História Imortal - Capítulo 2


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags Cartas, Confissão, Desaparecidos, Dor, Drama, História Real, Histórias, Horror, Medo, Paranormal, Policial, Reais, Sentimento, Sobrenatural, Terror, Testemunha, Vingança
Visualizações 178
Palavras 4.693
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Artes Marciais, Aventura, Bishoujo, Bishounen, Colegial, Comédia, Crossover, Drabble, Drabs, Drama (Tragédia), Droubble, Ecchi, Escolar, Esporte, Famí­lia, Fantasia, FemmeSlash, Festa, Ficção, Ficção Científica, Fluffy, Harem, Hentai, Josei, Kodomo, Lemon, Lírica, Luta, Magia, Mecha, Mistério, Misticismo, Musical (Songfic), Orange, Poesias, Policial, Romance e Novela, Saga, Sci-Fi, Seinen, Shonen-Ai, Shoujo (Romântico), Shoujo-Ai, Shounen, Slash, Sobrenatural, Steampunk, Super Power, Super Sentai, Survival, Suspense, Terror e Horror, Universo Alternativo, Violência, Visual Novel, Yaoi
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Canibalismo, Drogas, Estupro, Gravidez Masculina (MPreg), Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Intersexualidade (G!P), Mutilação, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Spoilers, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


Ok eu ja voltei ^^

Gente obrigado a todos que favoritaram e comentaram a história, e por favor indiquem a história para mais gente pois isso me ajudaria ^^

Vamos lá, coneversar sobre os pedidos, todo mundo que pediu alguma coisa, personagem ou algum acontecimento na fanfic eu adicionei ja nesse capítulo então... espero que gostem ok? E se quiserem mais alguma cena ou qualquer coisa que queiram ver na historia comentem lá em baixo que no próximo eu farei, a história é sim de vocês e vocês podem mudar tudo nela :D

E pra quem não entender o que acontecer, no capítulo 30 terá um resumão de toda a história para assim chegar no final então comentem por favor, indiquem para outros leitores e apoiem a história ok? Então é só isso e desculpa se tiver qualquer erro no capítulo!


~Boa leitura~

Capítulo 2 - Amigo ou inimigo?


*Rafael On*

Acordei cedo como em todos os outros dias, me levantei e olhei pela janela o céu, escuro e a chuva começava a cair lentamente, o dia estava cinza e não havia sol para iluminar nada, a única luz naquela manhã era a dos trovões fortes que clareavam o céu chuvoso, deixei aqueles pensamentos e me afastei da janela, pois sabia que o hoje o dia seria cheio para nós, sim isso mesmo, para todos nós.

Tomei um banho rápido e em seguida desci para pegar alguma coisa para comer e durante o caminho percebi o quanto a casa estava suja, e também o quanto as coisas realmentes estavam difíceis para mim naquela manhã, peguei alguns ovos na geladeira e todos caíram no chão, enquanto limpava aquela bagunça, a panela no fogão ligado pegou fogo então logo a coloquei debaixo da torneira ligada.

Bom parece mesmo que hoje não é um dia tão bom assim, pensei me sentando a mesa enquanto tomava um pouco de chá, escutei alguém descendo as escadas e logo o vi entrar na cozinha.

Steve: -O que aconteceu com o dia hoje?- perguntou ligando o interruptor na parade.

-Nada e estamos sem energia, deve ter dado alguma falha por causa da chuva ou sei lá o que.-

-Eu tomei um banho espero que não se importe.- disse ele se sentando enquanto eu apenas o observava tentando desvendar que pensamentos rondavam aquela cabeça cheia de cabelos bagunçados.

-Não esquenta com isso, você sabe cozinhar?- perguntei me levantando e indo até a geladeira.

-Sei um pouco.-

-Então se quisesse poderia fazer um café da manhã pra gente  não é?- Me virei para ele que já me olhava fixamente, mas desviou o olhar assim que virei.

-Sim.-

-E você quer?- perguntei me sentando enquanto Steve ainda continuava me olhando como se pudesse ver a minha alma.

