História Indomável Amor - Capítulo 8


Escrita por: ~

Postado
Categorias EXO
Personagens Baekhyun, Chanyeol, Chen, Lu Han, Sehun
Tags Baekhyun, Baekyeol, Chanbaek, Chanyeol, Drama, Hanhun, Hunhan, Incesto, Longfic, Luhan, Sehun
Exibições 266
Palavras 3.212
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Drama (Tragédia), Escolar, Lemon, Romance e Novela, Shonen-Ai, Violência, Yaoi
Avisos: Bissexualidade, Homossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Eu queria primeiramente me desculpar por tanta demora, eu não conseguia escrever e por mais que esse capítulo estivesse pronto eu queria atualizar todas as fics de uma vez... Então, me desculpem!

Quero dizer que o capítulo não esta leve e pode parecer apressado...

Se olharem as tags da fic vão receber spoiler...

Vamos ler?

Capítulo 8 - Escolhas, Decisões e Descobertas


 

 

Os dias foram se passando de modo lento e torturante para todos, Sehun se remoía por dentro toda vez que pensava na aposta estupida, sabia que tinha de parar com isso, porque ver Luhan chorar como chorou dias atrás fazia seu coração se comprimir e doer de modo que o platinado não conseguiria aguentar.

 

Mas sempre que estava na roda de amigos, ele esquecia das lágrimas, dos possíveis sofrimentos e qualquer coisa que se relacionasse a Luhan, porque naquelas horas Sehun só pensava em ser popular, em estar em acessão na rodinha de amigos idiotas e ignorantes.

 

Enquanto Sehun pensava em sua vida e o que fazer dela, Chanyeol andava de uma lado ao outro pensando no que faria dali em diante, estava a dias sem falar com Baekhyun e isso não era mais novidade, mas o caso agora era diferente, Baekhyun parecia assustado e mais frágil, mas não procurou Chanyeol uma vez sequer, soube por Sehun que o namoro com o Chen nunca tinha chegado a acontecer e ficou aliviado por isso e mais aliviado quando não viu mais o garoto ir a escola.

 

Chanyeol temia pelo seu melhor amigo, enquanto pensava no que fazer e no que consertar para que tudo voltasse ao normal ele lembrou de algo que já havia divagado muito quando ficava sozinho e observando as pessoas, parou na frente de Sehun que localizava-se sentado no sofá de sua casa de modo displicente, o platinado olhou para o amigo e fez um som com a garganta como se pedisse para Chanyeol falar logo o que queria.

 

E assim Chanyeol fez.

 

- Sabe, eu nunca reparei muito no Luhan e esses dias eu estava o olhando. - O maior começou meio incerto e antes de falar qualquer coisa Sehun se arrumou no sofá e fez sua melhor expressão de nada.

 

- O que tem o Luhan, não me diga que se apaixonou por ele? - Sehun zombou mesmo que pedisse mentalmente para que Chanyeol não estivesse apaixonado pelo chinês.

 

- Não! Eu só o estava olhando e nossa cara, ele parece muito com você! Você viu a pulseira que ele usa, é igual a tua!

 

O grandão disse exasperado e Sehun apenas revirou os olhos se sentindo mais aliviado, sorriu levantando-se do sofá enquanto tirava uma poeira inexistente de suas pernas.

 

- Era só isso? Eu sempre tive que ouvir piadinhas de como eu me pareço com o retardado, Chanyeol. Você só veio reparar nisso agora?

 

Sentiu suas palavras ofensivas para com Luhan serem falsas e por mais que ainda quisesse odiar de algum modo o Chinês, ele não conseguia.

 

Chanyeol apenas deu de ombros e foi em direção a cozinha, Sehun era de casa conhecia a saída, ouviu os passos do amigo e logo a porta bater, quando o maior se viu sozinho em casa finalmente pode suspirar e divagar sobre tudo, sobre o que ele estava fazendo e fez durante todo esse tempo e como foi idiota por ter sido tão burro e machucado a pessoa que ele mais amava.

