História Incompleta - Capítulo 67


Escrita por: ~

Postado
Categorias Malhação
Personagens Karina "Ká" Duarte, Pedro Ramos, Personagens Originais
Tags Perina, Santovitti
Exibições 245
Palavras 5.029
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Comédia, Drama (Tragédia), Escolar, Famí­lia, Festa, Ficção, Hentai, Musical (Songfic), Poesias, Romance e Novela, Violência
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Drogas, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Olá?!
Desculpa, eu sei que demorei, mas realmente essa semana não deu pra escrever nada.
Massss como eu não queria deixar vocês sem capítulo, escrevi esse daqui, agora na madruga mesmo e espero que gostem. Apesar de ser meio corrido, eu gostei muito então...
Boa leitura!

Capítulo 67 - Reconstruindo laços


Pov Bianca

Por mais que eu tivesse tentado programar meu cérebro e meu emocional para hoje, eu não consegui evitar, estava nervosa, muito nervosa, tanto que mal consegui dormir essa noite. Ainda estava escuro quando deixei a cama, e constatar isso não me ajudou em nada, só fez a ansiedade para que o dia chegasse aumentar, então tentei relaxar tomando um longo banho e quando terminei já pude sentir o cheirinho do café da dona Dandara e como ainda estava cedo, desci e a ajudei na cozinha e logo estávamos tomando café da manhã juntas.

Subi para me preparar para a praia, minha mãe me seguiu e eu sei porquê, ela estranhou que eu estivesse de pé tão cedo, ainda mais num sábado, mas depois de saber o motivo ela ficou radiante. Ela adora as meninas e quer muito que eu me acerte com elas, em especial com a K e eu sei que a madrinha também vai adorar que isso aconteça. Ana ficou bastante abatida quando soube que brigamos, e eu não quero dar motivos para minha madrinha se sentir mal. Eu sei que ela vai ficar muito feliz se nos acertarmos, entretanto, não é por ela que estou fazendo isso, é por mim.

Eu aceitei a ideia do João porque percebi que a falta que eu sinto das meninas não vai passar, é impossivel permanecer mais tempo longe delas. Eu tentei ignorá-las por meses, e claro que no princípio eu estava cega pela raiva, estava magoada e me sentindo traída, então eu realmente queria distância das duas. É, eu sei que posso ter exagerado nas reações, eu sou muito intensa e sinto tudo demais, seja amor ou ódio, mas eu tinha razão em estar ressentida. Mentira sempre machuca, ainda mais quando vem das pessoas que amamos e eu sei que qualquer pessoa no meu lugar reagiria mal e não conseguiria levar toda aquela história numa boa.

Eu precisava desse tempo. Precisava ficar um pouco sozinha para digerir e pensar com calma. Eu não tinha cabeça pra conversar com elas, pra falar a verdade, eu nem sequer queria ouví-las, já que pra mim, nada do que falariam podia justificar a traição da Karina e a cumplicidade da Jade para com isso, afinal, a Jade era minha amiga primeiro e escolheu ajudar a K ao invés de mim, isso me magoou muito, mas mágoa maior eu tive da Karina. Sim, eu senti muita raiva quando soube que ela e o Pedro ficaram quando ele ainda me namorava, mas me doeu muito mais quando eu soube que ela escondeu isso de mim, e pior, engatou num namoro com ele e permaneceu me enganando por meses.

Eu me senti traída por todos, todos mentiram pra mim em função de proteger a relação dos dois, até meu irmão foi convencido a acobertá-los, fora que ela ainda criou aquele plano junto a Jade para me juntar com João... Descobrir tudo isso de uma só vez mexe com o psicológico de qualquer um.

Confesso que agora eu vejo que o plano não era maldoso, João gosta de mim de verdade e elas perceberam isso muito antes de mim, então resolveram dar uma força e inventaram toda aquela história das cartas escritas pelo "covarde admirador", porém, eu não interpretei assim quando soube. Pra mim, elas só queriam me distrair com o João, fazer com que eu me interessasse por ele para que o caminho ficasse livre e Pedro e Karina pudessem assumir o namoro, então isso me deu muita raiva. Mas agora que eu resolvi dar uma chance para esse namoro tenho que admitir, João tem feito muito bem pra mim.

