História Infinite Baek - Capítulo 6


Escrita por: ~

Postado
Categorias EXO
Personagens Baekhyun, Chanyeol, Chen, D.O, Kai, Kris Wu, Lay, Lu Han, Personagens Originais, Sehun, Suho, Tao, Xiumin
Tags Baekhyun!trans, Baekyeol, Chanbaek, Garoto Encontra Garoto, Meninas Malvadas, Sesoo, Transgênero, Zitao!trans
Exibições 839
Palavras 3.487
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Famí­lia, Lemon, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Universo Alternativo, Yaoi
Avisos: Cross-dresser, Homossexualidade, Linguagem Imprópria, Sexo, Transsexualidade
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Boa leitura <3

Capítulo 6 - É aquele ditado: vamo fazer o quê?


 

Mas por que tem um lanterna ligada na minha cara?

Eu abri os olhos aos poucos e percebi que era apenas uma fresta de luz que entrava pela janela, mas parecia que o sol tinha vindo me acordar pessoalmente com um: “bom dia, princesa”.

Meus olhos doíam e na minha cabeça tinham minions fazendo uma rave. Só pode ser, por que não para de latejar. Olhei ao redor e percebi que: 1) não estou no meu quarto e 2) não estou com minhas roupas.

Onde estou? Mas que merda! O que aconteceu ontem?

Algo que fazia o barulho de um urso asmático estava ao meu lado, porém ao me virar vi apenas Park Chanyeol roncando. Sim, o senhor perfeitinho ronca. Mereço?

- Hey, minha cabeça tá doendo, tem como roncar mais baixo? - Disse empurrando seu ombro.

Ele nem se moveu.

Espera. Calma. Para. Rebobina.

Eu estou sem as minhas roupas e na mesma cama que Chanyeol, usando o que parece ser uma blusa de Chanyeol, com o braço de Chanyeol na minha cintura?

CARALHO, EU TRANSEI COM CHANYEOL?

Já até consigo ouvir a Tao falando: “Por que você está agindo como um vagabunda?”

Tentei me levantar, mas o ruivo me prendeu ainda mais com seus braços. Fungando no meu pescoço. Ok, isso nem foi bom. Eu não gostei de sentir a respiração quente de Chanyeol tão perto da minha pele, ok? Eu não quero mais, eu não gosto disso.

Ok Baek, repete isso até você acreditar.

Me levantei de uma vez, sem me importar em ser delicada, fazendo Chanyeol se sobressaltar.

- O que foi? Está passando mal de novo? - Quis saber olhando ao redor, parecendo assustado.

- Não, seu ronco tirou o meu sono. - Disse mal humorada, sentindo minha cabeça doer.

- E sua cara borrada tirou o meu. - Ele rebateu bocejando e coçando os olhos. Eu arfei seguindo até o banheiro do seu quarto e quase gritei. Meu delineado estava desfeito, meu olho todo preto como um panda e toda descabelada! Como isso?

- Está bem? - Chanyeol quis, eu estava lavando o rosto para tirar aquela maquiagem.

- O que aconteceu ontem?

- Não se lembra?

- Se eu lembrasse, não estaria perguntando. - Disse irritada, minha cabeça latejava.

- Você não deveria beber tanto. - O ruivo falou parando atrás de mim e me encarando pelo espelho, eu me abaixei para tirar o sabão do rosto e pude sentir os olhos dele na minha bunda quando me inclinei sobre a pia.

- Nós transamos?

- Você começou a vomitar antes disso acontecer.

- Merda, eu vomitei em você?

- Não, consegui te trazer para o banheiro antes.

- Que pena… - Disse com um sorriso, mas depois entendi suas palavras. - Então, você cuidou de mim? - Quis saber confusa, porque veja bem, isso não se parece com algo que Chanyeol faria por mim, não depois de me ignorar por anos.

- Digamos que sim.

- Como eu parei com a sua roupa?

- Foi você mesmo que tirou seu vestido e disse que queria dormir, eu só te dei uma blusa minha.

- E dormimos abraçados? Isso está muito estranho.

- Não dormimos abraçados, você apagou na minha cama, só isso.

Aquela conversa estava me deixando com mais enxaqueca, eu grunhi e coloquei as mãos na cabeça. Chanyeol saiu do banheiro por um momento, voltando um tempo depois com um comprimido, um copo de água e uma toalha.

- Tome esse remédio e um banho vai se sentir melhor.

Ele tinha um sorriso gentil nos lábios que me deixou toda… derretida. Isso não pode estar acontecendo!