-Quero o que mesmo?- perguntou ele.

-Cozinhar, sabe? Fogão... panelas, e um grande café da manhã.- falei sorrindo e ele sorriu envergonhado.

-Eu vou fazer mas quero saber de você.- disse ele se levantando e pegando algumas coisas na geladeira.

-O que deseja saber?- perguntei rindo.

-De onde você veio? Cadê sua família? Quem é realmente você? Você sabe... coisas básicas.- respondeu rindo.

-Bom.. eu tenho uma família mas precisei sair de preto deles depois que algo ruim aconteceu, morei parte da minha vida em NY e com dezesseis anos sai de casa, deixando assim todos aqueles que ainda levavam meu sangue, então me mudei pra cá e ralei muito para me tornar policial então... é basicamente isso até agora.-

-E porque saiu de casa tão cedo?-

-Porque sem querer eu acabei descobrindo algo sobre meu passado que mudou minha vida, então eu tive que me mudar e deixar tudo para trás.-

-As vezes é difícil deixar algumas coisas para trás pois elas vão estar sempre com você, enquanto você for você entende?- perguntou Steve me olhando.

-Sim mas que tipo de coisas?-

-As ruins é claro, as boas a gente sempre leva em nossos corações. -

-Talvez não seja tão ruim assim, já pensou que tudo o que você teve que passar te ajudou chegar até aqui? e que você precisa disso para estar vivo.-

-Não porque eu preferia estar morto, afinal qual a diferença entre estar vivo ou morto se essa vida aqui é sempre um grande funeral?-

-Voce está errado, você se culpa pelo que acontece com as pessoas.-

-Pronto, está bom?- perguntou Steve colocando os pratos a mesa, então nos dois nos sentamos para tomar café.

-Agora é sua vez, me conte sobre sua vida.-

-Vou resumir, afinal de contas você já sabe mesmo, as pessoas morrem, minha família morreu e todo mundo que se aproxima morre.-

-Nossa que dramático, mas você consegue fazer isso? Tipo você pode matar qualquer pessoa quando desejar ou você simplesmente não controla isso?- perguntei o olhando e o vi desviar o olhar novamente.

-Não controlo, eu não quero que ninguém morra, apenas queria que isso tudo parasse.-

-Mas e o seu livro? Você já leu?-

-E como você sabe que eu tenho um livro?-

-Amanda me contou sobre o seu diário.-

-Então, eu não leio, porque não existe nada de bom naquele diário para ler, tudo o que eu escrevo desejo esquecer então eu apenas escrevo ali para tirar da minha cabeça.-

-Eu te garanto que isso não funciona.-

-Posso te fazer uma pergunta muito seria?- Steve perguntou se levantando.

-Quantas você quiser.- respondi me levantando e me aproximando dele.

-O que tem nos seus olhos?-

-Tem alguma coisa errada com meus olhos? Eu ia mesmo te perguntar pois eu vi que você desviou o olhar várias vezes enquanto conversavamos.- respondi me olhando em um pequeno espelho na parade da cozinha.

-Sim, parece que tudo é pior quando eu olho para você, sabe? Como se eu estivesse sentindo tudo em dobro.-

-Tudo em dobro mas... coisas ruins ou boas?-

-Adivinha.- respondeu olhando para baixo, levantei seu rosto.

-E sabe o que eu vejo quando olho para você? Apenas coisas boas, vejo um garoto normal, você é assim, aceite e pare de se culpar.-

-Porque está dizendo isso?-

-Porque é a verdade Steve, você é especial então para de se culpar, eu até te abracaria agora mas você acharia estranho.- Falei e nós rimos juntos.

-É verdade, isso seria estranho.-

-Então vamos para mais um dia de trabalho, diga que eu dei bom dia para Amanda quando ela acordar.- falei rindo, porém assim que virei as costas pensei no quão idiota eu havia sido.

-Não posso perder tempo.- falei entrando no carro.

