História I'm your Puppy || Imagine Jimin - Capítulo 29


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS), IKON, Neo Culture Technology (NCT)
Personagens Chanwoo, Jeno, J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Rap Monster, Suga, V
Visualizações 94
Palavras 1.953
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Fluffy, Hentai, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Violência, Yaoi, Yuri
Avisos: Álcool, Drogas, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


AEEEEE CARALHOOOOOOOO
VOLTEEEIEIEIEIEIIEIEIE ~fogos de artifício e comida nessa comemoração top
Então, né. Acho que foram três meses de hiatus não proposital :') "como assim 'não proposital', sua desgraça?"
É que eu fiquei em hiatus sem querer ;-; eu não planejava, sei lá
Só me faltou criatividade
E pra vocês terem noção do meu desespero, eu venho escrevendo isso antes do último capítulo ser postado. Pois é, foi foda.

CARAI
+260
AAAA <333

Enfim, perdoem-me e sejam felizes lendo isso aqui rs sz

escutem elevação mental de Triz. @dinnyyoongi me apresentou essa música F O D A

Capítulo 29 - Capítulo 29


Fanfic / Fanfiction I'm your Puppy || Imagine Jimin - Capítulo 29 - Capítulo 29

A cortina entreaberta deixava escapar uma faixa de sol brilhante. Era incomodante, mas quase inevitável de se encontrar naquele início de manhã calorosa em Ottawa.

- Acho bom você acordar, lovergirl. - Sussurrou o loiro sorridente.

- Esse apelidos são tão... - Alongou-se. - mesquinhos. 

- É, eu devo mesmo parar. - Entrelaçou seus dedos, beijando a pontinha do nariz da menina. Jimin costumava evitar os beijos carinhosos, ele reconhecia o seu mal hálito na matina.

- Vamos embora daqui...! 

- Você não está gostando? - Olhou para ela com um pouco de incredulidade nos olhos. - As praias, as comidas e os californianos são tão legais! Sua sem graça. - Ela riu.

- Não é isso, amor. - Seus braços moveram-se e prenderam o pescoço do mais velho. - É que eu cansei... quero o meu gatinho, minha casa!

- Pra quê você quer o seu gatinho se há um gatão aqui na sua frente, mulher?

- Ha.Ha. - Viu o loiro sorrir minimamente pela graça da namorada. - Você está mais para cachorro.

- Por que diabos todo mundo fala isso? Eu vou me revoltar, aguardem. 

- Vai mesmo? - Entrou na brincadeira e observou o loirinho afirmar. - Ah, tá. Muito violento, você.

- Não duvide de mim, mocinha.

- Nós devemos ir hoje, Jimin!! - Falou manhosa, fazendo o garoto revirar os olhos por estar se rendendo à aquele pedido. 

- Tá, nós vamos. - Gritos silenciosos de pura animação foram soltados por ela. - Mas, com uma condição.

- Ah, lá vem.

- Promete que não irá me trocar pelo Anata? - Ela riu enquanto levantava.

- Pensarei no seu caso.

(...)

O loiro era preguiçoso, por isso não levantava cedo. Costumava pensar no tempo assim que acordava, pensando em coisas totalmente aleatórias. Suas pernas ocupavam toda a cama quando S/N saía, tornando aquele momento reflexivo ainda mais profundo. Seus fios bagunçados e sua feição sonolenta encaravam o teto. Pensava na noite passada, pensava nos dias passados. Tudo havia mudado do dia para noite. Tudo estava confuso. Jungkook sumindo, aquele traficante super famoso sendo fácil com ele e seu hyung. E até mesmo aquele garotinho chato da faculdade de sua namorada que levou uma surra de buquê de flores tinha uma ausência preocupante.

Jimin parou de pensar e resolveu dar um tempo para si mesmo no celular, vendo coisinhas no Instagram ou rindo das mensagens que suas tias enviavam no Kakao. Desbloqueou o dispositivo e desanimou quando notou a ausência de notificações legais de seu amigos em seu celular. Ninguém falava com ele, não mais. Suspirou entediado e pensou mais umas trilhões de vezes. Quando criou coragem para levantar, seu celular vibrou.

Jungkook está te ligando!


- Jungkook? - Sussurrou. - O que diabos essa peste quer? - Estava realmente incrédulo.

Seus dedos deslizaram até o botão de atender a ligação. Logo ouviu a voz do mais novo.

- Hyung!

- Jungkook?

- Oi, anjo. Sumi, não é?

- O que você quer?

- Calma, cara. - riu - Pra quê esse estresse? Ah, já sei. É a sua peguete, não é? Desculpas por ter flertado com ela. É que ela é tão... exótica. Achei que tudo que é seu fosse meu também.

- Cala a porra da boca, Jeon Jungkook. - Sua mão acertou em punho a cabeceira da cama. Foi a primeira coisa que pôde descontar a raiva.

