História Imagine - Diabolik Lovers - Capítulo 136


Escrita por: ~, ~T-Baka e ~luxyeri

Postado
Categorias Diabolik Lovers
Personagens Ayato Sakamaki, Azusa Mukami, Carla Tsukinami, Kanato Sakamaki, Kou Mukami, Laito Sakamaki, Personagens Originais, Reiji Sakamaki, Ruki Mukami, Shin Tsukinami, Shu Sakamaki, Subaru Sakamaki, Yuma Mukami
Tags Imagine
Visualizações 340
Palavras 1.288
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Bishoujo, Bishounen, Colegial, Comédia, Drama (Tragédia), Escolar, Famí­lia, Ficção, Harem, Hentai, Poesias, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Shoujo-Ai, Sobrenatural, Suspense, Universo Alternativo, Violência, Visual Novel, Yaoi
Avisos: Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sadomasoquismo, Sexo, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Hey How!
AH SINTO MUITO PELA DEMORA!
Eu deveria ter postado ontem mas eu prometo que não vou atrasar!
Esse como podem ver é do Kanato e eu fiz ele mais... Perverso (se é que me entendem) Gente não sou Pervertida tá eu só escrevo o que porque é o assunto.
Mas enfim... MENINAS VCS NÃO ME ENVIARAM A MENSAGEM! ESTOU ESPERANDO!
Só duas me enviaram vey puxa!
Essa foi o pedido de uma delas a ~Crazy_Killer me pediu para fazer um do Kanato!
Tão tá aqui se não gostarem me digam para eu poder editar.
Sem mais delongas vamos lá!

Capítulo 136 - - Kanato Sakamaki - Sala de chá -


Fanfic / Fanfiction Imagine - Diabolik Lovers - Capítulo 136 - - Kanato Sakamaki - Sala de chá -

“Odeio lolis!” pensava (S/N). Chorava por dentro enquanto carregava sacolas cheias de doces. Desde que fez aquele acordo ridículo estava naquele estado. Tinha feito um acordo de que se conseguisse conquistar um dos Mukamis, de preferência Azusa, faria o que aquele maldito Lolita queria. Kanato Sakamaki. Esse era o garoto que lhe fez essa proposta.

De vista aquele garoto parece ser um anjo, mas você não sabe o demônio que se esconde ali.

Aparência de criança, mas inteligência de um gênio, não poderia ser o melhor da Academia mas era um dos. Astuto, falso, duas caras, tudo se pode dizer sobre ele.

(S/N) acreditava ser uma das únicas pessoas a saberem de sua personalidade. Talvez só ela, seus outros 5 irmãos e os Mukamis seus primos. - aqui sim -

Andava em passos de tartaruga, o miserável pediu para a mesma ir sozinha em loja de doces comprar 100 variados doces, 3 cada. Ela ainda não entendia como ele não tinha diabetes.

Suspirou, e continuou a andar.


[...] - (S/N)-On -


Acabo de chegar na escola. Estava atrasada, o que não seria surpresa, andar por aí com 9 sacolas de doces não é nem um pouco bom. As pessoas possam olhando para mim eu apenas sigo o meu caminho sem ligar. Vou direto em sua sala, que se encontra com aula.


“Droga! Vou perder a primeira aula por causa desse maldito!”


Ando em direção a escadaria para o telhado massa paro no meio do caminho ao escutar um barulho em uma das salas. Vou até lá e abro a porta.

Lá estava ele, sentado em uma mesa de chá tomando com o Teddy em seu colo, havia outros bonecos sentados nas cadeiras ao redor da mesa.


“Ele está brincando de casinha?” me perguntei incrédula. Andei um passo e ele olhou em minha direção.


-Você demorou... – falou me olhando e tomando chá.


“Você reclama por que não é você que carregou as sacolas até aqui!” pensei me controlando para não gritar.


-Sim, estão pesadas. – lhe respondi colocando as mesmas no chão perto da porta. -Posso ir agora? – perguntei calma.

-Eu imagino. – tomou mais um gole – E não, não pode.

-O que você quer?! – revirei os olhos.

-Não é assim que se fala. Tenha mais respeito com o seu mestre! – colocou a chicana na mesa.


“O cara ganha uma aposta e já se acha a última bolacha do pacote vey!”


-Como? – perguntei – Você não é nada meu Kanato! – falei raivosa –

-Tenha mas respeito. E me chame de mestre! – rangeu os dentes e me olhou com raiva - Você é muito ousada para uma mera humana.


“Mais eu não tô acreditando. Ele me chamou de ousada mesmo?"


-Mera humana? Você fala como se fosse um E.T! Não lhe chamarei de mestre! – falei por fim dei meia volta e fui em direção à porta.


Estava perto da mesma quando sinto ser puxada. Ele me prensou na parede de costas para ele.


-O que está fazendo?! – me debati mas ele é mais forte.

-Você não deveria ter me desafiado. Você me deixou com raiva (S/N)


“MAS EU NÃO FIZ NADA CARALHO!”


-Me solte Kanato! – gritei e ele apertou meus pulsos – Aí! – fechei os olhos de dor.

