História Innocence is charming. - Capítulo 4


Escrita por: ~

Postado
Categorias Amor Doce
Personagens Alexy, Ambre, Castiel, Charlotte, Iris, Li, Lysandre, Melody, Nathaniel, Nina, Rosalya, Violette
Exibições 161
Palavras 2.359
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Crossover, Escolar, Famí­lia, Hentai, Romance e Novela
Avisos: Adultério, Álcool, Heterossexualidade, Homossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Oiiiiii galerinha, eu voltei com mais um para vocês.
Me perdoem qualquer erro ortográfico.
Espero que gostem.
<3

Capítulo 4 - Don't cry baby.


Fanfic / Fanfiction Innocence is charming. - Capítulo 4 - Don't cry baby.

              " A agressão é o último refúgio do incompetente. "

               " The aggression is the last refuge of the incompetent. "

 

   A tarde dos dois foi uma das melhores desde que Maddison passou a morar na casa dos Campbell e a relação entre os irmãos estava evoluindo cada vez mais para algo além de amizade. Claro que a garota não tinha ideia disse, para ela todas as carícias que trocavam era apenas um jeito de mostrar como ela gostava dele como irmão mais velho. Já Nathaniel tinha total consciência do que estava fazendo, sabia que estava traindo sua namorada com a irmã e por mais incrível que parece ele não se sentia tão mal como achava que se sentiria.
   Eles nunca haviam tido relações sexuais porque o loiro se segurava, não queria tirar a ingenuidade da menina. A atração que ele sentia pela mais nova era tanta que chegava a doer.
   Nesse dia o mais velho acordou com um único pensamento em mente: Terminar com a Melody. Com isso ele se sentiria mais livre para ficar com Maddison e poder finalmente avançar para algo quente.
   Nathaniel deveria se sentir mal por isso mais ele não se sentia, muito pelo contrário. Ela não era irmã de sangue, então tecnicamente não era bem um incesto.
   Estava tão animado que resolveu tomar café da manhã com a família desta vez. Ao descer as escadas constatou que sua pequena irmã já estava sentado a mesa. Ela estava linda, com um vestido curto e um salto alto.
         - Bom dia Nath. - Maddison o saldou ao vê-lo na porta da cozinha a encarando.
         - Bom dia boneca. - Respondeu de bom humor, o que assustou toda a sua família.
         - Está de bom humor? - Sra. Thompson perguntou feliz em ver seu filho sentar à mesa.
   Nathaniel apenas assentiu sem emitir som nenhum.
         - Responda sua mãe direito menino. - Brandiu o pai olhando o loiro com cara feia.
   O menino fechou a cara na mesma hora,  Maddison já havia percebido o clima tenso que se instalava quando seu pai e seu irmão conversava. Ela não era boba, sabia que aí havia coisa que ela não sabia.
          - Não, não estou de bom humor. - Respondeu grosso se levantando da cadeira com uma barra de cereal na mão.
          - Nathaniel volte aqui e fale direito com a sua mãe. - Gritou Sr. Campbell.
   O loiro não deu bola, fingiu não ter escutado e continuou saindo da casa. Por mais que não quisesse as palavras do pai o machucavam. Ele queria que sua relação com o Sr. Campbell fosse diferente, sempre quis ter uma boa relação com ele. Infelizmente não era bem assim que as coisas funcionavam.
   Maddison tinha achado tudo aquilo desnecessário, iria ficar quieta, em parte por ter um pouco de medo do pai, e em parte por não querer ser mal criada. Mas não aguentou.
         - Não precisava disso tudo, ele havia respondido. - Declarou irritada. Se levantou da mesa silenciosamente e foi atras do loiro.
   Achou o menino sentado no banco em frente à casa. Seu olhar estava perdido, em algum lugar bem distante da realidade. 
   Ela se aproximou do mesmo e sentou ao seu lado. A menina ficou admirando ele por um tempo, que nem havia notado a sua presença.
   A mais nova depositou sua pequena mão no ombro do mais velho fazendo-o despertar de seus pensamentos e olhá-la com um lindo sorriso no rosto.
         - Não fique assim, ele não sabe o que fala. - Sussurrou carinhosa enquanto acariciava os macios cabelos loiros do menino.
         - Eu estou bem. - Respondeu fechando os olhos com a carícia da menina.
          - Não precisa mentir para mim. Eu sei que te machucou. - Falou o abraçando.
   Nathaniel gostava do jeito como a menina conseguia decifra-lo sem ele ter que falar nada. O loiro retribuiu e abraço da pequena a trazendo para seu colo.
         - Você é linda. - Sussurrou em seu ouvido fazendo a mais nova se arrepiar e corar pelo elogio.
         - Você também. - Disse e colocou seu rosto na curva entre o pescoço e o ombro.
        - Tenho que ir para a faculdade. - Relembrou sem muito ânimo. - Você não tem escola? - Perguntou. Ele estava ganhando tempo, não tinha vontade alguma de tirar a pequena menina de seu colo.
         - Tenho, mais eu posso chegar um pouco atrasada. - Respondeu brincalhona fazendo o loiro soltar uma gargalhada.
         - Infelizmente eu não posso. - Falou a contragosto.
         - Tudo bem, mas antes... - A menina se inclinou um pouco mais para perto do mais velho e depositou um beijo em seus lábios.
   Nathaniel sorriu com o ato, um ato tão inocente por parte da menina e tão pervertido por parte do menino.
        - Pronto. - Exclamou aí sair do colo do menino, que resmungou baixinho. - Te vejo depois do almoço.
   O loiro lhe lançou um lindo sorriso e observou enquanto a garota corria em direção a porta de entrada, adentrando a casa. Ele analisou cada curva da menina e só de pensar nela nua em sua cama seu membro já começava a latejar.
   Ele não deveria ter pensamentos eróticos com sua irmã mais nova, o loiro sabia que era errado mas não estava nem aí. Queria mais era poder levar sua linda e ingênua irmã para a cama.
[...]


