História In my arms - Capítulo 5


Escrita por: ~

Postado
Categorias Os Vingadores (The Avengers)
Personagens Natasha Romanoff, Steve Rogers
Tags Família, Romanogers
Exibições 71
Palavras 3.698
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Ação, Crossover, Drama (Tragédia), Famí­lia, Romance e Novela
Avisos: Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Tortura
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Oi ,
mais um capítulo para vcs .
Olha como estou boazinha !!!

Obrigado por comentarem ... Favoritarem , vcs são mil .

Capítulo 5 - Sendo aceito


Chegar ao apartamento do Steve foi um caminho longo até de carro . Fora que a área não parece ser das melhores . Nada contra ele morar aqui , mas tem uma menina envolvida . Como ele pode criar ela por aqui ? 

Bucky estacionou o carro na vaga de frente ao prédio antigo . Parecia um prédio de apartamentos pequenos e sem elevador . Às vezes não entendo o problema dele com essa questão de ser sempre o mais simples. Minha filha não pode continuar vivendo assim . 

- Bucky , esse bairro não é um tantinho perigoso ? - Perguntei . 

- é , mas o Steve e a Bia são pessoas queridas , ninguém mexe com eles, a não ser para agradecer ou entregar algo em retribuição pela ajuda . E o mais importante . Foi o que deu para pagar com a venda do apê dele de washington . 

-  só aqui ? O apê dele era bom , porque morar em new york ? 

- Steve veio para cá , porque uma técnico de NY de patinação simplesmente amou a Bia e ele quer que a filha realize o sonho .  

- tudo bem . Acha que ele irá me receber ? 

- Acho que sim, no mínimo a educação ele manteve . Essa hora ele costuma já estar em casa. 

-São 11 da noite ,  ele tem que estar em casa. 

- mais ou menos , nat . Ele trabalha dia e noite . Tenta sempre estar presente para ela , mas às vezes ele tem plantão . 

- ele virou médico agora?

- não . Pronto o apê é no próximo andar . 

- tá ouvindo alguém chorar ? Ou eu sou mãe e estou ouvindo demais . 

- tem de fato alguém chorando . - vi que ele subiu o último lance de degraus  correndo . Obviamente corri atrás . 

Assim que chegamos ao andar , Bucky batia freneticamente na porta na espectativa de que  minha filha abrisse , porque o choro  era dela.  Depois de ainda uns 10 minutos ela abriu a porta. 
Não podia ser , era a menina do metrô.  Teremos problemas com os meninos.  Como não reconheci os traços do Steve nessa menina, eu realmente não acredito . Ou melhor como  não vi semelhança comigo .

Bucky parecia tentar acalma-lá e em seguida perguntar pelo Steve .  Que surgiu do nada  no corredor , fardado como policial . Pai do céu , ele  está na polícia por isso esse buraco é onde ele mora . A polícia não paga bem .  Mania de estar sempre ajudando os outros . Às vezes ele podia ser mais egoista ,  mudar de profissão, sei lá . Aff

A menina não se acalmava nem com o pai , falava algo de ficar sozinha ... Não entendi . Steve me olhou irritado , achando que eu já tinha contado a menina E tudo que eu pude responder foi não e pedi para que ela se acalmasse , ouvisse o que quer que seja que o pai falasse. 

Bucky até tentou convencê-lo a deixá-lo acalmar a Bia para que conversássemos , mas Steve recusou . Eu faria o mesmo . Só avisei que esperaria se fosse necessário . Minha conversa não seria fácil . 

Ele de alguma forma conseguiu levá-la ao banheiro e convencê-la a um banho e ir dormir.  Enquanto esperava , observei o apartamento  como um todo . Estávamos apenas nós três , Bucky disse que iria  num bar perto e quando acabasse eu ligasse.  O apê era um quarto sala cozinha , ótimo para uma pessoa sozinha . Era bem organizado e decorado neutralmente .  Vi algumas fotos no corredor  pequeno e pela sala .  Uma dela bebezinho  nos braços do pai , segurando um dos dedos dele com a pequena mãozinha . Uma outra era dela saltando sobre um lago congelado com patins nos pés, outra era uma dela com o sorriso banguela de uns 7 anos  encostada no batente da porta com um lápis marcando sua altura , a outra era dela com o Steve comendo algodão doce em um parque de diversões, essa era mais recente. 

