História Inesquecível (Naruhina) - Capítulo 9


Escrita por: ~

Postado
Categorias Naruto
Personagens Hanabi Hyuuga, Hinata Hyuuga, Hyuuga Hiashi, Ino Yamanaka, Kiba Inuzuka, Kurenai Yuuhi, Sai, Sakura Haruno, Shikamaru Nara, Shino Aburame, TenTen Mitsashi
Tags Hentai, Hinata, Hinata Adulta, Hinata Hyuuga, Naruhina, Naruto, Naruto Adulto, Naruto Hokage, Naruto Uzumaki, Pos-guerra, Traição
Visualizações 2.547
Palavras 2.125
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Hentai, Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Adultério, Álcool, Heterossexualidade, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Booooooa noite, leitores!!!!
Como prometi a vocês, estou postando hoje!!! :3
Cara... o que dizer??? Este capítulo É FORTE e tem uma revelação bombástica ao final. =O
Cês não sabem da missa a metade... quero nem ver! Prepararam os lencinhos?
Bom, então vamos à leitura da noite:

Capítulo 9 - No meu coração é você quem eu quero


A porta se abriu devagar e a figura delicada­ de Hinata adentrou o recinto.

A mulher tinha a postura cabisbaixa, o olhar nos próprios pés, porém, quando entrou no quarto levantou o olhar até encontrar com o amante sentado em sua cama, de costas para ela, ele contemplava as estrelas através da janela.

Amante!

Hinata odiava aquela palavrinha maldita que insistia em brotar em sua mente. Porém, tinha de admitir para si mesma: era exatamente o que eram, amantes.

- Sabe... – Naruto começou. – Quando eu era pequeno costumava ter medo do escuro – Ele disse pausadamente, sem desgrudar os olhos da Lua cheia que fazia lá fora, continuou o relato: - Mas então, em algumas noites, a Lua vinha e trazia luz para minha escuridão. Toda noite de Lua eu me sentia feliz, me sentia seguro – ele confidenciou, nostálgico, - de certa forma, eu me sentia acompanhado. Era quase como se... eu não estivesse mais sozinho. Na minha imaginação, a Lua brilhava só para mim – Naruto deu uma pausa e riu de si mesmo. – Estúpido, né? Mas, sabe... mesmo hoje, quando já não tenho medo do escuro, mas, temo sim, a solidão, é ela quem me faz companhia nas noites solitárias – disse e tomou fôlego para continuar, dessa vez, olhando para Hinata e não para a Lua lá fora. – Hoje, quando olho para você e vejo o brilho dos seus olhos, sinto como se toda a minha alma se iluminasse com sua luz. Sinto como se tivesse encontrado a minha Lua.

- Oh! – Hinata exclamou. Estava completamente sem ar, sem palavras e sem chão... Sentia-se flutuar! De repente, tomou coragem para revelar: - E você é como o Sol para mim.

- Uhm? – ele a olhou, curioso, à espera de detalhes.

- Você é alegre, destemido e forte. Seu sorriso é capaz de iluminar um país inteiro! Não à toda se tornou Hokage da Folha. Seu sorriso me salvou, Naruto. Tantas e incontáveis vezes que sempre quando o vejo sorrir sinto meu coração explodir. A Lua não brilharia se não fosse a luz do Sol.

- Hinata... – Naruto sussurrou romântico, chegando mais perto dela. Encurtou o espaço entre eles rapidamente para roubar o beijo que tanto ansiava. – Eu amo você mais que minha própria vida e eu juro que vou fazer isso dar certo. Confia em mim? – perguntou, ansioso.

- Confio – ela disse simplesmente.

Naruto a apertou mais forte em seus braços e a beijou com todo o amor que transbordava de seu peito. Nunca pensou que se sentiria assim um dia. Era loucura demais, viciante demais, perigoso demais, pois, sentia que não era mais dono de si, nem de seus pensamentos...

- Em meu coração é você quem eu quero – ele disse sem desgrudar muito dos lábios dela.

Hinata gemeu baixinho e deu uma leve mordida no lábio inferior de Naruto que abocanhou a boca de Hinata como se esta fosse água e ele estivesse sedento.

- Na-naruto-kun.. – Hinata suspirou entre os beijos apaixonados que ganhava de Naruto. Sentia-se queimando em desejo, mas precisava perguntar a ele: - Vo-você conversou com ela?

Não querendo ocultar nenhum fato, Naruto se soltou um pouco dela. Tirou do bolso interno a carta que recebera do senhor feudal do Fogo. Sem entender nada. Hinata leu. Ao final da carta, ela tinha uma expressão fechada.

- Eu não vou conseguir falar com Sakura neste um mês.

Hinata se soltou do abraço de Naruto, a carta ainda em mãos.

- Hinata, por favor...

- Não, Naruto. Só me deixa...

- Não! Jamais! Por que eu faria uma coisa dessas?

