História Innocence - Norminah - Capítulo 5


Escrita por: ~

Postado
Categorias Fifth Harmony
Personagens Ally Brooke, Beyoncé, Camila Cabello, Dinah Jane Hansen, Jay-Z, Lauren Jauregui, Normani Hamilton
Tags Ally Brooke, Beyoncé, Camila Cabello, Dinah Jane, Fifth Harmony, Lauren Jauregui, Normani Kordei, Norminah, Norminah Strong, Yuri
Exibições 183
Palavras 2.519
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Crossover, Lemon, Romance e Novela, Yuri
Avisos: Álcool, Homossexualidade, Linguagem Imprópria, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Olá, lindos e lindas do meu pequeno, frio e inabitável coraçãozinho. Como vão vocês?

Sei que não ando atualizando com muita frequência mas me falta tempo, não é nem bloqueio criativo, é tempo. Mas para recompensar trago esse capítulo maior do que o habitual, espero que curtam.

Oh! Se não for pedir de mais eu gostaria que vocês lessem as notas finais pois estarei divulgando um novo trabalho ~ ~ela não atualiza mas fica postando fic nova, é isso?! ~~ Pois é, essa fic é um passatempo e também para ajudar em caso de bloqueio. Escrever ajuda, sabe? Então, caso haja o interesse de vossa pessoa peço que dê uma olhadinha, right?

Boa leitura, e me perdoem pelos possíveis erros, ainda não tive a chance de revisar mas o farei em breve!

Capítulo 5 - Chapter Five


Fanfic / Fanfiction Innocence - Norminah - Capítulo 5 - Chapter Five

 

Ao som de This Is What You Came For, Dinah e Ally seguiam para mais um dia no instituto. A menor, que cantava em plenos pulmões, havia se adaptado muito bem com o ritmo do instituto dentro de duas semanas que se passaram.

 

Dizer que Jane se adaptou bem não seria suficientemente adequado uma vez em que ela já se sente praticamente da família. Com apenas alguns dias já criou laços com todos principalmente com Lana, que apesar de ter o dobro de seus 19 anos compartilha dos mesmos gostos da adolescente. Sua relação com Lauren é morna, sem muita afinidade e interesses, mas amigável. Dona Grace que o diga, adora a menina. E no topo de sua lista de pessoas pelas quais ela se encantou e vice-versa vem Normani, a qual toma seus pensamentos desde o encontro com Alessia.

 

 - Se você continuar gritando assim eu vou ficar surda - Dinah diminuiu o volume da música quando parou em um sinal.
 

 - Eu tenho que treinar o gogó, Chee.
 

 - Para, Allyson. Aquelas crianças são tão calmas que você não deve nem ter que brigar com elas.
 

 - Calmas?! - A menor fitou Dinah - Devo admitir que na maior parte do tempo elas são quietinhas mas olha, quando tiram para fazer bagunça... Meu Deus!
 

DJ riu fraco das caras e bocas da pequena mulher ao seu lado e voltou seus olhos para a pista. Mas não sua mente. A loira estava apreensiva, insegura e rodeada de incertezas e possibilidades.

 

Hoje é um dia especial no instituto, uma vez por mês, no segundo sábado do mês, o ateliê é levado para a praça que tem em frente ao prédio para que os jovens possam desfrutar do frescor e calmaria proposto. Para qualquer outro alguém poderia parecer algo fácil de se lidar mas não para Dinah. Durante essas duas semanas ela e suas amigas mantiveram o maior cuidado do mundo para saírem despercebidas e não serem notadas pela mídia, entrar pela porta dos fundos, não usar nada muito chamativo, em hipótese alguma dar pt de diva, evitar atrair atenção de qualquer um que fosse e várias outras coisas viraram parte da rotina de Camila, Ally e Dinah. A princípio tudo não passava de uma mirabolante ideia de reconstruir sua imagem perante a mídia, mas eu lampejo de consciência ela viu não era quilo que queria nem o certo a se fazer.

 

Não poderia perder o seu mais novo conforto para os especuladores de plantão. Não agora que encontrou um lugar em que se sente bem, onde não é julgada por ser filha de alguém importante ou coisas do tipo. Ali ninguém a via como Dinah Knowles Carter mas sim como Dinah Jane, a garota de carne e osso, muito mais frágil do que aparenta, a que não quer ser lembrada pela quantidade de zeros em sua conta e sim pelos feitos benéficos, a mulher que ela tentou mostrar para o mundo mas que se perdeu no meio do caminho. Há quatorze dias que Jane não ingere um único gole de álcool, são duas semanas sem ir para balada e beber até esquecer seu nome, mas acima disso... Fazem três semanas desde a primeira vez em viu Normani Kordei, e se não fosse por ela nada disse teria acontecido.

