História Imagine EXO - Growl - Capítulo 4


Escrita por: ~

Postado
Categorias EXO
Personagens Baekhyun, Chanyeol, Chen, D.O, Kai, Kris Wu, Lay, Lu Han, Personagens Originais, Suho, Tao, Xiumin
Tags Exo, Ot12
Exibições 128
Palavras 2.826
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Drama (Tragédia), Fantasia, Hentai, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Violência
Avisos: Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


im sorry

Capítulo 4 - Wolf


Fanfic / Fanfiction Imagine EXO - Growl - Capítulo 4 - Wolf

Chen me olhou com uma cara de “tudo ira ficar bem” e afastou-se de mim, dando caminho para Kai se aproximar. Agora sentada na cama observo Jong-in  olhar-me sério, seu olhar não transmitia nada pervertido ou maldoso, ele apenas me olhava calmamente e silencioso.

Acho que te devo algumas explicações, né? – ri abafado–

Estou ouvindo            

Então... Você já deve saber o que eu sou... –de cabeça abaixada fala– Mas a culpa não é só minha de você estar nessa situação, o Chen, ele tem culpa... é ele tem sim!

Jong-In, não sei quem é realmente o culpado dessa confusão toda, mas quero explicações agora, porque pelo que eu entendi isso não teria acontecido se não fosse por você

Eu explicarei  –sentou-se ao meu lado–  Desde que, é... Quando transamos naquela noite, eu meio que deixei meu rastro em você, meu cheiro, se é que me entende –olha-me seriamente– Quando Chen sentiu meu cheiro em você, ele se viu desafiado porque eu tive você primeiro, então ele queria sentir seu gosto também. E nós lobos só deixamos nosso rastro em algo que desejamos muito

Naquele momento eu só queria xinga-lo de todos os nomes possíveis e até os impossíveis de tanta raiva que sentia dele, porém eu não perderia o controle, não agora. Contei silenciosamente até dez olhando para Jong-in, contei até vinte... Contei até cem –Pensamento positivos (S/N), pensamentos positivos, não soque a cara dele agora... Calma.

Então eu sou o seu troféu? O seu prêmio? Vocês homens são tão patéticos

Você deveria ter me contado que era pura antes de irmos para cama, se não você não estaria nessa situação agora

Suspiro fundo e reviro os olhos —Não sou virgem há anos— Vejo Jong-in olhar-me com  espanto

Então... V-você é um lo-lobo? –gaguejou–

Não me confunda com animais que nem vocês –vi o mesmo me olhar com reprovação–

Jong-in levantou da cama, ficou andando de um lado para outro com a mão no queixo como se quisesse encontrar a solução de algo, ele resmungava “Se ela não é nenhum dos dois, por que eu sinto isso quando  vejo ela?”. “Por que te  desejo tanto?”

Para de resmungar e fale de uma vez!

Vi seu rosto virar em minha direção fitando meus olhos, ele estava com o mesmo olhar da noite que nos conhecemos, senti meu coração acelerar a cada passo que ele dava em minha direção. Ele se aproximava de mim com um sorriso sacana no rosto, tão malicioso, pervertido, tão gostoso.

 

Eu estava tentando entender porque você me faz querer despertar a besta que vive dentro de mim –ele fala bem próximo ao meu rosto, fitando meu olhos–

J-Jong-In, nem pense nisso...

Nossas bocas estavam separadas por alguns centímetros de distância, Jong-In respirava pesado que fazia me arrepiar quando sentia o calor da sua respiração, sua mão começou a passear pela minha coxa provocando arrepios involuntários, seus dedos uma vez ou outra aproximavam-se da minha intimidade e isso deixou minha respiração mais descompensada. Jong-In deliciava-se ao ver que estava me excitando apenas com  seus simples toques, ele aproximou sua boca até meu pescoço selando seus lábios no mesmo, seu nariz acariciava meu pescoço fazendo novamente me arrepiar involuntariamente

Seu cheiro é tão irresistível. Como pode ser uma humana? – falou enquanto fitava meu rosto novamente–

P-pare, Joing-In... Pare de me dizer essas coisas – coloquei a mão em seu peito com o intuito de afasta-lo–

Não tente me afastar, eu sei que seu corpo também deseja. Nossos corpos estão implorando um pelo outro, (S/N). – aproximou mais de mim–  Eu quero foder você —sussurrou—

Ele iniciou um beijo calmo, sua língua tocou na minha convidando para uma dança excitante dentro de nossas bocas deixando o beijo  mais feroz , podíamos ouvir o barulho da saliva os estalos quando chocávamos nossas línguas novamente. Senti a mão de Jong-In entrar dentro da minha blusa, sua mão acariciava meu seio fazendo-me soltar um gemido abafado, ele retribuiu mordendo meu lábio com força.

