História Inconsequência - Capítulo 12


Escrita por: ~

Postado
Categorias EXO
Personagens Baekhyun, Chanyeol, Chen, D.O, Kai, Lu Han, Personagens Originais, Sehun, Xiumin
Tags Aikimsoo, Exo, Exo M, Exo-k, Fluffy, Kaisoo, Kid!exo, Yaoi
Exibições 424
Palavras 4.033
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Comédia, Drama (Tragédia), Ecchi, Escolar, Famí­lia, Fluffy, Romance e Novela, Slash, Universo Alternativo, Yaoi
Avisos: Bissexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Chegando com mais um capítulo.
Espero que gostem
E lembrem-se, a fic está acabando. Ela termina no capítulo 15.
Boa leitura.

Capítulo 12 - Pedido e festa de aniversário


Após chegarem do hospital, os dois foram tomar banho. Kyungsoo foi primeiro, depois de convencer a Jongin que conseguia se banhar, e o moreno foi o último. Ao sair do banheiro, encontrou Kyungsoo deitado na cama a sua espera.

-Como você está se sentindo, hyung? - perguntou indo se deitar.

-Feliz. Vamos ficar quatro dias em casa, Nini. - respondeu com sinceridade e virou para olhar o moreno. - Eu estava tão cansado. Acho que vou entrar em coma nesses quatro dias.

-Em coma você não vai conseguir. As crianças fazem muito barulho, esqueceu? - Jongin brincou e os dois riram baixinho.

-Nini... Eu vou dormir. - Kyungsoo pausou o que dizia para bocejar. - Estou caindo de sono.

-Apenas descanse. - o moreno sussurrou e levou sua mão até a face alva.

Os dois coraram no escuro da noite, mas não impediram o carinho. Jongin ficou acariciando o rosto do seu hyung até que o mesmo adormecesse e Kyungsoo deixou-se ser ninado. Após ver que seu pequeno adormecera, Jongin o puxou para seus braços. Sentia o coração acelerado e um pouco de falta de ar, mas já estava acostumado. Era sempre assim quando estava perto do mais velho e o tocava. Definitivamente estava perdidamente apaixonado por Kyungsoo.

-x-

Como se tivessem ouvido o que Jongin tinha dito na noite anterior, as crianças acordaram chorando. Os dois adolescentes abriram os olhos no susto e perceberam que era apenas fome e manha daqueles seres chorões.

-Eu falei que ia ser impossível entrar em coma. - Jongin comentou rindo contido e se soltando do mais velho para ir acudir os pirralhos. - Quanto ar nesses pulmões hein?

-Ar é pouco. Isso é um dom. - Kyungsoo resmungou sonolento e se posicionando na frente do berço para pegar TaeOh, enquanto Jongin pegava SunIn.

Os dois se dirigiram para a cozinha com as crianças no colo. Kyungsoo largou TaeOh e SunIn com Jongin, para que comecasse a preparar o mingau que os pequenos comiam.

-Meus céus hein? Mas vocês amam chorar. - Jongin brincava. As crianças estavam rindo das cócegas que o moreno fazia nelas. - Appas não vão deixar vocês com fome. Que coisa feia. É só esperar. - continuava a conversar com as crianças. - Agora, pra deixar os appas felizes, falem: Appa. A-p-p-a. - soletrou e Kyungsoo começou a rir.

-Nini, eles só têm nove meses, como você quer que eles falem alguma coisa? - questionou ainda rindo.

-E por que eles não poderiam falar? Já ouviu falar de criança precoce? - Jongin insistiu.

-São por essas suas manhas, que esses dois ficam de dengo por ai. - o mais baixo comentou colocando os pratinhos de mingau na mesa.

-Agora a culpa é minha. - Jongin resmungou e puxou a criança mais perto de si, TaeOh. - Olha o aviãozinho campeão.

-Abre a boquinha, princesa. - e assim os dois começaram a alimentar os dois famintos.

