História I'm Yours, You're Mine - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Jimin, Jungkook, Suga
Tags Bts, Jeon Jungkook, Jikook, Jimin, Jungkook, Park Jimin
Exibições 230
Palavras 3.185
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Lemon
Avisos: Homossexualidade, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Inspirei essa fic no episódio do MMA, em que Taehyung e Jimin ficaram cochichando e Jungkook (aos olhos de nós, Jikook shippers) ficou se corroendo de ciúmes.

Espero que gostem!
Boa leitura <3

Capítulo 1 - Capítulo Único


Eu estava possesso.

Mesmo que estivéssemos no meio de um evento grande como aquele – o MMA, com incontáveis câmeras oficiais e celulares de fãs apontados para nós, estava sendo praticamente impossível disfarçar o quão desconfortável eu me sentia. E era tudo culpa de Jimin.

Aquele idiota.

O que ele achava que estava fazendo? Chamando Taehyung para se sentar ao seu lado, cochichando e rindo com ele o tempo todo daquele jeito. Ele só podia estar de brincadeira com a minha cara.

Quando o evento finalmente terminou, estávamos todos tão cansados que decidimos deixar as comemorações para o dia seguinte. Agradeci; eu não estava com o mínimo de vontade de sair e meu humor estava péssimo. Só queria chegar logo ao dormitório, tomar um banho e dormir.

Enfim chegamos e, para piorar ainda mais as coisas, Jimin disse que ficaria conversando com Taehyung um pouco mais antes de deitar.

Todo mundo percebeu que eu estava puto.

Respirei fundo, dei um “boa noite” geral e fui para o quarto. Tomei meu banho e fui me deitar, e o cansaço me fez apagar logo.

-x-x-x-

Acordei antes de Jimin. Suspirando, levantei-me com cuidado para não acordá-lo. Lavei rapidamente o rosto e saí do quarto.

Encontrei Yoongi hyung sentado no sofá, com o notebook em seu colo e os headphones cobrindo os ouvidos.

– Hyung? – Experimentei chamá-lo.

– Hm? – Ele olhou para mim, pausando a música que ouvia e abaixando os headphones para seu pescoço.

– Bom dia... Acordou há muito tempo?

– Mais ou menos... Não consegui dormir muito, na verdade.

– Aconteceu alguma coisa? – Sentei-me ao lado dele no sofá.

– Claro que sim. – Ele sorriu. – Nós ganhamos aquele prêmio ontem.

Sorri imediatamente ao vê-lo dizer aquelas palavras com aquele sorriso no rosto. Yoongi hyung, dentre todos nós, era o que mais almejava por aquele prêmio. Ver seu sonho se realizando aquecia meu coração.

– Você sabe que devemos esse prêmio a você, não é? – Comentei.

– A mim? – Ele me olhou surpreso.

– É claro. A você, às suas noites mal dormidas, às composições maravilhosas que você sempre faz. – Apontei para a tela do notebook, que estava com um dos programas de mixagem abertos.

– Oh... – Ele não parecia saber como me responder.

Passei um de meus braços ao redor de seus ombros e beijei sua têmpora.

– Obrigado, hyung.

Ele sorriu de novo, tirando o notebook do colo e me abraçando em torno da cintura.

– Eu quem devia agradecer, Jungkook. Isso... Significa muito para mim. Muito mesmo.

– É só a verdade! – Sorri, pausando por um momento. – Está com fome?

– Hmm, acho que sim.

– Vou fazer algo para nós. Os outros foram dormir muito tarde?

– Foram sim. Acho que ainda demoram um pouco para levantar. Especialmente Jimin e Taehyung...

Travei o maxilar, claramente ficando tenso. Yoongi hyung percebeu.

– Ei, Jungkook. Tenho certeza de que não é nada, fique tranquilo.

– Eu sei, mas... – Suspirei. – Não consigo não me incomodar.

– Eu sei. – Ele pausou, parecia que pensava em alguma coisa. – Quer me ajudar, hoje?

– Hm?

– É, me ajudar com as mixagens, pensar em algumas letras. Assim você se distrai um pouco.

– Ah, parece ótimo! Obrigado, hyung. – Sorri e me levantei. – Vou fazer algo para comermos e depois você me mostra o que está fazendo aí.

– Okay!

-x-x-x-

O restante do pessoal acordou bem perto da hora do almoço. Eu e Yoongi havíamos passado a manhã mexendo nas composições, e eu estava adorando.

