História In My Mind - Capítulo 4


Escrita por: ~

Postado
Categorias Naruto
Personagens Hinata Hyuuga, Ino Yamanaka, Itachi Uchiha, Karin, Mikoto Uchiha, Mirai Sarutobi, Naruto Uzumaki, Personagens Originais, Sai, Sakura Haruno, Sasuke Uchiha, Shikamaru Nara
Visualizações 4
Palavras 2.136
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Escolar, Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Álcool, Insinuação de sexo, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Olá pessoas! Como estão?
Espero que gostem do capítulo. Boa leitura!

Capítulo 4 - Capítulo IV


Sakura encarava o portão azul escuro quase preto diante de si, sua respiração estava acelerada e se sentia certa vergonha por ter chegado logo após o portão fechar. Mordeu o lábio inferior e suspirou pesadamente, ela tinha duas opções: voltar para casa ou encarar a diretora Tsunade frente a frente com um bom argumento.

A primeira opção seria apropriada se sua mãe não estivesse em casa, mas não se arriscaria. Optou pela segunda opção de enfrentar a diretora frente a frente. Ela se aproximou do portão, procurou qualquer figura viva e humana ali, seus olhos se arregalaram ao ver a diretora caminhando em sua direção em passos pesado e os braços cruzados, mas o cenho franzido lhe causava calafrios.

Encolheu-se e tentou pensar em algo o mais rápido possível, não poderia dizer o verdadeiro motivo de não ter dormido direito e acordado tarde. Não havia motivo para ela chegar atrasada. Uma idéia mesmo que boba surgiu em sua mente rapidamente, mas não surgiria efeito em si, isso envolveria sua mãe. Sakura não tinha a menor idéia de como começaria a mentir.

Tsunade chegou ao portão e arqueou as sobrancelhas.

- Espero que tenha um bom motivo. - a mulher disse com a voz cansada e Sakura a encarou. - Comece antes que eu ligue para sua mãe.

- Er... Houve um problema técnico em casa, com o chuveiro. - Tsunade a encarou, as bochechas levemente coradas de Sakura denunciava sua mentira. A mulher suspirou.

- Se você atrasar novamente por qualquer motivo não irei tolerar. - um sorriso se formou no rosto da garota. Estava feliz por não ter sido pega em sua mentira.

- Ela não acreditou. - escutou o murmuro em sua mente e ignorou o fato, acreditava que se estivesse realmente sido pega, seria punida severamente.

Tsunade abriu o portão e apressadamente Sakura entrou. Tsunade caminhava a sua frente enquanto atravessavam o pátio, Sakura aceitou a idéia do ser em sua mente ter dito que ela não havia acreditado. "um bônus?", se questionou se poderia ser aquilo, e surpreendeu-se ao aceitar o fato.

Ao chegarem em frente sala de aula Tsunade deu algumas batidas e abriu a porta.

— Desculpe atrapalhar sua aula professor. — olhos de todos ali já sala estavam na diretora. Tsunade fez um gesto para Sakura entrar e assim a garota o fez e se sentiu em seu lugar. — Sakura, não comente nada. —  a garota afirmou e Tsunade saiu da sala.

Sakura se sentou em seu devido lugar, seguida do olhar curioso de Ino. Ela retirou o material de sua bolsa e o colocou sobre a mesa, sentia-se desconfortável pela quantidade de olhares encima de si. Não era uma anti-social muito menos tímida, ela só não estava habituada a aquilo. Abriu o livro de Língua japonesa e tentou acompanhar a aula.

Ao horário do intervalo pegou o dinheiro dentro da bolsa, Ino parou a frente da garota, Ino tinha os braços cruzados e um sorriso considerado cruel por Sakura. Ino desconfiava do que estava acontecendo, primeiro ela simplesmente grita que há um carro e passa mal, e depois entrou atrasada para a aula. Não era hábito da amiga.

— Por que entrou atrasada? — Sakura se levantou. — E não estava na diretoria. Dormiu demais? — perguntou risonha e Sakura afirmou — Inacreditável. Até mesmo Haruno pode acordar tarde.

— Shiu! — sibilou e Ino balançou a cabeça negativamente — Não consegui dormir. — sairam da sala de aula e caminharam ao pátio.

Era difícil ela admitir para si que havia chegado atrasada, e tudo que menos queria era comentar sobre um aquele fato. Ino percebeu o desconforto de Sakura. Aquela poderia ser uma boa hora para propor algo para ela, e seria um bom motivo para mudar de assunto.