Mas nada era tão fácil quando se tratava daquela pequena dupla de bebês. Pareciam combinar de complicar as coisas para os pais. Em um momento comiam o mingau com vontade, no outro abriam a boca e fechavam quando os pais chegavam com a colher perto de seus lábios. Isso acarretava nas crianças se melecando toda e junto delas, seus appas.

-Aish! Vocês dois adoram aloprar! - Kyungsoo resmungou quando conseguiu terminar de dar tudo para SunIn.

-Esses dois parecem combinar de nos deixar de cabelos brancos. - Jongin concordou pegando TaeOh no colo. - Agora vamos dar um banho em vocês.

E a manhã se passou assim. Era uma das raras vezes que os dois conseguiam cuidar, juntos, dos bebês durante a semana. Jongin, após o banho dos bebês, ficou responsável por olhar os pequenos e Kyungsoo responsável de fazer o almoço.

Somente por volta das 15h que TaeOh e SunIn resolveram descansar, dando um descanso aos seus pais. Jongin e Kyungsoo se jogaram no sofá, totalmente exaustos. Queriam conversar sobre o que tinham falado no quarto de hospital, mas com a correria do dia, nada tinham comentado ainda. Kyungsoo respirou algumas vezes, para criar coragem de quebrar o silêncio.

-Nini? - chamou e viu a cabeça do moreno virar em sua direção, indicando que estava totalmente atento a Kyungsoo. - Vamos fingir que nada aconteceu? - o alvo foi direto, como sempre fazia.

-Não. - Jongin se ajeitou no sofá e se sentou de frente para o mais velho. - Eu... Eu fico com medo de tentarmos algo e no final acabarmos separados. - confessou. Kyungsoo suspirou pesadamente.

-Eu também tenho esse medo. O que vamos fazer? - Kyungsoo perguntou.

-Eu... Gostaria de tentar. Mesmo com medo. - o moreno respondeu e olhou bem fundo nos olhos do mais baixo. - Se der errado, a gente pode deixar de lado e simplesmente seguir em frente. Eu prometo não parar de falar com você se viermos a nos separar. Eu só... Acho que é melhor arriscar do que depois nos arrependermos de não termos tentado.

-Então isso é um pedido de namoro? - Kyungsoo sussurrou ruborizado.

-Não foi dito com essas palavras, mas basicamente sim. - Jongin respondeu sorrindo travessamente.

-Então... Você aceita namorar comigo, Nini? - Kyungsoo pediu e o moreno sorriu.

-Sim. - Jongin nem pensou antes de falar.

-E... Agora? - Kyungsoo perguntou timidamente.

-E agora que eu quero beijar você, hyung. - Jongin falou e viu o mais velho ruborizar, mas concordar com um aceno de cabeça.

Jongin se inclinou para frente, fazendo com que os rostos ficassem próximos. O coração de ambos batia como se fossem morrer. Era tão acelerado. Jongin levantou uma mão, querendo tocar o rosto de seu hyung, e viu que tremia. Kyungsoo sorriu diante do nervosismo do mais novo. Era identico ao seu.

Mesmo nervosos, os dois fingiram não notar as reações de seus corpos e tocaram os lábios. Não era a primeira vez que se beijavam e não entendiam a razão de tanto nervosismo. Se entregaram as sensações gostosas que passavam por seus corpos. Ambos sentiam borboletas em seus estômagos e quando aprofundaram o ósculo, um calor percorreu seus poros.

Depois de um tempo, foram obrigados a se afastarem para recuperar o ar. Ficaram com as testas encostadas uma na outra e se fitando. Sorriram bobamente e quando pensaram em voltar a se beijarem, um choro foi ouvido. As crianças tinham acordado.

-Hora do recreio acabou. - Kyungsoo brincou e os dois riram, se levantando para olhar as crianças.

-x-

A festinha de 1 ano de TaeOh e SunIn finalmente tinha chegado. Jongin já estava formado. Kyungsoo e Jongin tinham decidido comemorar o aniversário das duas crianças juntas e por isso estavam no shopping. Tinham levado seus filhos para comprar um brinquedinho novo.