Enquanto dirigia até o trabalho pensava em um jeito de acabar com tudo isso de uma vez por todas, de me aproximar, dele saber o quão bem eu me sinto ao seu lado.

Parei o carro naquele prédio gigante onde entregaria os papéis ao meu advogado, explicando o meu futuro afastamento do trabalho, não vou precisar mais trabalhar porém logo todos vamos entender o porque disso, segui até o elevador onde pensando muito eu tive uma brilhante idéia.

Parei em qualquer andar e pedi a primeira secretária que vi para me deixar usar o telefone, dizendo ser caso de vida ou morte, ela negou mas depois acabou sedendo após uma pequena insistência.

**Ligação On**

-Oi, ainda bem que você atendeu.-

-Rafael?-

-É claro que sou eu, esqueci meu celular em casa.-

-Tudo bem eu guardo para você.-

-Não Steve, eu preciso usar ele, poderia trazer para mim? Eu não estou muito longe.-

-Ok eu levo, vou chamar Amanda para ir comigo.-

-Não precisa, traz você mesmo, estou em um prédio aqui perto mesmo, porque eu vim trazer alguns papéis para o meu advogado.-

-Ok qual o endereço?-

-Mas você não podemorar, eu já estou muito atrasado, vou te esperar no escritório do doutor Charles, no andar 28, você só precisa perguntar na recepção do prédio ok?-

-Ok eu já chego ai.-

-Obrigado Steve.-

*Ligação Off*

E pronto já estava tudo pronto, eu estava no prédio mas ainda estava com certo medo que alguma coisa acontecesse errado e ele não chegasse.

Entrei em uma sala vazia em um andar mais baixo e logo subi pelo evador até o vigésimo setimo andar, entrei em um escritório qualquer onde tentei ficar calmo a esperar por Steve, porque as coisas poderiam dar muito errado até ele chegar.

Não demorou muito para que os gritos pudessem ser ouvidos nos corredores e a fumaça começasse a entrar em todo o prédio, pronto estava acontecendo, todos estavam correndo e apavorados com medo de morrer naquele fogo, olhei para o elevador e vi que as pessoas se jogavam aos montes para dentro na esperança de sair dali.

O calor era insuportável, mesmo assim segui pela escada descendo lentamente pelos corredores onde ninguém sabia ainda o que acontecia nos adares acima, andando atentamente pelo corredor.

Eu já sabia que ele iria subir pelas escadas pois o elevador estava cheio literalmente.

Quando vi Steve me escondi e deixei que ele continuasse subindo até encontar o que eu tinha prepardo para ele lá em cima, o fogo!

Depois que ele subiu eu o segui para ter certeza que nada daria errado mas na confusão que estava acabei o perdendo, e nesse momento pensei no quanto eu perderia se ele morrersse ou se algo acontecesse a ele.

Andei pelo corredor chamando por ele, enquanto via aquelas pessoas tentando se salvar, outras queimadas, segui abrindo todas as portas uma por uma até o encontar olhando para alguém que queimava em um dos cantos da parade, Steve estava hipnotizado olhando para ele que gritava e urruva devido a dor que o fogo causava em sua pele.

-Steve vem comigo, vamos sair daqui.- estendi a mão para ele que tirou sua camiseta cobriu aquele completo desconhecido e o abraçou chorando.

-Danny, não me deixe por favor.- dizia Steve chorando, foi quando uma parte do teto cedeu atingindo Steve na cabeça, tirei Steve dali, o corte em sua cabeça sangrava muito.

Desci praticamente correndo pelas escadas com ele nos braços mas com toda aquela gente era quase impossível descer.

Mesmo assim segui carregando ele desacordado nos meus braços.

A fumaça cobria todo o local e era quase impossível enxergar ali, onde apenas gritos se ouviam, pessoas chamando por seus parentes, e outros pedindo ajuda, alguns pedindo pelo nome de Deus que não os deixasse morrer daquela maneira, queimados pelo fogo.

