História The Stranger (Mark Tuan) - Capítulo 2


Escrita por: ~

Postado
Categorias Got7
Tags Imagine Mark Tuan, Você
Exibições 790
Palavras 2.154
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Romance e Novela
Avisos: Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Demorei um pouco, mas estou postando um bônus.
Obrigado pelo apoio, amores ❤

Capítulo 2 - Bônus: alguns messes...


Fanfic / Fanfiction The Stranger (Mark Tuan) - Capítulo 2 - Bônus: alguns messes...

- Vocês se conheceram em uma boate? - Nana pergunta boquiaberta, enquanto nos fita com os olhos arregalados.

- Pub, Nana - a corrijo, sentindo a mão de Mark segurar a minha e fazer uma leve pressão - E eu não vejo nada de mais nisso.

Fito o casal a minha frente; a minha melhor amiga parece surpresa com a minha lembrança de como conheci Mark - a três messes atrás - e claro que eu deixei a nossa maravilhosa transa em segredo. Nana não é nenhuma puritana, mas saber que eu fiz sexo com um estranho a faria desmaiar no chão da sua sala.

- Ela fica desse jeito porque eu demorei para a pedir em namoro - Shin, seu namorado olha de canto de olho para ela, que o da um tapa.

Deito a minha cabeça sobre o ombro de Mark e sinto o mesmo fazer um leve carinho em meus cabelos, que me faz fechar levemente os olhos, me sentindo cansada.

- Quer ir dormir? - sua voz baixa me faz abrir os olhos e levantar a cabeça, observando o moreno ao meu lado.

Aceno positivamente e deito novamente a cabeça em seu ombro, sentindo sua mão agarrada a minha. Seu perfume leve é a melhor coisa que eu já senti, depois da sua boca e do seu corpo, penso.

- (s/n) - Nana me chama - Eu preparei o quarto para vocês - sorri e eu retribuo o gesto, agradecida.

A minha cabeça dói um pouco por conta do álcool, mas eu me sinto bem ao lado das melhores pessoas que eu tive a oportunidade de conhecer.

Mark me ajuda a levantar do sofá enquanto Shin apaga todas as luzes da casa. Dou os primeiros passos e sinto os braços de Mark agarrarem a minha cintura, me guiando até a escada.

Solto uma risada silenciosa quando sinto o moreno plantar um beijo no meu pescoço, tentando me conter para não chamar a atenção de Nana e de Shin logo a nossa frente.

O corredor esta escuro e o único som que é escutado são as nossas respirações baixas.

- Temos duas opções - Nana diz ao chegarmos no andar de cima da sua casa - O sofá ou o colchão de água - a mesma faz uma careta quando vê Mark me abraçando por trás.

Um pouco envergonhado, Mark se afasta mas eu trato de o puxar para perto e abraçar sua cintura, sentindo sua barriga malhada coberta pelo seu moletom.

- Eu nunca dormi num colchão de água - comento enquanto damos alguns passos até o quarto.

- É ótimo - Shin comenta antes de abrir a porta do seu quarto, de frente ao nosso - Boa noite - acena com a cabeça antes de sumir dentro do cômodo.

Nana arruma o grande colchão no chão, estendendo um pequeno lençol e desdobrando o cobertor encima do mesmo.

- Durmam bem - a loira se aproxima de mim e planta um beijo na minha bochecha, acenando logo em seguida para Mark, fechando a porta ao sair do quarto.

O espaço é frio e grande, mas o calor do corpo de Mark perto do meu me faz esquecer de qualquer temperatura que possa nos atrapalhar.

Novamente seu corpo gruda no meu e eu sinto seus músculos duros contra as minhas costas.

- Vamos dormir - sussurra enquanto planta um beijo no meu pescoço.

Começo a andar em direção a cama e Mark desliga a luz, deixando o quarto pouco iluminado apenas com a luz que entra da grande janela.

Me aproximo da cama no meio do quarto vazio e me ajoelho, engatinhando até chegar ao outro lado. Retiro o meu tênis e fico apenas de meia, deixando-o ao lado da cama.

Cubro meu corpo com o edredom macio e vejo Mark se enfiar dentro do mesmo. A sensação de leveza é deliciosa e o leve barulho da agua me traz uma sensação boa.

- É um pouco frio - comenta enquanto passa o seu braço pela minha cintura, um mínimo movimento que faz o colchão se mexer.