Eu queria que aquilo continuasse, mas senti uma sensação ruim percorrer todo meu corpo deixando meu coração apertado. Afastei Jong-In com um empurrão e o mesmo me olhou com reprovação, ele estava preste a reiniciar o beijo quando fomos chamados atenção.

Suho que falar com você – Kyungsoo olhava decepcionado–

Não vê que eu estou ocupado, Soo? –Kai diz com sorriso sacana–

Não falei com você, falei com a (S/N) –Kyungsoo diz sério–

Levantei-me e fui ao encontro de D.O que me esperava na porta, Kai deitou-se na cama e bufou alto como forma de insatisfação e, ele não era o único que estava insatisfeito com a interrupção de Kyungsoo. Enquanto era guiada pelo corredor de paredes com tons cinza, percebi que o clima estava totalmente pesado, tão estranho. Kyungsoo não deu nenhuma palavra comigo, apenas abriu uma porta qualquer e pediu para que eu entrasse e a fechou saindo logo em seguida.

 

(S/N), Sente-se –Suho disse–

Eu estava em uma sala, diria que um escritório, muito bem decorado por sinal. Ali estavam Suho, Xiumin e um outro homem que não conhecia, todos ali estavam bem vestidos e arrumados, menos eu, parecia mais um maltrapido com o pijama sujo e amassado e também tinha leve impressão que me rosto estava com um belo roxo.

Não quero me sentar, quero apenas ir para o hotel –falei frustrada com a situação–

(S/N) por favor, tente escutar

Não quero escutar nada de você! –disse em um tom rude–

Quando terminei de falar com Suho percebi que a sala ficou completamente silenciosa, o homem no qual não sabia o nome levantou-se do sofá e veio em minha direção, vi que Xiumin tentou impedir tal ação mas foi ignorado. Ele ajeitou seu casaco e seus olhos se encontravam com o meus, com uma mão ajeitou os cabelos tirando os fios que estavam caídos sobre sua testa. Sentia-me fraca, suava frio e meu coração estava a mil de ver aquele homem me encarar com tanta frieza.

Acho que você devia medir suas palavras, garota –me encara sério– Agora me ouça! Acha que somos idiotas? Acha que vamos deixar alguém sozinho por ai sabendo do nosso segredo? Olhe bem, até podemos ser animais mas de irracionais não temos nada

Kris –Xiumin chamou–

Você deve estar achando tudo isso um problema, né? –aproximou-se mais perto de mim– Se dependesse só de mim, você nem estaria mais aqui, se é que me entende –sussurrou, dando um sorriso maléfico em seguida–

KRIS! Sente-se agora –Suho ordenou–

Os olhos de Kris pegavam fogo podia sentir o ódio exalando do seu corpo, quando ele me deu as costas percebi que seus punhos estavam fechados de tanta raiva. Naquele momento eu só pensava na criatura que Suho tinha se transformado, meu corpo tremia e eu fiquei atordoada em pensar que Kris também poderia ter se transformado naquilo se não fosse pela interrupção de Suho.

(S/N), não posso deixar que retorne para o hotel sem supervisão. Eu não confio o suficiente em você e, como Kris disse, se quiséssemos resolver esse problema de outra forma já teríamos resolvido –Suho falou calmamente–

Ótimo! Agora serei obrigada a ter um cão de guarda ao meu lado –eu disse–

Suho, você tem certeza que ela não é um lobo mesmo? –Xiumin soltou um pequena risada–

Só me deixe ir para casa, eu prometo que não conto o segredinho de vocês. O que eu ganharia contando isso?

Dinheiro!? –Xiumin exclama–

Quem em pleno século XXI acreditaria em historias como essas? No mínimo irão me chamar de louca!

Quando disse aquilo para Xiumin vi um pequeno sorriso se formar de boca de Kris, por algum motivo aquilo me fez esquecer todo o ressentimento que eu sentia pelo mesmo.

Não importa, ainda não confio em você –Suho disse– Kai levara você até o hotel para arrumar suas coisas

Arrumar minhas coisas? Que!? –reclamei–

Você ira morar aqui

Aqui? –eu, Xiumin e Kris falamos surpresos–

Você está louco! Eu tenho trabalhos a fazer, eu tenho uma família e além de tudo eu nem moro aqui. Você é louco, sem chance! –olhei surpresa para o mesmo, que parecia calmo como uma pedra–

Jong-In abriu a porta sem nenhum aviso e balançando a chave do carro disse:

  —Vamos?