Voltei à sala  assim que a porta do banheiro deu sinal de ser aberta . Sentei como se nada  tivesse acontecendo . Vi Steve se aproximar se dirigindo à. Cozinha . 

- quer um café , suco ou água? 

- um café , então . 

Ele não falava nada, estava chateado e cansado provavelmente . Assim  que ficou pronto ele trouxe o café na caneca , e me entregou .  

- não tenho xícara , desculpa. -ele olhou para baixo constrangido 

- tudo bem .  Está bom assim . - respondi tentando controlar minha respiração acelerada . 

Minha princesa apareceu vestida com um shortdoll com pegadas de cachorro , uma graça . Eu queria envolve-la em um  abraço  , senti-la comigo depois desses anos todos , mas não me mexi . Steve levantou depois de trocar algumas palavras com ela,  eu assenti que o esperaria. Ele pareceu compreender .  

Cerca de 15 minutos se passaram vi que ele voltava para sala . Ele parecia ainda mais cansado . Mas mesmo assim estava disposto a me ouvir . Ele dirigiu a palavra a mim é tudo que saia era o nome dele . De repente toda a minha coragem de contar tudo foi pelos ares . 

- Tasha? - ouvi a voz dele suave me chamar novamente . 

- me desculpa . 

- por que? Odeio quando você faz isso . Foi necessário Tasha , pela segurança da Bia , eu não a julgo. Eu faria o mesmo . 

- eu sei  , mas vai além disso .  Eu fico feliz por você e por ela . O relacionamento entre vocês é forte e você não teve essa chance com o Alex 

- do que está falando nat ? Quem é ... - ele foi interrompido pelo meu celular . Pedi com o olhar para atender . 

- oi amor ,  eu ainda estou aqui falo com você mais tarde, quando estiver voltando . 

- tudo bem , mãe , mas não demora - Alex falou  pelo celular e desligou a ligação . 

- está com alguém Tasha ? É isso que está com medo de me contar ? 

- não . Eu não To com ninguém . Na verdade eu moro com alguém e ...- fui interrompida 

- tudo bem , nat . Você pode seguir em frente . 

- não é isso Steve . Deixa eu terminar . Eu moro com um menino sim , ele tem 14 anos cabelos ruivos e olhos azuis intensos igual aos do pai que estão  me olhando perdidos nesse momento . 

- você quer que eu acredite que o menino é meu filho ? 

- ele é Steve . Tem quase 15 anos que não me relaciono com alguém e ele , ele nasceu duas semanas depois da Beatriz . 

- como ? ??? 

- eu desmaiei numa rua da Áustria de tanta dor que eu sentia , quando acordei , uma enfermeira trouxe o embrulho gordinho . Ele era lindo Steve , tal como a beatriz , só tinha um problema eu não podia entregá-lo a você como fiz com ela . T'Challa , foi claro , me queria fora dali . Se eu pisasse ali eu estaria morta e o Alex também . 

- nat você podia ter ligado , escrito . Você era procurada . 

- eu sei , e eu fiz , mas não vinham resposta . E eu precisava fugir  e eu fugi com ele . Eu não queria priva-lo do convívio do pai, mas eu tive que fazer . Foi o único jeito .  Eu pensei em procurá-lo quando soube que  estávamos livres finalmente . Mas eu tive medo . Medo a sua reação , medo da reação da Beatriz . Eu perdi ela também . 

- a diferença é que você sabia dela , eu não sabia dele . Você era a heroína dela até pouco tempo . Ela acreditava que você voltaria e o tempo foi passando e ela foi se magoando. Eu não sei como será entre vocês duas . 

- eu só quero tentar uma aproximação com ela, entre os meninos , com vo

- não termina , você sabe que eu te amo , mas eu não posso sofrer mais . Eu não quero.- ele passou a mão no rosto e a levou atrás da cabeça, tentando se manter calmo . 
- você terá que conseguir com ela . Eu preciso dessa garantia. 

