História Inocência roubada - Capítulo 20


Escrita por: ~

Visualizações 259
Palavras 5.124
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Colegial, Crossover, Drama (Tragédia), Famí­lia, Ficção, Mistério, Policial, Romance e Novela, Suspense, Violência
Avisos: Álcool, Drogas, Estupro, Homossexualidade, Nudez, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


CAPITULO COM MODIFICAÇOES!
ESPERO QUE GOSTEM...
BOA LEITURA!

Capítulo 20 - Segredos


Fanfic / Fanfiction Inocência roubada - Capítulo 20 - Segredos

Nova York – Terça-feira – 9:30am

Uma terça feira de folga para o esquadrão. Pelo menos para Zelena e Belle, pois para o resto seria uma terça feira agitada de preenchimento de papelada, passagem pelo medico da policia de NY e testes físicos para averiguação da equipe que cuidava de um dos setores mais importantes da policia de Nova York.

Enquanto a chefia fazia uma varredura em todos os detetives de todas as seções da policia, Zelena e Belle aproveitaram para aproveitar o dia e fazer compras. Não era sempre que duas das melhores policiais podiam desfrutar das regalias de se chatear com o estacionamento cheio, corredores cheios de pessoas com carrinhos de bebes e crianças correndo e simplesmente comer um lanche numa rede de fast food.

Zelena acordou tarde naquele dia e aproveitou seu café da manha na sacada do seu apartamento observando o movimento da cidade embaixo de seus pés. Ela gostava daquela cidade movimentada e caótica que parecia um formigueiro em pleno trabalho para estocar comida para o inverno. Mas pensava em um dia morar em algum lugar mais calmo, talvez próximo da praia ou no campo, onde ela poderia ter uma família e ter a segurança que ela tanto procurava.

Família. O que ela sabia sobre família? Apenas os aprendera com os Mills e claro que não reclamava. Ela tinha sido amada, cuidada e muito bem recebida e assim era ate hoje, porem ela sabia que no fundo seu coração sempre ansiou saber mais sobre sua historia e sobre sua verdadeira família. Como ela saberia ser mãe se sua própria mãe não a quis? Se bem que se ela fosse questionar sua sexualidade, ser mãe seria um pouco complicado, não que adoção não fosse uma opção, mas com certeza os métodos óbvios já estavam fora de questão.

Ela levantou e deixou a sacada junto com seus pensamentos sobre a vida e foi verificar seu celular. Tinha combinado de encontrar Belle as dez e meia da manhã no shopping para decidirem algo para almoçar e depois iriam as compras. Encontrou uma mensagem da amiga “Deus, não me lembro de dormir tanto assim! Bom, estou me arrumando, te encontro na entrada 3, luv u”. Zelena riu da mensagem da morena, Belle era totalmente solta e sem medo de demonstrar o que sentia. Zelena apreciava tanto isso na amiga. Belle era como um livro, você se apaixona pela capa esperando encontrar o obvio, porem quando inicia a leitura descobre um mundo totalmente enigmático e surpreendente, pois Belle não é o tipo de garota clichê, que fara o que você esperar simplesmente porque você quer ou para te agradar, ela será muito mais do que você espera.

Zelena suspirou ao pensar na amiga e lembrou-se do beijo. Lembrou-se de todos os momentos que passaram juntas e de como cresceram tanto desde aquele encontro no pátio da academia. Certamente que sentia algo por ela, sentia algo formigar na boca do estomago quando suas mãos se encostavam sem querer e quando aquelas íris azuis a fitavam ela sentia que poderiam simplesmente ler sua alma através da sua pele. Zelena sentou no sofá e bufou ao sentir essa confusão de sentimentos, ela tinha uma propensão a fazer merda quando o assunto era relacionamentos. Todas com quem ela tinha se envolvido tinha sido um completo e total desastre porque ela não sabia lidar com isso. Será que Belle também sentia esses sentimentos por ela?

