História Indésirable - Capítulo 4


Escrita por: ~

Postado
Categorias EXO
Personagens D.O, Kris Wu
Tags Fluffy, Krisoo, Limonada, Mpreg, Não Sei Mais O Que To Fazendo Da Vida
Exibições 147
Palavras 2.005
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Yaoi
Avisos: Adultério, Álcool, Gravidez Masculina (MPreg), Homossexualidade, Linguagem Imprópria, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


OI
TENHO DUAS NOTÍCIAS, uma boa e ruim; a boa é que eu já consegui finalizar a fanfic e sei o seu final. A ruim é que ela vai ser bem curtinha, então não fiquem chateados comigo <3 Dois beijos no core

E boa leitura

Capítulo 4 - Capítulo III


 

Yifan não soube explicar o que foi desespero ou susto quando ouviu sua ex-sogra lhe dizer aquelas palavras. Ele tomou o volante nas mãos e com muita pressa correu para o hospital que achava que KyungSoo estava em trabalho de parto, já que a senhora Do tinha sido bem vaga quanto à issooi . Ele sabia bem o que o baixinho estava sentido, deveria estar agoniado por ter visto aquela mulher em sua casa e logo em seguida um parto inesperado.

Talvez o estresse tivesse o feito tudo ocorrer tão repentinamente. Nem o próprio Do sabia o que havia acontecido, apenas que tinha pedido para sua mãe o levar para o hospital às pressas.

Quando o Wu chegou no hospital, a mãe de KyungSoo lhe acudiu, pois via no olhar do outro que ele ainda estava perdido quanto à informação. Ela indicou a sala no qual KyungSoo foi levado e pediu para os médicos deixá-lo entrar. Ele lavou as mãos, e colocou a máscara para poder entrar na sala. Ele viu KyungSoo e correu até ele, sorrindo com lágrimas nos olhos.

“Eu estou aqui, tá bom?” KyungSoo ouviu da boca de Yifan aquelas palavras e seus olhos encheram de  lágrimas. Ele estava anestesiado, mas bastante consciente da situação.

KyungSoo esticou as mãos para o maior e ele as segurou com força, apertando como podia e apenas encarando o baixinho que não esboçava um sorriso, mas sentia as lágrimas caindo de seus olhos. Porque Yifan estava ali, depois de tudo. Ele estava presente no momento mais importante de sua vida, no qual KyungSoo pensava que ele não estaria.

O parto se seguiu bem. Não houve sequer uma complicação e depois de meia hora a pequena Katherine nasceu. Yifan ficou todo orgulhoso de sua menininha e pediu para segurá-la no colo. Ele mostrou para KyungSoo com um sorriso enorme nos lábios. KyungSoo não conteve a alegria daquele momento tão precioso. Como se todos os problemas entre os dois tinham ido embora num piscar de olhos. E esses olhos eram enormes e pretos. Havia puxado os de KyungSoo.

A boquinha, os olhos, tudo de KyungSoo. O nariz pequeno e o cabelo deveriam ser genes de Yifan e ele não importava o que fosse que a tornava sua filha, só sabia que estava feliz demais por ter visto o parto.

 

 

 

 

-

 

 

 

KyungSoo receberia alta no dia seguinte e ia para casa junto com Katherine, a nova miudinha da família. Por sorte a menina não chorava muito, apenas quando queria algo e quando queria, pois não parecia ser muito pidona. Yifan ficou babando na filha enquanto ela estava na incubadora esperando os pulmões se formarem.

“Está se sentindo melhor?” Yifan entrou no quarto onde KyungSoo estava para vê-lo se estava bem apesar das dores que sentia no corpo todo.

“Sim, consegui dar o primeiro banho de Katherine, ao menos.” KyungSoo respondeu e virou o olhar para o outro lado da sala. “Você não tinha que ficar com alguém?” Yifan não entendeu a pergunta e murmurou algo. “Aquela mulher. Deveria falar com ela que sua filha nasceu.”

“A culpa foi minha, não é? O nascimento precipitado...” Yifan suspirou e segurou na mãozinha de KyungSoo, pedindo um perdão mudo. “Eu não sei o que deu em mim aquele dia na sua casa. Eu só te achei tão lindo que quis muito te beijar. Eu não me aguentei quando te vi daquele jeito, porque eu amo sua expressão quando está instigado com algo. E você estava tão vulnerável.”

KyungSoo soltou um suspiro e negou com a cabeça, se achando um completo tolo por ter ido até a casa do outro depois daquele beijo. Estava tão óbvio que Yifan só queria o usar. Só queria aproveitar daquele momento de fraqueza.