Meu namorado me fez repensar muitas coisas e meu afastamento das meninas foi uma delas, porque como ele é irmão do Pedro e está sempre junto das meninas nossa relação acabou me aproximando, mesmo que indiretamente delas. Isso me fez sentir ainda mais falta das minhas amigas, principalmente quando eu os via juntos. Eu ficava os observando de longe, o grupo introsado, conversando, se divertindo, e eu queria estar lá com eles. Queria poder participar da conversa, queria voltar a fazer parte do grupo, e o mais importante: Eu queria minhas amigas de volta.

Já havia um tempo que eu estava pensando em me aproximar, mas não tinha ideia de como fazer isso e sequer havia comentado essa vontade com alguém, mas João percebeu e até se ofereceu para ajudar nessa aproximação, então não pude recusar e aceitei chamá-las para ir à praia. Mas eu ainda tinha certo temor por esse encontro. Eu tenho receio de que não dê certo e é por isso que estou aqui já pronta, mas com um frio na barriga que me impede de descer e ir encontrar meu namorado que já está à minha espera.

João tinha me ligado havia alguns minutos, eu já estava pronta, porém, quando perguntei sobre Pedro e Karina, ele disse que estavam atrasados e isso me fez ficar ainda mais nervosa. Será que eles não vêm? E se não vêm, será que é porque a K não quer? Eu não queria admitir, mas eu precisava que ela viesse. Eu precisava resolver esse assunto, eu não queria mais adiar, então acabei decidindo que só desceria quando a visse chegar e foi isso o que eu fiz, falei para o João esperar mais um pouco e fiquei o observando pela janela.

Varri a praça com o olhar e sorri ao vê-lo. Ele parecia impaciente, mexia no celular de vez em quando, roía o cantinho da unha... Ele estava ansioso também, e estava esperando ali sozinho, meio irritadinho por conta da demora do irmão e estava lindo assim, me deu até vontade de engolir toda a ansiedade e ir esperar junto com ele só para poder lhe dar um beijinho... E além do mais, eu sabia que ele me tranquilizaria se eu fizesse isso, mas antes que eu decidisse algo eu vi sua expressão mudar, ele abriu um sorriso um tanto aliviado e eu logo soube o porquê quando vi Pedro e Karina caminharem em sua direção. Confesso que fiquei feliz assim que os vi, pois só de saber que Karina realmente vai eu já fiquei otimista.

Peguei minhas coisas, desci rapidamente e logo estava na rua. Enquanto me aproximava, comecei a observá-los, João parecia estar chamando a atenção deles, muito provavelmente por conta da demora, mas o casal não parecia incomodado, muito pelo contrário, na verdade os dois pareciam se divertir com a irritação do meu namorado e isso também me fez sorrir. Os três estavam tão entretidos na conversa que sequer notaram minha aproximação.

-... Ela arrumou um jeito de me atrasar mais ainda, né amor? - Pedro disse e então abraçou Karina por trás, ela colocou seus braços sobre os dele que estavam pousados carinhosamente sobre sua cintura e tenho que admitir, os dois formam um belo casal.

- Eu tenho quase certeza de que vou me arrepender, mas eu quero saber, o que foi que você fez, Karina? - Meu namorado perguntou, ela sorriu.

- Eu não fiz nada. - Disse dando de ombros. - Eu só pedi uma opinião de moda pro seu irmão. Eu queria saber qual biquíni escolher, mas ele sempre fazia a mesma coisa, me beijava e dizia: "Eu prefiro sem nada." e então me beijava de novo... Perdemos bastante tempo nisso. - Completou e os meninos riram, eu não pude evitar rir também.

Não nego, no princípio eu não simpatizei nenhum pouco com o namoro dos dois, e sim, eu tinha minhas razões, estava magoada demais e não suportava vê-los juntos, parecia uma afronta a mim, uma lembrança constante de que fui traída e enganada, porém, com o tempo eu fui acostumando.

Quando a raiva passou, as ideias clarearam e eu percebi o quanto os dois se gostam, o quanto sua relação é intensa e comecei a pensar que talvez por perceberem a força dessa relação, até mesmo as pessoas que eram próximas a mim os apoiariam, como Jade fez, e esse foi um dos aspectos que me fez querer essa aproximação, principalmente agora que estou com João.