- Tá, eu parei.

- Fala logo a merda que você precisa falar ou eu desligo.

- Ah, é sobre a Sowon. - Aquele nome saiu tão tranquilamente da boca do menino. - Ela te encontrou?

- E o que você tem com isso?

- Ahn? Nada. Eu só preciso que você me fale o que ela disse.

- Eu não vou dizer nada singelo para você. Jeon, você não merece a minha bondade.

- Tá bom, Hyung. Tá, tá, eu entendi. Só me fala, okay?

- Ah, fala sério, eu preciso desligar.

- Achei que você precisasse destruir a vida daquela piranha, assim como ela destruiu a su...


Você encerrou a chamada!

- Tá, chega. Chega de coisas mutilando a minha mente, destruindo-me por dentro. Chega. - Permitiu-se pensar com firmeza, quase enlouquecendo por completo.

- Jimin? Está tudo bem? - S/N estranhou a posição cabisbaixa que o loiro mantinha na beira da cama. Seu celular sendo segurado com descuidado, quase deixando-o despencar. 

- Hum? - Virou para ela, encarando a garota de expressão confusa. - Nada, amor. - Contornou a cintura da garota. - Você quer mesmo ir? - Colou suas testas enquanto realiza um carinho tímido onde suas mãos pousavam.

- Eu sei que você está adorando, mas... - Suspirou. - Você deve lembrar do que nos trouxe aqui, Jimin. Eu não me sinto confortável. Eu sinto medo.

- Medo? Nada irá nos afetar, anjo. - Abraçou a garota e fez seus dedos dançarem em meio os fios da menina. - Vamos fazer um acordo. Você me protege e eu te protejo, tudo bem? 

- Combinado. - Soltou um sorriso no canto de seus lábios e recebeu bem o abraço que Jimin deu. 

- Vou comprar as nossas passagens e amanhã cedinho nós vamos embora para você finalmente trocar o seu gatão pelo o bendito gatinho.

S/N forçou uma risada enquanto o mais velho ria com vontade. Adorava zombar das caras e bocas da menina. 

Jimin passou no quarto de todos perguntando se gostariam de acompanhá-los para também irem amanhã cedo, mas apenas Yoongi e Namjoon afirmaram. 

(...)

Seul

Jungkook recepcionou uma enfermeira que carregava uma bandeja cheia de "comida nojenta de hospital". Era a sexta vez no dia que ele recusava a mesma refeição.

- Parem de tentar me empurrar essa comida nojenta de hospital. Eu não vou comer e ponto final, caralho.

- Mas, Sr. Jeon, o senhor precisa. Pode aparentar estar ruim ou de fato esteja, mas é saudável e possui o que te deixará melhor. 

- Taeyeon, certo? - A loira afirmou. - Olha, eu não tô nem aí. Eu deveria estar no Canadá agora.

- Você estaria doente no Canadá, veja bem. 

- É melhor estar doente no Canadá do que estar morrendo em Seul. - Taeyeon suspirou.

A loira sentou na poltrona de acompanhantes e organizou alguns papéis em seu colo, depois cruzando as pernas com cuidado e encarando o mais alto.

- Não sairei daqui até que você esteja sadio o suficiente para beber comigo. - Taeyeon não era apelativa, mas precisava que aquele garoto se alimentasse bem.

- Não jogue seu charme para mim... - Pegou a bandeja. - Aí, que nojo. Jesus, olha para este arroz. 

- Pare de reclamar! Está boa. - Observou o garoto comer e recebeu um olhar de arrependimento. - Eu não prometi nada.
- Isso tem gosto de sola de sapato. Por favor, retire-se daqui junto com esta porcaria que fizeram para mim.

- Eu não posso. – Disse calmamente. – Você não gostaria de facilitar um pouquinho a minha vida?

- A sua vida é fácil. Deve ter pais orgulhosos, deve ser cheia de amigos, e ainda tem um namorado. Facilite a minha. – Taeyeon olhou Jungkook com um pequeno espanto, mas logo deu de ombros. Deveria ser apenas drama.

- A nossa vida é sempre uma maré de rosas aos olhares dos outros. Sei que a sua é difícil, assim como a minha é. Então, trate de se alimentar. – Levantou, arrumando seu uniforme e jogando seu cabelo para o outro lado. – Quando eu voltar, não quero ver nenhum rastro de comida ruim no seu prato.

Canadá

- Você varre muito mal, Chanwoo. – O moreno revirou os olhos com um sorriso no rosto. Observou Sowon entrar elegantemente no local com malas e bolsas.

- E você deveria ficar calada.

- O Senhor Kwon irá ficar bem decepcionado e bravo quando encontrar o escritório dele assim. – Gargalharam juntos.