Mais uma vez ela deixou os pensamentos para outra hora e foi procurar uma roupa. Escolheu algo mais leve, um vestido longo azul turquesa frente única de um tecido leve e calçou uma sandália de salto baixo. Deixou os cabelos ondulados soltos, passou um batom fraco, pegou sua bolsa, chave do carro e celular e saiu.

O caminho estava tranquilo para uma terça feira, ela conseguiu chegar ao shopping em vinte minutos e subiu ate o estacionamento. Procurou uma vaga mais próxima da entrada 3 e estacionou. O Macy’s estava sempre cheio devido a atração turística, todos queriam ver o shopping de dez andares e gastar o que podiam em todas as lojas que encontravam pela frente. Zelena assim que entrou encontrou Belle sentada em um dos bancos centrais dos corredores mexendo em seu celular, ela vestia uma saia de cos alto cinza acima dos joelhos e uma blusa branca com alguns botões, seus cabelos estavam presos em um rabo de cavalo alto e ela calçava uma sapatilha.

Zelena chegou e cutucou sua perna e recebeu um sorriso alegre da amiga. Ah como ela amava aquele sorriso. Um medo súbito tomou conta do seu coração ao pensar que sua propensão a fazer merda podia fazê-la perder aqueles sorrisos e olhares calorosos. Sentiu um arrepio na espinha ao pensar nisso. Tentou jogar esses pensamento em algum lugar do seu cérebro e focar no passeio.

─ Bom, já que estamos de folga hoje isso significa folga de almoços normais, certo? ─ Belle a encarou divertida.

─ Certo tampinha, vamos jacar hoje, meu inconsciente esta pedindo por algo que seja fora dos padrões exigidos pela Victoria Secrets! ─ ambas riram.

─ Eu opto por irmos de Burguer King, sinceramente não sou fã de Mc Donalds, o que acha?

─ Estou totalmente com você amiga!

Elas foram enfrentar a fila que começava a ficar enorme devido ao horário de almoço e ao grande numero de turistas no recinto. Ambas pediram o lanche completo e se sentiram como adolescentes que se entupiam de gorduras e grandes quantidades de sódio sem se importar se isso acarretaria em um numero a mais na balança no dia seguinte.

─ Meu deus! Eu tinha me esquecido que isso era tão bom! ─ Zelena falou de boca cheia.

─ Isso devia ser proibido ou próximo disso, devia ser pelo menos um delito leve so pra dar o gostinho de estar fazendo algo que não deveria ─ Belle riu de boca cheia.

─ Teoricamente a gente não devia, isso aqui tem mais caloria do que nosso almoço e café da manha juntos!

─ Que se dane ─ Belle pegou uma batatinha e jogou na amiga ─ eu digo amem pras batatinhas!

─ Onion rings definitivamente deviam vir com um aviso de “altamente viciante” tipo aqueles de cigarro ─ Zelena falou comendo varias ao mesmo tempo.

─ Você come que nem uma porca ─ Belle riu.

─ Sou a porca mais bonita que você já viu ─ ela mostrou a língua suja para a amiga.

─ Ecaaaa! Sua nojenta ─ Belle jogou outra batatinha na amiga.

─ Ta desperdiçando suas santas batatinhas pra porca aqui!

─ Culpa sua, esta me devendo batatinhas agora!

Elas terminaram o lanche e foram para os andares das lojas. Não sabiam ainda o que iam comprar, mas iriam experimentar de tudo. Zelena era uma rata de loja e Belle era apenas puxada para dentro das lojas sem contestar. Elas experimentaram vestidos, calças, blusas, shorts e saias em diversas lojas e levaram algumas peças de algumas lojas. Zelena preferia calças jeans, blusas de seda e vestidos longos, enquanto Belle preferia vestidos rodados curtos, saias e blusas estampadas.