O seu rosto esta perto do meu e a sua respiração quente bate contra a minha. Mesmo no escuro, eu forço a minha visão para poder enxergar melhor o rosto do meu namorado; seus olhos me fitam intensamente e a sua boca me parece ainda mais tentadora.

- Você ainda se lembraria de mim se eu não tivesse deixado o meu numero com Jackson?

A minha pergunta é aleatória e é algo que durante os últimos messes eu tenho me perguntado.

Eu teria tanta importância se não tivesse dado o primeiro passo e mostrado algum interesse por Mark?

Mas numa esperança de receber a sua resposta, a minha boca é pega de surpresa por um beijo que afastar qualquer pensamento que passe pela minha mente.

Mark não começa com delicadeza. E eu gosto disso. Sua boca é firme e exigente. É romântico, é real. Sua língua explora cada canto da minha boca e algo torna os movimentos da sua língua atrevidos, como sempre. A cada beijo, uma sensação diferente. É como saborear algo que eu tenho certeza ser proibido.

- Acho que isso responde a sua pergunta - desgruda os nossos lábios e mordisca de leve o meu lábio inferior.

Sussurro um "uhum" baixo, invertendo os nossos papéis. Geralmente Mark é quem não costuma falar, sempre optando pelas ações ao invés de estender suas palavras.

Suas mãos se abaixam e agarram minha cintura com mais força, me obrigando a deixar com que o meu corpo seja puxado de encontro ao seu, acabando com qualquer espaço entre nós.

- Você quer agora? - sussurro contra sua boca, plantando um pequeno selinho nos lábios macios e passando com a ponta dos meus dedos em seus cabelos sedosos.

Sem respostas, Mark ataca minha boca e eu confirmo o que ele quer. O meu corpo.

Seu corpo rapidamente cobre o meu e os seus lábios descem até o meu pescoço, dando algumas lambidas molhadas pelo local,  assoprando-o logo em seguida, fazendo o meu interior se revirar e um tremor passar por todo o meu corpo.

Agarro seus cabelos e sinto o seu beijo se abaixar até os meus seios cobertos. Suas mãos levantam a blusa de frio e a jogam em algum lugar do quarto, mas não me preocupo com isso. De volta aos meus seios cobertos, agora somente pela blusa fina de alcinhas, a sua língua molha o bico do meu seio esquerdo, lambuzando a minha blusa antes de ir para o outro e morder o mesmo, me fazendo suspirar e agarrar seus cabelos.

- Mark - digo baixo, sentindo seu corpo se abaixar e as suas mãos subirem a minha blusa até meus seios.

Ele não a tira e meus seios sustentam a blusa levantada, dando total acesso para Mark observar meus seios duros. Seu olhar percorre os mesmos e volta aos meus olhos; lentamente ele abaixa a sua cabeça e da uma única lambida no bico do meu seio. Tento conter o gemido com a cena erótica, mas é quase impossível.

Sua boca da pequenos beijos na minha barriga e eu seguro o lençol entre meus dedos, sentindo cada parte do meu corpo queimar.

Seus dedos habilidosos desabotoam meu shorts jeans, que logo toma o mesmo fim da blusa de frio.

Minha calcinha esta molhada e somente uma coisa pode me aliviar no momento. Mas em seu olhar, posso ver que Mark quer brincar, mesmo sabendo que podemos ser pegos a qualquer momento. E isso parece o excitar.

Abaixando lentamente seu corpo, sua boca esta tentadoramente perto da minha intimidade coberta. Forço meu corpo para baixo e Mark sorri ao perceber que ao contrário dele, eu estou sem vontade alguma de brincar.

- Calma - morde os lábios e pisca para mim.

Ele coloca a sua língua para fora e ameaça encosta-la na minha intimidade, fazendo o meu interior se revirar com a visão de Mark.

Agarro o lençol e jogo a minha cabeça para trás, sentindo a primeira lambida por cima da calcinha, que a esta hora deve estar encharcada.

Uma, duas, três. Essas são as vezes que o meu clitóris é estimulado e sem poder me conter, agarro seus cabelos, agora escuros, e o puxo contra a minha intimidade.

Suas mãos colocam a calcinha para o lado e eu mordo os lábios para não gritar quando sinto o contato real da sua boca. É molhado e rápido, tudo o que eu preciso agora.