 

(...)

 

Quando sai do banheiro, vi que Chanyeol estava com os cabelos úmidos e com uma roupa diferente, provavelmente se arrumou em outro cômodo, já que sua casa é tão grande quanto a minha.

- Quer comer algo? - Ele perguntou.

- Estou enjoada, acho que vou embora.

- Quem disse que você pode ir embora?

- Como é? Desde de quando te devo satisfações?

- Eu ganhei o jogo, esqueceu? Seu domingo é meu. - Ele ditou como se não fosse nada demais.

- Mas… eu nem tenho roupa! - Exclamei a primeira coisa que pensei, querendo sair daquele lugar. Não por vergonha, nem nada assim, mas por motivos de: eu não confio em mim perto de Chanyeol.

Agora, imaginem meu desespero quando entendi essa realidade? Foi quase tão grande quanto no dia em que perdi a promoção de bolsas Prada. Ou quando coloquei pela primeira vez, aos dez anos de idade, os salto da minha mãe e soube que tinha nascido para viver em cima de um.

- Você fica bem com a minha blusa e não vamos sair de casa. - Chanyeol disse simplista, mas seu rosto estava corado.

Ai. Meu. Deus.

Ele quer ficar comigo um dia todo sem ser sua obrigação? Porquê?

- Está mesmo me cobrando um encontro que você nem queria ter comigo?

O imbecil teve a cara de pau de balançar os ombros indiferente. Abri a boca para reclamar, porém ele foi mais rápido.

- Eu pedi para a cozinheira fazer sanduíches de atum com maionese.

- Você lembra que é o meu preferido? - Quis saber, realmente abismada.

- Talvez tenha se tornado o meu preferido também. - Respondeu com a maior cara lavada.

Mas que ladrão de sanduíches preferidos! Tão sem criatividade esse Chanyeol.

Eu fiquei, mas só pela comida. Quer dizer, no último mês eu praticamente não comi as coisas que eu gosto por causa da roupa que uso na torcida dos jogos. E em época de campeonato, temos que estar mais em forma do que o normal. Meus cabelos estavam úmidos e escorria água em meu pescoço enquanto andava ao lado do ruivo pela casa organizada. Tinha algo estranho aqui e não é só a gentileza do maior.

- Sua casa! - Exclamei sem entender.

- O que tem?

- Está limpa!

- Sempre contrato uma empresa de limpeza para arrumar a casa depois de uma festa, eles vieram cedo, meus pais me matariam se vissem como tudo estava ontem de noite.

- Seus pais! - Eu disse abismada, olhando meu corpo que era coberto apenas por minha roupa íntima e a blusa de Chanyeol. O outro riu de mim, ele passou a mãos pelos meus cabelos loiros, os bagunçando.  

- Meus pais estão viajando, eles sempre estão na verdade, é mais fácil os encontrar por acaso na rua do que em casa. - Disse.

Eu não soube o que falar, mas logo chegamos na cozinha ontem algumas mulheres trabalhavam e a mesa estava lotada.

- Você come como um bicho! - Exclamei para o outro que riu, pegando várias coisas ao mesmo tempo. Biscoito, frutas, torradas, ele levou a mão até o prato que estava meu sanduíche, mas fui mais rápida, pegando o prato todo para mim.

- Hey! - Protestou.

- Só estou aqui pelos sanduíches, você parece um esquilo assustado com essa boca cheia e ainda quer mais?

- Você está na minha casa!

- Mas, isso deveria ser um encontro, né? Cadê seu lado cavalheiresco?  - Quis saber e ele puxou o prato com mais força, tirando-o da minha mão. - Você é um cavalo, isso sim!

- Senta logo aqui.

Chanyeol tinha deixado o prato ao lado do seu, de modo que eu tive que sentir ali. Sabia que ele só me queria tão perto pra roubar meus sanduíches, mas ele não vai mesmo!

- Quer suco, jovem Park? - Quis saber uma das empregadas, mas ela era nova, talvez nem tivesse 20 ainda. O  seu decote estava na cara de Chanyeol que olhou diretamente para aquele par de peitos que gritavam por liberdade no uniforme apertado. Esse babaca!

- Não obrigado, você quer Byun?

- Não, Park.

A menina se afastou e fiz uma careta na sua direção.

- “Mais suco jovem Park?” - Imitei alto o bastante para que ela ouvisse, enquanto o outro ria. - O que foi? - Quis saber irritada

- Que isso escorrendo da sua boca, Byun? É veneno ou só ciúme? - Quis saber com um sorriso irônico, ele está usando a minha frase!