— Karaoke no sábado? Por favor. — suplicou. Ino recebeu como punição do pai que só poderia sair com alguém confiável e na visão do homem essa pessoa era Sakura.

— Esse "por favor" é conhecido. — respondeu risonha e apoiou-se em uma das janelas do corredor — Mas eu preciso... Estudar e nem sei qual seria a reação de meu pai se eu não fosse aprovada para a faculdade.

— Você será aprovada. Você tem que equilibrar. Me diga que você irá! — Sakura sorriu e colocou um dos biscoitos na boca e suspirou pesadamente. Em um movimento rápido afirmou. — Salvou minha noite.

— Irei voltar cedo. — Sakura tomou um gole de seu refrigerante e Ino a encarou.

— Você não pode! — ela estremeceu com o grito da garota. — Por favor, só... Um pouco... Mais que cedo. — Sakura sabia que quando Ino recuperasse a confiança do pai não seria necessário acompanhá-la. Afirmou novamente.

Preciso que me responda algo urgente — a voz aveludada soou em sua mente e voltou o olhar para frente. — Eu sei que está me escutando, o que faria se você decepcionasse seu melhor amigo?—  os olhos da garota se arregalaram e um riso escapou de seus lábios.

— Está tudo bem? — Ino chamou a atenção da garota, seu rosto esquentou levemente, ela balançou a mão aberta fazendo um gesto de que não era com ela.

— Eu nunca decepcionei um amigo. — murmurou quase inaudível e não tinha certeza caso Sasuke tivesse a escutado. — Há motivos para tudo, e depende do motivo. Caso seja confiança o caso acaba não funcionando. — murmurou novamente e olhou para Ino.

— Você está estranha, fica murmurando coisas pelo canto.— novamente os olhos foram parar em Ino, a garota sorriu de canto procurando uma desculpa. Seria infantil, mas era a única solução.

— Converso comigo mesma para chegar a uma conclusão. — a garota afirmou e Sakura cruzou os braços sobre o batente da janela e apoiou sua cabeça. — O que você faria caso decepcionasse um amigo?

— Não sei, eu só sei o que eu iria sentir, mas não como reagiria ou o que faria. Depende muito do fato, por um exemplo, caso fosse você quem eu decepcionasse eu me isolaria no quarto e pensaria no que teria feito, apareceria com enormes olheiras para mostrar o quão mal fiquei.

— Só isso não faria eu te desculpar. — o cenho da garota se franziu e sua voz saiu em um fio.

— Eu sei, mas você levaria fama de ruim — Sakura olhou para Ino indignada, Ino mostrou a língua e ela voltou o olhar para o jardim que perdia sua coloração viva para uma alaranjada. — Eu não sei Sakura.

— Tudo bem. — Ela sorriu. — Eu não sei o que faria. — disse para ambos os lados.

Passou seus dedos com cuidado em seu rosto sentindo algo no mesmo, não lhe despertou uma boa sensação. Uma careta se formou em seu rosto.

O intervalo passou-se quase normalmente, Ino comentava sobre o que fariam no Karaoke, algo normal, ela dizia que Shikamaru iria apresentar a ela um garoto. Sasuke não dizia mais nada, era habitual que ele quase não dissesse nada. Seu peito parecia apertado e pesava.

— Sasuke, o que está acontecendo? — murmurou enquanto adentrava a sala de aula.

Não obteve resposta. Esperava que ele não estivesse fazendo nada irresponsável e que pudesse prejudicar os dois.

⏪◀⚫▶⏩


Sasuke não havia nem sequer fechado os olhos aquela noite, arrependia-se por ter assinado aquele papel que considerava maldito. Não encontrava maneira para amenizar a situação de Hinata quando contasse a Naruto sobre a coincidência que havia sido exposto. Ele teria que entender de uma maneira ou de outra, não importando o motivo. Era assim que pensava.


Já era tarde, mas não se importava, desceu para o café da manhã, e o tomou rapidamente. Escutava conversa vindo do escritório de seu pai, não tinha nenhum interesse em saber o que estavam conversando. Correu as mãos por sua cabeça bagunça do seu cabelo, estava nervoso. Sua consciência pesava como nunca, precisava de um cigarro logo. Caminhou em direção a cozinha e pegou dentro da geladeira a garrafa com o líquido transparente, o colocou sobre a mesa e pegou um copo de médio porte no armário.


Despejou o líquido no copo, a empregada o observava de longe sem que ele notasse, estava acostumado com aquele tipo de coisa. Ele encheu o copo até a metade, e virou o copo cheio, sua garganta queimou, mas tentou ignorar aquilo. Não escutava nada em sua mente então Sakura não havia sentido aquilo descer como desceu em sua garganta.