- Está brilhando, não acha? – Sowon meneou um não com a cabeça. – Sempre soube que você é cega mesmo.

- Você já ligou para o Jungkook-Oppa? - A morena tirou do bolso um pirulito sabor morango e colocou em sua boca.

- Ele não atende. - Exibiu uma feição vazia. - E você? Conseguiu falar com o seu ex?

- Aquele... Aish. Deve estar com a namoradinha dele agora.

- Você deveria parar de gostar dele. - Ela riu sem humor. - Sofrer por ex é péssimo. Principalmente quando ele é um cara drogado e mulherengo.

- O Jimin-ssi não é mais assim, tá bom? - Exibiu um biquinho.

Chanwoo olhou para a garota um pouco desapontado. Largou a vassoura e andou até Sowon, segurando firme seu pulso e agarrando sua cintura.

- Eu levei uma surra de flores na frente de todos por você. Aquilo não doeu fisicamente, mas machucou a minha dignidade. - Ela sorriu sacana.

- E daí?

- E daí que, quem fez isto foi ele. Ele não é uma boa pessoa. - Chanwoo sabia que a garota adorava a sua pegada firme. 

- Mesmo? 

- Mesmo.

- Irei me afastar dele, "papai". - Debochou.  - Você não pode mandar em mim, Chanwoo. - Saiu dos braços do maior.

- Não é uma questão de se afastar dele, vocês já estão afastados. Então, pra mim tanto faz. - Sowon revirou os olhos e fingiu não ter ficado ofendida. - É uma questão de você não correr atrás dele. Veja, ele está namoran... 

- Não. Ouse. - Seus movimentos ágeis trouxeram um canivete até o pescoço do garoto. Imóvel, ele riu quase sem graça. Trouxe as mãos para cima e falou:

- Tudo bem, ok. Eu entendi. - Chanwoo não era louco o bastante para enfrentar o lado insano e perturbador da pessoa que admirava tanto. Ele era louco, não suicida. Suicida um pouco. Se a questão fosse enforcar-se para defender sua amada, ele enforcaria-se.

Passos curtos e lentos faziam barulho pelo corredor repleto de portas e quadros nas paredes brancas da mansão. Os sapatos pretos e brilhosos refletiam em má qualidade as luzes e as faixas de sol que adentravam no corredor.

Kwon arrumou sua gravata vinho e ergueu sua cabeça. Um sorriso formou-se no canto de seus lábios. Assim que se viu diante da porta cara, grande e larga, empurrou-a com ambas as mãos.

- Espero que tenha colocado sua lingerie, Sowon. - Andou até sua cadeira sem ao menos olhar para as duas pessoas. - E guarde este canivete. Não deixarei que você se livre de mais um corpo. És péssima nisso.

- Sim, senhor. - Observou seu superior sentar na cadeira com um jeito majestoso. - Tudo em ordem, senhor?

- Cale a boca, Sowon. Você sabe que não. - Levou seus dedos até as têmporas, revelando uma possível dor de cabeça. - Inúteis. Vocês são inúteis. As piores pessoas do mundo. Sem o espírito criminoso, não sairão de onde estão.

- Iremos melhorar, senhor. Deixaremos que veja nossas qualidades. - Disse Chanwoo.

- Eu já vi, mas não sei descrever bem. Sowon apenas é boa na cama, e você, Chanwoo, é bom em levar umas belas surras. Devo me orgulhar?

- Não, senhor. - Disseram em uníssono, de cabeças baixas.

- Tragam-me Park Jimin. - Analisou suas unhas recém-pintadas.

- Esta é uma tarefa de Min Yoongi.

- Nem ele consegue ser útil? - Bateu seu punho na mesa com frustração. - Tragam-me aquele loiro desgraçado já. Preciso do dinheiro dele. Eu preciso. 

- Sim, senhor. - Ambos saíram cabisbaixos.

No corredor, Chanwoo xingava a garota que chorava de raiva. Ela odiava ter um superior. Ela odiava obedecer, enquanto ele não via nada de errado nisso.

Chanwoo respirou fundo e desacelerou o passo. Parou ao lado de uma janela coberta por uma cortina longa e vermelha, semelhante a cor da gravata de seu chefe. Deu uma espiadinha no quintal discreto e murado meio sem vida. As pessoas passavam e olhavam para a mansão aparentemente vazia por causa de sua calmaria. Encostou sua testa no vidro e disse baixo:

- Quando sairemos dessa, Won? - Indagou e esperou a resposta da mesma. Ouviu os suspiros desanimados dela e logo após sua voz doce.

- Quando eu e você tivermos o sangue dele em mãos.


Notas Finais


Sorry se tiver erros, fiz tudo pelo celular ^^
Não, vocês não pularam um capítulo sem querer. É pra ficar confuso mesmo KKKKJJ

CRIEM SUAS TEORIAS!!

Até <33


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...