História In your eyes - Capítulo 3


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags Romance, Sexo, Super Poderes
Exibições 10
Palavras 587
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Festa, Ficção, Ficção Científica
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Suicídio, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Capítulo 3 - O incidente


                   3 – O incidente

Sophia pov.

                           Cheguei em casa da escola, e logo Cris apareceu.

                           -Oieeeeeeeeeeeeeeeeee – diz ela animada.

                           -O que você quer?? – já pergunto.

                           -Nossa, que grossa. Ia te dizer que tenho uma nova crush, mas se você n quer saber, tudo bem né...

                           -COMO ASSIM??? Who? – pergunto curiosa.

                           -Emily, sabe, a do nono.

                           -shippo.

                           -eu também. – rimos. – mas enfim, vamos comprar as bebidas da festa? Luiza ta esperando a gente lá embaixo pra irmos.

                            -Bora lá – respondi. – aqui, o Thomaz vai???

                            -Não, ele ficou em casa.

                            Fiz uma cara decepcionada, que Cris percebeu.

                            -depois nós podemos passar La, se quiser... – disse ela, pra me animar.

                           Abri um largo sorriso, e fomos em direção a porta, logo indo comprar as bebidas.

.  .  .

                             - Luiza, já ta escurecendo, onde caralhos esse Jared mora?? – disse Cris, impaciente.

                           - é aqui, virando a rua – respondeu Luiza.

                          - Por que não disse que era tão longe?? – perguntei, brava.

                           - Por que eu não sabia que era – respondeu – Thomaz é quem normalmente compra as bebidas.

                         Viramos a rua, e vimos uma casa com garagem de portão vermelho, onde supostamente era a casa de Jared, único cara que vende bebida pra menor na cidade.

                        - é ali – afirmou Luiza.

                        - Ta – Cris repondeu, já indo em direção a casa.

                       Quando Cris foi bater na porta, ela estava aberta. Cris a empurrou, logo adentrando a casa.

                        - Alguém ai? Jared?? – ela gritou.

                        - Porra Cris, vai logo, vamos olhar a casa – disse Luiza.

                        - Gente não! A casa não é nossa! – eu disse.

                    - Tem uma ideia melhor? – perguntou Luiza.

                       Fiz uma cara de insatisfeita, mas logo fui entrando na casa.

                       Nós tentamos ligar as luzes, mas os interruptores não funcionavam.

                       - Usem a lanterna do celular – disse Cris.

                       Quando ligamos as lanternas, percebemos que aquela era sala de estar da casa, juntamente com a cozinha, que estava vazia. Seguimos até uma portam que dava ao corredor, que também estava escuro e vazio, com quatro portas que davam a outros quartos.

                       Eu abri a primeira: um banheiro, vazio e escuro, como os outros cômodos. Luiza abriu a segunda, que dava a um quarto, aparentemente de hóspedes. Cris abriu a terceira, que dava para o quarto de Jared, vazio. Só faltava a porta que ficava no outro canto do corredor.

                       - Eu vou na frente – disse Cris, num ato de coragem.

                      Cris se aproximou da porta, eu estava logo atrás dela, e Luiza, atrás de mim.

                       Ela abriu a porta, que dava para uma garagem toda branca, com apenas duas macas de hospital num canto.

                      - Puta que pariu, vamo embora – disse Luiza, já indo em direção a porta, que, de repente, se trancou sozinha.

                     Do nada, o portão da garagem se abriu, e um forte feixe de Luz mirou nossos olhos, clareando tudo, e uma voz, aparente mente de um mega-fone disse:

                       - Tentativa numero 23 do experimento 18SH iniciado.

                       - O que é isso??! – gritei assustada.

                          Então, um grupo de aproximadamente 10 pessoas, com roupas para ambientes com ar impuro entraram na garagem, se aproximando de nós.

                      Luiza estava parada em estado de choque, quando um dos homens lhe injetou algo que a fez desmaiar.

                           - LUIZA!! – gritou Cris, indo ajudá-la.

                               Cris empurrou o homem, mas logo outro injetou o mesmo nela, fazendo-a cair também.

                           - NÃO! – gritei, pedindo pra que não fizessem o mesmo comigo.

                             Mas, um dos homens já vinha na minha direção, e me injetou um liquido que me deu uma estranha tranquilidade, e desmaiei.

                                                                                                                         .  .  .

 

                      

                      

 

 

 

 

 


Notas Finais


vou tentar postar um capitulo por dia, mas nada certo!! szsz


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...