Estar apaixonada é muito bom e estou tão bem nessa relação, que acabei pensando o quão difícil foi para a Karina passar por um momento tão bom como o princípio de namoro ao mesmo tempo que tinha que esconder de todos e principalmente mim, por motivos óbvios, e como Pedro foi persistente em não desistir dela. Mesmo sendo difícil, eles permaneceram firmes, e agora que também estou feliz com o João não tem porquê eu querer o fim desse namoro, muito pelo contrário. Saber que dois continuam apaixonados, apesar de tudo, me deixa contente, principalmente agora que quero retomar nossa amizade.

- Oi amor, nem te vi chegar. - João disse e selou nossos lábios rapidamente, sorri.

- É, eu percebi. - Falei o abraçando de lado, encostei minha cabeça em seu ombro e mirei Pedro e Karina, ela pareceu ficar tensa com a minha chegada. - Você estava bastante entretido ouvindo a história da Karina, né? Oi, gente! - Eu os cumprimentei com o meu melhor sorriso.

Eu queria que soubessem que eu estava completamente à vontade com aquela situação, queria que percebessem que quero me aproximar de verdade, que quero tentar realmente, porém, Karina ainda parecia nervosa. Ela ainda estava tensa, eu podia perceber e aposto que Pedro também sabia disso pois ele sussurrou algo no ouvido dela enquanto entrelaçava suas mãos. Ele estava tentando acalmá-la e pareceu funcionar, pois após isso, ela respirou fundo e pareceu relaxar.

- Oi, Bianca. - Pedro disse e lançou um olhar encorajador para Karina, que então me cumprimentou.

- Oi, Bi. - Falou um tanto vacilante, mas ela tinha nos lábios um sorriso genuíno, isso me acalmou de certa forma. - Que bom que veio, fico muito feliz.

- Ah, e tem como recusar ir à praia num sábado? Não, mesmo! - Falei animada, Pedro riu.

- Você realmente disse isso pra pessoa certa, Bi. - Ele disse e mirou Karina de viés. - Porque a esquentadinha aqui não queria ir, eu tive que praticamente arrancar ela da cama! - Completou lhe beijando a bochecha, ela sorriu e corou, já eu, fiquei um tanto desapontada.

- Você não queria ir? -  Perguntei e não pude deixar de transparecer em minha voz o quão insegura eu fiquei com aquela informação.

- É, eu não queria. - Ela confirmou, baixei o olhar frustrada e foi a minha vez de ficar tensa. Droga, acho que isso não vai dar certo. - Eu tava com sono, não queria levantar e tinha planejado passar boa parte do dia na cama... - Ela começou a explicar e tinha leveza em sua voz, isso me fez sentir aliviada, eu a encarei e vi que ela sorria. - Sou muito preguiçosa, principalmente aos sábados, dá uma vontade de ficar deitada o dia inteiro... - Completou com ar brincalhão e Pedro riu concordando.

- Você é realmente fã de dormir até tarde. - Sorri também concordando, isso fez João suspirar aliviado e então eu me lembrei de algo. - Vem cá, hoje não é o seu...

- Dia da preguiça?! - Falamos juntas e eu não pude evitar sorrir, ela me seguiu e os meninos fizeram o mesmo.

Eles pareciam satisfeitos por estarmos indo bem nesse primeiro diálogo e eu confesso que também estava.

- Ah, é sim. - Ela confirmou.

- Então você continua preguiçosa? - Falei e ela assentiu num meio sorriso.

- Pois é, e eu só saio da cama antes no meio dia num sábado se houver algum motivo especial. - Ela disse e então sorriu. - Eu nem tava a fim de ir à praia hoje, mas aí o Pedro insistiu, me disse que você também iria e me fez perceber que eu não podia desperdiçar essa chance. - Falou e lançou um olhar cúmplice ao namorado antes de se soltar de seus braços, avançando um passo na minha direção.

- Parece que certas coisas não mudam, mesmo. - Eu falei um pouco mais baixo, ela assentiu. - Isso é bom, não é?

- É bom, sim. - Concordou. - É bom que apesar de tudo algumas coisas permaneçam iguais, mas melhor ainda vai ser quando pudermos descobrir onde mudou. - Disse e então suspirou, percebi seus olhos lacrimejarem. - Bianca, não dá pra fingir que nada aconteceu, porque muita coisa mudou sim, olha só! - Disse aprontando pros meninos que sorriam nos observando. - Você tá com o João agora, e também sabe que eu tô com o Pê e tá levando isso numa boa, mas pra isso acontecer a gente teve que enfrentar muita coisa.