Com muito esforço e sendo empurrado por todos que tentavam fugir do fogo conseguir chegar no segundo andar, onde coloquei Steve no chão e tentei acorda-lo para ver se ele ainda estava vivo, chequei seu pulso e ainda tinha batimentos, fracos mais tinha, então terminei de sair daquele prédio onde a multidão de jornalistas já estavam com suas câmeras apontadas filmando aqueles que se jogavam do prédio para não morrem queimados e também noticiando a grande tragédia, segui até meu carro para levar Steve ate até hospital.

Peguei meu celular no bolso da calça de Steve e liguei para Amanda, que assustada e chorando me disse que iria até o hospital também, pois queria ficar com Steve.

Qualquer um me acharia um louco mas eu tinha que salvar ele, para que ele veja que eu não sou um monstro, futuramente cada fato vai contar, se eu salvar ele dez vezes, essas dez vezes serão contadas a meu favor, dei entrada no hospital com ele e logo em seguida Amanda chegou trazendo os documentos que entregamos na recepção do hospital.

Amanda: -Como tudo isso aconteceu?- perguntou ainda eufórica.

-Calma, eu vou te contar tudo ok? Se acalma.- falei me sentando ao seu lado e a abraçando.

-Foi culpa minha de certa forma, eu esqueci meu celular em casa e pedi pra ele levar até o prédio onde eu estava, quando ele chegou lá tudo aconteceu, então eu procurei por ele até encontar e o tirei de lá.- falei explicando e ela me olhou praticamente com os olhos brilhando.

-Você salvou ele? Obrigado.- disse Amanda me abraçando forte.

-Não foi nada, mas eu acho que ele teve algum problema no passado nao é?-

-Como assim?- perguntou Amanda me olhando.

-Ele já passou por alguma situação de incêndio assim? Porque quando eu o encontrei ele estava parado, olhando fixamente para um homem que estava sendo queimado pelas chamas e em seguida o abraçou chorando, dizendo um nome.-

-Eu acho que já sei, Danny não é mesmo?-

-Sim esse mesmo, quem é esse?-

-Danny é o irmão dele, ele morreu nos braços do Steve.- disse Amanda, o médico médico aproximou nos chamando.

Doutor: -Vocês são parentes dele?-

-Sim, podemos ve-lô?- perguntei enquanto Amanda me olhava com cara de "Como assim?".

Amanda: - Sou amiga dele, como ele está?-

-Está bem, vocês são da família dele ou não? Precisaremos comunicar a família dele.- disse o doutor olhando a ficha em sua mãos.

-Sim eu sou da família dele, posso vê-lo ou não?- falei olhando para o doutor que me olhou desconfiado mas logo depois nos levou até o quarto.

-Ele está apenas dormindo agora, levou uma pancada muito forte na cabeça então vai ter muitas dores devido a isso.- disse ele e saiu, nos deixando a sós com Steve.

-Porque você disse aquilo?- Amanda disse sussurrando.

-Porque se não ele não ia deixar a gente ver o Steve, eu sou policial e já vi isso acontecer, visitas são apenas para família.-

-Se você diz... mas porque você salvou ele? Quero dizer você poderia muito bem apenas ter saído de lá sozinho.- Amanda disse sentando ao lado de Steve.

-Porque eu não conseguiria deixar ele morrer e saber que foi por minha culpa.- falei passando a mão na franja de Steve, em seguida beijando sua testa.

-Porque você fez isso?-

-Isso o que? -

-Beijou o Steve, você mal o conhece, o que está aconetecendo aqui Rafael? Eu acho que perdi alguma parte dessa história só pode.- Amanda disse e notei que ela ficou um tanto irritada.

-Calma foi só um beijo, é carinho, eu não arranquei um pedaço dele.-

-É melhor isso não acontecer novamente porque foi estranho.-

-Porque estranho?- perguntei rindo, um tanto sem graça por ela estar alterada com aquela situação.

-Porque como você beija o Steve que você conheceu ontem, você nem tem intimidade com ele.- disse ela irritada.

-Ok, calma Amanada, parace até que você é a dona dele.- falei vendo que ele estava começando a abrir seus olhos.

