História In my arms - Capítulo 2


Escrita por: ~

Postado
Categorias Os Vingadores (The Avengers)
Personagens Natasha Romanoff, Steve Rogers
Tags Família, Romanogers
Exibições 106
Palavras 1.240
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Ação, Crossover, Drama (Tragédia), Famí­lia, Romance e Novela
Avisos: Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Tortura
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Ola , estou postando mais um capítulo da fic , para vcs terem uma ideia por onde pretendo caminhar .

Por favor o feedback de vcs é muito importante .

Erros acontecem , me perdoem por isso , Qdo da eu faço uma nova revisão no capítulo .

Boa leitura !!!

Capítulo 2 - Duvidas emocionais


Papai me olhava cansado pelo dia de trabalho intenso  , mas ainda assim carinhoso e preocupado . Sei que fiz besteira  em abrir a carta sem a permissão dele, mas ainda assim ele não parece bravo comigo, pelo contrário ele tá diferente e condescendente . 
- porque ela resolveu voltar agora, que estamos bem sem ela, pai ?  Não quero conhecê-la ela nos abandonou e agora quer ser brincar de casinha ? 
- sua mãe  não teve escolha . Eu era procurado também , mas seu tio me acolheu em wakanda . Eu cheguei a cogitar ir com ela e com você, mas ela mesma me convenceu de que era o melhor para você eu ficar . Você cresceria forte e protegida . 
- faz anos que o senhor não é procurado , nem ela. Ela podia ter voltado , e não o fez.  Eu ouço você chorar a noite por ela. Você não se deu a chance de um novo amor ... Trabalha  dia e noite  para que nós vivêssemos  desse jeito . Eu esses dias nem tenho te visto . 
- eu concordo que ela poderia ter voltado antes por você . Eu sei que uma mãe faz diferença para qualquer um, mas especialmente para mulheres. Eu sei que eu não consigo suprir esse lado. Eu tento.  Agora quanto ao meu relacionamento e trabalho nada depende dela. Eu não quiz , eu tive dois amores e mais nenhum,  eu estou bem com isso . A única pessoa que me importa é você. - ele falou se sentando na ponta da minha cama . - quanto ao trabalho ... Eu vou tentar  diminuir a carga e estar mais presente para você . - ele me abraçou . 
- pai ... Eu não preciso dela , eu tenho o senhor . Não quero que ela volte . 
- filha, eu não vou obriga-lá a conhecê-la, mas de uma chance . Ela ainda é a sua mãe e te ama mais que tudo . Fazemos assim , eu marco com ela sozinho , converso e  na seguinte você vai  se quiser . Antes da sua mãe ser quem é , ela era minha amiga , ela merece a chance. Agora que tal uma certa menina voltar a dormir? Você tem aula cedo - ele me fez deitar e me cobriu . Deu um beijo de borboleta como quando eu era pequena e apagou a luz . ( gente beijo borboleta é dado com os olhos , duas pessoas têm seus rostos próximo e um deles começa a piscar rapidamente , o contato com o rosto do outro dá a impressão de que uma borboleta está ali - eh uma forma de carinho ). 
- boa noite , pai. Eu te amo!!!
- eu também minha biaboleta . Que os anjos cuidem de você- ele falou e encostou a porta do quarto . 
-------------------------
Eu sabia que seria uma situação difícil, trazer a Natasha de volta à vida da Bia . Ela adoraria se fosse anos atrás , mas hoje . Não  sei nem como convencê-la a ao menos conhecer a Nat. Eu não quero que nenhuma delas sofra.  
Confesso que meus sentimentos por ela não mudaram , eu ainda a amo . Mesmo assim não sei se toparia  entrar nesse relacionamento novamente e nem sei se a Nat seguiu em frente ou não . A Nat é uma pessoa facilmente adaptada , não seria difícil para ela , e ela tem esse direito .
E se de fato ela seguiu em frente ... Como eu me sentiria com isso? como a Bia vai reagir? Mas eu preciso dar uma chance dela ao menos tentar conviver com a Bia . Ela precisa da mãe .  Chega , Steve , volta ao relatórios , depois você pensa nisso.  Primeiro os relatórios da polícia , você precisa desse emprego, o exército não cobre as despesas sozinho , a menos que eu vá para a guerra , o que não é opção .
Virei a noite preenchendo  páginas de relatório e quando vi , o sol já se levantava. Hora de parar isso S fazer o café para a Bia , daqui a pouco o ônibus escolar estava aqui na porta.  Comecei a fritar uns ovos mexidos e preparar as torradas . Quando ouvi passos no corredor. 
- bom dia , pai ! - ela falou animada e me abraços já com um garfo para tentar roubar um pouco do ovo. 
- não - bati em sua mão  de leve. - já está pronta?- falei sem olhá-la 
- Claro que não . Eu até tentei mas não encontrei a blusa do uniforme passada. 
- droga, filha. Me desculpa ... Eu esqueci . Pega o prato , está pronto aqui . Vai comendo , que eu já volto .  - sai correndo  e peguei uma das blusas dela no varal . Ainda tava um pouco molhada, joguei dentro da secadora , enquanto eu apanhava o ferro para passar . 
Ela continuava a comer enquanto eu passava  a blusa . Assim que acabei a entreguei e fui lavar a louça do café . Daqui s pouco vejo ela entrar na sala com o uniforme. - tudo pronto ? 
- sim , sim . 
- deveres ?  Roupas de treino ? - perguntei erguendo a mochila . Irei te alambra no treino tá ! Eu prometo . - definimos beijo nela e me despedi a vendo da janela apanhar o ônibus que acabara de estacionar . Morávamos longe da escola dela, logo passava cedo  o ônibus , ela era sempre a primeira a ser pega e a ultima a ser deixada . Às vezes acho que isso afeta o rendimento dela. 
 Assim que o ônibus partiu eu corri para o quarto , e me troquei . Tinha 1h para ir até o departamento policial e como vendi o carro o jeito é correr.  Coloquei o uniforme policial na mochila e  coloquei uma roupa de treino . 
Apanhei os relatórios a serem entregues e bati a porta  de casa a trancando .  Desci as escadas do prédio e corri rumo ao trabalho . 
--------------------------------
- Natasha - ouço a voz de Bucky me chamar 
- oi , o que você falou mesmo ? - respondi . 
- estava falando sobre a escola do  Alex , ele precisa ir  a uma se você irá se mudar para cá . Steve comentou que a Bia está estudando  na Trinity , óbvio que fora do internato , porque não tenta lá. 
- na escola mais cara e antiga . De fato Steve não mede esforços pela educação da nossa filha.  
- é ele não mede . Eles vivem dignamente por isso .  Falando nisso, a carta foi entregue, já conseguiu  alguma resposta ? Tem o que uma semana ? 
- mais ou menos isso. Eu deixei meu número para ele  no cartão  dentro do envelope . Mas nada até agora .  Talvez ele não me perdoe e o pior eu tenho tanto para conversar com ele , eu quero conhecer a Bia e... 
- Tasha uma coisa de cada vez . Primeiro foca no Alex, se estabelece aqui,  depois você se for o caso vai até a casa dele e conversa . Steve não é de demorar a responder , principalmente um assunto desses. 
- você tem razão . 
- claro que tenho , e eu conheço muito bem vocês todos . 




 


Notas Finais


Então ? O que estão achando ?
Sou super aberta a críticas , elogios , ideias então fiquem a vontade .

Até os comentários!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...