- Eu sei. - Falei sentindo agora as lágrimas chegarem aos meus olhos também. - Foi muito difícil.

- É, não foi fácil pra nenhum de nós. - Ela afirmou. - Todos nós tivemos momentos ruins, mas conseguimos superar, porque apesar de tudo nós nos gostamos, então acho que se realmente quisermos, podemos superar mais essa barreira. - Falou e então suspirou novamente. - Eu quero fazer isso, quero tentar reconstruir o que perdemos, agora só me resta saber se você também está disposta a tentar. - Disse e estendeu sua mão. - Eu sei que não vai ser fácil, mas se você quiser nós podemos tentar. Você quer? - Perguntou e mordeu o lábio a espera da minha resposta, eu não pude evitar sorrir.

Quando cheguei e vi o quanto minha presença a deixou nervosa pensei que essa tentativa de aproximação seria um completo fracasso, ainda mais quando ela disse que não queria vir, porém, algo fez com que sua postura mudasse. Karina agora parecia segura do que queria, ela queria tentar, e eu queria o mesmo e já estava a ponto de dizer isso quando fui supreendida por um abraço apertado, e não, não foi da Karina, mas sim da Jade.

- Meu Deus!! - Exclamei com um enorme sorriso ao ser abraçada por ela.

- Ei, vai com calma aê, bailarina. - João disse sorridente, já que Jade quase nos derrubou com sua empolgação. Ele se soltou de mim, para que eu pudesse retribuir ao abraço dela.

- De onde foi que você surgiu, sua louca? - Perguntei e ela riu.

- Ah Bianca, amiga de verdade é assim, tá sempre por perto e eu estive o tempo todo do seu lado, mesmo que eu tenha feito algo que te dasagradou, saiba que eu agi de coração e foi para o bem, só que não só para o seu bem, e foi por isso você não entendeu, sua bobinha! - Ela disse no meu ouvido, não pude evitar sorrir e senti meus olhos encherem-se de lágrimas novamente. - Mas eu te amo, você sabe, só duvido que saiba no quanto eu senti falta de você, sua chata!

- Eu também senti a sua. - Falei, minha voz saiu embargada, mas eu não queria chorar.

- Eu tenho tanta coisa pra te contar. - Ela falou me encarando brevemente e limpou uma lágrima que rolou por minha bochecha. - E quero saber muita coisa de você também... Mas antes, quero que me prometa que nunca mais vai fazer isso, ok? - Falou mais séria. - Eu entendo a sua raiva, entendo que precisou desse tempo, mas não faz mais isso! - Disse e eu suspirei.

- Jade, calma eu...

- Eu tô falando sério. - Ela me cortou. -Mesmo se algum dia algo parecido voltar a acontecer, eu quero que prometa que vai escutar a gente primeiro, que não vai se afastar assim e principalmente que não vai sair bancando a louca por aí, promete? - Pediu e eu nada disse, pois sabia que choraria se falasse algo, e eu não queria chorar. Hoje  era um dia feliz, eu só queria sorrir, então foi isso o que fiz, sorri assentindo e voltei a abraçá-la. - Você me deixou preocupada!

Jade continuava a me bronquear, mas eu não estava ligando, estava feliz por estar ali com ela, então eu só ria do que ela dizia. Vi por sobre seu ombro que Karina tinha voltado para junto de Pedro e os dois sorriam nos observando, e por um segundo eu quis que ela se juntasse ao abraço, porém, nós ainda tínhamos coisas a resolver, então achei melhor reprimir o impulso que tive de chamá-la para junto de nós, e ouvi então João reclamar.

- Jade, dá pra parar de apertar a minha namorada? Assim você vai acabar amassando a minha Bianquinha! - Ele disse, nós rimos.

- Ah João, cala a boca! - Jade disse ainda abraçada a mim, e só então me soltou. - Eu deixo o privilégio de amassar ela pra você tá bom? - Disse pra ele, que riu assentindo. - Eu só quero matar a saudades da minha amiga. - Me abraçou mais uma vez.

- Vai se acostumando, Johnny. - Pedro disse. - A Jade é um grude só com as meninas, e é a gente que sofre. - Reclamou e Karina revirou os olhos lhe dando um tapinha, ele reclamou e nós rimos.

- Deixa ela, Pê. - Karina disse e então se virou para nós. - Pensei que você só fosse encontrar a gente lá, Jade.

