História Impossible Felicity - Capítulo 2


Escrita por: ~

Postado
Categorias Cara Delevingne, One Direction
Personagens Cara Delevingne, Harry Styles, Liam Payne, Louis Tomlinson, Niall Horan, Personagens Originais, Zayn Malik
Tags Álcool, Amadurecimento, Descobertas, Drama, Drogas, Louis Tomlinson, One Direction, Romance
Exibições 10
Palavras 1.568
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Aventura, Colegial, Crossover, Drama (Tragédia), Escolar, Famí­lia, Festa, Ficção, Romance e Novela
Avisos: Adultério, Álcool, Drogas, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Meus amores...Aqui está mais um cap..espero que gostem,desculpem os erros...bjs e boa leitura.

Capítulo 2 - Weird...


Fanfic / Fanfiction Impossible Felicity - Capítulo 2 - Weird...

                                                                                                  Não estou fazendo as malas e indo embora

                                                                                   Fiz muitas mudanças,mas nunca esquecendo quem eu                                                                                                       era.

                                                                                         -One Direction-Don't Forget Where you belong

 

 

 

 

 

 

Doncoster,04/11/2013.

3 ANOS ANTES:

Era noite aqui,estava em meu quarto tentando o arrumar.Tinha em mente várias ideias mas nenhuma delas parecia dar certo o quarto era grande,fiquei com o último do corredor,tinha uma escada no teto onde dava com o telhado e uma vista do bairro.Amanhã irei ao centro comprar uns papéis de parede que fizesse meu estilo.Também compraria roupas e alguns sapatos,pois estava precisando.

Sentei-me no chão com a mala ao meu lado e algumas caixas espalhadas pelo quarto,abri a mesma,abri as portas do guarda-roupas e as gavetas,separando de modo organizado.Pendurei os vestidos no cabide e os coloquei de modo aleatório.Minhas peças intimas separei em uma só gaveta.Meu celular apitou muitas vezes,mas como estava sem tempo deixei para lá e tentei focar em ajeitar o quarto.

Minha cama já estava montada,as paredes estavam desgastas e riscadas de canetinhas coloridas permanentes,provavelmente crianças passaram por aqui e com elas suas marcas de que eram levadas.Era sexta e só começarei a estudar na segunda.Sim,entrar no 4 semestre do ano não é fácil,pois precisarei focar muito mais nos estudos.

Sou boa em socializar,gosto de viver rodeada de amigos,me sentia feliz e em paz consigo mesma.Terminei de guardar as roupas e fechei o guarda-roupa.Olhei ao redor e cheguei a conclusão que precisarei de muito mais tempo do que pensei pra arruma-lo e deixa-lo do meu jeito,estava cansada ou melhor exausta.Ajudei mamãe a tarde toda com tudo,precisava de outro banho e cair na cama,mas ainda não jantei,como hoje não tivemos tempo pra cozinhar o jantar teve que sair mais tarde.

Meu celular apitou de novo agora avisando que era alguém ligando,saí de transe fui procura-lo e o achei debaixo das cobertas,o visor indicava que era o Jake,droga fiquei de ligar quando chegasse mais não tive tempo e acabei esquecendo.Tinha que mudar de chip e logo em breve não teria dinheiro de bancar uma ligação internacional.Apertei em atender e esperei que ele desse início a conversa:

-Clarissa?-Sua voz era rouca,parecia que estava chorando.

-Estava chorando?-Franzi o cenho.

-Não-fungou-era só que...estou com saudades.

-Ora,não fique assim.Eu sei que é difícil e estou mal por isso assim como você,mas precisara segurar a barra por mais um tempo.

-Não sei se aguento.

-Está pensando em desistir?sem ao menos se dar a chance de tentar?-Senti meu rosto esquentar.

-Não...claro que não.Você tem razão,não faz nem um dia não é?-Soltei o ar que estava preso em minha garganta.

-Mas me diga,como vai as coisas por aí?

Ficamos conversando até nos sentir a vontade e se acalmar.Natasha entrou no quarto sem bater e fechou a porta atrás de si,cruzou os braços e me encarou.Fuzilei ela com o olhar  e me despedi do meu namorado com um eu te amo.