-É pode apostar que sou sim, oi Steve como você está?- Amanda perguntou enquanto Steve já se levantava, colocou as mãos em sua cabeça e percebeu que estava com faixas.

Steve: -O que aconteceu? Me operaram?- perguntou se levantando.

-Não, mas você cortou a cabeça então eles tiveram que suturar eu acho.- respondi o olhando.

-Eu vi você, com todo aquele fogo, foi você que me salvou? Como a gente saiu de lá?-

-Você ficou olhando aquele homem no canto e eu te tirei de lá.-

-Obrigado, então quando vamos sair daqui? - Steve perguntou tirando as faixas de sua cabeça.

-Você não pode tirar isso, você se machucou, acho melhor não tirar.- Amanda disse o impedindo.

-Ele já se sente bem não é Steve?- perguntei o olhando.

-Eu me sinto fisicamente bem, de verdade eu estou bem porém eu não consigo olhar para você.- disse ele desviando o olhar.

-Eu sei, você já me disse, então... vamos para casa.- falei saindo dali.

-Steve espera, você está bem?- Amanda perguntou.

-Estou bem Amanda, eu acho que me cansei de lamentar.- Steve respondeu e entrou no carro, seguimos para casa onde todos podíamos enfim descansar, daquele dia horroroso, olhei no relógio e já eram quase sete horas.

-Acho que vamos ter que pedir pizza de novo, estou com fome.- falei me jogando no sofá.

-Ok, vou tomar um banho e depois faço alguma coisa pra gente comer.- Steve disse se levantando.

-Não precisa, você deve estar cansado, vai tomar banho e deixa que eu faço.- Amanda disse o abraçando.

-Olha só Amanda, eu te amo e você sabe mas para de se preocupar, eu não quero ficar lembrando que o que aconteceu, não me sufoca de cuidados pode ser?- Steve disse a deixando um tanto triste.

-Eu te amo Steve, eu estou aqui pra cuidar de você.-

-Eu sei e agradeço muito por isso mas posso por favor esquecer um pouco? Estou cansado de me sentir culpado o tempo todo Amanda.-

-Tudo bem.- ela disse saindo dali.

-Hey Amanda, ele não disse por mal você entende?- falei a abraçando.

-Eu sei que não Rafa, mas as vezes parece que eu me importo mais com ele do que ele mesmo sabe? Então quando alguma coisa ruim acontece com ele é como se eu falhasse porque eu deveria amar ele, eu deveria proteger ele.- disse ela me abraçando.

-Vou levar um suco pro Steve e depois venho te ajudar.- falei preprando o suco e subindo até o quarto.

-Trouxe um suco pra você.- Falei vendo que ele havia acabado de sair do banho.

-Eu não quero, obrigado Rafael. -

-Se você beber vai se sentir melhor.- falei o olhando e ele tomou, dois segundos depois apagou, terminei de vestir sua camiseta e o deitei na cama, desci novamente para a cozinha, ajudei Amanda e depois começamos a arumar um pouco a casa.

Hoje sim, como eu tinha previsto mais cedo, foi um dia cheio de altos e baixos, foi uma verdadeira droga com uma parte boa apenas.


*Rafael Off*



*Steve On*

Acordei um pouco tonto ainda e minha cabeça parecia estar girando mas assim que fiquei de pé essa sensação passou, não estou triste, parei de ficar triste, não aguento mais toda essa choradeira, peguei meu diário e sentei na cama, comecei a escrever nele tudo o que havia acontecido no dia de hoje, olhava para o diário em minhas mãos e olhava ao meu redor, aquele quarto em que estava, eu não via nada mas por um segundo apenas um, senti que Danny estava ali comigo.

Terminei de escrever naquele livro e desci para a cozinha, e no caminho reparei que tudo estava arrumado, a cozinha estava um brinco, Rafael e Amanda estavam sentados a mesa comendo.

-Quantos anos eu dormi para vocês terem limpado toda essa bagunça? eu acho que foram muito anos de sono.- falei rindo e me juntando a eles.

