História Insane - Capítulo 37


Escrita por: ~

Postado
Categorias Justin Bieber
Personagens Justin Bieber, Personagens Originais
Tags Ashley Bennet, Justin Bieber
Exibições 474
Palavras 1.306
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Crossover, Drama (Tragédia), Festa, Luta, Romance e Novela, Suspense, Terror e Horror, Violência
Avisos: Álcool, Drogas, Estupro, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Nudez, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Olá!
Primeiro de tudo queria pedir desculpa a todas as pessoas que desiludi com o final da fic, mas bem esta sempre foi a minha ideia e nao vou mudar, nem todas as histórias tem um final feliz e esta foi uma delas.
Eu vou fazer uma segunda temporada (com um final feliz kkkk), vai ser a vida do Justin a apartir daqui, basicamente é como ele reconstruiu a sua vida, é obvio que gostava que lessem, apesar de ser a continuação desta fic vai ser como uma nova porque vai ter uma nova história, mas haverá personagens que irão continuar, o Richard o Tobais(talvez) o Justin o Ryan a Dona Maria e depois mais para o meio da fic talvez apareçam mais uma ou duas.
Tenho muita pena de vos ter desiludido e que não queiram ler mais a fic... Desculpem
Obrigada por tudo 💜💜 espero que tenham gostado e espero que gostem dentro do possível do último cap kkkkk e da próxima temporada também 😙

Boa Leitura 💜😘

Capítulo 37 - Ele só precisa de alguém que não desista dele


 

Ashley! - chamei entrando a porta de casa mas ninguém respondeu. - Ashley? Onde você está?  - voltei a chamar.

- Aqui! - respondeu descendo as escadas a correr e se jogando nos meus braços. - Ainda bem que você voltou, estava com saudades. 

- Eu também tinha saudades. - envolvi seu corpo nos meus braços me acalmando.

- Você tinha? - me encarou surpreendida.

- Você não acredita? 

- Acho estranho...

- Eu gosta de você, não gosto de estar longe, gosto de te manter de baixo de olho. - disse e ela riu.

- Até parece que eu vou fazer algo errado... 

- Nunca se sabe. - disse e ela arregalou os olhos. - Tou brincando você sabe que não é por você que eu tenho medo...

- Que tal aproveitarmos o tempo em vez de estarmos a falar de coisas pouco interessantes?  - sorriu acariciando a minha nuca. 

- Eu acho que é uma otima ideia

....

 

- Drew, acorda! - alguém me abanou. -  Justin vá lá mano acorda! Tamos com probelmas graves.

- Ashley... - murmurei.

Abri os olhos devagar, eles estavam tão pesados que a minha vontade era fecha-los de novo, a minha cabeça parecia que ia explodir, pouco a pouco os momentos da noite foram me vindo a cabeça e com eles veio o vazio e todos os sentimentos que me faziam ficar de rastos, sem chao.

-Saí daqui Ryan! - disse grosso.

- Justin-

- SAÍ CARALHO! - o interrompi.

Não queria ver ninguém na frente, queria ficar sozinho, queria esquecer o que se estava a passar, eu queria poder ignorar tudo, queria apagar tudo da minha memória, tudo o que tivesse a ver com ela, todas as memórias,  todos os sentimentos que ganhei... eu queria que tudo desaparecesse tal como ela desapareceu da minha vida.

A porta do escritório foi aberta e no momento que eu vi quem era, nem sei descrever o que senti, foi uma mistura de raiva, nojo e odio.

- Alguém acordou mal humorado. - Richard disse entrando pelo escritório a dentro. - Que tal estás Bieber?

Eu não fui capaz de responder, fui buscar forças a toda a raiva que tinha e eu juro que o matava, se um dos meus homens não me tivesse agarrado e impedido e ir para cima dele.

- Solta-me caralho! - comecei a debater-me. - Solta-me é uma ordem. 

- Eles não recebem mais ordens tuas Justin.  - Richard disse. - Agora trabalham para mim. Você perdeu.

- Mas que merda é está?  Me solta! Ryan faz qualquer coisa!  

Antes de o Ryan poder fazer algo ele já tinha uma arma apontada nele.

- Eu avisei Bieber. - riu. 

- Você matou a sua própria filha. - falei entre dentes. - Não passa de um filho da puta da pior espécie.

- Eu acabei com você Bieber, os sentimentos são uma merda não é?  

- Já que me tirou tudo me tira a vida também. - pedi e ele riu. - Vai me mata! Não é isso que você quer?

