História Inevitável - Capítulo 25


Escrita por: ~

Postado
Categorias Orange Is the New Black
Personagens Alex Vause, Piper Chapman
Tags Alex Vause, Piper Chapman, Vauseman
Exibições 136
Palavras 1.548
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Drama (Tragédia), FemmeSlash, Hentai, Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Como prometido mais um capítulo para vocês, não gostei muito do resultado mas espero que gostem, e desculpem qualquer erro!
Obs: recadinho nas notas finais!

Capítulo 25 - Lua de mel


Fanfic / Fanfiction Inevitável - Capítulo 25 - Lua de mel

ALEX POV

No dia seguinte bem cedo eu e Piper fomos até o aeroporto, para irmos para nossa lua de mel. Nós iriamos para o sul do Brasil, eu já conhecia alguma coisa, mas Piper nunca tinha ido até lá, então achei que aquela seria a oportunidade perfeita, fomos para o Rio Grande do Sul, mais precisamente para Porto Alegre, eu achava aquela cidade maravilhosa, passaríamos dois dias na cidade e depois seguiríamos para Paris novamente e ficaríamos cinco dias lá, no meu apartamento, ou melhor no nosso apartamento.

Chegamos em Porto Alegre a noite, fomos para o hotel e não pude deixar de fazer o famoso ritual de carregar a noiva para entrar no quarto, peguei a Piper no colo, e entramos no quarto do hotel, e só a soltei em cima da cama, por onde ficamos, eu comecei a beijá-la calorosamente, Piper gemia entra meus lábios, como ela estava de vestido, acabou facilitando o meu trabalho, o retirei com facilidade, enquanto ela abria os botões da minha calça, meus beijos desciam por seu pescoço, retirei seu sutiã e calcinha, enquanto ela ainda lutava com minha calça, comecei a rir da cena:

- Do que você está rindo? – ela ainda tentava soltar o botão.

- Tudo isso é para abrir a minha calça? – eu ria sem conseguir me controlar.

- Ai como você é idiota Alex! – ela finalmente desistiu.

- Deixa que eu faço isso para você!

Me levantei e retirei toda a minha roupa, continuando de onde parei, desci meus beijos até seus seios o os chupava e brincava com a língua em seus mamilos, Piper gemia cada vez mais alto, penetrei dois dedos em seu sexo, a fazendo gritar meu nome, comecei a penetra-la intensamente, logo ela chegou ao orgasmo, e me jogou na cama, ficou por cima de mim encaixando perfeitamente nossos sexos, eu me deliciava com a visão daquela mulher rebolando em cima de mim, não demorou muito para chegarmos ao orgasmo juntas, Piper deitou em cima de meu corpo, e começou a falar:

- Acho que o pessoal do quarto ao lado não deve ter gostado muito de todo esse barulho não é?

- Eu acho que eles curtiram, mas provavelmente não entenderam nada do que falamos! – eu comecei a rir imaginando a cena.

- Alex, você tá bem animada hoje, o que aconteceu? – ela se deitou ao meu lado e ficou me olhando.

- Você acredita que eu me casei ontem, com uma loira maravilhosa! – me virei para ela.

- A é? E eu como fico? – Piper entrou na brincadeira.

- Você continua como está, afinal se a senhorita pensar em fugir de mim, eu te acho. – mordi o lábio inferior dela.

- Tonta! Eu nunca mais vou fugir de você, já tentei uma vez, e deu tão errado que agora eu estou deitada ao seu lado, num hotel, no Brasil, na nossa lua de mel! – ela ria.

- Pois é, pra você ver o meu poder de persuasão! – ri junto com ela.

- Eu vou tomar um banho, você vem? – Piper se levantou.

- Vou meu amor!

Entramos no chuveiro juntas, mas tivemos que sair separadas, eu não conseguia ter o suficiente de Piper, nunca!

Nos dias em que ficamos no Brasil, visitamos vários pontos turísticos do Rio Grande do Sul, era realmente um lugar muito lindo, e as pessoas tinham um ar acolhedor muito bom, chegamos a almoçar na casa de uma família que era simplesmente enorme, e todos foram muito gentis e carinhosos conosco. Logo depois fomos para Paris, eu já estava até com saudade daquela cidade, encontramos alguns velhos conhecidos no aeroporto, mas não nos distraímos por muito tempo, e fomos direto ao apartamento, que tinha ficado exatamente do jeito que deixei, era como se eu tivesse saído a pouco tempo, Piper paralisou na porta:

- Pipes? Você tá bem? – falei notando que ela tinha ficado pálida.

- Faz tanto tempo que eu não vejo esse lugar! E parece que está do mesmo jeito. – ela foi entrando devagar.

- E está do mesmo jeito! – abri um sorriso.

- Bateu um sentimento de nostalgia forte em mim agora. – Piper passeava com os olhos por todos os cantos do lugar.

- Percebi! Não deixa as lembranças ruins voltarem meu amor, vamos lembrar somente das coisas boas que nós passamos aqui, pode ser? – eu a abracei por trás e comecei a beijar seu pescoço.

- Não vou deixar! – ela se virou ainda envolta em meus braços e me beijou.

