História Imagine Hot Justin Bieber 2 - Capítulo 3


Escrita por: ~

Postado
Categorias Charlotte Crosby, Chaz Somers, Christian Beadles, Justin Bieber, Ryan Butler
Personagens Charlotte Crosby, Chaz Somers, Christian Beadles, Justin Bieber, Ryan Butler
Tags Amor, Drogas, Justin Bieber, Sexo
Exibições 278
Palavras 2.069
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Colegial, Crossover, Drama (Tragédia), Escolar, Famí­lia, Festa, Luta, Policial, Romance e Novela, Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Drogas, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Hello Hello, espero que gostem do capítulo.
Sorry por algum erro encontrado, i'm human babys.
Boa leitura e beijos 😙😙

Capítulo 3 - 3


      Atlanta- Georgia 8:50 Fev 
                           POV JB

Eu ainda estava com o meu plano de construir a casa com Holly, estava tudo dando certo. Porém os caras queriam me matar, eu tava pouco me fodendo.

Angel estava com febre, e nesse caso não foi para a o colégio. Charlotte saiu cedo para trabalhar, eu mesmo fui levar ela. 
-- Está tudo bem Justin? 
-- O que? Eu estava inerte em meus pensamentos, pensando em como a casa estava ficando.
-- Perguntei se está tudo bem? 
-- Está, claro que está. -- Por que não estaria? Sorri de lado.
-- Você está estranho.
-- Impressão sua amor. Peguei sua mão e beijei a mesma!
-- Jantar hoje a noite? Ela sorriu.
-- Claro, passo aqui pra te buscar. Antes dela sair dei um beijo apaixonado nela, que a fez ficar sem ar.
-- Tenha um Bom Dia Justin.
-- Você também. Assim que ela entrou na loja, sai cantando pneu pela rua, fui direto na minha nova casa.

                   POV Holly 

São poucos que tem o privilégio de conhecer e ficar um tempo com Justin, e graças a Deus eu estou tendo esse privilégio. E estou aproveitando ao máximo!
A casa estava quase pronta, os móveis estavam sendo colocados em seus devidos lugares. A casa é bem grande, continha 6 quartos todos eram suítes. Sala bem grande, cozinha gigante para que coubesse toda a família e amigos, sala de jogos e muito mais.

Muitos homens entravam e saíam da casa, eu estava no quarto principal. Eu queria que o quarto ficasse perfeito, igual aos quartos de filme/novela.
Fui surpreendida por uma voz reconhecida, era Justin. 
Ele sorriu ao me ver, eu sorri também.
-- Como está as coisas por aqui? Ele falou com a mão em minha cintura.
-- Tudo correndo bem, o quarto está ficando lindo não? Me afastei dele e andei pelo quarto.
-- Está ficando perfeito... -- Quando a casa fica pronta? 
-- Digamos que hoje à noite se tudo ocorrer bem.
-- Maravilha, boa falamos mais tarde. -- Tudo bem?
-- Claro. Me despedi de Justin e continuei ali, dando ordens e organizando algumas coisas.

              POV Charlotte 

-- Estranho como? As meninas perguntaram em coro.
-- Eu não sei direito, ele anda pensativo demais cochichando pelos cantos da casa.
-- Relaxa amiga, deve ser mais um dos problemas com os garotos ou sei lá. Kendra falou sorrindo!
-- Será? Falei com a voz de choro. Eu tinha tanto medo de perder o Justin, eu o amo tanto que me assusta.
-- E sobre aquele assunto da Holly? Vanessa perguntou receosa.
-- Bom, faz um tempinho que não a vejo, e espero continuar assim.
-- Ela é uma mulher bonita, mas duvido que Justin esteja com ela amiga. Ele te ama!
-- Será que ama mesmo? Nos mal fazemos sexo, será que ele está apenas comendo ela é mais nada? 
-- Cala boca e vamos trabalhar. Alexis revirou os olhos e se sentou em sua mesa, Vanessa e Kendra foram lá para baixo. 

Durante o dia, liguei varias e varias vezes para a babá de Angel. Ela acordou com febre, e eu acredito que seja pelo que seu querido pai disse a ela alguns dias atras sobre o tal "namorado", aquilo era tão engraçado.
 Conforme o tempo foi passando, a loja foi ficando vazia. Isso raramente acontecia, eram tantas noivas desesperadas por um vestido perfeito, que me deixavam louca.