Estavam andando a algumas horas quando Zelena avistou a loja da Victoria Secrets e puxou Belle para dentro. A loja era conhecida pelas suas peças maravilhosas de lingerie, loções de banho, hidratantes e outras coisas.

─ Achei que não queria ser o padrão da Victoria Secrets ─ Belle cutucou a amiga.

─ Eu não quero, mas não quer dizer que não posso usar as belíssimas lingeries que ela nos oferece, vamos escolha algumas e vamos ver como fica ─ ela falou mexendo em algumas peças nos cabides.

─ Eu não estou precisando dessas peças minúsculas e sexys Zel!

─ Se você não escolher eu vou fazer isso e você sabe que eu faço isso pior que você! ─ Zelena lançou um olhar desafiador para a amiga. Belle começou a andar e escolher algumas peças.

─ Meu olha o tamanho disso aqui ─ Belle riu ─ qual a intenção de usar algo tão pequeno?

─ Amiga você fala que nem uma virgem, você tem quantos anos? Quinze? ─ Zelena riu.

─ Idiota, eu não sou virgem ─ ela cochichou ─ só não sou pervertida como você que não tem fogo só no cabelo ─ Zelena riu alto.

Elas foram para os provadores e ficaram uma do lado da outra. Quando colocavam uma peça elas saiam e mostravam uma para a outra para ver se tinha realmente ficado bom. Quando Belle saiu do provador apenas com um sutiã pink e uma calcinha de renda que tinha as tiras ao lado tão finas que podiam ser arrebentadas com o dente, Zelena quase perdeu o folego. Ela tinha o corpo totalmente em forma, com a pele branca e algumas pintinhas na barriga. Sua pele parecia macia e altamente convidativa. Zelena respirou fundo e elogiou a peça da amiga.

Voltaram para o provador e trocaram mais uma vez e foram repetindo isso conforme elas pegavam as peças que tinham escolhido. Numa dessas Zelena ouviu uma voz conhecida que discutia com a moça que trazia as peças para os provadores.

─ Eu pedi verde agua e não verde limão! Você não sabe a diferença? ─ Zelena saiu para esperar Belle, mas quando viu de quem se tratava a voz conhecida entrou em pânico. Belle saiu e Zelena a empurrou de volta para o provador junto com ela se apertando no pequeno quadrado bagunçado.

─ O que esta acontecendo sua louca ─ Belle perguntou confusa sentindo o corpo da amiga colado com o seu. Ela podia sentir a respiração ofegante de Zelena em sua  cabeça.

─ Xiu, fica quieta! ─ Zelena tentava se ajeitar, mas quanto mais se mexia mais seus corpos roçavam um no outro e isso estava deixando-a extremamente excitada.

─ Xiu o caramba, você me empurra e agora me manda calar a boca? ─ Belle reclamou tentando se ajeitar ─ e você esta com essa sua comissão de frente na minha cara!

─ Aproveita meu amor ─ Zelena deu uma risadinha.

─ Engraçadinha! Que fantasma você viu lá fora? ─ Belle afastou a cortina de leve e espiou do lado de fora e viu uma morena de corpo torneado e esbelto se analisando no grande espelho do hall do provador. Uma moça chegou com umas peças e a mulher virou-se para pegar as peças e Belle então pode ver quem era: Lilith Page.

─ Porque não me disse que era a sua ex alguma coisa que estava aqui? ─ ela encarou a amiga que ainda estava pressionada na parede apenas de lingerie.

─ Isso importa? E ela só foi um caso e não uma ex, você sabe disso! ─ ela mentiu. Claro que mentiu.

─ Ela não parece saber disso e parece bem disposta a ir atrás de resgatar o passado ─ Belle suspirou.

─ Ela não vai conseguir, você sabe que eu já sou propensa a problema e sabe que com ela essas chances dobram ─ Zelena suspirou.

─ Não parece que você não quer!

─ Ah não?