 

Lhe doía só de pensar na possibilidade de ser descoberta e ter seu "cantinho da paz", como anda chamando carinhosamente o instituto, exposto e escancarado para o mundo. Aquilo não faria bem para eles, para Normani e até mesmo para ela, mas por um lado a probabilidade de abrir os olhos das pessoas para esse lindo projeto lhe fazia repensar se deveria ou não se esconder. Haviam lá seus prós e contras, mais coisas negativas que positivas, mas o suficiente para criar um belo nó na mente da loira.

 

 - Por que as coisas não podem ser mais fáceis? - Perguntou repentinamente fazendo Ally lhe olhar com um enorme ponto de interrogação na testa - Sabe... Essa coisa de ser famosa... Isso é tão chato! E olha que eu não sou ninguém, não faço nada, a única coisa que fiz foi nascer e isso já parecer ser motivo suficiente para viverem atrás de mim.
 
 

- Você foi gerada em um útero cobiçado, amiga, queria o que? - Brooke tentou afastar a tensão que se formava no ambiente - Com toda a certeza, Dinah Jane, você foi o espermatozoide mais sortudo do mundo, tanto que... - Fez uma pequena pausa para tomar ar e prosseguiu  - Eu creio que do jeito que você é lerda e preguiçosa só está aqui porquê os seus milhares de irmãozinhos abriram passagem para você.
 

Dinah riu balançando sua cabeça em negação, sabia que sua amiga só falava algo do gênero quando queria fazê-la rir - e sempre funciona. E foi nesse clima que elas logo cruzaram a cidade sem ao menos perceberem, tudo passou tão rápido que por alguns poucos minutos Jane conseguiu deixar seus pensamentos conflituosos de lado e curtiu a presença de sua amiga. Contudo, como aquilo que é bom dura pouco, ao fazer o contorno para entrar aos fundos do instituto elas viram que os preparativos já estavam sendo organizados por Lauren, Lana, Camila e mais algumas pessoas.

 

Allyson pegou seu celular após adentrarem o local, deslizou o dedo e abriu um aplicativo de mensagens enviando o seguinte para Camila: "Mila, nós chegamos, vem aqui e trás e outrinha". Com "outrinha" ela quis dizer Lana, esse fora um apelido dado pela própria Camila porquê segundo ela a mulher tem segundas intenções com Jane.

 

Não demorou muito para que as duas chegassem e iniciassem um diálogo em que Dinah fez questão de ir direto ao ponto.

 

 - Então, Lana, não quero enrolar - iniciou obtendo total atenção da mais velha - Eu gostaria de te pedir para me deixar fora dessa, se é que tem como. Eu adoraria ir ajudar mas não quero correr o risco de nos expor.
 

Ally, sabendo do que se passava na mente de sua amiga, apertou seu ombro como quem apoiava a decisão. Expor-se prejudicaria a todos ali e mesmo estando ciente de que isso uma hora viria a acontecer não concordava em o fazê-lo precipitadamente e de propósito.

 

 - Entendo - Sorriu terna e, por uma fração de segundos, deixou seus olhos caminharem pelo corpo da loira antes de mudar de trajeto e encontrar os de Camila.
 
 

- Acho que também entendi... - Cabello comentou deixando bem claro a dupla serventia de sua frase.

 

Um silêncio desconcertante se instalou pelo ambiente. Brooke e suas amigas trocavam olhares cumplices, conversavam pelos olhos que outrora buscavam pela figura de Lana.

 

Jane se questionava se não participar esse mês fora realmente um boa e se todos os lados saíram ganhando. Ela estava feliz com sua decisão, se fosse cuidadosa teria mais algumas semanas tranquilas, mas ao mesmo tempo as possibilidades de dar mais visibilidade aquele projeto lhe fazia querer por sua paz em jogo. Foi só após ver Kordei se aproximar que, de imediato, deu o assunto por encerrado. Dinah não saberia dizer como sua mente e seus pensamentos mudaram tão subitamente mas seu mundinho continuaria escondido assim como a estranha felicidade que lhe invadiu ao ter Normani se aproximando.