-Não é assim eu não já disse? – sussurrou em meu ouvido – Vou ter que lhe castigar.


Iria questionar mas senti seus lábios gélidos na parte de trás de meu pescoço. Arregalei os olhos. Até que sinto ele para.


-Ah, ia me esquecendo... – iria perguntar até que senti ele me virar e colar seus lábios nos meus.


(Narradora-On)


(S/N) estava espantada. Sentia sensações estranhas em seu corpo que não sabia identificar. Abriu os olhos observando Kanato. Ele se afastou dela e deu um mínimo sorriso

Fechou os olhos novamente quando sentiu o mesmo distribuir beijos em seu pescoço ela cada vez mais sentia aquilo quente no meio de suas pernas. Ela fechou os olhos de dor e gruniu ao sentir algo perfurar sua pele. Por um lado estava gostando mas por outro tentava ao máximo conter aquelas emoções e calores no corpo. Kanato então tirou a mão que estava em sua cintura e atrapalhado fechou a porta com chave. Andou em direção a mesa ainda segurando ela que andava em passos atrapalhados. Jogou tudo que se encontrava na era no chão e a jogou em cima.

Ela se assustou com o ato repentino, tentou se levantar mais foi impedida. Ele segurou seus pulsos com uma de suas mão e puxou um cordão que havia por ali, amarrando as mãos da mesma. Afastou em fim para vela melhor.

Ela estava deitada em cima da mesa com as bochechas coradas e olhos abertos transmitindo raiva, suas pernas estavam cruzadas para não amostrar a sua calcinha. Gostou do que viu.

Ela estava irritada e com vergonha. Não gostava do olhar do outro sobre si ficava constrangida, não sabia como ele tinha esse poder sobre ela ele só era uma lolita irritante. Mas por um momento quando o viu afrouxar a gravata, viu como ele era sexy a esse ponto.


“Maldito!” pensava ainda mais corada.


O mesmo tirou a sua gravata e jogou pela sala, queria se sentir mais alto sobre ela, gostava de quando mandava. Fez o acordo já sabendo que ela iria perder, Azusa era muito lerdo para perceber algo. Estava de olho naquela garota, sempre a viu pelos corredores brigando com algum garoto. Ela era linda. Se sentia ele perto da mesma e queria sentir mais.

Em um ato rápido, colou seus lábios nos dela a vendo arfar, queria mais.

O beijo estava quente, se sentia pegando fogo as mãos do pequeno passavam pelo corpo da mesma decorando tudo, não queria perder nenhuma parte. Ele estava sendo bonzinho, sempre teve a personalidade fria e não era piedoso com ninguém, não sabia o porque desse efeito que ela tinha sobre ele. Separou seus lábios do dela outra vez e olhou para o relógio sorriu. Ela não entendeu o porque disso e só teve reação quando o mesmo arrancou sua saia que caiu no chão.

Eles teriam que ser rápidos. Já iria tocar e pessoas usariam aquela sala. Queria sentir mais dela mas teria que aproveitar depois.

Ela olhou para ele e piscou várias vezes, viu o mesmo passar os dedos em sua calcinha e fechou os olhos não querendo ver o que vinha a seguir. Sentiu sua calcinha ser puxada há força que jurou escutar o barulho de tecido rasgado. Pedia a Deus que não.

Sentiu um dos dedos dele passar por ali e suas pernas tremeram. Não era virgem, perdeu por causa da sua imaturidade e se arrependia por isso, mas pelo menos não doeria como da primeira vez. Gruniu quando um dos dedos entrou e a seguir outro.

Fazia movimentos de vai e vem rápido. Ela gemia abafado por morder o lábio. Ele não tinha experiência nisso, só fazia o que escutava garotos falarem. Sentiu seus dedos serem apertados e a mesma gemer alto.

Nesse momento o sinal tocou.


-Parece que não vamos poder continuar. – soltou os braços da mesma deu meia volta e saiu andando –


Ela não falou nada estava com muita vergonha e optava sair correndo. Vestiu a saia vendo o mesmo o garoto lhe olhar e corou.

Ela procurou a sua calcinha e ao olhar para o chão a viu rasgada. Sentiu uma veia em sua testa, mas antes de gritar com o garoto o mesmo jogou um short para ela.


-Obrigada... – colocou em baixo do braço e o garoto não entendeu – Vou colocar depois que eu me limpar. –


Antes de sair limparam os vestígios de tudo e saíram.

Mesmo assim esqueceram uma coisa em cima da a cadeira.

E lá estava um ursinho de tapa-olho. Kanato com certeza iria ficar louco quando se lembrasse.


Notas Finais


Espero que tenham gostado. Vocês não fazem idéia do sacrifício que eu tive pra fazer isso e não estragar a imagem do Kanato isso é uma coisa que eu não imaginária dele.
Ah, Obrigada pelos favoritos e comentários. Namoral eu vi bem uns 150 comentários da ~judiSakamaki.
Só não respondi porque eu não participava da fanfic quando os capítulos foram lançados então me sentiria uma intrusa.
Mas daqui em diante vou tentar responder os comentários de todos.
Até o próximo capítulo!
Bye Bye!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...