História (Inevitable) Evil - Capítulo 2


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS), Hybrid Child
Personagens J-hope, Jimin, Personagens Originais, Suga, V
Tags Anime, Bangtan Boys, Bts, Hibridos, Hybrid Child, Min Yoongi, Tae!bottom, Triologia (inevitable), Vhope
Exibições 20
Palavras 1.679
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Crossover, Drama (Tragédia), Famí­lia, Fantasia, Ficção, Harem, Lemon, Mistério, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Suspense, Universo Alternativo, Yaoi
Avisos: Álcool, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Suicídio, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


CHEGAY MAIS CEDO!

Capítulo 2 - Olhos...


Fanfic / Fanfiction (Inevitable) Evil - Capítulo 2 - Olhos...

Narrador ON

 

Em uma época desconhecida para nós, durante uma noite misteriosa, a neve começara a cair na cidade de Seul, trazendo junto o Inverno mais excruciante que a cidade estava passando e com ele provavelmente a perda das últimas plantações e a morte de muitos habitantes desabrigados e por fim mataria os Hybrids  Childs.

Bonecos quase humanos,que crescem com o amor que seu dono dá e aprendem da mesma forma, se um hybrid não ganha amor , pode nunca sentir nada ou crescer fisicamente, e caso isso ocorra, ele pode morrer, ou é da primeira geração, a geração 001, que pode apodrecer dependendo do estado de tempo de uso e vida.Em geral Hybrids são brinquedos de ricos que querem ou comphania ou brinquedos sexuais,  algo que é visto como nojento, mas ninguém quer acabar.Aliás pode se fazer o que quiser com eles não é mesmo? Não são humanos.

.

.

.

Enquanto todos corriam para os mercados e lojas de conveniência para comprar os suprimentos para o frio rigoroso que estava por vir, uma criança  -se é que podemos chamar assim-  estava totalmente imóvel  em meio ao lixo ao lado da Grande casa dos Jung,seus olhos estavam opacos,parecendo que o garoto estava sem vida,mas era totalmente ao contrário...Ele estava vivo, ele poderia estar respirando,mas não se sentia assim.
Na verdade, não sentia nada, seu corpo ou seu coração, nem mesmo as emoções mais banais.Nada...

 

"Porque eles parecem tão perdidos quanto baratas sem cabeça?"  O menino se perguntava, enquanto observava as pessoas que passavam de forma apressada reclamando tanto que não se davam o luxo de olhar para o lado e ver o garoto pequeno, de olhos castanhos e cabelos loiros,pálido pelo frio e pela neve que começava a o rodear, parecendo um anjo de porcelana que teve as asas quebradas de forma cruel.

 

Mas porque ninguém o via?
 

Essa era a pergunta que ele se fazia todo dia, e nunca encontrava uma resposta que não envolvesse o fato d’ele ser um Hybrid  defeituoso; bem...pelo menos é o que lhe foi dito.
Mas ele não via um defeito em si,não tinha uma marca na pele pálida, outrora bronzeada, e muito menos na sua cabeça.
 

“Talvez o defeito esteja ai... Eu não sei nada. Nada além do que os outros fazem, mas não parecem ser coisas boas , ontem um homem tirou a calça da mulher e enfiou o pipi nela e ela gritou.Será que estava tão divertido assim?”.

O menino não sabia ao certo o que tinha visto, mas sabia que aquilo não era bom e nunca iria fazer algo parecido, mas ele fez isso com seu “criador”, e talvez isso que o fizesse tão frio; O fato que nunca tinha sentido o amor puro e genuíno, que nunca alguém se preocupou com ele, e então ele nunca cresceu, e acabou que suas asas mais preciosas foram destruídas...

Seus sentimentos.

 

.

.Algumas horas depois

.

 

 

Mais uma vez o sino da catedral bateu, marcando meia- noite em ponto e logo Taehyung se viu fechando os olhos,mas em contra partida tinha o fato que, se ele os fechasse agora, ele não acordaria mais,isso pela falta de força que consumia seu corpo, já que ele não comia nada desde o dia anterior e o frio se fazia cada vez mais forte, que poderia matar até mesmo alguém quase não humano.

 

Mas ele não ligava, não sentia isso...o Medo de morrer ou a morte perto dele como uma sombra.
Mas sabia o que era falecer, pois ele já a presenciou e sabia que ele ainda não podia morrer, já que antes de ir para no lixo, sempre falavam que ele era novo demais para ter a vida jogada fora.

 

E era isso que as pessoas que falavam que sua vida era preciosa fizeram com ele, jogaram sua vida fora, como se ele fosse um lixo qualquer, e ele estava a um fio de se render a tudo e cair no sono mais fundo e longo que existe,o fim da vida.

 

Quando ele estava prestes a fechar as palbebrás, passos foram ouvidos e duas mulheres que aparentavam ter 60 anos e outra quase 40 passaram ao lado do lixeiro conversando calmamente sobre algum assunto banal que Taehyung  começou ouvir ,  já que não tinha como andar ou tapar os ouvidos, não que ele fosse um fofoqueiro ou ligasse para as outras pessoas, mas porque ele não conseguia se mover a semanas.

 

-Eu espero que Hoseok volte bem da escola interna, mãe, eu sinto tanta falta da sua risada contagiante e seus olhos sempre tão alegres, mas isso se foi depois da morte de Min Soo... -Disse a mais nova das mulheres, sorrindo pequeno de uma forma que a fazia parecer que estava irradiando uma luz sutil e inofensiva, como a lua,  que não tinha felicidade, que era somente...intensa demais.