 

Porque sim, Chanyeol amava e ainda ama demais o pequeno Byun, suspirou ao lembrar de tudo que fez para o baixinho e sentiu em seu âmago a dor de nunca mais ter o Byun para si, era complicado para Chanyeol pôr em palavras o que estava tramando desde o dia em que Baekhyun se declarou apaixonado por si, de primeira o Park ficou enojado, mas depois de algum tempo "aceitou" que seu amigo estava em uma fase.

 

Mas a fase não passava e Chanyeol achava que se ele fizesse Baekhyun namorar várias garotas ele ficaria curado, porque para o maior, Baekhyun estava doente, só que com o passar do tempo ficava cada vez mais difícil e mesmo vendo que não funcionava e que Baekhyun só se feria a cada vez que o grandão lhe rejeitava e empurrava uma garota para si, Chanyeol ainda tentava.

 

Até que ele se tocou e indo contra todos os preconceitos e medos dentro de si, ele disse para si mesmo que ficaria com o pequeno, os dois seriam felizes e se tudo desse certo seria igual aos contos de fadas que ele nunca fez questão de escutar ou ler. Eles seriam felizes para sempre.

 

O plano era fácil, Chanyeol sabia que a época colegial era a pior e que depois de tanto tempo sendo popular, hétero, preconceituoso entre outros adjetivos ruins que Baekhyun tanto odiava, o grandão não poderia chegar na escola namorando com o melhor amigo, apenas esperaria quando finalmente estivesse na faculdade, seria mais fácil, lá ele poderia recomeçar e com o baixinho ao seu lado, sendo totalmente seu, mas por enquanto ele teria que reprimir a vontade de ficar com Baekhyun.

 

Só que Chanyeol não conseguia fazer tudo que pensava e sinceramente ele só fazia tudo errado, ele só machucava cada vez mais o amigo que tanto tinha estima e esse era o jeito do grandão, ele queria mudar e tentaria a todo custo, mas estava tão cego pelo futuro que estragou todo o presente, pensava em todos os prós e contras que poderia ter e não ter feito durante todo esse tempo e batia em sua própria testa em um ato de fúria por ser tão estúpido.

 

- Eu vou concertar tudo isso, eu só preciso conversar com o Baek.

 

Disse para si mesmo como um encorajamento, sua mente estava uma bagunça então correu para seu quarto a procura de um lápis e papel, escreveria tudo que queria falar para o amigo e se possível entregar a folha quando as palavras lhe faltassem e o branco tomassem sua mente.

 

 

 

•••

 

 

 

Durante todo o percurso até sua casa Sehun andou de modo distraído e alienado a qualquer coisa que se passava ao seu redor, sua mente estava longe assim como seu coração, ele sorria quando se lembrava de algo bom e fechava a expressão quando previa o que poderia acontecer no futuro.

 

Ele estava divido, mesmo que a resposta lhe fosse tão obvia e clara como o sol, imerso em seu próprio mundo o garoto entrou finalmente em casa, podia sentir o cheiro da comida que sua mãe fazia e logo seu estômago roncou por antecipação, fazia um tempo desde que jantou com a mãe  estava com vontade e saudades de fazer isso, foi até a cozinha encontrando a mulher mexendo nas panelas enquanto  falava sozinha, contando números pares ou apenas repassando coisas que haviam acontecido no dia.

 

"Mania estranha.." O garoto pensou enquanto sorria, limpou a garganta querendo a atenção de sua mãe sem que a assusta-se, sentou na ponta da mesa e viu sua mãe lhe olhar  logo sorrindo também.

 

- Eu te assustei?

 

- Quê? Não!

 

- O que foi?

 

Sehun parou de sorrir por um momento enquanto olhava para pulseira em seu pulso, lembrou das palavras bonitas que Luhan lhe disse e lembrou do que todos lhe faziam questão de dizer.

 

- Tem um garoto, ele se parece muito comigo e tem uma pulseira igual a minha, mas a lua dele completa a que eu carrego no pulso, não é estranho?

 

Perguntou de modo inocente enquanto ainda olhava a pulseira delicada, não viu a expressão surpresa de sua mãe, não viu quando de surpresa ela passou para desesperada.

 

- Filho, como assim? - Sua voz saiu trêmula, mas Sehun não havia percebido, de modo que continuou a falar, sabia que era tudo uma coincidência engraçada.

