindo as escadas me carregando. 

Corei. 

Ele me colocou na cama delicadamente e tirou meu vestido devagar beijando toda pele nova que aparecia, o que estava me deixando completamente arrepiada. Mesmo que eu ainda estivesse com a calcinha e o sutiã, de renda vermelha por sinal, pela forma como ele me olhava, estava me sentindo despida com aquele olhar que brilhava em desejo enquanto me observava. 

- você fica muito sexy com essa roupa íntima para minha sanidade Soo! – ele falou acariciando meu corpo com as mãos grandes. 

Eu estava completamente úmida só com aquele olhar. 

Ele me beijou calmamente e suas mãos não paravam de explorar meu corpo. 

Prendi um gemido quando ele passou dois dedos por dentro da minha calcinha os penetrando em mim. 

Tremi de excitação com espasmos por todo corpo quando ele decidiu usar a boca para outra coisa rasgando minha calcinha e a jogando para longe enquanto descia o rosto passando a língua ali. 

Eu gemia contida e ele parecia empenhado em me fazer gemer alto, porque a cada vez que eu impedia que um gemido alto saísse, ele ia mais fundo. 

Essa língua não tem fim? 

Mas isso é bom! MEU DEUS! 

Agarrei-me aos lençóis, eu estava perto e gemi frustrada quando ele parou antes que ei pudesse me satisfazer. 

- não Soo, que graça teria terminar agora? Eu quero ouvir você gemer alto Soo, já imaginei tanto essa cena, não me impeça de ouvir a realidade! – ele falou rouco no meu ouvido me fazendo gemer baixinho. – já está melhorando. 

Juntei todas as minhas forças e inverti nossas posições sentando no colo dele, ataquei seu pescoço dando chupadas e mordidas o fazendo gemer baixinho e impulsionar o quadril contra mim, gemi manhosa em seu ouvido propositalmente o fazendo ficar cada vez mais duro, deslizei minhas mãos pelo seu abdômen definido e fui subindo até chegar aos seus mamilos, chupei e mordi um enquanto fazia movimentos circulares no outro e depois fiquei alternado os deixando intumescidos, ele gemia baixo e rouco e eu sorri safada. Seus gemidos me excitavam, como se dar prazer a ele me desse prazer também, então eu teria que descobrir seus prontos. 

Comecei a arranhá-lo nos braços e abdômen e ele gemeu um pouco mais alto dessa vez, então quer dizer que ele gosta de arranhões? 

Um ponto para mim. 

Mordi seu mamilo esquerdo com força e depois lambi como pedido mudo de desculpas o fazendo gemer muito alto. 

Hmm! Ele gosta disso! 

Sorri travessa repetindo o ato com o direito e continuei a exploração chupando, lambendo e mordendo o seu abdômen e ele se contraia a cada toque de meus lábios começando a aumentar o volume de seus gemidos gradativamente, admirei as marcas que deixei em seu abdômen definido. 

Tirei sua boxer e ele soltou suspiro aliviado quando seu membro pulou para fora e que membro viu! Oh coisa de Deus! Nossa! 

ENORME! 

Eu sempre soube que meu elf-Darling era bem dotado, mas ele superou minha expectativas. 

Olhei diretamente para seu membro e ele me encarou em expectativa, lambi seu membro da base até a ponta o fazendo gemer rouco, mas ele apenas me olhou frustrado quando comecei a masturbá-lo lentamente enquanto deixava escapar murmúrios inteligíveis de forma bem baixinha. 

- Você quer minha boca Chan? – perguntei fazendo cara de inocente e ele assentiu revirando os olhos – Pede! Pede para eu te chupar! – falei apertando mais seu membro em minha mão o fazendo gemer sôfrego. 

- me chupa Soo, por favor! – pediu em um gemido rouco sem ao menos e eu sorri. 

- Claro que sim! 

Coloquei a pontinha na boca e suguei com força passando a língua na fenda onde uma quantidade exorbitante de pré-gozo escapava. 

Ele estava tão duro, mas eu estava toda molhada então não enrolei muito. 

Enfiei todo seu membro em minha boca e senti um grande volume em minha garganta, iniciei um vai-vem torturantemente lento. 

Eu me deliciava com seus gemidos despudorados. 

Ele tocou meus cabelos, mas não começou a ditar o rítimo que queria, apenas os acariciava calmamente. 

Seu membro inchava e pulsava entre meus lábios, fazendo-me sentir a boca extremamente preenchida. 

Ele me puxou para cima retirando seu membro de minha boca, tirou meu sutiã e me deitou na cama de volta. Não relutei. 

- minha vez de novo bebê – ele disse prendendo meus braços a cima de minha cabeça o que me deixou mais excitada. 

Atacou meu pescoço deixando mordidas e chupões, logo em seguida sugando meu mamilo direito, eu gemi alto com a carícia e ele sorriu feliz sugando com mais força enquanto fazia movimentos circulares no outro. 

Eu gemia descontrolada puxando seus cabelos o incitando a sugar mais forte e ele o fez, passou para o outro e depois de muito tempo judiando de meus seios ele ficou sentou na cama pondo uma camisinha que pegou na gaveta da mesinha de cabeceira. 

Ele bateu nas próprias pernas me chamando e eu sentei por cima de si, ele posicionou seu membro no meu canal e eu desci de uma vez o surpreendendo. 

Gememos alto e ele me segurou ficando parado e mordia, lambia, chupava e beijava toda parte do meu corpo que sua boca alcançava fazendo com que eu relaxasse os movimentos de subida e descida. 

Fui obrigada a fazer movimentos lentos e aquilo estava torturante demais. 

- mais rápido, eu quero mais rápido – gemi e assim foi feito. 

Depois de certo tempo eu já estava cansada e ele inverteu nossas posições ficando por cima. 

Ele me estocava com velocidade e força o que me fazia gemer mais alto, principalmente depois de acertar meu Ponto G me dando ainda mais prazer a cada estocada. 

Senti que estava perto e me agarrei a ele fincando minhas unhas em suas costas para descontar o prazer arranhando ali. Começamos a gemer mais alto e gozamos ao mesmo tempo caindo na cama para tentar normalizar a respiração. 

Ele me puxou para si e me abraçou carinhoso.

- Eu te amo Soo.

- Eu te amo Chan.

 

E foi assim que sem me dar conta, eu me tornei uma stalker durante esses dois anos...


Notas Finais


*hikari
Então pessoas, o que acharam dessa história? Sabemos que muitas pessoas rejeitam algumas fics de cara por elas não serem yaoi, mas supomos que se você chegou até as notas finais é porque você nos deu uma chance.
Essa fic é dedicada a todos aqueles que assim como a Soora, também tem o seu lado stalker de ser, ta, talvez não no mesmo nivel, mas enfim, quem nunca fuçou a rede social da pessoa que você está afim que atire a primeira pedra não é mesmo?
Esperamos sinceramente que alguém tenha dado boas risadas.

*LTH
E então? Gostaram? Quero saber o que vocês acharam da estória!!
(estou morrendo de curiosidade)
Eu fui muito fundamental na construção dessa fic. (Sem mim ela não teria saido, cof,cof*)
Brincadeira!
Mas enfim, esperando vocês se comunicarem...
Com carinho, LTH.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...