Seokjin hyung estava preparando nosso almoço; Namjoon e Hoseok estavam sentados à mesa, analisando o que tínhamos produzido; Taehyung estava sentado em um dos sofás assistindo TV; eu estava deitado no colo de Yoongi hyung, no outro sofá, prestando atenção em sua conversa com Hoseok e Namjoon hyung enquanto ele brincava com meu cabelo.

Foi quando Jimin finalmente saiu do quarto.

Eu estava determinado a fazê-lo pagar pela noite passada, então não fiz questão de lhe dizer bom dia. Yoongi ameaçou tirar os dedos de meu cabelo, mas movi minha mão para colocá-la sobre a dele, indicando para que ele continuasse.

Jimin pareceu perceber, mas não fez nem disse nada. Passou sorrindo por Taehyung e foi se sentar à mesa, de frente para Namjoon e Hoseok.

– O que estão fazendo? – Perguntou a eles.

– Vendo as mixagens que Yoongi fez com Jungkook hoje cedo! Ficaram muito boas.

– Oh? – Ele ergueu uma sobrancelha, olhando para o sofá em que estávamos.

– Jungkook tem o ouvido muito bom. – Yoongi comentou, sorrindo.

– Obrigado, Hyung. – Sorri para ele.

– Olha só. – Jimin respondeu. – Depois quero ouvir, então.

Ele se levantou e foi até a cozinha. O cheiro da comida de Jin hyung já estava deixando todos nós famintos. Ouvi Jimin perguntar se ele queria ajuda para colocar a mesa, e Taehyung se levantou para também oferecer ajuda.

Bufei. Yoongi hyung me olhou com cara de quem pedia paciência a uma criança.

Sentamos todos à mesa para comer, e eu fiquei ao lado de Yoongi. Jimin e Taehyung sentaram lado a lado bem na minha frente, então foi difícil não olhar para Jimin. Tentei focar ao máximo em conversar com Yoongi, Namjoon e Hoseok sobre as composições, já que eu havia me interessado por elas.

Comecei a perceber que Jimin me olhava bastante, e estava começando a ficar nervoso com o fato de eu sequer olhar de volta. Meu plano estava funcionando.

– Acho que todos devíamos fazer um brinde para o Yoongi hyung. – Eu disse ao final do almoço, e todos me olharam surpresos. – Acho mais que justo, afinal foi ele quem escreveu aquela carta para nós, meses atrás, falando sobre ganharmos o Daesang.

– Oooh, isso é verdade! Vamos fazer um brinde ao Yoongi! – Namjoon concordou comigo e todos se animaram. Sorri satisfeito, e brindamos. Podia sentir os olhos de Jimin me desafiarem, e eu estava mais que pronto para desafiá-lo de volta.

Isso é por ficar de gracinha com o hyung alheio, Jimin.

-x-x-x-

Tínhamos o dia de folga, decidimos aproveitá-lo para comemorar nossa vitória da noite anterior. Jogamos videogame, fizemos uma sessão de karaokê, bebemos e rimos um monte. Jin hyung fez nosso jantar, além de vários petiscos para comermos ao longo do dia, alegando que queria garantir que comeríamos direito mais uma vez antes de ele viajar para a Indonésia. Ele estava certo em se preocupar – com certeza viveríamos de comida congelada, delivery e macarrão até ele voltar.

Depois de comermos, decidimos assistir a um filme para terminar o dia. Jimin havia tentado se aproximar de mim o dia todo, mas eu mal havia dado abertura; ainda estava bravo. Sentei-me no canto do sofá e trouxe Yoongi comigo. Ao lado dele Jimin se sentou e puxou Taehyung consigo. O restante se dividiu entre a poltrona e o outro sofá.

Em algum momento durante o filme, Yoongi pegou no sono. Ele não havia dormido nada na noite anterior, então aquilo fora esperado. Ele se inclinou contra mim, e passei um de meus braços ao redor de seus ombros para acomodá-lo melhor. Senti olhos curiosos e olhos nervosos sobre mim, mas ignorei, continuando a olhar para a TV.

Jin hyung foi o primeiro a se levantar para ir dormir; ele tinha que levantar cedo para ir para o aeroporto no dia seguinte. Namjoon foi logo depois, porque queria ajudá-lo a acabar de ajeitar suas coisas.