- E eu ia loira. - Jade disse se soltando de mim, e então caminhou até Karina. - Mas você me conhece, sou muito ansiosa e não aguentei esperar, então tô aqui! - Falou animada antes de abraçá-la.

- Admite, você sentiu saudades delas, né? - João perguntou me abraçando.

- Senti sim, João. - Afirmei observando as duas, Jade falava algo para Karina que apesar de estarmos próximas eu não conseguia ouvir, mas era evidente a sua empolgação. - Eu nunca neguei que senti falta, eu só mascarava bem.

- Mas agora você não precisa mascarar nada, muito pelo contrário! - Ele afirmou, eu ri de sua animação. - Agora você tem mais é que deixar claro pra todo mundo o quanto vocês se gostam e o quanto você está feliz por poder retomar essa amizade.

- Bom, acho melhor a gente ir com calma, que nem a Karina sugeriu, e aliás, eu ainda tenho que conversar com ela direito, pra gente se entender de vez.

- Ué, mas eu pensei que vocês já tivessem se entendido. - Disse de cenho franzido. - Vocês estavam conversando numa boa... Vocês não vão brigar de novo, né?

- João, calma. - Falei rindo do nervoso dele. - É só uma conversa. - Disse e mirei a Karina. - A Jade nos interrompeu, acho que devo uma resposta a ela, mas vai ser só isso. - Afirmei e ele sorriu me beijando, porém, o beijo não durou muitp.

- Chega de beijo. - Jade nos interompeu e me puxou pelo braço, João bufou. - Me empresta ela um pouquinho, na praia eu te devolvo. - Disse mas nem esperou resposta, pois já saiu me puxando pela praça junto à Karina.

- Ô Pedro, me dá uma ajudinha aqui, mano?! - Ele pediu, Pedro riu.

- Desculpa, Johnny, mas eu também não posso fazer nada, ela também tirou a Karina de mim. - Falou apontando pra K, que estava pendurada no outro braço da Jade e sorriu acenando para o namorado. - Deixa elas e me ajuda a guardar essas coisas que a Jade trouxe.

- Tá bom. - Ouvi João dizer mau humorado. - Ai, o que que essa maluca trouxe nessa bolsa? Tá pesado pra caramba! - Ele reclamou, nós rimos.

Não posso negar, eu estou adorando estar com eles, o clima está tão leve que nem parece o mesmo de meses atrás.

- Jade, cadê o Marlon? Ele quem deveria estar carregando as suas tralhas. - Pedro disse, franzi o cenho, enquanto Jade revirava os olhos e Karina ria.

- Ele vai encontrar a gente lá, guitarrista. - Ela respondeu. - Agora, cala a boca e agiliza, porque eu quero chegar lá hoje. - Disse e nós rimos.

- Mas quem é esse Marlon?  - Eu perguntei.

- É o Max, o meu namorado. - Jade disse, permaneci confusa.

- O Pedro chama ele assim só por implicância. - Karina explicou. - Mas ele sabe o nome dele, e o Max até já acostumou.

- Ah, eles não se gostam? - Perguntei curiosa, elas riram.

- Não é isso. - Jade disse. - É que ele sentiu ciúmes dele porque ele pediu ajuda pra Karina pra me chamar pra sair, aí ele viu os dois juntos e não gostou. - Ela começou a explicar, contando da cena de ciúmes que o Pedro fez, e Karina a ajudava na narrativa e eu só ria imaginando a cena enquanto pensava o quanto eu senti falta das minhas amigas.

Pov Karina

Já estávamos há mais de duas horas na praia e eu não podia estar mais feliz. Tudo estava correndo bem, Max tinha demorado um pouco para nos achar, mas Jade nem se importou muito, ela estava muito ocupada contando sobre o namoro para Bianca, que sequer notou o atraso... Minha amiga é maluquinha.

- Me lembre de te agradecer quando chegar em casa, moleque. - Eu falei para Pedro enquanto saíamos do mar.

Ele praticamente me arrastou pra água, e é claro que eu fiquei con raiva, não queria entrar agora, mas foi só ele me beijar pra eu esquecer de tudo, ou melhor, foi só sentir seus  lábios sobre os meus para eu lembrar do quanto eu o amo e que eu tenho que agradecer por tê-lo em minha vida. Pedro é maravilhoso em muitos aspectos, mais hoje ele foi especialmente melhor.