— Preciso que me responda algo urgente — disse o mais calmo a qual podia sentindo o efeito do álcool. — Eu sei que está me escutando, o que faria se decepcionasse seu melhor amigo? — não tinha certeza se poderia considerar Naruto um melhor amigo, a palavra apenas saiu.


Um silêncio estava formado em sua mente, ela deveria falar e não falava exatamente nada e aquilo lhe irritava. Ela escolhia os piores momentos para tagarelar. A empregada continuava a encará-lo, era a primeira vez que presenciava ele falando sozinho após um único copo e aquilo lhe surpreendia. Não era do fetil dele.


Eu nunca decepcionei um amigo. —a voz saiu em um murmuro, ele apoiou-se a pia da cozinha e levantou o teto.


Durante a tarde Sasuke foi chamado por seu pai em seu escritório, assim que ele adentrou ao pequeno cômodo se surpreendeu ao ver que ele estava com sua mãe e ela também estava séria.


Não tinha a menor idéia do que poderia estar acontecendo. O homem apontou a cadeira e se sentou sem nem ao menos hesitar, não se lembrava de qualquer coisa que havia feito que iria contra as regras impostas por ele. Não tinha ao que temer.


— Sasuke você tem saído para se encontrar com o seu irmão? — a pergunta lhe pegou de surpresa, aquilo somente porque quase não via seu irmão e sabia que nem poderia encontrá-lo, mesmo se quisesse.


— Não. — o homem respirou fundo. — Mais alguma coisa?


— Uma das empregadas me falou que o viu falando sozinho. — tão logo os diálogos aleatórios de Sakura foram a sua cabeça. Poderia ser aquilo usado como desculpa.


— Converso comigo para achar alguma solução para os meus problemas. — balançou os ombros e deu um leve ênfase ao meus. — não estou ficando louco.


— Da próxima vez faça isso em um local reservado, sua mãe ficou preocupada. — resmungou.


Isso se chama plágio, para um cara mais velho você não tem um pingo de criatividade — aquele comentário o irritou. Ele suspirou pesadamente, ele poderia responder da melhor maneira possível, mas no queria que ganhasse o rótulo de "louco". — Você ficou quieto, algum problema? Precisa de ajuda?


— Preciso ir.


Precisa ir? Onde você está indo!? Vai me dizer ou não!?


Se levantou e saiu da sala, assim que chegou ao quarto onde era o local mais seguro sentou-se em frente ao computador.


— Não. — respondeu seco. — Não deveria estar em sua sala estudando como uma garota educada deveria estar fazendo?


Você fala como se fosse a educação em pessoa, não disse que minha voz era irritante?


— Eu disse que seu grito era irritante e que você escolhe os melhores momento para falar quaisquer merda somente para me irritar. — bradou.


Você também não acerta nunca, idiota! — riu daquela situação estranha estava se comportando como um colegial se comportaria.


— Agradeço pelo elogio. — sibilou e fechou os olhos.


Irei te elogiar dessa maneira quantas vezes forem necessário...


— Está se comportando como uma criança! — esbravejou, e sentou-se na cama.


Eu não sou uma criança! — gritou. Aquele grito estridente lhe fez encolher e abriu os olhos. Uma careta estava sem e perceber formada em sua face.


Sakura ficou em silêncio depois daquilo, Sasuke não pode evitar de rir ao raciocinar. Ela estava na sala de aula e ao gritar deve ter chamado a atenção totalmente para si. Tentava imaginar como todos deviam estar a olhando e como deveria estar o rosto da garota. Aquilo havia melhorado um pouco do seu humor.


Seu celular apitou e pegou o mesmo sobre a cômoda, havia três mensagens e uma ligação perdida. Duas de Naruto e outra de Hinata. Abriu primeira a de Hinata tudo que dizia era "desculpa.". Não entendeu ao certo, abriu a mensagem de Naruto que pedia para ele ir ao posto de gasolina, um a qual havia um bar que Sasuke vivia comprando alguma briga estúpida. Abriu a segunda mensagem e arqueiou uma das sobrancelhas ao ler a palavra urgente. Se fosse realmente urgente a primeira coisa que ele teria feito antes de ir ao posto era ter passado em sua casa que era mais próximo.  Tentaria se explicar naquele momento, poderia ser uma boa hora.





Notas Finais


Eu agradeço a todos que estão lendo, agradeço muito mesmo.
Críticas construtivas são bem vinda!
Até o próximo!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...