-Gostou da surpresa?- Amanda perguntou rindo.

-É, ficou bem melhor limpo, deu até mais espaço na casa.- falei rindo.

-Você fica mais bonito quando sorri sabia?- Rafael disse me olhando.

-E você não devia dizer isso sabia?- falei rindo.

-Porque?-

-Para não causar problemas sabe?- falei rindo e olhando para Amanda.

-É eu também acho.- Amanda disse se levantando.

-Melhor mudar de assunto mesmo, então... me diz porque você usa cabelo assim?- Rafael perguntou rindo por Amanda estar olhando brava para ele.

-Porque eu gosto desse estilo de cabelo e não, eu não sou emo se essa for sua próxima pergunta.- falei rindo.

-Mas você sabe que parece nao é?- Amanda disse rindo e me abraçando.

-Não parece, eu acho que o Steve é único e estiloso.-

-Obrigado, eu acho...- falei rindo.

-Hey vamos sair?- Amanda perguntou.

-Sair pra onde?- Rafael questionou.

-Não Rafa, só eu e o Steve, você já causou problemas demais por hoje.-

-Eu até quero mas sair pra onde? São duas horas da manhã Amanda.- falei me sentando no sofá e ligando a televisão, onde em todos os canais, todas as notícias eram as mesmas "O fogo que consumiu um prédio no centro da cidade nesta manhã" ou "as autoridades na calculam mais de três mil mortos na grande tragédia no prédio localizado no centro da cidade." Em todo lugar era isso, as pessoas só falavam disso.

-Nada de TV por hoje né.- Amanda disse desligando a televisão.

-Então onde a gente iria mesmo?- Rafael perguntou.

-Então eu e o Steve vamos sair para dar um volta, vai levanta.- Amanda disse me puxando.

-Qual é? Sério que Sério vou ficar aqui sozinho?- Rafael perguntou.

-Tchau Rafa, Boa noite.- Amanda disse rindo e saímos dali.

-Pronto, aonde vamos a essa hora da noite Amanda?- preguntei caminhando de mãos dadas com ela.

-Para qualquer lugar Steve, onde fiquemos apenas nós dois.-

-Porque só nós dois coisa loura?- perguntei rindo.

-Porque é assim que deveria ser a nossa viagem, apenas eu e você onde nada do passado viria para nos atormentar.-

-Sim, Mas onde vamos mesmo?- perguntei rindo vendo sai cidade toda apagada e ninguém nas ruas.-

-Para qualquer lugar Steve, deixa eu te perguntar, você não está sentindo nada mesmo? Tipo dor de cabeça...?-

-Não estou Amanda, estou bem, completamente.-

-Isso é estranho, como você pode ter se recuperado tão rápido?-

-Não sei, eu apenas estou bem mas concordo amiga, isso é estranho.-

-Queria que todas as coisas estranhas fossem boas assim.-

-Pode crer, eu também queria.- Falei rindo.

-Que tal comprarmos algumas bebidas pra gente?-

-Vamos então.- disse entrando na loja com poucas pessoas, e um velho com cara de poucos amigos no balcão.

-Eu vou querer essa aqui, escolhe você a outra Steve.-

-Ok, não quero essa... essa também não...- estava escolhendo quando senti alguém grudar em mim como se fosse morrer.

-Amanda o que está acontecendo?- perguntei olhando para a loja onde todos que ali estavam, começaram a sangrar, pelos olhos, boca... todos os orifícios então em segundos estavam todos no chão, o sangue deles era escuro e parecia uma espécie de gosma.

-O que eu fiz?- perguntei indo lentamente até a porta.

-Vamos Steve, precisamos sair daqui.- Amanda já na porta da loja disse me puxando, enquanto eu via aquela menina em meio a todo aquele sangue espalhado pelo chão.

Saimos correndo dali, e inteligentes como a gente é corremos na direção contraria a de casa, estavamos cansados.