- Steve , eu não posso forçar com ela. Eu quero tentar e obter êxito , mas você mesmo disse que ela está magoada . 

- ela é Igual a você , nat . Geniosa, determinada, preciosa, tem o seu talento para dança . Eu preciso ter certeza que  você irá conseguir , ela merece a mãe dela, ela só tá com medo de ser abandonada . 

- eu já disse que vou tentar . Eu juro , eu quero a minha filha comigo para sempre . 

- ótimo .  Era tudo o que eu queria ouvir . 

- você está estranho . Você teria tido um ataque comigo se fosse anos atrás . 

- não estou,  só quero o bem da Bia . 

- posso perguntar uma coisa ? 

- sobre? Eu já aceitei que a Bia conviva com você. 

- sobre o Alex  E sobre esse lugar 

- o que tem o Alex ? 

- ele quer te conhecer o mais rápido possível  e por favor me explica porque escolheu esse lugar para morar . Seu apartamento valia bem mais que esse daqui . 

-  marcamos um encontro com nos 4 entào . E quanto ao apê  de DC não foi muito o que consegui ao vender . O pouco que sobrou com a compra eu vinha usando para realizar o sonho dela. 

- tudo bem , então só ao menos  me deixe ajudar com alguma coisa . O salário como policial é uma m completa , e eu não ajudei esses anos todos. 

- eu também não ajudei com o Alex .

- você não sabia, mas eu sabia da Bia. Só me deixe ajudar . 

- não precisa. Estamos bem financeiramente. 

- eu não vou discutir isso . Não hoje , marcamos outro dia.  Você parece  cansado , bem cansado . 

- eu agradeço , pela compreensão . 

Eu levantei e ele fez o mesmo. como estávamos de frente  nossos corpos se tocaram e senti um choque percorrer todo meu corpo.  Senti sua respiração próxima a minha . Percebi que ele se moveu se agitando  e indo em direção à porta. 

- boa noite , Tasha . 

- boa noite , Steve . 

- diga ao Alex , que eu já o amo e adoraria conhecê-lo . 

- obrigado por não me comer viva. 

- eu mudei , Tasha . Eu sou pai agora, estou mais aberto a novas situações . - ele abriu a porta e eu sai . 

- durma bem - dei um beijo na sua bochecha. 

Ele fechou a porta e eu desci as escadas , mandei mensagem pro Bucky que 5 minutos depois estacionou na frente do prédio. 

- como foi a conversa. 

- mas tranquila do que eu pensei que seria . Ele parece estranho Bucky . 

- sem gritos , jura? 

- juro. Nenhum grito , ou questionamento ríspido só um apelo para que eu realmente consiga estabelecer  um relacionamento com a Beatriz. 

- ela tem um gênio difícil que nem você , ê uma ótima menina , mas não é santa . 

- eu sei , ela confessou no metro mais cedo que socou o Alex .

- nossa , eles já se conhecem  então . Sabem um do outro ? 

- nem imaginam . Quer dizer o Alex sabe , mas não sabe quem é e ela ... nem teria como . Eu me pergunto como não reconheci minha princesa . Ela é fisicamente o Steve de saia , só que ruiva 
 
- na verdade ela é mais você na minha opinião . Principalmente você aos 15 anos . 

 Depois de quase 40 minutos nós chegamos , Alex estava apagado no sofá . Quem olhasse juraria que era um anjo .  Peguei o travesseiro e coloquei na cabeça dele e o cobri logo em seguida .   Passei os dedos nos fios revoltosos dos cabelos de fogo dele e depois deu-lhe um beijo . Amanhã o deixaria cedo na escola e iria assinar os papéis da compra do apartamento . 

------------------------------

Meu deus eu tenho mais um filho ... É tudo que me vem à mente . Um menino gêmeo da minha borboletinha. Logo agora que as coisas estão ficando tão difíceis . Deus, por que não me permitiu conhecê-lo mais cedo ? Por que não deixou a Bia conviver com a mãe ? Eu sei que o senhor não está ao meu lado , que eu  tenho perdido a minha fé , mas tudo que eu tenho tentado fazer é ajudar os outros e você me joga essa confusão. O que quer me ensinar com isso tudo ???? 

