História Impossible Love - Capítulo 6


Escrita por: ~ e ~Lara_Agreste

Postado
Categorias Sou Luna
Personagens Amanda, Ámbar Benson, Ana, Cato, Delfina, Gaston, Jazmin, Jim, Luna Valente, Matteo, Miguel, Monica, Nico, Nina, Pedro, Ramiro, Rey, Ricardo, Sharon, Simón, Tamara, Tino, Yam
Exibições 102
Palavras 1.358
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Famí­lia, Hentai, Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Insinuação de sexo, Nudez, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 6 - Me va a doler más


Fanfic / Fanfiction Impossible Love - Capítulo 6 - Me va a doler más

POV Karol

Depois que o Rugge saiu avoado daqui de casa o Agus chegou perguntando o que houve pois o viu sair correndo daqui, eu disse que também não sabia mas que pretendo descobrir, agora estou aqui vendo minhas redes sociais pelo notebook, logo ouço batidas na porta.

- Entre - Karol.

A pessoa entra e eu levanto a cabeça dando de cara com a Caro, ela possui um semblante preocupado e triste.

- Caro? O que houve? - Karol.

- E-eu não sei c-como te explicar isso - Caro.

- Okay agora me preocupou, fala logo - Karol.

- É-é o Ruggero - Caro.

- O que tem ele? - Karol.

- E-ele sofreu um acidente - Caro.

- QUÉ?!?! - Karol.

Sinto as lagrimas quentes descerem pelo meu rosto.

- Não, não, não isso só pode ser mentira, não, o Ruggero não, por favor não, não - Karol.

Sinto mais lagrimas cairem, não acredito nisso, sinto que algo dentro de mim se quebrou, sinto braços me envolverem e vejo que é a Caro, olho pra ela que também tem lágrimas nos olhos.

- Olha eu não soube de muita coisa, mas sei que já levaram ele pro hospital - Caro.

- Você sabe como foi o acidente? - Karol.

- Um bêbado em uma van ultrapassou o sinal vermelho e bateu no carro dele - Agus.

Sinto mais lágrimas descerem.

- E-eu quero vê-lo -Karol.

Os dois se olham mas não falam nada.

- AGORA! - Karol.

- O-okay eu te levo lá - Agus.

Ele pega minhas muletas e me entrega, saio do quarto com os dois atras de mim, nem pesso ajuda na escada, desco quase correndo só com as muletas, vou até a garagem, loho Agus e Caro chegam correndo também, Agus destrava o carro e todos nos entramos, ele dá partida e em poucos segundos estamos nas ruas da cidade, a cada segundo que passa sinto meu coração ficar mais apertado, cada segundo que passa sem saber como ele está é torturante, sinto o carro ser estacionado e vejo que já estamos no estacionamento do hospital, saio do carro e a Caro me entrega as muletas, sorrio em agradecimento a ela, Agus trava o carro e começamos a andar até a recepção, mal chegamos e eu já corro até uma mulher no balcão.

- Com liscença eu gostaria de saber o estado do paciente Ruggero Pasquarelli - Karol.

- Desculpe-me moça mas só posso dar essa informação aos parentes do paciente - Atenna.

- Eu sou prima dele - Caro.

- Hum okay... Ele entrou na sala de cirurgia faz uns 5 minutos, podem aguardar naquela sala ali - Atenna.

Ela aponta pra uma sala no fim do corredor, andamos até lá e nos sentamos nas cadeiras, depois de uns 20 minutos um médio aparece na porta de uma sala vom roupas de cirurgião, meu coração acelera, o medico entra em uma salinha e logo sai com o jeleco tradicional, ele pega uma prancheta e fica lendo.

- Acompanhantes de Ruggero Pasquarelli - Josemá.

Nos tres nos levantamos e vamos até ele.

- Somos nos - Caro.

- Sigam-me - Josemá.

Enquanto andamos até um elevador ele nos explica tudo.

- Bom, o acidente foi bem feio... - Josemá.

Só nessas seis palavras as lágrimas já escorrem por meu rosto.

- Mas ele foi forte e resistiu bem, fizemos uma cirurgia pois ele teve uma fratura exposta no ombro, já conseguimos colocar o osso no lugar mas ele vai precisar de repouso absoluto por três meses, ou seja, nada de pegar peso ou fazer movimentos bruscos com o ombro, ele levou uma forte pancada na cabeça mas não fraturou o crânio, só cortou um pouco a pele, tirando isso ele está bem, com algumas esfoleações pelo corpo mas nada demais, ainda está sob efeito da anestezia mas logo logo irá acordar - Josemá.

