História Imposing Limits . . . - Capítulo 33


Escrita por: ~

Postado
Categorias Justin Bieber, Lily Collins
Personagens Alfredo Flores, Jaxon Bieber, Jazmyn Bieber, Jeremy Bieber, Justin Bieber, Lily Collins, Pattie Mallette, Personagens Originais
Tags Adoção, Drama, Revelaçoes, Romance
Exibições 20
Palavras 1.226
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Famí­lia, Fantasia, Festa, Hentai, Luta, Mistério, Musical (Songfic), Poesias, Romance e Novela, Saga, Shoujo (Romântico), Violência, Visual Novel
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Oi

Capítulo 33 - Problem


Fanfic / Fanfiction Imposing Limits . . . - Capítulo 33 - Problem


Melanie Butler Morano - Point of View

O avião aterrissou, desci, peguei minhas malas e fui embora de táxi. Cheguei em casa e toquei a camapainha, Maria atendeu e já começou a chorar, ri e assim que ela abriu a porta a abracei e beijei muito. Ela estava muito emocionada.

Entramos e subi com minhas malas, meu quarto estava do mesmo jeito que deixei. Guardei tudo, o que levou a tarde toda, então tomei um banho, me troquei e desci, fui á cozinha e lá encontrei uma coisinha ruiva engatinhando. Me encantei e o peguei no colo. 

- Oi meu amor! - o beijei e ele gargalhou - Ah, qual é seu nome? - sabia que ele não me responderia, coloquei o bebê no balcão e brincava com ele quando ouvi um grito.

Olhei para trás assustada e lá estava Tinna

- Que susto mulher! - coloquei a mão no peito e ela veio correndo até mim

- Que saudade! - ela berrou e me puxou para seus braços, mas percebeu que algo estava errado - Espera aí... O que você faz aqui?

- Eu voltei ! - deixe ombros e sorri

- Mas e o ...- ela parou

- Ficou lá ué.

- Como assim Mel?

- Não nasci grudada nele caso ainda não tenha percebido okay? - disse e ela semicerrou os olhos

- Tá bom dona Melanie.

- E essa coisinha aqui?

- Meu filho? Josh. - ela o pegou no colo e distribuiu beijinhos em seu rosto

- Ah não! Que amooooooor! Nem acredito que perdi o nascimento disso aqui! - estava tendo meu ataque quando Ryan entrou na cozinha com Caitlin ao seu enlaço, toda mole e risonha. Com certeza está bêbada.

- Eita porra! - ela disse grogue, e riu com vontade

- O quê? - Ryan perguntou sem me notar, todo preocupado em dar apoio á minha amiga bêbada

- A Mel voltou. Deixou o Justin pra trás. - disse e caiu na gargalhada - Garota esperta! - disse sorrindo e piscou pra mim

- Mel?! - Ryan berrou e eu assenti

- Caralho mano, cadê a Duda? - Chaz entrou na cozinha, afobado de preocupação, e ao me ver franziu a testa - Mel?!

- Porra, não é como se não me conhecessem, ou como se eu não pudesse deixar de ser burra! - disse irritada e as duas mulheres riram

- Isso aí! - disse Tinna

- Obrigada! - olhei pra cima, levantei as mãos, e os garotos riram confusos - Sim, eu voltei pra ficar. E cadê a educação de vocês?

- Beleza. - Chaz disse e veio me cumprimentar

Depois foi a vez de Ryan. E mais tarde Duda apareceu. Eu estava com o pequeno Josh em meus braços, recostada numa cadeira com Chaz ao meu lado, que também brincava com o pequenino. 

- Ô Mel - Chris me chamou

- Fala veado!

- Vai voltar pra faculdade? - perguntou e eu parei o que fazia, eu não havia pensado nisso

- Eu não sei. - disse confusa e nesse momento Josh gritou e gargalhou em seguida me fazendo rir com ele

- Se quiser, amanhã a gente sai pra resolver isso. Pode ser?

- Pode sim, valeu Chris. Ah e seu filho é uma delícia. 

- Safada. Que tara é essa pra cima do meu machinho. 