   Nathaniel sabia que seria estressante terminar com a Melody mais tinha que ser feito.
   Ao chegar na faculdade foi direto em direção da Melody, ele iria resolver as coisas antes mesmo das chatas explicações começarem.
         - Oi amor. - Melody anunciou ao ver o loiro se aproximando. Ela se levantou de onde estava sentada e tentou beijo-lo.
         - Precisamos conversar Melody. - Respondeu firme se esquivando do beijo.
   A morena estranhou o fato e ficou mais apreensiva ao constatar o tom grosso do namorado, que logo seria ex.
         - Okay, vamos ali. - A garota se levantou e caminhou para um lugar mais afastado. 
         - Melody eu vou ser bem direto porque não gosto de rodeios. - Falou frio e vi o olhar confusa da menina. - Quero terminar.
         - Porque? Achou alguém para me substituir? - Gritou desesperada, logo continuou a falar sem deixar Nathaniel respondê-la. - Sabe, quando eu te vi não achei que fosse tão galinha. Com toda certeza achou alguma p*ta mais gostosa que eu para transar não é?!
         - Melody para de drama, não é bem assim e você sabe disso. - Respondeu calmo. - Nós dois sabemos que essa relação não iria para frente.
         - Não iria para frente?! - Repetiu incrédula. - Nossa relação estava ótima, mas você começou a ficar estranho.
         - Melody pare de gritar. - Pediu em tom calmo. - Não torne mais difícil do que já é. 
         - Difícil?! Não é difícil, Nath você só está confuso. Posso te mostrar que sou eu quem você quer. - O tom de de Melody passou de irritado para desesperado.
         - Não estou confuso, eu não sinto nada por você e seria egoísta da minha parte te prender em uma relação que não tem futuro. - Nathaniel continuava do seu jeito impassível de sempre.
         - Você não sabe o que está falando! - Gritou irritada.
   Nathaniel respirou fundo, sabia que não iria ser fácil, passou as mãos no rosto e se sentou em um banco que havia no lugar.
         - Eu sei sim Melody, pare de negar. Nos acabamos a muito tempo e você sabe muito bem. - O loiro se exaltou.
         - É por causa dela não é? - Perguntou e o garoto a encartou confuso. - É tudo por causa da sua irmã adotiva, aquela vadia. Ela deve ter dado uns pegas em você, e deixou você confuso. 
         - Não coloque ela nisso, ela não tem nada haver e não a chame de vadia, a única vadia aqui é você. - O garoto não se segurou ao ouvir a morena xingar a sua pequena. - Pelo amor de Deus Melody. Ela é minha irmã. Pare de arranjar desculpas, nós terminamos aqui.
         - Só terminamos quando eu dizer que terminamos. - Gritou esbaforida. 
         - Não Melody, nos acabamos de terminar. - Respondeu curto e calmo.
   Nathaniel se virou e foi embora, já estava cansado da Melody e se sentia muito mais leve por ter tirado um peso de suas costas.
[...]

 