 

- Olá, Normani - Cumprimento-a com um sorriso sendo camuflado por seus lábios.
 
 

- Você vai ficar com a gente hoje, né?
 

Como quem não queria enrolação a morena foi direto ao ponto, àquilo que lhe interessava. Nos últimos dias a presença de Dinah tem afetado a rotina e as pinturas de Normani. Ela estranha o fato da imagem da loira toda suja de tinta não sair de sua cabeça, estanha também quando, na presença dela, algo dentro de seu peito alegrar-se e como mágica as palavras fluírem.

 

Tamanha foi a dor que Dinah sentiu ao balançar a cabeça negativamente. Ela teve seu coração apertado e inexplicavelmente o ar arrancado de seus pulmões quando, claramente desapontada, a morena murmurou em aceitação. Não querendo vê-la assim ela segurou seu pulso quando a mesma deu meia volta, já partindo. Foi um susto ter seu braço agarrado repentinamente, tanto que Normani se virou espantada e fez a loira recuar soltando-a do contado corporal mas seus olhos mantavam-se vidrados um no outro.

 - Eu poderia ficar aqui supervisionando quem não quiser ir para a praça - Jane falou para Lana mas se quer tirou seus olhos de Kordei.
 

 - Eu não acho uma boa ideia...
 
 

- Ah, vai! É uma ótima ideia! - Camila deu forças a proposta da amiga e recebeu um olhar firme e pesado da filha da coordenado.
 

Elas perceberam as claras intenções de Lana, entenderam que ela não estava disposta a apoiar a decisão de Jane, a qual logo pôs-se a falar.
 

- Me desculpe, Lana, mas... - Após uma luta interna Dinah conseguiu levar seus olhos até as íris castanhas da mulher - Eu não pedi sua permissão.
 

E então, como quem dava o assunto por encerrado, Jane se retirou sendo seguida por Ally, Camila e Normani.

 

 - Arrasou, panterona! - Disse Camila.
 
 

- So flawless, got damn! - Brooke cantarolou uma música da Beyoncé o que fez Dinah revirar os olhos enquanto sorria discretamente.
 

Ela sentiu-se curiosamente bem ao rebater Lana, e mesmo que sua intenção não fosse soar rude as palavras saíram secas e convictas. Por dentro Jane dizia para si mesma que queria apenas ser útil e ajudar de algum modo. Afinal, haveriam uns e outros que não iriam ou não ficariam por muito tempo na praça, não é?

 

Esse pode até ser esse um dos motivos, mas não seria o único.

 

Em seu íntimo Dinah desejava a presença de um pessoa em especial ao mesmo tempo em que zombava de sua própria ideia de que ela abriria mão da oportunidade de pintar ao ar livre por sua companhia.

 

 - Te achei! - Lauren chegou correndo, apoiou suas mãos em seus joelhos, estava ofegante, parecia ter corrido uma maratona.
 

 - E é isso o que acontece quando não se exercita... - Camila comentou zombeteira, já estava ciente da situação bastante séssil em que a mulher dos olhos verdes se encontrava.
 

Todas riram do estado de Lauren, exceto a própria, que após recuperar-se levou sua mão até o ombro de Normani para ter sua total atenção. Do lado de fora do instituto tudo já encontrava-se pronto, as atividades inclusive já haviam começado. Chamando não só sua irmã como as outras três mulheres, Lauren acenou com a cabeça na direção a qual acabara de vir e que leva para o portão principal.

 

 - Não vou. - Normani se opôs convite mudo de sua irmã.
 

Dinah não pode evitar sorrir largo, tão abertamente que fez os atentos olhos de Ally se estreitarem para a cena que acabara de presenciar.

 

 - Nós - Camila enfatizou - Não vamos.

A moça dos olhos verdes não estava surpresa, até mesmo teorizava sobre o motivo de não poderem ou não quererem participar de um dos eventos mais legais que costumavam fazer. Evitando exigir um motivo ela apenas confirmou com Kordei se ela realmente queria perder toda a diversão.

 - Tenho certeza, Laur.

 Respondeu-lhe firme antes de semicerrar os olhos para a expressão demasiadamente feliz de Dinah. Ela havia decidido ficar para acompanhar a loira e suas amigas, e ver que esse simples gesto havia lhe iluminado tanto fez sentir-se bem mas, deveras aquilo estava estranho, tão estranho que Jane logo tratou de esconder sua empolgação e esconder os dentes.

