História In-Desejável - Capítulo 9


Escrita por: ~

Visualizações 244
Palavras 1.312
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Comédia, Escolar, Hentai, Lemon, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Yaoi
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


E AI CHUCHUS

ESPERO QUE ESTEJAM APROVEITANDO E GOSTANDO DA HISTÓRIA.

Capítulo 9 - Uma surpresa inesperada


O sol ardia contra meu rosto sonolento, obrigando-me a abrir os olhos  preguiçosamente. Só quando finalmente fitei o teto é que tive consciência de estar em casa. Me lembrava vagamente do que havia acontecido após a “ceninha” da festa. Havia saído com os garotos para um bar que costumávamos frequentar e lá bebemos tudo que conseguimos. Como havia chegado em casa? Não fazia idéia, mas provavelmente algum deles teria me ajudado. Olhei para o lado e Jungkook não estava, provavelmente havia passado a noite com...

Balancei a cabeça, não queria pensar mais nisso e havia jurado na noite anterior que tiraria aquela garota da cabeça e de meu coração.

Levantei-me com uma baita dor de cabeça, tanto que cheguei a me desequilibrar por levantar muito bruscamente. Segui para o banheiro onde tomei um belo banho, fiz toda minha higiene matinal e me vesti com uma calça estampada azul e uma camisa de coloração salmão.

Desci até a cozinha onde encontrei minha mãe dançando animada enquanto cantarolava alguma coisa inteligível por sua bela habilidade musical. Acabei rindo ao me aproximar e isso roubou sua atenção.

- Oh, bom dia querido! – Ela soltou docemente.

- Mãe, ainda bem que você não vive pra dançar e cantar. Você cegou meus olhos e acabou com minha audição. – Provoquei antes de dar uma gargalhada. Por sorte tinha um bom reflexo pois tive que desviar de uma vasilha voadora que ela lançou sem qualquer dó.

- Isso é jeito de falar. – Ela resmungou fazendo uma careta. – Você veio bem bêbado ontem, o que te falei sobre isso? Ainda bem que seus amigos são gentis e te trouxeram. Taehyung, você precisa ser mais responsável como seu irmão.

Revirei os olhos para a reclamação dela e acabei fazendo uma careta ao ouvir a comparação ridícula com o outro.

- Como se ele fosse responsável. – Resmunguei me sentando na mesa e me servindo de um pouco de café e torradas.

- Ele ligou avisando que dormiria na casa de uma garota. Parece que ele já arrumou uma namorada. – Ela falou como se ele ter avisado fosse uma coisa realmente emocionante.

Ignorei o fato com um dar de ombros enquanto comia.

Após o café, subi novamente para o quarto, era domingo e não havia muito o que fazer. Segui para o vídeo game decidido a continuar a bater meu próprio Record em um dos meus jogos favoritos e mais tarde talvez saísse para algum lugar com meus amigos.

Era estranho e mesmo sendo uma das minhas melhores distrações, o tempo ainda parecia não passar ou talvez o relógio estivesse andando para trás. Franzi o cenho desistindo do jogo. Subi em minha cama e tratei de mexer em meu celular, uma bela surfada por minhas redes sociais poderia me animar. Me deparei fazendo aqueles testezinhos ridículos, mas ao menos eles me arrancavam sorrisos já que eu conseguia os mais absurdos resultados.

Assustei-me quando o aparelho vibrou em minhas mãos me fazendo encarar a tela brilhante.

- E ai! – Falei ao levar o aparelho até a orelha.

- Eu nunca me senti tão mal na vida. Acho que meu estômago está se revirando por conta própria. – A voz do outro lado era como a de um doente e me fez revirar os olhos.

- Você não devia ter bebido tanto já que não é acostumado Hobi. – Soltei calmamente  enquanto analisava os dedos de minha mão livre.

- E abandonar um amigo após a luta? Não mesmo! – Acabamos por rir. – Mas e você tá melhor?

- Fora a baita dor de cabeça. Estou bem. – respondi sinceramente.

- O que devíamos fazer? Quero dizer, você precisará encarar todos eles no fim das contas e Yuna também.. – De fato ele estava certo mas me negava a rebaixar perante aquela situação. Eu era conhecido por estar sempre brincando e sorrindo e as coisas não iriam mudar.