Zelena pressionou a amiga na parede e segurou em seus braços. Sentia a respiração ofegante da morena em seu rosto, seu peito subia e descia com rapidez demonstrando o quanto aquilo havia pegado a morena de surpresa. Seus corpos colados trocavam uma eletricidade capaz acender uma lâmpada. Zelena subia uma de suas mãos pelos braços de sua amiga, sentindo a pele macia e coberta por uma fina penugem loira arrepiada por seus toques leves e escorregadios e com a outra mão ela pressionou as costas de Belle e a aproximou mais de si como se pudessem se encaixar como peças de um complicado quebra cabeça.

Zelena aproximou seu rosto ao da amiga e sentiu o cheiro da loção cítrica que ela usava desde que a conhecera. Seus lábios encostaram de leve como se aquilo fosse o ato mais proibido a se fazer, como se tal ato fosse destruir mundos, bagunçar a entropia do universo ou ate mesmo fazer a maré ter seu curso alterado. Era como um crime e elas eram totalmente suspeitas. Culpadas. Se fossem para o tribunal todas as evidencias apontariam para elas. Mas elas não voltariam atrás, nem mesmo tentariam provar inocência.

O beijo foi como o plano perfeito de um crime. Quando você sente a ânsia de planejar e colocar as ideias no papel. Zelena contornou os lábios de Belle com sua língua como se escrevesse seu crime e Belle deu abertura para que o crime fosse executado. Um frio na espinha subiu pelas costas de Belle quando sua língua encontrou a da amiga, era a energia e adrenalina de executar o crime perfeito. Havia claramente um encontro de parceiros de crimes ali que ansiavam pela adrenalina de cometer um delito do qual não se arrependeriam no dia seguinte.

Zelena segurou no pescoço de Belle e aprofundou mais o beijou fazendo o ar se perder entre as duas. Não havia inocentes, não havia acordos ou advogado que faria o inferno que fosse para provar inocência. Eram culpadas. Zelena interrompeu o beijo para que pudessem respirar e ambas estavam ofegantes, com as pupilas dilatadas e o azul dos olhos estava escuro como uma noite tempestuosa. Zelena espiou de novo e viu que não havia ninguém do lado de fora e pulou para seu provador. Ambas se trocaram e saíram da loja sem levarem nada.

Zelena estava super ofegante ainda daquele beijo no provador e Belle a acompanhava. Elas ainda tinham o final de tarde pela frente juntas e a noite já que combinaram de passar o dia juntas vendo filmes depois de fazer compras. O caminho no carro foi um completo silencio, assim como a subida de elevador ate o apartamento de Zelena. Ambas entraram em silencio no apartamento e largaram as sacolas no sofá. Zelena ficou encarando a amiga que estava escorada no balcão da cozinha. Ela sentiu que tinha que dizer algo ou senão explodiria.

─ Belle eu...

Ela foi interrompida por sua amiga que se aproximou sem delongas e selou seus lábios. Ela a encarou por um momento e a beijou de novo.

─ Você tem certeza disso? ─ ela perguntou relutante.

─ Sem mais palavras sobre isso ─ Belle respondeu selando os lábios das duas novamente e Zelena não mais disse uma palavra.

Elas caminharam para o quarto em meio a tropeços e Zelena caiu sentada no colchão puxando Belle para o seu colo. Os beijos se tornavam urgentes e a cada toque era como se uma faísca escapasse podendo causar um curto circuito. Belle embrenhou seus dedos nos cabelos ruivos e puxou o rosto de Zelena para perto do seu como se houve milhões de quilômetros ainda entre as duas.

As mãos de Zelena foram para a blusa de Belle que estavam dentro da saia, mas logo ela a puxou e Belle ergueu os braços para que a mesma fosse retirada. Belle desatou o laço do vestido da companheira e ele escorregou deixando sua lingerie branca tomara que cai a mostra. Zelena distribuiu beijos na clavícula da amiga e ela viu a pele dela arrepiar. Ela apoiou ambas as mãos em suas costas e desceu os beijos molhados ate o vale dos seios e subiu beijando-a novamente.