- Me deixa pensar um pouco. Era isso que ia dizer.

- Não, Hime... quer dizer, pensar no que? Não tem o que pensar. A gente não pode se separar. Por favor, não me peça uma coisa dessas.

Hinata chacoalhou a cabeça tentando reorganizar os pensamentos. A carta em sua mão estava quase toda amassada.

- Você não pode ir vê-la rapidamente?

- Você conhece o senhor feudal tão bem quanto eu. Senão mais... – ele jogou a provocação no ar. Ainda não tinha esquecido a cesta... - Sabe que ele não gosta de ser contrariado. Na carta, ele deixou claro que Sakura é essencial para a tal descoberta médica e que por isso, não poderia ser interrompida de forma alguma. Não posso criar um incidente em Konoha por causa de algo pessoal.

Hinata virou-se de costas, fechou os braços como que para sustentar o próprio peso. Sentiu Naruto abraçando-a por trás. E, mais uma vez, ela fugiu do abraço dele.

- Isso que estamos fazendo é errado – ela disse.

- Errado por que? – ele perguntou, irritado.

- Por que?! – Ela repetiu, descrente.

- Sim, por que? Se eu te amo e você me ama? Não é justo que agora que encontrei você, não posso ficar com você. Sakura, ela.. tem fugido de mim. nem consegui conversar com ela quando retornei à vila depois do nosso primeiro beijo. E agora eu vou ficar sem comunicação com ela no próximo mês. Posso mandar um sapo, mas não acho que enviar um sapo avisando do término do namoro seja uma boa. Até um tapado como eu sabe disso.

Hinata suspirou cansada demais daquilo tudo.

- Eu não sei o que pensar, Naruto-kun... – disse, indecisa.

- Não tem o que pensar, Hime. Só fique comigo.

- Isso é demais para mim. Eu... eu não sei se aguento.

- Eu não aguento é ficar longe de você. Por favor, Hinata... – ele disse, começando a se desesperar, pois, toda vez que chegava perto, ela se afastava.

- Eu também não, mas essa situação toda é tão...errada. Naruto, eu quero ficar com você, mas não assim.

Naruto caiu de joelhos.

- Por favor, não faça isso. Não faça isso com a gente.

- Naruto! – Hinata se surpreendeu por vê-lo naquele estado, tão derrotado e sem energia.

- Hina, por favor, não me deixe.

Aquilo partiu o coração de Hinata.

- Jamais, meu amor – ela por fim disse e Naruto levantou o olhar para a bela morena à sua frente. – Acaso não acredita no meu amor? – ela perguntou para ele de forma tão doce que foi como um unguento em ferida.

- Isso quer dizer que aceita ficar comigo enquanto isso?

- Si-sim... – ela disse, insegura.

- Hina, eu te prometo – ele disse, levantando-se do chão rapidamente – que vou acertar as coisas com Sakura assim que ela voltar. Eu juro! E eu não volto atrás com minha palavra, pois, esse é meu...

- Jeito ninja de ser também – Hinata completou.

Naruto sorriu, derretido. Um verdadeiro bobo apaixonado! Não existia no mundo mulher mais perfeita que Hinata para ele. Assim, não perdeu mais tempo e selou a promessa com um beijo profundo cheio de significado e necessidade.

Logo, os beijos se alastraram por todo o corpo de Hinata como se fosse fogo a consumindo. Naruto estava em todos os lugares, desnudando-a com dedos ágeis e ansiosos, loucos para provarem dela. Com a boca, ele fez uma trilha de beijos de cima a baixo em todo o corpo curvilíneo, deliciosamente convidativo...

- Eu amo você – Ele sussurrou sensualmente no ouvido de sua hime que gemeu baixinho em reposta.

Era sempre assim. Naruto a tocava e ela não conseguia fazer mais nada a não ser se entregar. Não conseguia – e nem queria – dizer não. Naruto era seu!

- Oh... Naruto...! – Ela resfolegou quando ele passou entre os vales de seus seios aspirando fundo seu cheiro.

Pousando no seio esquerdo, acima do coração dela, ele disse contra a pele branca aveludada:

- Eu te amo!

Hinata suspirou, quase deixando escapar um grito de prazer quando ao dizer isso, ele abocanhou seu seio com vontade, fazendo carícias com a língua que levaram a Hyuuga para os céus.

- Oh.. Naruto...

Hinata era muito sensível na região dos seios e Naruto adorava isso. Aproveitava mesmo!

Levou os dedos à intimidade dela e encontrou a fenda completamente encharcada de tesão. Ele rosnou, satisfeito, ao constatar o feito e sem perder mais tempo, começou a estimular o clitóris da amada, para em seguida, penetrá-la com um dedo para fazê-la vir mais rapidamente.

Não levou nem 10 segundos, Hinata gozou em suas mãos.

Sentiu quando o interior dela se contraiu deliciosamente esmagando seu dedo e Naruto pensou que poderia ser seu pau ali dentro, mas se conteve. Ele gozaria logo mais!