“Some da minha vida, Yifan. Por favor, vá embora e nunca mais volte...” O Wu obedeceu. Não queria fazê-lo passar nervoso de novo.

 

 

 

-

 

 

 

Quatro anos depois...

 

Katherine dividia o tempo com os pais, às vezes passava o fim de semana com Yifan e às vezes com KyungSoo. Ela não sabia porque, mas só sabia que gostava dos dois juntos quando eles se viam e às vezes abriam um sorriso um para o outro. A criança sentia um amor ali, talvez porque havia um tão óbvio.

KyungSoo conseguiu um cômodo na casa da mãe dele para que pudesse ser sua casa, não tinha lá um emprego muito bom, era administrador de uma pequena loja no centro. Se virava em cinco para cuidar da casa, trabalho e de Katherine. Levava a menina de manhã na creche, ia para o trabalho, voltava para buscar Katherine e cuidava da casa. Às vezes Yifan buscava Katherine de carro e a levava para casa para ficar por lá uma tarde.

Yifan sempre perguntava de KyungSoo para a pequena e ela respondia o que via ou o que pensava. Mas ele não ficou nada satisfeito quando ouviu a menina dizer que ela teria um novo um papai, pois KyungSoo estava em um relacionamento com outro homem. E ela lhe disse que ele também era legal. Pela primeira vez, Yifan se sentiu inseguro.

Ele não sabia porquê, mas já não conseguia se relacionar com outras pessoas. Ninguém conseguia preencher o lugar de KyungSoo no arrombo que ele fez no peito do maior. Nem mesmo seus relacionamentos superficiais valiam algo para Yifan. Os únicos momentos em que se sentia bem e vivo era quando a pequena Wu ia em sua casa enche-lo de perguntas sem[Bina_gall1]  cabimento.

KyungSoo estava num relacionamento aberto com Kim Jongin, na verdade não era um relacionamento, ele apenas ficava com KyungSoo, gostava do baixinho, mas sabia que nunca preencheria a lacuna que Yifan havia deixado. KyungSoo não conseguia confiar em ninguém mais, não sabia se deveria se entregar de novo à alguém para que acontecesse a mesma coisa que aconteceu com Yifan.

Era dia de Katherine passar o dia com o chinês, ele iria busca-la na casa de KyungSoo, só que quem atendeu era Jongin e ele não ficou satisfeito ao ver Yifan. Nunca havia o conhecido e entendia bem porque KyungSoo falava tão bem do outro. Ele realmente era bonito.

“KyungSoo está?” Yifan perguntou com o cigarro abafando sua fala. Tragou uma vez e soltou o ar para o outro lado.

O baixinho apareceu logo atrás do moreno e abriu um sorriso pequeno, beijando a bochecha de Jongin. Pediu para ele apressar Katherine para ir logo e o outro foi fazer tal.

“Você deu sorte.” Yifan disse jogando o cigarro no chão e pisando para apagá-lo. KyungSoo percebeu que ele havia voltado a fumar, pois sempre fumava quando estava estressado ou nervoso com algo.

“Como?” KyungSoo perguntou sem entender a afirmação.

“Encontrou alguém que te valorize... Estou feliz por isso.” Yifan abriu um sorriso pequeno e levantou a mão. Ele iria bagunçar o cabelo do menor, mas pensou duas vezes e logo ouviu os passinhos de sua filha correndo em sua direção.

Pegou-a no colo e a girou como ela gostava. Pegou a bolsa dela e apenas acenou com a mão para o casal na porta. Ele saiu com o coração na mão e Katherine no colo. A menina perguntava porque ele estava triste, mas ele estava negando as perguntas da pequena durante todo percurso.

Na noite do mesmo dia um amigo de Yifan passou na casa dele para jogar conversa fora, ele também gostava muito de Katherine e tinha um filho da mesma idade que a menina, o pequeno Oh Taehyung que ficava brincando com a pequena Wu o dia todo na creche.

“Você viu ele com outro? Por acaso o conhece?” Sehun perguntou para Yifan enquanto bebia um gole da cerveja, sentindo o gosto amargo misturar com o tabaco.

“Não o conheço... Ele deve ter conhecido enquanto estávamos separados.” Yifan o respondeu e bateu o cigarro no cinzeiro, deixando o resto das cinzas cair. “O problema é que ele ficou muito mais bonito depois que engravidou. Ele não está acabado. Não parece cansado, apesar de estar. Ele ficou tão lindo.”