 

- Não sei, ele só se parece comigo e tem uma pulseira igual a minha, mas sabe não é exatamente comigo que ele se parece. - Levantou o rosto e olhando bem para sua mãe jurou ter visto o seu pequeno ali. - E sim com você.

 

- Comigo? - A mulher disse baixinho enquanto seu coração batia acelerado contra seu peito, ela pensava nas possibilidades de isso estar acontecendo e era quase impossível, a quanto tempo procurava depois do arrependimento? A quanto tempo estava atrás de alguma pista que a levasse até o que procurava, e se realmente fosse verdade, sempre esteve tão perto e ela nunca iria saber? - Sehun, traga o seu amigo para jantar amanhã, eu quero o conhecer. - Seu sorriso era verdadeiro mesmo que sua voz estivesse estranha.

 

Novamente naquele dia Sehun deu de ombros, sua mãe era uma pessoa estranha, mas gostou da ideia de ter Luhan em sua casa, o problema seria convencer o pequeno e sua mãe, depois do incidente na soverteria a senhora Lu estava com medo de deixar Luhan sair outra vez e voltar machucado e com medo outra vez.

 

Sehun a entendia, mas de todo modo queria que sua mãe conhecesse sua "doença" e a partir do que ela fosse lhe dizer ele mudaria tudo, e de fato a visita do pequeno chinês mudaria tudo.

 

•••

 

 

 

- Sentiu minha falta?

 

Foi a primeira coisa que JongDae falou assim que entrou no campo de vista do Byun, Baekhyun lhe sorriu fraquinho ainda meio ressentido e afirmou com a cabeça que sim tinha sentido a falta do amigo.

 

JongDae alargou mais o sorriso e sentou em seu lugar ao lado do Baekhyun, não se falaram durante todo o horário de aula e durante o intervalo que tinham para lanchar eles também não falaram uma palavra sequer.

 

O clima estava estranho demais para uma conversa amigável, Baekhyun se mantinha quieto em sua carteira e JongDae estava entediado brincando com uma caneta, queria acabar logo com aquilo, mas não fazia isso por si e sim por outra pessoa e essa pessoa era paciente demais para seu gosto.

 

 Quando todos estavam indo para casa JongDae se despediu de Baekhyun e o pequeno voltou a sua expressão triste que reprimiu durante todo o dia para evitar perguntas sobre o porque de estar assim.

 

Passou reto pela sala de frente a sua, sabia que Chanyeol já tinha ido embora e mesmo que estivesse ali, não faria diferença, saiu da escola meio perdido e triste, sentia falta de muitas coisas e bem, depois que "parou" de falar com Chanyeol, sua "tia" não o levava mais para casa, então ia a pé todos os dias.

 

Mas estava distraído hoje e não percebeu que o beco onde costumava passar estava com o ar perigoso, que entre as três paredes alguns garotos se escondiam apenas esperando o pequeno cordeiro passar para poderem dar o bote.

 

E assim foi feito, Baekhyun mal teve tempo de respirar e logo sentiu algo lhe puxar o pulso, assustado ele focou as orbes no causador daquilo e viu um garoto grande e forte, percebeu que ele não estava sozinho e se alarmou tentando inutilmente se soltar.

 

Pode ouvir a risada de seu futuro agressor, não entendeu o porque de estar nessa situação, não tinha feito nada demais, também não tinha .

 

- Ele não é uma gracinha com esse rostinho assustado? - O garoto que o segurava falou e tudo que Baekhyun pode fazer foi pedir para que o soltasse, mas tudo que conseguiu foi ouvir a risada vinda de todos os garotos ali presente. - Gosto quando ficam assustados, sabe... Você não me parece ter dinheiro, se tivesse não estaria vindo a pé, certo? Estaria passeando de carro, mas eu venho te observado a um tempo e você é muito vulgar, vive rebolando por ai com essas calças justas e deixando meu pau duro com tão pouco, eu conversei com meus amigos aqui e chegamos a conclusão de que você merece ser castigado por nos fazer sofrer.

 

- Vocês são nojentos! Doentes!!

 

- Hey! Cale a boca! 