Logo depois foi Hoseok quem se levantou. Eu não queria acreditar que ficaríamos apenas eu, Yoongi, Jimin e Taehyung na sala, e pela graça dos céus, Taehyung se levantou e disse que iria de uma vez também.

Depois de dizer boa noite a eles, senti o olhar de Jimin em mim. Engolindo em seco, olhei para ele.

– Você vai parar de palhaçada ou vai ficar aí com o Yoongi? – Ele sussurrou. Fechei a cara, sussurrando de volta.

– Eu que tô de palhaçada, né. Claro.

– É, você, sim.

Yoongi se mexeu. Quando vimos que ele não ia acordar, falei:

– Vamos para o quarto, antes que ele acorde.

Jimin assentiu e se levantou, e eu me levantei logo depois, ajeitando Yoongi hyung sobre o sofá com cuidado, antes que nós dois fôssemos para o quarto que dividíamos.

Entrei primeiro, e ouvi a porta sendo fechada e trancada atrás de mim.

– Agora conversa comigo direito.

– Agora você quer conversar comigo, né? – Soltei, nervoso.

– Qual é o seu problema? Me ignora o dia inteiro e fica colado no Yoongi, e eu que tô errado?

– E daí que eu fiquei o dia inteiro com o Yoongi hyung? Você não desgrudou do Taehyung ontem.

Jimin arregalou os olhos e ficou ali parado, me encarando por um tempo.

– Você está com ciúmes do Taehyung?

Abaixei o rosto, olhando para o chão. É claro que eu estava com ciúmes, não é possível que ele não tinha sequer tentado entender isso.

– Você é um idiota, Jimin. – murmurei.

Senti uma das mãos de Jimin em meu cabelo e a outra em meu peito, e em questão de segundos eu estava pressionado contra a parede.

– Vou te mostrar quem é o idiota. ­– Senti-o sussurrar contra meu ouvido, fazendo-me arrepiar por inteiro antes de colar seus lábios nos meus.

Era incrível como eu me desfazia por inteiro nas mãos de Park Jimin. O modo como ele me beijava, o modo como suas mãos me tocavam, tudo parecia ter sido criado para me deixar completamente doido por ele. Entreguei-me ao beijo até não conseguir mais respirar. Jimin não parava, só se afastava um pouco que fosse para ambos respirarem, para depois voltar a tomar meus lábios nos dele, beijá-los e sugá-los sem o menor cuidado.

Senti uma de suas pernas entre as minhas, apertando meu membro, e soltei um gemido rouco entre seus lábios fartos, agarrando seus cabelos e rolando meus quadris contra sua coxa. Pude senti-lo sorrindo, satisfeito com a minha resposta a seus toques.

Fui tirado da parede e jogado de uma vez sobre a cama. Eu estava surpreso com a intensidade de Jimin, há tempos ele não ficava daquele jeito – não que eu estivesse reclamando, claro. Assisti-o subir na cama e subir sobre mim, sentando-se sobre meus quadris e voltando a me beijar.

Passei minhas mãos por dentro de sua camisa, acariciando suas costas e arranhando sua pele levemente com minhas unhas curtas. Senti-o arrepiar e sorri em meio ao beijo, feliz que ele reagisse a mim daquele jeito.

Seus beijos desceram de minha boca para meu pescoço, enquanto suas mãos subiam minha camisa com impaciência. Ele só ergueu o tronco para retirá-la, e eu aproveitei para tirar a dele, também, antes que ele voltasse a distribuir beijos por meu corpo.

Eu suspirava baixinho, segurando seus fios loiros em meus dedos enquanto sentia-o marcando meu pescoço, meus ombros e meu peito. Arqueei as costas quando senti a língua quente em um de meus mamilos, fechando os olhos e gemendo um pouco mais alto.

Idiota. Me matando de ciúmes, para depois me fazer gemer o nome dele.

Ele se afastou para olhar para mim.

– Vou te ensinar a não me provocar. – Sua voz fora tão penetrante que até estremeci.

Suas mãos pegaram as minhas e as juntaram acima da minha cabeça. Observei-o tirar a fronha de um dos travesseiros e o segui quando ele me puxou para mais perto da cabeceira da cama. Em dois minutos, eu estava com os pulsos presos ali.

Inacreditável.

Jimin voltou a se deitar sobre mim e a atacar meus mamilos com os lábios. Eu me contorcia levemente, indignado que não poderia mais tocá-lo dali em diante.

– V-Você não presta. – choraminguei.

