História Impossible Love - Capítulo 16


Escrita por: ~ e ~Lara_Agreste

Postado
Categorias Sou Luna
Personagens Amanda, Ámbar Benson, Ana, Cato, Delfina, Gaston, Jazmin, Jim, Luna Valente, Matteo, Miguel, Monica, Nico, Nina, Pedro, Ramiro, Rey, Ricardo, Sharon, Simón, Tamara, Tino, Yam
Exibições 47
Palavras 1.927
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Famí­lia, Hentai, Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Insinuação de sexo, Nudez, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Me desculpem a demora :'(
Vocês devem estar querendo me matar não é kkkk
Aqui está mais um capitulo para vocês

B
O
A

L
E
I
T
U
R
A

Xoxoxoxo

Capítulo 16 - Reconciliation


Fanfic / Fanfiction Impossible Love - Capítulo 16 - Reconciliation

Buenos Aires

Observo seu braço sangrando por conta do tiro, ele me olha indignado enquanto minha mãe faz um curativo no braço dele, incrivel como ela ainda faz alguma coisa por ele depois do que ele fez pra mim, olho pro lado e vejo o Rugge dormindo, depois da confusão minha mãe me ajudou a cuidar dos ferimentos dele e deixou ele ficar mais um pouco.

- Filha é melhor ele ir, depois vamos conversar todos juntos - Ana.

Assinto e me levanto indo ao outro lado do sofá e me abaixo do seu lado, sinto o olhar dos três em mim mas apenas ignoro eles, passo meus dedos por seus cabelos enquanto observo seu semblante calmo, aos pouco ele abre os elhos e sorri quando me vê a sua frente.

- Dormi muito? - Rugge.

- Não muito, acho melhor você ir, quando a poeira abaixar você volta - Karol.

- Vamos parar de nos ver? - Rugge.

- Isso eu não sei, mas vou estar sempre com você não importa a onde vá - Karol.

- Eu te amo - Rugge.

Sorrio e deposito um selinho demorado em seus lábios.

- Eu também me amo - Karol.

ElAssintoarevira os olhos, sorrio e me levanto sendo acompanhada dele, passamos pelo meu pai que continua de cabeça baixa, paro na porta enquanto lhe dou outro selinho, esse que se transforma num beijo quente mas carinhoso.

- Ruggero - David.

Nos separamos e encaramos ele.

- Me perdoe, eu fiz aquilo sem pensar, me perdoe por favor, sei que é muito importante pra ela - David.

Cara de pau, Rugge nem deveria aceitar esse perdão, esse mala não mere...

- Tudo bem Sr. Sevilla, se fosse com minha filha eu também ia perder a cabeça, afinal, sou um completo estranho nessa casa - Rugge.

Tá de sacanagem né?!

- Obrigado - David.

Olho pro Rugge esperando uma explicação.

- Todos merecemos uma segunda chance Ka, ele agiu sem pensar, é seu pai, se fosse comigo eu faria o mesmo com o canalha que encostou na minha filha com segundas intenções - Rugge.

- Você fez mais do que encostar nela mano - Agus.

- Cala boca Agustín - Todos.

Isso mesmo até meu pai mandou ele calar a boca, suspiro e olho pro meu pai.

- Tudo bem, você está certo - Karol.

Olho pro Rugge de novo.

- Te vejo no Open? - Karol.

- Sim, vou me despedir de todos - Rugge.

- Como assim se despedir? - Ana.

- Vou voltar pra Itália, vamos nos mudar daqui duas semanas mas só vou pra lá depois da viajem - Rugge.

- Esqueci completamente da viajem, mas isso significa que vamos nos separar? - Karol.

- Talvez - Rugge.

- Mas você vai voltar? - Karol.

- Talvez - Rugge.

- Você vai mesmo na viajem? - Karol.

- Talvez - Rugge.

- Porra para de falar talvez porque já tá chato - Agus.

Rimos do comentário dele que sobe a escada bufando de cara amarrada.

- Você vai nessa viajem Karol? - David.

- Acho que sim - Karol.

- Vão pra onde? - Ana.

- Stratford, Canadá, vamos ficar lá dois meses pra uma repaginada total - Rugge.

- Parece legal - David.

Ele tem bipolaridade ou é mesmo um cara de pau?

- Vocês vão me deixar ir? - Karol.

- O que você acha? - Ana.

Todos nós olhamos pro meu pai que finge pensar e depois ri.

