História Innocent Doom - Capítulo 2


Escrita por: ~

Postado
Categorias 50 Cent, Justin Bieber, Kylie Jenner, Tyga, Usher
Personagens Justin Bieber, Kylie Jenner, Nick Miller, Personagens Originais, Tyga, Usher
Visualizações 271
Palavras 1.897
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Colegial, Crossover, Drama (Tragédia), Escolar, Famí­lia, Festa, Ficção, Luta, Romance e Novela, Violência
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Drogas, Estupro, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Suicídio, Tortura, Transsexualidade, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


OPA, CALMA, 24 favoritos só com o prólogo? Cara vocês são incríveis

Olha, quem assistiu o filme sabe que ele se divide em três "partes" e como a Fanfic é inspirada no filme, também será dividida em três partes, deixarei sempre os "nomes" da Ky no começo de cada parte

Capítulo 2 - What your name, girl?


Fanfic / Fanfiction Innocent Doom - Capítulo 2 - What your name, girl?

Angel I



Point of view JUSTIN BIEBER 

10/03/2005

Miami, Florida



—— Quick makin' a stack, back makin' some mill, I mean, get us a deal —— cantarolei baixo aquele rap que o rádio tocava, manobrei meu impala preto o colocando em cima da calçada, desliguei o som junto com o carro. Me olhei no espelho retrovisor alinhando meus fios dourados, passei duas correntes de ouro por meu pescoço, enfiei as mesmas dentro da regata preta, e desci do veículo

Olhei em volta vendo a área livre, peguei uma caixa de cigarros,arranquei um maço de dentro enfiando o mesmo entre meus dentes,  coloquei óculos escuros, guardei de volta a embalagem no bolso traseiro de minha calça, coloquei o cigarro atrás da orelha e atravessei a rua 

—— Beleza —— falei no mesmo instante que Jimmy, batemos as mãos e demos um rápido abraço 

—— Cara você tem que me ajudar —— pediu o velho totalmente acabado que cheirava maconha podre 

—— Não dá cara, a polícia tá na cola não posso me arriscar por um velho viciado —— explicou Jimmy 

—— Me dá uma carinha irmão 

—— Toda carinha custa dinheiro mane, some daqui vai

Vi o velho pegar um pouco de dinheiro amassado em seu bolso, e entregar para o moleque um ano mais novo que eu 

—— Guarda essa merda velho, tá louco —— enquanto os dois continuavam sua conversa, me afastei um pouco, tirei o cigarro de trás da orelha, peguei o isqueiro do bolso, e enfiei a droga entre meus dentes, acendi a mesma aspirando a nicotina e soltei a fumaça pelo nariz guardando de volta o isqueiro 

—— Irmão você tem que me arranjar uma carinha —— o velho veio pedir agora pra mim e ri de sua cara voltando até o moleque 

—— Olha esse comédia —— falei tirando o cigarro dos dentes, e soltei a fumaça agora pela boca 

—— Some daqui —— assim dito por Jimmy, assim foi feito pelo velho que saiu praticamente correndo o que nos arrancou uma boa risada

A esses cracudos dão alegria pro meu dia

—— Firmeza —— batemos as mãos novamente, depois dando um abraço rapido

—– To numa boa —— ajeitei os óculos escuro, soltando a fumaça entre o pequeno vão entre meus lábios 

—— Eu tô aqui, só cuidando de tudo como sempre —— Jimmy era do tipo que mostrava lealdade, mostrava servir, mostrava respeito, e era por isso que eu gostava dele mesmo não gostando de absolutamente ninguém. O moleque não parava quieto, ficava se mexendo, olhando pros lados a casa segundo e apesar de tudo aquilo me dava certa agonia —— Se precisar de alguma coisa é só dar um toque

—— E o negócio tá bom? —— enfiei a mão direita no bolso enquanto a esquerda usava para levar o cigarro até minha boca 

—— Tá tá firmeza, tô com umas peça 

—— Não não segura aí —— quando falei o moleque voltou a postura normal pois foi pegar algumas peças em sua panturrilha —— E a sua mãe como é que tá? 

—— Tá, tá boa

—— Tá melhor? 