- Eu quero que você sofra e morto não é possível. A sua mãe despareceu, porque ela sabe que se ficar eu vou te matar. - disse com um sorriso no rosto e eu senti um aperto no peito ainda maior. - E a você eu vou fazer uma proposta. - falou para o Ryan. - Você pode ir embora, como fizerem os seus amiguinhos e eu te deixo em paz, ou você fica com o seu "irmão" aí e vive segundo as minhas condições.

- Eu fico. - Ryan disse.

- Eu quero que vá. - falei.

- Mas eu fico. - Ryan insistiu.

- Que romântico. - Richard riu. - Você ainda se vai arrepender da opção que fez.

 

Um ano mais tarde...

 

Ryan's p.o.v.

Eu e o Justin agora moramos em Miami num apartamento, o Richard obrigou nos a morar aqui,  basicamente  nós vivemos livremente mas segundo algumas ordens. Para o Justin tem sido horrível, o Richard tortura-o. Ao início ele recusava-se a fazer o que o pai da Ashley mandava e depois apanhava dos homens dele, houve uma altura que eu tive que o levar para o hospital e ele teve que ficar internado. O grande problema é que o Justin parece que gosta de apanhar, ele as vezes faz por isso e apesar de agora estar tudo mais calmo ele não consegue ultrapassar a morte da Ahsley. 

Desde que viemos para Miami, eu arranjei um trabalho decente, agora sou empregado num restaurante e o Justin, ele também era mas foi despedido porque não é capaz de assumir responsabilidades nem muito menos cumprir horarios,  e quando cumpria os horários não aparecia nas melhores condições.

Entrei no apartamento e como na maioria das vezes lá estava ele, deitado no sofá da sala sem expressão nenhuna no rosto, com um olhar distante e pesado, igual a todos os dias.

- Boa tarde. - disse pousando as chaves cima da mesinha da entrada.

- Boa tarde. - respondeu. - A Dona Maria ligou. - disse passado um pouco.

- Ligou?

- Ela quer me dar outra oportunidade... -  revirou os olhos.

- Você vai? - perguntei e ele deu aos ombros. - Você tem que ir.

- Eu não entendo porque ele me dá tantas oportunidades...

- Talvez ela precise mesmo de alguém lá...

- Eu passo lá os dias sem fazer nada Ryan, entram 5 pessoas no maximo ao dia...

- Não sei irmão. - respondi e um sorriso sem um pingo de alegria lhe apareceu no rosto.

- Eu vou fazer merda de novo.

- Porque você quer! Você quer que ela te despeça mas eu tenho um pressentimento que isso não vai acontecer. 

A Dona Maria era a mais recente antiga patroa dele, ela sempre foi muito compreensiva com o Justin, quando ele chegava atrasado,  quando ele aparecia bebado ou pior ainda, ela sempre compreendeu e dava-lhe sempre mais oportunidades, ele trabalhava num café pouco movimentado, ela não precisava dele lá,  mas provavelmente tinha pena dele, porque eu não sei... sei que por mais merda que ele fizesse ela voltava sempre a contrata-lo, talvez ela o consiga ajudar. Eu tentei ajuda-lo tantas vezes, mas não consegui e por mais que me esforce nada parece melhorar a sua situação, porém nunca desisti dele, eu acho que nunca ninguém achou que o Justin ficasse assim pela morte de uma garota, se eu não estivesse com ele, ele teria ficado louco. Fui único que fiquei com ele, todos os outros escolheram ser livres, mas eu fiquei com ele, eu tentei de tudo para que ele superasse a morte dela, mas ele é como se tivesse morrido com ela. Eu vi tudo o que ele passou, eu tenho tanta pena por ele. Ele amava-a de verdade e não sabia, e quando descobriu foi tarde de mais, ficou sem nada. Eu não tenho a mínima noção do que deve ser estar no lugar dele, mas sei que ele sabe o grande erro que cometeu em sempre ter negado tudo o que sentia, e agora está a pagar caro por isso. Está preso a todos aqueles sentimentos negativos, mas talvez agora as coisas mudem, agora que existe alguém para além de mim que não desite dele, ir trabalhar faz-lhe, mesmo que ele odeie e que faça de tudo para não ir. O Richard não nos deixa estar nem por perto dos negócios, as vezes temos que vender droga para ele, mas tirando isso... eu sei que ao Justin isso também o afeta, eu roubou-lhe tudo, incluindo a família, mas é bom começar de novo ter uma vida normal e o Justin mais tarde ou mais cedo vai perceber isso, vai deixar de se importar com as coisas que o Richard lhe faz e vai seguir em frente.


Notas Finais


Até ao próximo 😘😘😘


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...