Eu quase travei quando a Bianca chegou. Fiquei nervosa demais, meu corpo inteiro ficou tenso e eu pensei que não conseguiria lhe dar sequer um "oi", mas então Pedro conseguiu me acalmar. Ele começou a sussurrar no meu ouvido dizendo que estava tudo bem, pedindo pra eu relaxar e eu fui me acalmando, mas eu fique realmente confiante quando ele disse que acreditava em mim, que eu iria conseguir e eu consegui. Depois de ouví-lo eu fiquei confiante, respirei fundo e minhas ideias clarearam, assim como minhas emoções e eu decidi ouvir meu coração e então falei tudo aquilo para a Bianca.

Eu via nos olhos dela que ela também estava disposta a tentar, ela estava se esforçando e isso era perceptível, mas eu precisava da sua confirmação, porém antes que ela dissesse algo, Jade chegou com toda aquela impolgação. Mas eu não fiquei brava com ela, muito pelo contrário, pra falar a verdade, eu gostei que ela apareceu, até acho que ela  nos ajudou, deixou tudo mais descontraído como somente ela consegue fazer.

- Agradecer pelo o que? - Pedro disse se fazendo de desentendido, revirei os olhos.

- Olha Pê, você foi maravilhoso hoje. - Disse fazendo o me encarar, ele sorriu me puxando pela cintura, colando nossos corpos. - Me convenceu a vir, me encorajou a falar com a Bi... - Falei e selei nossos lábios rapidamente. - Mas, se você me fizer um favor agora, eu posso te agradecer mais tarde com muito mais do que um obrigada. - Sussurei em seu ouvido e senti um aperto firme em minha cintura sorri.

- Eu faço o que você quiser, linda. - Falou contra meus lábios e logo tentou me beija, eu impedi.

- Mas você nem sabe o que eu vou te pedir ainda... - Arqueei a sombrancelha.

- Ah esquentadinha, pra receber esse agradecimento que você quer me dar eu faço qualquer coisa. - Disse e então se inclinou levando a boca ao meu ouvido. - Até porque, eu sei que vai valer a pena. - Sussurrou em meu ouvido e o mordiscou, suspirei o afastando.

- Ótimo. - Falei um pouco ofegante, ele sorriu e eu o puxei pela mão, nós voltamos a andar em direção aonde os outros estavam. - Quero que arrume um jeito de tirar os meninos de perto, eu quero falar com a Bianca a sós.

- Moleza. - Ele disse sorridente. - O Max estava querendo umas aulinhas de surf, e eu consigo arrastar o João junto. - Falou empolgado. - Na verdade, vai ser até legal ver aquele lutador levar uns caldos!

- Não judia do garoto, Pê! - Falei e ele riu levantando as mãos em rendição e logo depois me deu um selinho. - Mas a sua missão não acaba por aí. - Completei e ele franziu o cenho.

- O que mais eu tenho que fazer, amor?

- Quero que tire a Jade de lá também. - Disse cautelosa e o vi me olhar com uma expressão engraçada, não pude evitar rir.

- Esquentadinha, isso vai ser impossível!

- Não Pê, não vai. - Falei e então suspirei. - Por favor, quero conversar sério com a Bianca, eu preciso que seja só nós duas. - Disse e então fiz beicinho. - Por favor!

- Ahhh K, mas ela não desgrudou de vocês um segundo! Parece até que ficaram longe uma vida inteira porque ela não para de falar nem pra beijar o Max! - Disse e eu ri. - Como é que eu vou conseguir tirar ela de lá?

- Ah, guitarrista. - Suspirei dando de ombros. - Dá seu jeito! - Falei e lhe dei um selinho antes de voltar a me sentar com as meninas.

- Mas me conta, Bi. - Ouvi Jade dizer asdim que sentei ao seu lado. - Como é que estão as coisas com o João? - Ela perguntou, e Bianca sorriu lançando umboohar ao namorado que agora converssva algo com Pedro.

- Ah, estamos bem. - Falou em meio a um suspiro. - Ele tem sido maravilhoso comigo, e eu estou gostando dele, gostando muito. - Completou e Jade me lançou um olhar cúmplice

- Que bom, Bianca. - Falei. - Ele também está muito feliz, ele sempre sonhou com isso e... Não duvide, ele ama você.