-TaeOh, você gostou mesmo daquele Iron Man? - Jongin perguntava enquanto via o filho apontar para o brinquedo.

-Acho que sim. - Kyungsoo comentou rindo. - E você, SunIn? Não gostou de nada ainda? - Kyungsoo perguntou fitando a filha em seus braços.

-SunIn é difícil de presentear igual a você, Soo. - Jongin provocou enquanto entravam na loja.

-Se me der algo de cozinha ou um chocolate meio-amargo, sabe que eu vou ficar feliz. - o mais velho resmungou fazendo bico.

-Mas você já espera por essas coisas, o legal é se surpreender. - o mais novo insistiu e se esticou para pegar o presente do filho, que estava em seu colo.

-Você reclama muito. Devia ser grato por seu namorado ser fácil de dar presente. - Kyungsoo retrucou e Jongin acabou rindo.

-Esse namorado só me dá dor de cabeça. - Jongin brincou puxando o mais velho pela cintura.

-Nini, estamos na rua! - Kyungsoo murmurou. Tinha vergonha de ficar trocando carícias com o moreno, mas isso não tinha nada a ver com o fato de ambos serem homens, Kyungsoo agiria da mesma forma se estivesse com uma garota.

-Tá. - o moreno o soltou e seguiu em direção ao caixa.

Kyungsoo suspirou pesadamente. Sabia que era errado afastar seu Nini sempre que estavam em público. O moreno, no começo, se afastava com compreensão, porém, com o tempo Kyungsoo começou a perceber que isso realmente o incomodava. Jongin não entendia que a vergonha era a troca de carícias e não o fato de ambos serem homens.

Kyungsoo foi andando até o caixa cabisbaixo. SunIn se remexia em seu colo para chamar atenção e o baixinho sorria para a filhinha. Assim que chegou perto do moreno, viu o mesmo corado e sorrindo para a vendedora. Arqueeou uma sobrancelha e se permitiu ouvir o que conversavam.

-Omo, mas é tão novinho! Ser pai solteiro na sua idade deve ser tão difícil. - a vendedora falava de forma irritante para Kyungsoo.

-Não é um mar de rosas, mas eu gosto. Meu melhor amigo e eu dividimos as tarefas. Ele também é pai solteiro e novo que nem eu. Apesar de toda dificuldade, é gostosinho ouvir a risadinha dos nossos filhos e acompanhar o crescimento deles. - Jongin dizia de forma encatada. Amava suas crianças e não abriria mão delas nunca. Kyungsoo sorriu com o que ouvira, mas se sentiu magoado pelo moreno dizer "melhor amigo" e não "namorado".

-Você é um paizão. Tão lindo. - ela suspirou e Kyungsoo fechou a cara. - Então neném, a titia pode ir ajudar a cuidar de você...

-Jongin, vai demorar? - Kyungsoo resolveu interromper. - Se for, eu vou pra outro lugar e a gente se encontra mais tarde. Tchau. - dito isso, o baixinho começou a se afastar.

Queria que Jongin o seguisse ou gritasse que não era necessário ir na frente, mas ficou apenas no querer. O moreno estava chateado com o alvo por ter vergonha de assumir o relacionamento deles na frente das outras pessoas e por isso, somente por isso, resolveu que só iria ver Kyungsoo no salão de festas que os pais de ambos alugaram para comemorar um ano de vida dos seus netinhos.

-x-

-Omo! Kyungsoo, você chegou sem o Jongin? - a senhora Kim perguntou ao ver o garoto entrando com a filha.

-Jongin está no shopping. - respondeu de forma educada, mesmo que por dentro estivesse bufando. - Por acaso a senhora sabe onde está minha mãe? Ela precisa arrumar SunIn e eu queria ir me trocar.