- Nem vem querido. Eu avisei que ia esperar o guri completar 18, pra podermos fugir e nos casar bem longe daqui. - disse e beijei a testa de Josh. 

O estrondo de algo se chocando ao chão me assustou, logo alguns passos foram ouvidos e a voz dele me fez arrepiar.

- Casar com quem? Eu posso saber quem foi que te deu permissão? - era ele. Ele veio atrás de mim, mas que idiota

- Meu namorado. - disse e sorri com ódio

- Que namorado? - ele estava possesso de raiva

- Não é da sua conta. - disse e Chaz pegou Josh, ciente de que poderia dar merda - E como foi que conseguiu chegar aqui ?

- Ah, também não é da sua conta. - ele disse e sorriu

Me levantei e me virei totalmente pra ele.

- Na verdade é sim. A partir do momento em que tirou os pés de Toronto pra me perseguir. Sim! É da minha conta, sim. E eu não quero ouvir suas desculpas esfarrapadas, já lhe dei o dinheiro, tirei minhas coisas de sua casa, não quero nenhum vínculo com você. Eu não te quero por perto. - disse com raiva até tampa

- Isso não cabe a você! A decisão é minha. 

- Quando um não quer, dois não fazem! - disse e me virei 

- Ah, mas eu te provo o contrário. - me puxou e colou os lábios nos meus

Eu estava fervendo de ódio, assim que ele entreabriu a boca, mordi seu lábio com força, senti gosto de sangue e mordi com mais força ainda. Ele gemia e gritava contido. Soltei seu lábio, o olhei sedutora, passei o indicador em seu sangue que escorria pela canto de minha boca, levei o dedo á sua boca e passei o sangue ali, depois passei a língua por meu lábio inferior. E lhe mostrei o dedo do meio.

- Eu avisei, idiota. - disse e sorri maldosa

- Caralho, se na boca é assim imagina no pau. - essa era mais uma das pérolas de Justin, olhei para os caras e todos cobriam o membro com as mãos - Filha da puta. - disse e dei dois tapas em seu rosto, com muita força

- ME RESPEITE! - gritei - E nunca mais, nunca mais! - disse baixo, e subi o tom repentinamente - ME OUVIU? NUNCA MAIS FALE DE MINHA MÃE, VOCÊ NÃO A CONHECEU PRA FALAR DELA. DESGRAÇADO! - saí dali irada, caminhando lentamente 

- Cara, você é um idiota. - esse era Chris

- Cadê o dude? O que você fez com ele? Tá um filho da puta completo, com direito a extrapolação! - Chaz disse

- Desgraçado! - Ryan gritou e veio atrás de mim - Mel... 

- Vaza Ryan. Eu quero ficar sozinha. - disse e ele me parou puxando meu braço - Por favor... - minha voz estava embargada 

- Certeza? - indagou e eu caí em lágrimas - Vem cá. - me puxou e me acolheu. Estávamos no meio da sala, a alguns passos de todos eles, mas eu não me importava só queria meus pais e meu irmão de volta

- Ryan... Tá doendo muito. Muito mesmo. Eu não aguento, não. - solucei - Faz parar de doer, faz? Eu sinto saudades. - ele acariciava meus cabelos - Eu só quero eles de volta. Eu devo ser uma pessoa horrível, pra Deus me tirar a única coisa que me importava. - chorava compulsivamente 

Senti uma mão em meu ombro, mas não olhei. Só ouvi Ryan dizer com raiva

- Some daqui cara. Fica longe dela. Não tô brincando. Tu extrapolou, passou dos limites. Você não a merece. - Ryan disse e o empurrou - Somos amigos, tudo bem. Mas não chegue perto dela. Eu não quero que a machuque novamente. - me afastei para olhar pra Justin, seu olhar era perdido, desesperado, e havia raiva também. Ele estava inconformado.

Me abracei mais a Ryan, e chorei até desidratar. 


Notas Finais


E aí?
Resolvida o ar da graça! Kkkkk
Estava com saudades meus amores.

Entt,
Ele é um idiota neh? Pois é. Kkkk
Até o prox


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...