Por fim, após a saída de Lauren e uma silenciosa caminhada até o ateliê restou apenas as quatro, cada uma com uma tela e uma palheta de cores. Apenas nesse certo segundo sábado do mês aqueles que participam de outras atividades podem juntar-se aos jovens pintores para expressar essa bela forma de arte que é a pintura. Mas não tão bela assim nas mãos de Allyson e Camila, que por não terem nada para fazer acompanharam Dinah e Normani.

 

 - Eu só queria saber o que é isso... - Cabello deitou verticalmente seu torso colocando-se de lado para tentar encontrar sentido em sua mancha de tinta e pinceladas desconexas.

 

 - Eu fiz um pônei - Disse Brooke, olhando orgulhosa para sua pintura desastrosa.
 

 - Isso parece mais um cervo moribundo com cabeça de golfinho! - Dinah zombou do desenho da amiga.
 

 - Isso é inveja porque eu fiz um lindo pônei e você se limitou a um linda rosa - Rebateu.
 

As duas continuaram trocando falsas ofensas até que Camila, cansada de tentar entender o que estava em sua tela, perguntou à Normani o que tomava sua total concentração. Apenas  Dinah e a própria sabiam que aquele quadro era na verdade uma pintura que a morena vinha fazendo e finalizando aos poucos, mas que acabara de ficar pronto.

 - Terminei... - Sussurrou exausta. Após dias de traços cuidadosos e delicados estava finalmente pronto.

Afastou-se para que pudessem observar a tela e no mesmo instante em que os olhos encontraram a tela as palavras entusiasmadas de Camila morreram.

As amigas, mesmo sabendo mais umas das  outras do que de si próprias, não saberiam dizer o porquê de ambas terem ficado tão admiradas com as pinceladas coloridas ao ponto de não conseguirem falar.

A obra mexia com a imaginação das três; Os traços verdes e roxo no topo, as estranhas linhas tremelicadas no canto esquerdo opostas por cuidadosamente elaboradas linhas retas que se formavam em um V deitado tendo uma mistura de cores escuras separando-as com uma curiosa mancha loira sobre os tons escuros. Em um momento era semelhante a tudo, no outro nada tinha ali se não pinceladas mais sem propósito do que as Camila. Apenas Normani sabia do que de fato tratava-se tudo aquilo e não estava disposta a dizer, bastava apenas que ela mesma soubesse.

 - Gostaram? - Perguntou temerosa pela reação delas.
 

 - É... Lindo - Dinah mostrou-se admirada.
 

 - O que é? - Allyson não aguentou a curiosidade e acabou rendendo-se a vontade de perguntar-lhe.
 

 - Depende dos seus olhos... - Normani respondeu já sentindo-se aliviada em saber que havia agradado ao menos a Dinah. Essa não era a resposta, pelo menos não a correta, mas foi a que ela achou que deveria dar.

As três sorriram ao ouvir aquilo, afinal ali estava algo aos olhos da morena, e agora não apenas aos seus como aos delas. Uma questão de pontos de vistas e opiniões, levando em consideração o modo como o mundo e suas mais diversas situações eram vistas por elas.

Tudo sempre fora e sempre será uma questão de perspectivas e opiniões, sempre haverá a escolha e a irritante dádiva da dúvida. E nesse momento, nessa nova fase da vida daquelas quatro jovens, tudo é relativo e para algumas, instável.

Como é possível mudar seu modo de agir tão rapidamente apenas pela presença de alguém que aos poucos torna-se especial? Perguntava-se Dinah.

Nada muda do dia para a noite. Hábitos podem até ser deixados de lado, sentimentos falsamente ludibriados e dores esquecidas por um curto período de tempo, mas uma hora tendem a retornar e dizer "eu ainda estou aqui!".


Notas Finais


Enton, o que acharam? Têm teorias, críticas ou coisas do gênero? Me contem aqui em baixo!

Então, como eu disse, estou com um novo projeto, se chama The Unknown Number e conta com as personagens Emma Swan e Zelena Mills, da série Once Upon A Time - amo -, como protagonistas e casal principal. Quem se interessar e quer dar uma olhadinha deixarei o link aqui, ó: https://spiritfanfics.com/historia/wicked-swan-the-unknown-number-6700309

Posso contar com vocês lá também? :*


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...