-Você e meu filho brigaram? - a mulher perguntou estreitando os olhos. Kyungsoo nunca chamava seu filho de "Jongin", era sempre "Nini".

-Não. - respondeu e respirou fundo. - Sabe onde está minha mãe?

-Estou aqui, querido. - a senhora Do apareceu e Kyungsoo andou até a mesma, entregando a filha.

-Onde fica o banheiro pra eu tomar banho e trocar de roupa? - questionou.

-Fica no corredor. Sua roupa já está lá. - ela respondeu arqueando uma sobrancelha. Seu filho parecia inquieto e não era pela festa.

-Tá. - com isso Kyungsoo saiu e foi procurar o banheiro que tinha naquele salão caro.

Enquanto andava, via o quanto seus pais gastaram. Lembrou que tinha tentado impedir todo aquele exagero junto de Jongin, mas no fim, os senhores Kim e Do conseguiram os convencer. Queriam mostrar para todos os netinhos lindos que tinham.

Assim que o baixinho encontrou o banheiro e entrou, Jongin chegou com TaeOh. Ao ver a mãe brincando com SunIn no colo da senhora Do, soube que seu hyung já tinha chegado.

-Boa noite. - Jongin cumprimentou.

-Boa noite. - as duas responderam e a senhora Kim apressou-se em pegar o netinho.

-Onde está o banheiro? Quero tomar banho. - Jongin questionou e as mais velhas o olharam.

-Você e o Soo brigaram? - sra. Do perguntou.

-Por que brigaríamos? Somos namorados que vivem em um mar de rosas. - o moreno respondeu sarcasticamente e recebeu um tapa no braço.

-Olha como responde sua tia! - sra. Kim o repreendeu. - Vai tomar banho. O banheiro fica no corredor. Aproveite e repense sua educação.

-Humpf. - Jongin bufou e se afastou.

Quando contou para a família e amigos que estava namorando com Kyungsoo, ninguém tinha sido contra. O casal ainda tinha ouvido seus pais dizerem que agora tinham entrado para a mesma família sem precisar esperar os netos crescerem. Naquela época, quando Kyungsoo o afastava em público, não se importava. Era tudo novo para ambos e por isso entendia, mas com o tempo, começou a se questionar se Kyungsoo realmente se importava mais com opiniões alheias do que com os seus sentimentos.

Com pensamentos depressivos, começou a se despir para logo se banhar. Ligou o celular para ouvir música e deixou no aleatório. Precisava se animar, afinal, SunIn e TaeOh não tinham culpa de nada. Queria estar feliz nas fotos que tirasse com os filhos e não com um semblante triste.

Após ouvir 3 músicas, terminou de se lavar e pegou a toalha para se secar. Após estar cheiroso, enrolou a toalha branca em sua cintura e foi pegar a roupa separada para si. Quando puxou a calça, estancou no lugar. Aquelas roupas eram de Kyungsoo e não suas. Tinha ajudado ao mais velho na hora de escolher. Ficou com o cenho franzido enquanto pensava onde estariam suas roupas.

-Aish! Elas nem pra me dizerem que o banheiro da esquerda era do Jongin. - Kyungsoo praguejava enquanto abria a porta do banheiro.

-Soo? - Jongin perguntou surpreso. Kyungsoo paralisou na porta.

O baixinho tinha encontrado as roupas do mais novo no lugar das suas e por isso tinha pensado que era melhor ir no banheiro em frente ao seu para pegar suas roupas antes do moreno chegar. Não esperava encontrar um Jongin com o peito de fora e somente com uma toalha branca envolvendo sua cintura. Corou bastante ao perceber que também estava da mesma forma do mais novo.

-O-o que você está fazendo aqui? A porta estava aberta, pensei que não tivesse ninguém. - Kyungsoo falou.

-Eu esqueci de trancar. - Jongin explicou. Estava olhando intensamente o corpo do mais velho.

-Alguém podia entrar.

-Você acabou de fazer isso.

-Mas eu sou seu namorado, não seria legal se outra pessoa entrasse.

