História Imaginary Girl - Capítulo 3


Escrita por: ~

Postado
Categorias Justin Bieber, Selena Gomez
Personagens Jeremy Bieber, Justin Bieber, Selena Gomez
Tags Amigo Imaginário, Jelena
Exibições 422
Palavras 1.050
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Fantasia, Festa, Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Álcool, Drogas, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Hey. O capítulo está pequeno, mas está bonitinho.

Capítulo 3 - E você disse que nunca iria embora.


Fanfic / Fanfiction Imaginary Girl - Capítulo 3 - E você disse que nunca iria embora.

Desde que estejamos juntos, importa para onde iremos?


 

— Sr. Bieber. –A senhora me encara sob seus cílios pequenos, lançando-me seu tom repreendedor. 

É como se todo meu ser fosse trago de volta à dimensão, longe de qualquer resquício da garota, ou qualquer momento ligado à sua estrutura não-real. Seria loucura trazer sua imagem de volta à esta realidade atual, atordoada e dolorosa. Mas Selena estava lá, com seu vestido florido, presa em meu círculo nada comum de insanidade, levando-me de volta aos padrões de um garotinho solitário que se encontrava com uma amiga inexistente toda tarde.

Com um último olhar nada agradável, srta. Collins prossegue sua explicação antes interrompida por minha pequena viagem em meu exterior distorcido e surreal. Ryan me encara com suas órbitas enormes e azuladas, entretanto não parece questionar a razão pela qual encontro-me distraído, afinal tem sido algo comum desde que fui informado do divórcio. Os lábios do louro se movimentam em uma pergunta silenciosa. "O que há?". Anuo brevemente, vendo-o revirar os olhos antes de balançar os ombros de modo relaxado.

Prendo-me à breve frase, que apita em meu cérebro como um alarme de perigo: "Ela não é real".

 

***
 

Já com a bandeja em mãos, movo meu corpo de forma preguiçosa para fora do refeitório espaçoso, que agora tem todo seu perímetro preenchido por adolescentes. Em um ato monótono, guio minha estrutura até as arquibancadas pouco distantes. Lugar o qual me daria uma visão completa das líderes com saias minúsculas que movem seus corpos magros em uma coreografia ensaiada, proporcionando-me talvez um momento de diversão se alguma delas caísse, algo que costuma acontecer com uma frequência absurda. Elas acenam para mim e contenho um riso esnobe, tendo em mente que se parece com mais uma de suas coreografias sincronizadas. 

Poderia vomitar apenas por pensar em comer aquele pudim que permanece na bandeja. Não que a comida do colégio seja ruim, muito pelo contrário, eles apenas não tem o dom para prepararem doces e coisas aperitivas, porém isso não impedia que o fizessem. Sinto o gosto de laranja industrializada apossar meu paladar ao bebericar o suco de caixinha, de todo modo não é algo ruim, apenas meio azedo de uma forma saborosa. Permito-me visualizar atentamente o corpo da loura que se move no campo, tendo a completa noção de que ela passou à me odiar nos últimos meses. Bom, talvez a vitamina que escorreu por meu cabelo há três meses seja a prova da fúria que lhe causei. Eu fui um completo idiota e agora minha ex-namorada basicamente jogaria uma âncora sobre mim caso eu caísse no mar. Minha visão é preenchida por dezenas de flores estampadas em um tecido e fecho meus olhos quase de imediato após ergue-los o suficiente para observar a garota que me encara sorridente. 

Com a esperança que a morena tenha sumido, abro meus olhos cautelosamente , agora tendo seu rosto incrivelmente próximo a minha face. Ela pisca cerca de duas vezes de uma forma semelhante à uma boneca, em seguida revelando um sorriso constrangido. 

  — É você mesmo. -afirma de forma acusatória. Seus lábios volumosos formam novamente um sorriso enorme e resmungo baixo quando a mesma me abraça de forma desajeitada. Permaneço imóvel, totalmente inexpressivo. Não é real.- Não se lembra de mim,cowboy? -Seu tom soa arrastado e massageio minhas têmporas por um momento. 

Sua feição ainda é infantil, porém não é como se ainda fosse a garotinha de anos atrás, é apenas mais um toque para sua feminilidade. Seu cabelo chega até seus quadris em um tom de castanho e posso ver um rubor crescer em suas bochechas redondas ao passo em que a encaro. É de fato muito bonita, talvez eu devesse parabenizar minha mente por isso depois. 

  — Por que está aqui? -Tudo sai de forma rude e isto faz com que a garota contorça sua expressão, transformando-a em algo desagradável.- Eu estou enlouquecendo mais uma vez.

  — Do que está falando? -Comprime seus lábios e me olha sob seus cílios volumosos.- Eu esperava uma recepção um pouco mais agradável do meu melhor amigo de infância.

  — Melhor amigo?  Você nem existe, Selena. É só uma coisa maluca da minha maldita cabeça. -Afirmo vendo seu rosto formar uma careta cômica, antes que a risada finalmente seja liberada. 

  — Você está se drogando? -Seu tom se parece com uma zombaria, portanto giro meus olhos com desdém. Eu estou realmente enlouquecendo. No exato momento em que retiro um cigarro de meu bolso, sua mão é impactada contra a minha em um tapa, fazendo com que o mesmo caia no chão.- Eu não acredito. Você disse que nunca fumaria. 

  — E você disse que nunca iria embora. Somos dois mentirosos, garota imaginária.

   — Eu tive que ir. -Ela murmura. 

  — Não precisava voltar. -Digo entredentes, despejando algo ruim ao liberar tais palavras.- Sinceramente, Selena. A última coisa que eu preciso agora é de mais uma coisa para foder minha cabeça. 

 — Não fale palavrões. -Me repreende de forma autoritária, esboçando uma feição nada agradável em seu rosto redondo.- O que raios houve com você?

  — É o mundo real, Selena. Eu não posso mais viver no meu imaginário por você. -Estou tão irritado que posso sentir a veia em meu pescoço saltar, à medida que as palavras soam rudes.- Apenas desapareça como fez há alguns anos. 

 

Cubro meu rosto e apoio meus cotovelos em minhas pernas. O silêncio permanece ali por alguns minutos e penso que tudo acabou por um breve momento, até sentir seu corpo se posicionar ao lado do meu. Ergo meu olhar, ignorando totalmente sua presença à minha direita. Proporciono minha atenção à garota que sorri no meio do campo, enquanto balança seus pompons da cor roxa. Vejo quando seu sorriso se desfaz ao me ver ali, não de forma rude, ela apenas me encara como se eu fosse capaz de lhe fazer chorar apenas por existir. E eu não me lembro de querer que chegássemos à este ponto. 

  

—  Ela é sua namorada? -A garota ao meu lado questiona. 

— Era. -Respondo sem dar muita importância à sua presença.- Hailey costumava ser a minha namorada. E agora eu estou aqui falando com a minha própria mente.

 —  Você é maluquinho,cowboy. -Ela diz após sua risada invadir meus tímpanos. 

 

E o estranho é que eu também sorri. Talvez por ter sentido muita falta disto. Sentido a falta dela. 


Notas Finais


Eai?

Queria deixar claro que a Hailey não vai ser uma megera igual nas outras fanfics jelena que costumam ler. Até porque eu não tenho nada contra a Baldwin, de forma alguma. Eu costumava ter umas opiniões escrotas, mas agora super gosto dela e super acho o Justin um babacão do meu core.


Enfim, Selena é real?


Comentem ai e até loguinho <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...