-A gente não devia esperar a polícia chegar lá?- perguntei parando um pouco, em frente a uma praça onde não havia ninguém assim como nas ruas todas.

-Não é claro que não.-

-Amanda mas aquelas pessoas morreram, aquela garotinha morreu por minha causa.- falei sentindo as lágrimas escorrerem pelo meu rosto.

-Não deviamos esperar a polícia, o que iríamos dizer? Que do nada as pessoas sagraram até morrer? fica calmo Steve, olha pra mim.- Amanda disse olhando nos meus olhos e me abraçando em seguida.

-Não vai, precisamos voltar.- falei me sentando em um dos bancos.

-Não nos vamos ficar e vamos beber isso aqui.- dias mostrando a garrafa em suas mãos.

-Eu não acredito que vou pegou.-

-Eu não peguei, estava com ela na mão e quando eu vi o que acontecia, eu corri.- Amanda disse rindo.

-Me conta porque está rindo.-

-Porque qualquer pessoa que soubesse disso tudo, não acreditaria ou então faria um filme sobre todas essas drogas que acontecem com a gente.-

-Comigo você quer dizer né?-

-Com nós, eu estou com você não é? Então somos nós dois. - Amanda disse passando a garrafa.

-Mas se eu não estivesse na sua vida você não teria que ver tudo isso, me desculpe Amanda por ser assim.-

-Steve não precisa se desculpar, eu vou sempre estar com você, agora bebe porque você precisa.-

-Não, pode beber você sozinha, estou cansado dessa vida.- falei entregando a garrafa e levantando.

-Senta aqui comigo.- Amanda disse me puxando.

-Não Amanda, preciso voltar, pelo menos dormindo eu não cause dor a ninguém.-

-Tudo bem, então vamos.- disse ela se levantando e começamos a caminhar de volta.

-Amanda você disse ao Rafael sobre o meu diário? -

-Aquele seu livro velho, não eu não falei nada para ele.- Amanda respondeu e eu já comecei a suspeitar, eu sabia que havia alguma coisa estranha com ele, quando eu olho para ele sinto que tem alguma coisa errada, tudo o que eu sofri, todos os momentos ruins que eu passei se multiplicam quando olho diretamente em seus olhos.

-Deixa pra lá, Amanda o que você acha e comprar uma casa nova?- falei e ela parou me olhando.

-Você pode ficar na minha casa, o que foi? Você não quer mais ficar na casa do Rafa?-

-Nao é isso, é que tenho que ter uma casa não é? Afinal de contas a gente não viajou e você pode ficar comigo por uns tempos, não é nada com o Rafael mas acho que já estamos incomodando.-

-Para, o Rafa? Incomodado por a gente estar lá?-

-É, quem mais seria?- perguntei rindo.

-Steve você não parece estar incomodando o Rafael, vai por mim porque eu sei o que estou dizendo mas... acho sim que desde que ele te conheceu alguma coisa nele mudou então sendo assim... se quer comprar uma casa, assim vai ser.-

-Obrigado, e você pode me ajudar a escolher, você sempre teve bom gosto mesmo.-

-É eu sei, obrigado por reconhecer meu talento.- disse Amanda rindo.

Depois de muito andar chegamos naquela rua escura rodeada por árvores grandes onde só de olhar já dava medo.

-Porque será que ele mora nessa rua tão escura?- perguntei olhando o caminhão parado na frente da casa ao lado da do Rafael.

-Pior que morar nessa rua é se mudar pra cá no meio da madrugada.- Amanda disse rindo.

-Quem será o maluco hein?- perguntei passando em frente a casa.

-Vamos ver quem é Steve?- Amanda disse parando.

-Como assim?-

-Vem comigo, vamos dar as boas vindas a seja lá quem for esse ser humano que faz uma mudança no meio da noite.- Amanda disse indo até a porta, bateu na mesma que já estava aberta.

-Oi posso ajudar?- perguntou ele, o rapaz com algumas sardas no rosto, alto, olhos claros e cabelo curto ruivo.