-Tem certeza? Pra mim você está sendo uma outra pessoa. - Jongin soltou e viu o mais baixo recuar. - Se fosse realmente meu namorado, não teria vergonha de mim.

-Vergonha de você? Do que está falando? - Kyungsoo indagou confuso.

-Você dá mais importância ao que vão pensar sobre nós dois do que o que eu sinto. Você me magoa toda vez que me afasta em público. - Jongin respondeu puxando suas roupas do braço do mais velho e jogando as do outro em cima do dono.

-O que? Da onde você tirou isso? Eu não me importo com qualquer julgamento que possam fazer da gente. -Kyungsoo se defendeu. - Você me conhece e sabe que eu nunca gostei de trocar carinho na frente de ninguém. Eu tenho vergonha e não é porque somos dois homens, eu sempre fui tímido!

-Mas quando éramos amigos, você me abraçava em público! - Jongin argumentou.

-E morria de vergonha! Você lembra quanto tempo demorou pra que eu te abraçasse? É o mesmo tempo que preciso pra conseguir te dar um selinho na frente de todo mundo! Se eu tivesse vergonha de você, nem teria me dado ao trabalho de te pedir em namoro. - Kyungsoo gritou irritado. A porta atrás de si estava aberta, então resolveu ir embora. Teria saído, se Jongin não o tivesse puxado e trancado a porta atrás de sim.

-Você sabe o sentido de vergonha e timidez? Você se importa com o que os outros pensam e por isso não faz as coisas que realmente deseja. Você sente vergonha e fica timido, porque se preocupa com o que os outros vão falar. - Jongin estava irritado.

-Não! Acontece que eu sou reservado. Aish, pra mim já deu. Não quero mais discutir hoje, precisamos nos apressar e ir pra festa dos nossos filhos. - Kyungsoo reclamou e tentou sair de perto do moreno, porém foi impedido.

-Hyung... - Jongin chamou e suspirou pesadamente. - Você realmente não sente vergonha de mim?

-Mas é claro que não, Nini! - Kyungsoo respondeu levando a mão até o rosto do maior. - Eu só fico sem jeito com qualquer demonstração de afeto em público.

-Eu sei... Me desculpe.

-Quem tem que pedir desculpas sou eu. Não percebi que meu jeito estava te magoando. - se desculpou e roubou um selinho do maior. - Agora vamos nos arrumar, porque a festa vai começar e não queremos nos atrasar.

-Tá. - Jongin concordou e se afastou, colocando a mão na toalha e pronto para puxá-la.

-ESPERA! - Kyungsoo gritou. - O que pensa que está fazendo?

-Tirando a toalha pra me vestir. - Jongin respondeu o óbvio.

-Espera eu sair. – pediu desesperado e logo abriu a porta do banheiro, fugindo do pequeno espaço que habitava antes.

Jongin sorriu sacana. Gostava de provocar seu hyung e não era agora que estavam namorando e tinham terminado a escola que seria diferente. Após se trocar e sair do banheiro, encontrou com Kyungsoo do lado de fora. O mais velho já estava devidamente arrumado e ambos trocaram sorrisos.

-Pronto pra primeira festinha? – Kyungsoo perguntou e Jongin sorriu.

-Pronto para a primeira de muitas. – respondeu alegre e ambos seguraram as mãos, caminhando em busca de suas mães, para pegar as crianças.

Estavam observando a decoração – andando de mãos dadas – quando encontraram suas mães brincando com os netinhos. TaeOh estava com uma roupinha de Iron Man. Estava uma graça com a calça coladinha, dando para ver o volume da fralda, uma blusinha que tinha o formato do tronco da armadura e a máscara pendurada no pescoço do garotinho. SunIn estava com vestido de princesa rosa, sapatinho de boneca e os cabelinhos pretos – iguais ao do pai – soltos. A mechas encostavam nos ombros da criança e em sua cabeça sustentava uma coroa prateada.