Passamos todos os dia em Paris sem ficar em casa um dia sequer, revisitamos todos os lugares que íamos a anos atrás, visitamos alguns lugares novos que eu tinha conhecido, e no ultimo dia bem cedo, levei Piper para o stand de tiro que eu treinava, quando chegamos, ela quase teve um treco, o barulho dos tiros a assustaram algumas vezes, até nós podermos atirar um pouco:

- Alex, nós vamos fazer isso? – ela estava assustada.

- Por que não? – eu me divertia com a expressão dela.

- Meu Deus! Olha aqui, eu to tremendo! – eu comecei a rir.

- Calma meu amor, você não vai atirar em nenhum ser vivo! – abracei ela para acalma-la.

O instrutor já me conhecia e concordou em me deixar ajudar a Piper, ele sabia que eu teria o máximo de cuidado possível, entreguei uma pistola na mão dela, a ensinei como manusear a arma, e na hora de atirar, juntei nossos corpos, ficando por trás dela, e segurando seus braços:

- Tá vendo só! É assim, agora você vai puxar o gatilho devagar. – coloquei minhas mãos sobre as dela. –

- Alex, isso não é perigoso? – ela ainda estava insegura.

- Não minha linda! Agora vai bem devagar puxando o gatilho, eu estou bem aqui! – ela puxou o gatilho, e o barulho do tiro pode ser ouvido.

- Ai meu Deus! EU ATIREI, EU ATIREI! – Piper soltou a arma na mesa que estava ali, e começou a pular no meu colo.

- Sim, você atirou minha linda! – eu ria vendo aquela cena.

- Isso é tão bom! Quero fazer de novo. – eu sabia que ela gostaria.

- Depois de mim! – peguei a pistola que ela havia utilizado, que ainda estava carregada.

Descarreguei o pente, todos os tiros atiraram na cabeça do alvo, eu realmente era boa naquilo, quando terminei Piper olhava pra mim com cara de assustada.

Ficamos o dia inteiro atirando, nos divertimos à beça, depois voltamos para casa, pra podermos descansar antes do nosso voo, que sairia naquela madrugada. Dormimos um pouco, e acordamos no comecinho da noite, mas nem nos demos o trabalho de levantar, ficamos ali na cama mesmo:

- Al, sabe o que eu estava pensando? – Piper olhava para mim com seus olhos brilhando.

- O que? – eu a ouvia atentamente.

- Nós poderíamos ir até uma clínica de fertilização quando voltarmos né. – ela passava o dedo indicador pela minha barriga.

- Você quer fazer isso já? – eu não teria nenhum problema com aquilo, mas não esperava ter aquela conversa tão cedo.

- Bom, nós duas estamos ficando mais velhas, e eu queria aproveitar o tempo que nós temos.

- Então vamos ver uma clínica, e já fazer os procedimentos! – dei um beijo na testa dela.

Nós duas ficamos por um tempo ainda deitadas na cama, e depois fomos até o aeroporto, os dias passaram voando, nós duas tínhamos perdido completamente a noção de tempo, Paris continuaria deixando saudades, mas já estava certa de que não iria vender aquele apartamento, para podermos voltar quando quisermos.

 

PIPER POV

Nossa lua de mel tinha passado muito rápido, fiquei com a sensação de que não conseguimos fazer tudo o que queríamos, o fato era que ainda voltaríamos para Paris, como eu amava aquela cidade. Por mais que eu e Alex tivéssemos passado por vários momentos ruins enquanto morávamos em Paris, eu ainda amava aquele lugar.

Quando chegamos em casa, após passar o dia todo atirando, Alex e eu nos deitamos, minha mulher capotou na hora, os tiros a deixaram tão leve que nem demorou para pegar no sono, mas eu ainda estava cheia de adrenalina e não consegui descansar nenhum pouco, fui para a sala assistir televisão e comecei a pensar na possibilidade de gerar uma vida, antes a ideia me assustou, afinal se acontecesse seria num momento muito conturbado, mas agora era diferente, nós duas tínhamos esse sonho, então porque não realiza-lo? Com o meu celular comecei a pesquisar várias clinicas especializadas em fertilização, enquanto pesquisava meus pensamentos forma longe, imaginando nós duas cuidando de nosso filho, o vendo crescer, e coisas do tipo, com isso fiquei ainda mais decidida, bloqueei o celular e fui me deitar com Alex, afinal pelo menos o meu corpo precisava descansar. Esperei ela acordar, e nós conversamos sobre o assunto, Alex se assustou um pouco com a velocidade que eu queria fazer aquilo, mas em nenhum momento disse que não queria ou algo do tipo, fiquei feliz com aquilo, eu queria poder ter uma família linda com ela, e queria poder realizar seu sonho de constituir uma família, com um casal de filhos e um cachorro, apesar de ser uma mulher formada e independente, Alex parecia uma menina sonhando com a família perfeita, e eu amava ver o brilho em seus olhos quando esse era o assunto.


Notas Finais


Espero que tenham gostado!
Pra quem não sabe, estou escrevendo mais uma fanfic Vauseman, que se chama "Quando o amor acontece!", quem ainda não leu se puder dar uma força lá eu agradeço!
Me digam o que vocês acham que deve acontecer? Piper e Alex aumentam a família ou esperam mais um pouco? Me digam ai nos comentários.
Até o próximo!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...