-Existe uma coisa que se chama ''privacidade'',porque não bateu na porta sua tapada?-Joguei o celular ao meu lado e levantei.

-E eu não ligo,anda....desce que o jantar esta pronto-Ela me olhou com cara de nojo e saiu dali deixando a porta aberta.

Urgh.

10 minutos depois resolvi descer,pois não iria dar o orgulho de fazer o que ela tinha dito desci as escadas calmamente até chegar ao Hall.Os três estavam rezando me encolhi e esperei que terminassem e caminhei até a mesa:

-Desculpem estava falando com Jake-Expliquei.

-E como ele está?-Mamãe perguntou.

-Ah mãe...não muito bem...pai me passa o prato por favor?

Papai tinha feito espaguete,amava quando ele cozinhava.Lembro-me de quando tinha 6 anos e pela primeira vez em toda minha vida repeti 3 vezes.Coloquei o espaguete no prato e comecei a comer,estava morta de fome,nunca desejei tanto comer,ao contrário da minha irmã que ficava revirando o prato,estava um silêncio agradável até eu corta-lo:

-Mãe será que poderia me emprestar o cartão de créditos amanhã?-Perguntei colocando uma pequena porção de macarrão na boca,esperei ela mastigar e engolir.

-Tudo bem,o que  vai comprar?

-Algumas coisas pra tentar dar um jeito no...-Mastiguei-quarto-Engoli.

-E você pai,o que pretende fazer amanhã?-Perguntei e ele pareceu sair de transe.

-Ham?desculpe,estava entretido na comida-Sorriu.

-Perguntei o que vai fazer amanhã?-Repeti.

-Hum...provavelmente terminar algumas coisas e concertar outras-Assenti.

-Nat,e você empolgada pra estudar?-Meu pai pergunta com entusiasmo,vejo a diferença com que ele trata ela.

-Muito...estou explodindo em fogos de artifícios,não vê?-Revira os olhos.

-Natasha não fale assim,ele é seu pai!-Mamãe repreende.

-Jura?cadê ele?-Finge procurar-hein mãe,cadê?

-Se quiser levo você pra dar uma volta na cidade amanhã,ou até podemos ir em Londres...-Meu pai sugeri.Meu estômago revira com suas palavras e perdi o apetite.Arrasto o prato longe e antes que a vaca dê mais alguma patada nele eu me levanto:

-Perdi a fome,boa noite vou dormir-Coloco os pés na escada e escuto o murmurio da mamãe não dou atenção e subo.Sinto lágrimas brotarem em meus olhos.Porque ele tinha que a tratar bem?eu sou sua filha,não ela.Ele nem imagina,mas o que mais eu queria era que me levasse pra passear.Mas não...é sempre ela.

Não deixo uma lágrima sequer cair,me recusava.Vou ao banheiro que é ao lado do meu quarto e escovo meus dentes.Amarro meu cabelo em um rabo de cavalo e noto o cansaço evidente em meu rosto,é isso,eu preciso dormir um pouco.Fui ao quarto e me tranquei,procurei um pijama mas quando ia tirar a blusa,o vento bate em meu rosto.Deixei a janela aberta e fui fecha-la mais antes,avistei um casal enfrente a casa do outro lado da rua.

Me deu saudade de Jake,mas olhando direito eles não pareciam em sintônia e sim discutindo,ia dar as costas e ir me deitar mais a garota gritava com o garoto.Estava um pouco escuro e não consegui vê-los muito bem.

-ME DEIXE,PORQUE INSISTE TANTO?-Grita a garota.

-TALVEZ,SÓ TALVEZ PORQUE EU AINDA TE AMO?-Agora é a vez do garoto.

-ESQUEÇA ISSO,NÃO EXISTE MAIS AMOR ENTRE NÓS,NÃO PERCEBE?-garota.

-SÓ TU QUE NÃO QUER ENXERGAR ISSO,SUA EGOÍSTA-Garoto.