-Nós somos os vizinhos, queriamos te dar boas vindas a nossa vizinhança, como você se chama?- perguntou Amanda.

-Obrigado, me chamo Adam, e você?- disse ele cumprimentando Amanda.

-Amanda e esse aqui... é o meu amigo Steve.- Amanda disse praticamente me empurrando em cima dele, então o cumprimentei sorrindo.

-Olá Steve, você mora em qual casa aqui?- perguntou sorrindo.

-Nessa aqui.- falei apontando pra casa ao lado.

-E porque você está fazendo uma mudança no meio da madrugada e sozinho?- Amanda perguntou sendo curiosa como sempre.

-Então está bom não é? Vamos Amanda querida, foi um prazer te conhecer Adam.- disse a puxando pelo braço.

-O prazer é meu.- ouvi ele dizer enquanto saíamos.

-Porque você fez isso? Que coisa feia ficar enchendo os outros e perguntas Amanda.- falei sussurando enquanto entravamos.

-Nossa, eu só quis conhecer mais ele.- Amanda disse rindo.

-E ai, aconteceu algo interessante que eu deva saber?- Rafael perguntou assim que nos viu.

-Nada, foi tudo normal Rafa.- Amanda disse indo até o quarto e eu acompanhei pois já estava com sono e cansado.

-É mesmo? Eu acho que não foi normal me deixar e mofando enquanto vocês saíram.- Rafael disse entrando no quarto.

-Rafa eu e o Steve conversamos e a gente vai sair daqui sabe? Pra não incomodar muito...- Amanda disse e ele rapidamente me olhou assuntado.

-Ok ok... espera você não precisam ir a lugar nenhum, não estão incomodando.-

-Como não? nos estamos na sua casa, praticamente morando aqui sem ser convidados, eu não acho isso certo, e não é nada com você entende?- falei me sentando na cama.

-É, não é nada com você, afinal você sabe que a gente te ama nao é? Bebe isso aqui e relaxa.- Amanda disse entregando a garrafa pela metade.

-Olha só, eu sei que voces acham que estão icomodando mas não estão, então eu peço que fiquem mais umas semanas ok?- Rafael disse olhando para mim, logo desviei o olhar.

-Eu acho melhor não, mas podemos ficar mais uns dois dias enquanto procuramos um lugar pra gente.- Amanda disse colocando seu pijama e deitando ao meu lado.

-Eu não aguento essa roupa que você usa para dormir.- falei rindo.

-Amanda, dois não, aguns dias a mais ok? - Rafael disse se levantando.

-Sim, mais alguns Steve?-

-Tudo bem vai.- falei me deitando, me cobrindo porque fazia frio demais esta noite.

-Então tudo bem, boa noite para vocês dois.- Rafael disse saindo do quarto.

-Amanda é impressão minha ou ele não quer que a gente vá embora.-

-Não Steve, ele não quer que voce vá embora.-

-Porque?- perguntei a olhando.

-O porque eu ainda não sei mas eu vou descobrir, e alguma coisa me diz que não é bom você ficar perto dele mesmo.-

-Mudando de assunto, você viu que gato o novo vizinho do Rafa?.- Amanda perguntou rindo.

-Não reparei nisso.-

-Será que ele gosta de loiras?-

-É sério? Você só viu ele uma vez e já tem interresse.-

-O Rafael te viu poucas vezes e está aí, todo interressado em você também.- Amanda disse rindo.

-Sai fora, nem brinca com uma coisa dessas.-

-Então agora vai se fazer de tonto? Está sim, por algum motivo ruim, mas que ele está interessado em você, isso eu garanto.-

-Você não deixaria ele me fazer mal não é Amanda?-

-Jamais Steve, eu te amo seu bobo.- disse ela beijando minha bochecha e me abraçando, alguns minutos pensado no porque ele estaria interessado em mim foi o sufuciente para Amanda dormir, então pude chorar, em silêncio para que ela não acordasse, não queria que ela soubesse.

*Steve Off*

Notas Finais


Gostaram? Comtentem isso ajuda muito!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...