- Eu não vou fazer nada. Vou seguir com minha vida normalmente como se toda essa merda jamais tivesse acontecido. – Falei soltando um suspiro. – Na boa cansei.

O outro deu uma breve risada antes de hesitar em continuar.

- E aquela coisa com o Suga... quero dizer... o que aconteceu? – Sua voz falhava como se ele buscasse uma forma de perguntar sobre o assunto sem parecer incomodo.

Respire fundo enquanto me permitia pensar. – Sinceramente... – Comecei. – Nem eu sei. Quero dizer, ele não me obrigou nem nada. No inicio foi para esconder o fato de eu ter ficado sabendo sobre Yuna e Jungkook mas depois... – Mordi o lábio e agradeci por ele não poder ver meu rosto. – Não sei agi por instinto e acabei me excedendo. Ele deve me odiar agora.

- Não odeia. – Hoseok soltou mais rápido do que eu esperava. – Eu falei com ele antes. – Completou.

- Isso é bom.

- Eu só perguntei porque ele também se sente assim. Seria realmente esquisito que isso atrapalhasse nossa amizade sabe. Não que se vocês fossem namorados de verdade... – Eu me engasguei. – Eu sei não são. Bom, eu só queria mesmo saber se estava tudo bem.

- Eu sei Hobi. – Soltei com a voz baixa e gentil. – Obrigado por se preocupar. Ouvi sua risada baixa antes da ligação finalmente ser encerrada.

No instante em que o telefone desligou  a porta de meu quarto se abriu. Jungkook surgiu me olhando por breves segundos antes de desviar o seu rosto. Não me deixei abalar por sua presença e continuei da mesma forma que estava antes, deitado sobre a cama e mexendo no celular, porém é claro, eu o observava pelo canto do olho. Seu rosto parecia levemente inchado e ele tinha algumas marcas no pescoço que eu ainda não conseguia identificar.

Ignorei o fato me chingando mentalmente antes de me levantar bruscamente da cama para sair dali, o clima era realmente pesado quando estávamos sozinhos.

- Nós terminamos... – Ouvi a voz de Jungkook soar fraca atrás de mim obrigando meu corpo a parar. Eu realmente não me importava mas era estranho que algo que mal tivesse começado já tivesse um fim.

- Eu não me importo. – Soltei de forma rude sem nem me dar ao trabalho de me virar.

Ouvi seu suspirar pesado e um ranger de dentes grosseiro. – Ainda assim a culpa é sua.

Bufei com a resposta impertinente do outro. Meus braços tremiam enquanto eu fechava as mãos em punho fortemente. Virei-me na sua direção e encontrei seu olhar baixo  e os ombros caídos.

- Eu não tenho nada a ver com seus problemas. – Continuei de maneira firme o suficiente para parecer real minha despreocupação com o fato.

- Claro! – Ele sorriu irônico. – Não que você se importe, mas pelo que eu entendi... – Ele hesitou passando a mão sobre os cabelos bagunçados tentando  se concentrar. – Eu devo ter chamado por você enquanto dormia.

Aquilo me pegou de surpresa, realmente não esperava por tal declaração e meu queixo caído deixava isso claro.

- Porque você faria isso? – Perguntei realmente confuso mas Jungkook apenas riu ironicamente de novo.

- Porque era em você que eu estava pensando. – Sua voz soou mais forte quando ele finalmente levantou o olhar para me encarar diretamente pela primeira vez. – Porque eu queria você nos meus braços, não ela!

Engoli em seco e automaticamente dei alguns passos para trás. A lembrança daquela noite em que Jungkook se tocava enquanto dizia meu nome me veio a tona e me causou um longo arrepio. Aquilo era estranho e me fazia me sentir estranho também. Porque ele tinha que dizer tudo aquilo depois de tudo que havia acontecido. Minha voz falhou e eu não consegui pronunciar uma palavra sequer, o meu “irmão” indesejado estava dizendo realmente que preferia a mim do que a garota mais gata do colégio. Comecei a juntar os pontos até a fica finalmente cair fazendo minha barriga gelar e meus músculos tencionarem.

- Parece que você entendeu. – Ele falou me lançando um sorriso ladino que me tirou o ar.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...