- Por mim tudo bem - David.

- Já esqueceram o ocorrido de horas atrás? - Karol.

- Isso é passado, não vale a pena ficar relembrando - David.

Sorrio e me aproximo dele o abraçando forte, ele corresponde mas logo nos afastamos.

- Apesar de tudo ainda te amo sabe disso né - Karol.

- Sei sim meu amor - David.

Volto pro Rugge e lhe dou um selinho, ele se despede dos meus pais e grita um 'tchau mano' pro Agus que grita de volta um 'tchau dude', assim que Rugge sai e eu fecho a porta me viro dando de cara com meus pais me olhando estranhos.

- Que foi? - Karol.

- Vocês se amam mesmo não é? - Ana.

- Muito - Karol.

- Vocês pensam em casar? - David.

Engasgo com minha saliva e olho pra minha mãe assustada.

- Querido eles são muito jovens - Ana.

- Mas quero saber as intenções dele com minha filha - David.

- Pai ele vai em bora não precisa se preocupar - Karol.

- Escuta filha, eu sei o quanto se amam, ainda tenho duvidas, mas sei que é algo grande, e não quero te ver sofrer quando ele for se mudar, até corgitei a ideia de irmos morar lá mas deixei de lado, mas agora que não estamos mais trabalhando temos que ir pra algum lugar, além disso a Itália é um ótimo lugar, vai ser bom pra você construir um futuro lá  - David.

Meu corpo gela, ir morar na Itália? Isso é sério? Isso é um sonho com certeza, meu pai realmente quer me ver feliz, caso contrário não iria dar essa idéia, e realmente a Itália é um ótimo lugar, posso mandar meu curriculo pra alguma das faculdades de lá, pode ser bom.

- Pai é sério isso? - Karol.

- Sim - David.

- Aaaaah eu te amo tanto pai - Karol.

Pulo no seu pescoço o abraçando mas tomando cuidado com o braço dele.

- Você não tinha que ir pro Roller hoje? - Ana.

- É mesmo! Vamos começar a organizar o Open hoje! Vocês vão né? - Karol.

- Vamos sim - Ana.

- Claro querida - David.

- Ótimo, é sexta que vem ás 16:00-  Karol.

Eles assintem e eu subo a escada correndo, bato na porta do quarto do Agus e ouço um entre.

- Tô indo pro Roller, vai também? - Karol.

- Vou - Agus.

Ele se levanta e pega os patins.

- Dez minutos eu chego lá na portaria - Karol.

Ele assinte enquanto olha alguma coisa dentro das gavetas da escrivaninha ao lado da cama.

Saio do quarto dele e entro no meu, pego minha toalha e corro pro banbeiro, retiro minha roupa e tomo um banho rápido, pego uma lingerie preta e visto, pego um short moletom preto com duas listras brancas da Adidas, uma regata soltinha curta na frente e longa atrás na cor branda e um vans preto, visto a roupa e arrumo meu cabelo com as duas tipicas mechas presas agora com o próprio cabelo e algumas tranças pra não ficar sem graça, deixo alguns fios soltos na frente e pego meu celular vendo que tem uma mensagem do Agus.

"Rápido que eu quero chegar logo" - Agus.

"Tô indo" - Ka.

Bloqueio o celular e calço o sapato, pego uma bolsa média pra colocar os sapatos quando calçar os patins, pego os patins que o Rugge me deu, na parte de baixo ainda está legivel a caligrafia dourada do 'te amo' e o RP, meu coração dói com a lembrança daquele dia, afasto esses pensamentos, eles não me farão bem, desço a escada e vejo meus pais na cozinha.

- Tô indo - Karol.

Dou um beijo na bochecha de cada um e saio de casa correndo, vejo o Agus na portaria já calçado seus patins e me esperando impaciente.

- Agora me espera calçar os meus - Karol.

Ele revira os olhos, me sento na calçada e tiro meus sapatos logo calçando os patins, termino de amarrar os cadaços e guardo o sapato na bolsa, me levanto e rumamos ao Roller.

Patinamos pelas ruas curtindo o momento e fazendo palhaçadas, como é bom sentir esse vento nos cabelos, esse sentimento de liberdade, eu sei que ainda estou proibida de patinar, mas eu não posso me apresentar, uma patinadinha simples não fará mal algum, o Agus concordou em me encobrir para que eu possa patinar as vezes.

- Finalmente - Agus.