—— Tá bem melhor, muito melhor 

—— Eu vou rezar por ela —— batemos as mão e demos o último abraço 

—— Valeu irmão 

Soltei a fumaça pelo nariz enquanto atravessava a rua, e uma bando de pirralha passaram correndo por mim virei a cabeça na direção delas vendo que elas corriam atrás de uma outra pirralha só que branca e seus gritos confirmaram o que eu imaginei 


Point of view KYLIE JENNER 



—— Peguem essa branquela olha o tamanho dela —— ouvi Tanner gritar enquanto as 8 corriam atrás de mim 

Passei por um terreno vazio repleto de grama, por meu tamanho consegui passar facilmente por um buraco na grade mas sabia que elas não conseguiram tão fácil pois davam o dobro de mim, e  olhei pra trás enquanto ainda corria vendo elas escalarem a grade sem dificuldade alguma, sequei as lágrimas aumentando a velocidade dos passos e subi as escadas do pequeno prédio de apenas dois andares e de cor amarela. Tentei as duas primeiras portas porém as mesmas estavam trancadas e pra mim sorte a terceira estava aberta, abri primeiro a porta de vidro depois a de madeira entrando no cómodo vazio ainda em construção, tranquei a porta. 

Quando elas começaram a socar a porta gritando "Abre sua branquela" cobri meus ouvidos com as mãos sentindo as lágrimas caírem por meus olhos, e me sentei no chão abraçando meus joelhos com força, comecei a chorar mais e assim que  ouvi Maria dizer "vamos por tras" elas pararam de bater na porta. Limpei minhas lágrimas levantando do chão, passei pro outro cómodo chegando na janela dos fundos e a mesma estava sendo quebrada pelas pedras que as garotas jogavam, me aproximei da mesma porém me afastei quando uma pedra foi jogada  

Respirei fundo voltando pro cómodo da frente, e quando vi duas mãos masculinas e brancas se enfiarem na madeira aonde devia ser a janela senti meu coração acelerar, o tal homem puxou aquela madeira sem dificuldade alguma me olhando com uma feição seria, pulou a janela facilmente e parou em a poucos metros de mim 

—— Tá fazendo o que aqui garota? —— perguntou o homem de cabelo loiro, porém me mantive calada abaixando minha cabeça —— Entendi, não fala com estranhos —— ele riu pelo nariz tirando seus óculos escuros —— Okay, de boa. Olha eu tô indo comer alguma coisa, se quiser vir firmeza 

Engoli em seco lembrando que não comia a três dias já que mamãe não fazia nada pra mim comer, e mordi minha bochecha erguendo a cabeça 

—— Tudo bem se eu sair pela porta da frente? —— brincou porém não respondi, ele abriu a porta depois saindo, e ficou olhando em volta depois se virou de volta para mim —— Vem, aí tá pior do que aqui 

Respirei fundo pensando se devia ir ou não pois minha mãe me disse para não ficar perto de homens que usavam muitas joias, e esse era cheio delas, e resolvi ir com ele pois apesar de tudo ele parecia ser do bem. Descemos as escadas com ele na frente, o segui até um carro preto, ele abriu a porta pra mim, e entrei no veículo depois passando o cinto por mim, observei o homem dar a volta no carro pela frente, o mesmo entrou e saiu em uma velocidade alta 

—— Qual seu nome garota? —— perguntou parando alguns segundos para me olhar mas depois voltou sua atenção pra rua 

—— Kylie —— falei tão baixo que não tinha certeza se ele tinha me escutado 

—— Kaela? 

—— Ky-li-e —— pronunciei separadamente um pouco mais alto —— Com Y

—— Okay e quantos anos você tem Ky-li-e? —— Me imitou apenas para me provocar, mais já estava acostumada com as pessoas tirando sarro de meu nome então nem liguei 

—— Oito anos, e qual seu nome? 

—— Bieber, Justin Bieber 

—— Você é traficante não é? —— Me lembro de já ter ouvido minha mãe falar esse nome e me lembro dela ter falado pra mim ficar longe de qualquer Bieber 

—— Sou, e como sabe? 

—— Minha mãe compra drogas de você, e ela disse pra mim ficar longe dos Bieber porque vocês são perigosos e vão me machucar 

—— Relaxa pirralha, não mechemos com crianças, ela só diz isso porque provavelmente sabe que deve pra minha família. Qual seu nome completo?