Eu não tive muito tempo para protestar pois fui “arrastada” por Jong-In, que segurou em meu pulso e me levou-me até a saída da casa. Na saída um lindo Jaguar XK120 estava a nossa espera, sofisticado e luxuoso igualmente ao dono, Jong-In como um belo filho da mãe que é abriu a porta do carro para que eu pudesse me acomodar, eu dei um sorrisinho falso como agradecimento. Eu não queria me dar o luxo de curtir tudo aquilo, porque realmente eu não deveria, estava com raiva de Jong-In, de Chen e de Suho além de tudo estava com raiva de mim mesma por ter me deixado levar por Jong-In naquela maldita noite.

O caminho foi totalmente silencioso, tirando o barulho do motor do carro e o vento. Na entrada do hotel pedi para Jong-In que esperasse, ele não protestou o que me deixou satisfeita por hora. Entrei no elevador fui até o andar onde se encontrava meu quarto e ele estava bagunçado como no primeiro dia, peguei meu amado celular e não tinham chamadas não atendidas mas algumas mensagens não lidas, respirei fundo tentando saber o que iria fazer. Não me importava se Jong-In estava esperando lá fora, eu me recusava morar na casa de um desconhecido, peguei o caderno com os desenhos e estavam impecáveis, eu estava orgulhosa com o trabalho que tinha feito.  Tirei minhas roupas e fui direto para o banheiro, estava imunda e não pretendia terminar aquele banho tão cedo.

Aquele maldito do D.O me deixou com um belo hematoma no rosto –falei comigo mesma ao olhar meu reflexo no espelho–

Passei alguns bons minutos com a água quente do chuveiro caindo em minhas costas até me enrolar em uma toalha e ir direto para o quarto, lá me deparo com Jong-In sentado na cama folheando meu caderno de desenhos.

O que faz aqui? Eu não pedi pra me esperar lá embaixo? E solte isso! – falei enquanto me aproximava do mesmo–

Tomei o caderno das mãos de Jong-In e o coloquei na bancada, quando senti um ar quente em meu ombro, era ele, estava atrás de mim me olhando por completo como se fosse me devorar, senti sua mão tocar minha cintura, sua boca tocar meu pescoço, seu corpo colar ao meu e sua voz sussurrar.

—Achou mesmo que não íamos terminar o que começamos hoje cedo? Tão inocente...

Agora de frente um para o outro iniciamos um beijo recheado de vontade, nossas línguas se tocavam com desejo, nossos corpos imploravam um pelo outro nós estávamos em chamas. Ainda com nossas bocas coladas, Jong-In nos conduziu até a cama e quando nos faltou ar separamos nossas bocas e nos encaramos, os olhos dele estavam avermelhados igual quando nos conhecemos, sua respiração pesava sobre meu corpo

Você fica tão melhor sem isso, (S/N) –Jong-In olhava para minha toalha–

Vai embora, Kai... –Eu o afastava com minha mão em seu peito–

Eu não conseguia encara-lo, sentia meu rosto queimar na verdade meu corpo por inteiro queimava

Você não quer isso, ou será que quer?

Jong-In roçou seu membro em minha intimidade e minha mão que ainda estava em seu peito apertou sua blusa com força. Minha reação ao sentir seu membro foi imediata, senti minha intimidade latejar, minha respiração ficar descontrolada, meu coração acelerado. Jong-In sorriu sacana ao perceber que ele estava certo, eu não queria que ele fosse embora pois ainda o queria dentro de mim.

Ele passou o polegar em seus lábios e foi em direção ao meu pescoço depositando pequenos beijos, ele começou a traçar um caminho de beijos até a minha toalha que, sem nenhuma delicadeza  foi arrancada do meu corpo. Ele olhava meu corpo como se tivesse a certeza que  ficava melhor sem a toalha, seus lábios foram diretamente para meu mamilo depositando chupões e mordidas que me faziam arfar, sua mão desceu até minha intimidade começando a excitá-la. Eu gemia e xiganva coisas que nem eu mesma entendia, minhas unhas arranhavam as costas de Jong-In e ele correspondia acelerando a entrada e saída dos seus dedos em minha intimidade

Por que esta tão molhada, (S/N)? Ainda nem começamos a brincar

J-Jong-In, seu maldito filho de uma puta...

