História I'm Yours - Capítulo 45


Escrita por: ~

Postado
Categorias Alessia Cara, Bruno Mars
Personagens Bruno Mars, Personagens Originais
Tags Alessiacara, Amor, Brunomars, Drama, Hooligan, Novela, Orginal, Romance
Visualizações 33
Palavras 2.040
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Drama (Tragédia), Hentai, Musical (Songfic), Romance e Novela
Avisos: Adultério, Álcool, Drogas, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


FINALMENTE A SAMANTHA ACORDOU AAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAA

Boa leitura ;) <3

Capítulo 45 - All She Knows


Fanfic / Fanfiction I'm Yours - Capítulo 45 - All She Knows

29/01/17 23:16

- E-ela ta acordada, bem aqui na minha frente! - ele dizia meio desesperado, estava nervoso e não parava de gaguejar. - Não, ela não quer nem falar comigo, não está me reconhecendo... Tá bom, tchau. - desligou o telefone. 

Aquela situação era totalmente estranha, um cara que eu nunca vi na minha vida dizendo que eu era namorada dele e que ainda estava gravida! Como eu poderia acreditar nisso?! É loucura, só podia ser uma pegadinha. Os médicos diziam que era verdade, que eu tinha sofrido um acidente e coisa do tipo, mas era impossível, eu nem bebia, não gostava de dirigir. 

- É só você olhar para sua barriga. - ele disse. - Está grande viu, você já fez seis meses. 

- Eu estou gravida e estava em coma. - ri. - Você acha mesmo que eu vou acreditar nisso? É impossível. 

Vi uma mulher chegando desesperada, junto de um homem que parecia aflito também. Ela veio até mim e me abraçou forte, dando beijo por todo o meu rosto. Aquela só poderia ser minha mãe.

- Você lembra de mim né filha? Sammy, você lembra...

- Calma Clara, ela acordou tem poucas horas, deve está extremamente confusa. - e eu estava, também estava morrendo de dor de cabeça. - Bem, como eu posso dizer isso... Somos seus pais. Me chamo Sebastian Miller e a sua mãe Clara Miller, e você...

- Samantha, é, isso eu sei. - eu ri quase gargalhando. - Eu lembro de vocês. Acho que a pancada não foi tão forte assim. 

Fui atacada por abraços mais uma vez, dessa vez de ambas as partes. Minha mãe estava tão desesperada que dizia coisas e eu não entendia nada. Nem uma palavra. Meu pai só sabia me abraçar com aquele jeito meio sem-jeito. Apesar do desconforto eu estava "confortável" naquele meio. 

- Vocês podem me dizer o que aconteceu exatamente... Eu não confio nos médicos e nem... Nele. - apontei para aquele homem que fez uma cara espantada, como se eu tivesse lhe ofendido. 

- Tá falando serio? - ele respondeu. 

- Sam, minha queria... Ele é quase o seu marido. - minha mãe disse assustada. - Foi ele que bem, fez você está gravida. - complementou sem graça. - Foi você né? Desculpa, é que os relacionamentos de hoje são tão liberais...

- Mas é claro que sim! - gritou. 

- O que sua mãe está dizendo é que: Ele e você estão juntos a quase três anos. O nome dele é Bruno, ele é famoso, cantor e coisas do tipo... Você não consegue se lembrar de nada? Nadinha mesmo? - meu pai perguntou preocupado. Balancei a cabeça que não. 

- Nossa, magoou. - ele respondeu. 

- Eu acho então que vocês vão ter que se conhecer de novo. - meu pai e minha mãe começaram a rir. - Nada como um primeiro encontro não é?! Brincadeiras a parte. 

- O medico disse que ela pode demorar a se lembrar das coisas...

- Não acredito no que os médicos dizem, eles disseram que você não iria acordar e olha você aqui, bem na nossa frente! - meu pai exclamou. - Vamos fazer você lembrar, cade as fotos que Vanna tirou? Vamos trazer tudo que é foto e vídeo, talvez você vendo assim vai lembrar rapidinho. 

- Querida você quer água, comida, doce? Tem um monte aqui, eu achei que você poderia querer já que ficou tanto tempo sem nada disso, oh meu Deus, deve ser horrível!

Eles não paravam de falar. Minha mãe principalmente. Perguntavam um monte de coisas sendo que eu não tinha cabeça nenhuma para responder nada daquilo. Eu estava cansada, só queria dormir, mas não vou mentir, estava com medo de voltar a dormir e voltar a estar em coma. 