Sehun deu risada e jogou uma latinha da bebida alcoólica para o outro e negou com a cabeça. Também estava numa fase turbulenta do relacionamento e nem sabia como resolveria aquilo, muito menos o relacionamento de Yifan que era bem mais velho que si.

“Você caiu no encanto dele, hein Yifan? Tá na hora de achar uma outra tampa para essa sua panela aí.” Sehun tentou aconselha-lo, mas ao ver o olhar baixo do maior soube bem que ele não conseguia. KyungSoo era e sempre seria o bem maior que Yifan teria.

“Se você criasse uma máquina do tempo, seria bem mais útil que essas suas dicas... Eu amo KyungSoo, mas o perdi. O perdi para outro homem e não vou tê-lo mais de volta.” Yifan se lamentou e ouviu a voz baixinha de sua filha que andava dormindo na direção do pai, pedindo para que ele a colocasse para dormir.

Ele levou a pequena para o quarto dela que tinha em sua casa, pois tinha planejado tudo com KyungSoo antes da separação. Ele colocou a menina na cama e beijou sua testa, abrindo um pequeno sorriso para ela. Seus olhos enormes lembravam os de KyungSoo e o brilho era o mesmo. Penetrava na alma de Yifan e o machucava como nunca antes havia machudado.

 

 

 

 

Jongin suspirou alto e largou o corpo miúdo, deitando ao seu lado e usando a coberta para cobrir seu corpo nu. Havia broxado. KyungSoo não parava de falar em Yifan, inclusive na hora do sexo. E aquilo havia sido o estopim do moreno. Achou que aqueles dias com Katherine com o outro pai, teria algum tempo com KyungSoo, mas estava enganado.

“Amor, me desculpa... Eu não queria te ofender, mas é que eu o vi abaixar a cabeça quando te viu, como se estivesse se arrependido.” KyungSoo disse puxando um pedaço da coberta e cutucando Jongin.

“Vai se fuder, KyungSoo. Eu não ouvir você falar dele, ok? Me deixe em paz.” Jongin disse irritado e o baixinho suspirou um pouco surpreso. Nunca havia o visto nervoso.

Beijou a bochecha dele e enrolou seu cabelo nos dedos. Tentou convence-lo novamente a fazer o que estava previsto, mas Jongin disse não e foi dormir. KyungSoo então foi pegar o telefone para ver se ligava para Yifan, apenas para ouvir a voz dele.

O maior atendeu com a voz sonolenta e ouvindo um suspiro pesado do outro lado do telefone, no número constava o nome de KyungSoo e ele estava assustado, pensando que algo havia acontecido com ele.

“Aconteceu alguma coisa?” Yifan perguntou.

“Não, eu só estava com um pressentimento ruim... Katherine está bem?” KyungSoo perguntou sentando no sofá da pequena sala e se perguntando o que estava fazendo ali.

“Agora ela está dormindo. Ficou brincando o dia todo com Taehyung.” Yifan disse com um sorriso no rosto, mas logo o desfez. “Acho que você tinha um namorado para cuidar.” Foi curto e grosso e ouviu a linha ficar muda, mas sabendo que ele ainda o ouvia. “KyungSoo... Por favor... Você me pediu para nunca mais insistir, disse para sumir da sua vida. Eu estou tentando.”

“Eu sei... Eu gostava tanto de você... Eu te amava e então...”

“Amava?” Yifan perguntou com a voz toda eufórica e debochando do que KyungSoo estava dizendo.

“Eu amo você! É isso que queria ouvir?! Eu amo você, Yifan. Eu sempre te amei. Mas eu fiquei cansado! Eu não queria mais ser traído, não queria mais vê-lo com outras pessoas enquanto eu me rebaixava por sua culpa.” KyungSoo soltou tudo para fora e se sentia tão mais leve por aquilo.

“Eu sinto muito... Eu não sei porque fiz tudo aquilo. Eu sou um idiota...” Yifan se lamentou e KyungSoo desligou o telefone.

Ele estava disposto a fazer a maior loucura de sua vida. Ele iria reconquistar KyungSoo de um jeito ou de outro. Iria fazê-lo se separar de Jongin e o teria de volta.

 

 

“Você costumava a ser meu refúgio, mas fugiu de mim.

E eu nunca soube lidar com nosso

fim sem ponto final.” -Jamilla Gauy

 


Notas Finais


E então? Acham que o Fanfan merece mais uma chance? Ou não? Acham que o KyungSoo deveria mandar ele ir a merda ou correr de volta para ele?

PODEM PALPITAR, AMO OS PALPITES <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...