   Nathaniel finalmente saiu da faculdade, estava destruído mais só a ideia de que iria passar a tarde sozinho com Maddison já o animava outra vez.
   Ao chegar em casa se deparou com a sua mãe e seu pai sentados na sala. O loiro estranhou o fato já que eles acabam trabalhando até tarde e só chegam bem de noite. 
   Ele passou por eles e quando estava prestes a subir as escadas a voz irritada de sua mãe soou pela sala de estar.
         - Quer me explicar o porquê da Melody ter me ligado chorando? - Perguntou. 
   Nathaniel de estressou, sua mãe não tinha nada que ver com isso. Era um assunto pessoal dele e da Melody, ela não tinha que ter ligado para sua mãe reclamando pelo que aconteceu.
         - Isso é um assunto meu e dela, vocês não têm que se envolver. - Respondeu irritado.
   Nathaniel não esperou resposta e subiu para o seu quarto correndo. Entrou no mesmo e bateu a porta se deitando na cama e respirando fundo.
    Um tempo depois ele ouviu sua porta ser aberta bem silenciosamente.
         - Nath. - Uma voz angelical o chamou, ele a reconheceu na hora e ao virar seu rosto deu de cara com um par de olhos heterocromáticos.
         - Fala boneca. - Falou e logo diminuiu a voz ao ver a menina fazer sinal de silêncio. - O que foi?
         - Quando voltei da escola papai brigou comigo, ele disse que eu deveria ser mais educada e me mandou para o quarto. Falou para eu não sair de lá até amanhã de manhã. - Respondeu chorosa.
   O loiro sentiu pena da menina, ninguém nunca havia levantado a voz para ela mais o fato dela ter defendido ele fez com que o pai ficasse furioso. Ele a puxou para si e afagou seus cabelos.
         - Shhh, não fica assim não meu amor. Papai é assim às vezes. - Ele a tranquilizou. - Porque saiu do quarto se tem medo dele?
         - Queria te ver. - Respondeu inocente.
         - Tudo bem boneca. Não chore Okay?! - Perguntou novamente acariciando seus lindos cabelos negros.
         - Okay. - Respondeu segurando o choro.
   O mais velho continuou mexendo em seus cabelo por mais um tempo até um estrondo tirá-los do transe.
         - Nathaniel Campbell abra essa porta agora. - Clarck gritou irritado.
         - Aí meu Deus, eu não deveria estar aqui. - Sussurrou desesperada. - Se ele me pegar ele....
         - Calma, não vou deixar ele te ver. - Nathaniel a tranquilizou. - Entre dentro do armário e só saia quando eu mandar. 
   Maddison adentrou o armário e deixou uma brexa entre as portas para poder espiar o que iria acontecer.
         - Eu sei que está aí garoto, abra essa porta agora. - Brandiu.
   O menino caminhou até a porta e a destrancou com as mãos tremendo. No minuto seguinte a porta foi escancarada e Nathaniel foi puxado pelo braço.
         - Eu já mandei você respeitar a sua mãe. - Gritou e lhe jogou contra a cabeceira da cama fazendo o mesmo bater a cabeça.
   A mais nova segurou um grito colocando as mãos na boca, não acreditava no que estava vendo. Como um pai poderia bater no próprio filho?! Ela se perguntava.
   Nathaniel estava atordoado pela batida que nem percebeu quando seu pai avançou acertando um soco em seu queixo. O loiro ficou estático, seu pai nunca havia batido no rosto do mesmo, só em lugares em que ninguém veria.
   Maddison assistia a tudo horrorizada e se sentindo impotente por não poder sair e ir ajudar o irmão.
   Sr. Campbell pegou o menino pelo braço e o levantou fazendo com que o garoto ficasse de pé.
         - Seja mais educado da próxima vez. - Falou com os dentes serrados então lhe acertou mais dois socos na barriga e saiu deixando o menino jogado no chão.
   No momento em que o pai saiu do quarto a pequena sai desesperada de onde estava e correu até o mais velho.
         - Nath, aí meu deu Nath!! Você não está bem. - Exclamou engolindo o choro e se obrigando a ajudá-lo.
         - Feche... a... porta... - Pediu com dificuldade.
   A mais nova se levantou e fechou a porta, a trancando logo em seguida. E se voltou para o garoto jogado ao chão.
   Ela o ajudou a se levantar e o colocou deitado na cama, foi em direção ao banheiro e voltou com duas toalhas molhadas, uma ela colocou em sua testa e a outra em sua barriga.
   Nathaniel soltou um gemido de dor no momento em que a água entrou em contato com a sua barriga.
         - Ele... e-ele... sempre f-faz isso? - Perguntou incrédula.
         - S-Sim. - Respondeu fraco.
         - Que horror. - Exclamou. - Não se preocupe Nath, eu não vou deixá-lo fazer isso outra vez. 
   Ela tirou sua camisa e o deitou na cama, se deitando ao seu lado e colocando a cabeça do mesmo em seu colo.
   Sem perceber ela começou a chorar baixinho, não podia acreditar em uma coisa dessas. Acariciava seus lindos cabelos enquanto deixava as lágrimas saírem.
         - Não chore bebê. - O loiro sussurrou virando seus olhos da cor do sol em direção aos dela. - Não gosto de te ver chorando.
         - Não gosto de te ver nesse estado. - Respondeu em meio ao choro.
         - Vai passar. - Falou com descrença.
         - Pode dormir, não vou deixa ele chegar perto de você. - Disse determinada.
         - Obrigado boneca. - Murmurou.
         - Boa noite Nath.
         - Boa noite bebê.
   E eles acabaram dormindo desse jeito mesmo, Nathaniel mais calmo e feliz por ter alguém ao seu lado. Sempre que isso acontecia o garoto se sentava sozinho na cama e ficava remoendo problemas, mais agora tinha um anjo com ele, para ajudá-lo e para nunca deixá-lo.    

 

 

 

 

 

 

 

 

 


Notas Finais


Comentem o que vocês acharam.
Aceito criticas construtivas.
Até o próximo.
<3 <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...