Quando Hinata se recuperou do gozo, reabriu os olhos e o que Naruto encontrou ali o deixou sem ar. O par de pérolas brilhavam tanto que era como se tivessem vida própria, pôde se ver refletido no olhar dela e soube naquele momento que aquela mulher o amava de verdade.

- Eu amo você – Ele disse de novo, extremamente emocionado. Estava determinado a convencê-la com palavras e ações de que ele a amava incondicionalmente e com a mesma intensidade.

Hinata ainda tentava recompor o fôlego após a gozada forte. O peito subia e descia gravemente quando sentiu a boca de Naruto na sua.

Hinata o abraçou com pernas e braços para tê-lo mais perto de si. Sentiu a ereção dele dura contra sua barriga.

- Ah... Naru... Naruto-kun, eu quero você!

- Pede de novo. Pede...

Hinata ficou vermelha. Por que ele queria fazê-la repetir aquelas coisas vergonhosas?!!!

- Eu quero você dentro de mim, Naruto!

Dessa vez ele assumiu uma expressão feroz, faminta. Arrancou as roupas com pressa e se posicionou no meio das pernas dela. Enquanto a olhava nos olhos, ele a penetrou lentamente, indo até o fundo.

Ambos resfolegaram de prazer.

Hinata o olhava com uma mistura de prazer e amor que o deixava sem estribeiras. Sentiu o peito apertar. Amava tanto aquela mulher que chegava a doer!

Saiu de dentro dela devagar enquanto admirava as reações dela. A maneira como ela relaxa ou se contraía conforme ele ia e vinha. Ou como a boquinha vermelha abria em um “o” perfeito quando ela sentia algo bom e como apertava os olhinhos quando ficava ainda melhor. Naruto arremetia suave, porém, profundo. Mantinha um ritmo bom para que ambos pudessem aproveitar e a cada estocada ele dizia: “eu amo você” o que levava a morena à loucura. Quando estavam para gozar, juntos, Naruto e Hinata se abraçaram como se fosse possível fundir-se ainda mais um no outro, ele meteu até o fundo e disse “eu te amo” de novo, por fim, se liberando do prazer. Hinata gozou junto dele.

- Eu também te amo, Naruto-kun – Hinata disse toda carinhosa, o olhar enevoado de paixão e o corpo suado.

Deitou-se no peitoral de Naruto e ele passou o braço protetor em sua cintura, como se ela pudesse (ou quisesse) fugir dali a qualquer momento. Hinata sorriu discretamente. Sentia-se feliz, amada, iluminada. Naruto se sentia igual.

***

Sasuke observava o ritmo cadenciado da respiração da rosada que dormia sobre seu peitoral.

Ele aproveitou que ela dormia para acariciar-lhe a pele clara que agora estava marcada por apertos e chupões que logo se tornariam roxos. Sasuke sorriu de lado, orgulhoso e culpado, tudo ao mesmo tempo.

Culpado porque aquilo que eles tinham teria que acabar cedo ou tarde.

Culpado porque aquela mulher era a noiva de seu melhor amigo.

Culpado porque ele demorou tanto tempo para dar uma chance a ela e agora era tarde demais.

Culpado porque ele mentia não só para o melhor amigo, mas também para a mulher que amava.

Nessa hora, Sakura se remexeu desconfortável, como se estivesse tendo pesadelos. O moreno com cuidado tirou os fios rosados que estavam grudados na testa dela e depositou um beijo. Ela sorriu mesmo dormindo e em seguida, ela se acalmou. Voltou a respirar tranquila como antes.

Sasuke sorriu, mas sentiu uma pontada violenta nos olhos que quase o fez gritar tamanha a dor, mas se conteve. Mordeu o lábio com tanta força para conter o grito que sangrou. Ele pressionava os olhos a fim de apartar a logo, e, dentro de alguns minutos, a dor passou.

Ele respirou, aliviado. Completamente desgastado pela doença.

Já tinha procurado os melhores médicos, inclusive a mestra de Sakura, Tsunade, mas nem ela encontrou cura para o que ele tinha. Morreria dentro de 2 meses. Então resolveu aproveitar o pouco de vida que tinha e fazer o que queria antes que fosse tarde demais. Não podia, contudo, revelar à Sakura, pois esta faria de tudo para curá-lo e ele sabia que era tarde demais para ele.

Mas não era tarde demais para ela ser feliz ao lado de Naruto.

Na ausência dele, Naruto era o único capaz de substituí-lo, assim pensava o Uchiha.

Quando chegasse a hora, ele mandaria Sakura embora. Diria que só a usou. Assim ela o odiaria e nunca mais pensaria nele como homem ou pessoa. Assim, ela ficaria livre para seguir adiante quando ele já não estivesse mais aqui. 


Notas Finais


Gente... não sei o que dizer... só sentir! =,(
Vai dar merda isso daí....


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...