- Veneno e eu espero que você morra engasgado nele. - Disse pegando seu copo de suco e cuspindo nele e depois sorri vitoriosa.

Só que Chanyeol sorriu mais ainda, estava cega de raiva e só vi que ele tinha chamado a menina novamente quando a mesma se inclinou sobre ele, pegando outro copo na mesa para servir o suco. Tive vontade de cuspir de novo no copo dele, mas me contive para não ter que vê-la novamente.

- Qual o problema de caras com uniforme?

- Tipo fetiche? - Ele quis saber e deu de ombros. - Eu nunca tive.

- Claro, aposta que ela já realizou os seus… - Respondi e só então vi que Chanyeol comia um dos meus sanduíches, me inclinei na sua direção irritada, mas ele desviou, enfiando o pão todo na boca. - Mal educado.

Protegi meu prato e peguei meu copo, mas estava vazio. Olhei indignada para a garota que estava de costas para mim e Chanyeol riu.

- Você disse que não queria.

Eu peguei o copo dele e dei um gole, pensei que ele me provocaria novamente, chamando a empregada, mas ele apenas riu e me encarou enquanto comia meus sanduíches.

- Vamos. - Ele disse depois de um tempo que terminamos de comer, eu estava cheia e o encarei sem entender.

- Onde?

Chanyeol revirou os olhos e pegou minha mão, me guiando até os fundos de sua casa, tinha uma enorme área aberta, com direito a piscina e quadra de basquete e para lá que nós fomos. Ele pegou uma bola dentro de uma porta ali perto e jogou na minha direção, eu segurei por reflexo.

- Quero ver você fazer uma cesta, eu ainda não acredito que sabe jogar basquete.

- Melhor de cinco?

Ele sorriu convencido e confirmou. Era simples, cada um teria cinco arremessos, quem fizesse mais pontos ganhava. Me posicionei atrás da linha e encarei o aro, jogando a bola com um pequeno pulo e - por instinto - levantando uma perna. Meu pai tinha me ensinado basquete quando ainda era pequena e mesmo hoje em dia, amava passar um tempo com ele na quadra.

Chanyeol arregalou os olhos quando fiz a cesta. Pegando a bola e me devolvendo. Repeti os movimentos, novamente fazendo um ponto. Dessa vez o ruivo sorriu feliz, como se tivesse gostando do que estava vendo, mas era impossível, porque ele estava olhando para mim.

E Park Chanyeol não me suporta.

Nós acabamos empatando depois de duas partidas, pois os dois acertaram todas as cestas.

Eu já estava suando devida ao calor do verão que se aproximava e ao ver a piscina aberta enquanto andava de volta para casa, tive uma ideia. Chanyeol estava distraído e próximo demais da água. Eu sorri de lado e o empurrei, de modo que o ruivo gritou assustado e caiu na piscina.

- BAEK!

Eu ri e pulei também, a água estava deliciosamente refrescante depois da alguns minutos de exercício.

- Tem medo de água, Park? - Quis saber.

Ele me encarou sério e por um momento pensei que ele estava realmente irritado. Eu fui para trás, batendo as costas na borda da piscina. Ele parou na minha frente, olhando todo meu corpo pela água transparente, sua blusa tinha subido e boa parte da minha pele estava exposta, mas não é como se ele nunca tinha me visto pelada. Pelo amor de Deus, ele tinha me feito gozar com aqueles mesmo dedos que tiravam os cabelos dos meus olhos.

- Merda Baekhyun, como você pode ser tão… - Ele suspirou. - Tudo em você é perfeito. - Ele disse de olhos fechados.

Meu coração acelerou e lembrei de algo que ele me disse quando acordei e perguntei se transamos: “você começou a vomitar antes disso acontecer”.

- Park, o que aconteceu ontem? Eu tenho algumas lembranças antes de apagar, mas não sei… se é verdadeiro. - Quis saber.

Quer dizer, ele realmente tinha me beijado? Não tinha sido só uma transa no vestiário? Chanyeol sorriu de um jeito bonito e segurou meu rosto.

- Eu vou te mostrar o que estávamos fazendo.

Então, ele me beijou. Chanyeol me beijou na piscina da sua casa, durante o dia e sem nenhuma gota de álcool no organismo para culpar depois.

E, céus, ele beijava muito bem.

Morro antes de admitir isso para alguém, obviamente.