Eu estava em prantos desde que entrei no banho , as portas fechadas e com a água aberta eu poderia chorar à vontade  sem que a Bia me ouvisse . Como a Bia ficará com isso tudo acabar ? Odeio quando minhas alternativas  são iguais no resultado final . Droga , eu preciso  fazer algo , eu não posso ir agora .  Não agora . A Bia precisa se acostumar com a mãe antes , sentir que ela é uma muralha e a irá proteger, que sustentará esse sonho de ser patinadora. 

- pai ? O senhor está bem ? - ouvi batidas na porta do banheiro 

- sim, volte a dormir , eu já vou também . Precisava de um banho . 

- tudo bem . Que seus anjos velem  seu sono  e o senhor não desperte cedo demais . 

- obrigado. - falei pegando a toalha para me secar . Passei no meus braços , pernas  . Coloquei o pijama  , faltava secar o cabelo e o rosto , peguei a toalha menor e passei  no meu rosto e me assustei quando vi a marca de sangue . 

Droga , aqui em casa não . Lavei o mais rápido possível tirando a mancha e  consegui controlar o sangramento no nariz . Seguei meu cabelo e me deitei na minha cama / sofá da sala. 

Abri os olhos com o som de algo apitando , deve ser o alarme do celular , mas quando vi era apenas a Bia tentando não queimar a torrada . 

- pai , o suco acabou . O ovo também é do tem 3 fatias de presunto . Quer que eu compre  na volta da escola? 

- não . Jantaremos no centro hoje . Amanhã eu faço as compras , falta outras coisas. Filha...   Ontem eu conversei com a sua mãe - olhei nos olhos dela 

- não quero saber. 

- filha, tenta por mim . Sua mãe sempre foi alguém especial e apesar dos erros delas e meus , ela está disposta a tentar . Eu não posso negar isso . 

- não . 

- Por favor , um jantar ...   

- vou pensar , eu prometo. Pai ... Bem tem outro assunto . É sobre o figurino da competição , eu ... Vou precisar de um novo. 

- filha , eu não tenho como , não agora . Desculpe 

- nenhum jeito ?  -  ela fez cara de cachorrinho , similar a mãe .

- vamos fazer o seguinte , você  pergunta o preço , que eu vou tentar  ver se eu consigo pagar . 

-  você é o melhor pai do mundo . - ela deu a volta no balcão que dividia a sala da cozinha e era nossa mesa de café , almoço , jantar , e me deu um  abraço de urso . -  o senhor descansou ? 

- sim . Agora tome seu café , vou passar a outra blusa  do seu uniforme . Pegue uma roupa extra para noite . 

- sim senhor . 

Eu estava sem fome  no momento e fui adiantar o uniforme dela. Vi que ela arrumava já a mochila . , mudava caderno e etc. Eu terminei e entreguei o uniforme a ela . Que saiu correndo indo se arrumar . Ela parecia uma boneca de porcelana . 

- eu já vou , te encontro no ginásio ? 

- sim . 8h , certo ? 

- sim, sim ... eu te amo , pai . Até mais tarde. 

- também te amo . 

Observei ela entrar no ônibus da escola e puxei uma caixa com remédios  do fundo falso do armário . Era rotina já . Tomei os comprimidos e esperei  10 minutos para começar a me arrumar . Troquei de roupa , coloquei a farda na mochila e sai . 

----------------------------

- mãe , o que o pai falou ? 

- nada demais Alex, ele só ficou feliz em saber de você. Como eu sempre desconfiei minhas cartas nunca chegaram . 

-  e quando vamos nos encontrar com ele ? 

- não sei filho , ele deve me ligar . Mas acredito que o mais breve possível . Ele quer te conhecer . Agora vai se trocar que você tem aula e se hoje você encontrar a menina , não faça nada . Ela devia estar com algum problema e acabou descontando . 

- certo . Cadê aquele uniforme ? 

- Ali , sobre a sua mochila. 