-Mas que gracinha! – Jongin gritou. Soltou a mão de Kyungsoo e correndo até os filhos.

-Que susto, garoto! – a senhora Kim repreendeu o moreno e deu um tapa em seu braço.

-TaeOh e SunIn estão uma graça. Socorro! Eu vou passar mal de fofura aqui, Soo! – Jongin falava animado e estendeu os braços, pegando SunIn no colo.

-A-p appa! – a garotinha balbuciou e todos arregalaram os olhos.

-OMO! SunIn, você falou mesmo isso? – Kyungsoo correu para perto dos dois e viu o sorrisinho meigo da filha.

-Appa! – ela tornou a dizer.

-KYAAAA! – Jongin gritou animado e começou a balançar a filha no colo. Ele a tinha como sua, assim como Kyungsoo tinha TaeOh como seu.

-TaeOh, você também vai falar? – Kyungsoo correu para o garotinho e o pegou no colo. – Fala. Appa. Repete igual sua irmã.

Todos ficaram atentos ao menino, mas ele nem se importava com os adultos. TaeOh estava encantado demais com suas roupas para pensar em tentar falar alguma coisa. Os adultos acabaram percebendo que a criança pouco se importaria com o que eles queriam e resolveram voltar atenção para SunIn, mesmo que Kyungsoo estivesse com TaeOh no colo e tentasse fazê-lo falar algo.

-Apressado pra nascer, mas pouco se importa em falar. – Jongin resmungou.

-Nini! – Kyungsoo o repreendeu e o moreno fez bico.

-Vocês fizeram as pazes né? Ainda bem, ficar vendo um clima pesado entre vocês não é legal. – a senhora Do comentou enquanto brincava com TaeOh no colo do filho.

-Foi uma briga idiota. – Jongin murmurou.

-Nossa primeira briga de casal. – Kyungsoo observou e os dois riram.

-Aé, porque de amizade... – a senhora Do comentou e todos riram.

Jongin e Kyungsoo tinham apenas 3 meses de namoro. Estavam contentes com a vida que levavam e já montavam planos para o futuro. Pretendiam esperar as crianças entrarem na escola, para que pudessem começar a cogitar uma faculdade. O único problema seria arrumar tempo para o trabalho, mas se eles estavam conseguindo conciliar tudo, eles levariam até o fim.

-Senhoras, senhores, os primeiros convidados chegaram. – um garçom avisou e logo atrás dele apareceu Luhan, Sehun, Chanyeol e Baekhyun.

-Boa noite! – Baekhyun cantarolou e assim que o olharam melhor, perceberam que ele segurava a mão de um garotinho. Chanyeol segurava a mão de outro. Os garotinhos eram idênticos.

-Boa noite. – os que estavam dando a festa cumprimentaram, fitando as crianças.

-Esses gêmeos são uma graça. – a senhora Do comentou.

-Ah! Eles são meus sobrinhos. Yoora-noona viajou pra uma nova lua de mel, de novo, e largou os filhos comigo nessas férias. Apresentem-se, bebês. – Chanyeol pediu e se agachou ao lado do menino que estava perto dele e Baekhyun repetiu o gesto.

-Eu sou Jongmin. – a criança se apresentou e correu para os braços de Baekhyun, escondendo o rostinho no pescoço do mesmo.

-Awn, mas é muito fofo! – Baekhyun deu seus surtos, abraçando ainda mais a criança.

-Seohyun. – o outro se apresentou e fez uma reverência.

-Mais educados que você, Chanyeol. – Jongin implicou e o maior riu.

-Fazer o que né? Baekkie educa direito. – retrucou e viu o companheiro corar.

-Esse é seu irmãozinho, né Sehun? – Kyungsoo perguntou, ao ver que Sehun segurava um menino no colo e o garoto não tirava o rosto do pescoço do maior.

-É sim. Hansu me viu hoje e não quis me largar, aí eu o trouxe.

-Ele está com dois anos né? – Jongin indagou.