– Shh. Você adora isso. – Ele respondeu enquanto descia os lábios por meu abdômen, parando no cós da minha calça de moletom, que já exibia um volume considerável.

Minha calça foi puxada para baixo junto de minha cueca boxer, o suficiente para descobrir meu membro ereto. Jimin soprou ar quente contra a minha glande, antes de lamber toda a minha extensão, o que me fez arquear as costas de novo.

Resmunguei quando Park parou e se afastou para terminar de tirar minhas roupas, e senti minhas bochechas queimando quando ele afastou minhas pernas, posicionando-se entre elas. Era impossível não ficar envergonhado, estando totalmente entregue daquele jeito.

Suas mãozinhas seguraram a base de meu pênis enquanto seus lábios tomavam a extensão toda para dentro, devagar. Fechei os olhos e apertei as grades da cabeceira com os dedos, gemendo baixinho e chamando seu nome, pedindo por mais. Era sempre assim, eu sempre queria mais, mais, e Jimin sempre conseguia me deixar completamente desesperado por ele.

Tentei rolar meus quadris para cima, mas ele usou uma das mãos para me segurar no lugar. Merda, Jimin!

– J-Jimin... – Chamei, choroso.

– Hm? – Foi só o que ele disse antes de começar a sugar com mais força, usando a língua contra o movimento de vai-e-vem para aumentar ainda mais a pressão de sua sucção.

– A-Ah..! – Desisti de tentar falar alguma coisa, da minha garganta só saíam gemidos sofridos.

Senti que podia chegar ao meu limite apenas com aquilo. Meu estômago já apertava, dizendo-me que se Jimin não parasse, eu iria gozar ali mesmo. Mas eu sabia que ele não deixaria, e eu estava certo. Vi-o se afastar e arfei, relaxando um pouco todos os músculos de meu corpo. Ele me olhava com olhos famintos, que me fizeram engolir em seco.

Minhas pernas foram ainda mais afastadas, e Park colocou dois de seus dedos em frente aos meus lábios. Entendendo o que devia fazer, tomei-os e os suguei, olhando diretamente nos olhos dele enquanto o fazia. Ele pareceu gostar, porque me deixou fazendo aquilo por algum tempo, antes de puxar os dedos de volta.

Senti-o forçar os dois dedos para dentro de mim de uma vez e arqueei as costas, soltando um gemido surpreso. A sensação daqueles dois dedos entrando e saindo era maravilhosa, especialmente porque eu sabia o que viria em seguida.

– Jimin... A-Anda logo, por favor. – Pedi, manhoso, e ele riu baixinho.

– Só se você pedir com jeitinho.

– J-Jimin... – Choraminguei. – P-Por favor... Me fode.

– Agora sim. – Ele praticamente ronronou, de tão satisfeito que estava.

Seus dedos saíram de dentro de mim e eu o observei remover as próprias calças de moletom, antes de se posicionar. Respirei fundo logo antes de senti-lo forçar o membro ereto contra minha entrada, arfando quando ele investiu os quadris com força, entrando em mim de uma vez.

– Puta que pariu. – Choraminguei, rolando os quadris para acomodá-lo ali.

Jimin começou a mover os quadris lentamente; tirava o membro quase que por completo de meu corpo, para depois me penetrar com tudo novamente, fazendo meu corpo inteiro arrepiar a cada nova estocada. Seus olhos estavam inteiramente fixados nos meus, e era simplesmente impossível desviar o olhar.

Só o fiz, quando ele começou a se mover mais rápido, e acabei jogando a cabeça para trás, quando ele conseguiu atingir meu ponto de prazer. Um gemido alto e rouco deixou minha garganta, e minhas mãos colocaram tanta força na cabeceira da cama que minhas juntas doíam.

Aquilo era tão bom.

– M-Mais... – Consegui pedir, choroso.

– Só se me disser que entendeu que eu não pretendo dividir você. – A voz de Park saíra com aquele tom; possessivo e obsessivo, do jeito que eu mais amava.

– P-Porra, Jimin. Você não presta...

– Me diz, vai. – Ele deitou o corpo sobre o meu, lambendo minha orelha antes de gemer e sussurrar contra ela. – Me diz que você é só meu.

Estremeci por inteiro, desesperado para abraçar Jimin e manter seu corpo ali contra o meu.

– E-Eu sou só seu, Park Jimin. Meu corpo é seu, minha essência é sua, eu sou todo seu.