-Minha filha, é claro que ele vai voltar melhor de lá, talvez ainda um pouco cabisbaixo pela morte do pai, mas tenha fé! Tudo pode mudar! Até mesmo a revolta e amargura meu neto mais querido. –Respondeu sorridente a mais velha no mesmo tom que sua filha usara antes.

-Eu espero Omma...Eu o amo tanto, ele é meu filho único.Quer dizer tem o...-Então a voz da mulher se perdeu no fim da rua estreita que levava a casa Jung,enquanto Taehyung fechava seus olhos contra sua vontade...

 

**************

 

Dois dias se passaram desde que Taehyung fechou seus olhos e não acordou, e durante essas 48 horas uma carruagem em tons de verde puxada por quatro cavalos vinha de Daegu, aonde o herdeiro da família  Jung após sua recaída pela morte do pai, foi estudar por 11 meses em um colégio interno para crianças.
 

Durante o trajeto, Jung Hoseok cantarolava a letra e melodia que seu melhor amigo, Kim Nanjoom de 12 anos , estava compondo, era algo que falava sobre a força do amor, algo como “O amor não acabou” na língua estrangeira, inglês.

Mas ele não acreditava no amor, não depois da morte de seu pai, a perda mais dolorida depois de seu avô, que era um senhor calmo e risonho que não merecia ter ir parado nos campos de batalha por um imperador egoísta como o da Coréia do Sul. Mas o falecimento de seu avô foi á 4 anos e hoje outro homem governa o país, o nome dele era Park Hojung e tinha dois filhos, Park  Jimin e Park Chanyeol, ambos da mesma idade, 10  anos,ou seja mais novos que Hoseok, que tinha 11.

Enquanto cantarolava Hoseok observava as ruas pela janela da carruagem, e logo reconheceu a rua pequena e estreita que levava a casa Jung, mas quando passou pelo local dos lixos viu algo incomum, uma criança de aparência precária e provavelmente mais novo que ele, que aparentava estar morto. Não demorou muito para ele pedir que parassem a carruagem,sair, e começar a andar até o lixo.

 

Taehyung começou a sentir do nada algo quente perto de seu rosto, algo como uma respiração e entreabriu os olhos de forma sôfrega e se deparou com algo que o fez sentir seu coração pela primeira vez em muito tempo.

Orbes castanhos, que brilhavam com preocupação e irradiavam calor , o fazendo querer levantar as mãos e tocar as bochechas bronzeadas a fim de tentar sentir algum conforto.

-Você esta bem? Porque esta aqui fora nesse frio?-Perguntava o menino afoito, já que o menor a sua frente estava pálido e muito magro, tanto que fazia a manga da blusa social de verão escorregar de seus ombros lindos, mas marcados por queimaduras de frio, e ainda por cima não o respondia.-Ya! Se você não me responder vou te levar para casa.

 

Por dentro Hoseok sorria, sabia que mesmo que o menino o respondesse ele iria o levar para sua casa, seria desumano deixar ele ali, no frio, quando sua casa era grande o suficiente para mais um.Grande ao ponto de ter 3 andares e ter mais um bloco habitacional atrás.

 

-Ta-Tae-Taehyung...- O aparentemente mais novo falou de forma sôfrega fazendo um sorriso leve brotar no rosto de Jung, um dos primeiros desde o falecimento do pai.

Aquele era um nome bonito, que fazia o Jung querer falar o tempo todo como um mantra que fazia seu coração vibrar de forma louca.

"Taehyung,Taehyung, TaeTae,Tae....é um nome fofo"  Pensou logo abrindo um sorriso realmente grande,tanto que fazia suas bochechas doerem, e por um momento esqueceu da dor que seria enfrentar a realidade ao chegar em casa e não ter seu pai,o homem que o confortava nas piores horas, que cuidava dele quando não tinha tempo e que nunca deixou de cumprir seu dever como pai,marido e filho

 

Seu pai era seu herói.E agora ele queria ser o de TaeTae.

 

-Certo Tae. Ah! eu posso te chamar assim?-Jung pediu mas não obteve resposta novamente então continuo – Eu vou te pegar no colo e te levar para a carruagem certo? Então não se preocupe! Eu sou forte e consigo te levar, e a propósito, me chamo Jung Hoseok.

 

Logo um sorriso singelo apareceu nos lábios de Taehyung.

 

O seu primeiro sorriso....

 

Hoseok pegou o menino no colo como se ele fosse a peça de porcelana mais rara do mundo,e então andou até a carruagem sem nenhum obstáculo,já que Taehyung era muito menor que si,no trajeto já pensou o que iria falar para a mãe, que provavelmente iria querer o matar,mas ele não tinha culpa, algo no anjinho de asas quebradas o chamou atenção, só não sabia o que.

Só tinha 11 anos, não sabia porque seu coração bateu tão rápido, na mente dele  isso era inicio de taquicardia, mas todos sabemos que é algo mais forte, que mata até mesmo o mais forte e bravo soldado, e pode acabar com vidas, como Romeu e Julieta, e por fim causar dores piores que a doença Hanahaki, mas era o preço de amar...

A dor e o mal. A dor e o mal  que ainda estava por vir para os dois

 

 

 

 

 

 

 

Um, dois, três
Por um dia melhor
Porque nós estamos juntos

(Two! Three! (Hoping For More Good Days)-BTS

 


Notas Finais


Gostaram? ta chato? Mudo algo? quem quiser falar algo comente!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...