Kendra e Vanessa foram embora juntas, ficou apenas eu e Alexis na loja, mas não demorou muito para que Ryan fosse a buscar. Era 18:50 e Justin não tinha aparecido ainda, eu não iria ligar para ele. Resolvi fechar a loja, estava destruída de costas fechando o caixa, qua do sinto duas mãos em minha cintura. Sorri de lado, achando que era Justin. Mas quando olhei para o braço e não vi nenhum vestígio de tatuagem no mesmo, me afastei rapidamente. Um cara muito alto, moreno dos olhos escuros me olhava sem pudor algum.
-- Oi gracinha. Ele se aproximou mais e eu fui para trás do caixa imediatamente, eu tinha duas opções.
1: Dar todo o dinheiro do caixa para ele. (Tinha uma boa quantia ali)
2: Acionar o alarme de segurança, assim talvez ele fugisse.
-- Me deixa em paz. Falei com lágrimas já brotando em meus olhos.
-- Vamos nos divertir um pouquinho. Ele ergueu sua camisa, e eu pude ver uma arma em sua cintura, me encostei na parede pedindo a Deus que Justin chegasse o mais rápido possível.

Não sabia quanto tempo havia se passado, mas eu estava travando uma pela batalha para que aquele cara não fizesse nada comigo. Eu estava com marcas roxas bem visíveis no meu corpo, meu rosto estava vermelho pelos tapas que aquele cobarde havia me dado.
Ouvi uma buzina, e meu coração disparou, podia ser Justin. 

                     POV JB

Eu me atrasei pra caralho por ter passado na minha nova casa, Holly estava lá ainda, estava a minha espera. 
Porém eu disse que iria jantar com Charlotte e depois voltaria para a nova casa, ela apenas conrdouo feliz.
Estava um pouco de trânsito, afinal era sexta feira, todos estavam loucos para chegarem em suas casas e descansarem depois de um longo dia de trabalho.
Parei minha Range Rover em frente à loja e buzinei, a luz do andar de cima estava apagada, porém a de baixo estava acessa. Esperei por alguns minutos dentro do carro, e Charlotte não apareceu.
Achei estranho, então desci do carro e entrei na loja.
-- Charlotte? Chamei seu nome e não obtive resposta.
-- JUSTIN. Ouvi seu grito do andar de cima, subi as escadas rapidamente e vi que a mesma estava trancada na sala de vidro, ela estava machucada.
-- JUSTIN CUIDADO. Ela gritou, mas foi tarde. Fui surpreendido por um soco no rosto, fiquei meio tonto, mas me recompus. 

Eu joguei aquele filho da puta contra a parede de vidro da sala em que Charlotte Charlotte estava press, não dei tempo para que ele levantasse. Subi em cima dele e comecei a desferir socos em seu rosto, por um instante me permiti olhar para Charlotte. Precisava saber se ela estava ferida, pois o cara estava armado, e graças a Deus ela estava bem. 
O cara se debatia em baixo de mim tentando me colocar por baixar, mas eu estava no controle da situação. Charlotte sabia o que eu tinha que fazer, e ela tampou os olhos. Assim que eu atirei no cara, ela deu um pulo pelo susto. 

Guardei a arma em minha cintura e caminhei em passos rápidos até Charlotte, ela estava chorando e seu rosto estava machucado.
-- Ei, vai ficar tudo bem. Abracei ela enquanto a mesma não parava de chorar.
-- Como tudo isso aconteceu? 
-- Vanessa e Kendra foram embora, assim ficando apenas eu e Alexis. Mas Ryan veio buscar Ela, e eu continuei esperando você, mas você demorou e eu achei que não viria mais. Resolvi então fechar a loja, senti mão em minha cintura e achei que era você, mas não havia nenhuma tatuagem em seu braço e tão eu me afastei do cara.

Charlotte me contou tudo o que aconteceu, e de certo modo eu me senti culpado pra caralho. Estávamos saindo da loja mas ouvimos um celular tocar, era do cara que estava morto. Me desvencilhei de Charlotte e fui pegar o celular, tinha uma mensagem no mesmo.

Isso é apenas o começo, se prepare que tem mais por vir.

Que merda era tudo isso? Não disse nada a Charlotte, fomos para o carro eu logo liguei para os caras irem limpar toda aquela bagunça que eu havia feito. 
[...]
-- Holly? -- Mandem fechar, eu não irei hoje, tive um imprevisto.
-- Tudo bem Justin, irei o fazer.