-Sim. – Sehun respondeu.

-Ele parece ser bem tímido. – Chanyeol observou. Era a primeira vez que viam o menino, visto que, todos estavam ocupados com seus trabalhos e suas novas casas, além da faculdade.

-Isso é fachada. Hansu vai estar elétrico daqui a 5 minutos. – Luhan declarou e fez carinho nas costas do garoto. Sabia como a criança era, porque Hansu era muito apegado a Sehun, fazendo com que passasse mais tempo na casa do irmão do que na casa dos pais. Por viver com os dois irmãos, Luhan sabia que ambos eram muito parecidos na personalidade e fisicamente.

-Igual a esses gêmeos. Se não sou eu naquela casa, acho que teriam que chamar o juizado de menores pra prender 3 crianças. – Baekhyun comentou e todos riram. Assim como Jongin e Kyungsoo moravam juntos, os dois casais passaram a dividir um apartamento quando encontraram empregos.

-Queridos, vocês vão dividir a mesma mesa? – a senhora Kim perguntou.

-Vamos sim. – Luhan respondeu.

-Então vamos lá. – Jongin chamou e assim eles seguiram para a mesa.

-Ah, bota mais uma cadeira. O Dae e o Min estão com uma criança também. – Chanyeol comentou enquanto todos sentavam.

-Está brotando criança de toda parte? – Jongin perguntou enquanto entregava SunIn para Luhan, que estava ansioso para pegar a princesinha no colo.

-Channie, você fala como se o Koji tivesse 5 anos. – Baekhyun resmungou pegando TaeOh. – Quando os hyungs chegarem, eles explicam. Não precisa por cadeira não, o Koji tem a mesma idade dos aniversariantes.

-Então tá. – Kyungsoo concordou e se sentou à mesa com os amigos.

Luhan brincava com SunIn em seu colo e Hansu percebeu. Tirou a cabeça da curvatura do pescoço de Sehun e fitou o chinês. Estava sentindo ciúmes da atenção que o namorado do seu irmão estava dando para aquela garotinha e logo começou a cutucar seu hyung.

-Que foi? – Sehun perguntou e somente o menor ouviu.

-Lu... – Hansu respondeu e Sehun riu.

-Está com ciúmes do Hannie com a SunIn é? – Sehun provocou o irmão e viu o mesmo fazer bico. – Está bem, está bem. Hannie?

-Hum?

-O Hansu quer ficar com você.

-Pode vir, pequeno. – Luhan sorriu para o menino e Sehun o sentou na perna do namorado.

-Hansu, essa é a SunIn, sua amiguinha.  Princesa, esse é o príncipe Hansu. – Luhan apresentava as crianças.

-Hyungs, vocês não vão acreditar! A SunIn falou “appa” hoje! – Jongin contou e todos arregalaram os olhos.

-Sério? – Sehun perguntou surpreso. Lembrava que Hansu demorou um pouco para falar.

-Sim. Ela falou appa três vezes. – Kyungsoo falava orgulhos.

-E você campeão? Não vai falar também? – Baekhyun perguntou balançando TaeOh.

-Ele é preguiçoso. – Jongin resmungou. Queria ouvir o filho chamá-lo de appa também.

-Isso vem dos genes. Ele é seu filho. – Kyungsoo o lembrou e o moreno riu.

-Por isso mesmo que eu sei que ele não vai falar. A SunIn é precoce igual a você, Soo. – Jongin ressaltou e todos gargalharam.

Os convidados ainda não tinham chegado, mas para aqueles seis amigos e as quatro crianças, a diversão já estava começando.                         


Notas Finais


SUNIN FALOU A PRIMEIRA PALAVRINHA
BROTOU CRIANÇA DE TUDO QUE É LADO!
Hansu irmãozinho do Sehun, que amorzinho.
Eles estão namorando agora e teve crise de ciúmes ahahahah
Mas eles se resolvem tão facilmente.
Beijocas de tapioca doce.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...