Com um empurrão ela conseguiu levantar Belle e colocar-se em cima dela sobre a cama, assim seu vestido terminou de cair mostrando seu corpo branco coberto por sardas. Belle a puxou colando seus corpos novamente e com uma das mãos ela soltou o fecho do sutiã de Zelena relevado seus seios fartos. Ambas sentaram na cama e Belle com uma mão acariciava um dos mamilos rosados e rígidos de Zelena enquanto distribuía beijos em seus ombros. Zelena deixou escapar um gemido e Belle como uma completa sedutora resolveu provocar.

─ Gosta assim? ─ ela acariciava ambos os seios e Zelena com os olhos fechados apenas pronunciou um “uhum”.

Zelena desatou o sutiã de Belle e sugou os seios da companheira como se fizesse arte. Ela o fazia e fitava os olhos azuis de Belle que eram de um tom azul escuro de pura luxuria. Ela rodeou os mamilos rosados com a língua e deu leve mordiscadas recebendo gemidos baixos. Ela continuou a lamber os seios da amiga enquanto uma de suas mãos desceu ate o sexo dela dentro de sua lingerie e o encontrou totalmente encharcado. Quando sua mão gelada entrou em contato com a pele quente do sexo de Belle ela gemeu alto e estremeceu sobre as pernas apertando as unhas sobre as costas de Zelena.

─ Zelena, eu não vou aguentar...

Zelena colocou sua mão mais uma vez dentro de sua lingerie e acariciou o clitóris inchado e pode ouvir um “humm” de Belle, ela fazia movimentos rotativos e Belle movia seu quadril sob a mão da amiga e Zelena podia sentir que o orgasmo dela logo viria. Ela beijou a amiga e mordeu o lóbulo de sua orelha e sussurrou.

─ Pede pra mim ─ Belle arfou e gemeu.

─ Por favor, eu não vou aguentar...

Zelena empurrou a amiga e a fez deitar, tirou a lingerie que restava e afastou as pernas. Aproximou sua boca do sexo de sua amiga e quando Belle sentiu a respiração da amiga tão perto de si soltou um gemido desesperador. Zelena encostou sua língua no clitóris inchado e o rodeou e chupou diversas vezes e com sua mão penetrou dois dedos de leve na entrada molhada de Belle fazendo-a gemer alto. Fez um movimente leve de vai e vem ate penetrar de vez e todo o corpo da amiga estremeceu com os dedos gelados em suas paredes quentes.

Zelena lambia o sexo da amiga e penetrava seus dedos, Belle se contorcia e segurava firme em seus cabelos e pressionava suas coxas ao redor de sua cabeça, ate que ela sentiu as paredes da amiga se fecharem e um gemido gutural subiu do interior de sua amiga e saiu por sua garganta e o sabor dela escorreu pelos seus lábios. Belle ofegava. Zelena se levantou e beijou a amiga dando a ela uma dose do próprio sabor. Belle ajoelhou-se e tirou a lingerie que restava da amiga e a beijou mais uma vez antes de se deitar novamente.

Belle e Zelena se encaixaram fazendo ambos os sexos se encaixarem e iniciaram um movimento de vai e vem. Zelena contorceu o corpo para traz soltando gemidos e sentindo o suor escorrendo em seu corpo e sentia a pele de sua amiga suar como a sua. Belle gemia a cada contato e elas encostaram as testas e sentiram cada poro dilatar, cada pelo arrepiar e cada corrente elétrica passar por seus corpos. O orgasmo chegou para ambas e elas sustentaram uma a outra antes de deitarem na cama. Exaustas.