02:00

- Acho melhor você ir dormir... - Bruno falou bocejando. 

- Você já não acha que dormir demais? Seis meses é coisa pra caramba! - respondi. - Alem do mais, não estou cansada, quero andar, mas não consigo. 

- Com o tratamento você vai andar rapidinho. - respondeu rindo. 

- Do que você está rindo?

- Bem, você está gravida e não parece se importar com isso. - olhei para minha barriga e ela estava lá, bastante saliente, eu não diria enorme, mas grande. - Ah, é verdade, eu tinha me esquecido desse detalhe. Uma menina e um menino... Já sabe os nomes?

- Estava esperando você acordar para escolher junto com você. - eu não me lembrava de ser mãe, então não estava preparada para escolher nomes. 

- É estranho... Não parece que você é meu namorado... - ri. - Tudo que esta acontecendo aqui é estranho pra caralho

- Uau, você falando palavrão! - gargalhou. - Novidade. Parece que o coma mudou mesmo você. - gargalhei mais uma vez. - Antes disso você era quase uma puritana completa. 

- Mas olha que mentira! Eu nunca fui puritana, tímida sim, mas puritana não. 

- Você nem bebia antes de me conhecer, eu meio que fui um "diabinho" na sua vida. - rimos com a afirmação e logo depois eu fiquei séria. 

- Se eu não bebesse realmente não estaria aqui não é mesmo?! - silencio. - Não sei como ainda estou viva, eu vi as fotos do acidente e só pode ter sido Deus mesmo. E não sei como eles estão vivos. - alisei a barriga e senti um deles chutar, tomei um susto e fiquei esperando chutar de novo. 

Será que agora eles sabem que eu estou aqui? 

30/01/17 12:44

Finalmente eu iria tomar um banho, estava ansiando por isso. Precisei de umas duas enfermeira para me ajudar a chegar até a banheira do quarto, depois eu precisaria das duas para me ajudar a sair, ainda não estava conseguindo andar. 

Fiquei ali alisando e observando a minha barriga - estava mais para uma barriguinha -, bem lisa, sem mancha alguma, só com uma cicatriz enorme no quadril, ela estava me incomodando. Os bebês mexiam quando eu fazia "cosquinha" em alguma parte da barriga, ou quando eu arrastava as unhas levemente me deixando arrepiada. Eu via a ultrassom e quase me senti "mãe" de verdade, mas aquilo tudo ainda estava completamente estranho para mim. 

Me olhando bem eu percebi que agora eu tinha cicatriz por todo meu corpo. Algumas gigantes, outras só "arranhões", mas meu corpo estava repleto delas. Na testa tinha uma que atravessava o final da sobrancelha. Na clavícula uma que parecia ter sido feita por facas bem afiadas. Aquilo era real, eu não tinha mais o corpo de antes. Agora ele estava repleto de marcas, quase como se eu tivesse ido a guerra. Sem contar na minha perna que parecia ter sido tirada de um filme sci-fi futurístico, com todo aquele ferro pra fora me dando uma aparência quase bizarra

Eu não podia comer besteiras por um tempo. Coisas como chocolate, hambúrguer, cachorro-quente no palito - meu preferido -, poderiam me causa infecções terríveis, já que meu corpo estava todo "costurado" por dentro, e em algumas partes por fora também. Isso só me deixava mais irritada ainda, sentia desejos quase toda hora e não podia comer nem metade das coisas. 

Sai do banho e me "arrumei" com a ajuda das enfermeiras que me colocaram na cama para em fim almoçar. 

- Eu tó parecendo o Chuck versão feminina. - disse enquanto comia uma salada sem sal. Me almoço era mais sem sal do que casais forçados no cinema. - Só que sem o cabelo vermelho e as facas. 

- Você está linda, para! - Giovanna respondeu, ela evitava comer coisas gostosas na minha frente. Fazer isso na frente de uma gravida era quase pecado. - Sua pele nunca esteve melhor, e olha que você estava em coma!

- Do que adianta está bonita se eu nem posso tomar um sorvete?

- E o que isso tem a ver Samantha? 

- NADA, MAS EU QUERO TOMAR UM SORVETE! - exclamei alto, ela gargalhou e consequentemente eu também. 

- Eu posso pegar um pra você, mas se você morrer a culpa não vai ser minha. 

- Morrer por causa de um sorvete, onde já se viu? Eu não vou morrer, os medicos não vou saber. Só Deus, você e eu. 