Mas a língua do Park instigava a minha, sua boca tinha um ritmo lento e gostoso. Ele mordiscou meus lábios, me fazendo suspirar e logo voltou com mais agressividade. Com desejo. Suas mãos desceram por meu corpo, segurando minhas coxas e me levantando. Entrelacei minha perna em seu tronco, assim nossos rostos ficaram na mesma altura e eu puxei os fios de seus cabelos, querendo descontar o tesão que estava sentindo. Chanyeol desceu a boca até meu pescoço, beijando e sugando, me fazendo ofegar e apertar ainda mais seu corpo ao meu, sentindo sua ereção se formar.

Abri meus olhos preguiçosamente, aproveitando a carícia; vi o céu azul e dois enormes peitos.

Eu gritei assustada e Chanyeol olhou na minha direção. A empregada peituda estava ali, seu rosto corado e com um telefone na mão.

- Jovem Park, essa pessoa já ligou umas dez vezes.

- Quem é? - Ele quis saber irritado.

- Se chama Kyungsoo.

- ME DÁ!  - Gritei querendo sair dos braços e Chanyeol, mas ele me segurou ainda mais perto de si e pegou o telefone, a menina saiu enquanto ele apertava o botão do viva voz e tirou do mudo.

- PARK CHANYEOL SE ALGO ACONTECEU COM A BAEKHYUN VOCÊ SERÁ UM HOMEM SEM BOLAS!

Sim, essa foi a recepção do meu melhor amigo, ele é realmente um pequeno demônio mas ninguém se mete com a gente sem sofrer as consequências. E sim, nossa ameaças sempre são cortar as bolas alheias, existe algo melhor do que isso?

- Quem te deu meu telefone?

- Eu. - A voz de Sehun soou ao fundo e eu revirei os olhos ao mesmo tempo que o Park também o fazia.

- Amigo, estou bem. - Disse e quase senti a aura maligna daquele ser pelo telefone. - Você me esqueceu na festa ontem, deveria se sentir culpado Do Kyungsoo!

- Mas em breve não estará nada bem! Sabe como fiquei preocupado? Não atendeu o telefone o dia todo, ninguém sabia onde você estava! Como pode sumir assim? E, ontem eu estava um pouco alterado, a Tao ia te levar casa, mas acho que ele a conseguiu um boy, não sei direito…

- Bom saber que vocês cuidam de mim - Dramatizei. - E eu não sumi, estava dormindo.

- Com Chanyeol?

- Não. - Disse ao mesmo tempo que ele falava “sim”.

- Olha, é melhor você ter uma história muito boa para me contar depois.

- Você dormiu com Sehun? - Quis saber.

- NÃO!

- Como estão juntos, então?

- Eu queria saber o número de Chanyeol. - Disse Kyung.

Eu olhei o ruivo e ele ria, era óbvio que essa foi a desculpa que aqueles dois usaram para se encontrar.

- Porque não ele poderia mandar por mensagem, não é?

- Vá se foder, Baekhyun.

Kyungsoo desligou logo depois e eu comecei a rir, sabendo que aquele era o jeito dele de dizer que estava preocupado comigo. Chanyeol jogou o telefone em cima da espreguiçadeira e voltou seu olhar para mim.

Eu sorri de lado, novamente segurando seus ombros, puxando-o para mais perto.

- Onde estávamos?

- Você não tem jeito. - Ele riu, antes de voltar a me beijar.


 

(...)

 

Eu sorria, mesmo sendo segunda-feira, ao andar com meus saltos baixos pela escola no fim de mais um dia de aula. Como a temporada acabou, não tem mais treino de líder de torcida, ou seja, nada mais de uniformes esse ano. Se bem que essa é a última semana de aula, então as coisas não estão cansativas. Na quarta-feira será anunciado os nomes dos príncipes e das princesas, na sexta é o último dia de aula e no sábado é o baile onde o rei e a rainha serão corados; e o pessoal do último ano se despede para sempre da escola.

Vim de carona com Chanyeol. Eu sei o que devem estar se perguntando e a resposta é não. Eu não transei com o orelhudo na casa dele ontem. Porquê? Você já tentou transar com ressaca? Se sim, sabe que é impossível apesar de todo e qualquer tesão; se não, saiba que é impossível apesar de todo e qualquer tesão.

Minha cabeça ainda latejava, meu estômago estava embrulhado e o Park não estava muito melhor, então passamos boa tarde da tarde nos beijando na piscina. Depois, quando o almoço estava pronto, nós comemos na sala - onde ele tinha uma televisão que quase parecia uma tela de cinema - e ficamos jogados no tapete. Vimos filmes, comentamos sobre eles, descansamos nosso corpo dolorido - animar\vencer um campeonato e passar boa parte da mesma noite em uma festa, cansa muito - e descobrimos milhares de coisas que temos em comum.

