História Infection World - Capítulo 6


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Personagens Personagens Originais
Visualizações 5
Palavras 1.388
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Drama (Tragédia), Ficção, Romance e Novela, Survival, Suspense, Terror e Horror, Violência
Avisos: Álcool, Canibalismo, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


Espero que gostem do capítulo, pois deu um trabalho enorme para fazer.

Capítulo 6 - Somente os mais fortes


Pov. Nicolas

Bem estamos nesse quarto a 3 dias, parece que a previsão do Sato que os infectados iriam embora em cerca de 2 dias estava errada, mas eu não o culpo, foi mais infectados do que o previsto para a avenida, e por essa razão estamos presos nesse maldito quarto.

Bem pelo menos parece que o David já parou com essa história de suicídio, até agora ele não tento nada, mas mesmo assim ele ache como um babaca, mas para mim isso não importa, oque importa para mim e se ele ficará a salvo de toda essa merda, eu não quero ver ele sofrer, ainda mais depois do ocorrido da casa da sua avó, eu tenho que proteger todos que estão comigo nessa jornada, até que todos estejam seguros, não importa o quão difícil será fazer isso, eu irei protege los.

Eu: Bom dia Matthew.

Matthew: Bom dia Nick

Eu: Cadê o Sato ?, e me chame de Nicolas por favor.

Matthew: Tudo bem, e bem sobre a sua pergunta, o meu primo saiu

Eu: para onde ?, nesse exato momento tem um monte de infectados lá fora.

Matthew: Ele está procurando um caminho para a sua casa, para pegar o carro é ir para a comunidade.

Eu: Isso e muito perigoso.

Matthew: Sim eu sei, mas é a escolha dele.

(Porta se abre)

Sato: Cheguei e com boas notícias.

Eu: E quais são ?

Sato: A um caminho que nos leva até a minha casa só que tem vários infectados, teremos que ter cuidado.

Eu: Tá bom, eu entendo.

Matthew: Quer que eu acorde a molecada dos seus pesadelos ?

Sato: Deixe eles dormirem um pouco mais, sairemos daqui às 7:00 da manhã.

Eu: porque tão cedo ?

Sato: Precisamos sair dessa cidade o mais rápido possível, pois ela está começando a ficar cheia de infectados.

Matthew: Está realmente tão cheia de infectados ?

Sato: Sim, está bem difícil andar nas ruas sem ser percebido.

Eu: Isso e uma droga.

Matthew: Eu esqueci de perguntar Nicolas, você sabe atirar com essa espingarda que está nas suas costas ?

Eu: Eu quase me esqueci dela e não, eu nunca usei uma arma de fogo antes.

Sato: Nunca, sério ?

Eu: Sim.

Sato: Bem isso não é um grande problema, se puder pode me passar essa arma ?

Eu: Sim, mas voce já está carregando uma arma, não seria melhor ter o máximo de pessoas armadas no grupo ?

Sato: Realmente seria melhor, mas se você não sabe atirar, provavelmente a Alice também não sabe.

Eu: O David sabe atirar com pistolas, já que dá menos coice.

Matthew: Sério ?, mesmo sendo apenas um garoto ?

Eu: O pai dele era policial de Austin antes de falecer, ele ensinou o David a atirar.

Sato: Bem isso pode ser uma boa coisa, mas mesmo sabendo que ele sabe atirar, você confia nele para carregar uma arma ?, sabe depois do ocorrido no mercado.

Eu: Sim, eu confio no David.

Matthew: Então está tudo resolvido, falta duas horas para dar sete horas, vamos ficar preparados.

Então esperamos até 7 horas da manhã, quando chegou a hora, imediatamente acordamos o resto do pessoal para irmos embora desse quarto, e na porta da saída o Sato falou com o David.

Sato: David.

David: Sim ?

Sato: O Nicolas me disse que você sabe usar uma arma.

David: Sim eu sei, meu pai me ensinou.

Sato: Bom, já que o Nicolas não é bom para atirar, e precisamos ter o máximo de pessoas armadas, toma.

David: Obrigado.

Sato: Mas cuidado isso não é um brinquedo, e só tem 20 balas, somente use a arma se for necessário.

David: Não me trate como uma criança Sato, eu sei que isso não é um brinquedo, e sim uma arma na qual só deve ser usada em autodefesa.

Sato: Como você...

David: Eu já disse sou filho de um policial, eu sei como devo agir.

Tudo ocorreu bem ao falar com o David, mas dava para perceber, que o Sato não concorda muito com essa ideia de entregar uma arma para um garoto de 13 anos.

O caminho para chegar na casa do Sato era realmente perigoso, na maioria das vezes tivemos que parar para matar alguns infectados, mas conseguimos passar tranquilamente, sem nenhum problema, até que quando estávamos muito próximos da casa do Sato, encontramos corpos no chão, e eram corpos recentes, havia dois cadáveres uma mulher e um homem ambos estavam com as tripas para fora, parecia que a sua barriga tinha sido aberta por uma machete, eu realmente senti uma grande vontade de vomitar, mas eu consegui segurar, mas o Matthew não aguentou.