- Meu Deus, o que eu não faço por você?! - ela se levantou rindo, jogando um potinho no lixo. 

- Eu quero de chocolate, s'il vous plaît. - ela me deu dedo do meio e saiu pela porta. 

Apesar da confusão na minha cabeça eu estava gostando. Não me lembrava de quase nada nos últimos anos, eu só conseguia ter alguns poucos relapsos e isso me preocupava. Não lembrar de um relacionamento do qual eu estava esperando filhos era bem estranho. Giovanna teve que me contar tudo do zero, desde quando eu o conheci até o momento em que nos encontrávamos. Trabalho, e vida pessoal foram fáceis de lembrar, mas o restou foi difícil. Porque talvez precisasse de uma carga emocional maior. Era complicado você está bem, "dormindo" e de uma hora para outra acorda e não se lembra de nada, está gravida e um pouco sozinha; perdida no espaço. 

Eu só estava a um dia acordada, mas não aguentava mais estar ali. Era horrível ficar "deitada" o dia inteiro, e a barriga ainda ajudava a piorar a situação já que os bebes pareciam ficar desconfortáveis em qualquer posição, sempre mexendo e chutando a minha costela quando irritados, não sei de que parte eles "herdaram" essa parte raivosa. Ficar deitada assistindo televisão ou no twitter não fazia o tempo passar mais rápido, na verdade ele parecia que não passava nunca. Constantemente adormecia por causa dos medicamentos e eu odiava isso também. Não via a hora de voltar para minha vida normal. 

10/02/17 14:22

- Eu sei que você não pode comer besteira, mas eu fui até uma loja que faz essas coisas de um jeito mais saudável. - Bruno colocou uma sacola grande sobre a cama. - Tem chocolate ai, mas não vai te fazer mal. 

- isso deve ter gastando uma fortuna. - falei. - Não precisava. 

- Dizem que se uma gravida não comer o que quer a criança nasce com a cara da comida. - comecei a gargalhar. - Eu não quero que os nossos filhos tenham cara de hambúrguer quando nascer. 

Tenho que admitir: Achei muito fofo ele falar nossos filhos. Era um pouco estranha essa nossa relação, eu não lembrava de nada então as vezes poderia ser um pouco estranha com ele. Mas eu estava me esforçando e ele era um amor de tranquilidade por entender. Era esquisito você acordar do nada e todo mundo falar que você estava "namorando" um cara que você nunca tinha visto na sua vida. Era bom por partes. Estávamos nos conhecendo novamente de uma forma muito divertida, eu estava gostando de conhecer ele e parecia que ele "também". 

- Muito obrigada. - sorri de lado. Ali dentro tinha varias coisas que pareciam estar deliciosas, mas era tudo vegano, livre dessas substancias que os médicos diziam que faria mal. Eu ainda estava sobre observação e a gravidez era de risco. Peguei o que parecia uma barrinha de chocolate. - Isso é muito bom... 

- Que bom que gostou, fiquei com medo de ser uma daquelas porcarias horríveis. - rimos. 

- Olha, eles estão mexendo. - me encostei no travesseiro que tinha na cama levantando a blusa. - Eu ainda não estou acostumada com isso, é estranho. Quer por a mão? - perguntei sem jeito. Ele veio e se sentou na ponta da cama, colocando as mãos encima do local em que ele estavam mexendo. Ficamos ali por alguns minutos, os bebês cada vez mais agitados não paravam de mexer e a cada chute eu sentia uma dorzinha na região. - Nunca vi mexerem tant...

Fui beijada por ele. Bruno ficou ali alguns segundos me beijando e estaria mentindo se dissesse que não tinha gostado. Bem, acho que já era a hora de avançar para a próxima fase. 

 - Me desculpe... - ele se retirou da cama, parecia nervoso. 

- Não, tudo bem.. Somos um casal, eu acho. - ri sem graça. - Acho que deveríamos começar a escolher os nomes deles.

- Concordo. - ri.


Notas Finais


FALA AIIIIIIIIIIII GALERISSSSSSS, TUDU POM? então já tem ideias de nomes para os babys? Eu ja tenho aqui a minha listinha uhuashsuahu MAS ASSIM EU QUERIA PEDIR UM POUQUINHO DE PACIENCIA PQ A SAM FICOU SEIS MESES EM COMA E ELA REALEMNTE NAO SE LEMBRA DE NADA AHUAHAUH TIPO, NADA MESMO ENTAO P A C I E N C I A. Nos vemos semana que vem bebes!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...