Ele para em frente a um quarto.

- É aqui, sugiro não deixá-lo irritado, e sejam breves pois ele deve descansar bastante - Josemá.

Entramos no quarto, ao entrar vejo ele deitado na cama de hospital, todo coberto de fios e com uma faixa na cabeça, me doi o coração ver ele assim, vou até a cama e acaricio suas madeixas morenas douradas, fico assim alguns minutos só olhando pra ele.

- Karol é melhor irmos - Agus.

- Er... - Karol.

Olho mais uma vez pro Rugge.

- Eu vou daqui a pouco, podem ir - Karol.

Eles confirmam com a cabeça e saem do quarto, olho novamente pro Rugge deitado naquela cama, seu rosto lindo agora com várias esfoleações, continuo acariciando até que o vejo abrir os olhos aos poucos.

- Rugge? - Karol.

Já sinto meus olhos começarem a marejar de felicidade, ele pisca algumas vezes antes de olhar pra mim, seu olhar antes perdido se torna sentido ao me olhar, ele esconde algo, será que é por causa da ligação que recebeu antes de sair da minha casa? Será que isso o fez tirar a atenção da pista? Se ele estivesse concentrado teria visto que os outros motoristas não atravessaram só ele, ai quantas perguntas, mas nenhuma resposta.

- Ka... - Rugge.

- Oi - Karol.

- E-eu... N-nos... Ah não posso fazer isso - Rugge.

Ele olha pro outro lado e aperta os olhos com força, logo ele me olha e sinto a culpa pesar em seus olhos.

- Ka... Não podemos mais continuar juntos - Rugge.

Meu coração acelera.

- Mas Rugge somos só amigos - Karol.

- Então, não podemos mais ser amigos, não podemos mais ficar próximos um do outro, temos que nos afastar - Rugge.

Sinto uma lágrima descer por minha bochecha, vejo seus olhos marejarem também, eu sei que ele não quer fazer isso, alguem o está obrigando a isso, e quando eu descobrir quem é, essa pessoa vai se dar mal.

- M-mas Rugge, porque? Porque não podemos mais ser amigos? PORQUE NÃO PODEMOS MAIS FICAR JUNTOS? - Karol.

Percebo que gritei na ultima parte e ponho a mão na boca.

- E-eu sei que isso vai doer em você, mas acredite vai doer mais em mim, Ka eu não quero te deixar mas sua vida está em risco por minha culpa, a unica maneira de te manter a salvo é me afastando de você, por favor, não brige comigo, estou fazendo isso porque te amo e não quero arriscar sua vida por um erro meu, me perdoe - Rugge.

Vejo uma lágrima descer por seu rosto e ele aperta os olhos, provavelmente tentando fazer com que não saiam mais, limpo sua lágrima solitaria com meu polegar, agora sei porque ele estava distraido mas ainda não sei quem fez isso com ele, sinto várias lagrimas descerem pelo meu rosto, me afasto dele enchugando as minhas lagrimas mas sua mão segura a minha, sinto um choque quando sinto sua pele na minha, olho pra ele e vejo seu olhar culpado.

- Tudo bem, eu tambem te amo e se essa é sua escolha, tudo bem eu respeito, mas não pense que eu vou ficar de braços cruzados enquanto você me humilha, vou descobrir quem te mandou fazer isso, já tenho minhas suspeitas, e não vou parar ate descobrir quem é e porque faz isso - Karol.

- Tudo bem não vou te impedir, sei que não vai adiantar - Rugge.

Ele solta uma risadinha acompanhada por um sorriso de lado.

- Mas ouça o que eu digo, isso é muito perigoso, meu passado é perigoso e agora esta atraz de mim de novo, EU sou perigos pra você, por favor não se meta nisso, pode sair machucada e eu não me perdoaria se isso acontecesse com você - Rugge.

- Eu entendo, mas como disse não vai adiantar, sou muito teimosa, e eu vou descobrir toda a verdade, você querendo ou não - Karol.

Ele solta outra risadinha e eu o acompanho, paramos de sorrir e ficamos nos encarando nos olhos.

- Ka... Me faz um ultimo favor? - Rugge.

- Sim - Karol.

- Me beija - Rugge.

Em?! Congelo na hora, e agora beijo ou não beijo?



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...