Nova York – Trinity College ─ Terça-feira – 8:00am

Todos os alunos estavam reunidos no pátio para um anuncio do diretor do colégio. O outono estava se aproximando e todos sabiam o que isso significava. O diretor subiu juntamente com a coordenadora no palanque de uma das quadras do colégio e pegou o microfone.

─ Bom dia alunos e alunas, como sabem o outono se aproxima e com ele nossa tradicional festa de outono ─ ele deu uma pausa ─ como em todos os anos estaremos abrindo o festival de outono para que os alunos se apresentem, já teremos o apoio do grupo de teatro que sempre nos apresenta um grande espetáculo e nesse ano teremos uma surpresa para vocês! ─ ele passou o microfone para a coordenadora.

─ Bom dia caros alunos e alunas, como sabem todos os anos as melhores escolas de NY competem em uma mini olimpíada e todos os anos eles sorteiam um colégio para sediar essa olimpíada de outono/inverno que também da abertura para os campeonatos de futebol americano ─ ela deu uma pausa ─ e é com grande prazer que eu anuncio que o nosso colégio foi o sorteado desse ano!

Todos aplaudiram e vibraram com a noticia. Sediar os jogos não apenas significava ter alunos de outros colégios indo e vindo pelos corredores, significava torcida organizada, camisetas customizadas, bagunças nos vestiários, aulas canceladas, jogos a todo o momento e a tão famosa festa de abertura e festa de fechamento. Isso mais o festival de outono onde os alunos podiam mostrar seus talentos e ganhar pontos extras. A diversão estava garantida para o final do ano, isso que o diretor nem tinha falado sobre a festa de Halloween que não era tão distante do festival de outono.

─ Silencio, por favor, ─ o diretor pediu e todos se calaram ─ eu aprecio a empolgação de vocês e sei que esperam também pelo anuncio da festa de Halloween, porem vamos caminhar devagar, temos muitos eventos e iremos precisar ter calma ─ ele deu uma breve pausa ─, mas estou aqui também, não apenas para anunciar-lhes os eventos para o decorrer desse segundo semestre, venho aqui apresentar-lhes a pessoa que ira chefiar todos esses eventos com sua equipe e nos ajudar a lidar com tantos jovens, por favor, senhor Colin Wright ─ então um homem charmoso de cabelos escuros e olhos incrivelmente azuis subiu no palanque e todos bateram palmas. Ele pegou o microfone.

─ Obrigado pelas boas vindas e obrigado pela chance de chefiar esses eventos que vejo ser tão importante para todos vocês, me sinto lisonjeado e espero ser capaz de lidar e impressiona-los com minha equipe. Mais uma vez obrigado ─ ele devolveu o microfone e todos mais uma vez bateram palmas.

─ Bom todos estão liberados para seguirem para suas respectivas salas de aula, obrigado pela atenção de todos, tenham um ótimo dia ─ o diretor falou e desceu do palanque com a coordenadora e Colin, enquanto a multidão de alunos seguiam para as salas.

EMMA’S POV

Depois de duas aulas maçantes de economia e duas de geografia finalmente o sinal do intervalo soou e eu saltei da cadeira como quem escapa do cárcere privado. Eu já estava ficando doida com aquela aula sobre a hidrografia dos Estados Unidos e aquele monte de agua. Minha língua estava coçando para contar para Regina sobre a conversa com Killian e sobre como tínhamos que seguir com o plano.

O problema era que eu não sabia como ia convencê-la a voltar a falar com Robin. Ela ter falado que não era culpa dele era uma coisa, mas concordar com o plano depois de já ter dado merda era outra historia. Acho que nem se eu dissesse que ele era o príncipe da França ela iria concordar. Mas eu tentaria, talvez se ela ouvisse toda a conversa ela pensaria sobre, ela não tinha que decidir isso tão rápido. Na verdade, ela também não podia demorar, Killian queria minha ajuda com a garota dele, o que eu estava ainda de queixo caído quando ele me contou. Quando ele disse que as pessoas iriam manda-lo desistir eu disse que diria o mesmo.