 

Um dos garotos disse e o que segurava Baekhyun apenas sorriu quando deu um soco no estomago do baixinho, o mesmo estava assustado e surpreso, não esperava por isso tão de repente, aquele soco foi o primeiro de muitos e o Byun parou de contar quando o terceiro garoto se juntou a "festa", em momento algum o  pequeno gritou por ajuda ou pediu para que parassem, era tudo muito sem sentido, Baekhyun nunca tinha visto nenhum daqueles garotos em sua vida, e suas roupas ou modo de andar não justificava o que eles estavam fazendo consigo, assim que a chuva de socos e chutes cessaram Baekhyun se alarmou novamente não olhava para os seus agressores, mas assim que fez viu de modo precário o "líder" desabotoado a calça jeans e ouviu os garotos ao seu redor sorrirem.

 

Baekhyun pensou consigo como aquilo estava sendo ridículo, ele havia apanhado e agora seria estuprado por quase sete garotos só por seu modo de andar e pelo seu jeito de vestir-se, seria engraçado se não fosse tão nojento e doentio.

 

Em certo momento quando sentiu as mãos de seu agressor o virar de bruços como um boneco inanimado, Baekhyun ouviu uma voz conhecida, não conseguia abrir bem os olhos por ter levados socos naquela área, mas reconheceu os barulhos de socos e chutes, não podia saber bem quem estava ganhando ou perdendo ali, não fazia diferença quando as vozes ficaram longe e seu consciência se foi.

 

 

- Acho que exageramos com os socos, mas ele ainda esta vivo.

 

- Tudo bem, o susto já valeu a pena, ele mereceu de qualquer forma.

 

- Você sabe que eu não concordo em fazer essas coisas, estamos nos metendo em um terreno conhecido e você sabe que eu não vou mais me envolver com essa-

 

- Olha Kris, seu trabalho aqui já foi feito, você bateu no garoto e foi um idiota em não ter o comido, demorou demais batendo nele, mesmo sabendo que eu o quero vivo.

 

- Eu não faço esse tipo de coisa, você sabe, bati nele porque preciso do dinheiro, e sei que sou covarde em bater em alguém indefeso e inocente, mesmo que eu não do Chanyeol em níveis alarmantes, o amigo dele não tem nada haver com tudo isso.

 

- Chega, só suma daqui, já fez seu trabalho, pegue seu dinheiro e vá para puta que te pariu, agora eu tenho que bancar o herói e levar a bela adormecida para o hospital.

 

- JongDae...

 

- Vá embora logo, Kris!

 

 

•••

 

 

Quando finalmente conseguiu convencer a senhora Lu de que Luhan estaria seguro em sua casa e que o traria feliz e inteiro no outro dia, a mulher se acalmou dando um voto de confiança a Sehun, o mesmo prometeu não decepcioná-la e levou Luhan até sua própria casa

 

 

Estava animado, queria ver o rosto surpreso de sua mãe com a semelhança e de quão bonito Luhan era , mesmo que o moreno estivesse mais retraído que o normal, ainda assim a alegria de Sehun era grande demais para se importar com isso agora.

 

Assim que chegaram a residência dos Oh, Sehun segurou a mão pequena e bonita do moreno e entrou na casa, sua mãe estava novamente na cozinha do mesmo jeito em que estava na noite anterior, assim que Sehun chegou no cômodo tomou cuidado para não assustar sua mãe quando a mesma estava tão perto do fogo.

 

Como da ultima vez limpou a garganta e chamou pela mais velha tendo a atenção da mesma para si, mas não por muito tempo, a mulher assim que viu Luhan, estagnou em seu lugar e arregalou suas orbes como se visse um fantasma, em sua mente um branco enorme se preencheu e tudo que conseguia fazer era apertar o cabo de madeira da colher que mexia a sopa.

 

Sehun achou engraçado a maneira como sua mãe estava agindo e deixou que o susto dela, que na sua concepção era meio ridículo, mas que para ela era necessário se prolongasse o quão fosse preciso, sentou em uma cadeira pedindo para que Luhan sentasse também ficando feliz em ver o moreno fazendo o que lhe foi pedido sem hesitar.