- Eu sei. - Disse em meio a um suspiro - Ele deixou isso claro desde o primeiro dia, e eu acredito nele.

- Mas e você? - Jade se pronunciou animada. - Você ama ele, Bi? - Perguntou, mas antes que Bianca dissesse algo, os meninos interromperam.

- A gente tá indo pegar umas ondas. - Pedro falou.

- É, e a gente vai tentar ensinar pro Max, ne cara? - João disse. - Quero ver se o lutador vai se dar bem.

- Pô, sempre quis aprender a surfar, tomara que eu consiga pelo menos ficar de pé hoje. - Max falou.

- Fuca tranquilo, cara. - Pedro Disse. - Se o Johnny consegue, qualquer também faz. - Falou e nós rimos enquanto João reclamava.

- Então bora lá, galera?! - Max os chamou depois de dar um rápido beijo na Jade, os meninos assentiram e João foi fazer o mesmo com Bianca, assim como o Pedro veio até mim.

- Daqui a pouco volto pra buscar a Jade. - Disse contra meus lábios, sorri.

- Bom garoto... - Murmurei e o beijei novamente, ele suspirou e seguiu os meninos.

- Você não me respondeu, Bi. - Jade insistiu.

- Jade! - Eu a repreendi.

- Ah loira, eu quero saber, ué! - Ela disse e Bianca riu.

- Tudo bem, K. - Disse e então mirou Jade. - Eu estou gostando muito do João, mas acho melhor ir com calma. Nossa relação ainda é muito recente, e João não me cobra nada, então estamos deixando fluir.

- Hum, fluir... Adoro essa palavra. - Jade disse e nós rimos. - Mas então, até que ponto está fluindo? - Perguntou maliciosa. - Já rolou entre vocês? - Questionou ansiosa.

- Ainda não. - Bianca disse em meio a um suspiro e agora suas bochechas estsvan coradas. - Às vezes eu tenho certeza que vai rolar, mas aí, algo ke faz ficar insegura e eu peço pra parar, já outras vezes...

- O que? Vai me dizer que é ele que pede pra parar? - Jade perguntou. - Porque eu bem me lembro que você ficou puta quando ele não quis pegação aquele dia na festa... É trauma? - Perguntou e nós rimos.

- Não é isso, sua louca. - Bianca disde entre risos.

- Eu acho que eu sei o que é. - Falei chamando a atenção das duas. - O Pedro me falou ontem, Bi. - Disse e ela assentiu corando novamente.

- Contou? Mas contou o que, gente? - Jade perguntou. - Eu também quero saber! - Disse e nós começamos a contar pra ela sobre o episódio do flagra do Pedro em Joanca.

- ... E é isso. - Bianca disse por fim. - Quando eu não travo, alguém nos atrapalha.

- Mas isso é normal, Bianca. - Falei. - Pergunta pra Jade como foi com ela e o Max! - Falei e Bianca se virou para Jade que me lançou um olhar de reprimenda.

- Me conta, Jade! - Bianca Pediu, mas antes que ela disse algo, Pedro apareceu.

- Ô Jade, eu vim te buscar. - Ele disse já puxando-a para se levantar, eu ri da cara confusa que ela fez.

- É o quê, tá maluco? A tua namorada é a loira, guitarrista.

- Eu sei, mas o Marcos quer que você veja como ele tá indo bem no surf, vem ver!

- Ah, eu...

- Vai amiga! - Eu incentivei. - A gente vai daqui a pouco, né Bi? - Falei mirando-a, ela assentiu.

- Então, tá. - Jade cedeu. - Mas me solta, que eu sei andar sozinha! - Disse e Pedro bufou me lançando um olhar entediado, logo os dois estavam se afastaram.

- Marcos? - Bianca disse risonha. - O Pedro é doido!

- É, eu adoro esse jeito brincalhão dele. - Falei e ela sorriu. - Mas eu sei que ele vai reclamar muito porque a Jade deve estar falando um monte no ouvido dela.

- Ué, mas não foi ele que veio buscar ela?

- Porque eu pedi. - Falei e vi um ar de compreensão passar por seus olhos.

- Entendi. - Ela falou. - A gente precisa mesmo conversar.


Notas Finais


E é isso. Gostaram do dia na praia??? Comentem amores, voltarei assim que possível com a conversa das meninas. O que será que elas vão falar?
😘😘


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...