 Peguei aquele uniforme todo certinho e levei comigo para o banheiro . Primeiro dia , tudo novamente . 10• escola que eu entro , espero que nós fiquemos de vez aqui .  Talvez com o pai aqui , mamãe não resolva se mudar novamente . 

Arrumei meu cabelo , escovei os dentes . Uniforme , relógio . Óculos escuros . É to pronto. As gatinhas que me esperem . 

- Alex , tá na hora . 5 min e quero você no carro . Seu tio deixou ele comigo . 

- To aqui . - falei pronto para um Flash de celular . 

- Meu menino tá crescendo nem acredito . 

-  para mãe , não bebê. 

Desci com a mãe até a garagem , e ela deu partida. ouvi o telefone tocar , achei que era o meu, mas foi o dela . Ela simplesmente jogou a bolsa em mim - heihhh 

- atende pode ser importante . 

- mas você disse para eu nunca aten...

- só atende . -ela me fuzilou 

- alô ? Quem é? 

- alo? Posso falar com a Natasha 

- ela está dirigindo , quem é? 

- Rogers 

- ele disse que é um tal de Rogerio - eu comentei com ela 

- Rogers, filho . É o teu pai . - ela me respondeu exaltada .

- Alex, é você? - a voz do outro lado falou . 

- Sim. 

-põe   no viva-voz .- minha mãe gritou do meu lado. E eu obviamente obedeci . - Steve , bom dia . 

- bom dia aos dois , e garoto,  fico feliz em conversar com você , estava achando que foi um sonho.  

- Steve , essa outra voz é do Alex e Alex essa é a voz do seu pai . - mamãe nos apresentou 

- é um prazer . Então Natasha quero marcar com você , acha que podem hoje cerca de 8h me encontrar no ginásio de treino da Bia ? Eu mando as coordenadas . 

- pode ser . Estou levando o rapaz aqui para a aula . Coloquei ele no Trinity . 

- é onde a  irmã dele estuda , a essa hora ela deve estar chegando  por lá.  O ginásio eh próximo ao Trinity 

- já sei qual é . Nos vemos lá então . Levo a sua cópia ruiva comigo .

- tudo bem Nat , encontro vocês lá .  Tenho que desligar estou com um caso aqui . 

- beijos , Steve 

- tchau Nat, até filho . 

 A voz do pai parecia terna e autoritária ao mesmo tempo . Ele parece conseguir por ordem na bagunça sem nem ser questionado .  Eu tava feliz , finalmente a palavra filho saiu numa voz masculina e não da minha mãe. 

Mamãe estacionou o carro atrás do ônibus escolar .  Várias meninas desciam e rapazes também . Dei um beijo rápido na minha mãe e desci do carro , saindo correndo para dentro do colégio . 

De repente um grupo de 4 meninas com uma  comissão de frente me fizeram arregalar os olhos e me distrair . Aquela morena era linda , eu continuei  correndo porque tinha que pegar o horário na diretoria . Claro que nesse meio minuto distraído um acidente aconteceu . Parece carma . 

Olhei o que tinha acontecido e percebi que eu estava encima da menina de ontem . Droga eu vou apanhar novamente . 

- qual é o seu problema , garoto ? Está sempre me derrubando . 

- desculpa, eu me distraí . 

- deixa eu adivinhar , o novato tá de 4 pela Stark e suas crias . 

- eu ... Eu ..  

- sai garoto . - ela me empurrou forte , se levantou e ajeitou o uniforme . - você é um imbecil .  Aff tome mais cuidado 

- cala a boca amoeba ! - gritei no meio do pátio e todos começaram a apontar para ela . Não foi de propósito , mas ela vive me xingando 

O pátio central inteiro ria e gritava amoeba , apontando para ela que só começou a correr desesperadamente . 

Senti uma mão no meu ombro , e olhei na direção , a menina linda sorria para mim . - então gatinho , qual seu nome ? 

- Alex Romanoff e o seu ? -  me virei de frente e peguei em sua mão 

- Melissa Stark  , seja bem vindo ao no clube. 
 


Notas Finais


Digam , digam !!!
O que acharam ... ? Amanhã já adianto tem reviravolta na história . O que acham que irá acontecer ???


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...