Ele dispara para dentro do Roller, rio e acelero o acompanhando enquanto desviamos das pessoas com destresa e muita rapidez.

- Assim vocês vão derrubar todo mundo - Luz.

Rio e paro ao seu lado na entrada da pista.

- Karol você não estava proibida de patinar? - Luz.

- O médico disse que eu não podia me apresentar por dois meses, mas ele não disse nada sobre patinar sem vazer freestyle - Karol.

Ela sorri e nega com a cabeça logo entrando na pista, ouço alguém patinando até mim por trás e logo dois braços fortes apertam minha cintura e seu cheiro amadeirado delicioso se mistura ao meu trazendo um aroma magnifico a minhas narinas.

- Pensei que não viria - Rugge.

- Meus pais me lembraram, quase eu não viria mesmo - Karol.

- O pessoal que vai pra viajem está lá no palco organizando algumas coisas, vamos também - Rugge.

- Você vai? - Karol.

Ele assinte sorrindo e eu o abraço com força, nos separamos e patinamos até o palco onde encontro todos sentados conversando animados.

- Karol sempre aprontando - Aninha.

- Toda vida amiga - Karol.

- O que organizaram até agora? - Rugge.

- O horário de partida e algumas coisas para levar - Chia.

- Não vamos levar muita coisa já que lá vamos comprar muita roupa, sapatos, acessórios, enfim, lá vamos comprar tudo pra renovar o guarda-roupa - Caro.

- Ótimo então podemos nos preocupar um pouco mais com o Open que será mais cedo que a viajem - Lio.

- Ele ta certo vamos organizar aqui e vocês três vão tirar os patins e firmar os pés no chão - Aninha.

- Sim chefa - Agus.

Rimos e eu, Agus e Rugge vamos até os armários até que encontramos quem? Isso mesmo, o quarteto fantástico, Valentina, Candelária e as duas ratas de laboratório.

- Olha quem apareceu, e vejam, se arriscou nos patins, é melhor colocar os protetores querida deve ter desaprendido depois de tanto tempo - Cande.

Argh eu vou dar com minha mão na fuça dessa ruiva.

- Ignora, vem - Rugge.

Ele me puxa pela mão e vamos até nossos armários, trocamos os patins pelos sapatos e vejo que o Rugge colocou um Supra preto e o Agus um Sandro Moscoloni preto, combinou porque o Rugge tá com uma T-Shirt preta e um jeans branco e o Agus com uma regata branca com uma jaqueta de couro preta e um jeans branco, o povo ta preto e branco hoje credo.

Voltamos pra lanchonete e vejo a Aninha, a Chia e a Caro ajudando a Luz a organizar as mesas e o Lio, o Gastón e o Mike nos instrumentos enquanto o Jorge está nas caixas de som.

- Vão ajudar no palco que eu ajudo nas mesas - Karol.

Eles vão em direção ao palco e eu vou até as meninas, chego perto delas e a Luz me manda para limpar as mesas, limpo cada uma e organizo as cadeiras com a Chia me ajudando enquanto as outras limpam o chão.

- Ouvi dizer que lá tem celebridades a torto e a rodo - Chia.

- Tem mesmo - Aninha.

Elas suspiram olhando pra cima.

- Quem sabe não esbarramos no Jay-B por lá? - Karol.

Elas me olham confusas.

- Não sabem? Jay-B é o apelido do Justin Bieber, e ele mora lá em Stratford - Karol.

As meninas dão uns gritos finos e falam freneticamente sobre o quanto o Justin é lindo e tudo mais, já estou começando a me arrepender de ter dito isso a elas.

Terminamos de arrumar o lugar e durante toda a tarde o assunto foi Justin Bieber, me arrependo eternamente de ter dito isso a elas, me despesso de todos e volto para casa com o Agus, assim que chegamos vejo meus pais jantando felizes, até demais, subo pro meu quarto e tomo banho, coloco um pijama de frio com estampa de gatinhos e desço para jantar também, continuo achando estranho essa alegria toda mas depois que o Agus perguntou o motivo e nenhum dos dois responderam eu acabo deixando de lado, termino de comer e dou boa noita a todos, subo e me jogo na cama, em pouco tempo pego no sono.


Notas Finais


Foi isso pessoal espero que tenham gostado S2
Essa viajem promete viu ;)
Leitores fantasmas apareçam eu não mordo ;*

Até o próximo cap minhas pedras preciosas S2


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...