Enfim, eu e Gina saímos para o pátio e fomos nos sentar em uma das mesas para lancharmos.

─ Gina, eu preciso te contar sobre ontem ─ ela me olhou desconfiada.

─ Acho que já ate imagino o que seja ─ ela falou sem animo enquanto encarava seu lanche.

─ Como assim? ─ perguntei confusa.

─ Esquece, conte o que tem pra contar!

─ Então, eu sai pra jantar com Kill, ele estava todo esquisito e eu jurava Gina que ele ia terminar comigo! ─ eu olhei pra ela enquanto mastigava meu sanduiche ─, mas quando chegamos lá, nós jantamos e ele fez todo um suspense do caralho que tenho certeza que me causou uma gastrite! Ai ele começou falando que tinha gostado muito de mim no começo, mas que depois que me viu cantar pra você no recital ele viu que meu coração nunca ia gostar dele da mesma maneira que ele tinha gostado de mim ─ Regina me encarava sem acreditar naquela conversa ─ bom, na verdade, eu já tinha contado a ele sobre nós duas e ele apenas confirmou que era bem obvio... porem, não era sobre isso que ele queria falar...

─ E ai? O que mais ele disse?

─ Bom, ai ele disse que eu mudei, disse que eu fiquei distante e que ele começou a notar e que teve a certeza no aniversario da Ruby... ─ eu suspirei ─, mas que já que eu tinha certeza sobre isso, ele queria a minha ajuda para outra coisa em troca de manter um trato.

─ Certeza do que Emma? E que trato? ─ Regina me encarava atônita e curiosa.

─ De que eu estou apaixonada por você Regina! E que meu coração é só seu...

─ Meu deus, e agora Ems, o que vamos fazer, agora que ele sabe como vamos fazer?

─ Calma, me deixa terminar ─ eu engoli o resto do sanduiche ─ ele disse que não me culpava, eu pedi um milhão de desculpas claro porque eu me senti um lixo, mas ele disse pra eu não me sentir assim porque ele esta apaixonado por outra pessoa ─ Gina me olhou como quem tenta imaginar quem seria ─ eu também fiz essa cara, bom, eu falei pra ele que eu precisava de um namorado e você também porque o que estávamos fazendo era errado e ele me disse que eu estava falando besteira, que não há nada de errado em eu gostar de você e você gostar de mim, mas que ele entendia que as pessoas fariam disso um circo! Foi ai que ele propôs um acordo...

─ Que acordo? Eu tenho tanto medo desses seus acordos Emma!

─ Calma, eu juro fazer certo dessa vez! Ele concordou continuar fingindo ser meu namorado publicamente se eu ajudar ele com a menina que ele gosta!

─ Pera, você então é amiga dessa menina?

─ Eu sou e juro que tentei não julgar na hora que ele falou, eu segurei muito a minha língua! Enfim, mas o problema é que você precisa ter alguém também e eu não consigo pensar em outra pessoa sem ser o Robin ─ olhei para ela e suspirei ─ Gina antes que você me mate, eu juro juradinho que eu falo com ele, eu digo que ele não pode passar dos limites com você e que ele tem que se desculpar com você, porque afinal ele te deu um susto do caralho, eu prometo que faço isso! Nós precisamos disso pra poder continuar juntas, por favor! ─ Regina olhou para mim por alguns minutos e suspirou.

─ Tudo bem Ems, eu concordo, mas você tem que falar com ele e garantir que ele não vai passar dos limites de novo!

─ Eu prometo! ─ me joguei num abraço apertado na minha melhor amiga e ela me empurrou como sempre fazia.

─ Espero que de certo Emma...