Matthew: (Vomitando).

David: Você está bem ?

Matthew: Eu tô bem, só que cara..., e bem pior ver uma cena dessas na vida real do que um filme.

David: Se você comparar o seu mundo nerd com o real Matthew, você com certeza vai ser morto por essa coisas.

Depois do que o David falou para o Matthew, todos ficamos em silêncio, o clima estava realmente tenso, eu estava pensando em falar alguma coisa para aliviar o momento mas...

Mulher: SAIA DE PERTO DE MIM SEU ASSASSINO !!!!!

Homem: Eu fiz isso para te proteger.

Mulher: ELES NÃO FIZERAM NADA CONTRA NOS, SEU PSICOPATA !!!!!

Homem: Todos desse mundo só querem o nosso mau, todos nesse mundo são os nossos inimigos !

Mulher: EU JÁ DISSE PARA VOCÊ SAIR DE PERTO DE MIM SEU ASSASSINO !!!!

(Barulho de tiro).

Eu: Mas que merda tá acontecendo ?

Sato: Temos que ir.

Eu: oque ?, não vamos a lugar nenhum precisamos ajudar aquela mulher.

Sato: Eles fizeram muito barulho, infectados já devem estar por vim.

Eu: Nem ferrando Sato, nos vamos ajuda-la !

Sato: Nicolas, eu...

Mulher: SOCORRO !!!!, ALGUEM ME AJUDA.

Eu não pensei duas vezes sai do beco e fui tentar ajudar, ao sair do beco eu consegui avista-la, eu vi um homem caído morto no chão e a mulher, ela estava em pânico, mas havia um motivo ela estava cercada de infectados.

Sato: Nicolas !

David: Nicolas, encontrou a mulher ?

Eu: Sim a encontrei, vamos ajuda-la.

Sato: Não.

Eu: Como não ?, nos temos que ajuda-la.

Sato: E muito arriscado.

Eu: Foda-se, se é ou não arriscado Sato, devemos salvar o máximo de pessoas possível.

Sato: Nicolas você precisa saber de uma coisa.

Eu: Oque ?

Sato: Que você não é a porra de um herói !

Nesse exato momento a mulher tinha sido mordida e quando eu percebi, eu virei as costas para Sato.

Eu: Mesmo eu não sendo um herói, nos devemos ajuda-la.

Matthew: Já e tarde de mais Nick.

Eu: Até você Matthew.

Sato: Não Nicolas, realmente já é tarde de mais, ela já foi mordida.

Eu: Do que vocês estão dizendo ?

Alice: Eu também quero saber.

Sato: Quando você é arranhado tem 25% de chance de transformar em essas coisas.

Eu: Isso e bom significa que ela ainda pode estar bem.

Sato: Entretanto quando você é mordido, as chances de se transformar e de 100%.

Eu: Que ?, Isso só pode ser mentira, isso significa...

Matthew: Que ela já está morta.

Mulher: ALGUEM, POR FAVOR ME AJUDA !!!!!(Choro de pânico).

Eu: Mas...,mas..., como vocês sabem disso ?

Sato: Eu já disse, meu pai está caminhando jundo com essas coisas, porque ele foi mordido.

David: E sobre os 25% do arranhão, como vocês sabem disso ?

Sato: Meu irmão era um cientista que estava ajudando na cura, foi ele que nos falou dessa informação, via telefone...

Eu: Mesmo assim nos não devemos deixar ela sofrendo assim, ela acabará sendo devorada, não consigo imaginar dor maior, do que ser devorado viva.

Sato: Eu posso aliviar o sofrimento dela, mas quando eu tirar ela desse pesadelo, temos que sair correndo em direção a minha casa que fica aqui na esquina, o Matthew irá mostrar o caminho.

Eu: Oque..., você irá fazer ?

Ele não falou nada para mim, apenas olhou fixamente nos meus olhos, somente pelo seu olhar eu sábia oque ele iria fazer.

Ele pegou a pistola que estava em sua cintura apontou para a mulher e atirou, foi um tiro certeiro, um tiro indolor, mas dava para ver que ele não queria fazer isso, pois eu vi as suas lágrimas escorrendo no seu rosto, ele não queria fazer isso.

Depois disso nos começamos a correr em direção para a casa do Sato, ao chegar lá entramos imediatamente.

Eu ainda estou inconformado que aquela mulher morreu, outra pessoa que morre na minha frente e eu não pude fazer nada, se as situações continuarem dessa maneira eu não serei capaz de proteger nem mesmo a minha irmã, porque eu sou tão fraco ?, por que eu sou incapaz de salvar pessoas em perigo ?, porque eu não sou forte o suficiente para salvar essas pessoas ?, porque nesse mundo somente os fortes que sobrevivem ?


Notas Finais


Caso gostou e não quer perder nenhum capítulo, favorite a história, esse foi o capítulo que me deu mais trabalho no momento, pois eu tive que reescrever o capítulo desdo começo, pois eu não estava achando o capítulo agradável.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...