– Muito bem, meu garoto.

Mordendo meu lóbulo, ele soltou meus pulsos. Abracei-o imediatamente, e busquei por seus lábios com os meus, beijando-o com desespero. Minhas pernas abraçaram sua cintura e ele, finalmente, começou a investir ainda mais rápido, alcançando mais fundo dentro de mim. A cada vez que ele atingia minha próstata, eu quase gritava contra seus lábios, mordendo-os e sugando-os sem o menor cuidado enquanto estremecia de prazer.

Pensei que continuaríamos naquele ritmo frenético até que atingíssemos o orgasmo – eu estava chegando bem perto – mas Jimin parecia ter outros planos. Subitamente, ele se afastou e tirou o membro de dentro de mim, fazendo-me arfar em frustração.

– Caralho, volta aqui. – Reclamei.

– Fica de quatro.

– Oi?

– Agora.

Eu não estava em posição de recusar ou de reclamar, mas porra, aquilo não deixava de ser constrangedor. Um pouco a contragosto, movi meu corpo, ficando de quatro e de costas para Park. Deitei meu rosto sobre um dos travesseiros, expondo minha entrada completamente para ele.

– Satisfeito? – Perguntei, olhando para ele por cima do ombro.

– Bastante.

A língua quente em minha entrada me fez soltar um gemido de pura surpresa misturada ao prazer. Jimin me lambia com gosto, me penetrava com a língua e a movia por toda a região sensível. Fechei meus olhos, apertando os lençóis entre os dedos e gemendo contra o travesseiro, chamando por ele sem parar.

Não satisfeito, ele envolveu meu membro com uma das mãos e começou a me masturbar com rapidez. Arqueei as costas, começando a tremer de prazer. Senti meu orgasmo se aproximando e estava pronto para gozar, mas Jimi percebeu e tampou a minha fenda, não permitindo que eu o fizesse.

– Não senhor. Ainda não.

Antes que eu pudesse reclamar, fui penetrado pelo membro de Jimin novamente, de uma vez. Gritei contra o travesseiro, apertando os lençóis ainda mais e rolando os quadris contra os dele.

Os sons de prazer de Park eram a coisa mais linda que eu poderia ouvir. Ele gemia rouco, e o tom de sua voz acariciava meus ouvidos, aumentando ainda mais meu tesão e minha libido. Ele não parava, investia com força e rapidez, atingindo meu ponto de prazer enquanto me masturbava.

Eu precisava gozar.

– P-Pelo amor de Deus, Jimin. M-Me deixa gozar. – Implorei, com a voz oscilante.

Finalmente, Jimin tirou o dedo de minha fenda e voltou a me masturbar rapidamente, enquanto ainda me estocava. Não demorou nada para que meu orgasmo me atingisse como uma onda, fazendo meu corpo inteiro tremer enquanto eu me desfazia, despejando meu líquido nos lençóis e em meu abdômen.

A onda de prazer foi tamanha, que apertei o membro de Jimin dentro de mim, com força.

– Puta merda, Jungkook. – Ele praguejou, dando-me um tapa na coxa antes de, também, atingir seu orgasmo.

Seu líquido me preencheu, e aquela sensação foi tão boa, que senti outro orgasmo quase que imediatamente. Gozei um pouco mais, e minhas pernas falharam, e acabei caindo deitado sobre a cama.

Nós dois arfávamos, em busca de oxigênio o suficiente para satisfazer nossos pulmões. Nossas respirações estavam descompassadas, e eu estava completamente exausto depois de gozar duas vezes.

Jimin se deitou atrás de mim, abraçando-me contra ele. Aninhei-me ali instantaneamente, fechando os olhos.

– Entendeu? – Ele perguntou.

– Eu nunca neguei que era seu, hyung. – Comentei baixinho.

– Mas estava todo grudado com o Yoongi, hoje.

– Porque você ficou todo grudado com o Taehyung, ontem. – Protestei.

– Taehyung é meu melhor amigo, seu bobo. E ele está mais sensível desde que sua avó se foi. É meu dever animá-lo.

Virei-me para olhar para ele.

– Então você também é só meu?

Ele sorriu e beijou minha testa.

– Claro que sim, Jungkookie. Sou só seu.

Sorri de volta e fechei meus olhos novamente, permitindo-me adormecer em seus braços.


Notas Finais


Espero que tenham gostado!

Até a próxima <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...