REGINA’S POV

Assim que o sinal soou indicando o final do intervalo, eu e Emma voltamos para a sala de aula. Eu estava em desespero, se Emma soubesse que eu tinha ido a um encontro com Robin e que teoricamente ele já tinha me pedido desculpas ela iria pirar e quebrar o nariz dele de novo. Esperei passar uma aula e pedi parar ir ao banheiro. Chegando lá tirei meu celular do bolso e abri na conversa com Robin e mandei uma mensagem.

Regina: Oi, Robin não comenta com ninguém sobre a nossa saída de ontem, só por enquanto ok?

Robin: Matando aula no banheiro? Haha, tudo bem, não irei comentar!

Regina: Obrigada! E não, não estou matando aula! Eu estou voltando agora e você volte pra sua aula de educação física.

Robin: Ok, beijos.

Regina: Beijos.

Voltei para a aula mais calma e relaxei ao sentar na cadeira. Não sabia se contava ou não para Emma, talvez eu contasse mais para frente, mas por enquanto isso seria um segredo. Ela estava muito envolvida em fazer tudo dar certo e com os nervos tão a flor da pele que com certeza não lidaria bem com uma noticia dessa.

Fiquei pensando em quem seria a tal garota que Killian estaria perdidamente apaixonado a ponto de fazer um acordo desses. Ele realmente gosta da Emma para fazer esse esforço por ela, eu nunca tinha parado para desenvolver alguma afeição por ele apesar de ter crescido praticamente ao lado dele e de Daniel, mas agora eu devia a ele a felicidade da garota que tinha meu coração. Eu não podia deixar as coisas sair do meu controle e nem deixar as coisas ficarem confusas para mim. Eu sou campeã em ficar confusa por qualquer coisa e Robin certamente era uma dessas coisas.

Eu não sabia exatamente onde ele se encaixava, mas esperava que ele não me confundisse em nada no meio desse plano. Queria ter o foco que Emma tem para as coisas que ela ama, as vezes eu posso ate amar algo, porem eu me perco no meio do caminho e tudo fica nublado de repente. É um saco!

As horas passaram voando e logo a hora da saída chegou. Eu e Emma iriamos em direções opostas hoje. Ela iria para a aula de violão e eu para a de piano. Aproveitei para levar a letra que eu havia escrito na madrugada para dar uma melodia para ela, o festival de outono estava ai, não que eu me apresentasse no festival, mas era algo a se pensar. De qualquer maneira eu queria que a letra ganhasse vida.

ROBIN’S POV

Assim que recebi a mensagem de Regina fiquei intrigado. Qual seria o motivo para ela querer esconder o nosso encontro? Bom, isso não ficaria assim, eu iria descobrir seja la o que fosse e iria conquistar essa morena, precisava só conquistar a confiança dela. Peguei meu celular e desbloqueei para enviar uma mensagem.

Robin: Oi, sobre ontem, sei que já deve ter contado pra sua matilha, mas mantenha em segredo do resto por enquanto ok?

Ruby: Oh! E porque eu faria isso?

Robin: Digamos que talvez eu possa descobrir algo sobre a sua loirinha querida..

Ruby: Querida na casa do caralho, aquela vadia arruinou meu aniversario! Ok, eu mantenho o segredo, mas você não demore em descobrir o que quer que seja pra mim!

Robin: Tudo bem lobinha, não precisa uivar tão alto! Beijos

Ruby: Beijos.

Nova York – Queens ─ Terça-feira – 10:45pm

Colin seguia pelas ruas movimentadas da cidade e pegou o celular descartável que usava para falar com seus parceiros. Discou o numero de Will e esperou.

─ Will? ─ ele ouviu barulho de buzinas no fundo da ligação ─ é o Colin!

─ Oi, fala parceiro, desculpa o barulho! Estou te escutando!

─ As duas que a Ginny conseguiu na loja do shopping ─ ele deu uma pausa.

─ Sim, as duas ricas, fala!

─ Eu consegui, estou dentro! ─ ele sorriu lembrando-se da apresentação de hoje de manha.

─ Você não existe parceiro! 



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...