 

A senhora Oh estava certa do que via, era ele, uma mãe sabia reconhecer um filho, mesmo a pior das mães, não precisava que alguém lhe dissesse algo para saber que Luhan era seu filho que havia dado para adoção por ser defeituoso e que iria arruinar sua vida.

 

Por quanto tempo não o procurou por ter se arrependido, por quanto tempo chorou por ter sido egoísta e deixado seu filho a mercê de qualquer um, sem saber se ele seria bem cuidado ou o que passaria longe de si, sentia seu coração apertado e a vontade de chorar era imensa, mas por anos estudou a doença do filho, poderia o deixar assustado se começasse a chorar e dizer que era sua mãe.

 

Se recompôs engolindo todos seus sentimentos, teria tempo para ter seu filho de volta, e Sehun ser amigo dele poderia lhe ajudar dependendo do que o platino pensaria de tudo aquilo.

 

Sehun poderia ser um problema, mas a senhora Oh só não imaginava que o problemas tomaria uma proporção maior por ter amor envolvido e não era fraternal como ela estava desejando no momento 

Mas ela contaria outro dia, numa hora mais propícia, no momento queria conhecer Luhan, saber de coisas sobre ele, mesmo que soubesse que ele não as  contaria tão facilmente por ter Asperge.

 

Se sentia aliviada e nervosa ao mesmo tempo, mas era ele, ele estava ali, na sua frente, tímido, encolhido e brincado com a pulseira que havia lhe dado quando bebê. O teria de volta, teria seu filho de volta para si.

 

 

•••

 

 

Chanyeol já estava ligando para a polícia com tanta demora, esperava Baekhyun voltar para casa a muito tempo e já estava escuro, bem escuro não tinha reparado que já era quase nove horas quando olhou no relógio do celular.

 

Levantou da calçada enquanto limpava superficialmente o uniforme escolar e se dirigia até sua própria casa, estava muito preocupado, mas tinha visto JongDae na escola hoje, talvez Baekhyun estivesse com ele, já que também sabia que o pequeno ainda era amigo do outro garoto.

 

Não chegou a dar três passos quando um táxi parou a sua frente, o Park sentiu seu coração parar quando viu JongDae sair do veículo pegando o Byun nos braços, mesmo estando escuro e a luz fosse precária, os olhos preocupados de Chanyeol não deixaram passar despercebidos os cortes e marcas roxas pelo rosto bonito e delicado do pequeno.

 

- O que aconteceu?! Quem fez isso?

 

JongDae não esperava por isso, ter Chanyeol ali poderia fazer com que o plano tomasse um rumo diferente, mas não podia ligar muito para isso, Baekhyun era pesado e só queria jogar ele em algum lugar e ir para casa.

 

- Cale a  boca e chame a Mãe do Baek.

 

E assim Chanyeol fez, a senhora Byun logo saiu de casa e ao ver o filho naquele estado pediu para o que levasse para dentro e o deitasse na cama, as lagrimas grossas da mais velha partiam o coração de Chanyeol, Baekhyun não acordaria tão cedo e JongDae esperava que o garoto tivesse consciente quando o viu chegar.

 

Sem esperar muito foi embora depois de receber vários agradecimentos da senhora Byun, Chanyeol estava muito absorto  em Baekhyun para perceber a indiferença de JongDae para com seu amigo deitado na cama e inconsciente.

 

- Vai dormir aqui Chan? – A mulher perguntou depois de um tempo assim que olhou no relógio de pulso. – Vocês ainda são amigos, não é?

 

- Somos sim tia, e  vou ficar aqui com ele, não posso deixar meu pequeno sozinho.

 

- Obrigado meu anjo.

 

•••


Notas Finais


Quem ai já desconfiava que HunHan eram irmãos? Muitas leitoras já sabiam... E quem ai esta com vontade de bater no JongDae? Cara...

Por hoje é só pessoal! Kkkkkkkk

A tia acordou cedo só para não deixar vocês sem capítulo, então quero comentários divosos.... Não estou obrigando ninguém.... Quem sabe.... Mentira!

Eu te amo vocês!

Beijo no cu

XoXo~


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...