Meu ponto sensível é estimulado por varias vezes e eu sinto o meu ventre tremer com o contato, cada vez mais rápido e forte.

- Isso, Mark - agarro seus cabelos com mais força e abro a boca para não soltar um gemido alto - Por favor...

Antes que eu possa terminar a minha frase e libertar toda a tensão formada dentro de mim, sua língua me abandona e eu solto um gemido alto, sentindo o meu coração batendo forte contra o peito e a minha respiração rápida.

- Quero que você goze no meu pau - sobe meu corpo e se ajoelha no meio das minhas pernas.

Mark não costumar falar durante o sexo, somente seus gemidos são ouvidos, mas quando ele decide dizer o que realmente quer e o que sente, é o ponto alto do ato. Sua voz muda e me traz novas sensações. E eu realmente gosto disso.

Tirando a sua camisa, Mark a joga para o lado e eu sinto o colchão de agua se mexer conforme ele se mexe para desabotoar sua calça.

Mordo os lábios quando vejo o seu membro duro para fora e eu sinto que posso gozar apenas com essa visão.

Seus dedos passeiam por seu membro grosso e cheio de veias, enquanto seus olhos se mantém fixos nos meus seios.

Olho em seus olhos e levo as minhas mãos até meus seios, apertando-os de leve e gemendo baixinho, sentindo seu olhar queimar a minha pele exposta e subir até meu rosto.

- Você gosta disso? - abaixo o meu olhar e fito a sua mão, que aperta seu grande membro.

Seu corpo logo esta contra o meu e seus lábios atacando ferozmente os meus enquanto seu membro duro roça na minha entrada, fazendo pequenas ondas elétricas correrem pelo meu corpo.

Sem esperar que eu peça e implore para ter seu membro dentro de mim, Mark movimenta seu quadril e seu pau entra dentro da minha intimidade com força. Fecho os olhos e dou um gemido, abafado pela sua boca colada na minha.

- Estou te machucando? - pergunta com a sua testa colada na minha.

Nego e mecho o meu quadril para baixo, querendo que ele comece a se movimentar e ir fundo.

Mark percebe o que eu quero e tira seu membro de dentro de mim, o enfiando logo em seguida e repetindo a ação.

O atrito dos nossos corpos faz com que o colchão de água se movimente e faça um pequeno barulho, mas nada que chame muita atenção para nós e o que estamos fazendo.

Abraço seus ombros e cravo as minhas unhas em suas costas, sentindo seus músculos tensionados.

Seu rosto paira sobre o meu e seus dentes puxam meu lábio, chupando-o e sorrindo ao solta-lo, satisfeito com a minha expressão prazerosa.

Fecho meus olhos e mordo os lábios, sentindo um tremor passear por meu corpo, que arde e queima com os movimentos de Mark. Minha intimidade o aperta e eu sinto a mesma sensível a cada estocada de seu membro, que parece crescer e engrossar com o meu aperto.

- Porra - diz entre os dentes e planta um selinho nos meus lábios - Assim, aperta.

Abro a boca e tento buscar mais ar ao sentir o orgasmo me atingir. Não é algo rápido. Ele se prolonga conforme Mark continua a se movimentar e respirar contra o meu pescoço.

Ao mesmo tempo, sinto um liquido quente me preencher e eu afrouxo o aperto dos meus braços em seu pescoço, sentindo os seus músculos relaxarem.

- (s/n) - a voz de Nana me tira dos pensamentos e eu levanto a cabeça, um pouco atordoada pelo orgasmo - Querem mais cobertor? - pergunta do outro lado da porta.

Deito novamente a cabeça e fito Mark, que detém um sorriso nos lábios, como se já soubesse o que estou pensando.

- Não precisamos, Nana - digo e sinto Mark abaixar a sua cabeça e voltar a lamber meu pescoço, levemente molhado pelo suor.

A loira diz um "boa noite" e eu ouço seus passos se afastarem da porta.

- Quer que eu te esquente um pouco mais? - sobe seu rosto e roça nossos lábios, olhando no fundo dos meus olhos.

Desço a minha mão pelo seu abdômen forte e agarro seu membro, que já começa a ficar duro novamente.

- O que você acha de eu te esquentar primeiro? - levanto a sobrancelha e abro um sorriso.


Notas Finais


Me desculpem se houver algum erro ❤
Já estou preparando o bônus do imagine do Rap Monster ❤
Obrigadooo 😘


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...