História IMAGINE J-Hope - REGRAS QUEBRADAS (segunda temporada) - Capítulo 22


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS), EXO, Got7, Monsta X
Personagens J-hope, Personagens Originais, Suga
Tags Bangtan Boys, Exo, Got7, Imagine, Monsta X
Visualizações 69
Palavras 1.069
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Bishoujo, Colegial, Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Escolar, Hentai, Romance e Novela, Saga, Shoujo (Romântico), Violência
Avisos: Álcool, Drogas, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 22 - Pegação número 3



POV - GABY
Pela primeira vez na vida, não estou com raiva de Fran por me fazer sair de casa no meu aniversário. Queria evitar festa e ficar em casa, mas ela me tentou com o filme do Jason Statham.
Somos amigas a tempo o bastante para Fran conhecer todos os meus pontos fracos — e explorá-los a todo custo.
Mas devo a ela um favor e tanto por usar Statham como isca esta noite, do contrário, não estaria sentada com Hoseok.
Em todo caso, ainda não sei o que acho dele. Hoseok não deixou a melhor primeira impressão quando fugiu do meu alojamento, mas não posso negar que a segunda aparição foi um sucesso, em termos de orgasmo. Então acho que tenho um pró e um contra, por enquanto.
Ou melhor, dois prós — porque, no meio do filme, ele me beijou.
E não é um beijinho. Nem uma carícia prolongada. É um beijaço quente e de língua que faz meu coração bater acelerado e tão alto que encobre o som das explosões na tela. Eu me perco naqueles lábios, nele, no carinho habilidoso da sua língua e no calor da mão que envolve meu pescoço.
É só quando ouço as risadas dos caras do meu lado que me lembro de onde estamos. Me afasto, sem jeito, e o olhar de pálpebras pesadas de Hoseok repousa em minha boca, que está molhada e inchada.
Ele se aproxima. “Em uma escala de um a dez, quanto você se importa de perder alguns minutos do filme?”
Penso por um instante. “Dois?”
“Que bom.”
Ele me coloca de pé. Como estamos bem no corredor, não temos que passar na frente de ninguém, poupando todo mundo daquele terrível “Desculpa, com licença” horroroso. De mãos dadas, descemos os degraus na ponta dos pés. Vejo Namjoon e Fran nas fileiras da frente, mas nenhum dos dois percebe nossa fuga.
“Aonde a gente está indo?”, sussurro.
Sua resposta se resume a um sorriso malicioso. Ele me leva para o corredor escuro em direção às portas da sala, mas, em vez de sair, vira à esquerda e gira a maçaneta de uma porta que eu nem tinha percebido que existia.
Estamos num depósito. É escuro como breu e cheira a material de limpeza, mas, de repente, o corpo de Hoseok pressiona o meu, e tudo o que consigo sentir é o seu cheiro. Suspiro quando sua boca cobre a minha, porque não vi o beijo chegando. Na verdade, não consigo ver nada. Mas pode ter certeza de que sinto. Os músculos rígidos do peito de Hoseok, tensos sob a camisa de manga comprida. A insistência sedutora de sua língua, deslizando por meus lábios entreabertos e enchendo minha boca.
Passo os braços por seu pescoço e correspondo ao beijo ansiosamente. Num piscar de olhos, ele me recosta contra a parede e enfia a coxa entre minhas pernas. O contato inesperado desencadeia uma onda instantânea de excitação que me domina por completo.
Hoseok me beija com uma vontade insaciável, chupando minha língua como se fosse bala. Então segura minha bunda e me puxa mais para perto, esfregando nossos corpos um no outro.
“Queria poder comer você aqui.” Ele rosna as palavras contra meu pescoço antes de afundar os dentes nele, causando uma pontada de dor que imediatamente suaviza com a língua.
Não tinha percebido que meu pescoço tinha tantas terminações nervosas. Estou pegando fogo, cada centímetro de pele formigando com o toque dele, se arrepiando cada vez que seus lábios viajam por minha carne febril.
Meu clitóris incha, dói, e a tensão entre minhas pernas cresce cada vez mais, até que estou desavergonhadamente me esfregando em sua coxa, numa tentativa desesperada de me aliviar. Nunca fiz isso antes, e a noção de que qualquer um poderia entrar e nos pegar aqui é tão emocionante que meus quadris se movem mais depressa, desejando o atrito.
“Ah, linda, faz mais, vai?”, murmura ele. “Fica se esfregando em mim.”
Minha. Nossa.
Esse tipo de papo para mim é… novidade. E excitante. Estou com tanto tesão que nem consigo formular pensamentos coerentes.
Ele faz um caminho de beijos por minha pele até chegar à minha boca, enfiando então a língua bem fundo, imitando os movimentos dos quadris. Se, há uma semana, alguém tivesse dito que Jung Hoseok estaria me agarrando num depósito de cinema, eu teria morrido de tanto rir.
Mas aqui estamos, e é bom demais. Meu clitóris pulsa cada vez que o fecho da calça dele o pressiona. Ou estou interpretando completamente errado o formigamento louco dentro de mim, ou…acho até que posso gozar assim. De roupa, apenas pelo contato de sua coxa… É, estou quase lá.
Um ruído desesperado escapa da minha boca, mas é imediatamente engolido por outro beijo faminto de Hoseok, que balança os quadris com mais força, mais rápido, até o prazer contido em mim explodir numa onda de pura felicidade que me atravessa, comprimindo meus dedos e me fazendo contorcer os pés.
Hoseok deixa a cabeça cair na curva do meu pescoço e solta um grunhido baixo. Ele respira com dificuldade contra a minha pele, enquanto todo o seu corpo treme.
“Porra. Isso foi demais”, ele murmura, alguns segundos mais tarde.
Seus braços me envolvem, me apertando com força contra o peito forte, à medida que nós dois nos recuperamos, ambos com a respiração ofegante e o coração batendo em uníssono. Um minuto inteiro se passa, até que ele me solta e se afasta.
Meus olhos se ajustaram à escuridão, e o vejo pegar uns guardanapos de uma pilha, numa das prateleiras mais próximas. Ele enfia a mão nas calças, depois tira o guardanapo amassado e joga na lata de lixo perto da porta.
Em seguida, está de volta e, com a boca junto ao meu ouvido, diz, com a voz rouca: “Feliz aniversário”.
Começo a rir. Não tenho ideia do motivo, mas é tudo tão surreal que me pego tremendo, o que provoca uma gargalhada profunda dele.
“Obrigada”, respondo, entre risos.
Seus lábios roçam os meus por um breve momento, e então ele pega minha mão e me leva até a porta. Hoseok faz uma pausa diante dela, curvando-se galantemente antes de abrir para mim. “Depois de você, linda.”
Ah, merda. Essas quatro palavrinhas derretem meu coração, transformando tudo numa maçaroca quente e grudenta dentro do meu peito.
Pelo menos agora sei como me sinto a respeito disso tudo.
Acho que posso estar gostando dele. Bastante.


Notas Finais


sim eu adoro essas pegaçoes kkk scr


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...