Como o fato de odiarmos filme de terror - o Park mudou de canal no mesmo segundo que viu aquela mulher horrenda na TV e nem vou comentar o grito que ele deu, mais fino que o meu - ou como somos das formiguinhas, sempre atrás de doces. Eu até prometi para ele fazer meu delicioso brownie e, modéstia a parte, é muito bom mesmo.

O fato é: tirando os beijos que trocamos na piscina e mais alguns na sua sala - totalmente espontâneo e delicioso -, nós não falamos sobre nada dessa loucura. Quer dizer, não é como se fossemos namorados nem nada. Mas, enquanto estava indo até a sala de reunião do comitê do baile e o pessoal lotava os corredores com o fim da aula naquele dia, era possível ouvir a voz de Chanyeol pelo auto-falante, já que na segunda ele geralmente participa do programa de esporte semanal da escola, comentando os jogos do final de semana.

A maioria dos alunos fica pela escola de tarde, seja para uma atividade extracurricular, seja para estudar - mesmo que nessa semana isso seja desnecessário -, seja para qualquer outra coisa. Então, enquanto estava decidindo sobre os últimos ajustes do baile, pedindo para Shin ligar e confirmar os comes e bebes, para Tao passar na quadra fechada supervisionando a decoração e anotar o que faltava; ouvi a voz rouca de Chanyeol encerrar o programa de esporte. Sorri e senti meu coração acelerar com suas últimas palavras, mesmo que elas tenham sido ridiculamente simples.

- Obrigado por me receber no programa e não se esqueçam, votem Infinite Baek para rainha do baile.

Tao levantou uma sobrancelha para mim desacredita, Shin riu e me olhou de uma forma muito significativa, como se dissesse: “eu sei o que vocês fizeram no verão passado”; mas, no caso, foi no final de semana passado mesmo. Porém, Kyungsoo me olhou preocupado - já que hoje estava nos fazendo companhia no comitê -, ele ainda tinha aquela expressão que dizia: “ainda precisamos conversar”. Só que, antes que tivesse tempo para qualquer outra coisa, Chanyeol apareceu na porta da nossa sala.

- Vamos, Baek? Estou morrendo de fome.

Eu assenti, peguei minha bolsa me despedindo dos meus amigos e segui o ruivo até seu carro. Recebi uma mensagem do meu pequeno demônio.

“Amanhã, você vai embora comigo”, era uma intimação, não uma pergunta. Ainda assim,  respondi positivamente e logo entrei no carro de Chanyeol; ele sorria para mim de forma convidativa. Quer dizer, naquela mesma manhã antes de chegar na escola, nós paramos em um sinal vermelho, ele me olhou da mesma forma e bem, foi impossível resistir.

Não sei quem tomou a iniciativa, mas nós nos atracamos em um beijo muito pornográfico para o horário e só paramos quando ouvimos xingamentos e buzinas irritadas, pois o sinal tinha aberto e Chanyeol não tinha dado partida no carro.

- Quer almoçar na minha casa?

- Vai fazer o seu brownie para mim? - Ele respondeu divertido saindo do estacionamento.

- Só se você for um bom menino. - Provoquei.

- Eu sempre sou um bom menino. - Rebateu, com um sorriso cheio de segundas intenções. - Você que não é uma menina comportada.

- E você quer me punir, Yeollie? - Quis saber, mordiscando os lábios para não rir quando vi os músculos de seus braços tensos e ele apertar o volante com raiva.

- Não sabe o quanto, Baek.

Ri baixinho e seguimos para minha casa. Eu sabia que minha mãe novamente iria oferecer camisinha para nós dois, a diferença que dessa vez, se tudo der certo, iremos precisar. É aquele ditado né, vamo fazer o quê?


 


Notas Finais


OIE, então, fiz um fic com o marido @Freed-Dreyar, ela será uma 3shot de Halloween, quem quiser ler o primeiro capítulo com Baek e Soo de bruxinhos atrás do Chan e do Sehun, tá aqui o link:
https://spiritfanfics.com/historia/21st-century-witches-6750954

Próximo já é o penúltimo capítulo!
Como assim?? Passou mto rápdio!
Quem aqui tá preparado pro lemon (com mta penetração!) ?
HSHSAASHUHUAS
Só no próximo!
Enfim, espero que estejam gostando amores <3

Beijos e até!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...