Charlotte me olhava de soslaio, ela odiava Holly.
-- Bieber?
-- Hum?
-- Me diga a verdade.
-- De novo esse assunto?
-- Justin, eu não estou brincando, está ou não ficando com ela?
-- Já disse que não.
-- Eu vou entender se estiver, eu sei que não estamos fazendo sexo com frequência. Não deixei ela terminar de falar!
-- O que? -- Acha mesmo que vou te trair por sexo? Qual é Charlotte.
-- É sério Justin Drew Bieber.
-- Quer realmente saber a verdade? Ela assentiu com a cabeça, mas eu pude ver vestígios de choro em seus olhos.
Vou te levar para casa, depois você irá saber o real motivo de todos esse meu estranhamento.

            POV Charlotte 

Meu final de noite foi um verdadeiro desastre, tinha tudo para dar certo, mas acabou dando errado.
Quando Justin e eu chegamos em casa, já era tarde. Eu estava em um estado deplorável, Angel estava jantando com Judite na cozinha.
-- Mamãe. Ela levantou da cadeira e veio correndo me abraçar.
-- Oi meu amor, você está melhor?
-- Sim, mamãe. -- Por que você está dodói? Angel começou a colocar seu definho indicador em todas as marcas em meu corpo que se era possível ver.
-- Não é nada meu amor, jaja vai sarar. Sorri para ela tentando tranquiliza-la. 
-- Papai? -- Beija aqui pra salar. Angel falou sorrindo.
Justin olhou para ela, e logo em seguida para mim. Ele se aproximou e começou a beijar meu rosto, beijou cada marca que havia ali. Depois começou a beijar minha mão. 
-- Vá tomar banho sairemos em breve. Justin falou com angel em seu colo.
Subi rapidamente as escadas e fui para o nosso quarto, eu não sabia o que vestir. Mesmo estando com marcas no corpo, não me importei em colocar um vestido. Lavei meu cabelo e o deixei solto, não passei maquiagem, apenas hidratante no corpo. Peguei meu celular e desci as escadas, fui até a cozinha e já estava tudo arrumado. Ouvi a voz de Justin e angel no escritório...
-- Você ama ela papai?
-- Claro que amo, ela é tudo para mim.
-- E eu? Angel fez uma voz de ofendida, o que ficou engraçado.
-- Você é minha princesa. 
-- Estou pronta. Entrei no escritório sem bates na porta, Justin odiava isso.
-- Então vamos, vá dormir meu amor. Justin beijou sua testa e levou ela até a baba.

---
Justin fazia um caminhos desconhecido por mim, ficamos na estrada por volta de 1 hora. Eu estava curiosa, mas Justin não dizia nada quando eu lhe perguntava onde estava me levando.
O carro foi parando aos poucos, estávamos em um bairro chique, mas com poucas casas. Mas às que tinham eram lindas, lindas de verdade.
-- Chegamos. Justin desceu do carro eu também desci. Ele pegou em minha mão e me guiou para dentro de uma casa que eu não conhecia, havia uma pessoa parada na porta da casa. Forcei minha vista e pude ver quem era, Holly. Soltei minha mão da do Justin em um puxão, ele me olhou feio. Porém continuamos andar.
-- Boa noite Justin. Holly beijou Justin na bochecha.
-- Boa Noite Holly, tudo pronto por aqui.
-- Sim, tudo pronto com nossa casa.
-- Boa noite Charlotte. Ela sorriu de canto para mim, porém não a respondi.
Como assim, NOSSA CASA? Meu subconsciente gritou.
Ela abriu grande a porta da casa, e eu me deparei com uma linda sala de estar. Eu estava sem entender absolutamente nada daquilo, mas Justin tratou de me explicar.
-- Bom, você estava pensando tantas coisas sobre mim, não?
-- Ainda estou. Falei seria.
-- Certo, pode parar de pensar. -- Todo esse tempo em que eu estalava estranho, eu estava preparando isso para nós.
-- Essa casa? Arregalei os olhos.
-- Sim, ele sorriu de lado. Ouvi a risadinha de Holly, tinha esquecido que ela estava ali.
-- Charlotte, eu sei que você pensou muitas coisas de mim. Mas todo esse tempo que passei com Justin foi apenas por um motivo, trabalho. Nada além disso.
-- Droga. Falei baixo para que apenas eu pudesse ouvir.
-- Me desculpe Okay? Holly sorriu para mim e se despediu. 
-- Você estragou a surpresa, mas eu não aguentava mais ver você desconfiando de mim.
-- Ah Justin, eu sinto muito. Abracei ele com força.
-- Tudo bem.. Eu te amo e nada vai mudar isso.
-- Obrigada, eu te amo.
-- Feliz aniversário muito adiantado. Eu comecei a rir e o beijei.

Todo esse tempo eu estava enganada, esse homem, esse belo homem me ama. E eu o amo também!


Notas Finais


Eai gostaram? Se sim, comentem :))


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...