-DESISTA,ADEUS!-A garota entra e bate a porta com força,o rapaz coloca as mãos no cabelo e os puxa,parecendo desnorteado,ele caminha até o poste onde tinha luz e simplesmente se senta no meio-fio e abaixa a cabeça parecendo chorar.Fiquei com pena e me perguntei;porque não ir lá e tentar ajuda-lo?.É talvez só porque ele é um desconhecido?balancei a cabeça tentando afastar esses pensamento e ir dormir.

Fechei a janela e me deitei me enrolei,minhas pálpebras estavam pesadas,só aí lembrei-me que não vesti o pijama,estava com preguiça de levantar então iria dormir assim mesmo.2 minutos se passaram e fiquei pensando no garoto que ficou lá fora,provavelmente ele iria pegar no sono ali.Tomei coragem,me levantei calcei minhas havaianas,coloquei um casaco e olhei pela janela,e como eu esperava ele ainda estava lá.

Respirei fundo e pensei em como iria até lá,pela janela,talvez.Não,tenho medo de altura só tem uma saída o porão.Merda eu não iria até o porão de noite nem muito menos passar por uma janelinha minuscula.Sim eu não iria,eu vou.

Abri devagar a porta e a tranquei,levando a chave comigo.Não correria o risco de deixar mamãe entrar e não me ver.Caminhei pelo pequeno corredor e desci com cuidado as escadas,o abajur da sala estava aceso avisando que alguém estava lá.Passei pela cozinha com a lanterna no meu celular e abri a primeira porta que encontrei,acabei de perceber que aquilo não parecia um porão e sim o deposito.

Volto e fecho a porta do deposito,caminho mais um pouco e encontro a abençoada porta.Abro e desço a pequena escada.O que eu tinha na cabeça afinal?de repente e veio na cabeça os Flashes dos filmes de terror,me virei e ia correr escada acima,me deu vontade gritar,mas me contive.Parei e tentei me tranquilizar e me convencer que era só um porão.Não acendi a luz e procurei a janela pequena,porém dava pra passar por ali.Era alto então puxei uma cadeira,me inclinei e subi,abri a janela e passei minha cabeça,depois meus braços,meu tronco,quadril e pernas.

Respirei aliviada por te conseguido sair dali.Percebi que estava no jardim e caminhei por ele até chegar a saída que dava na rua.Saí,atravessei a rua e pela calçada avistei o rapaz que estava agora de capuz,merda o que estou fazendo aqui?podia ser um maniaco ou algo do tipo.Quando me dei conta já estava ao seu lado,e em uma tentativa falha falei:

-O-i?-Perguntei engolindo em seco.Lentamente ele levantou a cabeça,ainda com a sombra do capuz em seu rosto,não conseguir ver sua expressão.

-Estava espiando de lá de cima,não foi?-Perguntou com uma voz rouca e suave ao mesmo tempo.

-Desculpe,mas fiquei preocupada-Expliquei,ele olhou descaradamente pra minhas pernas,e percebi que estava de shorts.

-Não tem medo?eu posso ser um estrupador ou um assassino-O tom de voz ficou grave,me condenei mentalmente por ter vindo,eu pensei em sair correndo ou simplesmente sair,mas minhas pernas travaram.

-Me des-cul-pe-Gaguejei-já estou indo-Não tinha a miníma ideia do que falar,porque meu coração batia forte em meu peito e o pavor também,eu tinha feito merda.

-Relaxa,não vou fazer nada-Ele melhorou o tom de voz,minhas pernas ficaram bambas,e um suspiro pesado que não sabia que estava preso em minha garganta,foi solto pesadamente.

-Nossa-me sentei ao seu lado-Quase morri do coração.

-Mas tu é louca mesmo de ter tido a coragem de vim aqui,a essa hora com um short-Suavizei minha expressão.

-Ficaria menos assustada se tirasse o capuz-Falei rápido.

-Estou horrível.

-Por favor-Insisti.

Respirou fundo e o capuz caiu em seus ombros.Era um moreno,cabelos negros,olhos castanhos,-que apesar só da luz do poste,era evidente vê-los de tão chamativos-seu cabelo em um perfeito topete,tomei a ousadia e falei:

-Como se chama o rapaz do rosto bonito?

.....


Notas Finais


Espero que tenham gostado...posto o outro em breve!
Bjs...oq acharam?


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...