Ele ri abafado e leva seu rosto em direção a minha intimidade, naquele momento senti meu fim se aproximar, Jong-In soprou um ar quente sobre meu sexo fazendo-me ter espasmos, sua língua me penetrava sem nenhuma pressa. Ele queria me torturar, queria me ver implorar por ele dentro de mim... E ele estava quase conseguindo

Pare de ser dura comigo, (S/N). Basta apenas dizer as duas palavrinhas mágicas –Jong-in ri–

E eu preciso mesmo, Jong-In? –falei enquanto o puxava pela gola camisa–

Mais uma vez estávamos bem próximos, iniciamos um beijo sedento de paixão nossas línguas dançavam em nossas bocas deixando tudo mais quente entre nós. Estávamos desesperados para termos um ao outro, com uma mão auxiliei Jong-In retirando sua camisa com a outra auxiliei a tirar sua calça, já estávamos completamente despidos na cama, nossas respirações entregavam a vontade que tínhamos um do outro. Kai fita meus olhos, seu olhar me penetrava profundamente

Você sabe o que eu quero... Diga pra mim, o que você quer? –falou enquanto colocava o preservativo–

Você sabe o que eu quero, seu desgraçado. Ahh Jong-in, eu quero você! Eu quero você agora –disse ofegante–

Jong-In me olhou com um sorriso sacana no rosto, e penetrou seu membro em minha intimidade me arrancando um gemido alto, ele estocava com força e rápido, nós dois gemíamos como loucos. Com uma mão ele massageava meu seio e com a outra transferia tapas em minha bunda, meus gemidos foram rapidamente abafados pelo seu beijo. Eu já estava entregue a ele, meu corpo era seu e seu corpo era meu, nós só queríamos curtir e curtimos muito.

Estávamos suados e sem ar, chegamos ao nosso ápice juntos nossos corpos se encontravam um ao outro assim como nossos olhos, eu podia ver o rosto suado de Jong-In sua respiração bagunçada, seu peito subia e descia com o intuito de acalmar sua respiração.

Um dia você ainda vai me matar –Disse Jong-In agora deitado ao meu lado–

Espero que quando você morra eu já esteja bem longe daqui, Jong-In

Ei! Já disse pra me chamar de Kai –Ele olhava com uma cara  de bravo, que logo sumiu quando ele deu um sorriso bobo–

Não demorou muito para cairmos no sono, estávamos exaustos e com razão. Era manhã quando meu sono foi interrompido por batidas na porta, eu e Jongin estávamos completamente despidos na cama imediatamente me cobri com uma toalha e joguei as cobertas sobre o corpo dele. Quando pus a mão na maçaneta da porta, lembrei-me de Josh e de que teria que enrola-lo na porta se quisesse que ele não visse Kai na cama.

(S/N), sua louca! Você adora sumir e deixar os outros preocupados não é? –Josh abraçou-me com um sorriso no rosto–

J-Josh, o que faz aqui? hehe –ri nervosa–

Como assim o que eu faço aqui? Te convidei pra sair, não lembra? Você vai né?

É.. É-é que... então –tentava encontrar algum argumento que não deixasse claro que tinha um homem na minha cama, e que não poderia ir por culpa disso–

É que estamos em lua de mel –Jongin fala com sorriso enorme na boca–

Jongin apareceu na porta sem nenhuma cerimônia, com tudo pra fora, do jeitinho que veio ao mundo. Pensei que Josh iria ter um infarto do tanto que seus olhos arregalaram ao ver Jongin nu, ele ficou pálido e suas pernas bambas, confesso que foi um pouco engraçado.

Jongin, seu filho da puta!

(S/N), pelos deuses! Mil perdões. Agora entendo porque enrolou... Então eu vou indo... é –Josh estava mais constrangido que eu, mas não conseguia parar de olhar para baixo–

Ei Josh!? Poderia levar esses desenhos para o Ateliê para serem confeccionados? –Kai se estica para entregar o caderno–

Ei! Não! –exclamei–

É claaaro, tudo pela (S/N) –Josh diz com um sorriso de orelha a orelha–

Bom, a (S/N) não poderá ir porque vai estar ocupada com a mudança, é que vamos nos mudar para nossa casa hoje

Cala boca, Kai. Eu tenho que mostrar isso primeiro para o diretor do M/V, devolve

Não precisa meu amor – Kai sorria sacana– Eu enviei as fotos dos seus desenhos para o e-mail da empresa enquanto você estava no banho, eles adoraram e pediram para confeccionar. Hehe, de nada! –passava a mão nos cabelos enquanto ria–

Que lindos! Bom, já vou indo então. BOA MUDANÇA! –Josh saiu correndo pelo corredor–

Pobre Josh, deixou ser enganado pela beleza dos lobos –eu disse–

Jongin imediatamente mudou sua postura e voz, quando disse que teríamos que ir embora imediatamente .Eu estava tão confusa, como ele pode mudar de um segundo pra outro assim?



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...