—— Kylie Kristen Jenner 

—— Não conheço ninguém por aqui com o sobrenome Jenner 

—— Eu sou adotada 

—— Ah, e a quanto tempo seus pais te adotaram?

—— Eu não tenho pai, só mãe, e a poucos meses, menos de um ano 

—— Entendi, e quem eram suas amigas? 

—— Elas não são minhas amigas, eu não tenho amigos 

—— Única aluna branca da escola? —— afirmei com a cabeça —— Te entendo, passei pela mesma coisa



Point of view JUSTIN BIEBER 

***



Abri a porta de meu carro pra garota descer, assim feito, a acompanhei até a porta e toquei a campainha usando a mão direita, enquanto a outra estava no ombro da pequena. Quando Katherine abriu a porta, seu olhar veio direto a mim carregado de medo e um pouco de ódio, depois foi para sua filha a olhando com raiva, o que fez a mesma se encolher um pouco, abraçando minha perna com certa força 

—— Olha, eu achei ela na rua e levei ela pra comer, a culpa foi minha por ela ter demorado —— expliquei pois lembro da pequena ter dito que apanhava da mãe quando demorava muito pra chegar da escola 

Katherine não disse absolutamente nada, apenas puxou sua filha com brutalidade pra dentro depois batendo a porta na minha cara, travei o maxilar me segurando pra não meter a mão na cara da vadia e voltei para meu carro pois realmente não tava afim de esconder um corpo. Em menos de 10 minutos já estava em frente a minha casa, estacionei meu bebê na garagem e fui pra dentro, não consegui reprimir um sorriso malicioso ao ver a vadia deitada no sofá usando uma mini lingerie e dormindo profundamente , fui até ela tirando minha blusa e depositei um tapa forte em sua bunda enorme qual a fez acordar em um susto, mas quando viu que era eu, sorriu maliciosa 

—— Aonde você tava? Demorou pra cacete, hoje é nosso aniversário sabia? —— Andressa fez várias perguntas, me sentei no sofá e ela veio para meu colo no segundo seguinte, quando ia responder a garota dois anos mais velha que eu cheirou meu pescoço depois me olhou com uma feição confusa —— Por que tá com perfume infantil Bieber? 

—— Passei a tarde com a filha da Katherine, aquele noiada que tá me devendo, eu fui na biqueira ver como tava as coisas ai a pirralha passou correndo porque tava sendo perseguida por umas pirralha da escola, ai eu fui atrás dela, levei ela pra comer depois levei ela pra casa, e a vadia da mãe dela bateu a porra da porta na minha cara 

—— Espera aí, deixa eu ver se eu entendi, você, Justin Bieber, sobrinho do maior traficante de Miami, herdeiro de uma gangue imensa, tem 16 anos mais já comando boa parte do tráfico, ajudou uma pirralha que nunca viu na vida? 

—— Pois é cara, mais tipo, senti uma coisa estranha quando vi a pirralha, era como se tipo, eu tivesse a obrigação de proteger ela, entendeu? E eu passei pela mesma coisa que ela passa, único aluno branco da escola que apanha dos negao que dá o dobro e não tem amigos, tô ligado real em como ela se sente 

—— Fiquei sabendo pelas meninas,que o dinheiro que a Katherine ganha da pensão do pai da garota, ela usa pra comprar droga tanto que a menina mal come, e ela sempre apanha porque a Katherine fica brava com ela quando  ela apanha na escola 

—— Então cara, é por isso que eu quero proteger ela, ela parece tão indefesa, porra eu tô muito viado

—— Não tá não amor, achei super fofo isso, e apoio você querer proteger ela, trás ela aqui amanhã pra mim conhecer ela, só que eu não vou te perder pra uma pirralha de seis anos 

—— Ela tem oito, agora hora comemorar nosso aniversário que você me deixou muito duro com essa lingerie

—— Sabía que ia gostar 




 


Notas Finais


Aaaa Bieber seu safrado, comendo as negona
Sim, babe Kylie vai ser um Chris na vida, só que ao contrário

Querem que ela cresça logo? (sem vácuo please)
Não esqueçam de comentar ❤


Xoxo❤
All love❤


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...